História Friendship - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias GRAY, Jay Park, LOCO, Simon D., Song Ji-hyo
Personagens Jay Park
Tags Amizade, Aomg, Elo, Friendship, Gong Hyo Jin, Gray, Hoody, Jay Park, Ji Chang Wook, Kim Seul Gi, Loco, Park Jaebeom, Simon D, Song Jin Hyo
Exibições 104
Palavras 2.796
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Vamos fazer as pazes, garota?


Fanfic / Fanfiction Friendship - Capítulo 7 - Vamos fazer as pazes, garota?

 

Acordei naquela manhã disposta a fazer faxina na casa, isso mesmo, faxina! E dai que era meu aniversário e eu o passaria limpando a casa? Cada  qual comemora do seu próprio jeito. Mas antes passaria na casa dos meus pais para receber seus parabéns e abraços quentes de pais. Parei o carro na frente da casa tradicional coreana e desci pegando algumas sacolas no banco de trás e  trancando o carro em seguida, não precisei tocar a campainha, pois encontrei com Sook Hwan que parecia tentar sair de mansinho vendo o jeito calma e cauteloso com que tentava fechar o portão

- Aonde você pensa que vai? - Com o som da minha voz ele se assustou e deu um pulinho para trás como se estivesse preste a cometer um crime

- Isso me assustou - comenta com a mão sobre o peito exageradamente

- Não! - retrucou, suas sobrancelhas se juntaram e seus olhos foram cerrados, parecia fazer força para pensar em uma boa desculpa - Mamãe mandou que eu fosse vê se você estava chegando. Por que desconfia tanto de mim?! - pelo jeito em que Sook Hwan coçava a nuca nervosamente  eu tinha mais era que desconfiar mesmo

- Hum... Tanto faz, vamos entrar

- Mas eu... eu

- Você? - perguntei empurrando seu corpo que relutava em entrar para dentro de casa. Aquele menino estava tão alto quando eu ou Jae, ele estava tão grande quanto um homem, mas não tinha a cabeça de um - Anda, anda, vamos logo

- Noona - reclamou

 

Na sala papai estava sentado tranquilamente em sua poltrona favorita assistindo ao jogo de baseball que passava na televisão. Ele mostrava mais amor por seu time de basquete do que por seus filhos, mas eu nunca fiquei brava com isso conhecia bem meu pai e sabia que seu jeito de mostrar amor era diferente de outros pais e eu particularmente adora seu jeito meio frio e comido de nós tratar

- Bom dia, pai - me curvei ao seu lado o cumprimentando

- Oh! Você chegou - disse se levantando meio sem jeito

- Pai, não precisa se levantar por minha causa - tentei fazer com que ele se senta-se de volta, mas ele pareceu não gostar da minha tentativa então desiste

- Eu faço o que eu quero. Agora venha aqui e me te um abraço - esticou os braços me entrelaçando. Abraços do meu pai? Só em datas especiais mesmo - Minha filha mais velha já está com vinte e cinco anos e tem um ótimo emprego, fico orgulhoso de você, Kim Seul Gi - comentou ainda me apertando entre seus braços - Kim Sook Hwan seguia os passos de sua irmã se não quiser morrer - soltei uma risada anasalada e olhei sobre os ombros de meu para o menino que fazia uma careta de desgosto

- Igual a mim, Kim Sook Hwan - provoquei

- Omo! Dê um abraço em sua mãe - fui dos braços de meu pai para os de minha mãe - Está tão grande, é uma mulher quase completa - comentou e eu entendi o que ela queria dizer com aquele quase por isso revirei os olhos

- Grande? Onde? - Sook ria com seu comentário, mas eu acabaria com a piada logo, logo

- Você quer apanhar? - perguntei

- Foi só uma piada, achei que comediantes tivessem senso de humor - murmurou para si

- Eu tenho, eu tenho muito senso de humor, quer testá-lo?

