História Friendship - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias GRAY, Jay Park, LOCO, Simon D.
Personagens Jay Park
Tags Aomg, Gong Hyo Jin, Jay Park, Kim Seul Gi, Loco, Park Jaebeom, Song Jin Hyo
Exibições 91
Palavras 4.573
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Feliz dia das crianças, minhas crianças
Hoje quase que não tem capitulo novo, enquanto eu escrevia acabei apagando quase quatro mil palavras QUATRO MIL é muita coisa, porém graças a Deus e a wattpad eu recuperei tudinho, até mesmo os erros. Mas mudando de assunto já ouviram a música nova do Jae que sai tipo ontem, se ainda não... Escutem agora e como sou um boazinha deixarei o link com a legenda da música em português :https:// vid.me /F5om ( como não é permitido links aqui escrevam no google ou se bão conseguirem acha pesquisem melzinhakpop num site chamado vidme )
Divirtam-se minhas crianças

Capítulo 7 - Vamos fazer as pazes garota?


Fanfic / Fanfiction Friendship - Capítulo 7 - Vamos fazer as pazes garota?

No dia nove de outubro de dois mil dezesseis eu, Kim Seul Gi, fiquei o dia todo, depois de gravar algumas cenas para o drama, é claro, parada quem nem uma barata morta, com as pernas levantadas para o alto, e cabeça para fora da cama com meus cabelos tocando o tapete no chão. Pensava em como passaria o dia de amanhã depois de dar uma passadinha na casa da minha mãe, para que ela pudesse me paparicar, e tomar alguns  xingamentos de meu pai - era o jeito dele de mostrar amor -, talvez dar uns tapas no Kim Sook Hwan, meu irmão mais novo, bater nele era como um hobby, tirava meu estresse e me deixava feliz

Talvez devesse ligar para Jaebeom, para dar uma irritadinha de leve nele ou fazer com que ele me xingasse. Se era porque eu estava com raiva dele? Claro que não, era por pura diversão, sem segundos. Park Jaebeom não era lá muito fácil de se irritar, sempre quando tentava ele me respondia com um "sai daqui" com a expressão mais calma do que a do Gary oppa tirando foto no running man. Quando ele não pedia para que eu saísse do lado dele, ele me atacava com cócegas, o que era um jogo sujo, eu não podia com cócegas, ninguém podia com cócegas. Elas eram um meio simples de tortura. Peguei meu aparelho celular afim de ouvir música, minha playlist era composta de: Yoo Mi Rae, 10cm, Jay Park ( ele não era apenas meu amigo, eu era uma grande fã também ), Kim Na Young, Ed Sheeran entre outros. Coloquei para tocar photograph do Ed Sheeram, essa música me trazia coisas nostálgicas a cabeça. Como há época de infância, a melhor parte da minha vida, me fazia voltar na época que não tinha dever a cumprir, ninguém me comprava, era só eu minha barbie e imaginação andando lado a lado

Quando o celular tocou interrompendo minha hora de reflexão, eu realmente não me senti muito feliz, fique menos ainda ao vê quem era

- Fala Sook Hwan.- falei

-Qual é a desse tom, ficou desanimada em saber que não era Jaebeom hyung?

-Fiquei, fiquei sim. Seria bem melhor falar com ele, do que com você. Só me liga pra falar bosta

-Aish

-Aish? Você disse aish para mim? Como quem você acha que está falando? Com seu amiguinho do colégio, seu imprestável .- mordi os lábios, levantando o punho cerrado para o nada, pois infelizmente aquele pirralhinho não estava na minha frente

-Não disse nada, você anda escutando coisas noona

-Escutando coisas é minha bunda. Fala logo oque quer. Se for dinheiro não vou emprestar. Mamãe disse que você anda gastando com minis vagabundas colegiais

-Eu não vou pedir dinheiro. Liguei a mando da mamãe, ela quer que você venha aqui amanhã

-Tudo bem. Mas Kim Sook Hwan que história é essa de você estar andando com o filho daquela ajumma. Você não obedece mais há ordens do papai!?

-Aigoo, não grita noona

-Vou gritar sim, porque você continua desacatando o pai?

