História Freiheit - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, JR, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Ação, Freiheit, Jikook, Jin, Markson, Namjin, Namjoon, Vhope
Exibições 234
Palavras 3.175
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii Cupcakes <3!!! Eu estou atrasada alguns minutos, mas culpem a minha MALDITA INTERNET QUE NUNCA FUNCIONA QUANDO EU PRECISO DELA!!! ESSA JÁ É A TERCEIRA VEZ QUE TENTO POSTAR ESSE CAPÍTULO E ELA NÃO FUNCIONA!!! Enfim, perdão pelo atraso. Dessa vez não foi minha culpa, juro!

Queria agradecer demais aos comentários do capítulo passado. Fico muito feliz que tenham aprovado a minha ideia. Obrigada ~Miawzi, ~Kisuky, ~gabstevanato, ~alimac213, ~LadyNick, ~ask_pandinha, ~JFenix, ~Jtlouco, ~Wedarksouls e ~Aycha pelos comentários incentivadores. Espero que gostem desse capítulo. Vejo vocês nas notas finais. Boa Leitura...

Capítulo 19 - Dezoito


Capítulo XVIII – Kim SeokJin

 

   

Os corredores do esconderijo se encontravam vazios, devido ao horário em que nos encontrávamos. Os únicos sons audíveis eram os de minha respiração e de Yoongi e o bater de nossas botas no chão. Por mais que eu mantivesse o semblante neutro, meu coração estava acelerado e as lembranças da conversa de mais cedo ainda invadiam a minha mente.

“Eu te amo”

Ainda era difícil acreditar que Kim NamJoon havia declarado me amar e de maneira tão espontânea e sincera que nem mesmo posso duvidar de suas palavras. Um suspiro escapa por entre meus lábios para, em seguida, um sorriso ser formado. Por alguns instantes, permito-me relembrar de nosso beijo e acabo por levar minha mão a minha boca, desejando sentir aquele toque delicado e tão viciante mais uma vez.

- Eu não quero desapontar seus pais, mas não posso controlar meus sentimentos. – Fala Yoongi com um sorriso malicioso em seus lábios. – Como foi a continuação mesmo? Minha memória anda tão fraca ultimamente. - Olho assustado para o agente e ele dá de ombros, sem nem mesmo disfarçar seu divertimento. – Ah, lembrei! Serei egoísta pela primeira vez na minha vida. Se for preciso ir contra seus pais, os meus e o meu país pela minha felicidade, assim o farei.

- Calado, Yoongi! – Repreendo-o, sentindo meu rosto esquentar com as provocações do agente. – Por favor, esqueça esse assunto. Você não ouviu nada.

- Eu ouvi sim. E ouvi muito bem, se quer saber. – Comenta o loiro com animação. Resmungo, prevendo que teria que lidar com as piadas constrangedoras do rapaz. - Foi tão doce que tive vontade de vomitar.

- Por favor, pare. – Imploro quase chorando. Não estava sendo fácil lidar com a minha timidez e minha consciência me condenando por não ter sido capaz de falar tudo que estava em minha mente não estava me ajudando a manter a minha sanidade.

- Só estou comentando que achei fofo. – Responde Yoongi, sem se sentir comovido pelo meu apelo. – Você tinha que ver a sua cara de apaixonado.

- Yoongi! – Repreendo-o, colocando as mãos sobre meu rosto. Naquele momento, tudo o que eu queria era pular no pescoço de Yoongi e apertá-lo até que ele desmaiasse.  

Eu sabia que era bobagem me sentir tão envergonhado pelas palavras do loiro, mas eu não conseguia evitar me sentir exposto ou frágil. Estar apaixonado por alguém que não fosse minha noiva não estava nos meus planos e essa mudança de sentimentos dentro de mim me assustava. Eu sinto como se todos tivessem ciência que o meu mais novo ponto fraco é Kim NamJoon. Nunca demonstrar fraqueza ou sentimentos desnecessários é a primeira regra estimulada pelos meus pais e eu estou a quebrando sem hesitação.

