História Fúria de uma paixão! - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Bra, Bulma, Gohan, Pan, Trunks, Vegeta
Exibições 38
Palavras 1.877
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Lhe desejo uma ótima leitura!

Capítulo 3 - A roda do destino gira!


-

Vegeta já estava cansado de esperar o filho chegar, olhou no relógio em cima da estante e viu que faltavam poucos minutos para as duas da manhã, foi nesse horário que o rapaz de madeixas roxas estacionou seu carro na garagem do prédio onde morava. O príncipe dos sayajins ao sentir o Ki do filho bem próximo dali, se levantou do sofá e ficou encarando a porta de entrada do duplex.

Trunks sentia-se eufórico por ter conseguido reverter sua situação com Mai, sabia que não estava agindo corretamente com Pan, mas o que importava era a forte paixão que tinha por sua noiva, que logo se tornaria sua esposa. Não demorou muito para o filho de Bulma abrir a porta do seu apartamento e ingressar rapidamente, mas ao acender a luz, teve uma grande surpresa, seu pai o encarava com o semblante que demonstrava fúria.

- O que está fazendo aqui? – Pediu o rapaz se aproximando de seu genitor, que cruzou os braços.

 - Eu e sua mãe já estamos sabendo o que você fez com Pan. Nunca pensei que você seria capaz de uma coisa dessas. Sua mãe está decepcionada com você! – O príncipe dos sayajins repreendeu o seu herdeiro.

- Quando Pan se envolveu comigo, ela sabia que eu era comprometido – Retrucou o rapaz notando a face do pai se contrair numa careta de ira.

- Quem devia nunca tê-la procurado era você! Como você tem coragem de colocar toda a culpa na garota? Olha sua idade e a dela, sua experiência e a dela – Vociferou impaciente o moreno estreitando os olhos.

- Não adianta você vir aqui e me dizer o que fiz de errado ou não, minha decisão já está tomada. É uma pena, mas não vou assumir a criança que Pan espera. Isso iria prejudicar meu relacionamento com Mai – Argumentou decidido o homem de cabelos lavanda.

- Você está me envergonhando Trunks, com essa sua atitude egoísta. Sua mãe pensou em deserdá-lo, mas Bra suplicou por você, agradeça a ela por ainda ter as coisas – Revelou o príncipe dos sayajins, fazendo o filho arregalar os olhos em surpresa e preocupação, pois nunca pensou que seu ato egoísta mexesse tanto com sua mãe, a ponto de querer tirá-lo do testamento.

- Se você fosse eu, me entenderia e não ficaria me julgando! – Murmurou sem jeito o presidente da corporação cápsula, ganhando um olhar de desaprovação de seu progenitor.

- Trunks, você acha que não passei por situações que mulheres me seduziam, querendo me levar para cama, quando eu estava com sua mãe? Sabe por que eu não dormi com nenhum delas? Porque eu amava Bulma, e não me deixei levar por um desejo qualquer. Se você enganou Mai com Pan foi porque você não a ama como diz que faz, você está mentindo para você próprio! – Replicou Vegeta encarando duramente o filho, que desviou o olhar.

- Então sou um fraco, por ter me deixado levar pelos encantos da neta de Goku, pois na realidade amo a Mai, não estou enganado enquanto a isso – Falou firme.

- Espero que você não se arrependa do que está fazendo com Pan, porque depois poderá ser tarde demais. – Avisou o moreno com o semblante sério.

- Tenho certeza que não irei...

- Cuidado com o destino Trunks, ele pode lhe fazer pagar pelo o que você está fazendo, as coisas podem mudar – Murmurou o sayajins antes de sair do apartamento do filho

O empresário ficou pensativo pelas últimas palavras que seu pai proferiu antes de ir embora, naquela noite mal conseguiu dormir.

