História Fute Paitings - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jin, Rap Monster, Suga, V
Tags 3some, Incesto, Namjin, Sugamon, Sugamonjin, Yoonamjin, Yoonjin
Exibições 225
Palavras 4.118
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Uma atualização com menos de 1 mês de espera? Parece milagre. A realidade que boa parte ja estava pronto ha meses, inclusive to chorando que finalmente essa parte está saindo do meu bloco de notas.
Esse capitulo foi dividido em duas partes, porque ficaria muito grande, e teria muita informação pra um capitulo só. Mas relaxem, o próximo terá algo que todo leitor de FP está esperando.

Boa leitura.

Capítulo 8 - Censurarte


É normal que jovens marquem pra dormirem juntos. Festas do pijama são tão comuns quanto casos de incestos nas famílias. Yoongi, mesmo que não valorizasse seus amigos como deveria, não virou uma exceção em relação a essas festas. Sua única diferença dos demais foi que desapareceu no meio da madrugada, com a comemoração acontecendo em sua casa.

Não estava achando a presença dos seus amigos tediosa, tampouco os vídeos eróticos que eles colocavam enquanto riam. Porém o som da porta ao lado batendo lhe deu uma ideia mais interessante do que ouvir as piadas indecentes.

Namjoon estava na cozinha, enchendo um copo d'Água que quase foi ao chão com o susto que levou quando a luz do local foi desligada. Não achou estranho porque o viu a silhueta de Yoongi ao lado do interruptor.

–Meus amigos estão assistindo pornô - abriu o roupão que o pai usava, o abraçando.

–Adolescentes juntos - o maior riu - Nada fora do comum. E não está gostando?

–Na verdade eu lembrei de você.

Yoongi afrouxou a calça de algodão que o maior vestia, colocando sua mão dentro da peça alisando o membro que estava livre de roupa íntima. Namjoon acariciava os cabelos do filho, não evitando o sorriso no rosto pelos toques nervosos que Yoongi fazia. Era a primeira vez que fazia aquele tipo de coisa, naquela época só tinham transado umas três vezes, todas as vezes com a casa vazia numa cama. Mesmo que sempre tenha sido o garoto a incentivar o relacionamento, Yoongi ficava com o rosto vermelho e nervoso nas menores coisas, tê-lo tomando iniciativa daquela forma era surpreendentemente adorável.

Tudo acontecia tão rápido que mais parecia um roteiro mal feito de uma produção pornô barata. Não reclamava, estava tendo a noite tão chata que uma rapidez lhe faria bem, mas no fim o que faziam antes estava interligado. Yoongi assistia vídeos de sexo e Namjoon tentava pintar artes relacionadas a isso. 

Havia estudado há pouco tempo sobre artes censuradas, e também ficou apaixonada por elas.  Começou do básico, desenhava corpos em diversas posições, e obviamente se inspirava em Yoongi pra fazê-los. Gostava de focar nas pernas, detalhar suas coxas e no abdômen que na época era bem magro. O corpo todo o filho era uma figura erógena, admitia isso, então não se sentia mal por usá-lo como exemplo, só se sentia levemente culpado de se inspirar em suas fotos de quando era um bebê pra criar as expressões dos desenhos.

Essa estava sendo sua parte favorita. Qual seria a graça em fazer uma figura se expondo se não possuía o rosto cheio de vergonha e provocação? Era isso que deixava os desenhos realmente excitantes. 

Por algum motivo a inspiração veio através de álbuns antigos da infância de Yoongi. As fotos em que engatinhava ou estava no seu banho deixavam a cabeça de Namjoon explodindo em ideias, e não desperdiçou nenhuma delas. Refletia o quanto tinha sorte de seus pensamentos destorcidos sobre o filho só afloraram em si apenas na adolescência dele. Com certeza já teria enrolado uma corda em seu pescoço caso tivesse tocado de forma errada em seu bebê, e infelizmente não diria que jamais teria coragem de fazer tamanha monstruosidade.

Só não se prendia mais a esses pensamentos por conta da beleza excessiva que estava ficando suas obras. Aquelas faces davam vida a arte, e também deixava ainda mais emocionante a situação em que se encontravam. Elas misturadas aos atos envergonhados era o que faltava pra finalizar seu dia.

Namjoon não podia negar como aqueles toques inexperientes o alegravam. Mais uma vez Yoongi estava tendo suas primeiras experiências com o pai, e não existia felicidade maior.

