História Friend Or Foe? - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jihyo, Jungyeon, Mina, Momo, Nayeon, Sana, Tzuyu
Tags 2na, Dubchaeng, Jeongyeon, Mimo, Nahyo, Satzu
Visualizações 194
Palavras 4.428
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Você mexeu com a pessoa errada


Estava terminando de me arrumar para ir ao quarto da Myoui, pego o meu boné e o coloco em minha cabeça. — Olha eu sem boné, olha eu com boné, que diferença que é. — Começo a dançar e pisco para Momo, ela me olha com uma cara de tédio. — Que mau humor, Moguri. 

—  Não é mau humor Chaeyoung, eu estou na bad. — se joga na cama, pega seu celular e observa uma foto da Myoui, com uma expressão sofrida no rosto.

— Ai, que drama. — Me sento ao lado dela. — Eu já disse que vou ir falar com ela, vou explicar tudo e pedir desculpas. — ela abaixa o celular e me olha.

— Vai mesmo? 

— Claro, Moguri, tudo por você. — Ela se senta e me abraça.

— Obrigada, Chaengie. — se afasta, sorri e depois me dá um beijo na bochecha.

— De nada, agora desgruda. — dá um tapinha em meu ombro. 

— Chata. — deita e pega seu celular.

— Bom, estou indo, Moguri. — Pego meu celular e o coloco no bolso da minha calça.

— Tudo bem. Boa sorte, Chaengie. — Ela faz um joinha com as mãos. — Fighting! 

— Certo, certo. Eu já volto. — Abro a porta do quarto e saio. 



Felizmente o quarto da Myoui não fica tão longe do meu, ele fica no terceiro andar, ou seja, acima do meu andar. Caminho até o fim do corredor, durante o trajeto algumas garotas sorriem e acenam pra mim, é claro que eu ignorei. Subo as escadas e continuo andando pelos corredores até parar em frente a porta do quarto da Myoui. 

— É agora. — Dou duas batidinhas na porta e me viro. Olho pro lado e vejo Jesus Cristo, opa, a senhorita Park vindo em minha direção.

— Olá, querida. — Ela sorri.

— O-Olá, senhorita Park. — Sim, eu gaguejei. Ah, qualé! Ela é minha crush, é impossível não ficar envergonhada perto dela!

— O que está fazendo aqui?

— Eu vim falar com uma amiga, hehe. — coço a nuca.

— Entendo. E o seu trabalho? Está indo tudo bem? Você e Kim Dahyun são duas garotas muito talentosas, creio que essa tela vai ficar incrível! — ela sorri.

— É, né... Bom, eu que estou fazendo a parte pesada do trabalho. 

— Oh, sério?

— Sim. É que eu sou a mais talentosa da dupla, então resolvi eu mesma fazer o desenho enquanto a parte simples ficou com a Kim.

— Ah, sim. — dá uma risadinha. — Bem, espero que ele fique pronto até semana que vem, ok? Preciso ir agora. Até mais, Son, cuide-se! — Ela acena e sai andando.

— Até. — Viro o pescoço o máximo que posso e acompanho as suas reboladas. — Meu Deus, que bunda... Um dia eu ainda terei a chance de apertar essas maravilhas.

— Meu Deus.


Ah é, esqueci da Myoui. Viro pra frente e abro um sorriso.


— Então, Myoui, preciso falar com vo- — NÃO PODE SER! A Danone é a colega de quarto da Mina? Que azar.

— Ela está no banho, Son. 

— Ah, você. — Reviro os olhos. — Tudo bem, eu espero. — Empurro ela com o ombro e me jogo numa cama.

— Ei! Que falta de educação entrar assim no quarto dos outros e se jogar na cama que eu acabei de arrumar! — Ela cruza os braços.

— É sua cama? — assente. — Ew. Vou sair agora. — Me levanto e limpo meus ombros com tampinhas. 

— Aish. — Ela senta em uma cadeira giratória e me olha. — O que você quer aqui, Son?

— Já disse que quero falar com a Mina.

— E o que quer falar com ela?

