História Fruto Proibido - 2 Temporada - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Kakashi Hatake, Kiba Inuzuka, Naruto Uzumaki, Orochimaru, Personagens Originais, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Hentai, Kakashi, Luta, Naruto, Romance
Visualizações 16
Palavras 4.311
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Survival, Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Konnichiwaaa! Bem, acabamos mais um projeto... Gostei tanto de escrever essa fanfic, mesmo com os poucos comentários e favoritos!




Vejo vocês em outro projeto Naruto. Boa Leitura, minna!!

Capítulo 10 - Capítulo - 10: Final Feliz para Você, Kakashi...


Fanfic / Fanfiction Fruto Proibido - 2 Temporada - Capítulo 10 - Capítulo - 10: Final Feliz para Você, Kakashi...

- JUTSU SECRETO DO CLÃ SHINGAO! TORIMASU! - Suas palmas de mãos se chocam e eles voam cada um para um lado.

Aoki bate as costas em um paredão de pedras. Tora cai em meio á árvores na margem da cachoeira.

A azulada cai no chão, fraca. Ela levanta e tenta ativar Torimasu novamente, sem sucesso. Ela estava ficando sem chakra e agora, só poderia usar Taijutsu, ou então, morreria.

Tora, pelo número de ninjas que ele matou na sua visita para Konoha, tinha um grande estoque de chakra e poderia lutar com Torimasu por muito, muito tempo.

- Eu não queria fazer isso com minha própria filha.

- Mas está sob Edo Tensei. – Ela olha para baixo, com raiva.  – Não por muito tempo. – Ela junta as mãos. – Kai!

Tora sente que não está mais sendo controlado. Aoki libertou o Edo Tensei dele? Impossível! Apenas Madara conseguiu isso na Quarta Guerra Ninja.

Ela cai com dor e cospe sangue. Ela abriu mão de seu pouco de chakra para libertar o pai e lutar justamente com ele.

- Agora luta comigo sem dever. – Ela o olha com fome de luta.

Ela estava fraca, muito fraca. Naquele momento, apenas um golpe de Taijutsu seria o suficiente para matá-la.

Ela se levanta lentamente e olha para o pai. Seu olhar tinha um brilho diferente. Ondas fortes saíram de sua mão esquerda.

Sim, ela despertou.

Ela sorri. – Não tem coragem de lutar com sua própria filha? Tente me matar!!

Tora desvia o olhar para o chão. – Quando você morrer, o clã Shingao não existirá mais.

- Estou ciente disso, mas estou disposta a fazer você ver que meu amor por Kakashi atravessa todas as barreiras feitas por você. Ele pode ter quebrado aquela porcaria de promessa ridícula que vocês fizeram, mas ele fez isso porque, justamente de mim, ele criou um laço comigo! Eu amo ele! Sempre vou amá-lo e você não vai me impedir de ter um final feliz com o homem que eu amo! Estou cansada de falar isso para você. Aceite! Ele me ama e eu amo ele!!

- Ele não pode te perder, Aoki!! – Tora grita, assustando Aoki.

- O quê...?

- Ele... Ele perdeu tudo no passado Aoki! Perdeu pais, amigos, mestre... A única coisa que o faz ficar vivo é os laços que ele fez com todos. Se eu lhe matar, talvez ele não agüente.

- Ele... Nunca me contou sobre o passado dele.

- No entanto, ele sabe muito do seu. – Ele desvia o olhar. – Eu sei que você o ama. Isso é bom... Sei que fui imaturo em barrar esse seu amor, mas... Entenda. Eu sou seu pai. Pais sempre querem o melhor para seus filhos e, quando eu soube do que aconteceu antes de você ir embora cinco anos atrás, meus instintos paternos falaram mais alto. Ainda falam. Eu sei que você é uma mulher feita, eu tenho orgulho do que se tornou, tenho orgulho que você é uma kunoichi maravilhosa e talentosa, mas... – Ele ativa Torimasu. – Eu sempre segui ordens, Aoki.

- Otou-san...

- Sakumo Hatake optou por salvar seus companheiros do que seguir a ordem da missão. E, por isso, foi tratado como lixo e se matou.

