História Fresh Blood - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Hoseok, J-hope, Taehyung, Taeseok, Vampiros, Vhope
Exibições 323
Palavras 3.128
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura

Capítulo 4 - Terceiro


Fanfic / Fanfiction Fresh Blood - Capítulo 4 - Terceiro

Os dedos nervosos tamborilavam inquietantemente no couro maciço do braço da poltrona que adornava a sala da mansão do Clã Levorg. Hoseok estava nervoso, incomodado com a aparição repentina do líder do Clã Reshli em sua residência em plena luz do sol. Não era como se os vampiros não fossem capazes de saírem pelas manhãs ensolaradas do dia, na verdade, o anel – que só os mais fortes e mais velhos possuem – que alguns costumam usar, os dão liberdades para tal feito, por isso não há preocupação alguma em sair na luz do dia com receio de virar farelo. E, assim como todos os membros do Clã Levorg, o líder Kaiki, do segundo clã citado, também possui aquela joia divina criada pela feiticeira mais poderosa das redondezas.

Acontece que o problema todo é que o Clã Reshli não costuma visita-los sem ter um interesse muito grande em tal ato. Aquela aparição inesperada do líder em sua mansão, só poderia ser más notícias; já que um Clã não procura pelo outro sem intenção de começar alguma guerra ou alguma coisa do tipo – como intenção de adquirir ainda mais poder as custa dos outros, por exemplo. Em outros tempos, houvera muitas guerras e muitos sangues jorrados para que, depois de tantos desentendimentos e muitas mortes, eles resolvessem criar um contrato de paz entre ambos os Clãs. Algumas regras foram criadas pra que existisse tal feito, e, se os membros seguissem as regras sem quebrar nenhuma, não haveria motivo nenhum para guerra ou conflito, já que todos são de espécies iguais e deveriam, no mínimo, se unirem contra rivais de espécies diferentes – lobos e bruxos, posso assim dizer.

Aquele silêncio já estava gritante e incomodativo ao extremo para Hoseok. O “jovem” não aguentava mais aquela tensão entre ambos os líderes. Os dois – líderes – se entreolhavam com certa intensidade, como se ambos temessem a inicializar aquela conversa. Namjoon se encontrava de pé, ao lado da poltrona que seu braço-direito, Hoseok, estava sentado e batendo os dedos incessantemente no couro do móvel. Era percebível que aquele futuro diálogo não acabaria muito bem. O platinado podia ter certeza apenas em olhar os olhos vermelhos-sangue de Kaiki. Este parecia ter saído de sua mansão com um objetivo em mente, e aquilo não parecia nada bom aos olhos do Kim.

- Então... – Namjoon resolveu destruir aquela tensão ao dizer sua primeira palavra. – O que te trás aqui em plena luz do sol? – Questionou, desgrudando o olhar de Kaiki apenas para os outros dois vampiros que o acompanhava, e retornando para o líder. – Presumo que não seja uma simples visita amigável. – Riu baixinho, quase irônico. – Então acredito que não veio trazer notícias muito boas. – Completou, suspirando em seguida ao ponderar a possibilidade de um futuro conflito.

O clima ficou ainda mais tenso depois de todas aquelas palavras vindas do líder do clã Levorg. Kaiki passou a língua pelos lábios pálidos, levando as mãos cinzentas até os cabelos castanhos e rumando os fios assanhados para trás. Seus olhos não desviavam dos do Kim, era como se eles tivessem começado uma batalha entre olhar onde Kaiki decretou que seria o vencedor. Riu seco, depois de alguns segundos longos de pura ponderação. Queria saber se Namjoon estava se fingindo de ingênuo ou se ele o achava idiota o suficiente para engana-lo.

- Caro Namjoonie... – Ele saboreou aquele nome forte em sua língua, percebendo o quanto gostava do som que ele fazia. – Você tem certeza que não sabe o motivo da minha visita? – Arqueou uma sobrancelha inquisitivamente, tal como se duvidasse da confirmação que talvez receberia. Namjoon apenas abaixou o olhar, encontrando-se com os olhos de Hoseok e franzindo o cenho desentendido. – Você ao menos se lembra das regras que impomos assim que fizemos nosso “contrato de paz”? – Seu tom, que antes era calmo e inofensivo, havia elevado para um mais rude e intimidador.

