História From Zero - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang, EXO, GD & TOP, Monsta X, Super Junior
Personagens Choi Siwon, D-Lite (Daesung), G-Dragon, Heechul, I'M, Kim Heechul, Personagens Originais, Seungri, T.O.P, Taeyang, Xiumin
Tags 2won, Baeri, Bigbang, Changkyun, Daesung, Exo, Feelings, Gdragon, Gtop, Heechul, Jiseok, Kpop, Monstax, Mpreg, Seungri, Siwon, Suju, Taeyang, Top, Wonho, Xiumin
Visualizações 484
Palavras 2.366
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Volteeeeeei!
Notaram a capa nova? Tô amando Kkk
Foi um pouquinho difícil escrever esse capitulo, porque meu sobrinho tá aqui em casa e não deixa ninguém quieto, mas enfim... Foi bom que me inspirou ainda mais pra fazer o personagem do Chang Kkk
Dei um berro com os +100 favoritos e +30 comentários no prólogo. O que foi aquilo? Eu tenho os melhores leitores, ever ❤ Muito obrigada pelo carinho.
Vou deixar pra contar umas novidades nas notas finais, então não deixem de ler, por favor.
Enfim...
Boa leitura e me perdoem pelos erros.
Obs: 2024 são 7 anos depois que Choi foi embora, ou seja, um ano após o prólogo.

Capítulo 2 - Reencontro


Fanfic / Fanfiction From Zero - Capítulo 2 - Reencontro

Seul

2024/ 04/ 07

11:21 AM

- Alô. - Jiyong atende o celular com uma preocupação perceptível à quem ouvia. Havia saído da sala de aula ao receber uma ligação da escola onde seus dois filhos estudavam, deixando para trás um professor estressado por ter sua aula interrompida por um aluno que sequer pediu licença para sair. - O ChangKyun? - Franziu o cenho, incrédulo no que havia acabado de escutar. - Em menos de quinze minutos chego aí.

Despediu-se da mulher, que deduziu ser a diretora, e encerrou a chamada. Olhou pela fresta da porta da sala onde estava anteriormente, vendo o professor de cabelos grisalhos resmungar algo sobre falta de educação. Percebendo que seria massacrado pelo homem se entrasse para recolher os materiais, o rapaz de cabelos alaranjados suspirou fundo e optou por mandar uma mensagem pedindo um favor à um amigo... Bom, pelo menos ele definia sua relação com Wonho como amizade. O investigador havia começado à cursar Engenharia de Computação após ser contratado pela polícia, pois um bom conhecimento em informática ajudaria-o bastante com os casos. O rapaz e Jiyong, já bastante próximos, tiveram o relacionamento fortalecido por estarem passando mais tempo ainda juntos, visto que o de cabelos alaranjados estava em seu quarto período da faculdade de Medicina Veterinária, no mesmo campus que o outro.

 Eu sei que as turmas de Engenharia são em um bloco um pouco distante, mas pode passar no de Biológicas depois da sua aula? Chang se envolveu em uma briga no colégio e eu tenho que ir pra lá.

Começou a caminhar em direção à saída, alternando o olhar entre o celular e a frente. Já perto do estacionamento, a mensagem enviada pelo amigo chegou:

Claro que passo.

Chang é um pouco estressado kkk

Mas o que é pra fazer aí? Pegar seus materiais?

Sorriu baixinho pelo comentário sobre o filho e destravou seu carro ao avistar o veículo, parando de caminhar para responder o investigador.

 Estressado até demais para uma criança dessa idade.

Sim, é pra pegar meus materiais.

Está na sala ao lado esquerdo  da biblioteca. 

Continuou a trocar mensagens com Wonho, e despediu-se e agradeceu-o ao ver que já haviam se passado mais que cinco minutos.

No caminho para o colégio infantil, se pegou pensando no quão bom seria se Choi fosse um pai presente. O moreno com sorriso de covinhas nunca mais voltou depois daquela despedida, não mandou uma mensagem sequer. Jiyong deduziu que aquilo fosse como uma resposta silenciosa à sua carta, como se Choi tivesse dito-o com o silêncio que não se importava. Dois anos depois da última vez que viu o amado, chegou à pegar o celular de Wonho escondido e ligar para a esposa do pai de seus filhos, mas a mulher nunca passava para Choi e sempre dizia que o moreno não fazia questão de assumir os filhos, então, com o passar do tempo, o estudante de Medicina Veterinária foi acreditando. O investigador policial chegou a insinuar que deveriam ir atrás do Seung, pois o mesmo era pai e tinha suas obrigações, mas o menor não quis, achou que seria humilhação demais.