- Aqueles que ignoram as regras são considerados lixo... – Aoki lembra vagamente da famosa frase de Kakashi.

- Mas aqueles que abandonam seus amigos são piores que lixo. – Tora termina a frase. – Desculpe, Aoki, mas eu escolhi seguir as regras. – Tora corre em direção á azulada e, quando estava pronto para atacá-la, ele sentiu algo dentro de sua filha. Ele para a centímetros longe do ventre da azulada e desativa seu jutsu.

- Otou-san... Eu...

Ele fica frente a frente com a filha a observando confuso. – Aoki, você está...

- Sim, eu estou esperando um filho dele. Estou grávida de Kakashi. – Ela abraça o ventre e olha para o pai, com medo.

- Você vai ter um filho com ele? Quando descobriu isso?

- Hoje. Eu estava indo contar para ele quando você me raptou.

- Que situação... – Ele passa as mãos no rosto.

- Receio que você já sabe o que eu vou falar, não?

- “Isso é um fruto do nosso amor”. Sim, eu sei.

Aoki sorri. – Otou-san...

- Apesar de tudo, eu estou feliz. Vou ser avô afinal. – Ele sorri.

- Luke também vai ser pai. Não sou só eu, não! – Aoki ri levemente.

- Aoki... – Tora abraça a filha. – Por mais que ele quebrou nossa promessa, estou feliz que ele tenha arrumado alguém que o ama.

- A promessa era ridícula.

- Por que você sempre fala isso?

- Pelo o que eu sei do clã Shingao, não temos sangue puro. Podemos casar com quem quisermos. Exemplo disso foi você e a Okaa-san.

- É... Amy. – Tora sorri. – Ela deve estar bem, não?

- Nunca mais arrumou alguém depois que você morreu, mas está melhor. Ela convive com a perda.

- Bem, se você está feliz, eu também estou. Parando para pensar, eu quase matei minha filha e meu neto...

Aoki abraça seu pai novamente. – Eu sabia que você o sentiria dentro do mim. – Ela aperta mais seu pai. – É tão bom te abraçar depois de 20 anos...

- Agora, preciso encarar Orochimaru-sama. – Ele desvia o olhar para o lado vendo Kakashi chegar ao campo de batalha pelos arbustos.

Kakashi para de caminhar e observa os dois Shingao. Tora o olha por um momento depois sumindo e aparecendo em sua frente.

- Tora...

- Kakashi. – Tora o olha duramente.

- Otou-san? – Aoki se aproxima. Kakashi sinaliza para ela parar de se aproximar.

- Eu tentei cumprir a promessa, Tora. Eu... Eu só... Enfim, quando ela apareceu, fez com que cada célula do meu corpo pedisse por ela. Eu... Eu não pude evitar e sei que está decepcionado comigo e com ela, mas...

- Chega, Kakashi. – Tora olha para a filha por cima do ombro. – Essa promessa não interessa mais.

- Nani...?!

- Sim, você ouviu. – Tora sorri levemente para Kakashi. – Fico feliz que você tenha achado alguém que lhe ame finalmente. Eu estou sim decepcionado, mas vou conseguir conviver com isso.

Kakashi olha para Aoki sem entender. Aoki sorri abertamente e se abraça. Tora se afasta de Kakashi. De repente, uma cobra branca aparece e avança em Aoki. Ela tenta se defender, mas estava fraca demais para fazer qualquer coisa. Os dois homens avançam na cobra. Kakashi segura Aoki para não cair e Tora ativa Torimasu para matar a cobra rapidamente.

- Orochimaru! – Tora olha ao redor. – Saia!!

Orochimaru sai de cima de uma árvore sorrindo como ele sempre sorria. Ele se aproxima de Tora que estava na defensiva.

- Vejo que você tem um coração bem mole, Tora-sama.

- Ela é minha filha eu não vou matá-la! Esqueça isso!

- Você não entende que ela é o único jeito de eu conseguir o que eu preciso?!

- Do que você precisa, ou do que você quer?! – Kakashi pergunta, com raiva enquanto segura Aoki.

