História Fuckin' Perfect - Capítulo 43


Escrita por: ~

Postado
Categorias Benedict Cumberbatch, Tom Hiddleston
Personagens Personagens Originais, Tom Hiddleston
Tags Benedict Cumberbatch, Cinema, Comedia, Drama, Drogas, Fama, Mortes, Romance, Temas Adultos, Tom Hiddleston
Exibições 48
Palavras 3.686
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu sei, eu sei que demorei muito para postar um novo capítulo monas, sorry, mas só agora eu consegui escrever algo. Espero que gostem!

Boas vindas as leitoras novas, espero que gostem da minha historia e que me falem o que estão achando dela ok? Beijinhos!

Capítulo 43 - Bela Paris e Convite.


Part Lydia Lino

Após um dia inteiro e maravilhoso de compras nas melhores lojas de Paris, capital da moda, eu e o Tom decidimos que seria bom darmos uma pausa e nos sentarmos em qualquer restaurante para recarregarmos nossas energias daquele dia tão tumultuado. Estávamos na França apenas a dois dias, mas eu já sentia o clima diferente do local, já me sentia uma francesa maravilhosa.

- Nossa, realmente compramos muita coisa. - Tommy fez o pequeno comentário ao olhar para todas as sacolas que estávamos carregando e eu sorri de canto de boca.

- Bom, foi a melhor necessidade da minha vida. - falei. - Eu praticamente renovei todo o meu guarda-roupa em apenas um dia em Paris... Me sinto mais rica que o normal, olha so para isso Tommy! Chanel, Dior, Gucci, Prada, Lanvin... Juntando todas essas roupas poderíamos comprar o apartamento mais luxuoso na região mais nobre do Brasil!

Tom sorriu ao juntar as mãos e apoiar o queixo sobre elas.

- Fico feliz que tenha gostado, considere tudo isso como um grande presente para você. - ele falou e eu arqueei a sobrancelha.

- É mas não compramos coisas só para mim aqui moço. Você também deu uma bela renovada no seu guarda-roupa. - acusei ele meio que brincando e ele levantou as mãos como sinal de rendição e depois as juntou.

- Tem razão, você me pegou. - ele sorriu. - Foi um mal necessário.

- Espero que haja mais desses "maus necessários". - desejei e ele cruzou os braços. - Oque? Dinheiro foi feito para gastar Aquariano, afinal de contas não vamos levar nada disso para o túmulo. Apenas uma roupa no corpo, uma bela maquiagem e flores de defuntos para decorar o caixão.

- Que papo mais mórbido. - Tom pegou a taça de vinho que estava a sua frente e deu gole naquele líquido escarlate do pecado. - Hum, eu vi no jornal que hoje haverá uma peça de Shakespeare no Teatro Olympia, os atores são bem jovens, entre 15 e 18 anos. Será legal ver novas promessas da arte cênica não acha?

Arqueei minha sobrancelha para ele no mesmo instante, quase cravei minhas unhas na mesa.

- Está dizendo que estamos velhos? - falei entre os dentes. Ele arregalou os olhos para mim surpreso com minha reação perante aquela audácia.

- Não, não, não ariana, calma. Eu não quis dizer isso. - ele falou rapidamente. - Mas as novas gerações de atores virão, você deveria saber disso.

Virei meu rosto para a direita, é muita falta de medo desse cara de insinuar que estamos ficando velhos.

- Oh, vamos! Não precisa ficar zangada, você é bem nova ainda, tem apenas 23 anos. Tem uma vida inteira pela frente. - ele comentou sorrindo. - Continua maravilhosa, e tenho certeza de que ficará assim por muito tempo.

Sorri dando os ombros para ele.

- Querido aquariano, eu serei linda em qualquer situação. - me gabei para ele que sorriu de canto de boca.

- Sua humildade continua impecável.