Suspirou fundo com as lembranças e estacionou o veículo em uma das vagas do estacionamento externo da escola. Cumprimentou o porteiro, já conhecido por si, com um aceno feito com a cabeça e adentrou ao colégio.

A secretaria era a primeira sala do campus colorido e de tamanho médio, então não demorou muito para chegar na mesma. Como a porta estava aberta, pôde ver seu filho sentado em uma das cadeiras da recepção da sala, mesmo estando em uma distância relevante.

- Chang. - Chamou a criança, ignorando a presença das outras pessoas ali presentes e curvando as costas para ficar da altura do pequeno. Sentiu um aperto no peito quando ChangKyun ergueu a cabeça, deixando-o ver seus olhinhos vermelhos e lacrimejados. - O que aconteceu? O omma recebeu uma ligação dizendo que você havia se envolvido em uma briga. - Questionou, usando toda calma possível. Sabia que o filho era respondão quando queria, até estressado, mas preferia ouvir a versão do mesmo antes de dar uma bronca.

O pequeno olhou para uma sala, a da diretora, onde a mesma conversava com a outra criança envolvida na briga, logo voltando à encarar o homem que deu-lhe a luz.

- A gente 'tava falando da festinha que vai ter aqui na escola, que a gente pode vir com fantasia. - Começou a dizer, olhando tristonho nos olhos de Jiyong, que era chamado carinhosamente de "omma" por si. A criança sabia que, mesmo o de cabelos alaranjados sendo um homem, o próprio que havia dado-o à luz, então, desde que descobriu tal fato em uma conversa séria que tiveram, decidiu chamá-lo de omma. Obviamente o ruivo ocultou algumas coisas, pois os filhos eram apenas crianças. - O Jackson apontou pra mim e disse que eu não precisava comprar roupinha de fantasia, porque eu posso vir de duende porque sou um anãozinho. 

Jiyong suspirou fundo, vendo o filho baixar a cabeça lentamente. Era a primeira vez que era chamado no colégio dos filhos por causa de alguma briga, e ficou ainda mais chateado por saber o motivo da confusão, mas não demonstrou. Suas crianças aparentavam ser ainda mais novas por conta da falta de altura, mas, ao menos para si, não era um problema, já que achava o fato fofo. Levou a destra até os cabelos negros do filho, acariciando-os com cuidado.

- Chang, se isso acontecer de novo, pede pra diretora ligar para mim, entendeu? Não bata no coleguinha. O omma vai vir aqui e resolver tudo.

- Mas eu não bati no Jackson, omma. - Respondeu após alguns segundos, erguendo a cabeça e vendo o rapaz franzir o cenho.

- Então foi ele quem te bateu? - Elevou um pouco a voz, incrédulo com aquilo tudo. Seu filho ia para o colégio, sofria bullying e ainda apanhava? Não deixaria aquilo passar em branco, nem que tivesse que bater no pai da outra criança para descontar a raiva. - Como assim, Kwon ChangKyun? - Levantou-se, tocando o rosto do filho para conferir se o mesmo estava sem arranhão nenhum.

- Omma, a gente não brigou de "tapinha". - Explicou, sorrindo fraco ao ver Jiyong suspirar aliviado. - Eu peguei o caderno dele, rabisquei as folhas e mostrei a língua pra ele. - Continuou, fazendo gestos, mal percebendo os olhos arregalados do Kwon. - Aí ele começou a chorar, e eu chorei porque fiquei com dózinha que ele chorou.

Jiyong colocou a destra na boca, não deixando transparecer sua expressão surpresa, e olhando o semblante neutro de ChangKyun. Não sabia o que dizer. Sabia que o filho não era o mais comportado, mas não esperava que o mesmo tivesse feito aquilo com o material escolar do tal Jackson. Entendia o lado do seu pequeno, foi cruel da parte do outro atingir apontando um "defeito" mesmo sem ter noção total das coisas, mas teria de ensinar à Chang que não era certo pagar o mal com o mal.