- Você é esperto no final das contas, Kakashi-san.

- Pode esquecer, Orochimaru. Eu não vou matá-la.

Orochimaru desaparece com seu sorriso e suspira. – Eu terei que fazer isso eu mesmo. – Orochimaru ataca Tora com uma kunai. O azulado desvia com facilidade e ataca Orochimaru.

Dava para ver que o Sannin estava fraco. Ele já devia ter trocado de corpo, mas a situação repentina não o deixou obter as mãos de Aoki. Tora conseguia acertar Orochimaru várias vezes e isso já estava irritando o Sannin.

- Preciso ajudar meu pai. – Aoki tenta se levantar, mas geme de dor. Ela parecia ter quebrado alguma coisa. Isso era perigoso para ela e ainda mais para o bebê.

- Não. Eu não vou deixar você lutar com Orochimaru. Você está fraca demais! – Kakashi segura a azulada em seus braços.

- Acho que quebrei alguma coisa!

- Quebrou?! – Kakashi se preocupa.

- Não se preocupe...

- Não, olha para quem você falou isso!! É claro que vou me preocupar, Shingao Aoki!!

Os dois vêem fumaça e logo depois, Orochimaru invoca uma cobra gigante.

- Kuchiyose! – Aoki tenta se levantar.

- Aoki, não!!

- Kakashi, me deixe ajudar meu pai!!

- Aoki...

Ela passa suas mãos pelo rosto preocupado do ninja. – Tudo bem. Eu vou ficar bem, Kakashi.

- Eu... – Ele desvia o olhar para a invocação. – Eu não quero te perder também.

Aoki sorri levemente. – Você não vai.

- Me prometa. Não morra.

- Eu não vou morrer. Palavra ninja. – Kakashi ajuda a azulada a se levantar.

Tora vê que Aoki estava tentando ajudar e vai até ela. Kakashi o olha preocupado, pelo olhar do platinado, Aoki estava pior do que aparentava.

- Aoki, me ajude. Faça tudo o que eu mandar. – Tora pega em suas mãos.

- Hai.

Eles param em frente á invocação de Orochimaru. Ela sente uma parte do chakra de Tora ser passado para ela. Ele olha para a filha.

- Reúna a maior parte de chakra que eu te passei e concentre em sua mão. A mão esquerda.

- Ok. Entendi.

Tora fecha os olhos sendo seguido por Aoki e, logo depois, uma quantidade absurda de chakra diferente do chakra normal aparece nos dois. Seus olhos ficam brancos e seus cabelos flutuam para cima.

De repentes, saem dois dragões de água do chakra. Eles se fundem e formam um grande dragão de água. O símbolo do clã Shingao.

- Mizu no Ryu!! – Tora grita. O dragão se abaixa e faz uma bolha protetora nos dois.

- Mizu no Ryu? – Aoki pergunta concentrada na luta.

- É como o Susano’o dos Uchiha, só que melhor ainda. – Tora fala e fecha os olhos. Ele só é invocado com chakra de duas pessoas do mesmo clã ou se a pessoa foi bastante poderosa.

O dragão lutou bastante até abocanhar a cabeça da cobra e arrancar, matando-a de vez. Assim que a luta termina e Orochimaru cai no chão, fraco, o chakra dos dois retorna a cor original e se vai com o dragão. Aoki cai no chão não antes de Tora a segurar. Ela estava morrendo.

Kakashi se aproxima ainda fascinado com o que tinha acabado de acontecer. Ele corre até Aoki e coloca a cabeça da azulada em seu colo.

- Você prometeu não morrer, Aoki... – Kakashi encosta sua testa na da azulada.

- Espera, morrer?! – Tora se espanta. – Como assim?!

- Ela quebrou algum osso.

- Ela... O que?! Aoki... – Tora olha para a filha já inconsciente. – Não, não, não!

 Orochimaru consegue se levantar e, com Sen'ei Tajashu, ele perfura o peito de Tora. Kakashi tenta avançar em Orochimaru, tanto por Aoki do que por Tora, mas Tora o barra.

