História Fullgás - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Fanfuck, Fullgás, Jikook, Namjin, Realidade Alternativa, Taegi, Taeyoonseok, Vhope
Visualizações 4.582
Palavras 9.301
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OOOOOI, nem demorei tanto. Acho voltei pro cronograma de att de duas em duas semanas KKKKKK Eu queria dizer que respondi a todos naquele aviso e ainda fiz um aviso de agradecimento, mas quem não viu OBRIGADA! Muito obrigada MESMO! Amo muito vocês! <3

Enfim, QUERIA DIZER QUE ESTOU COM UMA NOVA FIC JIKOOK ABO, tem muitas tramas, situações inesperadas e claro Jikook como o casal mais lindinhos! VÃO DAR UMA OLHA! Deixarei o Link lá embaixo!

Bem, vcs queriam cap grande então aguentem esse! QUERO VER VCS AQUI EIN! Não se esqueçam de entrar no grupo do whatsapp, quero vê-los! <3
AGR BORA LÁ!

Capítulo 22 - Agora a bosta fedeu


Fanfic / Fanfiction Fullgás - Capítulo 22 - Agora a bosta fedeu

— Acho que o Jimin e o Jungkook se perderam de nós. — Jin ditou após parar por um tempo, procurando enxergar algo em meio aquela escuridão. — Acho que deveríamos ir atrás deles.

 

— Boa sorte. — Hoseok ditou ainda agarrado ao braço de Taehyung e esse riu de leve.

 

— Também acho que deveríamos ir. — o loiro ditou e recebeu um olhar desesperado de quem praticamente estava quase todo em cima de si.

 

— Certo, a gente veio pela direita não foi? — Namjoon olhou para o corredor citado um pouco longe dos cinco.

 

— Não foi pela esquerda? — Yoongi perguntou sem ânimo.

 

— Eu acho que a gente veio reto... — Taehyung ditou baixo, gemendo baixinho de dor pela cãibra que seu braço já estava tendo por conta de Hoseok.

 

— Direita. — o rosado disse.

 

— Reto. — retrucou o loiro, afastando Hobi de si.

 

— Direita. — Namjoon firmou.

 

— Reto!

 

— Direita! — Yoongi revirou os olhos ao ouvir a briguinha dos dois e logo suspirou, voltando-se para trás, onde o loiro havia indicado que tinham vindo.

 

— Continuem vocês brigando aí, eu vou por aqui. — e o verdinho sequer esperou para voltar a caminhar, voltando em linha reta. Taehyung o fitou e logo olhou para Namjoon com o nariz empinado, murmurando um “viu?” e seguiu Suga.

                                     

— Eu vou pela direita, se percam aí então! — Namjoon retrucou e saiu puxando Jin, deixando por fim Hoseok sozinho naquele local, já que o mesmo estava mais preocupado em morrer de medo do escuro do que prestar atenção no que os garotos faziam.

 

— Pessoal? — Jung perguntou temeroso, olhando a sua volta. — Gente? Ai meu deus!

 

 

[...]

 

 

— Acho que a gente devia ter seguido reto... — Rapmon ditou um tanto envergonhado, coçando a nuca com sua mão livre, enquanto a outra se entrelaçava com as de Jin. Esse riu baixinho, negando com a cabeça. Namjoon era realmente bem inteligente, mas extremamente atrapalhado, bruto e sem qualquer noção de direção existente na face da terra.

 

— Você deveria ter ido com os meninos ao invés de discutir e me arrastar para esse lugar. — o moreno ditou ao que revirou os olhos.

 

— Eu não tive culpa, era só que realmente parecia que viemos pela esquerda. A gente andou por tanto tempo no escuro que não consigo nem mesmo enxergar as paredes mais. — o rosado bufou irritado e parou de andar, obrigando Jin a fazer o mesmo. O mais novo puxou-o de leve, encostando os corpos para poder abraçá-lo.

 

— Para, nem está tão escuro assim. A luz da rua está iluminando um pouco.

 

— Bem pouco, você quis dizer né? — Jin riu com a resposta do mais alto e o abraçou de volta, encostando a cabeça no peitoral do mesmo. Namjoon era um cara realmente engraçado. Ele tinha uma aura extremamente máscula e sensual, mas era tão desastrado e bobo quando uma criança. Gostava disso, gostava dele. — Do que está rindo?

 

— De você. — o mais velho respondeu e recebeu uma pequena cutucada em sua cintura, ao que riu mais ainda. — É que você é engraçado e estranho, num bom sentido, claro.

 

— Por que sou estranho?

 

— Sei lá, sua aura. — Namjoon fitou Jin de forma confusa, embora o outro pudesse ver um pouco apenas metade de seu rosto por conta da claridade que advinha da grande janela ao lado dos dois. — Você tem uma pose bem máscula, sabe? E é bem sexy também, é como aqueles galãs ou chefões da máfia que todos se apaixonam. — o rosado não evitou rir alto com isso.

 

— Então quer dizer que você me acha galã?

 

— Eu não terminei. — Jin ditou e pigarreou, arrancando mais risadas do mais novo. — Só que ao mesmo tempo você é bem diferente disso, extremamente bobo e desastrado, parece até uma criança. Chega a ser fofo às vezes. — ditou e escondeu o rosto no peito alheio, ficando em silêncio. Namjoon levou sua destra até os fios pretos do mais velho e os acariciou de leve. — Você é estranho. — e no fim os dois riram.

 

— Será que eu seria estranho se eu te pedisse em namoro, tipo, aqui e agora? — o mais alto perguntou, surpreendendo SeokJin que realmente não esperava por aquilo. O mesmo ergueu o rosto com rapidez, arregalando os olhos e escancarando a boca. Namjoon estava falando sério? — Quer dizer, quando os meninos perguntaram aquilo você disse que eu ainda não havia feito o pedido, então não oficializava. E eu sabia disso, queria deixar pra pedir de uma forma bonita e cheia daquelas coisas, que provavelmente no final eu iria estragar de qualquer jeito.

 

Jin não conseguiu evitar o riso alto que escapou de si, dando alguns pequenos tapas no peito alheio. Deus, Namjoon era incrivelmente estranho, e parecia lhe conhecer tão bem que agora pensava como achava aquele homem ser tão irritante antigamente, quando na verdade ele era só um bobo apaixonado que faria qualquer coisa por si.

 

— Você quer me pedir em namoro após invadirmos uma escola uma da manhã, com boatos de que ela é assombrada, nos perdemos nela, sermos perseguidos por um guardinha e estarmos correndo perigo de ser presos também? — perguntou em um tom extremamente divertido, ao que o rosado parou para pensar por alguns momentos. Realmente era estranho fazer o pedido ali, mas bem, era o que ele queria.

 

— Sim, e aí? Topa vivermos um namoro intenso em meio a essa aventura toda? — Namjoon perguntou, arrancando risadas altas do mais velho. Esse levantou os braços e os passou pelo ombro do mais alto, aproximando os rostos.

 

— Você é demais. — Jin riu e em resposta puxou o outro um pouco para baixo, colando os lábios aos dele. Os movimentos eram lentos e alegres, como se saboreassem com todo o prazer o gosto daquele beijo recheado de sentimentos estranhos e maravilhosos. Afinal, era o primeiro beijo do – agora – oficial casal e Namjoon não podia ter feito um pedido de namoro melhor que esse.