- Kwon Jiyong. - A diretora interrompeu os pensamentos do de cabelos alaranjados, chamando-o na porta de sua sala. - Pode entrar, por favor. Com o ChangKyun.

O rapaz segurou a mão do filho e caminhou com o mesmo para o local indicado, sentando-se paralelo à mulher, entre ChangKyun e Jackson. Observou o garotinho até então praticamente desconhecido por si, percebendo pelos traços que o mesmo era chinês. Achou estranho o fato da criança não estar com algum responsável, mas ficou em silêncio, não sabia de nada da vida da criança para opinar.

- Então, Kwon Jiyong, suponho que já esteja ciente do que aconteceu. - Começou a dizer, fazendo o pequeno Chang se encolher na poltrona pela voz extremamente grossa. O de cabelos alaranjados assentiu com a cabeça, confirmando a fala da mulher. - Terei que punir as duas crianças, já que ambas erraram. Acho que uma ocorrência para cada um está de bom tamanho, porém, se isso voltar a acontecer, terei que tomar punições mais severas. - Dito isso, entregou a folha onde continha a ocorrência para que Jiyong assinasse. Um papel idêntico foi entregue à Jackson, que guardou-o na mochila, em um silêncio tão ensurdecedor que o ruivo não notou. - Peço que o senhor tome providências em relação ao dano nos materiais do Wang o mais rápido possível.

- Claro. - Entregou a ocorrência à mulher, vendo-a analisar a folha e deixá-la sobre a mesa em seguida. Virou-se para as crianças, que estavam cabisbaixas, provavelmente por medo de receberem broncas maiores. - Acho que vocês têm que pedir desculpas um ao outro, garotos. - Os citados nada responderam, apenas começaram a desviar o olhar. O rapaz suspirou fundo, focando as orbes no filho. - Chang, começa.

- Mas foi ele que começou! - Fez um semblante inocente, apontando para Jackson.

- Mas você estragou minhas coisas! - O outro retrucou, inflando as bochechas em seguida.

- Uma coisa não justifica a outra. - O ruivo voltou a falar, alternando o olhar entre os dois, mas logo parando os olhos no chinês. - Jackson, você não deveria ter dito aquilo ao Chang. Uma coisa que pode ser engraçada pra você, pode machucar o coleguinha, entendeu? - O Wang assentiu lentamente com a cabeça abaixada, envergonhado.

- Desculpa, ChangKyun. - Pediu, encarando o garoto de forma receosa.

- Arram. - Sorriu sem mostrar os dentes, olhando o outro nos olhos. - Me desculpa também, não pode rabiscar as coisas do coleguinha. Prometo de dedinho que nunca mais vou fazer aquilo. - Mostrou o polegar, vendo Jackson assentir. - Eu e o omma vamos comprar um material legalzão pra você, e amanhã eu vou trazer. - Olhou rapidamente para o de cabelos alaranjados. - Não é, omma?

- Claro. - Respondeu, não contendo um sorriso enorme no rosto. O filho ainda levaria um puxão de orelha, mas diminuiria o sermão pela atitude de assumir o erro e pedir perdão. Achava bonito a forma como as crianças tinham o dom de não guardar mágoa por muito tempo; queria ser uma criança neste sentido, pois assim não pensaria no abandono de Choi. Balançou a cabeça negativamente, se praguejando mentalmente por qualquer fato lembrá-lo do moreno.

Após alguns minutos de conversa com a diretora, Jiyong conseguiu convencer a mesma de liberar MinSeok e ChangKyun mais cedo. Havia feito o pedido, pois assim não precisaria esperar a uma hora que faltava para a aula dos filhos terminar, e, assim, podia levar as crianças para a casa.

Olhou para os bancos traseiros, conferindo novamente os cintos de segurança nos filhos, só então acelerando o veículo. MinSeok contava animadamente para o irmão sobre a aula de artes que o mesmo havia perdido quando estava na diretoria, fazendo ChangKyun tampar os ouvidos com as mãozinhas diversas vezes na tentativa de não escutar.

- ChangKyun, uma semana sem seu PSP. - Jiyong disse sério ao parar no semáforo, notando pelo espelho o filho arregalar os olhinhos. Não era para menos, PlayStation portátil era o brinquedo favorito da criança. - Você errou com o Jackson, deve receber um castigo.

- Mas eu pedi desculpa, omma! Até jurei de dedinho! - Exclamou, fazendo um bico enorme com os lábios.

