História Fuck It. 1.5 - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 24
Palavras 1.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Lemon, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Alguém me segura socorro

Capítulo 1 - Always a good time for a pizza


Fanfic / Fanfiction Fuck It. 1.5 - Capítulo 1 - Always a good time for a pizza

Peguei meu celular em cima do criado mudo enquanto me sentava na cama.  Algumas notificações de mensagem brilhavam em verde e ao ver de quem eram, uma certa mistura de ansiedade e apreensão tomaram conta de mim.

“Hey...”

“Tudo bom?”

“Queria te ver hoje” – Pietro.

“Hey”  - minha mão tremia enquanto eu digitava, não sabia o que devia responder.

“Como assim me ver?” - perguntei sendo um pouquinho dissimulado. Pietro não era o tipo de pessoa que me procurava para ver um filme. Até podíamos ver um filme, mas eu sabia que sempre acabava em algo mais quente.

“Te ver ué, poder te abraçar...”  - Eu definitivamente não esperava por essa resposta. O relógio do celular marcavam nove horas da noite.

“Passa aqui lá por umas dez horas então” – respondi e fui em direção ao guarda roupa.  Abri a gaveta de cuecas e peguei uma box vermelha e azul, subi algumas prateleiras e peguei uma camiseta branca. Estava frio então fui em busca de um calça de moletom confortável.  Revirei a gaveta atrás de uma calça limpa e então respirei fundo, todas estavam sujas para lavar.  Não estava nem um pouco a fim de ficar de cueca e a minha solução foi pegar um short vermelho que eu usava para correr. Peguei um moletom preto simples e fui para o banheiro.

Eram nove e meia quando saí do banho, envolto por uma nuvem de vapor.  Me vesti em meu quarto, peguei uma coberta peluda e fui para a sala. Me aninhei em um canto do sofá e liguei a televisão em um canal de filmes qualquer.  Peguei meu celular e percebi que não haviam mais mensagens dele. Talvez aquilo tivesse sido uma brincadeira de mau gosto dele.

Quando comecei a me entreter com um filme de comédia, ouço batidas leves na porta de meu apartamento.  Abri a porta sem expectativa alguma e para meu alivio, Pietro estava atrás dela com um sorriso, segurando uma caixa de pizza e uma garrafa de coca cola.

— Oi lindinho — disse ele enquanto dava espaço para ele entrar. Pietro colocou as coisas na mesa e então veio em minha direção. Ele me olhou de cima abaixo e então me deu aquele típico olhar sugestivo — Tá fazendo oito graus lá fora e você está com esse shortinho de nada — ele mordeu o lábio inferior de leve.

— Problemas no guarda roupa — respondi sorrindo e indo para o sofá. Senti sua mão pegando a minha e olhei para ele confuso.

— Você não precisa agir assim comigo — ele me disse e então o puxei para se sentar ao meu lado — Sabe que independente do que tenha acontecido entre a gente, eu não faço nada a não ser que você queira — Ele se aproximou do meu ouvido e aquilo me causou certos arrepios, sua mão passeava perigosamente sobre a minha coxa esquerda . Senti uma leve mordida na pontinha da orelha e sua barba roçar um pouco em meu pescoço.

— Eu não sei o que a rola entre a gente Pietro — respondi tentando controlar a minha respiração, ele beijava meu pescoço de leve enquanto eu olhava diretamente para a televisão — Eu não consigo te entender — respondi enquanto ele puxava meu short para cima.

— Você quer? — ele perguntou da forma mais sexual possível — Você me quer?

— Você sabe que sim — respondi me desvencilhando dele, indo para o outro lado do sofá. Coloquei a coberta sobre as pernas e o encarei enquanto ele me olhava com um sorriso malicioso — Mas eu tenho certeza que você só me quer para satisfazer seus desejos momentâneos — ele veio para cima de mim sorrindo — No momento em que você gozar, vai sair por aquela porta e ir atrás daquela vagabunda que você chama de namorada.

— Desde quando você sente ciúmes dela? — ele me perguntou com o mesmo sorriso.

— Não é ciúme, é a verdade — respondi um tanto ríspido — Qual é? Você nem trocou uma palavra sequer comigo desde aquele dia no vestiário — ele sorriu com a lembrança — E eu vejo você me olhando enquanto eu  estou com as meninas no nosso lugar na arquibancada.

— Vindo da sua boca soa tão simples — ele respondeu — E não venha me dizer que você não gostou daquele dia no vestiário — balancei a cabeça tentando disfarçar a verdade em meus olhos. Não transava tão gostoso desde a ultima vez que havia transado com Pietro.

— Ok... — respondi de forma cínica — Você pode ser o gostoso, consegue me deixar bem louco com esse seu jeito — ele se aproximou mais de mim — Mais pelo menos finja que gosta de estar perto de mim quando estivermos no colégio — Eu tentava não soar tão ressentido — Eu não quero que você me peça em casamento, mas também não quero ser sua putinha particular que vai implorar pra te chupar toda vez que você estiver se sentindo um pouco para baixo.