 

— Isso é um sim? — o rosado perguntou em meio aos beijos, colando mais aos corpos. Entre suspiros e estalos gostosos ecoando pelos corredores escuro, Jin riu, finalizando finalmente o ósculo, mas sem desgrudar-se de seu namorado.

 

— Vamos logo procurar pelos garotos.

 

 

 

[...]

 

 

 

— Droga, maldita hora em que eu estava cagando dois quilos e não vi eles indo embora. Agora to sozinho e cagando cinco quilos, quem sabe minhas tripas também. — murmurou Hoseok ao passar suas mãos sobre as paredes que naquele momento pareciam escuras demais para o seu gosto. Aliás, tudo ali parecia escuro demais. Não fazia a mínima idéia de onde estava, nem o que faria, sequer se viveria.

 

Afinal, estava sozinho, perdido, com guardas atrás de si, e pra piorar, além de guardas, também havia fantasmas. Jung tinha a plena certeza de que conseguia sentir aquele friozinho maroto e brincalhão de um fantasma maldito adentrar por dentro de sua camisa e soprar em sua nuca, apenas para lhe assustar e lhe ver sair correndo enquanto gritava igual uma garotinha.

 

O que não deixava de ser verdade, tirando o “garotinha”, Hope não gritava como uma garotinha, era mais uma gazela esganiçada pedindo socorro ao tentar parir seu filhote. Combinava também com os imensos pulos que não podiam ser considerados passos, na verdade, Hobi estava caminhando tão rápido que daqui a pouco era possível levantar vôo dali mesmo e ir de encontro a qualquer lugar ou qualquer pessoa que fosse, talvez até os policiais que estavam a procura dos meninos era bem melhor que estar sozinho.

 

Não conseguia enxergar coisa nenhuma. Tudo estava um breu. Se colocasse a sua palma a cinco centímetros de distância do seu rosto provavelmente enxergaria apenas o vácuo e o nada. Falando nisso, estava uns bons minutos caminhando e nada de encontrar alguém, de escutar algo, de conseguir fazer algo. Quem sabe aqueles minutos demoraram demais, pois acabou agarrando-se a parede e decidindo que já que não encontrava ninguém, esperaria o dia raiar e então seria ele o achado.

 

Parecia um bom plano ficar ali, abraçado a um concreto, de olhos fechados enquanto rezava para se tornar tão invisível quanto o que ele conseguia enxergar a sua volta, até pelo menos dar umas cinco da manhã e o dia já estar amanhecendo, pelo menos torcia para isso. E tudo daria certo, caso ele não escutasse uma movimentação de longe e um barulho de passos.

 

Puta merda, agora sim estava morto.

 

E se antes não conseguia enxergar nada, assim que viu a iluminação de uma lanterna bem ao longe, seus olhos pareceram tornarem-se biônicos e pode enxergar até mesmo o que não seria visível a olho nu. Aproveitando seus recém poderes ganhados, Hoseok praticamente levantou vôo dessa vez e pulou tão alto que chamou atenção do guarda, que logo gritou para que o mesmo parasse onde estava. E, bem, entre ser preso e se arriscar para achar seus amigos, preferia seus amigos.

 

E foi assim que mais uma vez Hoseok quebrou a lei por conta de Park Jimin e suas ideias estupidamente idiotas, como a de beijar Min Yoongi.

 

 

 

[...]

 

 

 

— Saúde. — Taehyung ditou baixo, tentando transparecer indiferença após escutar Suga espirrar extremamente alto e o som do ato ecoar pelos corredores escuros. O verdinho coçou o nariz, sentindo-o entupir de leve por conta do espirro.

 

— Valeu. — fungou de leve. — Acho que alguém estava falando de mim. — ditou pensativo, caminhando calmamente ao lado do loiro. Esse estava um pouco tenso, embora o mais velho soubesse que era porque continuava irritado com aquela situação.

 

 

Oras, a culpa não era de Min se o maluco de Hoseok havia lhe beijado em meio a todo mundo, com direito a língua e tudo mais. Só havia ficado estático no momento, a culpa não era sua. Taehyung queria que fizesse o quê? Chutasse a cara do garoto e depois o pisoteasse de tudo quanto é forma? Era um pouco cruel, mas está bem que na hora sentiu vontade era de queimar todas as entranhas dele.

 

Principalmente agora que notava o clima tenso que rondava os dois. Afinal, se tinha algo que Yoongi odiava, isso era ficar de mal com Kim. Isso desde mais novos quando estudaram juntos, quase sempre que brigava com Tae por ele ser irritante demais quando o mesmo queria, no final sempre cedia às carinhas metidas e aos biquinhos emburrados do mais novo. Era horrível porque sentia extremamente impotente diante daquela arma.

 

— Ah, você realmente acha? — Taehyung revirou os olhos ao fazer aquela pergunta recheada de sarcasmo. Afinal, estar apenas irritado não bastava, tinha que soltar veneno por tudo quando é orifício existente em seu corpo, principalmente a boca. — Estamos sendo perseguidos por um policial após invadir uma escola. Você jura que tem alguém pensando em ti?

 

Tudo bem, o loiro estava muito irritado, a um ponto que nem Suga acharia que o mesmo estava. Afinal, o garoto sempre fora alguém esquisito e bem peculiar, mas nunca lhe tratara dessa forma. O que era estranho, já que antigamente costumavam sair muito e muita das vezes levava alguma namorada sua. Obviamente reparava que Kim ficava verdadeiramente irritado com isso, todavia nunca chegara a usar desse mau-humor consigo.

 

Será que ter se declarado havia afetado o mesmo? Do tipo, abrir a porta do armário e dane-se, jogar glitter em tudo. Na verdade, isso seria muito algo que Taehyung faria, principalmente se fosse purpurina. Ele tinha uma enorme paixão em irritar as pessoas, porém odiava ser irritado. Injusto não? Mais injusto que isso era a forma que Yoongi estava sendo tratado.

 

Ou talvez merecesse. Na verdade o loiro pensava que Yoongi mereceria bem mais que umas ironias e xingamentos, quem sabe um chute nas bolas e um tapa na cara. Tudo isso era o que se passava na mente do mais novo, e também algo envolvendo Suga ficar careca de tanto ter o cabelo puxado por si. E estranhamente Yoongi sentia que não era uma ideia muito boa ficar muito perto do outro, como se lesse seus pensamentos.

 

— Eu só quis me vingar… — ditou um pouco entristecido, quem o visse sequer o reconheceria com aquele mínimo biquinho nos lábios. Taehyung nem se dera ao trabalho de olhá-lo, apenas revirou os olhos e começou a caminhar ainda mais rápido. O verdinho se surpreendeu, apertando os passos para conseguir alcançá-lo.

 

Não estava acostumado com Kim Taehyung bravo consigo, mas com outras coisas sim. Como por exemplo, derrubar um maldito chaveiro de One Piece dentro de um rio e o perder para sempre. Isso sim era pedir para deixar o loiro furioso e pior que isso somente conseguir um motivo para acalmá-lo. E isso seria mimá-lo e lhe dar três diferentes tipos de acessório do One Piece, porque segundo ele nenhum era igual o bastante.

 

— E nos fodeu colocando todos aqui dentro. Olha, eu não ligo se o Jimin vai ser preso, mas sério, eu sou muito novo para ter meus pais arrancando o meu couro. E nem minha avó, ela traz um boi pra me comer. — bufou furioso, parando em um dos corredores. Deus, como odiava aquela maldita escola! Desde criança se perdia naquele local, às vezes quase fazia xixi nas calças porque nunca chegava a tempo no banheiro. Eram trocentas salas, trocentos corredores. Daqui a pouco vinham trocentos policiais e eles tomariam no ânus trocentas vezes. — Eu odeio falar trocentos também.

