História Friendship - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias GRAY, Jay Park, LOCO, Simon D.
Personagens Jay Park
Tags Aomg, Gong Hyo Jin, Jay Park, Kim Seul Gi, Loco, Park Jaebeom, Song Jin Hyo
Exibições 91
Palavras 4.110
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Começou o horário de verão, e já veio me atrapalhando, com esse calor infernal que está fazendo foi difícil escrever o capitulo ( acho que esse capitulo não está como eu gostaria ) tirando todas as idéias que eu tinha para escrever e tirando toda minha concentração. Sem falar da fofa da minha sobrinha que fica me puxando com toda sua fofura para brincar. Dei realmete duro para escrever isso aqui

~ Já repararam em como o sorriso do Jaebi é bonito

Capítulo 8 - Atração sexual?


Fanfic / Fanfiction Friendship - Capítulo 8 - Atração sexual?

Pessoas se acumulavam cada vez mais ao redor, usando seus aparelhos celulares para filmar a cena, com certeza teriam vários vídeos, com o mesmo conteúdo, amanhã na internet. Aquilo não impediu que Jaebeom continuasse a dançar ( claro ele dançava tão bem quanto idols ), já para mim não pode ser disser o mesmo. Parei na hora em que lembrei que estávamos em um lugar público, cheio de pessoas com celulares que possuíam mini's câmeras de alta qualidade, mas não porque a opinião alheia importava ( podia me tirar do sério há vezes, me deixar brava fazendo com que eu xingasse ) mas sim pela vergonha de dançar em público, tudo bem eu sou uma atrizes, porque seria tímida?. Ter um script a seguir, para gravar terminadas coisas em determinados lugares é outra coisa, chama-se profissionalismo

-Porque parou? - Jaebeom com as costas curvadas, apoiando as mãos nos joelhos, respirava com dificuldades, porém não via nenhuma gota de suor escorrer por sua testa. Aquilo perante minha situação, uma criança poderia nadar nas minhas costas suadas sem problema algum - a música não acabou

-Estou cansada. Olha pra mim, estou suando igual a  você depois da academia

-Está mesmo, não vou te levar para a sua casa no meu carro. Jaebeom você leva essa coisinha ai  - Ji Hyo pronunciou-se atrás de nós, me virei a fim de encará-la

-Eu te pedi alguma coisa? Não ouvi nada do tipo sair dessa minha boquinha linda .- com o dedo indicador e o do meio juntos bati de leve em meus lábios

-Só estou deixando avisado, pirralha

-Eu sou mais adulta que você

-Parece uma criança falando. A altura combina muito com você

Foi como se um tijolo houvesse caído do céu e me atingido na cabeça. Na hora pensei que fosse Deus jogando algo duro em mim lá de cima, uma punição por ter levantado a voz para minha unnie. Porém eu não tinha culpa Ji Hyo me tirava do sério algumas vezes, portanto eu não merecia um castigo divino. Senti os braços fortes de Jae me abraçarem, como se quis-sem me proteger de outro golpe

-Aish, jincha. Vocês duas sempre fazem com que eu ocorra para meu lado violento, aish... Só não desço mais uma bancada nessa sua cabeça ruiva, Seul Gi, porque Park Jaebeom está na frente. E você.- gritou, eu não conseguia ver o que acontecia ao meu redor, mantinha meus olhos fechados e mesmo que estivessem abertos não veria nada, pois Beom segura minha cabeça contra seu peito - Song Ji Hyo você é a mais velha? Em? tem certeza disso? Você parece uma adolescente brigando por causa de maquiagem.- Ouvi Gong brigar com Ji Hyo unnie era realmente bom, me fazia ter vontade de rir descontroladamente, mas se me atravesse a fazer  isso agora provavelmente Hyo Jin tiraria o homem que me abraçava de cima de mim e me espancaria - Kim Seul  Gi, Seul Gi - gritou - olha para mim quando eu estiver falando com você

- Neh - virada para elas, pude contemplar a cara de desgosto da mulher ao lado, de braços cruzados em frente ao corpo e bochechas enchidas por ar

-Parabéns - Gong me abraçou - Você também Ji Hyo

-Neh. Parabéns Seul, sabe que eu te amo né - Fiz que sim mexendo a cabeça

- Ok, temos que ir Ji Hyo

-Vocês não vão ficar?