— Nossa — ele parecia um pouco surpreso  — Me desculpa se te fiz se sentir assim, nunca foi a minha intenção. A verdade Lucca, é de que... — ele pareceu engasgar e aquilo me deixou um pouco assustado — Eu estou apaixonado por você.

— E o papai noel existe — disse irônico.

— Não estou mentindo — ele me disse — Quer que eu te prove?

— Quero... — disse dando um sorriso falso então ele tirou o celular do bolso. Ele avançou para cima de mim e então me beijou. Alguns segundos depois ouvi o barulho da câmera do celular e ele se afastou — Você não vai postar isso...

— Você pediu que eu provasse — ele respondeu confuso.

— Eu sei onde a noite vai acabar depois de tudo — falei enquanto ele me observava — Mas antes que eu possa sentir sua língua de novo, ligue para Morgan e termine com ela então depois você pode postar essa foto onde quiser — ele bufou e momentos depois ouvi o barulho de chamada.

— Oi Pietro — a voz de Morgan soou um tanto fofa do outro lado da linha e isso fez meu coração partir um pouquinho  — Queria você aqui comigo...

— Morgan... — ele começou e então suspirou pesadamente — Eu queria falar serio com você, na verdade acho melhor fazer isso como se estivesse tirando um band-aid — ele olhou para mim tentando buscar coragem — Eu quero terminar com você, pois me apaixonei por outra pessoa.

— O que? — ela não acreditava — Pietro eu te fiz alguma coisa? Porque?

— Você é perfeita Morgan mas eu me apaixonei por outra pessoa e sinto que não estaria sendo honesto com você se não terminasse nosso relacionamento agora — Pietro segurou minha mão.

— Eu já suspeitava disso, mas não esperava que você terminasse tão de repente — ela respondeu conformada, o que para Lucca foi estranho — Mas posso saber por quem você se apaixonou?

— Pode — ele respondeu — Já te mando uma foto com a resposta e independente da sua reação — ele continuou — saiba que você é uma das pessoas mais importantes para mim.

— Eu sei Pietro, e espero que você seja feliz — ela disse e então desligou.

— Ela aceitou muito bem para uma menina tão dramática — disse sorrindo enquanto Pietro mandava a foto para ela — Ela provavelmente vai surtar quando vir...

— Quer mais provas? — disse ele jogando o celular em cima da mesa de centro.

— Não... — respondi um tanto acuado.

— Posso? — Pietro perguntou enquanto puxava a coberta. Ele sorriu ao ver o volume em meu short — Mas já lindinho? — ele avançou e então senti seu corpo sobre o meu — Você não tem noção do quanto eu queria te foder de novo — E ai estava o Pietro que eu conhecia. O que não tinha filtro nas palavras, o Pietro que conseguia me fazer gozar com apenas sua língua. As mãos dele passeavam por dentro de minha camiseta — O que você quer, diga para mim — ele sussurrou enquanto sua língua brincava em meu pescoço.

— Eu quero você — as palavras saíram como um sopro de minha boca — Você Pietro, por inteiro, nesse sofá agora — Gemi enquanto sentia seu pau sobre o meu.

— Implore — ele disse assumindo o total controle da situação — Eu quero ouvir cada palavra, quero ouvir você implorando por mim — A esse ponto estávamos só de cueca, nossos corpos se encaixando perfeitamente.

— Pietro... — arfei enquanto sua mão ia para dentro de minha cueca — Quero sentir sua língua,  experimentar a luxuria que escorre pelos seus lábios e sentir o desejo em sua respiração contra o meu rosto.

— Você conseguiu se safar muito bem dessa, lindinho — ele respondeu enquanto batia uma para mim bem de leve — Conseguiu me deixar mais excitado ainda — Ele não fez muita cerimonia. Tirou minha cueca e então começou a me chupar em  um ritmo bom. Ele alternava entre meu pau e minhas bolas e então senti sua língua contra a minha bunda. Eu me contorci sobre sua boca enquanto ele me beijava lá embaixo.  Com o braço esquerdo ele procurou algo em sua calça e poucos segundos depois estava abrindo uma camisinha. Ele a vestiu e então senti seu pau entrando em mim. Ele não parecia ter pressa, aproveitava cada movimento enquanto eu gemia sentindo sua rola dentro de mim. Ele veio até a minha boca para me beijar diversas vezes entre os movimentos de vai e vem. 

— Lucca — ele gemeu enquanto gozava dentro de mim e não demorou muito para ele me fazer gozar também. Pietro me beijou mais uma vez e então fomos ao banheiro para um rápido banho. Sai do banheiro apenas de cueca e ele também.

— Com fome? — perguntei enquanto se sentava a mesa e abria a caixa da pizza. O cheiro de frango com catupiry subiu.

— Só se for dessa sua bundinha — ele disse enquanto pegava um pedaço e abria a garrafa de refrigerante.

                                                                                         

 


Notas Finais


<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...