História Friday - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Terror
Exibições 5
Palavras 1.123
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


E ai galera, como está sendo o feriado? Aproveitando?
Eu estou de ressaca kkk, mas isso foi bom que me deu animo para escrever a história.
Então vamos para mais um capítulo?

Capítulo 8 - Capítulo Sete


Fanfic / Fanfiction Friday - Capítulo 8 - Capítulo Sete

 Enquanto isso, lá no local onde está o grupo esperando pelo casal.

— Porra mano, só porque hoje eu ia tentar ficar com a Iza de novo, aconteceu isso tudo. – Vinicius ri, dizendo para o seu melhor amigo.

 O grupo já havia armado uma fogueira, pois a lua já estava começando a aparecer e o frio parecia que ia aumentar está noite. Os meninos caçaram algumas madeiras novas, misturaram com as antigas da noite passada e a acenderam.

— To ligado, mas você também é muito burro cara, deveria ter ido com ela no outro grupo! – Dizia John.

 Os dois conversavam entre a fogueira.

— É mesmo né... Dei molinho! – Afirma, colocando a mão na cabeça. – Nem me liguei.

 Vinicius e John são muito amigos. John sempre o ajuda quando o assunto é sobre Izadora. Entraram juntos na escola, na primeira série, e perceberam a amizade no futebol e desde então não se separam. Os dois se dão bem com todos também.

 Quando Izadora entrou no colégio, na quinta série, o cabeludo se aproximou muito dela, sempre tentando lhe dar uns beijos, namorar, mas na época todos eram muito crianças ainda e Izadora era muito tímida e nunca lhe deu confiança, eram coisas de criança, mas ela teve que sair da escola, e os dois nunca mais se viram. Passaram-se anos, até que no ensino médio ela voltou, mais linda do que antes, completamente diferente, e por coincidência voltou para mesma turma de antes, eram os mesmos amigos, só tinha alguns novos e desde então, Vinicius sempre tenta ter algo sério com ela, mas a ruiva sempre dá uma de difícil.

— Gente, eles precisam encontrá-los logo, não temos comida suficiente, vamos ficar comendo besteira direto? – Patrícia alerta os amigos.

— A Pati tem razão. A água também já está acabando. – Diz Leticia.

— Acho que não trouxemos muita coisa para comer, porque a intenção éramos comer no hotel né.

— Meninas desculpem cortar o assunto, vocês estão certas, mas é que eu preciso ir mijar! – Dizia Rafael se levantando.

— Eu quero cagar. – Dizia o bobalhão do Felipe fazendo os meninos rirem. Leticia e Patrícia se levantam irritadas com a infantilidade do moreno.

— Ai que nojo, você é ridículo Felipe! – Reclama Pati.

— Estou zoando né! – Dizia seguindo as meninas. – Leticia? – Pergunta o moreno, segurando em seu pulso. – Posso falar com você?

— Falar comigo? – A menina pergunta ironicamente soltando sua mão. – Eu não tenho nada pra falar com você! – Ela afirma se virando e andando em direção a Patrícia que está sentada em um lençol que elas forraram.

— Rafael. – Felipe chama seu irmão, virando em sua direção. - Espera, vou mijar também.

 Os dois entram na floresta e vão caminhando um pouco, até que eles param em uma árvore. Rafael fazendo xixi em uma arvore e ao lado, em outra, Felipe também fazia.

— Você é um idiota Felipe, tu sabe que ela não quer mais nada contigo. – O roqueiro dizia fechando suas calças.

— Eu sei, mas sei lá cara. Eu posso ter vacilado, mas ainda gosto dela. – Dizia o moreno fazendo o mesmo.

 Ao terminarem de fazer suas necessidades, eles se viram para irem embora, porém Felipe tropeça em uma pedra e cai em um buraco ao seu lado. Parecia ser uma armadilha, estava toda coberta por folhas.