- Parem de brigar, sua irmã não veio aqui para isso - Minha mãe era minha versão mais velha ou eu deveria que eu era sua versão mais nova. Era baixinha, exatamente da minha altura, seus cabelos eram curtos e pretos divididos ao meio, suas bochechas eram cheias e rosadas feito as minhas e para sua idade mamãe possuía curvas realmente bonitas e juvenis, papai tinha que ser muito cuidadoso para não perder aquela mulher - Vamos comer civilizadamente e comemorar o nascimento da sua irmã mais velha

Estava sentada na minha frente mamãe e papai ao seu lado e Sook Hwan estava ao meu lado me perturbando com assuntos que não me interessavam e eu só queria comer tranquilamente sem aquele pestinha me irritar falando sobre rap e Park Jaebeom

- Fala pro hyung me ensinar - ele pedia para que eu conversasse com Jae sobre aulas de rap e eu sinceramente já tinha falado com ele sobre isso, mas se Sook continuassem a me irritar e beliscar em com certeza pediria que Jae não o ensinasse porra nenhuma

- Eu já disse que falei com ele sobre isso e ele disse que quando suas férias chegar ele vai te ensinar... Então  para de ficar me beliscando, ou eu digo pra ele não te ensinar mais nada e você sabe que ele vai me obedecer

- Você é muito má, noona - dei de ombros

- Falando nele, vocês não iam sair juntos hoje? - mamãe perguntou. Desviei o olhar para a comida, porque as pessoa tem que ficar me lembrando que eu não iria mais sair com ele hoje?

- É, sim, mas ele tem shows a fazer - dei uma pausa e coloquei um punhado de arroz na boca - Fora da Coreia

- Verdade? Ele é um rapaz tão bonito - e começou - apesar das tatuagens, gostaria de tê-lo como genro seria ótimo

- Mãe - protestei

- Sua mãe está certa, Seul Gi. Apesar de não gostar da profissão do garoto, também não gosto da sua, ele é um ótimo rapaz e um bom partido, daria um ótimo genro - Sim, meu pai pensava em Jae dessa forma e as vezes até eu me surpreendia com isso

- Concordo, case-se com hyung antes que eu termine a escola ano que vem, quero me exibir dizendo que Jay Park é meu cunhado

- Você não tem que achar nada, pirralho - dei-lhe um tapa na testa e ele reclamou

- Não precisava me bater, eu só expressei minha opinião assim com mãe e o pai. Você é muito cruel comigo, sabia? - neguei continuando a comer

- Sua irmã não te perguntou nada, Sook Hwan, portando, fiquei quieto e cuide de sua vida - papai retrucou

- Ela também não te perguntou nada, pai

- Ya! Olha o jeito que fala comigo, seu pirralho - apontava os pauzinho na direção de Sook e eu só sabia rir - E você, Seul Gi - paralisei e endireitei minha postura - Case-se logo - exigiu

- Quero netos lindos assim como meu genro - Do que ela estava falando, meu Deus! Park Jaebeom não era seu genro em hipótese alguma

- O que?! Não posso mais exigir netos bonitos da minha própria filha?

Aish - baguncei os cabelos. Eles ainda me matariam com aquele assunto - A gente pode mudar de assunto, mãe, não me sinto confortável falando disso

 

°°°°

Já eram quase cinco e meia e o sol lá fora estava começando a dar tchau para a Coreia, as luzes coloridas do parque provavelmente já estavam acesas iluminando todo o lugar e a roda gigante seria a mais chamativa com luzes de variadas cores, as vermelhas com certeza se destacariam no meio de tantas outras cores, e era para mim estar às admirando nesse exato momento. Eu ainda queria ir, queria muito ir, mas eu não queria ir sozinha e nem com outra pessoa, eu queria ir com a minha pessoa favorita e mais ninguém além dele

E cá estou eu com uma tocar na cabeça, vestindo um macacão surrado, com o rosto um pouco sujo e descalça faltava apenas a barriga para que eu pudesse ser confundida com uma gravita sem afazeres. Olhava para a sala limpa, organizada e cheirando a produto de limpeza. Respirei, eu adorava aquele cheiro, parecia que eu tinha acabado de me mudar e a casa estava novinha em folha pronta para eu usar

