História Fumaça - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chen, Xiumin
Tags Mamacumbafics, Xiuchen, Yatoviagem, Youaretheone
Exibições 60
Palavras 1.115
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Bom, vamos à fanfic que lá embaixo nós conversamos :3
~Gi

Capítulo 1 - Partida


Penteou seus fios claros cuidadosamente, os jogando para trás. Minseok não costumava ser muito vaidoso, mas a situação exigia um pouco mais de classe.
Em algumas horas estaria em um trem, voltando pra sua cidadezinha remota no interior do norte da Inglaterra.
Sentia falta da agitada Seul, mas seus medos e demônios foram o aprisionando cada vez mais, até que teve que ir para um lugar mais calmo, relaxante.
Ali, no banheiro da estação de trem de Londres, constatou que havia sido o melhor a se fazer. Há anos não tinha um acesso de pânico, muito menos de ansiedade, e podia caminhar mais seguro de que não ia morrer a qualquer momento.
Lavou o rosto e se secou, se apressando para sair do banheiro.
Saiu dali tão distraído que mal notou o homem que se aproximava até que se trombaram, literalmente.
O outro segurou seu braço para que não se desequilibrasse.
“Ei, turista. Olha por onde anda.” Falou em coreano, e os olhos de Minseok foram rapidamente ao encontro dos seus.
Há quanto tempo não se comunicava na sua língua materna? Credo, já não dava mais para contar nos dedos.
“Me desculpe, eu te machuquei?” Fez uma curta reverência, preocupado.
“Não sou tão fraquinho assim.” Riu, e se despediu de Minseok, entrando no banheiro.
Olhou para ele brevemente, gravando o cabelo preto arrumadinho, as costas largas e os braços fortes delineados pela camiseta preta: ia guardar aquela imagem no fundo de sua mente.
Com o copo de café na mão e a mala na outra, subiu no trem, procurando não pensar nas duas horas de viagem que viriam a seguir, muito menos naquele trecho particularmente horrível dos trilhos.
Ah, era alto demais.
Sentou em sua cabine com o coração apertado, e só piorou ao ver quem lhe encarava sem nenhuma vergonha, na frente de sua janela.
Ali, na plataforma, no meio de milhares de pessoas que desviavam dele para então retomarem seu caminho, o moreno lhe observava com tamanho interesse que se estivessem em uma festa, Minseok diria que estava lhe secando.
O rapaz se encolheu em seu próprio assento, tentando respirar normalmente. Sentia-se intimidado por causa do breve contato visual, e precisou contar até dez para poder se acalmar. Se atreveu a olhar ele novamente, e o viu ser encoberto por fumaça oriunda de um trem que partia atrás de si, e quando piscou ele havia saído de lá.
Franziu a sobrancelha, e foi surpreendido por um comissário entrando em sua cabine.
“Senhor Kim? Você foi alocado com este homem aqui.” O gentil jovem foi para o lado, revelando alguém atrás dele. “Sei que ficar sozinho é uma de suas preferências, mas hoje estamos lotados…”
Lá estava o moreno que havia sumido em meio à fumaça. Se esgueirou para dentro da apertada cabine e sentou de frente para o outro, e sorriu assim que o comissário os deixou à sós.
“Parece que nos esbarramos de novo. Pra onde você está indo?”
“Para a última estação…” Soltou um suspiro quando percebeu o súbito movimento do trem. “Infelizmente.”
“Ah, pelo menos estamos indo para o mesmo lugar… a propósito, meu nome é Kim JongDae.” Estendeu a mão para o outro, que a apertou timidamente.
Droga, não era um garotinho de cinco anos, mas não sabia interagir e se comportava como um. A mera troca de palavras entre os dois já havia feito Minseok suar horrores, tentando ao máximo ficar calmo e não se parecer muito com um louco.
“Kim Minseok, é um prazer.” Coloca seu melhor sorriso para fora.