-Eu não estou desacatando o pai, noona, não ando mais com Soo. Acredite em mim

-Sério? Não anda mais mesmo? de verdade.- pude imaginar Sook Hwan balançar a cabeça em afirmativo- Tudo bem, vou acreditar em você dessa vez... Mas se eu ficar sabendo que firam você andar de novo, com aquele garoto. Não irei responder por mim

-Sim, sim noona. Irei desligar... Ok

-Ok... Se cuide

-Neh noona

Aquele garoto era um problema estava sempre aprontando uma novo. Sook Hwan sempre foi muito ativo desde pequeno, estava sempre correndo ou pulando por aí, era cheio de marcas no corpo por conta disso, ele não ligava, nunca ligou. Mamãe não gostava que ele andasse com o filho da vizinha, Soo era um garoto mau carácter levou meu irmãozinho a usar seu primeiro cigarro. Lembro que quando descobri isso fiquei tão brava que peguei o carro ( Jae estava comigo nesse dia ) dirigi até a o bairro onde minha família mora, disposta a bater naquele bater no filho da putinha que tinha feito meu irmão fumar. Fui impedida por Jae, ele está sempre me impedindo de fazer merda, que conversou com Sook calmamente - a calma que eu não possuía- sobre andar com aquele muleque. Naquele dia Jae também impediu que meu pai deixasse o rosto de Sook roxo.

 

Estava tomando um banho após a ligação de Ji Hyo unnie pedindo para que e fosse a cafeteria perto da sbs. Sabe aquela frase "Nós somos fortes pelas cicatrizes que possuímos", essa frase era realmente verdadeira, se não fosse pelas cicatrizes que marcaram na minha alma, não estaria aqui hoje, não teria forças para ser quem sou hoje, não teria encontrado as amizades que tenho hoje, não seria o tudo que sou, mas sim o nada que tanto me desejavam. Agradeço imensamente por todos aqueles que me fizeram sofrer no passado, me dizendo que não conseguiria, que seria apenas mais uma empregadinha num restaurante familiar. Eles não me fizeram, talvez só no começo, mal, mas me incentivam a lutar pelo o que eu queria.

Sai do banho indo para o quarto não fiquei lá por muito tempo pois fui para o closet atrás de uma roupa para vestir. Coloquei uma camisa cinza sem qualquer estampa, odeio estampas, e usa calça jeans preta, não passei o pente no cabelo, estava com preguiça demais para isso, também não o amarrei, meu cabelo não estava bagunçado, talvez um pouco, porém dava para sair sem qualquer problema, nunca liguei para opiniões alheias pois se ligasse já teria desistido da carreira de atriz a séculos, e nem chegaria a ser amiga da minha pessoa favorita. As pessoas deveriam começar a se importar mais com suas próprias vidas e menos com a vida de desconhecidos

 

**

-Tudo bem, pode começar a falar.- Ji Hyo que estava ao meu lado disse. Desgrudei a xícara de café dos meus lábios, pondo-a em cima da mesa

-Falar o que?- perguntei imersa em confusão

-Diz o que você quer fazer amanhã?

-O que eu quero?

- Sim.- balançou a cabeça

- Sinceramente

-Sim

-Bem, eu queria ir num park de diversões, mas já não quero mais. Agora só quero ficar em casa o dia todo se possível, de pernas para o alto, enquanto ouço música

-Como você é sem graça. É seu aniversário Seul Gi.- como se isso fosse grandes coisas- você queria ir no park, então vamos, eu e Gary vamos de levar

-Não quero, mais obrigada, perdi a vontade.- dei um longo gole na bebida de chocolate que havia pedido - Alguém já havia dito que ia me levar, era uma promessa mas ele quebrou

-E você ficou  brava com o Jae por causa disso?

me virei para ela, não tinha contado a ninguém sobre então não tinha como ela saber quem era, não exatamente, podia ser várias outras pessoas

-Como sabe?

-Sei o que?.- bebia sua bebida como se não tivesse entendido minha pergunta

-Como sabe que era Park Jaebeom?

-Meio óbvio, quem mais seria? Seu pai? Eu? É claro que não, como iria adivinhar que você queria ir a um park de diversões, se você não contou há ninguém. A única pessoa que saberia disso seria seu melhor "amigo".- vez aspas com os dedos

-Unnie, quanto foi que você falou com meu pai?