Agora eu iria para meu quarto e arrumaria primeiro me guarda roupa que estava uma bagunça, aquilo parecia um ninho de ratos, e depois limparia meus sapatos o que demoraria para um caralho e eu provavelmente largaria no meio do caminho a tarefa. Dobrava as camisas por cor: Primeiro as pretas, depois azuis, brancas, cinzas, vermelhas e assim por diante. Eu tinha achado seis camisas masculinas de diferentes cores, mas todas cores frias, entre elas sua camisa favorita a qual eu não devolveria porque agora a camisa era toda e completamente minha. Jae estava sempre perguntando por ela, achava que a tinha perdido em algum hotel durante alguma viagem e continuaria achando que tinha perdido

Fui até a porta e a deixei aberta para que Ji Hyo e Hyo Jin pudesse entrar assim que fui avisada por uma ligação do porteiro que elas estavam subindo e eu já podia imaginar o que elas tinham vindo fazer aqui. Me joguei no sofá cruzando as pernas como buda faria, tirei a toca do topo da cabeça e deixei com que meus cabelos cobrissem meus olhos, suspirei e esperei ouvir as vozes femininas invadirem meu ambiente particular

- O que você querem? - perguntei e joguei minha cabeça para trás sendo amparada pelo sofá macio

- Você está parecendo uma mendiga - Gong comentou sentando ao meu lado, quase em cima de minhas pernas

- Eu sei, mas o que vieram fazer aqui? - questionei novamente sendo ignorada novamente só que desta vez por Ji Hyo

- Uau, você passou seu aniversário fazendo faxina enquanto você poderia ter pago há alguém pra fazer isso por você - bateu palmas e curvou os lábios - parabéns, eu tenho que elogiar a mulher mais retardada no mundo, mas ao menos está tudo limpo - passou o dedo indicador em cima da mesinha  onde Gong mantinha os pés

- Viemos te dar os parabéns - A mulher ao meu lado comentou distraída com meu bicho de estimação

- Finjo que acredito - estava escrito na cara delas que elas iriam me arrastar para algum lugar

- Ji Hyo disse que você queria ir ao parque de diversões, então viemos de buscar - dei de ombros e mudou o tom de voz para paparicar Mizuki

- Ok, não precisa dizer mais nada, vamos logo ao parque - Não protestei, eu deveria ir logo ao lugar que eu tanto queria ir e não é porque não tenho aquele idiota ao meu lado que eu deveria não ir e acabar com essa data insignificante para mim, na verdade era exatamente ao contrário que eu pensava, mas eu precisava sair de casa e para de pensar que eu deveria perdoá-lo apenas porque ele me deu um lindo pingente de coração

- Sério - disseram juntas espantadas

Fui para o quarto por roupas decentes que me permitissem sair de casa e não receber críticas de pessoas que tiravam tempo para cuidar da vida alheia. Na frente do espelho de corpo inteiro coloquei minha calça jeans cinza rasgada no joelho e de cintura alta, Ji Hyo tinha seu foco total dedicado ao celular e Gong ao meu pescoço

- Isso no seu pescoço é um colar? - se levantou e veio até mim, me virou pelos ombros para si e eu comi parte do meu cabelo, suas mãos seguraram meu pingente e seus olhos brilharam como lâmpadas acesas - Você sabe o quanto isso é carro? Desde quando você tem isso, garota?

- Bem, eu ganhei ontem - expliquei e mordi a pele da minha bochecha - de aniversário

- De quem? Eu fui em uma loja ontem procurando um desses e não achei, sabe por que? Por que simplesmente venderam todos em menos de um mês, mesmo sendo o preço da cara - mordeu o canto dos lábios e gemeu de frustração - É ainda mais bonito de perto

- Jay Park - Ji Hyo gritou, me virei junto da mais velha para olhando para a outra que tinha um sorriso completamente sacana no rosto, eu poderia chegar a conclusão que um vídeo porno dele tinha vazado na internet - " Comprando as desculpas da minha amada, você sabe que eu te amo" - leu em meio a gritinhos e só então eu percebi que o celular que ela mexia  era o meu - Unnie vem vê isso - chamou Gong com as mãos e eu claro que fui junto

- É exatamente igual, meu Deus, essa cara está totalmente apaixonado por você, Seul Gi - eu revirei os olhos e resolvi ir colocar uma blusa para que fossemos logo - Você não sabe o quão sortuda é por ter esse homem ao seu lado, bonito, fofo