Após a tensa conversa entre Vegeta e seu herdeiro, passou-se cinco longos anos, nesse meio tempo muitas coisas aconteceram. Trunks conseguiu casar com Mai, um casamento muito feliz até o seu terceiro ano, porém depois disso, coisas ruins começaram a acontecer com o casal. Mai ficou muito doente e numa bateria de exames descobriu que estava com um pequeno tumor no cérebro, que era inoperável na região no qual ele se encontrava. Então a morena começou as sessões de quimioterapia e radioterapia combinadas, e seu marido sempre a apoiando e de seu lado na luta contra a doença. Mai lutou contra o câncer por um ano, até falecer e deixar seu esposo desolado e arrasado.

Os primeiros meses em que Trunks ficou sem sua esposa, foram tensos, ele ficou deprimido, começou a beber e até tentou o suicido uma vez, sendo salvo por sua irmã, que era médica. Após isso o empresário começou a freqüentar o psiquiatra e o psicólogo em conjunto, tanto o remédio como a terapia foram necessários para que ele ficasse melhor. Já fazia oito meses que ele parecia normal, voltando a quase normalidade. Namorou no último mês duas vezes, porém nenhum dos namoros durou mais do que uma semana.

Nos últimos cinco anos Pan também passou por muita coisa, como o nascimento prematuro de sua filha, que ficou duas semanas na UTI, para depois pode ir para casa. Goten ao ir ao cartório fazer o registro de nascimento da filha de sua sobrinha, a registrou como sendo sua filha, pegando todos de surpresa, até o seu irmão. Pan voltou para a faculdade logo após o nascimento de Deisy. Atualmente a morena era formada em psicologia, com especialização em psicologia clínica, estava a procura de um emprego já fazia dois meses. Pan recentemente namorava Fred, um advogado criminalista, que era sócio de seu tio Goten, que também era advogado.

Nesse momento na capital do oeste, era primavera, as flores estavam enfeitando as floreiras e parques. As árvores floridas faziam um contraste que agradava aos olhos de todos que viam e os passarinhos cantavam felizes.

Era sábado à tarde e Pan estava no seu notebook enviando currículos para algumas clínicas e empresas, quando de repente seu celular começou a tocar. Imediatamente a morena parou o que estava fazendo e atendeu o aparelho, ao reconhecer o número.

- Fala Bra!

- Pan, você está em casa? – Pediu a moça de madeixas azuladas entrando em seu carro.

- Sim, estou! Por quê? – Inquiriu curiosa.

- Precisamos conversar, tenho algo para lhe propor...

- Estarei te esperando – Murmurou a morena fechando o notebook e se levantando da cadeira.

- Chego aí em quinze minutos! Até! – Comunicou a filha de Vegeta desligando o celular e ligando o veículo.

Pan saiu do quarto e foi em direção a cozinha, chegando lá abriu a geladeira e pegou um bolo de chocolate, que sua mãe tinha feito antes de sair com Deisy.

Após um tempo Bra finalmente estacionou sua Ferrari no amplo estacionamento em frente a casa da amiga, desceu do automóvel rapidamente e foi até o pórtico de entrada da moradia, quando iria tocar a campainha, a morena abre a porta.

- A casa está tão quieta, onde está a minha sobrinha? – Inquiriu ingressando no domicilio.

- Saiu com minha mãe, foi no parque de diversão – Respondeu a moça fechando a porta e caminhando em direção a cozinha, sendo seguida pela amiga.

- Como estão às coisas Pan? Já arranjou um emprego? – Pediu a filha de Vegeta sentando-se numa cadeira próxima a mesa.

- Estou bem, mas em relação ao emprego, está difícil amiga, já faz alguns meses que mando meu currículo e nas entrevistas exigem experiência, No entanto eu só tenho experiência do estágio que fiz no Hospital Central e na Clinica Psiquiátrica New Star quando fiz a pós.

- Você sabe que há mais o menos três anos atrás a corporação cápsula construiu um mini hospital pra os funcionários? Bom, ele que fica num pequeno prédio de três andares anexo a empresa. Este possui 9 quartos privativos, um ambulatório com 9 leitos, laboratório, 2 médicos com especialização em clinica geral, 1 médico do trabalho, 1 ortopedista, 7 enfermeiras, 1 psiquiatra e dois psicólogos.