 

— O quê? — Yoongi ergueu o rosto, se perguntando se Kim estava novamente conversando sozinho com sua vozinha mental.

 

— Nada. — virou-se para trás, encontrando Suga que o seguia como um cachorro. Chegava até a ser hilários aquilo tudo, o deus do Swag, o ser mais cu doce do mundo, o velho rabugento todo arrependido por conta de Taehyung. Ficava até feliz, aliás, significava que o verdinho se importava consigo. — Vai ficar ai? Eu quero passar. — empurrou o outro de leve, voltando a caminhar por onde já haviam passado.

 

Yoongi ficou triste ao ser empurrado, porém pior que isso ficou puto. Ninguém empurra Min Yoongi, nem mesmo Taehyung. Cruzou os braços e continuou da mesma forma, forçando a visão para que pudesse encher o mais alto andando. Está certo, não tirava o direito dele de ficar magoado consigo, mas era injusto quando a culpa não era totalmente sua. E não admitia ser tratado assim por ninguém, nem mesmo seu melhor amigo.

 

— Você não vem? — o loiro perguntou ao finalmente se dar conta de que não escutava passos atrás de si. Não evitou voltar-se para Suga, encontrando-o com uma cara de poucos amigos. — O que foi? Vai ficar ai sozinho? — perguntou debochado, cruzando os braços da mesma forma.

 

Suga respirou profundamente e caminhou lento, parando em frente ao outro. Seus olhos percorreram lentamente a imagem borrada do mais alto, já que estava escuro para que enxergasse muito bem. Sua expressão fechou-se mais ainda, fitando o loiro quase em desafio. Esse cerrou os olhos, fulminando o mais velho.

 

Droga, Min não tinha o direito disso. Não tinha o direito de ficar bravo consigo, nem de querer brigar. Quem estava magoado ali era Taehyung! E não ele. Kim só queria descontar suas inúmeras frustrações por conta desse garoto até deixá-lo careca, sinceramente. Mas não estava sendo possível, não era possível. Suga era alguém difícil, muito mesmo, e o loiro gostava disso.

 

E por gostar tanto que sempre cedia o lugar de sua raiva para a tristeza. Droga, quanto tempo não gostava de Yoongi? Que o via com muitas pessoas, que secretamente tinha vontade de bater em sua cara toda vez que ele cantava seu rap e passava a língua na boca. Era cansativo, e mesmo assim não deixou de ser apaixonado por ele. Mas agora que o mesmo sabia precisava finalmente superar aquilo, superar essa paixão de três anos que lhe enlouquecia às vezes.

 

— Vai continuar me tratando assim? — o mais velho perguntou irritado, prestando atenção em cada mínimo detalhe do mais alto.

 

— Assim como? — ainda tentou manter a postura de indiferença, mesmo que essa já tivesse dado adeus fazia tempo. Nunca fora fácil ficar relaxado completamente quando estavam só os dois e piorava quando isso ocorria com Kim bravo.

 

— Taehyung. — Yoongi ditou sério, podendo ver a tempo a irritação do outro fraquejar e o mesmo revirar os olhos, virando o rosto para o outro lado. O verdinho suspirou, quase pedindo a deus algo como “qual foi, me ajuda a não ser morto aqui”. O mesmo se aproximou de leve, ficando perto o bastante para que seu braço quase encostasse ao do mais novo.

 

— Eu não tive culpa, ok? Foi Hoseok quem me beijou. — Yoongi sequer entendia o porquê de estar explicando aquelas coisas, fora tão óbvio. Taehyung estava em frente aos dois, ele havia visto que a culpa não era sua e ainda assim causava uma grande tempestade no copo de água. O loiro suspirou baixo e negou com a cabeça.

 

— Eu não quero falar sobre isso. — tentou virar-se para voltar a caminhar, mas tivera seu ombro segurado pelas mãos finas de Suga. Não evitou outro suspiro, desistindo de voltar ao que deveriam estar fazendo.

 

Tudo o que menos queria era conversar sobre aquilo, primeiramente porque mesmo estando irado, não tinha o direito disso. Não tinha como cobrar algo a Yoongi, eles não tinham nada um com o outro, contudo seu ciúme não lhe deixava pensar assim. Mas não havia apenas esse problema, era a extrema confusão de que sua mente lhe mandava desistir de Suga, arranjar um novo “boy magia” e ser feliz para todo o sempre. E até estava indo bem, superando a rejeição aos poucos.

 

Mas esse não era o principal fato, e sim de que agora estava com medo.

 

Medo porque não fora apenas de Yoongi que sentira ciúmes. E isso lhe deu um choque de realidade tão grande que chegara a ficar desnorteado. Pensamentos como o do que sentia e fazia era completamente injusto, porque era muito apaixonado por Min Yoongi e não era pouco. Porém havia odiado ver Hoseok beijando outra pessoa. E foi aí que complicou. Porque não era apenas por ter sido o Suga, mas também por ter sido Hoseok. Então quando tudo isso explodiu em sua cabeça momentos atrás, entrou em pânico.

 

Quer dizer, então estava praticamente iludindo e prendendo um porque outro estava lhe rejeitando. Tem ideia do quão péssimo isso era? Do quão mal Taehyung ficou ao finalmente notar isso. Jung não estava lhe tratando apenas como um amigo fazia algum tempo e nunca havia notado isso, e tudo culpa de sua paixão cega por Suga. E pelo mesmo motivo também não havia notado que estava retribuindo aos poucos o que Hobi lhe dava com felicidade.

 

Taehyung estava verdadeiramente começando a ficar confuso, porque desde sempre fora Yoongi e apenas ele. Mas agora parecia que sentia algumas pontadas desagradáveis quando sabia sobre coisas de Jung com outras pessoas, nada comparado ao que sentia por Suga, mas o bastante para agora deixar sua cabeça toda embaralhada. E isso o irritou, porque havia uma grande pergunta rondando sua cabeça e essa era: “eu senti ciúmes de quem?”

 

— Taehyung, a gente tem que conversar. Não dá pra você continuar me tratando mal por algo que eu realmente não fiz. Eu até entenderia se fosse, sei lá, por eu ter cortado seu cabelo e deixado um buraco negro na sua cabeça, mas nem isso eu fiz. — ditou paciente. Sabia que Kim estava calado por estar pensando demais nas coisas que estava acontecendo consigo mesmo. E esse riu quando escutou a tentativa de descontraí-lo de Suga, para no fim suspirar realmente alto e pender sua cabeça para frente.

 

Estava mentalmente acabado.

 

Sua testa bateu contra o ombro de Suga, ao que sua boca soltou um enorme suspiro. Yoongi lhe cansava, o que sentia por ele lhe cansava, Jung confusão Hoseok lhe cansava, se iludir por conta de nunca receber uma rejeição de seus toques também lhe cansava mais ainda. Droga, Min dizia que o via apenas como um amigo, mas segurava sua cintura tão possessivamente que era impossível para o loiro não se sentir feliz com isso e acreditar que daqui dois anos estariam vivendo em paris, cuidando de um gato e tomando champanhe em uma banheira.