- Tudo bem.  – Dita o agente, notando a minha mudança de humor. – Não se sinta envergonhado, príncipe. Está apaixonado é algo bom. Significa que você está vivo e que é um ser humano.

- O que eu estou fazendo, Yoongi? – Questiono-o e suspiro, frustrado. – Por que sempre acabo por decepcionar as pessoas de quem mais desejo aprovação? Quando finalmente acredito ser capaz de mudar a opinião de meus pais, quando recebo a oportunidade de provar que posso sim ser um líder no qual meu povo pode confiar, eu acabo por me apaixonar pelo irmão gêmeo de minha noiva.

- Vossa Alteza ainda pode provar que será um grande líder, príncipe SeokJin. – Afirma Yoongi com sinceridade. – Seus árduos treinamentos e tempo gasto em estudos não foram em vão, Alteza. Independentemente de sua opção sexual, isso não influenciará em nada em sua capacidade de liderar um povo.

- Um rei gay. Como você acha que o Conselho irá reagir, Yoongi? Eles não aceitarão. Nem eles e muito menos os meus pais e você sabe disso. Aqueles homens cruéis não pensarão duas vezes antes de me massacrar. – Respondo e o vejo balançar a cabeça, concordando a contragosto. – E os pais de NamJoon? Eles ficarão tão decepcionados quando descobrirem o motivo do rompimento do noivado.

- De qualquer forma, você não está sozinho nessa, príncipe. Ainda que tenhamos que enfrentar o Conselho e seus pais, Vossa Alteza assumirá o trono de Krysttal e libertará nosso povo de toda a maldade que os cerca. – Yoongi sorri com confiança e aponta para a porta no final do corredor, onde ocorreria a vídeo-transmissão com YuGyeom. – E eu tenho esperanças de que os pais de NamJoon, um dia, entenderão que por mais que eles queiram o melhor para seus filhos, obrigá-los a casar com quem não amam não é a melhor forma de protegê-los do mundo. Pelo pouco que vimos sobre Kim Bom Yi e Kim Yunho, eles possuem bons corações e no fundo, só querem a felicidade de SunHee e NamJoon.  

- Obrigado, Yoongi. – Agradeço, sentindo-me melhor por suas palavras de apoio. Suspiro e coloco minha mão sobre o leitor digital da sala. – Só rezo para que você esteja certo.

Yoongi e eu entramos na sala, que era semelhante a que eu estava anteriormente com NamJoon e SunHee, e vejo um dos homens do agente trabalhando no computador principal da sala de reuniões. Na grandiosa tela que ocupava a maior parte da parede, a imagem de YuGyeom era exposta. Ele parecia ansioso e assim que me ver, sorri e suspira mais aliviado.

- SeokJin! – Exclama o rapaz, sorrindo docemente. – Não sabe o quanto estou aliviado por vê-lo bem.

- YuGyeom! Eu também estou muito feliz de revê-lo. – Afirmo com sinceridade. Apesar de não sermos amigos próximos - conversávamos mais por vídeos-chamadas e cartas -, nas poucas vezes que nos encontramos pessoalmente, ele havia sido bastante gentil e prestativo.

- Vincent me contou sobre sua situação. Eu realmente fiquei preocupado com seu estado. – Explica o rapaz, encarando-me com atenção. – Confesso que tive que insistir muito para que ele e Juyeon me dissessem como entrar em contato com você.

- Eu estou bem. Não há com o que se preocupar. – Garanto sorrindo levemente, tentando acalmá-lo. – Mas, diga-me. Qual o motivo de sua ligação tão repentina? Para Vincent e Juyeon terem revelado a minha localização, suponho que o assunto seja sério.  

- Lamento ter que concordar. – Concorda com pesar. – Tenho notícias de Krysttal e, infelizmente, não são agradáveis.