-Anyo, nossa missão era só de trazer aqui. Agora a gente tem que ir - Gong segurou o braço de Ji Hyo unni a arrastando, literalmente, para fora. Meu rosto com certeza carregava confusão - Até e aproveitem crianças

Jaebeom ria atrás de mim, me virei para encará-lo

-Era só para elas me trazem aqui?

-Aham

-A mando seu. Tipo uma surpresa

-Isso

-E se eu me negasse a vir, o que iria fazer?

-bem... Não sei, talvez ir até a sua casa e te dar uns tapas

Ri, me dar uns tapas? Seria mais fácil eu fazer isso

-É?

-É - fui me aproximando devagar, como uma leoa preste a dar o bote. Agarrei seu pescoço com um braço fiz com que se curvasse, ficando na minha altura, com o outro segurei meu pulso para que Jae não pudesse escapar

-Você não seria louco - apertei meu braço ao redor de seu pescoço

-Droga Seul Gi, me solta ou eu não respondo por mim

-Está me ameaçando? - apertei ainda mais

-Estou caralho, se não me soltar agora. Vou jogar você  no meu ombro que nem um saco de batata

Ri, ele realmente faria isso, mas quem disse que eu o soltaria

-Tudo bem Kim Seul Gi, você pediu por isso - no momento em que ele segurou meu braço, fazendo força para eu lhe soltasse, a vontade de rir veio com tudo, era um sentimento tão bom quando um abraço de mãe. Jaebeom se virou, ainda curvado, para trás colocando o ombro na altura da minha cintura, então segurando meus braços para que eu não resistisse ( o que eu não iria fazer, pois queria mesmo que ele me carregasse ), me colocou em suas costas, enrolei os dois braços na sua cintura. De cabeça para baixo só podia enxergar suas costas, bum bum e o chão - Então, onde quer ir primeiro?

-No carrinho bate bate - apontei o dedo  na direção do brinquedo, levantei a cabeça vendo a pequena fila para entrar no mesmo, algumas pessoas, desperdiçando seu preciosos tempo de vida, ainda filmavam nós dois

-Vamos lá - Jaebummie se virou, tirando a visão dos carrinhos bate bate de mim. Com o tronco do corpo levantado, me permitindo ter a visão das pessoas á minha frente, vi Hoody e Loco se aproximando de nós, os dois com cara fechada

-Jaebum, Hoody e Loco estão aqui? e... -Fiz esforço na vista para ter certeza de que estava vendo certa ou se precisaria ir ao oftalmologista - Estão algemados!!!?

-Quando estávamos fora, eles começaram a brigar que nem loucos, dentro do hotel, na ida pros shows, nos shows, na volta pro hotel, na hora da janta, enfim eles estavam discutindo demais. Isso me irritou muito, muito mesmo. Então decide comprar algemas num sex shop

-Num sex shop

-Sim, continuando. Prendi os dois juntos como castigo por me irritarem com suas briguinhas

Ri, só Park Jaebeom para fazer esse tipo de coisa, ir até um sex shop só para comprar algemas, e depois prender duas pessoas juntas como castigo, só podia ser coisa dele

-Tem que ser você mesmo. Faz quanto tempo que eles estão assim?

-Acho que três dias

-Três dias!! É um pouco demais

- Eu sei, mas pretendo soltá-los amanhã. Não conte a eles ou eu faço o mesmo com você. Entendeu

-Sim senhor - prestei continência

-E não preste continência para mim, eu não sou um soldado

-Sim senhor - prestei continência novamente, não lhe tanto ouvidos - Você não vai parar de andar

-Não tem motivos pra isso

-Hoody e Loco estão tentando chegar até nós

-Não me importo. Eles estão de castigo, tem que sofrer um pouquinho mais

Acenei para eles, Hoody apenas sorriu de volta, Loco acenou de volta com aquele sorriso infantil, porém fofo, que ele sempre fazia questão de levar consigo para todos os lugares. Pude ver a garota de cabelos pretos, puxar o braço, com a algema, com violência para o lado, arrastando o loiro com ela. Que apenas reclamou a seguindo, ver os dois brigando era como assistir a um filme de comédia romântica, onde o casal principal são arqui inimigos desde a infância, brigam que nem loucos, porém no fundo se amam tão loucamente quando se odeiam

