História Fuck You [(Reader)] - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Five Nights at Freddy's
Personagens Bonnie the Bunny, Chica the Chicken, Foxy the Pirate, Freddy Fazbear, Mike Schmidt, Personagens Originais
Tags Fnaf 1, Leitora, Reader, Reader Insert, Você, X Reader
Visualizações 86
Palavras 2.654
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hello Readers!

Não aguentei e postei o capítulo antes do dia esperado.
Espero, realmente que vocês gostem!

✘Palavra-chave:

S/A = Sua amiga, sua melhor amiga

✘+18

B
O
A

L
E
I
T
U
R
A

Capítulo 15 - Finally!


Fanfic / Fanfiction Fuck You [(Reader)] - Capítulo 15 - Finally!

18h30min

S/N

Annabeth, após tudo que ocorreu mais cedo, resolveu pedir-me desculpas. Eu acabei aceitando, pois estava com bom humor – acho que já dá para saber o porquê, não?

E agora eu estou sentando à mesa, vendo-a devorar o pedaço de bolo em seu prato. Bolo que eu mesma fiz, juro de dedinho que não está envenenado, sério. Estalei meus dedos, atraindo a atenção da menor para mim, mas que logo foi direcionada para o pedaço de bolo. Lisa entrou na cozinha, olhando de mim para o bolo e do bolo para mim.

— Não acredito. – Disse após alguns segundos repetindo a mesma ação, olhar do bolo para mim e vice-versa.

— No quê? – Perguntei olhando para a rosada que estava me encarando com um bico enorme no rosto.

— Que você fez bolo e nem me avisou. – Um bico gigante, formou-se em seu rosto e eu acabei revirando os olhos.

— Pode comer. Ok? – Levantei e saí do local, sem esperar nenhuma resposta da rosada.

Passei pela sala, vendo Yoonhyo e Foxy deitados e abraçados no sofá. Uma cena fofa, gay e melosa, eu tenho que admitir, mas ainda assim, fofa. Eles olharam para mim rapidamente e depois voltaram sua atenção para a TV. Esses são os únicos seres que eu conheço que gostam de ver TV, sério.

Subi as escadas, passei pelo quarto de Lisa, e vi Bonnie sentado em um dos pufes jogando videogame. O próximo quarto era de Chica, que está com a porta fechada, me impossibilitando de ver o que ela estava fazendo.

Entrei em meu quarto, mas Freddy não estava lá como de costume. Acabei não ligando muito e indo em direção ao meu banheiro. Fiz uma trilha de roupas pelo caminho. Abri a porta do banheiro e entrei sem demora no mesmo.

Abri o vidro do Box e liguei o chuveiro, por sorte estava no quente, agora me resta apenas esperar a água esquentar.

Entrei no chuveiro assim que senti que a água estava em uma temperatura aceitável. Foi apenas a água quente cair em minhas costas, que a porta do banheiro abriu e me revelou um Freddy com a camisa aberta, cabelo desarrumado e o zíper da calça aberto. Abri um pouco a boca na intenção de comentar algo, mas desisti. Isso é muito estranho.

O urso tirou a roupa, ficando completamente nu, instantaneamente senti meu corpo esquentar e meu olhar cair sobre o seu membro. Virei à cabeça para o lado, com as bochechas ardendo em chamas, com certeza estou vermelha. E toda essa minha reação, causou risinhos da parte do moreno.

— Para de rir caralho. – Falei irritada.

Ele riu mais ainda e entrou no Box comigo. Virei de costas e ele logo abraçou minha cintura, senti minha bunda roçar em seu membro. Eu não estou disposta para transar, não mesmo – pelo menos não agora.

— Estou com dor de cabeça. – Não chegava a ser mentira, pois com tudo que está acontecendo, isso é normal, pelo menos para mim. – Depois fazemos isso. – Murmurei.

— Para de ser chata.

— Eu não estou sendo chata! – Digo com uma pitada de indignação na voz.

— Está sendo sim... – Sussurrou ao pé do meu ouvido, e eu arrepiei. – Você está excitada que seu sei. – Mordeu meu lóbulo. – Não adianta mentir.

— Se eu fizer o que você quer você me deixa em paz?

— Isso só me depende de você.

Virei de frente e agarrei sua nuca, iniciei um beijo que foi retribuído sem mais nem menos. Minhas mãos começaram a descer. Arranhei suas costas com a mão esquerda, pois a direita estava ocupada de mais o masturbando. Ele soltava alguns gemidos entre o beijo, junto com alguns palavrões e eu apenas ria. É divertido o torturar.