-Ontem a noite, queria saber o que eu poderia te dar de presente, mas não foi muito útil. Seu pai também não tinha muita noção do que você poderia querer

-Não quero nada. Um abraço dele estaria ótimo. Agora de você gostaria de ganhar um cupom "Por favor Ji Hyo unnie para de falar tanta besteira"

- Não vou te dar isso. Não vou parar de falar besteira, até que você perca essa sua virgindade inútil.- disse um pouco alto demais. Tapei depressa sua boca

-Fala baixo, ninguém precisa saber da minha vida pessoal.- olhei ao redor sorrindo para as pessoas que nós olhavam curiosas. Ji Hyo dava tapinhas na minha mão pedindo para que eu as tirasse de sua boca - E eu não vou perder nada. Só porque você é a Gong unnie acham que eu passei da idade. Não existe nem uma lei dizendo que pessoas devem perder a virgindade antes dos vinte e cinco anos

- Deveria existir para pessoas que nem você. Isso é pura frescura, vai me dizer que está esperando o cara certo

- E se eu estiver? Não vejo nenhum problema nisso

-Ah, pelo amor de Buda, essa do cara certo não existe, nenhum cara é o cara certo, todos são iguais, não há nada de especial nisso Seul Gi, e se eu estiver errada tenho certeza que esse cara certo está bem do seu lado

-Não tem ninguém do meu lado. Veja esta vazio.- apontei para cadeira vazia ao meu lado

-Você entendeu. Para de graça.- deu um soquinho leve no meu ombro

-Ai.- fingi dor - para que tanta violência unnie.- esfregava o local

-Quer tomar outro, quer? - me ameaçava com seu punho cerrado levado ao alto

-Anyo

O silêncio dominou o ambiente ao nosso redor, mas não era aquele silêncio desagradável, era confortável, acolhedor e quente, era como receber um abraço dela. Era assim que me sentia quando estava ao lado dela ou de Gong unnie, me sentia abraçada por braços quentinhos e confortáveis. Eram minhas melhores amigas mesmo sendo mais velhas, bêbadas e um pouco taradas.

 -Gong unnie ainda está reclamando por ter dormido com aquele Deus asiático.- Ji Hyo quebrou o agradável silêncio

-O mimi da idade ainda

-Sim. Eu estou quase batendo naquela bochecha gorda dela. Eles nem tem tantas diferenças assim, são só seis anos, contando que o produtor também está na faixa dos trinta

-Eu disse isso para ela, mas ela retruca dizendo que e ainda tem vinte e nove e que vinte e nove não são trintas

-Porque você me deixou dormir no seu quarto, poderia ter sido eu no lugar dela. Não faria graça nenhuma. Se ele quis-se daria de novo, só que com a cara limpa, bem acordadinha

-E começou

-começou nada. Me deixa

-Deixo, claro que deixo

-Você é uma sem graça

-Mas eu sou comediante

-Continua sem graça

-Me chamar de sem graça, é como dizer que você não é uma boa atriz. Totalmente sem sentido

Ji Hyo me olhou com os olhinhos brilhando. Suas mãos estavam fechadas em conchas debaixo do queixo. Em seus lábio um bico

-Ahaaam... Você me acha uma boa atriz, que fofa.- me abraçou de lado com seu rosto próximo ao meu rosto, tentando me beijar no rosto

-Sai fora, desgruda

-Anyo. Você é a melhor irmãzinha mais nova que alguém poderia ter. Seul Gi, Kim Seul Gi.- Ji Hyo só me soltou quando seu celular começou a fíbrar em cima da mesa- Yobõseyo. Anyo. Com a Kim Seul Gi. Na cafeteria. Não só nós duas. Gong Unni não pode vir, está gravando. Para de fazer perguntas.- Eu tinha certeza que era Gary no outro lado da linha, só ele parar fazer tantas perguntas - Tudo bem. Chego ai logo, logo. Logo, logo daqui umas horas se você não parar de me fazer perguntas. Estou falando sério sim. Não vou mais também. é claro que eu vou idiota. Tchau... Tchau, eu já entendi.

-Vai ter que ir?