“Somos irmãos?” Deu uma risada, olhando para a paisagem que passava lentamente por eles. “Há quanto tempo você mora lá?”
O movimento do trem havia escapado totalmente à atenção de Minseok, ele nem mesmo se lembrava de estar ali, em sua mente estavam conversando em uma praça enquanto tomavam um café.
“Tem tanto Kim por aí… vim pra cá porque eu não estava me dando muito bem na Coréia.” Deu de ombros, um pouco melancólico. “Meus problemas de saúde só se agravavam cada vez mais, fui mandado pra cá para me recuperar.”
JongDae sorri, sarcástico.
“Em uma cidade de duzentos habitantes?”
“Eu tenho síndrome de pânico, e um leque de problemas para conviver com os outros.”
Minseok brincou com os fios soltos em sua calça rasgada, encarando o outro coreano.
“Me desculpe por ter perguntado. Entendi agora porque não queriam me deixar entrar na sua cabine.”
Olhou, chocado, para ele. Não gostava da ideia de ter que conversar com outra pessoa, mas estava começando a gostar só pelo fato de não perceber o tempo passando.
“E-eu não pedi para que barrassem ninguém, é que acabei comentando sobre isso um dia e..”
“Tudo bem Minseok, não estou te julgando, pode ficar bem tranquilo.” Sorriu, exibindo seus dentes perfeitos e alinhados.
Suspirou ao ver o sorriso do outro, era tão bonito que lhe tirava o fôlego. Ainda bem que só iam ficar juntos por uma hora.
Se concentrou em bebericar seu suco de caixinha, tentando não pensar demais em JongDae. O sorriso e presença calorosa do outro lhe fazia querer se abrir pra ele, mas não havia nenhum motivo ou explicação racional para isso.
“Você está com medo, então?” Perguntou, ajeitando os cabelos escuros ao olhar para seu reflexo na janela.
“Não é medo, não exatamente. Eu amo viajar, mas não consigo dizer isso para meu corpo.” Dito e feito, ao sentir um solavanco sua mão imediatamente agarrou o braço de sua poltrona. “É involuntário.”
“Ah, tem várias coisas que você pode fazer para não pensar nisso. A primeira delas é… fechar as cortinas.” Puxou o pano para baixo e o prendeu ao velcro, deixando a cabine mais escura. “Você sempre pode ouvir música ou dormir. Ou os dois ao mesmo tempo. Também pode conversar comigo, vou ser legal, prometo.”
Sorriu para si, olhando para seu celular. A única música que tinha em sua biblioteca era uma do Blur, e nem mesmo sabia o nome dela, só gostava muito de ouví-la repetidamente. Tinha hábitos estranhos.
JongDae sentou-se ao lado de Minseok, se apertando entre o mais velho e a parede, e puxou seu celular do bolso junto com um par de fones de ouvido.
Ofereceu um dos fones para o outro, e alguns minutos depois já estavam imersos em uma música totalmente envolvente, que Minseok jamais havia ouvido antes, mas apreciava de coração naquele momento.
De fato, sentia que a paisagem passando lá fora não era nada de mais além de uma espécie de imagem que veria em um vídeo, não se importou quando o trem parou diversas vezes devido ao clima chuvoso, muito menos percebeu quando começou a dormir com a cabeça encostada no ombro do recém conhecido.


Notas Finais


Ahhh, oi!!!
Já faz um tempinho que não atualizo, estava totalmente concentrada em fazer um bom plot para o projeto e até agora não estou muito satisfeita com o que saiu... Tinha outro plot, mas acabava fugindo do contexto, então vai virar um projeto de Halloween hahaha
Enfim, agradeço à Jaque por ter feito a capa, o user dela está na sinopse, dêem muito amor pra ela! Ficou muito boa, amei mesmo sz
Se puderem compartilhar a fic, comentar e dar um fav, é sempre bom, porque aí posso saber se estão gostando ou não (mendiga mesmo UAHSUAHSUAHS)
Obrigada por lerem e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...