Aos poucos, Tora começa a descascar e brilhar. Kakashi o observa. A carapuça que o mantinha se descascou por completo e sua alma saiu de seu corpo.

- Tora... – Ele olha para a azulada. – E a... E a Aoki? Eu... Eu perdi ela novamente...

- Kakashi... Se eu soubesse que ela estava morrendo nunca pediria a ajuda dela e esgotaria seu armazenamento de chakra. Acredite em mim, por mais que o armazenamento de chakra dela seja enorme, ela usa muito com Torimasu e, querendo ou não, ela fica fraca muito facilmente. – Ele desvia o olhar para a filha. – Ela parece com alguém que eu conheço no campo de batalha, não? – Ele sorri tristemente.

- Aoki... – Kakashi, mesmo não querendo, começa á chorar. – Por que...? – Ele abraça o corpo gélido da mulher que conseguiu ter seu amor. – Por que?!

Tora olha para o platinado tristemente. Por mais que veria Aoki, estava triste por Kakashi. A mulher que ainda conseguia fazer um pedaço de Kakashi viver, tinha acabado de escapar entre seus dedos e ele nunca mais a veria.

- Kakashi... Me prometa uma coisa. – Kakashi o olha com os olhos transbordando lágrimas. Não era uma coisa que se via todo dia. Kakashi Hatake nunca chorava tanto assim. Aoki mudou mesmo aquele ninja.

- Fale. Eu não tenho mais nada a perder.

- Me prometa que viverá. Mesmo sem ela, viverá. Seguirá sua vida com esse peso no coração, mas viverá. Não dê sua vida pela dela. Ela morreu com honra e, mesmo que você tenha perdido ela e o- - Tora sente seu chakra sendo passado para Aoki. Mesmo tendo perdido parte do chakra na luta contra ela e a invocação de Mizu no Ryu, ele ainda tinha bastante chakra e não poderia levar consigo.

- Tora, o que foi? - Tora olha para Aoki fixamente. De repente, ela puxa uma grande quantidade de ar. Ela estava viva! – Aoki!

- Kakashi... – Ela olha para Kakashi com um olhar cansado e sorri fracamente. Ela passa os dedos nas lágrimas dele e as enxuga lentamente. – Não chore...

- Aoki! – Ele avança nos lábios da azulada e lhe dá um beijo. Tinha uma mistura de todos os sentimentos que ele sentia agora. Alívio, preocupação, carinho, desejo, saudade, amor... A lista é infinita.

- G-Gah! – Aoki geme de dor. – Gastei muito chakra...

- Por falar nisso, como fizeram aquele dragão? – Kakashi olha para Tora.

- É um jutsu secreto. Mais ou menos como o Susano’o dos Uchiha. Enfim, não vamos falar disso, Aoki acabou de ressuscitar. – Tora a olha sorrindo.

- Otou-san... O Edo Tensei está acabando?

- Sim, Aoki. Está. – Tora desvia o olhar para trás de si. – Orochimaru desapareceu.

- Precisamos tomar cuidado, ele pode aparecer novamente e tentar roubar as mãos de Aoki. – Kakashi fala acariciando o topo da cabeça da azulada.

- Kakashi... Pare, estou ficando com sono.

- É bom você descansar, vou lhe levar para o hospital.

- Aoki. – Tora chama a atenção da azulada. – Diga á sua mãe que eu ainda a amo, mesmo depois de morto. Diga á Luke que eu desejo felicidades pelo meu neto e espero que você- - Ele vê Aoki gesticular para não falar nada. Tora sorri e concorda. – Se cuide, filha. Eu te amo muito. Sempre vou estar te vigiando.

Aoki sorri. – Eu também te amo, papai. Okaa-san pensa sempre em você. Ela nunca deixou de te amar.

- Sayonara, Aoki. – Tora desaparece.

- Vamos levar você para o hospital e tratar esse osso quebrado.

- Se você permitir, eu vou desmaiar agora.

- Só não morra. Não suportaria lhe perder novamente. Desta vez permanentemente.

-Seu chato...

- Aoki...

- Sim?

- Aceita casar comigo? – Kakashi a observa.