-Sim.- pegou a bolsa ao lado levantando-se - Parece que tem alguma coisa acontecendo de especial no running man. Preciso ir logo. Você vem?

-Anyo, vou dar uma passadinha em lugar antes de voltar para casa. Pode ir

-Ok... Então tchau

-Tchau- com um beijo na bochecha me despedi dela, vi Ji Hyo unnie saindo da cafeteria com pessoas a observando. Pensei que queria ser como ela quando chegasse naquela idade. Fiquei um tempo na cafeteria terminando meu chocolate, com o incômodo das pessoas me observando há toda hora. O mal de ser uma pessoa pública era não poder ter muita privacidade, pessoas querendo saber de tudo da sua vida a todo hora, não era legal, era estressante. Ter pessoas colocando o ódio delas em você era horrível.

 

***

Era uma fileira longa de camisas sociais de todas as cores, a que havia tomado minha atenção era uma azul escura, tinha botões e mangas brancas se destacando no meio do azul. Ficaria bom nele. Sim eu estava comprando blusas sociais para Park Jaebeom, mas veja bem, Jaebeom quase não tinha blusas sociais, ele dizia não gostar "É desconfortável" ele dizia, sempre quando tinha alguma premiação ele era obrigado a comprar uma blusa nova e eu estranha isso "Cadê as blusas que ele havia comprado no mês anterior" eu pensava. Então percebi que ele as tavam para o irmão mais novo depois de usar uma vez. E pensando nisso que resolvi comprar algumas, e faria com que ele as usasse, mesmo que fosse só para ficar dentro de casa ou usar como pijama

-Com licença.- chamei a vendedora que se encontrava ali perto

-Ah, sim cliente

-Eu vou levar essas aqui... E você poderia me mostrar algumas camisas polo, para um adolescente

As blusas polos eram para meu irmão mais novo, aquele muleque estava andando como um marginal, roupas largas e tocas. Ele dizia "Noona isso é estilo. Eu sou um rapper" então eu lhe davas uns tapas na olheira "Porque está me batendo? Só disso que sou um rapper, igual a Jaebeom hyung"

-Sim... Você pode me acompanhar?

-Sim

-Por aqui .- a mulher magra e de roupas formais, apontou para um corredor deixando com que eu fosse na frente

***

Tinha chegado em casa com várias sacolas na mão, todas possuíam roupas masculinas. Eram para meu pai, Sook e Jae. Além das sacolas o porteiro havia me entregado uma caixa marrom média. Na caixa estava escrita que a encomenda era de Seul mesmo,não tinha vindo de outra cidade ou país . Balancei a embalagem perto dos ouvidos. Parecia ter outra caixinha dentro, podia ser uma bomba... Ri com aquilo, bobagem não existe terrorismo na coreia do sul, e mesmo que houvesse porque mandariam para mim? O lógico seria mandá-la para um político

Coloquei as sacolas no chão e fui andando para sala, sentando no sofá enquanto rasgava a embalagem. Dentro tinha uma caixinha retangular de veludo preto. Na embalagem não estava escrito quem era o remetente. Quem poderia ter me dado aquilo? um fã tímido? Abri a fim de saber o que tinha dentro. Era um colar prata de corrente simples, na ponta tinha um pequeno coração segurando o pingente da mesma forma, que brilhava intensamente, fazia meus olhos reluzir. Era lindo, era tão simples mas me agradava tanto, pude ouvir o celular tocar em cima da mesa, tirando minha atenção do colar. Era uma mensagem enviado por Jae. A abri, era uma foto onde JaeBum estava deitado, com a cabeça no travesseiro, sua boca estava meio torta mostrando um parte de seus dentes branquinhos, os olhinhos ainda mais pequenos que o comum e jogado em cima do seu rosto estava um colar, exatamente igual ao que eu segurava na outra mão. Eu sorri, aquilo era seu pedido de desculpas

                                           Comprando  suas desculpas, Saranghae. Li a mensagem anexada

 

**

Acordei naquela manhã disposta a fazer faxina na casa, isso mesmo, faxina, e daí que é meu aniversário e eu vou passar ele limpando a casa, cada qual comemora do seu jeito. Mas antes iria passar na casa dos meus pais para receber seus parabéns . Parei o carro na frente da casa  tradicional coreana, apertei o botão para que o carro trancasse, não precisei apertar a campainha dei de cara com o pirralho do Sook

-Aonde você?.- Com o som da minha voz Sook se assustou, dando um pulo para trás

-Ai, isso me assustou

-Vai aprontar, Sook?