– O que aconteceu? – Pergunto, preocupado.

Ayres visitou Krysttal dois dias atrás. – Diz e sinto meu coração parar por um momento. – Ele e sua mãe se encontraram na parte mais afastada da cidade e do castelo. Não sei ao certo o que aconteceu, mas a rainha voltou muito abalada. Eu soube, também, que alguns espiões de Rhosália e Sonória estão rondando o castelo desde esse encontro.

– O que? – Apesar de já imaginar que Ayres não demoraria a aparecer, ainda era impossível não ficar surpreso com a agilidade com que ele e Max estão nos atacando. – Mas, e os guardas reais? Não houve nenhuma ordem de expulsar os inimigos?

Isso é o mais estranho, SeokJin. Sua mãe deu ordens para que nenhum dos espiões fossem atacados. Aparentemente, a rainha está protegendo os nossos inimigos. – Informa YuGyeom com preocupação.

– Não pode ser verdade. – Falo, analisando a situação. – Minha mãe pode não estar nas melhores condições, mas ela jamais colocaria o reino em perigo se não fosse por algum motivo. Eu a conheço bem. Além disso, até o momento, eu não recebi nenhuma informação de seu paradeiro. YuGyeom, você precisa descobrir a verdade. Você é o aliado mais próximo e em quem mais confio. Por favor, descubra mais sobre essa visita.

Não é tão simples assim, SeokJin. – Diz o rapaz com apreensão. – A situação de Krysttal é muito mais complexa do que você imagina. O reino está um caos desde seu desaparecimento e, praticamente, sem um governante. A rainha não saia de seu quarto desde que ocorreu esse encontro. Com o ataque ao rei HeeJoon, tudo piorou. O povo está assustado e não faz ideia do que está acontecendo. O boato de que o príncipe não está no país e que está desaparecido já foi espalhado e isso só amedronta ainda mais a população. Apesar de sermos aliados a Krysttal, nenhum dos outros reis podem interferir nas ordens da rainha EunHye em relação ao seu país.

– Que ordens? – Pergunto, confuso.

Nenhuma informação deve ser passada ao povo e se alguém ousar tentar tomar o controle de Krysttal será acusado de traição e poderá receber a pena de morte. – Relata, surpreendendo-me. - Ela deu essa sentenção um dia antes de seu sequestro.

– Como? O que minha mãe pensa que estar fazendo? Isso é loucura. – A indignação começa a tomar conta de mim. - As consequências das atitudes de minha mãe podem ocasionar em ainda mais desespero em nosso povo.

Eu mandei mensagem para os outros aliados, solicitando uma reunião de emergência. Eu descobrirei o posicionamento de cada governante e saberei quais atitudes tomarão em relação as ordens da rainha EunHye. Infelizmente, isso é tudo que posso fazer por você, príncipe. – Admite YuGyeom com tristeza. – Por outro lado, se tiver algo em que eu possa ajudar, por favor, diga-me.

– Por enquanto, continue mantendo contato com Vincent e Juyeon e a investigar os outros guardas reais. Peça para os espiões do reino investiguem até que ponto existe a aliança de Ayres e Max. Procure também descobrir algo mais sobre esse encontro de minha mãe.  – Digo, suspirando cansado. – E, em relação a reunião de emergência com os líderes aliados, eu pretendo participar.

- Você tem certeza? – Pergunta o moreno, surpreso. – Imaginei que quisesse permanecer “desaparecido”.

- Não é como se eu tivesse outra opção. – Respondo com sinceridade. – Com essa notícia do aparente envolvimento de minha mãe com Ayres, precisarei de toda ajuda possível se quiser vencer essa guerra.

- Tudo bem. A reunião está marcada para daqui uma hora. Como sempre fizemos, ela ocorrerá por vídeo-transmissão, então serei capaz de adicioná-lo a conversa. – Explica YuGyeom com seriedade. – Assim que todos estiverem presentes, eu te retorno.