- Quem precisa de humildade quando se sou eu? Na boa Tommy, eu sou incrível. Sou linda, talentosa, rica, já disse que sou linda? - ele cruzou os braços. - Não existe nada de ruim em mim, sou a personificação de perfeição.

- Tá bom, tá bom. - ele sorriu. - E então? Vamos assistir a peça?

- O que eu não faço por você hein Tom?

- Não reclame princesa, você que teve a brilhante ideia de se refugiar em Paris enquanto a raiva da sua irmã não passa.

- Que eu tenho certeza de que não vai passar tão cedo... - suspirei pesadamente. - Mas vamos falar de coisa boa não é? Vamos falar de nós. Que tal aproveitarmos tudo que Paris tem a nós oferecer? - arqueei bem uma das minhas delineadas sobrancelhas e dei um sorriso bem oferecido ao meu amor.

Sim querida, você leu "amor". Não se acostumem com isso, é o clima romântico de Paris que me faz dizer essas coisas que eu normalmente não diria. Mas voltando ao papo.

- Hum.... Então, o que você me sugere? - ele perguntou ao me olhar com aqueles olhos azuis que me faziam molhar toda a minha vida, quem dirá a minha roupa.

- Bom...

Quando dei por mim, Tom estava mostrando toda a sua natureza abençoada entre as minhas pernas num banheiro de uma loja mais próxima do local em que Estávamos.

- Aaainnn que delícia... - gemi ao segurar suas costas enquanto ele investia seu membro dentro de mim.

Meus cabelos não poderiam esta mais desgrenhados mas isso era o de menos.

- Somos... Loucos... - ele respondeu ofegante enquanto juntava nossos labios em um beijo selvagem e urgente. - E se... alguém entrar?

- Que mal faz um casal transar?.... ahhh  isso é tão normal! - mordi meu lábio inferior ao sentir uma penetração forte. - Assim, assim!

- Estamos em local público. - ele respondeu mas continuava. 

- Ah Thomas! - respondi seria fazendo ele dar uma breve parada. - Não me faça brochar aqui. Não agora pelo amor da Gaga.

- Jamais ariana... - ele sorriu ao me dar mais um beijo. - Jamais vai brochar enquanto estiver comigo... - e continuou com os movimentos cada vez mais acelerados, eu podia sentir o prazer inundando meu corpo, ainda bem que eu não estava de calças.

- Hum.... Gosto assim. - sorri agarrando suas costas novamente, mas acabei por dar um tapinha de lembrete para ele. - Não goza no meu vestido.

Part Mabel

Pela milésima vez seguida eu tentava ligar para a Lydia mas como sempre ela não atendia as minhas ligações. Eu não sabia mais o que fazer, as fotos dela completamente pelada estavam rodando toda a Londres, ela estava estampando as principais revistas de fofocas da região, além de vários empresários e diretores ligarem a procurando. Mas como eu iria dizer alguma coisa? Ela sumiu! Não só ela, o Tom também sumiu pois nem o próprio Benedict sabia onde o amigo estava, provavelmente estavam juntos, mas não estavam em Londres.

- Ah... Eu desisto. - murmurei cansada ao jogar o celular de leve sobre o sofá Preto de couro da sala de visitas.

- Calma bicha, eu tenho certeza que a abelha rainha está muito bem. Ela está com o bofe londrino não é? Daqui a uns dias ela aparece ai. Mas ficar ligando vai fazer ela ignorar mais ainda. - Maicon comentou enquanto mexia em seu celular. - Você a conhece, sempre gostou de chamar atenção. Quanto mais você der atenção a ela, mas ela vai fingir que não se importa.

Eu tinha que concordar com ele, Lydia sempre foi do tipo que adora chamar atenção e só desiste quando a consegue, mas quando ela a consegue ela simplesmente joga tudo pro alto. É como se o jogo dela fosse apenas conquistar, e  depois ignorar completamente.