— Você é muito curiosa, Danone. Por que não cuida da sua vidinha medíocre e me deixe resolver alguns assuntos com a Myoui, sim?! — Sento em um pequeno sofá que ficava encostado na parede e olho a branquela.

— Você entra no MEU quarto, se joga na MINHA cama e ainda me ofende! QUEM VOCÊ PENSA QUE É? 

— Com certeza alguém melhor do que você. — pisco pra ela.

— CAI FORA DO MEU QUARTO, SON! 

— Vem me tirar daqui, gata.

— Ora, sua... — Ela vem até mim e me agarra pelos braços, tentando me fazer levantar, mas eu consigo empurrar ela e inverter nossas posições.

— De novo? Você adora ser a passiva, não é? — Ela cora.

— Me solta, sua fedelha!

— O que foi, Kim? Tá nervosa? 

— Eu vou ficar se você não me deixar em paz!

— Cala a boca, Kim. 

— ENTÃO VEM CALAR!

— Você não deveria ter dito isso. — Me aproximo dela rapidamente e faço um bico.

— S-SAI DAQUI!

— O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI? — Olho pro lado e vejo Mina secando seus cabelos com a toalha. Ok, ela está muito sexy. Porra Momo, você tem um bom gosto do caralho.

— E aí, Myoui! Tudo numa boa? — Dou um tapa na testa de Dahyun e me levanto.

— Ai, sua cretina! 

— Dahyun! O que é isso?

— Me desculpe, unnie. — ela abaixa a cabeça e depois me encara com um olhar mortal, dou um sorrisinho.

— O que você quer, Son?

— Quero conversar com você, Mina, é sério.

— Se for sobre a Momo eu não quero ouvir.

— É importante, Mina! Você entendeu tudo errado, a Momo não é uma cretina.

— Não é? — Dahyun ri. — Sendo sua amiga eu não duvido muito.

— Cala a boca que a conversa ainda não chegou na ala dos congelados, Danone. 

— Fala logo, Son, estou te ouvindo. — Mina cruza os braços e me encara com as sobrancelhas erguidas.

— Dá pra dar o fora, Kim? 

— Mas esse quarto é meu!

— Dahyun, por favor. — Mina aponta pra porta com o queixo e a mais nova suspira.

— Certo, unnie, vou ficar esperando lá fora. — Dahyun calça os chinelos e esbarra em mim com o ombro, abre a porta e sai do local.

— Desembucha. — senta na cadeira e me encara.

— Bom, primeiramente, a culpa disso tudo é minha.

— Como assim?

— Eu sei que você provavelmente ouviu aquela nossa conversa no vestiário, certo?

— Sim, eu ouvi.

— E o que você ouviu, exatamente?

— Que a Momo só estava no meu pé porque queria me.. comer. — Ela olha pra baixo. Suspiro.

— E quem disse isso?

— Você.

— Você ouviu a resposta dela?

— Não deu tempo, eu apareci na hora..

— Isso. Na hora que você chegou ela ia falar que não estava com você porque queria te comer, ela ia dizer que realmente gosta de você. 

— Mas como eu posso saber se é isso mesmo? Vocês duas tem uma certa fama, Chaeyoung. Momo já ficou com muitas garotas dessa escola e não namorou com nenhuma, você também. Como posso acreditar que isso é verdade? Que ela realmente gosta de mim? — Me levanto e vou até ela, me ajoelho em sua frente e seguro suas mãos.

— Ela gosta de você, Mina. E não é da boca pra fora, é sério. Ela tá caidinha por você, eu não aguento mais ouvir ela falando de você e do quanto você é incrível, sério. Inclusive, naquela conversa, ela tinha me perguntando se você gostava de flores, ela pretendia comprar e dar pra você e depois te chamar pra sair. Acredite, Mina, ela gosta muito de você, eu nunca vi ela assim por uma garota. Por favor, não fique brava com ela, isso é tudo culpa minha.

— E-Eu... Nem sei o que dizer. — ela levanta a cabeça e me olha. — Eu quebrei a cara dela.

— Literalmente. — dá um tapinha em meu braço. — A dor física dela nem se compara a emocional, ela está triste de verdade, Mina. Você precisa ir falar com ela.