Senti meus pés tocarem no chão e a altura diminuir, como se eu estivesse numa montanha a muito tempo e tivesse voltado para cidade novamente, Jaebeom não era lá muito alto, tinha apenas um e setenta de altura de qualquer forma comparando comigo, uma garota de um e cinquenta e três de altura a diferença era bem notável. Agora a única visão que tinha era da camisa cinza do homem há minha frente, podia ver claramente como seu peito era bem trabalhado, maiores que o meu ( o que não era muito legal, me deixava bem frustrada ). Com os punhos cerrados dei lhe um soco no peito

-Sai de perto - fechei a cara

-Aigo, isso doeu porra. O que eu fiz?

-Seus peitos são maiores que meus seios, idiota

Jaebeom riu

-Por isso? Ról... Não tinha necessidade de me bater

-Tinha sim

-Tinha nada. Não tenho culpa se seus seios são como dois limões. Tão pequenos que até uma criança pode fechar a mão neles. - Aquele filho da puta estava exagerando, eles não eram tão pequenos assim. Uma mão fecharia sim neles. Mas a mão de um homem, um homem adulto, não há de uma criança

-Você está querendo morrer antes dos seus pais? Park Jaebeom

-Você começou

-Cala a boca eu quero entrar nesse brinquedo e te matar em um acidente de carro. Vamos logo - me virei caminhando para dentro do brinquedo

-Louca

-Eu ouvi isso. Te prepara Jay Park

 

***

Estávamos sentados na praça de alimentação, quase vazia pelo o horário, meia noite e ponto, o parque fecharia dali um pouco, depois de vencer Jae no carrinho bate bate, andar na montanha russa, bagunçar meus cabelos no navio pirata descansavamos em um dos vários bancos vazios ao redor. Eu estava feliz, feliz pra caralho mas também preocupada. Não era para ele estar aqui do meu lado, era para ele estar fazendo shows em washington. Me sentia mal pelas fãs que ficaram sem vê-lo por minha causa se acaso ele houvesse cancelado as duas noites de shows, que ainda restavam a fazer. Olhei para o lado, Jae estava imerso em provar a bebida em suas mãos, não me olhava, não olhava o céu escuro acima de nossas cabeças nem a pela paisagem do colorido parque a nossa frente. Seu olhar era vago, como se não estivesse aqui mas sim em outro lugar

-Bum - chamei tirando-o de sua inércia. Park me olhou sem nenhuma expressão, nem cansaço por ter ficado o resto da noite num parque gastando energia, após uma longa viagem de avião. -E...

-Oppa - Fui cortada por Hoody que chegou respirando com dificuldade, como se tivesse corrido, Loco estava um pouquinho pior, talvez muito pior -  a gente procurou vocês pelo parque inteiro - exageros, seres humanos são sempre exagerados

- Não vou soltar os dois, não adianta pedir

-Não vim pedir para que me solte desse imbecil inútil, já desisti dessa ideia a três dias atrás. Vim dizer que temos que ir parque vai fechar

-Agora, tipo agora mesmo - perguntei

-Sim. Não dá tempo de andar na roda gigante

-Anyo, eles disseram que vão apagar as luzes daqui quinze minutos. Todos estão saindo, temos que ir também - Loco disse já recuperado do cansaço

-Vocês vieram até aqui correndo. Hyuk Woo conseguiu de acompanhar -Jaebeom ria

-Hyung, qual é

-Não ele não conseguir. Tive que parar duas vezes no meio do caminho, por causa que ele não aguentava mais - interviu Hoody

Jae riu ainda mais e eu o acompanhei

-Parem de rir - pediu - Hyung, Kim Seul Gi, parem de rir. A gente tem que ir o parque vai fechar

-Não tenta desviar de assunto Loco. Você não consegue acompanhar o ritmo de uma garota

-Me deem um crédito, eu tive que andar o dia todo por culpa dessa coisa magra do meu lado

-O que disse seu gordo inútil?

-Que eu tive que andar o dia todo por causa dessa coisa fina do meu lado!!

-Coisa? Fina? Você me chamou de coisa fina seu gordo maldito. Eu não pedi para que me acompanhasse, fez porque quis

-Como porque quis desgraçada. Você não consegue ver isso aqui não - Loco levou as mão para altura de suas cabeças, expondo a algema ao redor de seus pulsos- Eu não tinha escolha !!