Desliguei o chuveiro, já que o que eu estava pretendendo não importa mais. Fiquei de joelhos, começando a fazer meu serviço, abocanhei seu membro, fazendo movimentos de vai e vem. O moreno segurou em meu cabelo, fazendo um rabo de cavalo desajeitado e começou a me ajudar com os movimentos. Eu fazia isso como se eu estivesse chupando um pirulito.

Não demorou muito para ele gozar e se despejar em minha boca, fazendo-me engolir tudo, sem deixar que nada escapasse. Fiquei de pé, vendo-o ofegante, de olhos fechados, com a cabeça tombada para trás e ainda em êxtase.

Saí do Box e ele me encarou de canto de olho. Dei um sorrisinho malicioso, lambendo os lábios em seguida vendo-o morder o seu lábio inferior.

Saí do banheiro sem toalha mesmo. Deitei na cama ainda nua, me cobrindo com o edredom e coberto que estavam em cima da mesma. Ficar completamente nua é libertador, ainda mais depois de um dia estressante. O lado direito do colchão afundou, com certeza é o Freddy. Deitei em seu peito e logo depois passei uma perna minha pelas suas, ele também está nu.

Coloquei minha cabeça na curvatura de seu pescoço e mordi o local, arrancando um grunhido de surpresa baixo do urso. Em resposta ele apertou minha cintura – nem havia percebido quando ele passou seu braço por ela. Soltei um gemido baixinho.

— Tem certeza que não quer retribuição? – Perguntou com a voz carregada em malícia.

— Agora não, estou cansada. – Bocejei. – Depois você faz isso. – Fechei os olhos, acomodando-me em seu peito.

— Você que sabe. Vou cobrar depois. – Sussurrou a última parte mais para ele do para mim.

Bom, não importa. Eu apenas quero dormir neste momento.

4h36min

Cocei meus olhos, enquanto sentava na cama. Acho que acordei cedo demais, pois o quarto inteiro estava escuro, sem nem um pouco de luz. E eu durmo com as cortinas abertas – um dos meus truques para acordar cedo.

Levantei e comecei a andar indo em direção, pelo menos eu acho que era da porta, torcendo para não bater, tropeçar e derrubar algo pelo caminho. Suspirei de alívio assim que toquei a maçaneta. Por sorte, não quebrei nada pelo caminho. Graças a Deus!

Andei pelo corredor escutando alguns gemidos. Depois eu sou a ninfomaníaca. Revirei os olhos.

— Sabe... eu estou aceitando qualquer luz neste momento. – Murmurei ainda na esperança disso acontecer. – É, não vai adiantar de nada, pelo menos até eu alcançar o interruptor. – Continuei andando.

Consegui, finalmente, chegar ao interruptor. Respirei fundo. A luz do corredor ilumina a escada, isso é ótimo.  Não quero tropeçar e sair rolando, eu amo meu corpinho. Desci cautelosamente, pois mesmo com a iluminação, eu posso cair – talvez eu seja meio lesada.  Talvez não, eu sou. Por quê? Eu acabei de escorregar.

— Puta merda! – Praguejei.

— S/N? – Freddy perguntou com voz de sono, ele estava no topo da escada. – O que aconteceu? – Veio até mim. – Você caiu? – Perguntou em tom divertido e logo após começou a rir.

— Para de rir, desgraçado. Faz algo útil, e me ajuda seu puto.

— Tá aleijada? – Encarei-o com um olhar mortal e o mesmo se calou na hora. – Dá mão.

Ajudou-me a levantar. Desde quando ele colocou uma calça?

— Você não colocou nem uma roupa? Já pensou o Foxy, ou até mesmo o Bonnie, te vissem assim? – Encarou-me nos olhos e eu desviei.

Por algum motivo – mentira, tem um motivo bem explicado para isso –, eu quase nunca consigo encarar as pessoas – do sexo masculino – nos olhos, de jeito nenhum. Talvez minha timidez tenha algo a ver com isso. A timidez que eu achei ter perdido quando conheci S/A.

— Está pensando no quê? – Colocou as mãos em minha cintura, ofeguei surpresa em resposta. – Preciso te retribuir, lembra? – Aproximou seu rosto do meu, mordeu e puxou meu lábio inferior sem muita força, logo após meu deu um selinho que foi se aprofundando.