- Você tem razão Maicon. Mas essa falta de notícias me deixa aflita. - respondi. - Você tem certeza de que não sabe onde eles dois podem ter ido?

- Amada, se eu soubesse, eu lhe diria.

- Como fez quando a Lydia foi para Miami com o caçula dos Marley? - indaguei.

- Assim você me ofende. Eu não disse nada pois ela me pediu segredo, e você sabe que eu sou o diário cor-de-rosa com purpurinas da Lydia. - ele respondeu e aquilo me fez sorrir um pouco, realmente, eu não podia colocar o Maicon na inquisição em busca da minha irmã se ele era completamente fiel a ela. Sempre. - Espere um pouco perua!

- O que foi?

- Eu acho que sei onde a abelha rainha está. - ele me olhou acima da tela do celular.

- O que?! ONDE? ONDE ELA ESTA MAICON? - elevei um pouco a minha voz eu sei.

- PARA DE GRITO! - ele esbravejou. - Calma. A Lydia está em Paris, França, e aparentemente o bofe londrino está com ela.

França? FRANÇA? Ela simplesmente se jogou dentro de um avião e fugiu para a França? Ela é mais covarde do que eu pensei.

- Eu não estou acreditando... - resmunguei irritada.

- Olha, isso pode ajudar. Pode ser que os paparazzis flagrem alguma coisa e a história da PlayBoy seja esquecida por um momento. - Maicon me respondeu mas eu admito que não dei muitos ouvidos.

- Muito me admira o Tom ter aceitado embarcar nessa loucura com ela. - falei descrente. - Pensei que ele fosse mais maduro que isso...

- Nossa Mabel, não precisa crucificar o bofe londrino por causa disso. Ele deve ter atendido a um pedido da Lydia, você sabe que ele ama ela e faria qualquer coisa que ela pedisse a ele. - disse Maicon. - Homens quando se apaixonam, não importa se são heteros ou não, viram trouxas.

- Sei... - ouvi o meu celular tocar, olhei para ver quem Era e vi que era o Ben. Só atenderia a ele naquela situação.

- Oi Ben. - falei cansada.

"Ei... Que voz é essa? Aconteceu alguma coisa?"

Atencioso como sempre, esse homem não existe.

- O de sempre... todos os problemas da minha vida começam com L.

"Ah não Bel, não acredito que você ainda está assim por causa disso. Dá um tempo, deixa a poeira abaixar, ela vai voltar para casa e assim vocês vão conversar com mais calma, ta bom?"

Sorri, eu amava aquele sotaque dele.

- Tá bom Ben...

"Mas na verdade eu liguei para te fazer um convite."

- Um convite? - indaguei curiosa.

"Sim, hoje irei a uma premiação, gostaria de me acompanhar?"

- P-Premiação? Calma Ben, como assim? Eu não posso.

"Por que não?" - ele sorriu. - "Mabel você é linda e é minha namorada, eu não quero esconder você."

- Mas eu não faço questão de aparecer como sua namorada. - respondi.

"Eu não disse que você fazia. Mas eu ficaria muito contente se você fosse comigo a essa premiação, você é linda e sabe como tudo funciona, as câmeras serão todas suas e não vão nem se lembrar de mim."

Sorri alto.

- Exagerado.

"Eu só digo fatos." - ele respondeu sorrindo. - "E então? Aceita meu convite?"

Suspirei pesadamente, mas eu achei melhor aceitar o convite dele, estávamos namorando e eu não iria me comportar como uma fugitiva so por que estava com ele.

- Tá bom Ben, eu aceito. - sorri.

"Maravilha! Obrigada Bel, tenho certeza que você vai gostar muito, não é nada assustador. Eu lhe pego hoje a noite. Ah, você está linda."

- Mas você nem está me vendo. - falei.

"Não preciso lhe ver para saber que está linda. Te vejo a noite meu amor."