Ela sorri fracamente. – Só você pra me pedir isso agora... Eu aceito, Hatake Kakashi. – Kakashi a pega com cuidado no colo e lhe dá um beijo na testa. Com cuidado, ele pula entre as árvores e chega aos muros de Konoha. Sem chamar atenção, ele entra pelos fundos dos grandes muros. Ele corre até o hospital de Konoha e entra rapidamente.

Imediatamente alguns enfermeiros correm com uma maca para socorrê-la. Kakashi avisa que ela está com algum osso quebrado e está com pouca quantidade de chakra.

Ele segue os enfermeiros, quando eles passam pela a porta de internação, uma enfermeira o barra. Ele olha a azulada desaparecer nos corredores pelas janelas da porta. Ele fica na sala de espera até Sakura aparecer. Eles conversaram um pouco sobre o que aconteceu e ele decidiu ir embora para fazer alguns relatórios.

- Não acredito, Hatake! – Sakura põe as mãos na cintura.

- Sakura... Sermão agora não.

- A mulher que você ama está internada com um osso quebrado e você vai fazer relatórios?! Se toca, Kakashi! Você nunca parou de trabalhar desde que Aoki chegou! Agora que ela corre risco de vida, você só pensa em trabalho?!

- Se você não vê, Sakura, eu sou o Rokudaime Hokage, tenho compromissos!

- Até o Rokudaime Hokage deveria se preocupar com a família!

- Família?

- Você não sabe...? – Ela pensa por alguns segundos. – Bem, descubra sozinho! Vá fazer seus relatórios, quando ela acordar e não ver o homem que ela ama, eu falo que você foi fazer coisas mais importantes do que se preocupar com ela.

- Sakura, não me tire do sério.

- Vá, Kakashi, vá!! – Sakura expulsa Kakashi do hospital antes de dar um chilique na sala de espera.

Algumas horas se passaram, Sakura foi chamada para arrumar os ossos quebrados de Aoki e, depois da cirurgia que foi extremamente cuidadosa por conta do bebê, Aoki se recuperou rapidamente.

Ela acordou procurando Kakashi pelo quarto.

- Se está procurando o Hatake idiota, ele está na sala do Hokage fazendo coisas mais importantes do que se preocupar com você. – Ela falou mesmo, sem rodeios.

- Ah... – Ela parecia decepcionada. – Desculpe te fazer passar trabalho.

- Você é minha melhor amiga, pare com isso! Aliás, não se preocupe com o bebê, está bem? Tive todo o cuidado do mundo!

- Obrigada, Sakura...

- Mandei um relatório da sua saúde pro Hatake. Ele deve saber que você está grávida já, já.

Aoki suspira. – Vamos encarar, não é?

- Sim. Se ele ficar bravo. Eu acabo com ele. – Sakura sorri com as mãos na cintura. – Agora descanse que você precisa se recuperar totalmente.

- Tudo bem. Eu gostaria de ligar falar com meu irmão e minha mãe. Você poderia me dar um celular?

- Claro.

Na sala do Hokage, Kakashi estava terminando seu penúltimo relatório e ansioso para ver Aoki quando Shikamaru entra na sala.

Nas horas que ele estava ali durante a cirurgia de Aoki, Shikamaru tomou o lugar de Shizune que foi junto de Tsunade para uma viagem. Shikamaru joga a folha do relatório de saúde de Aoki e sorri para Kakashi.

- Parabéns. – Shikamaru sorri e sai da sala deixando o Hatake confuso. Ele lê o relatório feliz em ver que Aoki estava bem e os ossos estavam no lugar graças á Sakura.

Mais abaixo, Kakashi vê um exame de sangue. Ele franze o cenho e lê atentamente. Quando acaba, ele quase cai da cadeira.

Ele teve certeza que o coração descompassou. Enfim, ele estava feliz.

Claro, ele não queria isso tão de repente, mas um filho da azulada era o que ele mais queria depois de se casar com ela.

Ele amava ela e esse filho é a prova disso. Ele iria proteger aquela criança com sua vida e ele se tornaria um grande ninja.

Ou talvez uma kunoichi...

