História Freedom - ABO - EM EDIÇÃO - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Abo Bts, Abo Universe, Alfa, Alfa Lúpus, Bangtan, Bts, Hoseok, Jhope, Jikook, Jikook Abo, Jimin, Jin, Jungkook, Mpreg, Namjin, Namjoon, Ômega, Seokjin, Suga, Taehyung, Vhope, Yoongi
Visualizações 1.898
Palavras 2.274
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá pessoas *----* 33 favoritos <3 Nossa muito obrigado !! Fico feliz que estejam gostando >///<
Ah e antes que eu me esqueça, no presente, a idade dos meninos é:
Jimin : 22 Namjoon : 19 Taehyung : 17
Jungkook : 25 Seokjin(Seojin) : 24 Hoseok : 17 Yoongi : 16

Capítulo 4 - Dias atuais


Fanfic / Fanfiction Freedom - ABO - EM EDIÇÃO - Capítulo 4 - Dias atuais

[Reino de Soha] 

[Dias Atuais] 

— 

[Jimin POV] 

— Vamos acorde Jimin, já é de manhã, você tem que tomar seu café. — Dizia a senhora YeonHwa enquanto tentava me descobrir para me acordar, sem muito sucesso. 

— Hm, me deixa dormir, eu to com sono.. — Resmunguei me cobrindo até o topo da cabeça tentando fugir de toda aquela luminosidade de doer os olhos. 

— Tem certeza que não vai querer seu presente de aniversário? — Ouvi a mesma perguntar. 

Sentei na cama no mesmo instante, eu havia esquecido completamente que hoje completaria vinte e dois anos. 

— Como assim presente? — Perguntei não me contendo de curiosidade. 

— Bom, você tem insistido tanto nos último anos.. — Ela se explicava. 

Senti meu coração quase falhar uma batida, foi absolutamente impossível de conter um sorriso de surgir nos meus lábios. 

— Tipo, mas é AQUILO que eu tenho pedido faz anos? — Perguntei tentando quebrar todo aquele suspense. 

— Não sei, o que você espera que seja, hm? — Vi aquela senhorinha abrir um sorrisinho travesso. 

— Será que depois de quase 5 anos lhe importunando eu finalmente terei um cachorro? — Perguntei sem conseguir conter minha alegria. 

Vi Yeonhwa sair pela porta e alguns instantes depois voltou com um animal peludo em seu colo. 

— Isso é, um cachorro? — Levantei já querendo pegar, enquanto a mesma girava tentando me impedir. 

— Sim, é um cachorro, mas tem que me prometer que vai alimentá-lo, mantê-lo limpo e limpar suas necessidades, vamos prometa. — E continuava a se esquivar com a bola de pelos em seu colo. 

— Eu prometo, prometo, prometo. — E assim ela finalmente permitiu que eu pegasse o cão e enfim me sentei o acomodando em meu colo. 

— Hm, qual vai ser o seu nome hein peludinho? — Perguntei ao mesmo que apenas ficou me encarando enquanto eu fazia carinho em sua cabeça. 

— Hm, o que você acha de Mustafá? É um nome muito bonito, você não acha Mustafá? — Mas o mesmo apenas se aconchegou ainda mais no meu colo. 

— Bom, deixei sua comida em cima da mesa, trouxe seu bolo de aniversário também, de brigadeiro, seu favorito. Não quero saber de comida naqueles pratos, ah.. A ração de cachorro já está no seu armário. — Disse Yeonhwa enquanto se encaminhava em direção a porta. 

— Eu não poderia leva-lo para passear ? — Perguntei com o fio de esperança que ainda me restava de sair daquele cômodo. 

— Oh Jimin, já conversamos sobre isso, regras são regras, você não pode sair, me desculpe. — Disse ela com um semblante triste. 

— Eu não entendo, não sou tolo Yeonhwa, você não pode simplesmente me dizer que não posso sair sem me dar ao menos os motivos disso, eu passei toda a minha vida aqui dentro, é mais do que obvio que tem algum motivo e eu quero saber qual é. — Disse já um pouco chateado com toda aquela situação. 