- Mas é claro que eu lembro. – Namjoon falou assim que recebeu a última pergunta. – Mas ainda não estou entendendo aonde você quer chegar.

- Não entende? – Kaiki estalou a língua no céu da boca, completamente duvidoso. Deu alguns passos lentos de um lado ao outro da sala, logo parando próximo ao outro líder e o encarando mais de perto. – Você se lembra da regra em que deixamos claro que não toleramos romance com humanos? Muito menos mantê-los em nossas casas, como se fosse um de nós? – Um sorriso ladino apareceu em seus lábios brancos, e uma expressão perplexa tomou conta da face de Namjoon. – Agora está entendendo aonde eu quero chegar? – Questionou sarcástico apenas para ver aquela duplicação de tamanho nos olhos vermelhos do Kim. – Nós ficamos sabendo sobre o humano, Namjoon... – Ele afastou-se voltando a caminhar pelo cômodo. – E você sabe que está quebrando as regras o mantendo aqui em sua casa, com os seus irmãos.

Hoseok, que até então se mantinha quieto em sua poltrona, sentiu o sangue gelado ferver em suas veias. Sempre foi tão cuidadoso para que Taehyung não fosse descoberto que achou impossível o líder Kaiki descobrir algo sobre ele. Não era possível, não tinha como ser, ao menos que o mesmo tivesse algum aliado dentro da mansão.

Mas nenhum dos irmãos seria capaz de trair o próprio clã, seria?

Claro que seria!

Hoseok sentiu suas presas ameaçarem crescer automaticamente só com a raiva que passou pelo seu corpo ao imaginar que Yoongi tinha o dedo podre naquela história. Não conteve o ódio que o assolou ao apertar o couro da poltrona com fúria, descontando no mesmo aquele sentimento desprezível que passou a crescer rapidamente dentro de si. Se tiver que matar Taehyung por causa daquele vampiro de merda, com certeza o garoto não será o único a morrer ali.

- O humano é inofensivo, não nos dá trabalho algum. Nós apenas nos divertimos com ele, e por isso o mantemos bem seguro em um quarto. – Namjoon explicou, olhando Hoseok de relance apenas para ter certeza que ele já estava com o sangue subindo para os olhos. – Ele é apenas o nosso escravo sexual, somente isso. – Mentiu, embora não fosse tão mentira assim. – Então não vemos tanto problema em mantê-lo aqui, sob nossos olhos.

Kaiki, após escutar tudo que Namjoon proferira, apenas deixou que uma risada, lambuzada de escárnio, escapasse de seus lábios. Sabia que não havia tanta verdade em tudo o que o outro dissera, mas havia decidido que entraria naquele jogo falso que o próprio Kim acabara de criar.

- Se apaixonar por um humano, sendo um vampiro, não parece uma boa escolha. Concorda Kento? – Seus olhos haviam parado em seu braço-direito, que estava ao seu lado. Logo o mais alto e mais novo assentiu com a cabeça sorrindo sádico como seu próprio líder o ensinara. – Você não concorda comigo? Líder Kim Namjoon... – Suas três últimas palavras haviam saído com um som completamente debochado e desafiador, típico do dono.

- Acho que você não ouviu o que eu disse. – Namjoon rebateu desafiador. – Nenhum de nossos irmãos está tendo algum tipo de romance com o humano. Ele é apenas um objeto sexual, nada além disto. – Suspirou, já se irritando com aquele líder nojento.

Outra risada recheada de escárnio preencheu a sala.

- Tudo bem então... – Kaiki falou estalando a língua no céu da boca. – Então faremos assim... Já que você está convicto de que não existe ninguém com sentimentos afetivos pelo humano, então nos entregue ele para que o matemos. – Sorriu sadista, como todos os seus outros sorrisos. – Vocês podem conseguir outro brinquedinho como ele, não será tão difícil assim. Então, está de acordo? – Arqueou uma sobrancelha ainda encarando o Kim.

Hoseok bateu no sofá com força ao ouvir a proposta podre do acastanhado. Nem fodendo que entregaria Taehyung para aquele vampiro diabólico e malfeitor. Nem que tivesse que arrancar o coração de cada um do Clã Reshli, e come-los ainda batendo, não entregaria seu humano para Kaiki. Estaria disposto a lutar pelo garoto, por mais que soubesse das consequências que suas atitudes levariam. Talvez algumas guerras, talvez mortes, mas não ligava no momento.

