História Friendship for life - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Arrow, The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Cisco Ramon, Dra. Caitlin Snow, Felicity Smoak, Iris West, John Diggle, Moira Queen, Oliver Queen (Arqueiro Verde), Ray Palmer, Roy Harper (Arsenal), Sara Lance, Thea Queen, Tommy Merlyn
Exibições 109
Palavras 2.681
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 20 - Cap20


Estaciono o carro em frente de casa e vejo a Cait do outro lado da rua descendo do carro cheia de sacolas. Como estava com saudades desse lugar em tão pouco tempo fui capaz de me acostumar aqui.

- Precisa de ajuda? – Grito descendo do carro e ela pula de susto, começo a rir.

- Você quer me matar? O que tá fazendo aqui? Quer dizer...

- Eu moro aqui ué. – Falo me aproximando

- Graças a Deus amiga, você não tem ideia de como fez falta aqui.

- Também senti falta amiga. Mas estou de volta, deixa eu te ajudar.

 - Que bom, vai me contar tudo.

Assinto, ela abre a porta e quando entramos encontramos Oliver e Tommy sentados na sala bebendo cerveja e assistindo jogo. Confesso que me sinto em casa vendo essa cena.

- Ei! Olha eu juro que não sabia que você ia vir aqui, eu... – Tommy fala desesperado e começo a rir

- Calma, está tudo bem.

- Então vocês...

- Sim, isso mesmo Tommy. - Oliver fala ainda sentado na poltrona, com uma perna em cima da outra

- Isso é ótimo gente. Que bom que voltou – Me dá um abraço apertado

- Bom nós vamos estar na cozinha meninos. – Cait fala indo pra cozinha

Olho para o Oliver e ele me dá uma piscadinha e sorrio. Coloco as sacolas no balcão e me sento em uma banqueta.

- Então amiga, me conta tudo. Sara já sabe que a vizinha dela está de volta?

- Não, ela vai surtar – Falo rindo – Então amiga, nós esclarecemos algumas coisas e ficou outras em aberto, mas resumindo estamos juntos.

- Vocês conversaram na empresa?

- Sim, minha mãe me ligou conversamos ela disse pra mim voltar, enfim você conhece a Donna Smoak. Ela abriu minha visão e minha mente.

Ela ri.

- A tia é fogo, ai to tão feliz, que bom que vocês voltaram. Mudando da água pro vinho, o bebê da Thea tá pra nascer essa semana né?

 - Sim, o pequeno Robert. Essa semana tenho consulta, espero conseguir ver o sexo dele.– Falo passando a mão na barriga.

- Vai conseguir sim amiga. Bom vocês vão jantar aqui né?

- Não, hoje não quem sabe no final de semana – Falo rindo e ela ri junto – Acho que nem vou fazer compra mais, nós comemos na empresa e praticamente todos os dias jantamos aqui.

- Vou começar a cobrar isso sim – Nós rimos – Mentira, amo ter vocês aqui. Esses dias fiz macarrão com chocolate e banana pra Sara.

- Que gororoba é essa? Ela comeu mesmo?

- Quase come a panela minha filha, ela vive tendo desejo um mais louco que o outro. Agora que você voltou tenho certeza que ela vai começar a te pedir alguma coisa.

- Ai meu deus, só a Sara mesmo. Eu por enquanto não tive desejo nenhum.

- Ainda bem, pelo menos o Oliver vai participar. 

- Verdade, falando nisso preciso ir amiga, talvez mais tarde apareço aqui.

- Ok, vem sim a Sara e Ray vai vir com certeza.

Vou até ela e dou um beijo e caminho até a sala

- Oliver to indo pra casa você vai agora?

- Sim, nos falamos mais tarde. – Bate a mão na do Tommy e se levanta

 - Tchau Tommy – Faço um aceno e ele retribuiu sorrindo

Saimos da casa deles e Oliver passa os braços por cima dos meus ombros e beija meus cabelos

- Senti sua falta amor. – Fala e passo o braço em volta de sua cintura enquanto caminhamos

- Também, foi bom ver vocês naquela sala, me senti em casa de novo.