 

E para Yoongi não era lá tão diferente a confusão que sentia. Como não ficaria também? Era completamente impossível ser imparcial quando se tratava de Taehyung, isso desde pequenos, e agora vendo-o daquele jeito por sua causa piorava muito. Inclusive era como aquela bolha chata no pé de quando você usa um sapato apertado demais. O loiro estava sendo isso para si, martelando em sua mente.

 

E por que isso? Bom, vejamos, sempre tivera as suas “primeiras vezes” com Kim. Primeiro amigo, primeiro porre, primeira briga ridícula, e o primeiro beijo em um homem. Ficava difícil não se tornar confuso sobre isso. Sempre tivera muita preocupação com o mesmo, afinal, quem não teria quando Taehyung era capaz de queimar um ônibus escolar e se prender dentro do automóvel sem querer? Mas sentia que não era apenas isso.

 

As coisas se tornaram realmente complicadas, primeiro porque sempre quando estava com o loiro lembrava-se do beijo, porém não algo que o deixasse eufórico. Apenas pensativo. Lhe fazia ver muitas coisas, como quando o loiro se aproximou de Hoseok quando estavam afastados e o estranho medo de perder o posto de “pessoa importante” para Kim.

 

Admitia que havia ficado com ciúmes, sempre estivera – mesmo que somente na amizade – firme e forte com o Taehyung, então quando viu isso se abalar acabou se tornando um choque, lhe fazendo tomar atitudes por muitas vezes infantis. Quando sinceramente nem Hoseok merecia isso. Eram os três grandes amigos, então por que tinham de ficar com todo aquele rancor?

 

No fim, havia apenas duas pessoas abraçadas naquele corredor, confusas e arrependidas. Taehyung não queria ser tão apaixonado por Yoongi e esse não queria perder a amizade do mesmo. Era estranho e confuso esse misto de sensações. Era ruim e ao mesmo tempo bom.

 

— Nunca mais beije o Hoseok, ou eu vou pegar meu urso em tamanho real do Chopper e enfiar ele no seu cu. — o loiro ditou baixo, se dando ao direito de erguer os braços e os envolver no pescoço de Yoongi. Esse acabou por rir alto, surpreso com a fala inesperada do mais novo. Como sempre, Kim e suas manias inapropriadas.

 

— Eu já disse que não beijei ninguém. — retrucou divertido e fechou os olhos, inspirando o cheiro alheio. Sua mente lhe trouxera a imagem de quando Taehyung dormira ao lhe beijar, o toque suave e macio. Suga mal chegava a considerar um beijo, mas estava tendo tanto peso para si que chegava às vezes a pensar que estava exagerando. E talvez estivesse, porém não importava muito.

 

Yoongi só não queria que Taehyung estivesse triste e nem tentasse lhe matar sufocado com um travesseiro.

 

E por esse motivo que abraçou suavemente o loiro, colando os corpos para poder conseguir apoiá-lo por completo em si, ficando ali o tempo que Kim precisasse.

 

— Se for chorar evita sujar minha blusa nova, grato. — Taehyung riu com a fala de Suga, ao que se afastou e deu um tapa no ombro do mesmo, ainda sentindo as mãos alheias em volta de sua cintura.

 

— Você é muito babaca, cara. — Suga deu de ombros.

 

— Eu sou incrível. — riu baixo, sendo acompanhado. Ficara sem jeito ao notar como estavam, mas ainda assim não o soltou. Na verdade, o loiro não deixou já que sabia que era raro aqueles momentos com o verdinho e como um bom apaixonado aproveitaria o máximo. — Você não está com frio?

 

O mais alto notou que a pele do loiro estava um tanto gelada, devido ao mesmo estar com o tronco desnudo por conta da blusa ter ficado presa no portão. Taehyung arregalou os olhos, parecendo finalmente notar que estava frio e xingou mentalmente Suga por lhe fazer relembrar isso. Ia respondê-lo, mas não conseguiu fazer a tempo já que uma voz soou atrás de si.

 

— Não acredito, deus é realmente bom! — Jung ditou completamente alegre, pondo a mão no peito com um enorme sorriso. — Eu finalmente achei voc— sorriso esse que desapareceu no exato momento em que seus olhos conseguiram captar o pouco da imagem de Taehyung e Yoongi extremamente próximos, em um abraço pra lá de caloroso e íntimo.

 

— Hobi! — o coração de Kim deu um salto no peito, principalmente por ter ficado assustado ao ver Hope ali. Era como se tivesse sido pego no flagra, quando na verdade não havia acontecido simplesmente nada ou tivesse que dar uma explicação.

 

— Você demorou pra achar a gente. — Yoongi ditou um tanto indiferente. Ainda estava irritado com Hoseok pelo beijo, por esse motivo não notou que o mesmo olhava fixamente suas mãos apertando a cintura do loiro.

 

— Eu só… Não consegui… — ah, agora sim Jung estava verdadeiramente sentido com Taehyung. Nem mesmo quando fora deixado de lado algumas vezes por conta de Suga ou quando o loiro ficara furioso consigo hoje tivera tanto afeito ruim quanto simplesmente ver o loiro e Min tão próximos daquele jeito.

 

Como se fossem namorados.

 

Não que Taehyung devesse alguma satisfação a si, não mesmo. Não tinham nada, nunca tiveram e nunca teriam. Aliás, isso nunca importou para si mesmo, então não seria agora vendo-os daquele jeito que o abalaria de maneira tão bisonha, certo? Errado. Um enorme e pesado erro, porque pela primeira vez realmente tivera raiva de Kim e esse sequer tinha culpa de algo. Não era culpa dele o interesse que tinha, não era culpa dele se não conseguia se prender a outras pessoas.

 

Não era culpa de Taehyung ser apaixonado por Yoongi.

 

E pela primeira vez notou que isso doía, mesmo que não profundamente por – com sorte – ainda estar começando a sentir essas estranhas coisas.

 

— Eu não sabia mesmo que vocês estavam ocupados, desculpa. — riu um tanto nervoso e ergueu os olhos. — É que eu estava morrendo de medo, vocês sabem, eu odeio fantasmas, então não pensei que os atrapalharia.

 

Yoongi franziu o cenho ao escutar aquilo. Os atrapalharia no quê? Não era como se ele e Kim estivessem fazendo algo demais, apenas se abraçaram.

 

— O quê? Do que está falando, Hobi? Você não atrapalhou nada. — o loiro pôs a destra sobre o peito de Suga e o empurrou minimamente, apenas para finalmente poder olhar completamente para Hoseok. Por algum motivo estava começando a ficar desesperado e não tinha a mínima ideia do que fazer e nem o porquê disso. Alguma coisa apenas apitava em sua mente que daria alguma merda e tinha certeza que estaria bem no meio dela.

 

— Desculpe, eu só… — Hoseok desviou o olhar, sentindo um enorme peso em seus ombros e um aperto no peito. Afinal, finalmente havia notado que sempre serviu apenas como consolo a todos.

 

— Hobi… — o loiro disse apreensivo e Yoongi o fitou, sentindo-se extremamente desconfortável com aquela cena. Kim não gostava de si? Ou ele estava começando a sentir algo por J-Hope também?

 

— Eu vou voltar, encontro vocês lá no portão. — e sem dizer mais nada, com uma extrema rapidez, Jung dera as costas para aqueles dois. Não queria atrapalhá-los, Kim sempre quisera isso e, mesmo sendo ruim para si, ficava feliz pelo loiro ter o que queria.