Desceu suas mãos para a parte interna de minhas coxas, entendi o recado; dei um impulso e ele me ajudou, entrelacei minhas pernas em sua cintura, sentindo sua ereção roçar em minha intimidade descoberta. Gemi em seu ouvido.

Caminhou comigo até o sofá, deitou-me no mesmo e ficou por cima de mim, ainda sem separar nossas bocas – haja fôlego. Nos separamos. O moreno começou a distribuir beijos molhados pelo colo dos meus seios, descendo por minha barriga parando em minha intimidade, onde ele começou a passar a língua por toda a extensão. Mordi meu lábio com força contendo um o gemido alto, de qualquer maneira ainda tem seres em meu apartamento.

— Meu Deus! – Levei as mãos ao seu cabelo, quando ele deu um chupão em meu clitóris. Penetrou-me com três dedos de uma vez, comecei a rebolar por instinto. – M- mais r- rápido... – Falei com certa dificuldade.

Ele acelerou os movimentos e também meu orgasmo que, eu sentia que podia ter a qualquer momento. Comecei a rebolar, buscando mais contato. Soltei um gemido alto, mas logo me arrependi, pois alguém poderia ter ouvido. Respirei com dificuldade. Senti todo meu corpo relaxando aos poucos, por causa do meu êxtase.

— Estamos quites. – Levantou e me encarou com um sorriso satisfeito.

 Esse filho da puta está se divertindo vendo minha situação; pernas moles e abertas, respiração ofegante. O puto saiu andando deixando-me sozinha. Levantei logo após não ter mais visão do urso. Apoiei-me no braço do sofá, tentando manter o equilíbrio, mas tá difícil.

— Urso filho da puta, mal comido, desgraçado... – E meu estoque de xingamentos acabou.

— Eu iria te ajudar, mas depois dessa... – Da onde, esse puto saiu? Freddy estava segurando uma blusa moletom em uma mão e na outra um short.

— Era brincadeira, amor da minha vida. Sabe que eu te amo, né? – Ele soltou um risinho e me jogou as roupas, caí de bunda ao tentar pegar, mas peguei. – Você sabe que eu estou com pernas bambas, e faz isso? Depois reclama que eu te xingo de tudo quanto é nome. – Resmunguei.

— Larga a mão de ser chata, pelo menos ajudei. – Deu de ombros. Só consegui ver, pois ele acendeu outra luz perto da escada. – Gostaria que eu te deixasse aí? – Arqueou as sobrancelhas e eu revirei os olhos.

Coloquei as vestes que ele havia me dado e me levantei, só comecei a andar quando tive certeza de que eu não iria cair no chão.

— Quer ajuda? – Perguntou assim que passei por seu lado. Assenti, e ele passou seu braço por detrás de minha cintura, e eu apoiei-me no mesmo.

— Valeu. – Sussurrei.

Subiu comigo, apegando todas as luzes que estavam acessas que no caso eram duas. Chegamos ao quarto e eu fui logo me deitando, mesmo não estando com sono.

Resolvi pegar meu celular, mas quem estava usando-o esses dias era Freddy que, por sorte, estava deitado ao meu lado. O balancei e ele se virou para mim, pois o mesmo estava de costas.

— Que foi?

— Cadê meu celular? – Passei minha por seu rosto. – Preciso ver uma coisa. – Murmurei em um tom mais baixo do que antes.

— Toma. – Me deu o celular que eu nem vi de onde ele tirou, estava muito ocupada demais vendo o quanto o cabelo dele é liso, pelo amor de Deus.

— Obrigada. – Sorri e ele se virou.

Aproveitei que ele havia deixado à luz do banheiro acessa e a porta entreaberta. Olhei para o lado, estiquei a mão alcançando o criado mudo, peguei meu fone que estava acima do mesmo.

WhatsApp

Eu: Oi! 04h59

“Oi”, nada! Sua puta

O que eu fiz dessa vez?

Não me respondeu estes últimos dias

Sabe o idiota?

Seu namorado?

Sei

Namorado?

A gente terminou, mas desta vez a gente não vai voltar

Eu estava pensando em uma vingança

O que você acha?

Onde você está?

Na minha casa

Não, idiota

Em que cidade?

Londres, por quê?

Eu estou trabalhando, esqueceu?

Eu não posso sair do país

Credo

Pensei que iria me ajudar

Deixa você

Eu até posso ajudar

Sério?

Se você esperar um ano

Vai tomar no seu cu

Off.