- Ele não gosta de ser chamado de fofo - retruquei

- Carinhoso, atencioso, forte - continuou, me ignorando totalmente - e sedutor. Ele é tudo de bom

- Ele é como um cachorrinho fofo tomado totalmente pela dona - Ji Hyo comentou

- Não fala assim - peguei o celular - Ele não é um cachorrinho fofo e eu não sou dona de ninguém

- É claro que é, ele é o seu cachorrinho fofo, está até usando uma coleira - riu de seu próprio comentário

- Vamos logo, se vocês não viram eu já estou pronta

- Me ensina a como adestrar com cão, Seul Gi - me provocou

 

°°°°

Na entrada tinha barracas de algodão doce enfeitadas com luzes coloridas e outras que vendiam pelúcias de todos os tamanhos, deste a mais pequena à a mais grande, crianças juntos de seus pais iriam divertidamente, outras pessoas entram e outras saíam segurando balões ou algodão doce. Era um ambiente descontraído, sem problemas, sem preocupações o lugar perfeito para se esquecer de tudo e de todos sem precisar beber até que a consciência desapareça. Podia ver a roda gigante dali tão brilhante e grandiosa tomava toda e qualquer atenção para si sem qualquer esforço de sua parte. Passei pelo portão de entrada com as duas ao meu lado de braços dados comigo, o lado de dentro estava ainda mais cheio,havia ainda mais balões e crianças, ouvia o barulho de gritos de animação e risadas altas misturadas nas conversas e música alta. Era tranquilizante e ao mesmo tempo animador. Reconheci a música que tocava quase que de imediato, não tinha como eu me enganar quando eu conhecia suas músicas e voz tão bem

E pensei em como seria bom tê-lo aqui comigo,  fazendo piadas sobre como meu rosto ficava infantil quando via a roda gigante ou como até um urso de pelúcia podia ser maior que eu. Ele, provavelmente, iria recusar a andar em um dos brinquedos mais perigosos do parque e fazer birra para que eu não fosse; Nos meus lábios surgiu um sorriso idiota ao ver a imagem da cara de medo dele passar pela minha cabeça

- Vai ficar olhando que nem uma otária pros lados? - Ji Hyo cortou meus pensamentos de forma violenta ao praticamente gritar ao meu lado - Olha um pouco pra frente, talvez goste mais dessa imagem do que daquela - comentou

Fiz como sugerido direi meus olhos da montanha russa focando na minha frente. Meu coração deu um salto tão violento que por um instante achei que fosse sair para fora do peito. Na frente está Jae usava um boné preto virado para trás, calças jeans também pretas e uma blusa cinza. Apesar de estar usando cores frias ele parecia quente, tinha um sorriso de orelha a orelha no rosto. Sorria tão largamente que seus olhos ficaram ainda mais pequenos, como na foto. Do seu lado tinha dois homens grandes, seguranças, Jaebeom balançava as mãos como uma criança para mim. Ele começou a andar em direção a mim, dançando ao ritmo da sua música que tocava no park, quando mais ele chegava perto melhor podia ouvir ele cantando

-Essa garota não é mais do que uma amiga.- ele mexia os ombros para o lado enquanto cantava, acompanhando o som -Nós somos apenas amigos. Por que você ainda não confia em mim? - Bum agora estava tão perto que se ele se aproximasse um pouquinho mais seu corpo roçaria no meu - Não para mim desse jeito - apontou o dedo no meu rosto, fazendo cara de bravo - Vamos fazer as pazes, oh amor, vamos tentar fazer as pazes. Porque se não fizermos isso, eu não serei mais o seu namorado - ri com aquilo

-Você não é meu namorado

-Só dança comigo - pegou minhas mãos me arrastando para ficar ao seu lado, fiquei um tempo olhando ele cruzar as pernas e descruzar rapidamente para logo depois levantar apenas uma, fazendo um quatro com as pernas. Então eu o fiz, acompanhei seus passos imitando-o

-E eu serei louco de perder uma garota como você


Notas Finais


Nome da música: Let's Make Up


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...