- Certo. – Concordo, sorrindo levemente. – Até mais.

- Até. – Despede-se YuGyeom e a vídeo-chamada é finalizada. Suspiro cansado e sento-me em uma das cadeiras da sala de reunião.

- Pode se retirar, agente Eric. – Digo ao agente que cuidara da transmissão. Ele se levanta e, após uma rápida reverência, sai da sala, deixando-me a sós com Suga.   

- Você está bem? – Pergunta Yoongi, preocupado.

- Eu estaria mentindo se dissesse que sim. – Respondo, respirando fundo. Minha cabeça começava a latejar mais uma vez. Incomodado com a faixa em meu pescoço que sustentava meu braço machucado, tiro-a e expiro, aliviado.

- Você deveria descansar um pouco. – Sugere o agente, indo até o freezer que havia no canto da sala. Ele pega uma garrafa de água, a abre e me entrega. – Faz mais de trinta horas que você não dorme e ainda passou por duas situações perigosas.

- Não tenho tempo para descanso. – Digo, tomando mais um gole de minha água. – Mas, você deveria ouvir o seu próprio conselho e ir se deitar um pouco.

- Eu estou bem. – Garante Yoongi com seriedade. Ele se senta a minha frente e parece procurar coragem para fazer uma pergunta. Encaro-o com desconfiança e o vejo suspirar, frustrado. – O que pretende com essa conversa repentina, Alteza?

- Antes de mais nada, pare de tanta formalidade, Yoongi. Imaginei que eu tivesse sido claro quando pedir para me chamar de Jin. – Digo e o vejo sorri, concordando. – E sobre a conversa, eu preciso saber se posso confiar em nossos aliados e impor a minha posição como futuro rei de Krysttal. Querendo ou não, eu ainda preciso do apoio deles se quiser derrubar o Conselho.

- Acha que eles irão concordar com a sua participação? – Questiona o agente com curiosidade.

- Eu estou torcendo para que a resposta seja positiva, mas não tenho certeza de nada. – Confesso um pouco preocupado. Batidas na porta ecoam pela sala, surpreendendo a mim e a Yoongi. – Entre.

- Oi. – Cumprimenta NamJoon com cautela, enquanto entra na sala de reuniões.

- NamJoon? O que faz aqui? Não deveria estar dormindo? – Pergunto, preocupado. – Aconteceu alguma coisa?

- Não, hyung. Não aconteceu nada. - Esclarece o mais novo, rapidamente. – Na verdade, fui expulso do meu quarto.

- Expulso? – Indaga Yoongi, confuso. – Por quê?

- SunHee disse que eu ronco demais e me colocou para fora do quarto aos tapas e chutes. – Responde, envergonhado. Não consigo evitar ri de sua situação e sou acompanhado por Yoongi. – Não riam! Não sabem o quanto os tapas da Sun são doloridos. E, sem saber o que fazer, resolvi procurar por você, Jin-hyung. Um dos agentes me disse que você estava nessa sala, então eu vim.

- Tadinho do bebê. – Ironiza Yoongi com divertimento. – Então você se sentiu sozinho e veio procurar o consolo nos braços do amor de sua vida?

- Calado, Yoongi-hyung! – Exige NamJoon, incomodado.

- Vocês estão se tornando tão parecidos que até as falas são as mesmas. Eu estou começando a ficar com medo. – Comenta o agente com falsa preocupação. Rio de sua encenação e NamJoon revira os olhos.

- Você é realmente insuportável, Yoongi. – Digo e vejo o mais novo de nós três concordar freneticamente.

- Obrigado. – Agradece com um sorriso provocante em seus lábios. – Mas, não se preocupem, casal. Irei deixar a sala para que tenham mais privacidade.