-Cortasse sua mão fora então

-Você vai ver o que eu vou cortar

-Ooou calma, calma - ri nervosa, mas não nervosa por estar com raiva, mas nervosa de medo que aqueles dois começassem uma briga física ali. Me coloque entre eles - Como vocês mesmo disseram, a gente tem que ir. Vamos esquecer esse assunto. Certo?

-Gi está certa, vocês podem continuar isso de outro jeito mais tarde, já que vão dormir na mesma cama

-Oppa

-Hyung

-Vamos - Enrolou seu braço em meu pescoço me tirando do meio deles - Vou deixar vocês dois na casa da Hoody

 

Deixamos Hoody e Loco na casa da mulher da dupla. Agora Jaebeom estava no sofá da minha sala, eu me trocava no quarto tirando as roupas suadas do corpo, até pensei em tomar banho porém estava cansada demais para isso.  Disse que dormiria em casa essa noite, Que estava cansado demais para dirigir até sua casa - apesar da mesma não ser nada longe - e que queria passar a noite comigo pois sentia saudades dos meu roucos de porco, ai eu lhe dei um tapa na testa e o idiota riu, como se apanhar fosse a coisa mais legal na face da terra

Resolvi usar a camisa favorita dele para dormir.  A vesti e coloquei um shorts preto, amarrei meu cabelo para trás eu um rabo alto de cavalo.Com uma camisa preta masculina nas mãos fui para sala. Jaebi parecia dormir, seus peito subia e descia em um ritmo calmo, como uma dança romântica, com o silêncio reinando na casa podia ouvir claramente a respiração dele calma, tranquila e suave. Me aproximei sentando do seu lado com o máximo de cuidado possível, não queria acordá-lo porém também não deixaria que dormisse com uma camisa suja de suor

Tentei levantar seus braços para tentar tirar as mangas, mas era realmente difícil, o braço ficará pesado enquanto relaxado demais. E a posição em que eu estava não ajudava muito, seria ainda mais difícil tirar a outra manga. Passei uma perna para o outro lado, para que eu  pudesse ficar em cima dele, sem sentar em seu colo tentei tirar sua camisa mais uma vez. Suas mãos fecharam ao redor da minha cintura,  ele não me puxou para frente, não aproximou nossos peitos e rosto, apenas fez com que minhas pernas fraquejarem me fazendo sentar em seu colo. Minhas mãos foram de encontro com seu duro peito me apoiando neles

-Você não está dormindo

-Anyo - sua voz saiu rouca, em seus lábios um sorriso torto e doce

-Desgraçado... Estou aqui me matando para colocar uma camisa limpa em você, sem que acordasse - dei um leve tapinha em seu peito - Porque não disse nada!?

-Estou cansado demais para falar

-Então porque está falando?

-Cala a boca

Ele ainda mantinha os olhos fechados e expressão serena. Seus cílios eram tão pequenos que se ele abrisse os olhos agora, eles desapareceriam dali. Passei a mão neles sentindo a leveza dos mesmos, meu dedo indicador deslizando entre os pequenos fios e a pela macia de seus olhos, tocá-lo era uma sensação boa Park Jaebeom era quente como brasa, qualquer um que não tivesse muito contato físico com ele poderia dizer que Jaebi estava queimando em febre, mas era só a temperatura natural do seu corpo, quente e confortável. Desci os dedos para baixo passando por seu nariz, me demorei por lá, toquei a pequena joia mantida ali. Continuei a descer os dedos explorando seu rosto, passei os dedos entre seu filtro labial afundando-os ali, era umas das partes que eu mais gostava no rosto de uma pessoa - principalmente de Jaebeom - olhei para seus lábios me perguntando se deveria tocá-los ou não, estavam entreabertos deixando uma pequena brechinha para que o ar saísse. Eram tão vermelhos quanto um morango maduro, com contornos bem marcados tanto volume ao lábios vermelhos e molhados cujo eu olhava. Toquei com delicadeza o local, deslizando os dedos primeiro na parte superior, molhando-os ali, passei para a parte inferior indo de uma lado para o outro, era tão macio e molhado mesmo Jae sequer ter posto a língua uma vez para fora, para molhá-los. Belisquei , com as unhas, a região sem qualquer intenção de feri-lo, queria sentir a macieis da carne prensadas entre minhas unhas e dedos. Sua língua saiu para fora da casinha, molhando ainda mais meus dedos, ao soltar seus lábios, molhou o local um pouco mais avermelhado que o comum, mordendo logo em seguida. Minha respiração estava acelerada assim como meu coração, minhas bochechas queimavam como fogo e minhas palmas formigavam querendo contado assim como minha parte intima. Me assustei com toda aquela reação estranha do meu corpo, eu sempre o toquei, sempre toquei seu rosto e lábios, não era a primeira vez de minhas mãos tocando aquela parte tão delicada do seu rosto, então porque minha calcinha estava tão molhada