- Isso é ótimo. Como está o bebê?

- Bem, essa semana tem consulta e você vai.

- Tá mas... – Vejo que ele ficou sem graça

- Oliver você é pai dele, eu sei o quanto isso vai te magoar se não for. – Falo quando paramos em frente a porta da nossa casa. – Não precisa achar que temos que ir com calma, vamos voltar as programações normal. – Falo rindo e ele ri

- Ok, eu vou.

Entramos em casa e nada mudou a não ser a estante que quebrei todos os enfeites e porta retrato. Ela está vazia e nossas fotos estão em um cantinho dela. Fecho os olhos e a sensação de lar me domina. Sinto meus olhos começar a marejar e Oliver me abraçando por trás.

- Bem vinda a sua casa. – Fala baixinho no meu ouvido.

Só isso foi o suficiente pra escorrer uma lágrima viro pra ele e sorrio

- Obrigada amor, vem cá precisamos conversar. – Puxo ele pela mão e caminhamos até o sofá. – Deixamos algumas coisas em aberto e precisamos conversar sobre elas.

- Ok como quiser.

 - Você me tem certeza que quer passar por cima disso? Está disposto mesmo a continuar? – Ele me olha espantado – Só estou te perguntando tudo isso, porque não quero mais nada entre a gente Oliver, você ainda confia em mim?

- Amor, já passamos por cima disso quando você foi no meu escritório, nada mais me importa. E claro que estou disposto a continuar, jamais cogitei terminar com você, você é a mãe do nosso filho, do nosso pimpolho e eu a amo ainda mais por isso. Eu confio em você, mas quero saber se você me perdoou depois de tudo? Eu sei o quanto eu te machuquei mas quero que saiba que estou arrependido, eu deveria ter confiado em você de verdade. Mas agora já aconteceu e eu só necessito do seu perdão para podermos continuar.

Enquanto ele falava as lágrimas desciam sem parar, o olhar dele é tão sincero. Eu o abraço com força como se dependesse daquilo, ele retribuiu e deixo as lágrimas escorrerem. Depois de alguns minutos, seguro o rosto dele entre as minhas mãos e dou um selinho.

- Eu já te perdoei amor, me desculpa por ter te afastado esse tempo todo não sei o que passou, mas entendo que não foi fácil por que passei por isso. Oliver eu te amo, eu quero ficar com você, mas quando desconfiar de algo por favor venha me ouvir primeiro antes de tudo, não estou dizendo que vai ter ou vou dar motivos para isso, mas a maneira que me abordou aquele dia foi insana, eu quase não consegui falar. Você é uma figura pública, dono de uma das empresas mais importantes dentro e fora do nosso país, sempre vai haver boatos sobre nós. Mas por favor quando isso acontecer, chegue com calma e procure a fonte verdadeira, nunca mais quero ver aquele Oliver de novo.

Termino de falar e ficamos nos encarando, ele gruda meus lábios nos seus e sem perceber nós aprofundamos nosso beijo. Começamos a tirar nossas roupas, começamos na sala e terminamos no quarto, não sei como viemos parar aqui, estamos jogados na cama suados e nos acalmando.

Olho no relógio e são 21h10.

- Você não ia voltar no Tommy? – Falo rindo

- Não sei se tenho energia pra uma aposta. – Começamos a rir

- Meu Deus Oliver, eles me escutaram gemendo, gritando e tudo mais. Ai meu deus, não tenho cara pra olhar pra nenhum deles e...

Ele começa a rir e fico sem entender nada

- Ei calma, nosso quarto é a prova de som aliás todos os quartos.

- Nunca me senti tão aliviada como agora. – Rimos

- Vai tomar banho, você tem que ir apostar como sempre. – Começo a empurra-lo da cama

- Aposto amanhã ou final de semana, hoje quero ficar com você, no caso vocês. – Passa a mão sobre minha barriga – Oi bebê, tudo bem ai? – Fala com os lábios contra a minha barriga e dá um beijo, sorrio e passo a mão em seus cabelos.

- Amor necessito de um banho urgente, tomar um chá e dormir.