 

— Hob— a voz de Taehyung engasgou assim que sentiu Yoongi lhe soltar de leve e o empurrar minimamente, como se estivesse permitindo que o loiro fizesse o que quisesse. E mesmo completamente sem vontade, queria que os dois resolvessem seja lá o que estava acontecendo.

 

E sem pensar duas vezes, pela primeira vez visando alguém que não fosse Suga, Taehyung fora atrás de Hoseok.


 

[...]


 

— Poxa, onde será que eles estão? Faz meia hora que estamos caminhando, não é possível que esse lugar seja tão grande. — Jimin ditou completamente absorto no escuro e em segurar a mão de Jeon, enquanto esse parecia simplesmente ter se desligado do mundo e preso em pensamentos confusos envolvendo bundas e um pão. E logo depois fora parar na bunda de Jimin, porque toda vez que pensava na palavra “bunda” o ruivo brotava em sua mente.

 

— Me deu vontade de comer pão. — ditara baixo, mal olhando verdadeiramente para as coisas ao seu redor. Não que fizesse algum sentido o desejo de comer pão e o porquê de pão lembrar bundas ou bundas um pão, mas o fato era de que estava com fome e Park não entendeu bulhufas quando parou de andar e fitou o moreno com uma careta no rosto. — Desculpe, eu não estava prestando atenção. — o mais alto abaixou a cabeça um tanto sem graça. Jimin acabou por rir e revirou os olhos.

 

— Quando você presta? — ditou voltando a andar.

 

— Quando você dança. — o ruivo fitou Jeon curiosamente. — Você fica realmente brilhante.

 

— Está dizendo que eu sou realmente um gênio da dança? — Park sorriu e empinou o nariz.

 

— Não, você realmente brilha. É por causa do suor e da claridade. — e todo aquele sorriso desapareceu. Sinceramente Park não conseguia entender se Jungkook estava tentando lhe elogiar ou simplesmente dizer que suava igual um porco quando dançava. Só esperava não feder como um.

 

Já Jeon voltou aos seus pensamentos. Alguma coisa naqueles corredores lhe deixava melancólico, talvez por estudar ali a vida inteira e notar que havia conhecido Jimin apenas nesse ano. Não que fosse algo ruim, longe disso. Mas era que finalmente notou que não sabia absolutamente nada sobre o passado do ruivo. De o porquê ele ter se mudado, quando começou a paixão do mesmo pela dança, o que ele queria no futuro, e nem as coisas importantes que se passaram no passado do mesmo.

 

E pensar nisso lhe remetia a pensamentos desagradáveis e confusos, pois lhe recordava uma pessoa e consequentemente uma coisa de momentos atrás. Hoseok. O que tinha de errado com ele? Nada. Era só que o moreno conhecia absolutamente tudo sobre Jimin, desde suas manias até coisas que ele gostava e desgostava. E Jeon não sabia de nada. Então era impossível não começar a se comparar, mesmo que isso apenas o deixasse mais confuso.

 

E o fizesse se lembrar do que Hope havia dito na brincadeira. Tanto ele quando Jimin já haviam se beijado. Por que isso? Por que nunca soubera que o ruivo já havia beijado seu amigo? Ele tinha vergonha de si? Ou quem sabe não confiasse o bastante. Mas por que ele beijaria seu melhor amigo? Havia sido em uma gincana ou então, quem sabe, os dois já tivessem namorado alguma vez.

 

E céus, só de pensar nisso uma queimação horrível se dava em seu estômago, prendia até mesmo seu ar. Sem nem perceber arrastava a língua no lado de dentro de sua bochecha, ao que pendia mais a cabeça para baixo. Era como se uma bigorna estivesse pulando em sua cabeça e a cada batida vinha um pensamento pior que o outro.

 

E se Hoseok tivesse terminado com Jimin e agora o ruivo estivesse só tentando mostrar que não sentia nada pelo mesmo lhe beijando, mas na verdade ama o Hobi? Não, pior. E se na verdade Jung tivesse fugido de Park se mudando para onde estavam e o mesmo viera atrás dele? Tantas teorias, cada uma se tornando tão absurda que deixavam o menino tonto.

 

E quase quebrava a mão do mais velho ao apertar por conta da raiva.

 

— Aí, você está machucando minha mão. — Jimin ditou baixo, puxando sua mão para que o outro a largasse. Soprou de leve, notando que Jungkook estava quieto olhando para o chão. — Jungkook?

 

Ah, ele sequer escutava Park. Ficava apenas em sua cabeça, pensando coisas como: “Jimin deve ser tão experiente, ele e Hobi hyung devem ter feito tantas coisas e é por isso que não chego à expectativa” ou “é por isso que Jimin nunca diz nada, porque gosta do Hoseok, não é?” e o nó na garganta ia se formando.

 

— Jungkook? Você está bem? — o ruivo se aproximou e parou em frente ao outro, agora podendo notar que o mesmo quase quebrava os dedos de tanto entortá-los.

 

Na mente de Jungkook tudo parecia fazer sentido. Por isso eram tão próximos e sempre se tocavam, porque eles estavam juntos, mas tinham medo que alguém descobrisse.

 

— Jungkoo—

 

— Por que você nunca me disse que havia se mudado pra cá porque você ama o Hoseok e veio perseguir ele porque vocês namoram desde pequenos e não quer que isso acabe?! — o garoto despejou tudo de uma vez, deixando Jimin completamente tonto ao escutar todas aquelas palavras. O mais baixo precisou de tempo para digerir aquilo tudo, mais algum tempo para finalmente entender o que o outro havia dito e então, no fim, olhar completamente incrédulo para Jungkook.

 

E pior, ver que o mesmo falava sério e parecia até irritado.

 

— Do que você está falando?

 

— Vocês se conhecem desde criança e gostam de ficar juntos. Vocês vivem se abraçando e se beijando, e o Hobi disse que ele já havia te beijado na boca, isso quer dizer que vocês namoraram, mas o Hobi se mudou por causa das aulas de dança e você veio junto porque ama ele. — o moreno respirou fundo ao término de tudo e encarou Jimin, deixando um extremo silêncio cair sobre os dois.

 

— O quê?! — e o ruivo gargalhou intensamente, não acreditando no que aquela criança estranha havia dito. Meu deus, de onde surgia tanta criatividade na mente de Jeon? Ele por acaso havia se dado conta da novela mexicana que tinha acabado de criar na mente? Agora entendia porque Jungkook era alguém tão embolado. — Jungkook…

 

O moreno mordeu o lábio inferior, dando um passo para trás e apertando mais os dedos. Jimin estava rindo de si por finalmente descobrir a verdade e provavelmente estaria nervoso, porque era por esse motivo que não gostava de Jeon e agora havia sido pego na mentira. Tudo bem, sempre soube que nunca fora retribuído e que nunca seria, mas… Por que Jimin tinha que mentir?

 

— Ei, ei. Você não está realmente acreditando nessa baboseira, não é? — tentara se aproximar, mas Jeon dera mais um passo para trás, afastando-se de si. — É sério, não é nada disso o que você está pensando.

 

— Eu entendo que você goste dele e… — a voz ia sumindo aos poucos. — Só não precisava mentir…

 

Jimin realmente não fazia ideia do que estava acontecendo. Momentos antes Jungkook estava alegre e contente, lhe dando beijos carinhosos e elogios, então no minuto seguinte inventava uma história completamente detalhada de um passado de algum filme de romance dramático. Chegava a ser hilário porque o moreno acreditava plenamente nisso.