Sem pensar duas vezes, Kakashi saiu da sala do Hokage em disparada até o Hospital. Ele recebeu a informação do quarto e, quando entrou, viu sua noiva – como era bom falar noiva – dormindo tranquilamente com algumas ataduras na mão e no tronco.

Ele se aproxima lentamente, porém, isso não foi suficiente para não fazer a azulada acordar. Ela olha para Kakashi e sorri levemente por causa do sono.

- Desculpe te acordar... – Kakashi se agacha e acaricia o rosto da azulada que continha alguns curativos.

- Tudo bem. – Ela boceja. – Já esperava que você viria correndo ao descobrir que vai ser pai. E então...? Como reagiu?

- Está calma demais para essa informação.

- É a anestesia.

O platinado ri. – Eu ainda não processei muito bem. Estou tão feliz que está grávida e que é meu filho.

- Esperava que fosse de quem? Satoshi?

- Por Kami! Não! Eu estou radiante...

- Otou-san recebeu bem a notícia.

- Ele sabia, então?

- Quase todos ao seu redor sabiam, menos você.

- Você é malvada quando quer.

- Obrigada. – Ela sorri. – Acho que vou ficar mais algumas semanas e já estarei melhor.

- Não poderei te visitar tanto por conta do... Cargo.

- Baka!! – Sakura aparece e lhe dá um soco atrás da cabeça. – Você poderá sim! E antes que diga algo, eu vou dar na sua cara!!

- Sakura... – Aoki ri levemente. – Tudo bem.

- Hm... – Sakura sai do quarto resmungando.

- Sakura me odeia agora.

- Sim... – Ela pega o rosto do platinado. – Olhos inchados.

- Você sabe o motivo. Não me mate de susto daquele jeito...

Aoki sorri. – Até eu ficar satisfeita, vou morrer umas duas ou três vezes.

- Aoki.

- Estou brincando. – Aoki o beija.

O tempo foi passando, Luke viajou para Konoha com a esposa e o filho recém nascido para ver sua irmã querida. Ele prometeu construir uma casa para Aoki para que ela não fique morando no pequeno apartamento de Kakashi.

Mesmo tentando recusar, Luke insistiu e, em exatos 8 meses, ele terminaria com a ajuda dos trabalhadores de Konoha. Luke estava pensando em trazer Amy para Konoha, mas a mesma preferiu não desenterrar o passado e ficar no seu país de origem. Claro, ela prometeu conhecer o neto quando ele nascesse.

Falando nisso, Aoki não quis saber o sexo do bebê e preferiu parto normal. Era um risco, mas ela correria esse risco a qualquer custo.

Luke, Karin e o pequeno Matt ficariam até ela ganhar o bebê, depois de alguns dias, voltariam para Itália.

Kakashi, como sempre, estava tão atolado em trabalho que ás vezes, quando chegava em casa, encontrava Aoki dormindo no sofá por tanto esperar.

Ele nunca contou para Sakura, muito menos Aoki contou. Os dois sabiam que se ela soubesse disso, Sakura caparia Kakashi.

Finalmente o grande dia. Aoki se casaria com Kakashi. Ela estava de cinco meses, mas o kimono que ela usava, não deixava ver a barriga.

Eles se casaram em frente aos portões Shingao e, depois da cerimônia, Aoki insistiu em ir até a cachoeira em que ela e Tora lutaram. Ela jogou um lírio nas águas claras do rio e o viu indo embora. Era assim que ela se comunicou com Tora.

Depois de meses, chegou o esperado dia do parto. Kakashi, como sempre, não pôde ir ao parto da própria filha. Aoki nem se decepcionava mais e, se não fizesse algo, o recém casamento dos dois iria por água abaixo.

Sakura, depois do parto, foi até a sala do Hokage. Ela colocou tantas coisas sob a mesa que Kakashi ficou assustado. Ele finalmente viu que mancada ele fez. Ele ficou decepcionado consigo mesmo e, nos quatro dias que Aoki ficou no hospital, ele não saía de perto dela.

Saía raramente para necessidades óbvias e para ver sua amada filha.

Sim, era uma linda menina na qual Aoki nomeou de Misaki.