Desliguei o celular, não estou afim de ser xingada até acabar o estoque de xingamentos dela. Coloquei o celular junto do fone em cima do criado-mudo. Virei de lado – já que antes eu estava de barriga para cima – dando de cara com as costas nua de Freddy. Passei meu braço por sua barriga, apoiando minha cabeça em suas costas.

10h30min

Acordei com algum ser pulando em cima de mim, com certeza é Annabeth, essa filha da puta.

— Que que você quer, criança? – Falei com a cara ainda enfiada no travesseiro. – Me deixa dormir, demônio. – Me remexi, ouvindo o barulho de algo caindo no chão.

— Que você me leve para conhecer o resto do prédio. – Subiu em cima de mim novamente. Minhas especulações estavam certas, é Annabeth.

— Pede para o Freddy. – Virei de barriga para cima, fazendo com que ela caísse ao meu lado na cama.

— Mas eu quero ir com você. – Olhei para ela, e a mesma estava com as bochechas infladas e um bico.

— Se você for com Freddy, vai ter uma surpresa quando você chegar. – Ela deu um pulo da cama e saiu correndo para fora do quarto. – Não consigo mais dormir.

Arrumei um pouco meu cabelo em frente do espelho.

Saí do quarto com meu celular em mãos. S/A não havia dito mais nada, por sorte. Desci as escadas cantarolando uma música qualquer. Cheguei a minha cozinha e tomei um susto da porra, do nada, Lisa brotou na minha da puta que pariu.

— Quer me matar do coração, menina? Quase tive um infarto. – Coloquei a mão no peito dramaticamente e soltei um suspiro. – Deixa você!

— Para de drama, S/N! E a propósito, eu estou MORRENDO de fome. – Destacou o “morrendo”. Depois eu sou a dramática.

— Já vou fazer a comida. Ok? Acabei de acordar. – Sussurrei a última parte para mim mesma. – O que você quer? – Passei as mãos por meu cabelo, respirando fundo.

— Desde que seja comestível. – Deu de ombros, fazendo pouco caso.

Confirmei com a cabeça. Ela se sentou em um dos bancos, apoiando os cotovelos na bancada. Andei até um dos armários, a procura dos ingredientes.

A única coisa que se passa em minha mente é: eu espero realmente que Annabeth, não tenha feito merda.

Três dias depois.

11h57min

Tentei manter a sanidade nestes últimos três dias.

Annabeth, ao sair com Freddy, durante o tempo que ficou fora, xingou todas as criancinhas pelo caminho. E o que acha que aconteceu? Sobrou pra mim! Tive que me desculpar pessoalmente com todas as mães, avós e tias. Eu realmente odiei isso.

Eu não vi Chica durante este tempo, e Freddy sumia do nada – eu sendo a preguiça em pessoa, não fiz questão de procurar, minha cama me chamava a todo instante.

Anna retornou do banheiro, devidamente vestida, ela iria embora daqui a pouco. Graças a Deus! Nunca fiquei tão feliz na minha vida – leve mentira, mas isso é irrelevante. Um dos dias que eu fiquei mais feliz do que hoje, foi quando eu soube poderia sair em viagem – sozinha – com S/A.

— Foi bom ficar com você, prima. – Abraçou-me e eu passei a mão por sua cabeça. – Vou sentir saudades.

— Também... – Murmurei baixinho. – Desça. Vou levar suas coisas daqui a pouco. – Me separei dela, vendo-a assentir e sair do quarto.

A campainha tocou. Nunca fiquei tão feliz em ouvir este som.

Peguei a mala da criança e desci as escadas rapidamente. Chamei seu nome, Annabeth acompanhou-me até a porta e eu abri a mesma o mais rápido possível.

— Obrigada por cuidar dela, S/N! – Sorriu a mulher à minha frente e eu retribuí. – Espero que não tenha dado trabalho. – Olhou de canto de olho para a menina, que já havia se colocado ao seu lado, a criança se encolheu.

— Imagina! Ela foi um doce! – Na verdade, ela foi o capeta em pessoa. – Espero que volte mais vezes. – Dei um sorriso forçado que foi retribuído pelas duas.

— Temos que ir. Estou atrasada para um encontro importante. Obrigada novamente. Até!

As duas seguiram para o elevador.

Finalmente, essa porra foi embora.


Notas Finais


Gostaram do "hentai"?
Espero que sim, e que tenham aproveitado, pois este é o último.

✘Porque a fanfic vai acabar no próximo capítulo.

Não esqueçam de comentar e de me dizer o que acharam, por favor!

*3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...