Senti minhas pernas bambearem um pouco, foi a primeira vez que ele me chamou de "meu amor", eu nunca havia sentido essa sensação antes e ela era muito boa. Olhei para o meu celular sorrindo feito uma boba, antes de colocá-lo sobre a cama novamente e olhar para o Maicon.

- Acho que vou precisar da sua ajuda Maicon...

Part Tom Hiddleston

Estávamos saindo da loja completamente calados, quer dizer, eu estava calado, a Lydia estava sorrindo pela nossa situação e pela minha cara envergonhada. Nunca pensei que fosse chegar a esse ponto de transar num banheiro de uma loja em Paris, se isso cai na midia eu não sei o que farei. Pelo menos os banheiros não tinham câmeras, eu verifiquei bem.

- Muda essa cara Tommy, assim as pessoas sabem que você fez alguma coisa. - Lydia me falou enquanto caminhávamos pela fina calçada, e eu pude ver uns paparazzi do outro lado da rua, não eram muitos, eram dois.

- Não tem como mudar a cara só de pensar que alguém pode ter ouvido algo, por sorte a porta estava trancada. - respondi seriamente. - Arruma esse cabelo Lydia.

- Hahahahahaha Tom realmente você me diverte. - ela gargalhou alto enquanto arrumava os cabelos bagunçados. - Ah, qual é... Foi divertido, teremos histórias para contar. Bem, para onde vamos agora?

- Que tal o hotel antes de irmos ver a peça? - indaguei.

- Pode ser, quer tomar um café antes? Tudo isso me deu um pouco de fome. - ela perguntou e eu revirei os olhos, o que não faço por ela? Eu estou morrendo de vergonha pensando de alguém ouviu nós dois no banheiro mas o que ela pensa? Em café.

- Tá bom... Mas só um café.

- Ai! Obrigada aquariano! - ela comemorou.

Caminhamos mais um pouco pela fina calçada de Paris, até que avistamos um belo estabelecimento no qual provavelmente teria café. Adentramos o local e nos sentamos em uma pequena mesinha para dois, o ambiente era bem romântico, como quase tudo em Paris, ainda mais na rua do nosso hotel. Os carros iam e vinham se muitos congestionamentos.

Lydia fez os pedidos e esperamos apenas um pouco para eles chegarem.

- Que bom que você mudou essa cara... - ela comentou ao mexer o café com creme que ela havia pedido.

- Fazer o que né? Mal feito, feito. - sorri dando um gole no café.

- É desse jeito que eu gosto! - ela sorriu dando um gole no café dela também. - Quanto tempo vamos ficar em Paris?

- Dois ou três dias, acho que é um bom tempo para sua irmã se acalmar mais e vocês duas terem uma conversa Bem mais pacífica. - respondi calmamente. - Se for possível não é? Vocês duas vivem em guerra.

- Não vivemos em guerra, Mabel é quem gosta de transformar os pequenos problemas em catástrofes mundiais! - ela respondeu. - Não é minha culpa se o gênio dela é tão forte quanto o meu.

- Vocês duas podem não ter o mesmo sangue mas são bastante parecidas. - falei.

"Espere um instantinho... Tom? Tom Hiddleston?"

Ouvi uma voz bem familiar atrás de mim, me levantei para poder olhar melhor e me surpreendi completamente.

- Eddie! - falei abrindo meus braços para cumprimentar meu amigo que me abraçou forte.

Fazia muito tempo em que eu não via o Eddie pessoalmente e encontrá-lo em Paris foi a coisa mais inesperada do mundo. O mundo é mesmo muito pequeno.

- Meu Deus quanto tempo Tom! - ele me abraçou forte dando algumas tapinhas nas minhas costas e eu fiz o mesmo antes de nos soltarmos.

- Olha só você, está ótimo Eddie. Eu vejo toda a repercussão do seu novo filme, você vai ganhar o Oscar próximo ano! - falei entusiasmado e ele negou sorrindo.