- Não iremos entrega-lo porra nenhuma! – Esbravejou, já não contendo o nervosismo dentro de si.

Namjoon suspirou e levou a mão até os cabelos platinados. Sabia que aquilo seria o fim da concórdia, que custou para ser feita, entre os dois Clãs. Mas não era como se pudesse ir contra seu próprio irmão e braço-direito. Sabia dos sentimentos de Hoseok sobre o humano e, mesmo discordando completamente dele, não teria coragem de obriga-lo a matar o garoto pela qual havia criado tanto afeto.

Não queria vê-lo mal.

- Oh! – O líder do Clã Reshli exclamou, fingindo surpresa. – Eu achei que você tivesse dito que nenhum dos membros estava criando afeto pela bolsa de sangue. – Riu seco. – Mas vejo que não é bem assim, não é mesmo? – Estreitou os olhos assim que percebeu que Hoseok havia se levantado, e que, além dos seus olhos vermelhos-sangue, suas presas também estavam amostras.

- Eu espero que você saia da nossa casa agora! – O moreno ordenou já rosnando indignado. Já não aguentava mais ouvir aquela voz insuportável de Kaiki. – Ou teremos que tira-lo a força. – Completou se preparando para avançar no líder de Reshli. Namjoon foi quem o impediu, colocando o braço em sua frente.

- Acalme-se, Hoseok. – O platinado pediu suspirando. – Regras são regras e devem ser cumpridas. – O mais novo rosnou inconformado. – Você sabe que o garoto não pode ficar aqui conosco. – Outro suspiro, dessa vez, ainda mais carregado. – Por isso trataremos de nos livrarmos do garoto. – Namjoon estava sendo sincero com suas palavras. Aqueles segundos que passara calado esteva refletindo sobre o assunto. Sabia que não tinha argumentos para se defender, já que, assim como Kaiki havia mencionado, o interesse afetivo por alguém de espécie diferente era abominável aos olhos dos vampiros. Eles, os membros do Clã Levorg, haviam concordado que aquilo não aconteceria, assim que fizeram o contrato e, como líder, cabia ao Kim manter suas palavras intactas. – Vamos tratar de tira-lo da nossa casa. – Completou.

Hoseok suspirou pesado, discordando freneticamente com a cabeça, inconformado. Não queria ter que se livrar de Taehyung, mesmo que soubesse que era a melhor opção a se fazer. Saber que Namjoon estava tentando ajuda-lo, impedindo Kaiki de matar o garoto, o deixava satisfeito por um lado. Sabia que o líder havia tomado a melhor decisão, mas não estava tão disposto a se livrar do loiro assim. Só de imaginar uma vida longa sem o garoto, aquilo já o deixava estranho.

 Muito estranho.

Suspirou de novo, mas teria que concordar.

- Está dizendo que deixará o garoto viver? – Kaiki parecia enfurecido, seus olhos pegavam fogo, denunciava-o.

- Não tem motivo algum para matarmos... – Namjoon retrucou convicto. – Podemos deixa-lo viver sem nos complicarmos por isso.

- NÃO! – O castanho ralhou alterado. Suas presas haviam aparecido. Ele estava irritado. – Entregue o garoto, Namjoon. Essa é a melhor escolha que possa tomar. – Rosnou. Suas sobrancelhas estavam unidas e seus olhos ainda queimavam. – Entregue o garoto! Não podemos deixa-lo vivo. Sabe quantos caçadores, humanos, matavam nossa espécie? – Interrogou. Aquela era sua razão para não deixar o garoto viver? Talvez fosse, mas não exatamente.

- Você sabe quantos humanos, nós já matamos? – Hoseok ficou ainda mais irritado. Usava seu alto-controle máximo para não avançar sobre o pescoço daquele líder repugnante e estragar de uma vez por todas aquela conciliação entre Clãs. – Nós apenas vamos deixa-lo ir, não tem motivo para mata-lo.

Kaiki encarou Hoseok com sangue nos olhos. Um desafio foi feito silenciosamente assim que sua cabeça moveu de lado ao outro, deixando claro que não concordava com nada que o moreno dizia. Havia entrado naquela mansão com o objetivo de arrancar o humano dali, e não pretendia sair de lá sem cumprir esse objetivo. Por isso, com sua sede e instintos gritando mais alto, ele simplesmente olhou para os dois ao seu lado, preparando-se para destruir aquela harmonia que havia mantido por anos entre os dois Clãs.