-Anyo... O... Omma mandou eu vim ver se você estava chegando. Porque desconfia tanto de mim!?

-Verdade? Então vamos entrar

-Mais... É... eu,eu

-Você?.- Empurrava-o por trás, segurando em suas costas. Aquele muleque tinha crescido como um homem, só não possuía a cabeça de um - Cá, cá, anda vai

-Noonaaa

-Wae?

-O... que são essas sacolas?.- desfiou de assunto

-São para você e pro papai também

-Para mim? Tipo eu. Essa pessoa linda que está na sua frente?

-Aish - dei um tapinha de leve na sua cabeça - Neh, Neh. aqui toma

-Mas o aniversário é seu

-Sabe que não gosto de aniversários. Agora vamos entrar

-Neh noona

 

Na sala papai estava sentado no sofá assistindo ao um jogo de basebol. Ele monstrava mais carinho pelo seu time favorito do que para mim, sua filha. Não que eu ficasse brava por isso, conhecia bem meu pai, ele podia ser frio e não demonstrar carinho comigo e irmão mais novo, mas faria qualquer coisa para nós ver bem

-Anyoung haseyo aboji.- me curvei parada ao seu lado

-Oh! Seul Gi.- levantou-se

-Anyo aboji, não se levante

-Eu faço o que eu quero. Venha aqui me te um abraço.- abraçar meu pai? só em datas especiais mesmo

-Neh.- Papai me abraçou forte, me envolvendo em seus grandes braços quentes de pai

-Aigoo, minha filha mais velha.- segura minhas bochechas entre seus mãos - Parabéns, já tem vinte e cinco anos e um bom trabalho. Appa está orgulho. Sook Hwan seja igual sua irmã mais velha, entendeu?

- Igual a mim, Sook

-Neh aboji, neh noona- para mim Sook fez cara de ódio, nunca que eu ia perder uma oportunidade de irritá-lo

-Omo Seul Gi, dê um abraço na sua mãe.- mamãe disse vindo em minha direção. A mulher baixinha, exatamente da minha altura, usava seus cabelos curtos divididos ao meio, sua bochechas eram tão gorda e rosas quanto as minhas. Para sua idade, mamãe, possuía curvas realmente bonitas. Papai tinha de ser muito cuidadoso. Me abraçou forte, me apertando em seus pequenos braços, nada se comparava a ser abraçada por sua mãe era como estar protegida por um muro inquebrável - Aigoo, está tão grande, minha menina

- Grande onde? - Sook ria, mas eu ia acabar com a piada logo, logo

-Você quer apanhar Sook?

-Foi só uma piada, noona. Achei que comediantes tivessem senso de humor

-Eu tenho, eu tenho muito humor. Quer desta-lo?

-Parem de brigar. Sua irmã não veio aqui para isso. Vamos ter uma boa refeição e comemorar o nascimento da sua irmã mais velha

-Sim ommani

Estava sentada de frente para minha mãe, papai estava ao seu lado comendo, e Sook ao meu enchendo o saco

-Fala pro hyung me ensinar.- Sook pedia para que eu falasse com Jae, sobre aulas de rap

-Eu já disse que vou falar com ele quando ele voltar. Para de ficar insistindo ou falo para ele que você não quer mais aprender. Não toque mais nesse assunto

-Você é muito má noona

-Falando no Jaebeom, vocês não iam sair hoje juntos?- mamãe perguntou

-É, sim mas ele tem shows para fazer... Fora da coreia

-Verdade? Ele é uma rapaz tão bonito.- e começou - apesar das tatuagens, gostaria de ter ele como meu genro

-Omma

-Sua mãe está certa Seul Gi. Apesar de não gostar da profissão do garoto, também não gosto da sua, ele é um ótimo rapaz. Daria um bom genro.- Sim meu pai pensava em Jae dessa forma

-Concordo noona, case-se com o cunhado antes que eu termine a escola ano que vem. Quero me exibir dizendo que Park Jaebeom é meu cunhado

-Você não tem que achar nada Kim Sook Hwan.- dei lhe um tapa na testa

-Não precisava disso noona. Só expressei minha opinião, assim como papai e mamãe

-Sua irmã não te perguntou nada Sook Hwan

-Ela também não perguntou para você aboji

-Ya! Olha o jeito que fala comigo pirralho.- papai apontava a colher de sopa na direção de Sook - E você Seul Gi case-se logo

-Quero netos bonitos como o genro

-Omma

-Wae? Não posso mais exigir netos da minha própria filha?