 

— Jungkook, olha pra mim. — aproximou-se e segurou o ombro do menino. — Eu realmente amo o Hobi, sim, muito. — essas palavras apertaram o coração de Jeon, que tentou a todo custo virar de costas para o ruivo. — Mas não é dessa forma. Ele é meu melhor amigo, praticamente um irmão. Não é isso que você está pensando, eu não usaria ninguém. Nós nunca tivemos nada e nem teremos.

 

— Então por que vocês se beijaram? — Jimin suspirou alto e soltou o mais novo, pensando em como explicaria isso sem que Jungkook entendesse tudo e transformasse em mais um enredo para novelas mexicanas.

 

— A gente se conhece desde muito novos e Hoseok começou a namorar apenas com dezesseis anos. Na época ele nunca havia beijado e eu já tinha namorado uma menina, mas terminei porque estava começando a ficar confuso com desejar garotos também. No fim Hobi simplesmente pediu para que eu tirasse o “bv” dele e eu quis saber se verdadeiramente gostava de homens também. Por isso nos beijamos e também por esse motivo falei que ele parecia um cachorro, porque Hope não sabia beijar na época. — suspirou outra vez, ficando calado ao observar o mais novo.

 

— E você gostou? — ah, Jungkook era tão gracioso inseguro que chegava a ser maldoso ver isso como algo bonito. Mas era impossível quando ele simplesmente olhava para baixo e fazia uma cara meio bizarra de indiferença. Porém para quem o conhecia, conseguia notar as mínimas coisas que ocorriam com o mesmo.

 

— Sim. — Jimin era sincero, não tinha porque mentir, mesmo que isso gerasse mais desconforto ainda em Jeon. — Eu descobri que gosto de homens e tive um motivo para zoar Hoseok o resto da minha vida, apenas isso.

 

— Você não se mudou pra poder viver um romance com ele? — Jimin riu e negou com a cabeça.

 

— Não. — o ruivo sorriu, finalmente notando a postura alheia relaxar. No fim decidiu fazer uma pequena carícia no cabelo do mesmo, como um pequeno filhote de cachorro.

 

Sinceramente era a primeira vez que dava tanta satisfação a alguém. Não que costumasse fazer coisas erradas para que tivesse de se confessar, mas não era do seu feitio dizer as coisas. Por mínimo que seja. Sempre aguentou calado e tentara mudar sozinho. Se não se sentia à vontade com algo, simplesmente deixava de lado ou então saía do local sem dizer nada. Era apenas uma coisa sua, entretanto com Jungkook as coisas eram completamente diferentes. Jimin sentia a necessidade de ter que dizer cada mínima coisa para o mesmo, quando simplesmente não era bom se expressando dessa maneira.

 

E também essa sua vontade de querer que Jeon soubesse das coisas. Algo novo para si. Por sempre se guardar não era do tipo que gostava com que se enfiassem no meio se seus assuntos íntimos, raros esses que podiam, apenas quando o próprio Park procurava. Então saber que fazia aquilo de bom grado e ainda tinha vontade disso era mais do que chocante para si. Por ele desenharia até em quadro negro para que Jungkook entendesse as coisas.

 

Quem sabe essas personalidades opostas, onde Jimin era aberto e falava demais, mas nunca deixava verdadeiramente saberem muito sobre si. E Jungkook fosse tão estranhamente calado e confuso, tão difícil de decifrar que chegava a ser necessário que alguém o conhecesse mais profundamente. Por isso havia tanta confusão de pensamentos, atrito entre sentimentos, e palavras que um queria escutar, mas o outro não conseguia dizer ou mostrar com clareza.


 

[...]


 

— Hoseok, espera! — Taehyung ditou alto, sua voz ecoando pelos corredores. Sinceramente não sabia como aquele guarda não havia os encontrado ainda, principalmente pelos berros que o loiro soltava.

 

— Eu quero ficar sozinho, Taehyung. — o citado mordeu o lábio com força, apressando mais os passos para ficar junto do mais velho.

 

— Por favor, eu quero falar com você. — pediu agoniado, quase conseguindo agarrar o braço alheio caso o mesmo não tivesse se desviado quando Hope virou no corredor.

 

— A gente não tem nada pra conversar, Tae. — ditou em uma mistura de mágoa e raiva. Não queria que o loiro fosse atrás de si, não queria pensar que fazia alguma diferença para ele ou não. Apenas queria que ele continuasse com Yoongi e lhe deixasse em paz.

 

— Perdeu o medo dos fantasmas agora? — o loiro perguntou irritado, já perdendo a paciência com todo aquele drama de Hoseok. Nem sabia por que estava indo atrás do mesmo, fizera apenas de impulso, como se fosse algo que precisasse fazer.

 

— Perdi, inclusive você podia se perder por aí também. — Hobi não queria ter dito aquilo, doera em seu coração à expressão chateada que Taehyung fizera ao escutar aquilo. Mas havia ficado tão irritado com o mesmo quando esse viera atrás de si que mal conseguia medir suas palavras. Era assim, quase nunca perdia a paciência e ficava bravo, porém quando ocorria sempre acabava mal por não ter controle algum.

 

— Jung Hoseok! — Kim gritou extremamente alto, a ponto de ecoar tanto que até Namjoon e Jin quanto Jungkook e Jimin – que estava mais perto dos dois – puderam escutar a voz do mesmo. O moreno voltou-se assustado para trás, bem a tempo de conseguir ver a mão de Taehyung vir com força em sua orelha e a torcer. — Como você ousa me tratar assim, seu maldito dançarino de tutu? — perguntou completamente irritado, quase causando uma vertigem em Hoseok pela forma que torcia a orelha do mesmo. — Peça desculpas.

 

— Não.

 

— Peça! — o moreno gemeu de dor. Aquela cena parecia tão incrivelmente infantil que chegava a ser surreal a quem visse. Sinceramente, nem a mãe de Hobi lhe tratava assim. O loiro suspirou e soltou o outro, cruzando os braços. — Acalmou?

 

— Você quase arrancou minha orelha. — Jung acariciou a mesma.

 

— Não aconteceu nada entre mim e a o Yoongi, ok? — por que estava se explicando? Também não sabia. Só precisava fazer, precisava saber que Hoseok não estava bravo consigo.

 

— Eu não tenho nada a ver com isso. Vocês fazem o que quiserem, eu não ligo. — Jung ditou baixo, evitando olhar para o mais novo. Esse suspirou e soltou os braços, aproximando-se do outro.

 

— Hobi…

 

— Eu estou falando sério, Taehyung. Já disse que não dou à mínima, fique com ele se quiser, não é algo que eu deva me intrometer e nem você deve me colocar no meio. Agora se me der licença irei voltar. — Taehyung deixou a boca cair ao escutar aquilo. Era isso, Hobi não estava se importando consigo em momento algum?

 

Não, não era isso. Passava bem longe disso. Era pelo moreno estar se importando tanto que estava daquele jeito, amuado e irritado, xingando-se mentalmente sem nem saber por qual motivo, apenas sentia raiva de si próprio. Não era nem com Kim e sim consigo mesmo.

 

— Então você está dizendo que não liga pra mim? — o coração do loiro falhou uma batida ao esperar a resposta. Hoseok tencionou com a pergunta, mas não fizera questão de parar de andar.

 

— Não. — Taehyung arregalou os olhos, parando de seguir o outro. O peito dos dois se apertou com aquilo, mesmo que no fim Hoseok só queria que Kim ficasse logo com Yoongi.