— Sim, eu vou. Vou pedir desculpas por achar que ela era uma cretina e por bater nela. 

— Faça isso.

— Chae... Eu... — sou surpreendida por um abraço. — Muito obrigada, Chaengie. As pessoas dizem que você é uma pessoa horrível e desprezível, mas eu sei que elas estão erradas, você é incrível.

— O-obrigada, Minari. — retribuo o abraço.

— É apenas a verdade. — ela se afasta um pouco pra me olhar nos olhos. — Obrigada por ter vindo aqui, Chaengie. — ela dá um beijo em minha bochecha.

— Minari, eu- — Dahyun entra no quarto e nos encara. — M-Me desculpe. — Ela sai correndo.

— Eu hein. — Mina se afasta e eu me levanto.

— Bom, já expliquei tudo então eu vou indo.

— Tudo bem, obrigada de novo, Chaengie. 

— De nada, Mina unnie. — sorrio pra ela e saio do quarto.


Me deparo com a Danone olhando a vista pro campus, ela estava apoiando seus braços no corrimão da escada, sua bunda estava empinada, é claro que eu não deixei isso passar despercebido. Ando em passos lentos até a chata e dou um tapão na raba dela.


— YAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA- — Tapo a boca dela e seguro sua cintura.

— VAI RABETÃO, TÃO, TÃO. – cantarolo. – Mas que bunda você tem, hein, Danone. — ela morde meu dedo. — AI!

— SUA LOUCA! VOCÊ CHEGA ASSIM, BATENDO NA BUNDA DOS OUTROS? VOCÊ É IDIOTA? — Dahyun já estava começando a ficar vermelha.

— Calma, Danone, tá gritando por quê? 

— Momo unnie sabe que você dá uns pegas na Minari, e a Minari sabe que depois que você dá uns pegas nela você corre atrás de outras garotas? — Cruza os braços e eu franzo o cenho.

— O quê? Você bebeu? Eu não dou uns pegas na Minari. Eu só fui conversar com ela.

— Aham, sei. — Ela olha pro lado.

— O que foi, Kim? Tá com ciúmes?

— Q-QUÊ? — arregala os olhos e me encara.

— Fica tranquila, tem Chaengie pra todo mundo. — seguro sua cintura com as duas mãos.

— M-Me larga, sua doida! — ela tenta me empurrar.

— O que foi? Eu sei que você está afim de mim. Eu vi o jeito que você me olhou naquele vestiário, Kim. — afasto uma mecha de cabelo da frente de seu rosto e ponho atrás de sua orelha. — Admita, você queria estar no lugar da Yeri, não é?

— O-o quê...? DO QUE VOCÊ ESTÁ FALANDO? NÃO SEJA LOUCA!

— Admita, Kim. — Seguro seu queixo com a mão esquerda e aproximo nossos rostos. — Você queria, eu sei.

— C-Claro que não! Se afasta de mim, sua infeliz!

— Nananinanão! — Desço meu olhar até seus lábios e sorrio. — Que boca bonita, Kim. Ela só fala merda ou também beija?

— S-SAI! — Ela arregala os olhos e fica ainda mais corada.

— Fica quieta, Danone.

— N-Não me chama de Danone! — ela segura meus ombros e tenta me empurrar. Ignoro o comentário e me aproximo ainda mais. — S-Son... Me larga... — ela desce o olhar até os meus lábios e morde o lábio inferior. — M-Me solta..


Quando nossos narizes se tocam, Dahyun fecha os olhos, eu tive que me segurar pra não rir da cara dela. Meus lábios roçam nos dela, eu me afasto e começo a rir. Dahyun abre os olhos e me encara com o cenho franzido.


— Vo-você ach-achou mesmo que eu ia te be-beijar? — seco as lágrimas e me afasto da garota. — Você é mesmo muito ingênua, Kim.

— S-Sua... IDIOTA! — Ela me empurra e sai correndo.

— Eita, ela ficou nervosa, hehe. — Desço as escadas e caminho até a porta do meu quarto. — EITA PORRA, A AULA DE INGLÊS! 



                        ~ - ~ 

Dou duas batidinhas na porta e espero a professora abrir.