- Não iremos sair daqui sem o garoto! – Ele sorriu, balançando a cabeça na direção de Romeu, seu outro parceiro, dando permissão para que ele fizesse exatamente o que haviam combinado caso as coisas acabassem daquele jeito. – Pegue o garoto! – Foi tudo o que sua voz disse, com firmeza, autoridade.

Hoseok, ao ouvir aquelas palavras, correu imediatamente na direção do vampiro alto e ruivo. Romeu havia disparado até a escadaria que o levaria para o andar de cima, para o quarto de Taehyung. Mas, antes que pudesse cumprir tal feito, teve seu corpo abruptamente arrastado para trás pelas mãos de unhas grandes do Jung. O moreno o puxou com força, esmurrando as costas indefesas assim que teve oportunidade. Um gemido de dor foi escutado, e logo seus olhos desviaram para o lado, tentando saber o motivo do líder ter grunhido daquele jeito tão sôfrego.

 Namjoon havia sido acertado pelas costas. Uma lamina de prata havia atravessado sua pele, queimando-a como o inferno, como o próprio sol. Sentiu seu sangue escorrer de suas costas vigorosamente. O machucado grande que a lamina fizera o deixou fraco, já que seu corpo era sensível à prata, assim como o de qualquer vampiro. Sabia que ali não se curaria com facilidade, sabia que teria que arranjar uma curandeira – mais conhecida como feiticeira ou bruxa – para cuidar daquele novo probleminha. E, usando a força que ainda lhe restava, ele virou-se para o autor de sua dor, enterrando a própria mão no peito esquerdo e arrancando-lhe o coração ainda vivo. O corpo indefeso – e agora sem vida – escorregou pelo seu, mas logo se colidiu com o chão, fazendo um barulho estrondoso simultaneamente. O líder virou-se para Kaiki, olhando-o mortalmente, querendo fazer com ele o mesmo que fez com aquele subordinado ridículo que ele chama de irmão.

- Desgraçado! – Ralhou assim que pousou os olhos no outro vampiro. – Como ousa entrar na minha própria casa e tentar me matar pelas costas? – Seus caninos havia finalmente aparecido. Agora ele estava realmente esbravecido.

- Você poderia ter evitado tudo isso. – Kaiki disse simplista. – Precisava apenas entregar-me o garoto. – Trincou o maxilar, também estava bravo. – Mas você preferiu entrar em guerra.

Hoseok, depois de apenas alguns minutos de socos e arranhões, finalmente acabou com aquela luta, arrancando o coração do insignificante vampiro ruivo, tirando-lhe de uma vez a vida. Olhou de relance para Kaiki e Kento, vendo ambos rosnar inconformados com a perda de dois de seus irmãos, mas logo ignorarem, como os bons filhos da puta que são.

- Nunca vamos dar o garoto a você – Hoseok disse convicto, preparando-se para lutar novamente. Seus olhos desviaram dos dois vampiros assim que ouviu um barulho vindo da porta. Mais dois Sangue-Sugas-Reshli haviam adentrado em sua casa, preparados para confronta-los.

Não demorou nem um segundo e Namjoon cuidou de um deles, usando a lamina de prata do outro e cortando a garganta do imbecil que ousou a tentar ataca-lo. O outro, apenas correu na direção dos seus irmãos de Clã, juntando-se a eles e encarando os dois Levorg desafiadoramente.

- Tem certeza? – Kaiki interrogou vitorioso. Seus olhos brilharam assim que pousaram nas duas silhuetas no topo da escadaria que dava para o andar superior. Um orgulho cresceu dentro de si quando visualizou Yoongi, o membro do Clã Levorg, segurando o humano indefeso por trás, enquanto usava uma espada rente ao seu pescoço para aquieta-lo, ameaçando lhe cortar a garganta caso tentasse fugir. – Yoongi, meu caro, apresente-se. – Gargalhou sádico.

Hoseok abriu sua boca mostrando suas presas afiadas e rosnando simultaneamente. Iria matar Min Yoongi. Iria arrancar a cabeça daquele traído e faria questão de comer o coração do infeliz ainda pulsando.