- Ok, vou tomar banho e roubar comida na casa do Tommy , precisamos fazer compra. – Fala rindo

- Não acredito nisso, você tava comendo na Cait esse tempo todo? – Ele assente rindo – Que feio Queen, mas por favor traz um suco pra mim com um pedaço de bolo que eu sei que tem lá. – Começamos a rir e ele dá um beijo na minha testa.

- Bom – Se levanta da cama – Vou tomar meu banho e vou lá pegar comida pra gente. Você não quer ir?

- Não amor, to cansada vou descansar. Amanhã depois que sairmos da empresa, vamos ao supermercado.

- Sim, já volto.

Ele sai do quarto e me levanto, vou ao banheiro me olho no espelho e começo a rir da minha situação. Estou toda descabelada com alguns fios grudados pelo ombro e pescoço. Entro no box, ligo o chuveiro e deixo a água cair pelo corpo, coloco as mãos sobre minha barriga e começo a fazer carinho. Aquele vazio que sentia no peito sumiu e espero nunca mais senti-lo, voltei com o pai do meu filho, resolvemos esquecer tudo o que passamos e seguir em frente.

Oliver Queen

Entro na casa do Tommy e encontro todos sentados no sofá conversando, sim Ray e Sara estão aqui.

- Oi gente – comprimento todos de uma vez

- Achei que não ia voltar hoje, o jogo começa daqui a pouco. – Tommy fala

- Oi – Sara e Ray responde juntos

Cait fica me olhando com os olhos serrados e começa a rir

- Que foi Cait? – Falo rindo

- Já sei o que veio fazer aqui seu cara de pau. –

- Desculpa, mas não fiz compra e sua amiga não está em condições de fazer comida. Ah, ela pediu suco e bolo e o que tiver aí eu como. – Ela ri

- Gente calma, vão devagar. Que amiga? Tô perdida – Sara fala com uma ruguinha na testa

- Amor quem é a única pessoa que vai pra casa dos outros quando está com preguiça de cozinhar? – Ray fala

- A Fel mas... – Fala olhando pro Ray – Espera, vocês voltaram? Ai meu deus gente, que bom! Tava na hora já. Porque ela não veio?

- Ela está cansada, acho que o bebê está começando... – Meu celular começa a tocar – Oi amor, já estou indo.

- “Oliver deixei as minhas coisas no carro, quando você voltar pega pra mim?”

- Claro, Sara e Ray estão aqui.

- “Manda um beijo pra eles, fala que amanhã vou vê-los”

- Ok

- “Era só isso amor, beijos”

- Beijos

Desligo e guardo o celular.

- Ela mandou um beijo pra vocês e falou que amanhã vai vê-los. – Falo apontando pra Ray e Sara

- Arrasou – Sara fala e Ray assente sorrindo

- Bom vou na cozinha pegar comida pra vocês – Cait fala e sai em direção a cozinha

- E aí, vai ficar pro jogo? – Tommy pergunta me passando uma cerveja

- Nem vou cara, vou ficar com ela em casa hoje. Final de semana pode ser?

- Demoro, isso mesmo cuida dela. – Fala dando um soco no meu braço

- Como ela está Oliver? – Ray pergunta

- Bem, a barriga dela já está maiorzinha. Essa semana tem consulta enfim, estamos bem. Vamos passar por cima do que aconteceu.

- Isso é bom cara, fico feliz por vocês.

Dou um sorriso e assinto

- Aqui Ollie, fiz dois sanduíches, o bolo é de chocolate tenho certeza que te vejo ainda hoje e o suco. – Fala e rimos

- Valeu Cait, vocês são ótimos vizinhos. – Falo e todos riem

- Sai daqui seu mentiroso – Fala rindo

- Gente deixa eu ir tenho duas pessoas pra alimentar.

- Isso aí, qualquer coisa grita – Tommy fala

- Verdade – Ray e Sara falam em uníssono e rimos

- Ok, obrigada. Boa noite gente

- Boa noite. – Falam e uníssono

 

Chego em casa deixo as coisas no balcão da cozinha, vou ao carro da Fel e pego a mala dela. Entro novamente e a vejo descendo as escadas vestida com uma camiseta minha marcando de leve a barriga.