–Você tem ciência que sua mãe está no andar de cima, e quatro adolescentes vão procurar por você se demorar mais não é?

–Seu filho está necessitado em seus braços, e você preocupado com isso. Não vai me ajudar?

Estava certo, que pai horrível seria se o deixasse na mão naquela situação. Olhou em volta, conferiu pela última vez se o ambiente os favorecia, e refletiu se fazer aquilo o mataria de tal forma. Pelo visto tudo estava ao seu alcance, então sem enrolar, se afastou centímetros do menor apenas pra se ajoelhar em sua frente. Era uma sorte Yoongi ser alto, e não dificultar a posição, dessa forma conseguiu perfeitamente o que tanto desejava; chupar seu filho.

Começaria a levar pra realidade sua arte que seria censurada.

Naquela noite, ambos faziam coisas que nunca tinham feito antes. 

Sabia que qualquer som que fizesse poderia acordar ou chamar atenção, Yoongi até pensou se deveria morder um dos panos de pratos pra sessar os sons eróticos que saiam descontrolados de sua boca. Nunca pensou que veria Namjoon fazendo esse tipo de coisa, nem o próprio imaginava já que todas suas experiências com sexo oral se resumiam exclusivamente a mulheres, por isso o prazer que sentia era maior do que o esperado, e também pelo delicioso sabor do filho preenchendo seus lábios.

O descontrole tomou conta do seu ser, segurou os cabelos de Namjoon firmemente, ditando uma velocidade desesperada assim como o desejo que estava tendo pela boca do pai. Aproveitou cada segundo que passou com o falo encoberto pelos lábios grossos pois não sabia quando receberia aquilo de novo. No fim estava certo, depois de tantos anos, poderia ser contado em apenas uma mão quantas vezes recebeu aquilo sem ser do irmão.

Foi de grande frustração ter parado sem ter chegado ao seu ápice ainda. Uma sensação decepcionante como se tivessem colocado tarjas nas telas. Queria mais que tudo poder gozar nos lábios do maior, infelizmente não conseguiu de primeira, a única vez que aconteceu foi quando estava irritado por conta de SeokJin. Foi uma forma estranha de agradá-lo mas que deu certo. Yoongi nem mesmo lembrava o motivo de tal irritação, ter a visão do sêmen escorrendo pelo canto da boca de Namjoon e pingando em seu peito o fez esquecer completamente.

Yoongi foi puxado bruscamente pra baixo, estavam atrás do balcão que os escondia malmente, mas não impediu que o mais novo ficasse de quatro pra Namjoon.

–Sempre me imaginei te satisfazendo nessa posição. - Yoongi confessou, o que deixou Namjoon ainda mais excitado.

–Sempre escolhe as palavras certas - respondeu antes de lhe dar um beijo, se posicionando atrás de si.

Entrar em Yoongi sempre seria uma sensação indescritível pra Namjoon, nunca iria enjoar do aperto e ouvir o suspiro inicial de incomodo. Era seu estágio antes do nirvana, que foi interrompido logo na primeira estocada com o som de passos descendo as escadas. O silêncio que só era quebrado por gemidos e suspiros foram tomado por um grupo de vozes que chamavam por Yoongi.

A primeira reação que teve, além de ficar parado, foi de por a mão na boca de Yoongi pra que ele fizesse silêncio. As luzes ainda estavam apagadas, seria fácil se esconder, se Yoongi não se mexesse com dificuldade pra frente e pra trás, empurrando seus quadris contra o membro de Namjoon.

–Você está maluco? Quer que eles flagre nós dois?

–Não vão.

–Já pensou em quantas acusações vão poder fazer sobre mim?

–Já pensou em quanto prazer você poderia está tendo estando sobre mim?

A mão de Namjoon só parou de pressionar seu rosto pra deixar o menor falar. Yoongi passou a língua pelos dedos longos, chupando os dígitos como a devoção que há pouco Namjoon estava tendo com seu membro.  A língua o atiçando junto à sua fala deixou o maior sem nenhum argumento. Só restava foder seu filho com toda força que o esconderijo precário oferecia.

Com os passos cada vez mais pertos, a adrenalina aumentando em seus corpos e o perigo de serem flagrados só intensificava cada nova estocada. Poderiam abafar os sons que saiam de suas bocas, mas era impossível ficarem em silêncio. Namjoon tinha certeza que um dos garotos viu, tinha se aproximado com a intenção de abrir a geladeira a procura de alguma coisa, e acabou encontrando os dois naquele estado imundo. De relance Namjoon viu os brilho dos olhos no escuro, tão assustado que não teve reação além de correr chamando todos os amigos de volta pro quarto.