- Desgraçado! – Ele esbravejou indignado. – Como pode trair seus irmãos? Filho da puta! – Iria avançar, iria mesmo correr até aquele vampiro de cabelos brancos com tudo o que possuía, mas parou assim que sentiu um aperto em seu braço.

 Era Namjoon.

- Ele está com o garoto, se você se aproximar, ele poderá mata-lo. – Explicou.

Hoseok apenas rosnou novamente, se conformando.

- O que quer de nós? – Perguntou desesperado. – Não precisa mata-lo. – Uma aflição parecia querer lhe tomar. Nunca havia sentido aquela sensação estranha antes. Estava com medo. Medo de perder Taehyung. – Por favor, faça o que quiser comigo, mas deixe-o viver. – Implorou, já sentindo uma angustia imensa.

Kaiki riu, estava animado.

- Que feio! Jung Hoseok... – Zombou, usando aquele tom cheio de ironia que possui. – Não sabe o quão errado e vergonhoso é para nossa espécie? Se apaixonar por um humano. Um mero mortal. – Gargalhou. – Você é a definição de vergonha-alheia. – Suspirou, balançando a cabeça negativamente. – Kento, Ikki, prenda-os. – Ordenou.

Logo Hoseok e Namjoon tiveram suas mãos puxadas abruptamente para as costas, com dois vampiros grandes e fortes os prendendo e impossibilitando-os de se moverem. Eles nem ao menos tentaram sair, apenas permitiram que os outros dois fizessem o que bem entendessem consigo.

- Yoongi, meu amor, traga o humano até a mim. – Pediu carinhosamente, sorrindo malicioso para o de cabelos brancos. – Você é realmente tão adorável... O único prestável nessa merda de Clã. – Riu, observando Yoongi descer os degraus cuidadosamente com o garoto em seu aperto. – Traga-o. – Reforçou sua fala, assim que o Min parou após descer a escadaria.

Taehyung olhou para Hoseok, assustado, questionando-o mentalmente o motivo de tudo aquilo estar acontecendo. Lágrimas mornas molhavam seu rosto constantemente. O pavor de não ver mais Hoseok o aterrorizava, era quase que dependente do mais velho e, só de pensar em viver sem ele, preferia que aquela lâmina cortasse sua garganta de uma vez. Só não fez isso porque ainda tinha esperança que o Jung o salvaria, como sempre fazia.

- Não faz isso Yoongi, pelo amor que você tem ao nosso Clã. – Hoseok tentou implorar, mas teve sua boca selada pela mão grande e áspera de Kento.

- Não vai fraquejar agora, vai? – Kaiki resolveu perguntar assim que percebeu a hesitação do Min em continuar seus passos. – Traga-o até a mim, querido Yoongi. – Pediu com delicadeza.

- Claro que não irei fraquejar. – Min Yoongi respondeu, abrindo um sorriso largo. – Apenas... Quero prova-lo um pouco antes de te dá-lo.

Kaiki abriu um sorriso satisfeito.

- Claro, faça como quiser. – Sentia orgulho do Min. – Depois traga-o até mim. – Ordenou, mesmo sendo educado.

Yoongi colocou sua língua para fora e lambeu o pescoço exposto do garoto com calma, apenas apreciando a textura da pele e o gosto doce que ela esbanjava. Estava ficando excitado, aquele garoto o tentava. Antes que suas presas crescessem, ele esfregou a língua na pele imaculada até alcançar a orelha fervente do garoto. Taehyung tremia sob seus braços, aquilo o deixava maravilhado.

- Quando eu mandar... – Ele sussurrou baixinho, quase inaudível. – Corra! – Completou, fingindo apenas provar um pouco da orelha do loiro.

Taehyung engoliu seco, assentindo mentalmente.

Não sabia se deveria confiar em Yoongi, mas sabia que não tinha muitas escolhas a se fazer no momento.

Iria obedece-lo. 


Notas Finais


Eta que agora as coisas tão pegando fogo. Eai, vocês odeiam o Min, ou nem tanto?
Então, vou ficar por aqui...
Vou deixar link de uma fic Vhope Flufflu aqui , ok? >>>
Love Heals:
https://spiritfanfics.com/historia/love-heals-5757608

TCHAO E COMENTEM PFV ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...