-Aish- baguncei os cabelos. Eles ainda me matariam com esse assunto - A gente pode mudar de assunto ommani

-Tudo bem. Como vai o novo drama?

-Muito bem

-Deve estar cansada. Vou de levar na sauna semana que vem filha

-Sim um pouco. Não é fácil interpretar outra pessoa

-Seul Gi

-Neh aboji

-Não vá a sauna com sua mãe

-Wae?

-Ela vai te deixar ainda mais cansada. Não vá

-O que está dizendo, yeabo.

 

***

Já eram cinco e meia da tarde provavelmente as luzes do park já estavam acesas, iluminando todo o park.  A montanha russa seria a mais chamativa com luzinhas de todas as cores, as vermelhas com certeza se destacavam no meio da outras. Eu queria realmente ir, eu poderia ir sozinha, sim poderia, mas eu queria? não, não queria. Queria que minha pessoa favorita fosse comigo

E cá estou eu com uma toca de limpeza na cabeça, vestindo um macacão velho e descalça, só faltou a barriga. Olhava para a sala, agora, organizada e cheirando a produto de limpeza. Respirei fundo, adora aquele cheiro. Agora iria para o quarto arrumaria primeiro o closet, precisava dobrar aquelas roupas, o lugar parecia um ninho de rato, depois limparia os sapatos, isso ia demorar muita talvez desistisse dos calçados no meio do caminho.

dobrava as camisas separando-as por cor, primeiro preto depois brancas, azuis, amarelas e por aí vai. Tinha achado pelo menos umas seis camisas masculinas ali dentro, todas do Jae, inclusiva a sua favorita ( uma com a bandeira do Brasil ) tinha á pego a mais ou menos seis meses, usei ela para dormir e acabei trazendo para casa. Jaebeom estava sempre perguntando dela, de qualquer forma não devolveria nenhuma das seis agora eram todas minhas. Ouvi o telefone tocar, era o porteiro avisando que Song Ji Hyo unnie e Gong Hyo Jin estavam subindo

 

-O que vocês querem?- deixei a porta aberta para que elas pudessem entrar, dando de costas e indo até a sala

-Você parece uma mendiga.- Gong disse sentando ao meu lado

-Eu sei. Mas o que vieram fazer aqui?

-Credo é seu aniversário, viemos dar parabéns - disse Ji Hyo

-Finjo que acredito

-Ji Hyo disse que você queria ir no park ?

-Tudo bem, não precisa terminar de falar. Me levem ao park

-sério?- elas disseram juntas espantadas

-Você não vai ficar de graça fazendo birra dizendo que não vai com a gente, porque nós somos duas retardadas que te fazem passar vergonha - Gong unnie disse sem dar pausas ficando sem fôlego ao terminar

-Sim, aproveitem

 

Fui para o quarto por roupas decentes. De frente  para o espelho de corpo inteiro coloquei a calça jeans cinza rasgada nas pernas na  cintura alta. Ji Hyo e Gong estavam atrás de mim, Ji Hyo estava com o corpo estirado na cama olhando o celular, Gong me observava

-Seul Gi, que isso no seu pescoço? É um colar?