O menino assustado não pareceu contar a verdade a nenhum dos outros, já que encheram Yoongi de perguntas sobre onde estava quando voltou os acordando depois de duas horas.

–Tenha bons sonhos Jeon - Yoongi sussurrou para o menino que fingia está em um sono profundo - E se quiser ter boas noites de sono no futuro, é melhor ficar com a boca calada.

Continuaram agindo normalmente na escola, mas o menino nunca mais chegou perto de sua casa, o que causou uma crise de risos em Namjoon e Yoongi quando relembravam o fato e repetiam transas como aquela.

Boas memórias. Namjoon e Yoongi possuíam as melhoras histórias juntos, que deixavam o maior com saudade. Ainda estava deitado relembrando a noite maravilhosa que tiveram, até que todo sentimento agradável dentro de si se esvaiu. Se levantou tão rápido que acordou Soojin que nem estava tendo um sono profundo ainda.

–Algum problema amor? - a mulher perguntou, voltando a fechar os olhos.

–Não, eu só... Esqueci de tomar meu remédio. - era uma boa desculpa, e verdade também. O comprimido junto com o copo d'Água estava ao lado de sua cama. - Pode ficar tranquila.

–Ah...não esqueça de novo. Não queremos um nova crise.

Geralmente o assunto "crise" era algo a ser evitado, porém seu sono nem a fazia perceber a seriedade de suas palavras. Namjoon, por sorte, estava nervoso demais pra dar atenção, enfiou a pílula na boca engolindo a seco, e correndo pra fora do quarto.

Era cedo, nem mesmo a empregada tinha chegado. O único cômodo com a luz acesa era o quarto de Jin, e foi pra lá que Namjoon correu.

Hesitou antes de abrir a porta do quarto, parte de si estava esperançoso de encontrar o espaço sem nenhuma diferença do usual. Talvez Yoongi apenas decidisse dormir com luz acesa, por que não? Poderia acontecer sem problema nenhum, mas essa ideia foi descartada quando a primeira coisa que viu foi SeokJin o encarando com uma cara de raiva.

–Eu entendo que Yoongi é exagerado, mas precisava espancá-lo dessa forma? - Jin falava sério, estava em pé ao lado do irmão deitado com uma faixa no rosto - Nem precisa dizer. Eu já sei que vou ter que ser eu a levar a culpa, Soojin acreditaria que fui eu que o machuquei, e não o maridinho perfeito.

Não conseguiu responder, nada estava claro pra si também. Tinha ciência de ter machucado Yoongi na noite anterior, mas agora se perguntava como conseguiu coragem e descartou humanidade pra fazer aquilo.

Nesse quesito Yoongi e Soojin erraram, acostumaram a sempre incentivar Namjoon a aceitar e esquecer seus erros, por isso o moreno sempre acreditava que nuca tinha culpa de nada.

–Você está brigando comigo? – Foi a única que conseguiu falar. Não que ficasse irritado pelo filho está levantando a voz pra si, já estava acostumado com esse tratamento por conta de Yoongi, só não esperava ver essa reação de SeokJin.

Se fosse parar pra refletir, Jin era uma imagem constantemente feliz. Nunca o tinha visto em nenhum estado negativo com exceção no dia que sua mãe morreu, então toda aquela raiva era surpreendente. Por algum motivo aquilo o deixou mais incomodado que o normal, como se tivesse levado uma pancada, uma dor de cabeça invadiu sua cabeça. Sentiu-se nervoso, o medicamento que tinha tomado pareceu ficar entalado em sua garganta. 

SeokJin ainda mantinha sua expressão dura, mas não respondeu. Sabia que Yoongi o mataria se falasse alguma coisa comprometedora. 

–Só quero saber como ele está. Por favor.

Diferentemente do maior, Jin não teve uma boa noite de sono. Estava exausto, tinha sido cansativo colocar Yoongi pra dormir, que ficou mais teimoso sob efeito dos medicamentes fortes que recebeu. Teve um grande trabalho enquanto Namjoon dormia calmamente relembrando suas antigas fantasias. Não estava com paciência pra ouvir a voz sonsa do pai. 

Ao ter a mão segurada por SeokJin, Namjoon esperava que o filho fosse abraçá-lo ou fazer algum carinho parecido, e não ser puxado e empurrado pra fora do quarto. Não esperava por aquilo, e antes que pudesse ter alguma reação, ja estava fora do quarto com a porta trancada. Jin tinha experiência em expulsar homens, alguns eram insistentes demais em sua casa, então jogar Namjoon pra fora foi moleza para si.

