História Fucking Perfect - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~ninaSakata

Postado
Categorias Alexandra Daddario, Justin Bieber
Personagens Alexandra Daddario, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Drama
Exibições 9
Palavras 980
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Denovo não


Fanfic / Fanfiction Fucking Perfect - Capítulo 2 - Denovo não

Samantha Collins P.O.V

Tornou-se tão... suja, este lado da cidade. Quem déra se as unicas coisas sujas por aqui fossem o bairro em si, mas oque deixa watts ainda mais sujo do que já está, é os moradores daqui.

Traficantes, usuários de drogas. Eu me encontro na lista de usuários. No início eu achava que seria só uma forma de me ver longe de tudo, pelo menos uma vez. Mas a partir da primeira tragada, eu não consigo mais parar, e oque era pra se tornar uma distração se transformou na minha destruição.

O vício foi tão grande, que agora eu estou sem ter onde morar. Eu escolhi as drogas, ao invés da minha família. Eu tinha 16 anos quando meus pais me mandaram escolher entre a droga e a minha melhora. Eles prometeram que se eu pensasse em sair dessa vida, me colocariam em um centro de reabilitação. Mas eu não pudia, o vício tomou conta de mim, não havia uma parte do meu corpo que não pedisse por mais.

E agora eu estou morando na rua, cheia de dívidas, e eu não faço ideia de como vou pagar. Eu preciso de dois mil dolares, pra agora. Já pensei em roubar. Mas não seria justo, não com as pessoas que lutam para conseguir o pouco dinheiro que tem, e usam esse dinheiro para o bem. Eu não tenho o direito de tirar oque é deles.

— Jacob - minha voz soou tão baixa, tão fria, que eu duvido muito que alguém ali tenha ouvido.

— Um segundo, Angel - Jacob terminou de contar o dinheiro, e deu dois tapinhas no ombro de um homem alto e magro que estava em sua frente — Tudo certo, rapaz, pode ir - O rapaz saiu dali rapidamente, me deixando sozinha com Jacob.

— O meu nome é Samantha - falei, baixo.

Faz alguns anos que conheço o Jacob, ele tem uma mania esquisita de me chamar de Angel.

— Eu sei, Angel - ele riu, guardou o dinheiro no bolso de sua calça jeans, e fez um sinal com a mão, me mandando se aproximar, assim eu fiz — está com o dinheiro?

Senti meu corpo inteiro gelar, pois eu não estava com dinheiro, e eu sabia muito bem oque acontecia quando eu não pagava.

— Só mais uma semana, Jacob - engoli o seco, ele ficou em silêncio, apenas se encostou mais em seu carro que estava estacionado bem próximo a parede que eu estava encostada — Por favor.

— Essa não é a primeira vez que você compra em minha mão, sabe bem oque acontece com você, se não me pagar no dia certo - ele sorriu malicioso.

— Me entenda - senti minha garganta se fechar — eu não tenho onde conseguir o dinheiro e...

— Entre no carro, Angel - Jacob abriu a porta traseira do carro, fazendo meu corpo gelar ainda mais .

Denovo não.

— Por favor, Jacob - um soluço alto escapou de minha garganta, enquanto eu colocava as mãos em meu rosto, na tentativa impossível de esconder o meu choro.

— Vamos, Angel - a voz dele, mostrava o tédio.

— Não - fui firme, pela primeira vez na vida, eu usei esse tom de voz com ele, não sei nem onde tirei tanta coragem — NÃO - repeti, ainda mais alto.

— Não use esse tom pra falar comigo - suas mãos puxaram as minhas mãos, que estavam escondendo o meu rosto — Você está na miséria, Você não tem nada, Samantha - sua mão esquerda começou a apertar meu pescoço, me sufocando — Deveria estar dando graças a Deus por eu querer te comer, ao invés de te matar.

Isso sim é vergonhoso, se ver num lugar onde você não pode nem escolher oque fazer com seu corpo. Porquê ele faz isso comigo?

— Agora entre no carro, Angel - ele voltou ao seu lugar de antes, segurando a porta do carro com força. Pudia ver o ódio em seus olhos.

Hoje eu não vou deixar, eu estou cansada disso. Que se foda a minha vida, por mim ele pode me matar, eu não me importo. Eu só não quero ser abusada novamente.

Contei até três mentalmente, antes de começar a correr, pra qualquer direção. Eu só precisava fugir desse monstro. Ouvia os passos dele atrás de mim, graças a Deus ele não pegou o carro. Quando eu fui virar para o lado direito, meu corpo se chocou com o de alguém, fazendo algo que estava em sua mão cair.

Puta merda.

— MINHA CÂMERA, PORRA - O garoto gritou, me asustando.

— Me desculpe - minha voz saiu baixa. Eu olhava para trás, tentando ver se Jacob ainda estava atrás de mim, não havia nenhum sinal dele ali.

— Porque você estava correndo? Devia olhar por onde anda, merda - o garoto chutou um negócio que estava no chão.

— Por nada. Oque foi aquilo que você chutou? - perguntei, curiosa.

— A minha câmera, que graças a você, quebrou - ele balançou a cabeça, frustrado.

— ONDE VOCÊ ESTÁ, VAGABUNDA? - tomei um susto, ao ouvir a voz de Jacob. Então olhei pro garoto na minha frente com um olhar pidão.

— Me ajuda, por favor - sussurrei — ele vai me matar.

— Oque você quer que eu faça? - o garoto perguntou, confuso.

— só me... - fui interrompida quando ele me puxou e encostou meu corpo na parede, ficando na minha frente, enquanto sua mão tampava minha boca.

— ANGEL - nesse momento Jacob passou por nós, provavelmente ele viu apenas o garoto em minha frente, mas não me viu.

Ficamos um olhando nos olhos do outro por um tempo, eu com a visão de sua íris caramelada e ele com a visão de um par de olhos azuis. Vermelhos, e enchados. Eu não conseguia ver seu rosto por inteiro, por causa da escuridão, mas eu sabia que ele era bonito.

— Obrigada - sorri, em agradecimento.

— por nada. Foi um prazer conhecê-la, Angel - ele retribuiu o sorriso — Me chamo Justin.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...