História Gangsta - Zayn Malik - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cara Delevingne, One Direction, Zayn Malik
Personagens Cara Delevingne, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Cara Delevingne, Gangsta, Harry Styles, Kendall Jenner, Larry, Liam Payne, Louis Tomlinson, Malik, Niall Horan, One Direction, Romance, Zayn Malik
Visualizações 221
Palavras 2.763
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Escolar, Fantasia, Festa, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


DEPOIS DE QUASE UM ANO OLHA QUEM VOLTEEEEEEEEEEEEI
SOCORRO TO MUITO NERVOSA E ACHANDO Q NINGUÉM VAI VER ISSO AQUI
SERÁ Q VCS AINDA SE INTERESSAM EM SABER DA CONTINUAÇÃO? PQ EU TO AQUI AGORA E PRETENDO CONTINUAR A FIC
SE TIVER ALGUÉM VIVO AÍ SÉRIO COMENTA SE QUER QUE EU CONTINUE
TO TREMENDO KKKKKK AAAAAAAAAAAAAAAA

Música do capítulo: Rag'n'Bone Man - Human

Capítulo 33 - I'm only human I


Fanfic / Fanfiction Gangsta - Zayn Malik - Capítulo 33 - I'm only human I

ZAYN

As cinzas do meu cigarro caem em formatos de cascata diretamente da sacada do meu quarto, atingem a grama do andar inferior, semicerro meus olhos e levo o mesmo até meus lábios, tragando lentamente a fumaça até meus pulmões, inclino meu torso descoberto para frente, e fecho os olhos enquanto entreabro os lábios, liberando a fumaça densa da maconha por entre meus lábios. Sinto meu corpo relaxar e abro os olhos, agora sorrindo para as nuvens tão ou mais densas que a fumaça do meu baseado que chega ao fim rapidamente, arqueio a sobrancelha e cesso minha risada, franzindo a testa ao recordar-me dessa tarde e de como o olhar dela pairou e conectou-se ao do loiro maldito assim que cruzei a porta da mansão com ela em meus braços e se corpo frágil encharcado, igualmente ao meu. Não pude ver seus olhos, mas vi a intensidade do olhar de Horan. E isso é preocupante.

Caralho! Isso é preocupante.

Balanço a cabeça em negativa e deixo um suspiro pesado cortar o ar, levando minha mente para o momento em que subimos a escada e fomos direto para meu quarto, tomamos um banho quente em minha banheira e eu pude senti-la mais uma vez. Literalmente. Franzo o nariz para a dor latejante em minhas costas, devido aos arranhões obscenos deixados ali com o propósito de lembrar-me de que eu sou dela, assim como ela é minha.

Sim. Ela é minha! E não será a porra desse garoto inexperiente que irá tirar isso de mim. Já perdi coisas de mais no decorrer da vida. Ela não, porra. Ele não tem o direito de fazer isso comigo. Ergo meu olhar para o céu escuro, que agora toma uma cor alaranjada, um tanto engraçada, sorrio e trago meu cigarro mais uma vez, sabendo do efeito da erva em meu organismo.

Arqueio a sobrancelha assim que sinto sua presença na sacada, viro o rosto minimamente em sua direção, o suficiente para ver a loira trajando minha blusa. Desço o olhar pelas suas belas pernas longilíneas e me deparo com seus pés descalços, balanço a cabeça em reprovação e torno a olhar para frente, fecho meus olhos, usufruindo da sua presença.

— Zayn... — Ela começa e travo meu maxilar.

— Hm? — Murmuro tentando aparentar estar distante, mas com os ouvidos e a atenção voltados totalmente a ela.

Meu corpo nunca encontrará paz enquanto o seu estiver no mesmo recinto que o meu. Também não encontrará se não estiver.

— Hoje cedo, eu não quis dizer aquelas coisas.... — Quis sim. — ... E bater em você. Eu não quis. — Posso sentir o sorriso na voz da mesma enquanto sussurra em minha direção. — Bater, talvez.

Trago o cigarro mais uma vez e reprimo o sorriso que ameaça a surgir no canto dos meus lábios assim que percebo a alteração em sua voz devido a sua pequena risada reprimida.

— Hm. — Respondo por fim e formo uma careta deixando o cigarro cair da sacada enquanto gesticulo um “seu covarde” com a boca.

Espero que a mesma me entregue alguma réplica, mas que réplica eu poderia esperar de um “hm”? Você é patético, Zayn!

Sinto meu coração acelerar e levo meu lábio inferior a prisão dos meus dentes enquanto coço minha barba por fazer, vagarosamente, ainda sentindo os efeitos do baseado. Sinto a ponta gélida dos seus dedos em minhas costas, e com um reflexo exagerado, viro-me, finalmente encarando seus olhos enquanto seguro seu pulso firmemente, afastando suas mãos de mim. Encaro suas enormes esferas azuis, fitando-me assustada.  

— Hey. — Percebo a mesma engolir em seco e a sinto relutante ao levar a mão até meu maxilar e acariciar o local com a ponta dos dedos.