Sua reação foi bater repetidamente na porta, Namjoon empurrava a porta mas sua força não conseguiu nem fazer a fechadura tremer. Chamou por SeokJin até que sua 

–Você sabe o quanto mexe com ele. Quer estragar tudo? - Yoongi levantou levemente sua cabeça, apenas pra conseguir observar o irmão. SeokJin não tentou argumentar, apenas empurrou o mais velho para se deitar completamente.

Estragar tudo, essa era uma das coisas que mais queria no momento. Se SeokJin ficasse apenas um pouquinho mais irritado, não iria conseguir segurar sua vontade de falar todas as verdades pra Namjoon, queria vê-lo explodir da mesma forma que o garoto estava prestes.

"Arrume os documentos, pai" - enviou a mensagem pra Hoseok. 

–Agora você precisa descobrir uma forma pra esconder isso.

Yoongi não se mexeu, não tinha apagado totalmente, porém não ignorou as palavras de SeokJin. Iria sim agir de alguma forma.

 

Censura Artística; restrição da imagem de obras vulgares.

Ou seja, algo artístico demais para qualquer um.

 

Às vezes Yoongi se questionava o que aconteceria em sua família caso deixasse com que eles resolvessem as coisas no seu lugar.

Com certeza muitos problemas aconteceriam.

Como havia previsto, Soojin surtou ao ver seu filho machucado daquela forma, e não poupou SeokJin de acusações. Não era errado que a mulher pensasse nisso, ela foi inocentemente até o quarto apenas pra avisar que já estava começando a ficar muito tarde pra continuar dormindo, e quando chegou viu Yoongi com partes do rosto roxas e o irmão dormindo ao lado de sua cama. Seus gritos começaram no mesmo instante.

O único motivo da mulher não ter ligado pra polícia foi porque Yoongi interviu. O loiro segurou a mão da mãe, a pediu pra que se acalmasse e disse que o motivo de ainda estar vivo era pela ajuda que SeokJin deu. Era um exagero, mas não uma total mentira já que o garoto realmente o ajudou.

–Eu prometo que te explico tudo, por favor só me dê um tempo. Ainda estou muito assustado.

O teatro impecável era digno de aplausos. Era óbvio de onde tinha herdado tamanho talento pra mentir, pois de uma forma tão esplêndida como o filho, Namjoon também fingia muito bem. Sua expressão mostrava o quanto estava confuso e preocupado, quando foi falar com Soojin, prometeu a mulher que encontraria e puniria quem fez aquela atrocidade. 

SeokJin bateu suas mãos algumas vezes antes do mais velho sair do quarto. Namjoon o olhou estranho, mas o garoto não conseguiu evitar, aquilo merecia muitas palmas. 

O clima que se estabeleceu dentro da casa foi de tensão. SeokJin não deixava que Namjoon se aproximasse de si, e Soojin não deixava ninguém chegar perto de Yoongi. A mulher não explicou o motivo do pai não poder ver seu filho, isso de certa forma preocupou o moreno. 

Ficar isolado foi quase como um presente pra Yoongi. Ficar sozinho o ajudou a pensar. Já sabia que teria que arrumar alguém pra colocar a culpa, porém incriminar um dos seus colegas da escola parecia uma ideia que só funcionária em sua cabeça. Estava pensando seriamente na chance de procurar alguém aleatório na rua e gritar pela primeira viatura que aparecesse. 

Sua ideia sem noção apenas não se concretizou por conta de uma mensagem que chegou vinda do secretário que trabalhava no escritório de Namjoon.

O conteúdo da mensagem fez seus olhos brilharem. Era um e-mail que Hoseok havia enviado contendo tudo que era necessário pra transferência da guarda se Jin, em outras palavras, sua passagem para ir embora.

Porém, a felicidade instantânea que invadiu seu corpo não foi por causa da amostra grátis da covardia de Jin, que no primeiro problema já procurou uma forma de fugir, e sim por conta da pessoa que mandou a mensagem, era Taehyung.

Um dos motivos de Yoongi conseguir controlar tudo era também pelas informações que sempre recebia do escritório. Era minimamente grato a ele por isso, mas não era esse por isso que o tratava tão bem, e também não era por pena. Mesmo sendo um homem jovem e bem sucedido, era óbvio que tinha algo de errado. Talvez fosse a forma patética de agir na frente de outras pessoas, ou o jeito como lidava com a paixão por Yoongi, de qualquer forma, Taehyung era um homem deprimente.