- Não vai não. – Impeço-o de sair no mesmo instante. – Em alguns minutos a chamada de vídeo ocorrerá. Preciso de alguém controlando o sistema. Apesar de querer ouvir a conversa desde o início, só quero me tornar visível quando YuGyeom me revelar.

- Como desejar, príncipe SeokJin. – Concorda Yoongi, indo se sentar na cadeira, onde seu subordinado sentara instantes antes.

- Chamada de vídeo? – Pergunta NamJoon, confuso, enquanto se sentava no lugar que Yoongi deixara.

- Resumindo tudo, aparentemente, minha mãe estava envolvida com Ayres e Max antes de seu sequestro. Você se lembra que Juyeon citou YuGyeom em nossa última conversa. – Ainda surpreso pela minha última revelação, NamJoon balança a cabeça, concordando, respondendo minha pergunta. – O pai dele está muito doente, então ele está assumindo o controle de seu país provisoriamente até que ele se recupere. Preocupado com o futuro de Krysttal, depois da descoberta de que minha mãe anda protegendo nossos inimigos, YuGyeom decidiu fazer uma reunião de emergência com nossos aliados para saber de suas posições sobre essa situação. Eu irei participar da reunião também.

- Você vai revelar que está vivo? – NamJoon parecia ainda mais preocupado.

- É a minha única alternativa. – Afirmo frustrado. – Ainda que seja em vão e que eu não queira acreditar que minha mãe esteja conspirando contra o seu próprio reino, eu preciso tentar proteger Krysttal de mais um golpe e, para isso, necessito de meus aliados ao meu lado.

- Se essa é a sua decisão, eu não irei me opor. – Dita o rapaz, sorrindo compreensivo.

- Jin, a chamada se iniciará. – Avisa Yoongi, mexendo nas teclas do computador em frenesi.

Ao notar o meu nervosismo, NamJoon pega em minha mão livre e a aperta com força. Desvio meu olhar de Yoongi e encontro os olhos gentis e calorosos do rapaz, transmitindo-me calma e forças. Respiro fundo e sorrio, antes de volta a encarar a grande tela da sala.

- Tudo bem. Eu estou pronto. – Declaro, colocando-me de pé.

As primeiras imagens são projetadas na tela e consigo ver os líderes aliados com suas posturas aristocráticas. YuGyeom, assim como eu, respira fundo e sorri, procurando manter a calma. O destino de Krysttal será definido nessa conversa e tudo pode acontecer.

Olá YuGyeom. – Começa Joseph, preocupado, parecendo estar sentado em seu trono. – Soube das notícias.

Olá Joseph, Victória, Richard e Myungsoo. – Cumprimenta YuGyeom, com o tom de voz firme. – As coisas estão complicadas em Krysttal, como vocês já devem estar cientes. Acredito que precisaremos da ajuda de vocês com maior antecedência do que prevíamos.

– Concordo com sua sentença, YuGyeom, mas acredita que teremos tempo para organizar uma estratégia boa o suficiente para conseguirmos a vitória? – Diz Victória ao lado de seu marido, que permanecia calado.

A rainha Victória tem razão, YuGyeom. – Concorda Myungsoo, o braço direito de meu pai. – Ayres, Max e a Imperatriz estão a muitos passos a nossa frente, se pararmos para analisar.

Acalmem-se, meus amigos. – Fala YuGyeom, suspirando cansado. – Podemos não ter o tempo a nosso favor, mas ainda possuímos uma carta na manga.

E que carta na manga seria essa, YuGyeom? – Pergunta Richard, pela primeira vez se pronunciando.

YuGyeom sorri como se ansiasse pela reação dos outros quando me vissem. Percebendo que esse era o momento para me mostrar, respiro fundo e encaro Yoongi com seriedade. Assinto levemente e não demora para minha imagem se tornar visível para os outros participantes da chamada.