Todo meu contato com o exterior tinha sido absolutamente impossível nos últimos anos depois da senhora YeonHwa descobrir sobre os aviões de papel e telar aquela maldita janela. 

Era assim em todos os livros, as pessoas eram livres e viviam suas vidas normalmente, assim como as pessoas que eu vi por aquela janela, então por quê? Por que eu era obrigado a ficar nesse quarto isolado do mundo lá fora e sequer podia saber o motivo? 

YeonHwa apenas continuou me encarando sem respostas. 

— Eu vivi aqui dentro por toda a minha vida, mesmo que eu saia não é como se as pessoas fossem me reconhecer não é mesmo? Então por quê? Por qual motivo ainda me mantem aqui isolado nesse quarto? — Grossas lágrimas já escorriam pelo meu rosto a esse ponto. 

— Apenas seja paciente, eu sei que é difícil, mas por favor, não torne as coisas mais difíceis do que já são. Será que você não pode simplesmente se conformar que nunca vai poder sair desse quarto? Quantas vezes já conversamos sobre isso? Jimin, não adianta insistir sobre isso, não acho que seja conveniente lhe dizer o motivo, mas pensarei sobre isso. Agora coma seu café da manhã e tome logo um banho. — Disse parecendo estar insatisfeita com a situação e logo saiu pela porta a trancando. 

Bufei me jogando sobre a cama novamente, eu ainda ia descobrir o motivo de tudo isso, ah se ia. 

 

[Mais tarde no mesmo dia] 

— O que você acha Mustafá, não seria muito mais fácil se fosse como nos livros? Nós poderíamos apenas correr por ai, fora desse quarto ! Conhecer outras pessoas e brincar com outros cachorros ! .. — Me senti um pouco triste em pensar que ele estaria fadado a viver isolado comigo naquele quarto apenas por um capricho meu. — Me desculpe amiguinho, me avise se quiser ir embora, prometo que deixo você ir. — Mas o mesmo apenas me deu uma lambida no rosto como resposta. 

 

[TaeHyung POV] 

Já estava procurando meu irmão fazia pelo menos uma hora e mesmo assim não fazia ideia de onde aquele idiota havia se enfiado, maldita hora em que papai me pediu para procura-lo para o jantar. 

— NAMJOON?! ONDE FOI QUE VOCÊ SE METEU? — Eu gritava pelos corredores na esperança de obter alguma resposta. 

Então percebi uma escada que nunca havia notado antes, andei por ela até que ela me levasse a um corredor, segui por ele e ia virar a direita, mas me escondi de volta quando vi dois guardas parados em frente a uma enorme porta de ferro, por que diabos colocariam guardas em uma parte do castelo que era pra estar vazia? Voltei a espiar me esgueirando pela parede e vi a porta se abrir e sair de lá, YeonHwa? 

— YeonHwa? É você? —Perguntei a mesma que pareceu surpresa ao me ver ali. 

— Oh vossa alteza, o que o trás até esse lado do castelo? — A mesma fez sinal para que os guardas trancassem a porta novamente. 

— Hm, estou procurando Namjoon, você viu ele por ai? — Perguntei. 

— Não senhor, não o vi o dia todo, vamos eu lhe ajudo a procurar. — E se pôs a andar pelo corredor, parando logo em frente a minha espera. 

— Hm, YeonHwa? — A chamei. 

— Sim, vossa alteza? — A mesma respondeu sempre muito formal. 

— Já disse que pode me chamar pelo nome, não gosto dessas formalidades. — Fiz bico cruzando os braços. 

— Certo, Taehyung, pois bem, agora fale. — Disse ela. 

— O que tem atrás daquela porta de ferro? —Perguntei a ela que ficou visivelmente surpresa pela pergunta. 

— Nada que deva se preocupar Taehyung, nada de importante. — A resposta me soou um pouco nervosa. 

— Hm, estranho, eu nunca havia percebido aquela porta antes. — Disse explicando minha curiosidade. 

— É apenas um depósito velho, nada de muito interessante. — Vi a mesma olhar para um ponto ao longe e segui seu olhar encontrando Namjoon.  