— Senhorita Son... — Jessica suspira. — Está atrasada. — Essa é outra professora que eu acho gostosa pra caralho, felizmente já saí com ela mas infelizmente não comi, triste.

— Como sempre! — Jisoo grita, arrancando risadinhas das alunas.

— Hahaha, que engraçado.. CALA A BOCA, SUA SONSA, E ESSA VOZ AÍ, VAI TRATAR QUANDO? ONO, ONO, ONO, QUEREMOS UMA FONO! — As alunas caem na gargalhada, até a professora Jessica dá uma risadinha, Jisoo fecha a cara.

— Certo, chega. — Jessica vira pra mim e cruza os braços.

— Ah, foi mal, Jessica, eu-

— Senhorita Jung, Son! Eu sou sua professora e exijo respeito.

— Ah, qualé, Jessica! A gente já saiu pra beber, não lembra do show que a gente fez no karaokê? — Solto uma risadinha e ela arregala os olhos.

— Fala baixo! Se o diretor souber que eu saí com uma menor de idade e ainda a embebedei, ele vai me demitir! 

— Ei! Eu que te embebedei, tá doida?

— Tá, tá. — Ela nega com a cabeça. — Entra. — Dá passagem.

— Valeu, Sica. — Dou dois tapinhas em seu ombro e entro na sala, sorridente. Meu sorriso morre quando vejo Dahyun sentada na frente da classe, ela me encarava com um olhar raivoso. — Ew. — Passo direto por ela e vou até o fundo da sala, onde Momo está sentada. Sento na carteira atrás dela. — Obrigada por guardar meu lugar, Moguri.

— Não tem de quê. — Ela vira pra mim. — Demorou hein, Chaeyoung.

— Estava com a Myoui, esqueceu?

— Ah é. E como foi a conversa?

— Tudo certo, já expliquei tudo, ela não te odeia mais. 

— Que bom! — Ela me abraça, segura meu rosto e dá um beijo em cada bochecha. — Te amo!

— Tá, tá, desgruda. — Olho para a Dahyun e depois volto a olhar para Momo. — Acredita que a chata da Dahyun é a colega de quarto da Myoui?

— Acredito.

— E por que não me contou? Poderia ter evitado aquele encontro desagradável.

— Foi mal, eu esqueci.

— Só não esquece sua cabeça no dormitório porque ela está grudada no pescoço.

— Haha. — Volto a olhar para Dahyun e ela ainda me encarava, o que ela perdeu na minha cara? Mando um beijinho pra ela,  ela mostra o dedo do meio e vira pra frente. — Nossa, o que aconteceu entre vocês?

— Eu só brinquei com ela, nada demais.

— Que tipo de brincadeira?

— Eu fingi que ia beijar ela. Acredita que ela achou que eu ia mesmo? Ela fechou os olhos e tudo, eu me segurei pra não rir da cara dela mas não deu certo. — Dou uma risadinha ao lembrar da cena.

— Que horror, você é má. Já pensou se a Yeri visse isso? Ela ia querer arrancar o couro da Dahyun.

— Eu não me importo. Aliás, eu esqueci de dizer pra Yeri que eu não quero mais nada com ela.

— Resolveu terminar o namoro?

— A gente não namorava, a gente só se pegava, sem compromisso. — Tiro o boné e passo a mão no cabelo.

— Não é isso que a Yeri pensa.

— Eu caguei pro que a Yeri pensa. 

— Ei, dá pras duas lindinhas ficarem quietas? Estou tentando dar uma aula, caso não tenham percebido. — Momo vira pra frente. 

— Foi mal, Sica. — Ela franze o cenho. —... Senhorita Jung.

— Melhor. Certo, vocês prepararam suas frases em inglês?

— Sim! — a turma grita.

— Ok. Hum... Sana, por favor, venha até aqui e leia a frase ou trecho de alguma música/livro que preparou.

— Sim! — Sana se levanta e vai até a frente da classe. Ela limpa a garganta e encara Tzuyu. 


 "I need you girl, 

Why am I in love alone, why am I hurting alone?

 I need you girl, 

Why do I keep needing you when I know I’ll get hurt?"