— AAI Caralho, me ajuda aqui Rafael! – Afirma sentado no buraco, irritado por ter caído. O buraco é fundo e Felipe só sairia de lá com ajuda de seu irmão.

— Todo lerdo em cara, calma ai! – Dizia se ajoelhando. - Isso do seu lado é uma corda?

— Onde?

— Ai do seu lado. – Dizia Rafael se levantando, menos preocupado quando viu uma corda para ajudar seu irmão.

 Felipe então verifica a corda que está presa no solo, ela não é muito grande, mas já ajuda bastante. O moreno vai tentar subir, colocando seu peso todo nela, até que a corda se solta.

— Ué, arrebento!? – Confuso, o moreno fica sem entender nada, segurando o pedaço da corda.

 Quando a corda solta, um galho cheio de espinho, com alguns ferros afiados acrescentados vai em direção ao rosto do Rafael. Ele coloca a mão na frente de seu rosto, para tentar se proteger, mas mesmo assim não consegue se salvar, os espinhos são muito grandes que atravessam sua mão e acertam seu rosto.

— NÃOO! – Gritava o moreno aflito. Até que Jason surge da mata e retira o galho do rosto do Rafael que cai no chão morto. 

— Socorro, me ajuda cara!

 Jason fica o encarando por alguns segundos, em seguida quebra o galho e o joga no buraco, e o corpo do Rafael em cima de Felipe. O assassino se distancia um pouco, por alguns segundos e volta com uma pá. Ele começa a jogar terra em Felipe, e ao ver o que Jason está fazendo, rapidamente Felipe se levanta e tenta sair do buraco. Jason então dá uma pancada com a pá em sua cabeça, que o faz cair sangrando. Insistente a sair dali, o moreno se levanta um pouco tonto, mas o assassino começa a enterrar ele. 

— Não, por favor!

 Enfim Jason mata Felipe enterrado.

**********

 Com o passar do tempo, o grupo que foi procurar ajuda chega ao local do acidente.

— Estamos no lugar certo? – Pergunta Iza confusa no meio da estrada.

— Acho que sim amiga. – Responde Meg.

— Mas cadê o ônibus? Cadê o corpo do Ricardo?

— Que estranho. – Dizia Jake confuso.

— Não tem nada aqui, parece que não aconteceu nada. – Dizia Caio olhando pela ribanceira do outro lado da rua.

— Será que a polícia e a ambulância apareceram? – Pergunta Megan.

— Nós ouviríamos, não estamos tão longe daqui. – Responde Jake.

— Vamos voltar gente. – Diz a ruiva.

 Confusos com o que não encontram, os seis voltam para mata pra dar a notícia aos amigos, entretanto depois de uma caminhada, o grupo encontra uma mão enterrada no caminho.

— Gente, o que é isso? É uma mão! – Se desespera a loira.

— Que nojo! – Diz Izadora.

— Gente, isso é de plástico, com certeza, nem tem sangue! – O roqueiro se abaixa para verificar.

— Que nojo Caio, você nem sabe de onde é que veio, não mexe nisso! – Pedia sua namorada.

 Caio mexe na mão, e percebe que está enterrada ou presa em algo e não a puxa. Luiza com medo vai chegando para trás. Os curiosos estão abaixados vendo aquela mão e não veem que Jason aparece atrás de Luiza. O assassino por trás dela coloca a mão em sua boca impedindo-a de gritar e com sua outra mão passa a faca em sua garganta. Jason a levanta e a puxa para trás na floresta.

— Vamos sair daqui galera. - Chama Jake.

— Gente cadê a Luiza? – Pergunta Caio.

— Ela estava aqui agora! – Afirma Iza.

— O que é isso... É sangue? – Megan pergunta apontando para o chão vendo um líquido vermelho.


Notas Finais


Perceberam que as coisas realmente estão tensas hahah... Se preparem para semana que vem, até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...