— NANJOON ! Onde diabos você tinha se metido!? — Gritei ao longe. — Obrigado pela ajuda YeonHwa — Disse sorrindo e corri até meu irmão. 

— Eu estava no estábulo com os cavalos. — Disse ele despreocupado. 

— Tem noção do tempo que fiquei te procurando? Cheguei a pensar que havia morrido. — Eu disse fazendo bico. 

— Não seja exagerado, mas porque estava me procurando? —Perguntou enquanto ia até uma torneira próxima lavar suas mãos. 

— Papai pediu para eu lhe chamar, o jantar será servido mais cedo hoje. Na verdade devemos estar atrasados. — Eu disse coçando minha cabeça. 

 

— 

 

Estávamos todos reunidos a mesa de jantar, quando me veio a cabeça a porta de ferro que eu encontrara mais cedo. 

— Pai? — O chamei e o mesmo me olhou enquanto limpava sua boca com um guardanapo. 

— Fale filho. — E fez sinal para que eu prosseguisse. 

— Eu estava andando pelo castelo hoje.. — Todos na mesa me encaravam prestando atenção. — E encontrei uma grande porta de ferro guardada por dois guardas, o que é que tem lá dentro de tão importante para ser guardado por uma porta de ferro? — Vi meu irmão e mamãe olharem para papai como se também quisessem saber a resposta. 

No mesmo instante o vi se engasgar com o suco que tomava e YeonHwa derrubar a bandeja que carregava, a tensão parecia pairar no ar, eu apenas não sabia o motivo, ainda. 

Meu pai pigarreou e então voltamos a encara-lo. 

— É apenas uma parte antiga do castelo, nada que você precise se preocupar meu filho. — Respondeu e voltou a comer. 

— Hm, mas e pra que os guardas? — Perguntei um pouco desconfiado. 

— De onde foi que você saiu tão curioso Taehyung? Já disse que não é nada de importante. — Ele disse um pouco ríspido. 

— Certo, desculpe pai. — E voltei a comer meu jantar de cabeça baixa. 

 

— 

[ Mais tarde do mesmo dia no Escritório do Rei ] 

 

[ YeonHwa POV] 

 

— Você ainda mantem o garoto naquele quarto ? — Perguntou-me o rei enquanto assinava alguns papéis em sua mesa. 

— Sim vossa majestade. — Respondi com a cabeça baixa. 

— Fazem quantos anos mesmo ? Vinte? — Questionou-me sem muito interesse. 

— Vinte e dois vossa majestade. —  O mesmo finalmente largou seus afazeres e me direcionou o olhar. 

— Hm, entendo, e como ele está? — E voltou a assinar os papéis. 

— Está bem senhor, apenas um pouco curioso sobre o motivo de não poder sair de seu quarto. — Respondi sinceramente. 

— E disse a ele? — Voltou a me olhar e parecia um tanto incomodado. 

— Não senhor, disse a ele que não podia lhe dizer o motivo. — 

— Após todos esse anos até mesmo duvidei de que a criança ainda estivesse viva. — Disse com uma expressão cansada. 

— Se arrepende de sua decisão vossa majestade? — Perguntei  

— Queria que não tivesse nascido ômega, ou que pelo menos tivesse nascido mulher, mas não tenho outra escolha, não posso deixa-lo sair, minha mulher jamais me perdoaria se soubesse que o mantive cativo durante toda a vida. — Ele parecia estar muito angustiado com aquilo tudo. — Vou ter que pensar sobre o assunto, talvez eu o mande para viver longe daqui, lhe manterei informada. Já pode se retirar. — Assenti e fui em direção a porta. 

— Acha que Taehyung pode estar desconfiando de algo? — Me questionou antes que eu saisse. 

— Acho que ele não vai insistir no assunto após sua resposta no jantar senhor. — Respondi 

— Ótimo.  

E me retirei de seu escritório. 

 

[Reino de Rawi] 

[Dias Atuais] 

 

[SeoJin POV] 

 

Estávamos todos sentados a mesa de jantar quando nosso pai se pronunciou. 