-Dá próxima vez que me beliscar eu arranco seus dedos - Jae pronunciou-se quebrando o silêncio da casa. Olhei seus olhos entreabertos me observarem pesados e nublados, suas mãos se apertaram ainda mais ao redor da minha cintura, senti as bochechas esquentarem mais. Eu tinha certeza que estava vermelha feitos os lábios do homem em que eu estava sentada em cima

-M... Me desculpa, eu não queria machucar

-Não machucou, mas de qualquer forma doeu. Não faça de novo e não toque outro homem desse jeito que não seja eu. Pode acabar acontecendo algo que ruim

-Sim... Você tem que trocar de camisa - me mexi em seu colo, jogando a metade do corpo para o lado, agarrando a camisa preta em cima do sofá. Jaebeom mexeu os quadris embaixo de mim, meu bum bum levantou um pouquinho do seu colo, me colocando no lugar de volta

-Não se mexa assim

-Mas eu estav...

-Não tem mais e eu não vou vestir isso agora, preciso de um banho, uma banho bem gelado - Se levantou comigo no colo, entrelacei minhas pernas ao redor de sua cintura, para que eu não caísse em cima da mesinha de vidro atrás das minhas costas. Nossos rostos tão próximos de modo que nossas respirações se entrelaçaram assim como minhas pernas em seu quadril e seus braços em volta de minha cintura - Você não deveria subir em cima de um homem usando a camisa dele e um shorts curto - Senti meu corpo bater de encontro com o sofá, o estofado podia ser macio, porém aquilo doeu pra caralho. Senti minhas costas pedirem por socorro e meu bum bum por uma massagem. Aquele filho da puta ia me pagar

-Aish, filho da puta. Eu deveria de colocar para fora, feito um cachorro idiota

-Foda-se - gritou já fora da sala

-Foda-se é você imbecil. - passei a mão em minhas costas, sentindo os ossos doerem - Desgraçado eu vou revidar. Ela pensa que eu sou o que? Um saco de batatas para me jogar desse jeito - cochichei reclamações

Direcionei os olhos que antes observavam o nada da sala escura para minhas pernas, as coxas encostadas uma na outra, as pernas jogadas para o lado  afastadas uma da outra. E toda aquela sensação quente voltou com mais intensidade como se eu tivesse acabado de virar uma garrafa cheia de tequila, subindo pelas pontas dos dedos dos pés passando pelas pernas e parando entre minhas coxas pedindo por contato físico e quente, senti as pálpebras pesarem, meu peito subir e descer rapidamente, minha visão ficando turva. Já havia tocado antes seu rosto, não daquela forma, mas com a mesma intimidade, assim como já havia sentado em seu colo e até abdómen e nunca tinha sentido aquela necessidade de me esfregar naquela região, como tinha sentido a minutos atrás. Bati na minha própria cabeça, no que eu estava pensando? E que droga estava sentindo? Atração sexual por ele, meu melhor amigo, só agora após cinco anos de amizade. Aquilo estava errado eu não deveria ter aqueles tipos de pensamentos, minha calcinha não deveria estar molhada e nem meu corpo estar tão quente eu tomaria um banho e esqueceria daquele momento vergonhoso