Sempre imaginou que ele poderia ser útil em alguma coisa, por isso cativou seus sentimentos e o iludiu o necessário. Agora, depois de tanto tempo, finalmente o usaria.

Teve que esperar muitas horas até que Soojin finalmente dormisse, e pudesse sair do quarto pra conseguir falar com Namjoon. Foi direto com o pai quando disse que iria precisar que ele o levasse até a casa do seu secretário. Muitas foram as perguntas que o mais velho fez, porém o loiro conseguiu apenas com uma resposta fazê-lo ficar calado.

–Tudo bem se você não quiser me levar, contanto que você consiga da uma boa explicação sobre meu estado pra mamãe. E logo digo que não estou a fim de por a culpa em SeokJin.

Sem nem um minuto de espera, Namjoon buscou pelas chaves do seu carro. 

Marcaram em um horário tarde, na casa do secretário. Yoongi deu menos explicações que pôde, apenas intensificou seu desespero nos segundos que durou sua chamada telefônica. Ficou um tempo refletindo qual sentimento deveria usar pra melhor chantagem emocional, mas no fim esse detalhe nem chegou a ser importante, seu simples choro conseguiu causar bastante aflição.

O carro ficou estacionado uma quadra antes da casa de Taehyung. Yoongi foi andando sozinho até o local, descalços e usando apenas um casaco preto que cobria todo seu corpo. Tudo fazia parte de seu drama, assim que o secretário perguntou o que estava acontecendo, Yoongi deixou o casaco cair por seus ombros, mostrando seus hematomas recentes.

–Não sei como deixei a situação chegar nesse nível. Eu não deveria ter me envolvido com drogas, mas quando dei por mim já estava pegando saquinhos que não eram meus, e consequentemente apanhando também. - o menor estava agarrado no corpo de Taehyung, que não fazia ideia do que deveria fazer. Era a primeira vez que estavam tão perto um do outro.

–Você quer ajuda com seu vício? Posso procurar clínicas, falar com seus pais...

–Não - interrompeu com seu grito - Eu não tive coragem de explicar a verdade pra eles.

–O que quer que eu faça Yoongi?

–Que assuma a culpa. Não vai acontecer nada com você, eu só preciso explicar pra minha mãe.

Pelo menos era isso que acreditava.

Taehyung negou tantas vezes, quase o suficiente pra fazê-lo desistir. Só conseguiu convencê-lo quando começou seu choro desesperado. Não foi algo fácil, suas unhas apertava seu braço machucado. Podia sentir o sangue nos dedos, por sorte Taehyung tão desesperado não percebeu a absurda que o menor sentia. Uma dor que valeu a pena, pois o secretário aceitou sua proposta.

Por ser tarde Taehyung ofereceu que o garoto dormisse em sua casa. Sabia que qualquer contato íntimo dos dois seria impossível, porém Yoongi tinha horror apenas de pensar na possibilidade de se deitar com alguém que não fosse SeokJin ou Namjoon. Deu a desculpa de que sua mãe o mataria se não estivesse em casa quando acordasse, voltou sem pressas pro carro de Namjoon, que adormecia no volante.

Quando disse que nada aconteceria, estava amenizando o escândalo que Taehyung aguentaria de Soojin. Yoongi sabia que a mulher o procuraria, já estava até planejando passar um dia inteiro com o secretário pra ser sua recompensa, porém não esperava que quando fosse, ela levasse junto a si depois policiais.

Prisão estava longe de passar pela sua mente. Era muito acima de qualquer coisa que pudesse dar errado. Como combinado, Taehyung admitiu ter espancado Yoongi, que a única ajuda que deu foi afirmar que não houve ato sexual. Namjoon se quisesse poderia anular qualquer acusação feita contra o secretário, porém se fizesse, seria a mesma coisa do que ter contado a verdade pra Soojin. 

Agindo sorrateiramente, sem se envolver mais do que sendo "o pai da vítima", Namjoon conseguiu que a pena de Taehyung fosse apenas de um ano e seis meses.

Mesmo que fosse o único que não tivesse nada a ver com aquela prisão, quem mais se sentiu culpado e atordoado com a pena de Taehyung foi SeokJin. O garoto não o conhecia, mas sabia que ele não era o tipo de pessoa que aguentaria a prisão, ficava atordoado imaginando tudo que passaria atrás daquelas grades.