 

Afinal, só os dois não notavam que havia algo a mais que amizade ali.

 

— Mentira! — mais um grito, dessa vez desestabilizando mais ainda Hoseok e o fazendo virar-se para o loiro.

 

— Quer parar de gritar?!

 

— Você se importa sim comigo! — Hope riu ao escutar aquilo. Tão metido...

 

— Incrível o quanto você está se achando.

 

— Para com isso, Hobi. Você se importa comigo, para de falar que não. Por favor… — Taehyung já não tinha mais certeza no que dizia, Jung não fraquejava em momento algum e isso o partia ao meio. E piorou quando o outro lhe deu as costas. — Hob-! — o loiro tentara recomeçar sua fala, todavia acabou por espirrar. A noite estava fria e sempre tivera a sorte de pegar gripe muito facilmente.

 

Hoseok parou e olhou para o loiro, vendo-o coçar o nariz e acariciar os braços. Ao forçar a vista notou que o mesmo estava com o dorso nu e se xingou ao lembrar que a blusa do mesmo havia literalmente saído voando. Respirou fundo, pensando se deveria deixá-lo ali. Mas revirou os olhos ao notar que mesmo que mentisse, gritasse, afirmasse com toda a certeza que existia, era impossível não se importar com Kim Taehyung.

 

Caminhou rapidamente até o mesmo, tirando o casaco que vestia, a única coisa que lhe esquentava, e parou em frente ao loiro. Esse lhe fitou surpreso e antes que dissesse algo, Hoseok com um enorme bico emburrado na boca enfiou a cabeça do mais novo pela gola do casaco, o deixando ainda mais surpreso.

 

— Hobi? — o loiro ditou baixo, observando Hoseok corar de leve pela raiva e por ter cedido tão facilmente, começando a enfiar os braços de Taehyung dentro das mangas.

 

— Cala a boca, você vai ficar resfriado desse jeito e com uma mosca morta na língua por falar tanto. — Kim sorriu de leve, erguendo os braços para que o casaco entrasse totalmente em si. Todavia notou que agora era o moreno quem estava despido.

 

— Mas e você? Está frio. — Hoseok não respondeu nada, apenas ajeitou o casaco e decidiu dar novamente as costas. Entretanto assim que se virou teve o pulso segurado com força e o loiro enfiando o rosto em seu pescoço, grudando-se em seu corpo com um abraço como um coala em uma árvore.

 

— O que você está fazendo? — o moreno perguntou baixo, sentindo suas forças se esvaírem com aquele abraço repentino. A voz saiu abafada por conta do casaco e do ombro alheio que tampava sua boca, mas o loiro conseguiu ouvir.

 

— Esquentando você… — ficaram em silêncio por alguns instantes, até o moreno suspirar em desistência e esconder a face no casaco, segurando a cintura de Taehyung suavemente ao retribuir o abraço.

 

Estava tão gostoso e caloroso, parecia perfeito para si, como um ninho de passarinho quentinho. O loiro cabia perfeitamente contra seu corpo e em seus braços, chegava a ser tão gostoso que não conseguia nem mesmo abrir os olhos. Era relaxante, lhe deixava mole. Dava vontade de dizer coisas que não devia.

 

— Taehyung, acho que eu estou gost— não pudera completar a frase, pois quando abriu os olhos deu de cara com Suga os fitando de forma intensa. Podia ver os olhos do mesmo brilhando em chateação. — Yoongi. — ditou sério, já deixando suas mãos caírem do corpo alheio. Nem adiantava, Suga estava ali.

 

E tivera a certeza quando Taehyung voltou-se para trás, completamente surpreso. E agora a cena se repetia, totalmente ao contrário, mas dessa vez tanto Yoongi quanto Hoseok estavam desistindo e deixando Kim livre para fazer o que quisesse.

 

E esse? Ah, sentia-se no meio de um furacão que o engolia cada vez mais e se fazia impossível de sair.

 

— Não é isso o que você está pensando, Suga. A gente só estava se abraçando. — doeu para Hoseok ouvir aquilo, doeu para Taehyung falar aquilo, doeu para Yoongi saber que não era uma verdade. Havia muito mais acontecendo ali, havia sentimentos novos, havia emoções confusas e havia mentes desesperadas em agonia e decepção.

 

— Ei, achamos vocês! Finalmente. — Namjoon ditou sorridente, de mãos dadas com Jin. Todavia o sorriso morreu assim que encontrou o clima tenso que estava envolvendo aqueles três. — O que houve? — Jin notou o que estava acontece e olhou para o namorado, fazendo um sinal para que esse se mantivesse calado.

 

Nenhum dos três queria o casal ali, mas naquele momento não tinha muita importância já que mal prestavam atenção neles.

 

Hoseok virou-se completamente, agora decididamente iria calar a boca e ir embora, sem persistir mais. Não iria fazer diferença, não vindo dele. Yoongi desviou completamente o rosto para o lado oposto a todos, evitando mais do que tudo que Taehyung notasse como estava se sentindo estranho com aquela situação.

 

— Hobi! Droga, eu… — o loiro se virou para Suga, notando que o mesmo lhe ignorava se nem mesmo se importar em ser discreto. — Suga, eu… — ah, droga. Por que devia satisfações a ele também? E daí que era apaixonado três anos pelo mesmo, nunca fora propriedade de ninguém. Por que ficava se forçando a isso também? Ele nunca havia lhe retribuído e ainda assim…

 

Yoongi não disse nada sobre aquilo, apenas sentiu a mão de Namjoon em seu ombro e passos rápidos nos corredores.


 

[...]


 

— Para de correr! — Taehyung gritou.

 

— Para de me seguir, merda. — o moreno retrucou ainda mais irritado. Chega, não cairia nessa de novo. Podia ser realmente trouxa, mas pelo menos ocorria apenas uma vez.

 

— Por que você está tão puto? O que você ia me dizer? Hobi! — chamou-o outra vez.

 

— Não te interessa! — Hoseok ditou alto, fazendo com que o loiro parasse de andar. Ao longe Jimin e Jungkook puderam ver os dois conversando, mas escutavam só quando gritavam. — Volta pro Yoongi, Taehyung. E me deixa em paz!

 

— Não, eu quero saber o que você ia me dizer.

 

— Deixa de ser egoísta, só some da minha frente. Eu não quero falar com você.

 

— Mas eu quero.

 

— Mas eu não.

 

— Por que você está metendo o Yoongi no meio disso? — Hoseok fitou o loiro incrédulo. Só podia ser mentira que o mesmo havia feito aquela pergunta. O moreno respirou fundo e juntou todo o seu autocontrole para não xingar o Kim.

 

Porque você ama ele, Taehyung. Você é completamente louco pelo Yoongi. Apenas isso, e eu não quero ficar no meio desse lenga-lenga chato.. Eu quero ficar longe de você, então, por favor, me deixa em paz. — ditou sério e ofegante, fitando diretamente os olhos de Taehyung. Esse abriu a boca tentando responder, mas travou. O moreno suspirou. — Eu não quero servir de consolo se ele não te retribui como você quer. Eu não sou um curativo, Taehyung! Não sou a droga de um band-aid!

 

— Não! Hobi, nunca foi isso! — e o desespero voltou, fazendo com que o loiro corresse até Hoseok.

 

— Ah, me poupe. — o moreno virou de costas para o outro, mas esse agarrou mais uma vez seu braço.