- Eu sei, meu filho, e fico feliz por isso. Mas não posso deixar passar o fato de que você pagou o mal com o mal, então você terá seu castigo. - Ditou calmamente, mal notando o riso que MinSeok segurava e voltando à prestar atenção na estrada quando o sinal apontou para o verde.

- Mas...

- Mas nada. Se reclamar mais, vão ser duas semanas sem ele. - Ouviu alguns resmungos do pequeno, mas logo o silêncio permaneceu, indicando que o mesmo havia se contentado com o castigo. Não gostava de ser duro com as crianças, tanto que doía seu coração ver um par de olhinhos lacrimejando ou um bico insatisfeito nos lábios, mas era necessário para educá-los corretamente. MinSeok aprontava menos, era mais quieto, mas conversava demais. Já ChangKyun, era do tipo que fazia bagunça calado, ao menos na maioria das vezes. - E se pegar o do Min, eu vou saber.

- Como o omma vai saber? - Perguntou, inocente.

- O omma sabe de tudo. - Segurou um riso após a fala, tentando parecer sério.

- Então o omma sabe que o Jackson hyung mora em uma casa cheia de crianças de casinhas diferentes? - Arregalou os olhos, mantendo um semblante curioso. O Wang sempre dizia nas aulas que morava em tal lugar, arrancando olhares curiosos e sorrisos de admiração dos colegas.

Jiyong tossiu pela surpresa. ChangKyun não sabia o que seria aquela casa de Jackson, mas o ruivo deduziu que fosse um orfanato. O fato explicava o motivo de nenhum responsável pelo garoto ter comparecido à escola... Ou Jackson era órfão, ou havia sido abandonado pelos pais.

[...]

A tarde estava agradável, como era normalmente. Jiyong já havia feito alguns deveres da faculdade, e ajudado MinSeok e ChangKyun a fazerem o dever de casa, por mais que este último preferisse fazer sozinho por conta da sua dificuldade de concentração com conversa. Os garotos, por mais que fossem gêmeos, tinham personalidades bastante diferentes. O ruivo achava MinSeok mais parecido com si, tanto no jeito, quanto em alguns traços faciais, mas aos seus olhos a criança tinha as sobrancelhas parecidas com as do pai. ChangKyun era uma criança difícil de definir. Podia ser dócil, fofo, mas tinha a língua afiada. A aparência lembrava o ruivo, principalmente a pele pálida em excesso. Era um pouco menor que MinSeok.

O som da campainha interrompeu a brincadeira que Jiyong fazia com os filhos.

O rapaz de cabelos alaranjados sorriu para os pequenos, fazendo um sinal com a mão, pedindo com o gesto para que esperassem. Levantou-se do tapete fofo da sala consideravelmente grande, não se dando o trabalho de calçar um chinelo ou arrumar as medeixas bagunçadas pelos filhos, e foi atender a porta do jeito que estava. Sentiu seu coração parar de bater por um instante.

Aquele homem sério que o encarava da cabeça aos pés era mesmo Choi? Aquele homem que lançou-lhe um sorriso tão debochado, era o mesmo que sorria tão infantilmente anos atrás?

- Choi... - Foi a única coisa que conseguiu pronunciar. Seus olhos permaneciam arregalados, seus lábios entreabertos e secos.

- Quanto tempo, Kwon Jiyong.


Notas Finais


Desculpem por parar nesta parte kkkkk
Mas eu estou com menos tempo ainda pra escrever, e não queria deixar vocês esperando.
Notaram o MinSeok rindo do irmão kkkkk criança má
O Heechul, Siwon, YoungBae e SeungRi aparecem no próximo capítulo, provavelmente.
Qual é a novidade? Bom... Se tudo ocorrer como o planejado, no aniversário do BIGBANG (dia 19 desse mês) eu posto uma oneshot GTOP, baseado na Cinderela. Não vai ser tão clichê, garanto. E vai servir pra suprir o desejo de uma leitora também, que havia pedido que eu fizesse uma fanfic onde o Choi é o professor e o Jiyong o aluno, o que irá acontecer nessa.
Também estou pensando em fazer uma releitura de uma das minhas histórias, mas com o Monsta X. O que acham? Qual história? Sugiram otp's Kkkk
Enfim...
Gostaram do capítulo?
Espero que sim!
Até a próxima! 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...