— Eu estive negociando algumas coisas com o Reino de Soha, eles se interessam por nosso poderio militar e nós nos interessamos pelos seus recursos minerais, eles nos propuseram um casamento entre seu ômega mais novo e nosso princípe herdeiro. — O mesmo disse sem muita preocupação. 

Todos nós o encaramos e Hoseok praticamente deixou os talheres cairem sobre o prato, pois o barulho foi claro. 

— Casamento, assim tão de repente? Por que não casa SeoJin com o herdeiro deles? Por que logo meu bebê? — Disse MinAh já chorosa e eu me encolhi com a ideia. 

— Eu não sou nenhuma criança mamãe, posso assumir responsabilidades. — Hoseok disse em resposta a sua mãe. 

— Claro que não pretendo dar meu herdeiro de mãos beijadas para aquela família de excêntricos, ainda não entendo como puderam permitir que seu herdeiro pintasse o cabelo de verde, pelo amor de deus. — Era visível em sua voz o tom de desdém. — SeoJin é muito mais velha que Namjoon, então pensei em oferecer a mão de YoonGi ao herdeiro deles. —Concluiu e a cara de surpresa de Yoongi foi evidente. 

— Mas você mesmo não disse que aquele garoto excêntrico pintou o cabelo de verde? É claro que não vou permitir meu pequeno príncipe a se casar com aquela.. Coisa! — Disse indignada. — Case o filho daquela mulher, não quero minhas crianças envolvidas com aqueles meninos detestáveis. — Disse visivelmente enojada ao se lembrar de Namjoon e Taehyung. 

— Posso saber o que é que tem de não detestável com os meninos? Não sei se a senhora sabe mãe, mas eles são meus amigos ! — Hoseok rebateu com os punhos já serrados sobre a mesa. 

— Hora essa, eles deixam aqueles garotos a deus dará, fazendo o que quiserem e sem sequer uma educação decente, acha que filho meu iria sair perambulando assim pelo reino que nem aqueles dois fazem? — Ela disse tentando ainda defender seu ponto de vista. 

— Talvez seja por que seus pais não são insuportáveis ! — Disse Hoseok se levantando e saindo a passos fundos da sala de jantar. 

— Mas hora essa, onde pensa que vai?! Como se atreve a dar uma resposta dessas a sua mãe? Insuportável?! Insuportável são essas suas atitudes ridículas ! — A mesma esbravejava em resposta a rebeldia do filho. — Pode tratar de casar Seojin, aquele bastardo, ou até mesmo uma de suas governantas, não me importo, apenas não ache que vai casar meus filhos com qualquer principezinho que achar conveniente. — Disse jogando seu guardanapo sobre a mesa e se retirando da sala. 

— SeoJin querida, como anda seu irmão? — Perguntou-me de forma aparentemente interessada, coisa que duvido muito por sinal. 

— Que irmão papai? — Me fiz de desentendida. 

— Acha que sou tolo Seojin? Aquele bastardo que você insiste em chamar de irmão, ou acha que não sei de suas visitinhas a ele naquela prisão? — Disse já exaltado. 

— Ele está bem, papai. — Eu respondi de cabeça baixa. 

— Não está pensando em casa-lo com Taehyung está? Ele sequer é seu filho ! —Yoongi disse já alarmado. 

— Não interessa se é meu filho ou não, importante é eles não saberem disso, com Seojin o chamando de irmão a única coisa que preciso é que aquele bastardo coopere e não terei que ceder nenhum de meus preciosos filhos para aquela gente. — Respondeu a Yoongi que se encolheu em sua cadeira. — Trate de falar com seu irmão sobre isso Seojin, quero a resposta daquele imundo o mais rápido possível, o convença a fazer isso e deixo você até mesmo escolher seu noivo. — Disse e se retirou da mesa, deixando ali apenas eu e Yoongi, já sem muito apetite.


Notas Finais


YAAAH !! Espero que tenham gostado *u* Estou tentando meu máximo pra fazer capítulos maiores e deixar a história interessante, tomara que estejam curtindo >.<
Já odeio essa megera da MinAh, o mulher insuportável, dá até pena dos meninos serem filhos dela D:

BEJO BEJO BEJO <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...