De certa forma, mesmo tudo acontecendo da forma mais inesperada possível, Yoongi não reclamou do que a situação se tornou. Conseguiu castigar Jin causando uma extrema pena em seu coração mole, e ganhou "pontos" com Namjoon. Era totalmente falho dar o título obra mais doce a Yoongi, e SeokJin a destorcida.

Isso era a interpretaço de pessoas que viam quadros sem notar os detalhes. Mas naquela obra, muitas explicações diferentes poderiam surgir.

Foram poucas semanas do que chegaram mais perto de terem alguma "paz". Essa palavra quase não fazia mais sentido. Namjoon até mesmo começou a mudar sua situação com SeokJin, sua forma superficial de tentar comprá-lo aos poucos funcionavam. O moreno não poderia mentir o quanto achava lindo o lado sensível do seu caçula.

O único fato que reverteu a calmaria, foi quando o novo secretário do escritório decidiu encaminhar a Namjoon os e-mails importantes, e com ele acabou indo junto o pedido de troca de guarda de Hoseok, que enviava uma cópia por dia.

Ler aqueles documentos foram suficientes pra fazer toda sua raiva voltar. Namjoon jogou seu celular contra parede, e se levantou saindo da sua sala apertando os papéis em sua mão.

–Preciso que você cancele todos os casos pra hoje, tenho uma reunião no colégio dos meus filhos - avisou ao novo secretário.

–Tudo bem. - prontamente o homem anulou os compromissos em seu computador - E senhor, você poderia agradecer a seu filho pelo presente de boas vindas que ele me deixou? 

Namjoon acenou com a cabeça. Não era possível que logo no primeiro dia Yoongi já estava tentando começar sua manipulação, porém não ficava surpreso com aquilo. Isso porque não sabia a verdade, o presente não foi deixado por Yoongi, e sim por SeokJin. O mais novo não aprovava o fato de usar as pessoas, mas na situação que estava, era bom que pudesse ficar atualizado sobre algumas coisas, como fato de Namjoon está indo até sua escola.

–Onde você está indo? - Jin perguntou ao irmão.

O motorista tinha deixado algumas ruas antes, Yoongi tinha pedido aquilo porque não pretendia ir pra escola.

–A prisão, óbvio. Se eu não fizer essa visita capaz de Taehyung cometer suicídio.  

Já estava enrolando muito até ir naquela prisão. Taehyung usava sua ligação diária todos os dias perguntando quando Yoongi iria vê-lo, agradecia muito que seu tempo só fosse quinze minutos, dessa forma ficava mais fácil dizer mentiras para não ir.

–Eu posso ir com você?

–Em menos de um mês e você já pretende matar aula?

–Não quero presenciar outra briga de Hoseok e Namjoon, não sei como pode acabar dessa vez.

Não seria um sacrifício levá-lo junto. SeokJin pelo menos o ajudaria a matar o tempo, e não morrer de tédio depois de ouvir as lamentações de Taehyung.

–Uma pergunta - Jin começou assim que entraram no carro -Talvez você não admita, mas você está indo fazer algo que claramente não quer, gastou seu tempo e até mesmo colocou um homem na prisão apenas pra proteger Namjoon. Existe alguma coisa que você não seria capaz de fazer por ele?

Não, com toda certeza não existia nada que não fizesse pelo pai. Já tinha feito absurdos, e pensava em coisas maiores ainda pra fazer. SeokJin era esperto por notar esse detalhe que escondia tão bem, e continuaria ao máximo tentando esconder.

–Eu sou capaz de fazer qualquer coisa, inclusive te empurrar desse carro em movimento. É melhor ficar calado.

E assim ficou durante todo o percurso e o tempo que duraram na prisão, que no caso foram horas.

Era um ambiente que ambos não eram familiarizados, Jin até pensou que poderia encontrar algum conhecido, mas os ladrões com quem convivia eram bons demais pra estarem lá. E mesmo que fosse cheio, continuava mais pacífico do que o estado que Namjoon deixaria sua escola.


Notas Finais


GENTEEEE eu passei tantos meses pensando como incluir Taehyung na historia, estou muito feliz da participação dele. Quem não lembra dele pode dar uma olhadinha no cap 4, é la que ele aparece.
Estou com muito medo de está deixando as coisas confusas ;c, se vocês quiserem explicações eu estou aqui.

Twitter; @tosunnie
Até o próximo, que no caso é um cap que eu estou ansiosa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...