 Ela falava enquanto encarava a taiwanesa. Termina e depois agradece, enquanto voltava para o seu lugar, passa ao lado da mesa de Tzuyu e suspira.


— Eita porra, a Sana tá na bad. — Momo fala enquanto segue os passos de Sana.

— TÁ FELIZ, TZUYU? — Grito e as meninas riem, Tzuyu e Sana ficam coradas mas não falam nada.

— Ok. — A professora marca o ponto de Sana e volta a olhar para a classe. — Tzuyu.

— Hum, vamos ver qual vai ser a resposta da orelhuda. — sorrio.

Tzuyu para na frente da classe e respira fundo.


I think it's so cute and I think it's so sweet

How you let your friends

Encourage you to try and talk to me

But let me stop you there, oh, before you speak

Nah to the ah to the, no, no, no


My name is no

My sign is no

My number is no

You need to let it go

You need to let it go

Need to let it go


Tzuyu termina e todas na sala ficam caladas, olho pro lado e vejo que Sana estava com os olhos arregalados. 

— KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK — Isso foi eu. Bom, eu não rio assim, mas essa foi a melhor maneira de demonstrar o quanto eu ri da pobre Sana. A sala inteira cai na gargalhada, Tzuyu volta ao seu lugar com um sorriso debochado no rosto. — COITADA, BICHO!

— SE FUDEU, SANA! — Momo grita.

— Ei, ei! Olha a algazarra na minha sala! — Jessica seca lágrimas.

Sana encarava Tzuyu com os olhos arregalados. 

— POBRE SANA! — Jisoo.

— NÃO FICA ASSIM SANA, EU TE CONSOLO! — Eunha levanta a mão.


A sala estava uma algazarra, mas um estrondo faz com que todas se calassem. Olho para Sana e ela estava em pé, com a mão na mesa e os olhos lacrimejando. 


— Eita caralhão. — Jisoo observava a cena.


Sana anda rapidamente até a carteira de Tzuyu. 


— BAKA! — Sai correndo até a porta, abre, sai da sala e depois fecha com uma força do caralho.




—....Sangue do cordeiro tem poder. — Momo murmura.


Todas na sala permanecem quietas, Tzuyu encarava a porta de queixo caído, ela estava um pouco vermelha.


— TÁ FELIZ, TZUYU? 

— Tá, chega, gente. — Jessica cruza os braços. — Momo, por favor.

— Eu? O QUE EU FIZ? EU NÃO FIZ NADA! 

— Quê? Venha nos mostrar a frase que você escolheu, garota.

— Ah, tá. — Momo se levanta e vai até a frente da classe.

— FIGHTING MOGURI! 

— É NÓIS QUE VOA, BRUXONA! — Momo faz uma pose engraçada.

— Vai logo, Hirai! — A professora grita.

— Ai, foi mal. — Momo junta as mãos, limpa a garganta e molha os lábios.


Aha, listen boy, my first love story

My angel and my girls, my sunshine, uh uh let’s go

You’re so so handsome, I’m blinded, i can’t breathe because I’m trembling

Gee Gee Gee Gee baby baby baby


— Gee, gee-

— Tá, chega, Hirai. — Jessica interrompe.

— Ué. — Momo assente e volta ao seu lugar.

— Venha, Jisoo.

— SIM! — Ela corre até a frente da sala.  — Professora, preciso dizer, primeiramente, que eu não sou muito boa em inglês, então me desculpe se eu pronunciar algo errado.

— Claro, Jisoo, fique tranquila.

— Ok, lá vai... — Jisoo vira pra nós. — The book is on the table, table, table, table. The book is on the table. — Jisoo se curva e volta à sua carteira.

—...Meu Deus do céu.

— Err.. venha, Sowon.

— Beleza. — Sowon vai até a frente da classe e começa a fazer uns passos de de dança.


Me gustas tu gustas tu, 

su tu tu ru I like you, 

gustas tu su tu ru ru


— Sowon, era pra ser em inglês.  — Jessica respira fundo. — Tudo bem, venha Dahyun.

— Sim, professora. — Dahyun vai até a frente da sala. 

— Dormi. — grito. A sala toda ri.

— CALADAS! — Jessica. — Comece, Dahyun.

