História Friends With Benefits - Capítulo 75


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Norminah, Trolly, Vercy
Exibições 620
Palavras 1.630
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 75 - Pegadinha do malandro


POV Lauren

- Acorda preguiçosa. - escutei a voz dengosa de Camila soar ao meu lado, me fazendo sorrir contra o travesseiro por somente escutar a voz dela. - Acorda a mamãe, filha.

Duas pequenas mãos seguraram algumas fios do meu cabelo, em seguida a minha bochecha foi lambuzada por Claire. Como eu sabia? Claire simplesmente segurava o meu cabelo, porém não os puxava. Já Jasmine... quase me deixava careca, de tão forte que ela puxava os meus fios de cabelo. Tirei o meu rosto do meio do travesseiro, me sentando de uma vez na cama, pegando Claire no colo, que deu um daqueles gritinhos de bebê.

- Bom dia, meu amor. - falei com uma voz de bebê, arrancando uma gargalhada gostosa de Claire. - Bom dia, meu amor. - falei pra Camila, me curvando e lhe roubando um rápido selinho.

- Bom dia amor. Como se sente? - perguntou Camila, estendendo sua mão até a minha testa.

Como uma verdadeira mãe/esposa/dona de casa/médica, Camila não media preocupação quando o assunto era uma simples febre que não mudaria nada na minha vida.

Ela estava preocupada desde a noite passada, quando eu dormi ao seu lado, morrendo de frio. Confesso que eu sempre achava fofo quando ela cuidava assim de mim. Não tinha como achar ruim receber mimos do meu amor.

- Eu tô melhor. Tá vendo? Eu falei que era forte como um cavalo. - falei convencida, fazendo com que Camila revirasse os olhos.

- Tudo bem, meu amor, me desculpa por me preocupar com você a toa, já que você é forte como um cavalo. - falou irônica. - Você teve uma boa noite de sono? Acordou em algum momento? - perguntou preocupada.

Automaticamente me lembrei do estranho sonho que eu tive, com Camila me traindo com o ator pôrno bonitão, que no sonho, era um médico.

- Eu dormi bem, mas tive um sonho muito bizarro. - falei, estendendo Claire no ar, como se ela fosse um aviãozinho.

- Me conta, então. - pediu Camila.

- No sonho você me traía, eu saía de casa, provavelmente iríamos nos separar. Foi estranho, muito estranho. Era tão realista. - falei, "pousando" com Claire no "aeroporto", que era o colo de Camila. - No sonho tinha até uma tal de Kath sendo a atendente do hospital em que você trabalha.

- Kath? O que aconteceu com a Senhora Anne? - perguntou Camila, se posicionando no meio das minhas pernas, com Claire quietinha sentada em seu colo.

- Ela foi substituída por uma assistente loira dos peitões. - falei distraída, pegando uma das mãozinhas de Claire entre as mãos. Levei o maior susto quando os dentes de Camila fincaram em minha pele. - Ai Camila, o que foi? - gritei assustada, assustando Claire.

- Você agora deu pra reparar nos "peitões" dos outros, Michelle? - perguntou Camila, soando ameaçadora.

- Foi só um sonho, amor. - me defendi, esfregando o meu braço freneticamente.

- Foi só um sonho, amor. - Camila repetiu a minha fala, fazendo uma péssima imitação da minha voz.

- Se for por isso, você deveria se sentir culpada por quase transar com o médico bonitão na minha frente. - falei em protesto.

- Como se eu tivesse culpa de você ter sonhado uma merda dessas né, Lauren. - reclamou Camila, me fazendo ficar calada.

- mamã. - automaticamente meus olhos arregalaram, quando minha atenção foi totalmente voltada à Claire.

- O que você disse? - perguntou Camila, tão surpresa quanto eu.

- mamã. - Claire berrou, levantando suas pequenas mãozinhas.

- Ela me chamou de mamã, amor. - falei emocionada, apertando Camila e Claire entre os meus braços.

- Claro que não, foi à mim que ela chamou de mamã. - falou Camila, me dando um tapa para que eu afrouxasse o aperto.

- Haha, faça-me rir, fofa. - falei irônica.

- Não me chama de fofa. - repreendeu Camila, me beliscando em seguida. - Foi à mim, não foi amor? - perguntou à Claire, imitando uma voz de bebê. - Fala, mamãe. - pediu Camila.

Claire agora estava de frente para nós duas, ainda sentada no colo de Camila, com a mão toda dentro da boca. O seu olhar confuso variava entre Camila e eu. Ela parecia estar se perguntando o que aquelas duas retardadas estavam fazendo.

- Mine. - berrou Claire, com a sua mão babada agora sobre o rosto de Camila.

- O que? - perguntei confusa, não entendendo o que Claire quis dizer.

- Mine, Mine. - falou Claire, parecendo procurar por alguém no quarto.

Iria perguntar à Camila o que Claire quis dizer, pois a mesma estava com um sorriso tão largo no rosto, que não me fazia dúvidas de que ela sabia o que aquilo significava, porém Cameron entrou no quarto, com Jasmine em seus braços.

- MINE! - berrou Claire, afoita, dando um pequeno pulinho no colo de Camila.

- Mine é Jasmine? - perguntei, ainda em dúvida.

- Eu vou beijar a sua bunda branca que não é, Lauren. - respondeu Camila, me fazendo revirar os olhos. Grossa.

- Vocês duas que me perdoem, mas alguém vai ter que limpar ela, porque eu tô fora. - falou Cameron, colocando Jasmine sobre a cama, que caminhou engatinhando em nossa direção.