-Isso - Segurei a peça entre as mãos - Ganhei ontem

-De quem? Me parece caro, esse coraçãozinho é tão pequeno mas brilha tanto

-Park Jaebeom claro

-Como sabe Ji Hyo

-Unnie é óbvio, quem mais daria isso a ela? Eu? Você? Claro que não, todos que conhecem Seul Gi sabe que ela detesta presentes e aniversários

-Kure. Fala sério, você é tão sortuda Kim Seul Gi, toda mulher merece um cara com Jay Park na vida delas bonito, fofo, carinhoso, atencioso, forte, ele é tudo de bom

Resolvi vestir a camiseta azul escura do meu melhor amigo, ficou um pouco grande mas nada que enfia-lá dentro da calça não resolve-se. Voltei para dentro do closet pegando um tênis preto

-Com toda certeza - Ji Hyo confirmou - Que fofo, olha unnie - mostrou o celular para a mulher do seu lado

-Eu quero um - Suas vozes saiam manhosas como se estivessem vendo vídeo de uma criança rindo - Olha é igual - Apontava o dedo na dele do celular

-O que? - Me aproximei para ver, só aí fui perceber que o celular que Ji Hyo fuçava era o meu. Elas viam a foto que Beom tinha me enviado ontem - É isso, achei que fosse algo interessante tipo um cachorrinho fofo

-Mas é um cachorrinho fofo, o seu cachorrinho fofo. Olha está até usando coleira

-Ya! não fala isso - reclamei tirando o celular da mão delas

-Ya! É você -Ji Hyo gritou de volta -Vai com essa camisa?

-Vou, algum problema?

-Não nenhum, vamos logo, senão vocês duas vão discutir o resto da noite - Gong se pôs de pé levando nós duas juntas. ela me olhou da cabeça aos pés - Adorei a camisa, cheira a macho

 

***

Na entrada tinha barracas de algodão doce enfeitadas com luzes coloridas, crianças juntos de seus pais riam divertidamente, outras saiam e outras entravam, segurando balões nas mãos. Era um ambiente descontraído, sem preocupações, sem problemas o lugar perfeito para se esquecer de tudo e todos, sem precisar beber até que a consciência desaparece-se de si. Podia ver a roda gigante dali, tão brilhante e grandiosa tomando toda a atenção do park para si, sem qualquer esforço.

Passei pelo portão de entrada com as duas ao meu lado de braços dados comigo, o lado de dentro estava ainda mais cheio,havia ainda mais balões e crianças, ouvia o barulho de gritos de animação e risadas altas misturadas nas conversas e música alta. Era tranquilizante e ao mesmo tempo animador. Reconheci a música que tocava quase que de imediato

-Vai ficar olhando só pros lados - Ji Hyo cortou meus pensamentos de forma violenta - olha um pouco para frente, talvez goste do que você vai ver

Fiz como sugerido direi meus olhos da montanha russa focando na minha frente. Meu coração deu um salto tão violento que por um instante achei que fosse sair para fora do peito. Na frente está Jae usava um boné preto virado para trás, calças jeans também pretas e uma blusa cinza. Apesar de estar usando cores frias ele parecia quente, tinha um sorriso de orelha a orelha no rosto. Sorria tão largamente que seus olhos ficaram ainda mais pequenos, como na foto. Do seu lado tinha dois homens grandes, seguranças, Jaebeom balançava as mãos como uma criança para mim. Ele começou a andar em direção a mim, dançando ao ritmo da sua música que tocava no park, quando mais ele chegava perto melhor podia ouvir ele cantando

-Essa garota não é mais do que uma amiga.- ele mexia os ombros para o lado enquanto cantava, acompanhando o som -Nós somos apenas amigos. Por que você ainda não confia em mim? - Bum agora estava tão perto que se ele se aproximasse um pouquinho mais seu corpo roçaria no meu - Não olhe para mim desse jeito - apontou o dedo no meu rosto, fazendo cara de bravo - Vamos fazer as pazes, oh amor, vamos tentar fazer as pazes. Porque se não fizermos isso, eu não serei mais o seu namorado - ri com aquilo

-Você não é meu namorado

-Só dança comigo - pegou minhas mãos me arrastando para ficar ao seu lado, fiquei um tempo olhando ele cruzar as pernas e descruzar rapidamente para logo depois levantar apenas uma, fazendo um quatro com as pernas. Então eu o fiz, acompanhei seus passos imitando-o

-E eu serei louco de perder uma garota como você - cantávamos juntos - Vamos fazer as pazes

-Girl

-Boy

 


Notas Finais


A música que o Jae cantou para Seul Gi caso vocês não conheçam é Let's make up, dele mesmo

Fiquem sabendo que eu já escrevi o primeiro beijo deles, tá muito fofo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...