***

Estava sentada na mesa da cozinha , observando a tigela de arroz a minha frente cutucando os pauzinhos ali dentro. Pensa na dor da minha costas, não por ter sido jogada sem delicadeza alguma em cima do sofá ontem, mas sim por ter passado a noite toda com o peso de um homem adulto e malhado em cima de mim, estava impressionada por ter conseguido dormir a noite inteira sem me sentir incomodada. Jaebeom ainda dormia no quarto como uma rocha, mesmo eu tendo empurrado ele com toda minha força e violência, de ter beliscado seu braço e pisado em cima dos quadradinhos em sua barriga, a única reação dele foi virar de bruços e soltar um murmulho. Aish ainda pensaria em um jeito de deixar uma marca roxa no infeliz

Jaebeom apareceu com os cabelos bagunçados e rosto inchado na cozinha, acompanhei ele abrir a geladeira tirando uma garrafa de água dali, com a cabeça colocada para cima deixando seu pescoço exposto, seu pomo de Adão subia e descia. Me imaginei pulando em seu pescoço e logo depois enfiando a garrafa por sua goela a baixo, abri um sorriso nos lábios eu realmente gostaria de fazer aquilo

-Está rindo do que? - perguntou se aproximando

-Só imaginei essa garrafa descendo pela sua garganta

-Psicopata, vou tomar mais cuidado com você - pegou minha tigela de arroz - mas... Por que está com a mão nas costas. Deveria se sentar reta suas costas podem começar a doer - Jaebi adora fingir não saber das coisas

-Eu também não deveria ser jogada sem qualquer cuidado em cima de um sofá e nem deixar um homem pesado dormir uma noite inteira em cima de mim. Mas eu acho que isso não tem muito parte na dor que estou sentindo, deve ser porque estou sentada de mal jeito mesmo - Ironizei. Jae só riu como se aquilo tivesse graça - está rindo porque? Está escrito palhaça na minha testa?

-Talvez tenha

-Cala essa boca. Hoody me mandou uma mensagem, disse que é para você se apressar e soltar eles, porque ela não aguenta mais ter que dormir na mesma cama que o louco

-Não tenho pressa. Quem mandou eles irritar a minha pessoa

-Como a Hoody está tomando banho e indo ao banheiro. Você os soltas?

-Anyo, não soltei aquelas algemas nem uma vez desde que as coloquei

-Ról... Mas como é que ela toma banho e faz todo o resto? Ooh, eles estão tomando banho juntos

-Com certeza não fazem apenas tomar banho. Eles são complexos, brigam que nem gato e cachorro mas são como Bonnie e Clyde

-Acho as brigas deles fofas

-Acho irritantes. São mais chatas que as piadas do Gray

-Anyo, Gray é um bom comediante

-Eu sou um bom comediante. Gray é um bom produtor. Falando em Gray é verdade? Ele e Gong Hyo Jin noona trasaram mesmo?

-Como ficou sabendo?

-Gray chegou na China com marcas roxas no pescoço. Então deduzi que ele havia fodido com alguém. Fiquei curioso e perguntei pro Loco e ele disse "Foi com aquela atriz, a amiga da Seul Gi", acho que ele não lembrava o nome da noona, foi realmente difícil descobrir se era Ji Hyo noona ou Hyo Jin noona

-E como ficou sabendo disso. Eu não contei pro Loco e tenho certeza que Gray também não

-Então pode tirar toda essa confiança nele. Gray contou pro Loco que contou para mim e eu não contei para mais ninguém

-Ról... Porque homens tem necessidade de contar todas as suas experiências sexuais para os amiguinhos!?

-Isso chama-se competição. Homens são seres retardados, competimos sempre, quem comeu a mais gostosa no mês, com quantas você dormiu em uma única noite, esses tipos de coisa

-Você é um homem acabou de insultar a si próprio

-Eu sei - O homem sentado á minha frente começou a me olhar fixamente piscando poucas vezes, mordia uma maçã. Olhei de volta fazendo careta

-Qual o problema com o meu rosto?

-Aquele vestido que você usava naquele vídeo, ainda está com você?

-Sim, unnie disse para mim ficar com ele, porque realçava minha curvas e deixava meus peitos maiores. Mas eu não vou usá-lo de novo

-Não quer jogar fora?

-Porque eu faria isso, unnie me deu ele com carinho. Não posso jogá-lo fora

Sem dizer nada Jaebeom se levantou seguindo para fora da cozinha. Aquilo me preocupou, ele iria pegar o vestido e provavelmente rasgá-lo como se ele fosse meu pai ou namorado. Corri atrás dele

-Park Jaebeom não se atreva



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...