SeokJin! – Falam Joseph e Victória ao mesmo tempo. A surpresa e a emoções em seus olhos faziam com que meu coração batesse mais rápido. Eu estava preocupado, mas também estava ansioso para conversar com as pessoas que estive mais próximo de chamá-los de amigos em minha infância.

– Joseph, Victória. – Cumprimento-os, sorrindo. – Como é bom revê-los.

SeokJin! Meu Deus! Como você está diferente! – Comenta Victória, parecendo encantada com o que via. – Você cresceu tanto, querido. Se tornou um homem tão bonito! Como eu senti a sua falta, minha doce criança.

As lágrimas desciam pelo rosto de Victória com intensidade. Joseph, seu irmão, parecia tão em choque quanto a mesma. Sorrio por saber que o carinho que eles sentiam por mim continuava intacto. Apesar de não ter muitas recordações dos meus momentos com os dois, eu sabia que ambos sempre me trataram como seu irmão mais novo. Após o meu sequestro, nós acabamos por perder o contato e desde então nunca mais havíamos conversado.

– Eu também senti muita falta de vocês. – Confesso, emocionando-me com a reação dos dois.

SeokJin... – pronuncia Joseph, ainda em choque. – Meu Deus! Isso é realmente verdade? É quase impossível de acreditar que estou a vendo depois de tantos anos.

Entendo que estejam com vontade de matar a saudade, mas precisamos resolver as coisas o mais rápido possível. – Diz YuGyeom, afrouxando sua gravata apertada e desabotoando alguns botões de sua camisa social.

NamJoon puxa duas cadeiras para onde eu estava e, depois que me sento, ele faz o mesmo ao meu lado. Por não saber bem como reagir, ele apenas permanece quieto, atento a conversa confusa que teríamos. Os olhares curiosos dos líderes recaem sobre mim, como se esperassem por respostas.

O que pretende fazer, YuGyeom? – Pergunta Richard, com a expressão em um misto de surpresa e curiosidade. – Nós temos dois grandes problemas. A guerra e o suposto envolvimento da rainha EunHye com os nossos inimigos.

Em relação a rainha EunHye, a pedido de SeokJin, providenciei alguns espiões para descobrirem sobre esse encontro, então, até termos respostas, esse assunto terá que ser adiado. Agora, sobre a guerra, eu tenho algo em mente. – Declara o jovem rei, sorrindo suavemente. - SeokJin é o melhor estrategista que conheço. Em poucos meses, ele assumirá o trono e ninguém melhor do que nosso futuro rei para comandar todas as tropas para o confronto que está para acontecer. – Explica YuGyeom, surpreendendo a todos. – O que quero dizer que, a partir de agora, Kim SeokJin será o nosso líder. O que vocês acham?


Notas Finais


E então? O que acharam? Dúvidas? Eu peço perdão pelos erros e caso acharem algum, por favor, não hesitem em me comunicar.

Como eu disse nas notas iniciais, a culpa do atraso foi da minha internet. Nem ela tá colaborando. Esse capítulo não é um dos mais animadores, mas o próximo eu juro que vai ser incrível, porque vai ter o que eu mais amo que é luta. Eu já comecei a escrever o próximo capítulo, então, sim, irei postar hoje!! Por favor, não me abandonem. Eu juro que amanhã tem capítulo novo. Esperem por mim!! Beijocas <3

PS: APAREÇAM, LEITORES FANTASMAS!! TITIA AMA VOCÊS TAMBÉM <3

A Ligação (Oneshot Jikook): https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-bangtan-boys-bts-a-ligacao-6035888
Trailer: https://www.facebook.com/namjin.br/videos/1056403797753045/?__mref=message_bubble
NamJin Brasil: https://www.facebook.com/namjin.br/timeline
Facebook: https://www.facebook.com/larabarbosa.ficwiter
Instagram: @lara7735
Twitter: @llarabarbosa301
WhatsApp: Mande mensagem no privado e darei meu número para conversarmos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...