Misaki Hatake.

Ela tinha cabelos prateados como Kakashi e olhinhos castanhos como Aoki, literalmente uma fusão dos dois.

Aoki ria com o jeito paterno do prateado. Ela mal conseguia segurar a pobre criança sem fazê-la chorar e, quando se dava por vencido, entregava-a para a fonte de alimento vulgo, mãe.

Ele era um pai babão e super protetor. Pelo menos o puxão de orelha de Sakura valeu a pena.

Após Aoki receber alta, se despedir e agradecer seu irmão e se mudar para a nova casa, Kakashi não saía de perto da azulada.

- Como ela está?

- Pela milésima vez, Kakashi, ela está bem.

- Você tem certeza?

- Eu sou mãe.

- De primeira viagem.

- Ah claro! Você tem cinqüenta filhos pelo mundo pra saber mais do que uma mãe?

- Talvez...

- Como é que é?! – Ela se levanta da poltrona, deixa seu livro de lado e se aproxima dele com um ar ameaçador.

- Estou brincando!

- Faz um mês que tive esse filho, estou mais estressada que nunca, não durmo direito e a minha vagina nunca mais vai ser a mesma depois desse parto, então não me irrite até ela fazer cinco anos, entendeu, A-NA-TA?!

Kakashi se surpreendeu com a mudança de humor repentina de Aoki. – Entendi.

Aoki volta para a poltrona e continua a ler seu livro com uma babá eletrônica do seu lado. Kakashi vai até o quarto dos dois e suspira aliviado por sair daquele ambiente.

- Eu vou morrer em dois dias se ela continuar assim. – Ele olha para o espelho. – Não me dou bem como pai e marido ao mesmo tempo...

- Não pense assim. Você está fazendo um bom trabalho. – Pakkun aparece.

- Hm, faz tempo, não?

- É... Não se esqueça, você é pai de primeira viagem e recém-casado. Isso vai passar após conviver alguns meses com sua nova esposa.

- Espero que esteja certo. – Ele se joga na cama suspirando.

Após três anos, a rotina de Kakashi voltou ao normal e, segundo seus cálculos, mais uns cinco anos e Naruto seria o Nanadaime Hokage.

Aoki estava na varanda da sala enquanto via Misaki brincar com Pakkun e seus brinquedos ninja. Kakashi chega mais cedo em casa e, após achar a azulada na varanda, vai até ela a abraçando por trás.

- Chegou mais cedo. – Ela pende a cabeça para o lado sentindo os beijos do prateado em seu pescoço.

- Um dos raros momentos que acabo a papelada do dia.

- Kakashi, tenho uma coisa para te contar.

- Conte. Sou todo ouvidos. – Aoki levanta o braço e, em sua mão, aparece um teste de gravidez.

- Estou grávida novamente.

O prateado processa o que acabou de ouvir. Ele ri levemente. – Não, não está...

- Estou sim.

- Não...

- Uhum...

- Não, não, não!

- Sim, sim, sim!! Pare de negar!

- Como isso...?! Aoki!

- Não coloque a culpe em mim e sim nos seu espermatozóide!

- Aoki...! – Ele passa as mãos no rosto. – Caramba...

Aoki não agüenta e se mata de rir. – Devia ter visto sua cara.

- O que...? – Ele olha para a esposa, confuso.

- Esse teste é da Hinata. – Aoki sorri.

- Ora essa! – Ele agarra Aoki pela cintura. – Isso não teve graça!

Aoki ri para logo após dar um selinho no prateado. – Teve sim.

- Okaa-san, Otou-san... – Misaki para em frente á eles.

- Sim, querida? – Aoki pergunta ainda grudada em Kakashi.

- Quero ter um irmãozinho que nem o Boruto! – Misaki sorri.

Os dois congelam após o pedido da filha.

Eles olham um para o outro desesperados. Kakashi solta Aoki e, tossindo, vai para o quarto.

- Idiota... Deixou tudo para mim. – Aoki olha para s olhos inocentes da prateada. – Veja bem, querida...

Bem, isso foi um final feliz para eles.

Um final feliz para Kakashi...


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...