- Nossa, eu não sabia que vocês tinham um mini-hospital. Só pode ter sido idéia de sua mãe, por você ter feito faculdade de medicina – Murmurou impressionada a morena.

- Pois é... isso lá é verdade, pois o Trunks nem se tocou, quanto a importância disso.

- Então o que lhe trás aqui amiga? – Perguntou curiosa a neta de Mr.Satan.

- Vim lhe fazer um convite para trabalhar comigo no hospital, nosso psicólogo Peter está mudando de cidade por causa da esposa que conseguiu uma vaga para trabalhar de professora numa faculdade na capital do norte e ele vai junto. Daí surgiu essa vaga, queria ver se você queria...

- Não sei Bra! Vou ficar muito perto do seu irmão, ainda não esqueci totalmente o que ele me fez passar, mas por outro lado preciso tanto de um emprego, não gosto de ficar dependendo dos meus pais e do meu avô Satan – Revelou sincera enquanto pegava um pedaço de bolo e comia e oferecia a amiga.

- O Trunks não vai até o hospital da empresa com freqüência, só duas vezes por mês para consultas, um dia no psiquiatra e no outro dia no psicólogo, que é o Mark – Replicou a filha de Bulma, comendo uma fatia de bolo.

- Você está me tentando Bra, até quando preciso lhe dar uma resposta? – Pediu pensativa.

- Até amanhã à tarde, depois disso já tenho que colocar um anúncio no jornal e rádio atrás de um psicólogo – Retrucou a moça de madeixas azuladas se levantando da cadeira e arrumando o vestido.

- Prometo que vou pensar com carinho. Amanhã te ligo lhe dizendo minha resposta – Assegurou Pan se despedindo da amiga, que saiu da cozinha.

Quando Bra estava próxima da porta de saída da moradia, Gohan adentrou no local e a olhou surpreso.

- Oi Gohan!

- Oi Bra, já está indo? – Pediu o moreno reparando na roupa curta que a moça usava e especialmente em suas pernas.

- Já! Até logo! – Bra se aproximou do esposo de Videl, o dando dois beijos nas bochechas, para logo em seguida cochichar em seu ouvido – Você é muito bonito Gohan, amo o seu cheiro. Desculpe-me minha indiscrição.

- Não me provoque moçinha! – Ralhou o moreno sem jeito, arrancando um sorriso de canto da filha de Vegeta, que abriu a porta e saiu.

Enquanto isso num bairro nobre da capital do oeste, em um apartamento luxuoso, Trunks encontrava-se em seu quarto olhando as fotos de suas viagens com Mai, bem antes dela ficar doente. Um sentimento de nostalgia tomou conta dele, sentia-se muito triste ainda, mas já tinha melhorado bastante com as terapias e medicação. Não queria mais acabar com sua vida, estava se esforçando para superar aquela dor causada por aquela grande perda. Tentou namorar duas vezes, porém só o que vinha na mente dele quando fechava os olhos era o rosto de sua falecida esposa quando beijava ou transava com as moças que tinha se aproximado, por isso os namoros não duraram nem sete dias.

Aproveitou e recolheu as fotos dele junto com Mai de cima dos criados mudos e as guardou dentro de uma caixa, como lhe foi instruído nas terapias. Aproximou-se do guarda-roupa, o abriu e começou a retirar as roupas de sua amada de lá e as colocar em algumas caixas, iria doar quase todas as roupas e sapatos dela. Partiu seu coração fazer isso, mas era necessário, se queria deixar um novo alguém entrar em sua vida novamente.

-

Continua

-


Notas Finais


O que acharam? Foi triste o que aconteceu com o Trunks né?
Será que a Pan vai aceitar a proposta?

Obrigado por ler esse capítulo, espero que tenha apreciado.

Beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...