- Que nada cara, tem pessoas muito melhores concorrendo comigo...

- Mas a Teoria de Tudo foi bem recebia e aclamada, sua carreira agora vai decolar de verdade Eddie, seu potencial foi avistado e será explorado. - sorri ao tocar no ombro do meu amigo de muitos anos.

Eddie e eu estudamos na mesma escola em Londres, a Eton College, onde também estudamos o mesmo ano com o Príncipe William, e lá desenvolvemos uma amizade. Ele estudou Teatro como eu e foi nos palcos que ele iniciou sua carreira, além de ser um ótimo cantor. Eddie é uma estrela em ascensão e eu fico muito feliz em ver meu amigo finalmente sendo reconhecido pelo ótimo trabalho que ele faz na interpretação de um personagem. Ele fez o papel de Stephen Hawking no filme A Teoria de Tudo e foi muito aplaudido pelas críticas, ele foi indicado ao Oscar como melhor ator e eu tenho certeza de que ele vai ganhar.

- Muito gentil da sua parte Tom, mas eu prefiro manter meus pés no chão ate o dia da premiação. - ele sorriu. - Mas que coisa, quem diria que eu encontraria meu amigo de Colégio aqui em Paris.

- Eu digo o mesmo, fazia muito tempo que não nos víamos. - sorri, mas eu me lembrei de uma certa pessoa pequena que ficou meio que de lado quando reencontrei meu amigo. - Oh, que modos os meus... Eddie, essa é Lydia Lino, é uma grande amiga minha.

- É um prazer conhece-la. - ele falou com ela educadamente e ela se levantou vindo em minha direção.

- Lydia esse é Eddie Redmayne, ele também é ator e estudou comigo na Eton. É um amigo meu de longa data. - O apresentei para a Lydia que sorriu o cumprimentando.

- É um prazer conhecê-lo também. - ela sorriu. - Ai meu deuszinho como ele é fofo! - ela falou em português.

- Am... Desculpe? - Eddie, assim como eu, não entendeu o que a Lydia falou.

- Ah, é um costume que ela tem de misturar o inglês com o português brasileiro. - respondi rapidamente, ele a olhou surpresa.

- Você é brasileira? - ele perguntou e Lydia confirmou.

- Com nota fiscal e tudo, queridinho.

- Nossa, eu sempre quis conhecer o Brasil, tenho uma curiosidade enorme para com seu país, dizem que ele é extremamente bonito e as pessoas são bem hospitaleiras. - Eddie comentou e eu pude ver um brilho saindo do olhar da Lydia, ela sempre amava quando alguém falava bem do Brasil para ela.

- Meu Deus ele falou do Brasil sem falar do Carnaval, bundas ou drogas, ja quero ele dentro de um potinho para levar para casa. - ela falou em português novamente e eu não aguentei e tive que sorrir, aquele costume nunca iria sumir mesmo, só achava engraçado a cara que o Eddie fazia sem entender nada.

- Eu também não entendo nada. - falei pro Eddie e ele ficou mais relaxado com aquilo.

- Quando quiser ir ao Brasil me avisa, serei sua guia turística, vou lhe mostrar o melhor do Brasil, coisa que a mídia exterior não mostra. - ela respondeu.

- De fato, a imagem que a mídia mostra do Brasil é bem vaga e estereotipada, por isso pesquiso na Internet. - Eddie respondeu e eu tenho certeza que aquilo estava enchendo o ego Brasileiro da Lydia por todos os lados.

- Eddie a Lydia também é atriz, ultimamente ela fez um ótimo trabalho na série The Hollow Crown como rainha Elizabeth e provavelmente será chamada para novos trabalhos por causa disso. - falei a ele que sorriu.

- Tenho certeza que é uma ótima atriz. - ele falou. 
 
- Você é muito gentil Eddie, quer tomar café com a gente? Adorei você. - Lydia falou francamente.