— Sim.

— ROOOOOOOONC.

— Son!

— Foi mal... — Dahyun abre a boca pra começar a  falar. — ROOOOOOOOOOOOOOONC.

— CHAEYOUNG!

— Sorry.


Dahyun se prepara pra começar o mico.


— Lá vem a música gospel. TU QUER ALINE BARROS? VEM PEGAR! — Grito e depois abaixo a cabeça.


Uma música começa a tocar e Dahyun me encara.

— Espera, eu conheço essa música..


Love me, love me - it's the way you love me

Touch me, touch me - it's the way you touch me

Fuck me, fuck me - it's the way you fuck me


Meu queixo cai. Meu Deus, eu nunca imaginei que Dahyun fosse cantar uma música assim. Parece que eu não fui a única que ficou chocada, todas da sala ficam de boca aberta, inclusive a professora.


Dahyun começa a fazer os passos de dança e, meu Deus, ela ficava incrivelmente sexy com aquela saia, maldito uniforme.


Ooh ahh baby don't stop

You know how I like it daddy when you hit the spot

Ooh ahh baby don't stop

Imma take control when I climb up on top


I can take that ship boy, switch up your position

Yea you do it hard baby, like you on a mission

Now I do it Superman - Love, or addiction

Baby you can count down, renew your prescription


Yeah, that's me - just where we wanna be I got that kinda pussy that'll keep you off the streets

Yeah, that's me - just where we wanna be

The way you love me the way you love me (Fuck Me)


Dahyun termina a performance, se curva e volta ao seu lugar, ela dá uma última olhada e depois volta a olhar pra frente.

— Eita porra. — Momo vira pra mim, ela estava com os olhos arregalados. — O que foi isso?

— Meu Deus.... E EU PENSANDO QUE ELA IA CANTAR UMA MÚSICA GOSPEL, NO QUE O MUNDO SE TORNOU? — As garotas riem.

— Sem gracinhas, Son. Sua vez. 

— Beleza. — me levanto e vou até a professora. Todas as garotas me encaravam, inclusive Dahyun. Ela estava com uma sobrancelha erguida, esperando o meu show. Minhas fãs estavam suspirando e esperando também.


wanna be with you like Twix. 

Baby, just us two, grinding

Let’s dance on my bed. 

No rules, no rest

I’ll keep giving it to you. 

Lets shoot a movie


Algumas garotas começam a gritar, Dahyun me encarava com os olhos arregalados e o rosto corado.


They aint fucking with us ahh nah

They aint fuckin with us


Pisco pra ela.


This aint dj mustard this is gray on the beats

Bitch its aomg we do it properly leggo


I be like hold up wait a minute girl

Where you goin? Sorry for staring

But you’re so sexy

I can’t take my eyes off of you

I wanna see your body

Your body

Oh yeah, let me se, let me see


— TUDO BEM, SON, CHEGA. — Jessica grita. — Volte pro seu lugar.

— Sim, professora Jung. — Caminho de volta para o meu lugar, mas paro ao lado da carteira de Dahyun. — Gostou, Kim? Você adoraria dançar na minha cama, não é?

— S-SAI DAQUI!  — Ela me empurra e eu começo a rir.

— Pro seu lugar, Son. — Sento atrás de Momo.

— Caralho, as meninas ficaram loucas.

— Esse é o efeito que eu causo nelas, querida. — Olho para Dahyun. — Elas não resistem.



                           ~ - ~ 


— E então ela começou a dançar super sensual lá na frente da sala. — Momo contava.

— Sério? Caramba, eu queria ter visto isso. — Jihyo suspira.

— Quer morrer? — Nayeon dá um tapa em Jihyo.

— Dubu fez mesmo isso? Ela parece ser tão tímida. — Mina franze o cenho.

— Sim, ela fez, eu vi muito bem. — Momo assente.

— E você gostou, Hirai? — ela pergunta.

—  E-eu? Claro que não, credo. Quem gostou foi a Chaeyoung.

— Quê? Meu pau, sua desmiolada. — Jogo um sachê de ketchup na cara dela.

— Olha o palavreado, tá doida? — Jihyo me repreende.