A ligação que Claire e Jasmine tinham era incrível. Apesar das duas possuírem apenas 10 meses de vida, elas pareciam se conhecer há anos, sabe? Quero dizer, elas pareciam ter conhecimento de que elas dividiram o mesmo local por 9 meses.

Quando Jasmine ficava impaciente e dengosa, bastava Claire se aproximar que ela se acalmava; quando Claire brincava sozinha, Jasmine se aproximava com algum brinquedo em mãos e as duas começavam à brincar automaticamente. Sem falar quando elas faziam a "reunião das gêmeas" e começavam a falar "bebênes". Aposto que elas falavam mal horrores do péssimo mingal que eu fazia com todo carinho e amor para as duas.

- Amor... - Camila me olhou de lado, com os seus olhos pidões.

- Não, não mesmo. - falei, revirando os olhos. Camila pôs o mesmo biquinho irritantemente fofo que, mesmo depois de anos, ainda me ganhava. Ela sabia que me ganhava. Maldita. - Amor...

- Por favor, bebê. - apelou, fazendo uma voz fofa.

- Eu te odeio. - me dei por vencida, bufando.

 Cameron já não estava mais no quarto, espertinho do jeito que era, não queria que sobrasse pra ele.

Saí de trás do corpo de Camila, me arrastando preguiçosamente até Jasmine, que parecia estar em uma conversa entretida de bebê para bebê. Peguei Jasmine no colo, sentindo aquele fedor absurdo vir da minha filha.

- Tem um rato morto nessa frauda. - reclamei, caminhando com Jasmine até o banheiro do nosso quarto. Àquela altura, suas mãos já estavam entretidas em arrancar os fios de meus cabelos.

Com a frauda tirada, corpinho banhado, com o mesmo cheiro de bebê de sempre, Jasmine estava o mais apresentável possível. Coloquei a sua pequena toalha ao redor do seu corpo e à levei até Camila, que me olhava com uma cara sapeca.

- O que? - perguntei confusa, colocando Jasmine sentada à frente de Claire.

- Agora é a Claire, amor. - falou Camila, sorrindo amarelo.

- O que? - perguntei indignada. - Não é porque vocês nasceram juntas, que vocês tem que fazer cocô juntas também. - resmunguei, me curvando sobre a cama, ficando na altura das duas. - Vocês são duas bebês, não celular pra enviar cocô via Bluetooth. Ou melhor, via bumbum. - peguei Claire nos braços, caminhando novamente em direção ao banheiro. - Repete comigo, amorzinho: "eu sou uma bebê, não um celular". - pedi, tirando àquela frauda fedorenta de Claire e jogando no lixo.

- Lular? - Claire repetiu, confusa, me fazendo sorrir automaticamente. Ela estava crescendo tão rápido.

- É, bebê. Você não é um celular, é um bebê normal que não precisa ser incentivada pela sua irmã pra fazer cocô. Entendeu? - perguntei, mesmo sabendo que era óbvio que uma bebê de 9 meses não iria entender aquilo.

Depois de mais alguns minutos no banheiro, Claire também estava limpinha e cheirosa. Fiz o mesmo processo que fiz com Jasmine, enrolando Claire na sua toalha que tinha o seu nome bordado na cor azul, levando Claire em direção à Camila e Jasmine, que ainda se encontrava de toalha.

- E a parte de dividir responsabilidades? - perguntei debochada, me deitando ao lado de Camila e colocando Claire, que ainda estava apenas de toalha, sentada em minha barriga.

- Hoje é o meu dia de folga, esqueceu? - perguntou Camila, risonha.

- Nunca vi uma mãe tão desnaturada. - reclamei baixinho, bufando.

- Como é que é? - perguntou Camila, me desafiando.

- Eu falei que sem você a minha vida é um grande nada. Tá surda? - falei cínica.

- Você quer ficar sem sexo, Lauren? - Camila perguntou, ainda com um tom de deboche em sua voz.

- Não fala isso perto das bebês. - repreendi Camila.

- O que? Sexo?

- Camila!

- Olha só você, está se saindo tão bem no seu dever de mãe. - falou Camila, beijando a minha bochecha. - ultimamente você só me dá orgulho.

- Eu sempre dei orgulho. - revirei os olhos. - E eu...

Minha fala morreu assim que eu senti um líquido quente escorrer pela minha barriga, me fazendo bufar em um tom audível.

- Claire! - choraminguei, fazendo com que Claire soltasse uma gargalhada gostosa, sendo acompanhada por Camila e Jasmine.

A felicidade de Camila durou pouco, pois logo em seguida, Jasmine também fez xixi no colo de Camila, me fazendo gargalhar da sua cara de reprovação.

- Na alegria e na tristeza, ein. - brinquei, fugindo dos seus tapas com Claire no colo.


Notas Finais


Ô raça foguenta, esses Harmos.
Meu Deus.
Só com treta no meio pra vocês se manifestarem, né?
Oxente, fiquei foi com medo de algum de vocês invadirem a minha casa e querer tirar minha virgindade anal.
Todo mundo sabe aqui que eu sou zoera never ends, me impressiona vocês ainda cairem no meu jogo.
Não
Camren não vai passar por mais uma "traição" (quem lembra Camaustin?)
E também, não tem nem como eu colocar essa merda no meio, a fanfic está chegando ao fim, isso daria uma longa e desastrosa continuação
Sem zoas
Sem brincadeira
Falando sério mesmo
Agora parem de fogo e me amem, eu mereço todo amor do mundo
seus cu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...