- Ah, se não for muito incômodo.

- De forma alguma, quem é amigo do Tom também é meu amigo, e você gosta do Brasil. Ganhou pontos comigo. Vem, vamos pedir uma mesa para três. - e em um passe de magia a Lydia virou anfitriã daquele café da tarde.

- Então, de qual estado do Brasil você é? - Eddie perguntou bem curioso.

- Sou do Rio de Janeiro, você vai adorar conhecer.

Conversamos bastante naquela mesa, o  Eddie me falou que havia casado com a Hannah, que era a namorada dele desde a época da escola, que tinha novos projetos para fazer novos longas e que estava começando a sentir o peso do reconhecimento ao andar nas ruas e ser seguido por paparazzis. Ele e a Lydia se deram muito bem, vocês devem esta se perguntando se eu fico com ciúmes ou não, eu digo que não. Além do Eddie ser casado, a Lydia não demonstrava interesse nele, e sim gostar dele pelo fato dele gostar de seu país e ser uma excelente companhia. Eddie é o tipo de pessoa na qual gostamos de ficar perto, e a Lydia notou isso de cara. A conversa estava muito boa, mas acabou anoitecendo e tínhamos que ir, nos despedimos do Eddie e voltamos para o nosso hotel, pois ainda iríamos ver a peça e tínhamos que está descansados para assisti-la.

Part Benedict Cumberbatch

Cheguei a casa das meninas, pronto, apenas esperando a Mabel. Entrei a convite do Cícero que me acompanhou até a sala de visitas.

- A Lydia ainda não voltou? - perguntei ao me sentar no sofá.

- Não Senhor, ainda não.

- A Mabel deve esta muito preocupada...

- Bastante. - ele respondeu e eu concordei com a cabeça, ele era um homem de poucas palavras.

Esperei alguns minutos até que avistei o Maicon descendo pelas escadas complemente maravilhado.

- Se prepara bofe, nunca em minha vida eu fiz uma produção tão perfeita em alguém como fiz na Mabel hoje. Ela está divina, maravilhosa, uma diva! - ele falou juntando as mãos quase dando pulos de alegria. - Com vocês, a nova Mabel.

Ele levantou um dos braços para mostrar a Mabel descendo pelas escadas e eu consegui sentir meus olhos quase pulando de suas órbitas, ela estava.... estava...

- Linda.... - murmurei para mim mesmo ao ve-la.

Ela vestia um vestido longo dourado de mangas longas, bem trabalhado e seus cabelos estavam soltos como se fossem cascatas castanhas sobre seus ombros, ela usava uma maquiagem bem discreta mas que realçava a beleza do rosto dela. Que mulher maravilhosa...

Ela chegou ao chão lentamente por causa do salto alto e me olhou meio que envergonhada, de baixo.

- Bel... Você está linda. - falei completamente apaixonado, essa era a mulher que ela escondia aquele tempo todo.

Me aproximei dela e peguei uma de suas mãos, acariciando-a com meus polegares.

- Que isso Ben... Sou só eu... - ela falou toda sem jeito e eu lhe dei um beijo no rosto.

- Por isso mesmo, é por que é você. Você é assim, linda. - falei e ela sorriu me olhando com aqueles olhos castanhos que me faziam entrar em perdição so de olha-los.

- Você também está muito bonito... - ela falou.

- Somos um casal bonito. - gargalhamos. - Esta pronta?

- Um pouco nervosa... - ela falou pesadamente. - Nunca tinha ficado na mira de câmeras antes....

- Eu vou esta com você o tempo todo, não se preocupe ta bom? Você vai se sair muito bem. - falei passando um pouco de confiança para ela que absorveu bem as minhas palavras e concordou com a cabeça. - Vamos?

- Vamos! 


Notas Finais


E ENTAO? O que acharam? Comentem por favor!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...