— Desculpe.

— Onde a Sana está, gente? — Mina olha em volta.

— Não sei, pergunta pra Tzuyu. — Tzuyu morde seu lanche e depois nos encara.

— Eu não sei. — Ela fala depois de engolir. — E eu não me importo.

— Atabo.


Estava conversando bem linda com as minhas amigas quando uma coisa muito doida aconteceu.


— EI, SON! — olho pra trás e vejo Dahyun em cima de uma mesa. Sim, de uma mesa.

— O que essa doida tá fazendo ali? — Momo pergunta.

— Eu não sei. — Há essa altura o refeitório inteiro estava nos olhando. Me levanto. — TÁ DOIDA, KIM? O QUE FAZ AÍ EM CIMA?

— EU QUERO FALAR COM VOCÊ, SON.

— FALA UÉ, MAS PRIMEIRO DESCE DESSA MESA, VOCÊ É IDIOTA OU O QUÊ? — rio. 

— Claro. — Ela pega impulso e dá um super mortal do caralho e cai no chão perfeitamente. Eu fiquei de queixo caído, mas logo me recompus.

— Eita porra. — Momo.

— E então, Danone, o que você quer?

— Vamos direto ao ponto: Eu quero duelar com você.

— Quê? Você pirou, garota? Pelo amor de Deus, vai se fuder.

— Eu estou falando sério, sua pirralha. 

— Como assim "duelar"?

— Eu quero que você aceite o meu convite, duele comigo. 

— Que tipo de duelo?

— Rap. Você não diz ser a melhor rapper daqui? A mais fodona? Então mostre que você é mesmo a melhor. 

— Sério? — começo a rir. — Isso é tão ridículo. Você é uma idiota, Kim. Agora vaza daqui, eu quero comer. — me sento.

— Tá com medinho, Son? Você não disse que é a melhor? Não disse que eu era horrível? Então por que não aceita? Você é uma puta de uma medrosa, não é? — Me levanto e vou até ela.

— E o que eu vou ganhar com isso?

— Eu não sei, você vai ter a chance de me humilhar na frente do colégio inteiro.

— Hum, parece bom. E se caso você ganhar? É claro que é impossível, mas eu quero saber.

— Bom, você consegui entrar pro grande torneio de rap, não é? Se eu ganhar, eu quero que você me dê a sua vaga.

— Hehehehe, sério? — Começo a rir. — Beleza. Eu topo. Quando vai ser?

— Mês que vem.

— Um mês? Acho que você precisa de mais tempo, gatinha.

— Se prepare, Son, pois eu vou acabar com você.

— Ah é?

— Eu vou acabar contigo, eu vou pegar a merda da sua vaga e te humilhar na frente de todas essas vagabundas, eu vou te fuder, sua pirralha.

— Calma, gatinha, você tá brava? — Seguro o queixo dela, mas ela me empurra.

— Você já me irritou demais, Son. Você é a pessoa mais desprezível, doente, mais filha da puta, escrota, vadia e suja que eu já tive o desprazer de conhecer. Eu realmente cheguei a pensar que você fosse uma garota legal, mas eu me enganei. Eu vou mostrar pra você, Son, que ninguém, eu disse NINGUÉM, mexe com Kim Dahyun, esteja preparada. — Ela vem até mim e segura meu queixo — Você mexeu com a pessoa errada. — sai andando.

— Eita porra. — Momo.

— É melhor se preparar, Chaeyoung. — Jeongyeon vem até mim e põe a mão no mdu ombro.

— Me preparar? Você acha que eu tô com medo dessa idiota? Vocês só podem estar brincando com a porra da minha cara. Essa é a minha grande chance de humilhar essa nerdzinha na frente de geral, eu não vejo a hora desse dia chegar.



Você acha que esse seu discurso de ódio me abalou, Kim? Pois está enganada. Eu não vejo a hora desse dia chegar, eu vou humilhar essa filha da puta na frente de todo mundo, ela vai se arrepender. 




Notas Finais


É agora que a história começa de verdade.

(O capítulo não ficou muito bom, desculpa, mas prometo que o próximo será melhor) #TeamChaeng ou #TeamDanone?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...