 

— Hobi, acredita em mim. Você nunca foi isso, eu juro. Você é importante pra mim. — o moreno negou com a cabeça.

 

— Não mente pra mim, Tae. Você enlouqueceu quando eu beijei ele, pelo amor de deus. Até me tratou mal. — riu sem ânimo. — Sinceramente esse drama está ficando chato e eu quero ir pra casa.

 

— Hoseok! Não foi por isso, não foi só por ele!

 

— Eu já te falei antes que não ligo e não vai ser agora que vou ligar. — Taehyung apertou o braço de Hope. — Me solta.

 

— Para de pensar como um idiota, seu escroto! — Hobi fitou incrédulo o loiro.

 

— Eu sou o escroto?

 

— Não é por isso que eu fiquei puto, não foi só pelo Yoongi, não foi só por você. Porra, eu já disse que você não é um curativo. Pelo amor de um caralho enorme, me escuta de verdade nessa merda e acredita em mim! — ditou irritado. Agora sim, toda aquela conversa já tão complicada estava piorando mais ainda, se tornando em uma grande briga e discussão.

 

— Estou ouvindo e, olha só, não consigo acreditar em nada do que você está falando. Triste né? — ditou irônico, puxando o próprio braço com força. — Volta pro Yoongi e me deixa em paz.

 

— Para com isso, Hoseok. Você é mais infantil que a Peppa! — o moreno riu outra vez e fitou Taehyung, sentindo um enorme ódio naquele momento. Infantil? Só queria ficar sozinho e sem ter que escutar as merdas do loiro, poder pensar melhor nas coisas e simplesmente se acalmar pra não fazer o que estava fazendo exatamente naquele momento. Não queria discutir, nem mesmo descontar a raiva em ninguém. Queria apenas por os pensamentos, que sequer tinha direito de ter, em ordem e só esquecer.

 

Mas quem era que não estava ajudando nisso?

 

— Você já não falou tudo? Então pronto.

 

— Eu quero que você acredite em mim.

 

— Você quer que eu acredite em você? Está bem. — Hoseok já estava em um nível de raiva tão grande que não pensava mais nas consequências de seus atos, nem mesmo o que faria quando desejava algo. E agora o que mais queria era ferir Taehyung, mesmo que se arrependendo amargamente depois. — Você disse que sentiu ciúmes de mim não foi? Okay, vamos ver isso.

 

O loiro sentiu que verdadeiramente havia feito algo muito errado e a culpa seria completamente sua.

 

— Hoseok, o que você vai fazer? — a voz saiu trêmula o bastante para mostrar seu desespero, ainda assim o moreno não ia parar. Não mesmo. Porque assim como sabia ser alguém extremamente alegre e esperançosa, perdia o controle quando a raiva lhe dominava.

 

E por esse motivo caminhava até Jimin agora.

 

— Hobi? O que aconteceu? Por que você e o Tae estão brigando? — Jimin perguntou confuso, podendo ver nitidamente o olhar de ódio que seu amigo tinha. — Aconteceu alguma c— sim, havia acontecido.

 

Hoseok e Taehyung brigaram e por vingança Jung acabara de puxar Jimin para um beijo.

 

Nesse exato momento Namjoon, Jin e Yoongi chegaram ao local, podendo presenciar totalmente a cena. O ar faltou no pulmão de todos, Taehyung sentiu sua garganta sufocar com nó, tamanha a raiva que sentiu ao ver Hoseok envolver os dedos nos fios ruivos e aprofundar ainda mais o beijo. Eram barulhos de estalos rápidos, que mal deixavam Park reagir direito, sem ter tempo de empurrar o amigo.

 

E tão repentino quanto viera, havia terminado. Jimin fitou o amigo com os olhos arregalados, completamente assustado com o que havia acontecido. Sua boca chegava a arder tamanha a força que fora usava. Acabou por limpar a mesma, tendo tanta raiva que quase levantara a mão para dar um soco no rosto de Hoseok, mas desistira ao vê-lo se virar para Taehyung.

 

— Pronto, agora acredito. Satisfeito? — e como bem queria, deu as costas, deixando a todos completamente atordoados e chocados.

 

Tirando duas pessoas: Taehyung e Jungkook.

 

O loiro sentia tanta raiva que era capaz de incinerar toda aquela escola com os seus olhos, matar um gado inteiro com as suas unhas, e comer as tripas e o cérebro inteiramente podre de Hoseok. Queria matá-lo, enforcá-lo e ao mesmo tempo chorar. Chorar porque Yoongi não lhe retribuía, chorar pelo o que havia acontecido e chorar por Jungkook.

 

E numa câmera lenta Jimin virou para Jeon, ao que sentia seu coração explodir em seu peito. Não havia ar e nem pensamento, apenas o pânico de imaginar o que aconteceria. Havia acabado de dizer que não tinha nada com Hoseok, o maknae tinha tido há pouco tempo uma pequena crise de insegurança e agora, como se tudo fosse uma mentira, Jung vinha e lhe beijava, estragando com tudo.

 

Jungkook não tinha nem mesmo mais como respirar, seu cérebro havia entrado em pane, seu corpo travou tão brutamente que chegara a ser uma tortura conseguir piscar. Uma dor jamais sentida, algo que vinha desde a alma até o seu físico, algo que torceu o seu estômago até torná-lo quase em pó. Esse algo, esse sentimento intenso e horrível doía demais, doía como nunca nada doeu em sua vida. Doeu como uma tortura sem fim e não parava.

 

E era a primeira vez que experimentava aquilo.

 

Assim como era a primeira vez que se apaixonava tão intensamente por alguém, também era a primeira vez que tinha seu coração quebrado tão rudemente daquela forma.

 

Finalmente pôde entender o que tanto diziam sobre as duas faces da paixão.

 

E para Jimin, pior do que ver Jungkook triste e chorando, irritado e até mesmo confuso, era olhar para o seu rosto e não conseguir identificar absolutamente nada. Mirar sua face e não conseguir decifrar nenhuma mísera emoção.

 

Nem mágoa, nem raiva, sequer decepção. Nada.

 

Nunca em todo aquele tempo o vira tão inexpressivo como agora e isso com certeza era a coisa mais assustadora do mundo. Porque ali, daquela forma e naquela situação, simplesmente não conseguia mais prever o que aconteceria de agora em diante.

 


Notas Finais


Grupo: https://chat.whatsapp.com/DfA8piOnUMPBKaHyipyBix
FANFIC NOVA:
>Ventos Uivantes (Jikook ABO):
https://spiritfanfics.com/historia/ventos-uivantes-7858993
>Abacate tem gosto de maldade (yoonseok):
https://spiritfanfics.com/historia/abacate-tem-gosto-de-maldade-7845667

Outras fics:
Between you and the ecstasy (jikook LEMON):
https://spiritfanfics.com/historia/between-you-and-the-ecstasy-6812379
It's Too Evil (yoonseok):
https://spiritfanfics.com/historia/its-too-evil-6670635
Hanahaki:
https://spiritfanfics.com/historia/a-doenca-de-hanahaki-5431616

POIS É, AGORA FEDEU MESMO! OQ SERÁ Q VAI ROLAR COM O JIKOOK E TAEYOONSEOK? OPA! Obrigado a todos que leem, adoro vcs <3 Não se esqueçam de me dizer oq acharam, É IMPORTANTE OK?! <3
ENFIM, deem uma passada na minha nova fanfic! Ela tá mto lindinha! E É ISSO! <3
Bezzos e até o prox cap <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...