- Amor as coisas estão no balcão, vou levar a mala pro quarto já volto. – Ela assente e subo as escadas. Deixo a mala em um canto do quarto e desço. Chego na cozinha e a encontro comendo o bolo com a mão e me seguro pra não rir.

- Está bom? – Questiono

- Uhum, quer? – Pergunta com a boca cheia de cobertura

- Não obrigada, vou comer um sanduíche.

Ela termina de comer e fica me olhando comer.

- Pode pegar o outro amor. – Falo me referindo ao sanduiche

- Não quero, estou satisfeita. Gosto de te ver comer. – Começo a rir balançando a cabeça e ela me acompanha – É sério seu besta, mas enfim amor acho que precisamos de alguns empregados.

- Pensei nisso também. Vai querer babá?

- Vamos precisar, mas quando ele for maiozinho. Não queria babá mas vamos precisar. Vamos precisar de alguém pra cuidar da casa e cozinhar de vez em quando.

- Entendo, sem problemas amor. Posso falar com a minha mãe, ela conhece pessoas de confiança.

- Acho ótimo, amor.

Me levanto, coloco as coisas na pia e a puxo pra subirmos pro quarto. Entramos, escovamos nossos dentes e nos deitamos, ficamos na nossa conchinha.

- Ansioso pra descobrir o sexo do bebê?

Sorrio e coloco a mão em sua barriga.

- Muito, não vejo a hora de nascer.

- Eu também, quero ver esse rostinho.

- Se for uma menina vai ser linda igual a mãe. Já me vejo batendo nos futuros namorados dela. Não gosto nem de pensar.

Ela começa a rir

- Amor calma, vão namorar debaixo do nosso nariz. Dependendo da idade. Se for um menino vai ser lindo, mas não gosto de pensar nas meninas se esfregando nele.

- Imaginei que você ia dizer isso. – Rimos

- Eu te amo, amor. – Fala bocejando

Dou um beijo em seu ombro.

- Eu também, durma você está cansada.

- Boa noite.

- Boa noite amor.

 

Felicity Smoak

O dia na empresa foi tranquilo, almoçamos com os meninos em um restaurante próximo. Saímos da empresa e fomos ao mercado, Oliver não deixou eu pegar quase nada de besteira pra comer, falou que tenho que seguir a dieta da nutricionista pelo bem do bebê. Chegamos em casa e ajudo Oliver a guardar as compras quando o telefone começa a tocar. Oliver vai atender.

- Alô... O que? Agora? Daqui a pouco estamos aí. – Desliga

- Oliver o que houve?

- Thea entrou em trabalho de parto. Preciso ir pro hospital

- Vou com você, preciso avisar Cait e Sara. – Ele assente

Saímos de casa e paro perto do carro.

- CAIT!! SARA!! – Grito

- Felicity, que isso? – Oliver me lança um olhar repreendendo

- Economizando tempo.

Vejo as duas saindo cada uma de suas respectivas casas

- O que houve gente? – Cait pergunta

- Thea entrou em trabalho de parto. – Oliver fala

- Meu deus, encontramos vocês lá. – Sara fala e volta pra dentro da casa

- Podem ir, daqui a pouco estamos lá. – Cait fala e assentimos.

 

Chegamos no hospital, pedimos informações da Thea. Saimos em direção a sala de espera e vemos o Roy sentado de cabeça baixa.

- Roy. – Chamo

Ele levanta o rosto e está com os olhos marejados.

- Roy o que houve? – Oliver pergunta e sinto preocupação em sua voz

Roy balança a cabeça em negativo e respira fundo e soltar o ar.

- Os dois correm risco de vida.

Sinto meu chão se abrir, olho pro Oliver e ele está pálido como uma folha de sulfite. Oliver senta ao lado de Roy jogando a cabeça pra trás. Vejo uma lágrima escorrer por seu rosto e sinto meu coração se apertar. 


Notas Finais


Comentem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...