Sinto meu corpo travar no mesmo lugar. Que porra ela está fazendo?

Fecho os olhos, travando meu maxilar pela segunda vez e engulo em seco, tornando a abrir os olhos e encarando com uma expressão confusa, assim como a minha. Há algo de errado em meu estômago, ele parece ter criado vida própria, poderia culpar a maconha, mas essa não é a primeira vez que o sinto assim, e sempre sinto perto dessa garota. Ela continua a me encarar e de uma forma assustadora, isso não me irrita. Sei que meus olhos estão avermelhados. Será que ela pensa que andei chorando? Pois não andei. Sinto a imensa vontade de dá-la explicações sobre meus olhos avermelhados, contudo, suspiro pesado ao manter o contato com seus olhos enormes e suas pupilas dilatadas. Ela parece saber da minha fragilidade e escolhe esse momento para fazer o que faz de melhor, se enfiar e impregnar minha mente com sua essência.

— Você vai me deixar! — Isso não foi uma pergunta. Eu sei que ela vai me deixar.

Eu não suporto mais um segundo sequer, tentando agarra-la como se tenta agarrar fumaça, sei que ela vai me deixar, assim como todos que deixo se aproximar o suficiente para enxergar meus demônios.

Ela quer ele.

Caralho! Isso é preocupante.

— Me dê um motivo pra ficar. — Posso sentir seus dedos descerem pela minha barba, meu pescoço, até atingir meu peitoral.

Balanço a cabeça em negativa enquanto expilo o ar fortemente pelo nariz e cerro meus punhos, em pensar que Horan já pode tê-la tocado. Deus! Eu não quero perguntar, pois não quero saber a resposta, mas ao mesmo tempo sinto isso me corroer por dentro.

Matá-lo seria bem mais fácil, mas ela já perdeu tanta gente, isso só a faria me odiar ainda mais.

Chego a pensar na possibilidade de mata-lo e contar a ela que o mesmo foi morto pela gangue rival em uma missão, mas isso não será possível, porque o peso que eu teria que carregar seria enorme e eu realmente não estou disposto a carregar segredo nenhum mais.

Qual a porra do teu problema? Ela está pedindo um motivo pra ficar. Então dê a porra do motivo. Que caralho! Por que é tão difícil assim, Malik?

— Como? — Pego-me lançando as palavras no ar, assim como lanço minhas mãos até sua cintura. Sinto seu corpo frágil e suspiro como se toca-la torturasse minha alma.

Viro seu corpo, a fazendo encostar as costas contra o muro da sacada, apoio ambas as mãos, uma de cada lado do seu corpo, fecho meus olhos, inclinando meu rosto até a altura do seu pescoço, toco a ponta do mesmo, deslizando pela sua pele, a medida que inspiro fundo, sentindo seu cheiro doce, misturado ao meu. — Me diz. Como. — imploro baixinho.

Seu corpo vacila, assim como sua respiração. Posso sentir. E saber que ainda causo essas reações ao seu corpo, desperta minha esperança de que talvez nem tudo esteja perdido. Meu lado orgulhoso diz que isso já é uma batalha ganha, o loiro nunca poderia competir comigo, foi nos meus braços que ela passou a tarde, gemendo meu nome, não o dele. O meu. Mas existe outro lado, o qual não conhecia, ou talvez já conhecesse e apenas optei por ignorar, que diz incessantemente que não posso oferecer nada a ela além de uma foda.

— Você é humano, Zayn. — Ouço sua voz cortar o ar finalmente. — Não pode manter toda essa pose o tempo inteiro. Mostre-me alguma coisa. — Sua voz contém suplicia.

Vasculho em minha mente, a coisa mais próxima a humanidade e que possa estar me afetando no momento. Mantenho os olhos fechados e pressiono os dedos com certa força no muro, atrás do seu corpo. — Não gosto de ver você com aquele filho da puta. Quero mata-lo. — Sinto a mesma encolher o corpo, mas apresso-me. — Mas eu não vou, porque eu sei que você me odiaria por isso. — Murmuro relutante e me sinto como uma criança mimada mostrando que aprendeu a lição.

— Por que não gosta? — Ela incita.

Formo uma careta em minha face, como se aquilo me torturasse, e de certa forma era torturante. Umedeço meus lábios e travo o maxilar, trincando meus dentes, ela leva a ponta dos seus dedos, entrelaçando os mesmos em meu cabelo. Meu corpo inteiro está em alerta e meus músculos flexionados, abro os olhos fitando o céu, que agora toma a tonalidade original, está escuro, e sei que o efeito do baseado passou. Também sei que passa da meia noite e que já é meu aniversário. Viro novamente o rosto, ajeito uma mecha loira do seu cabelo, colocando atrás da sua orelha. Mantenho os olhos abertos enquanto fito a tatuagem de diamante no local, e roço os lábios pelo seu ouvido como se estivesse confidenciando um segredo intimo. E eu realmente estou.  — Porque isso me machuca.

Posso sentir seu corpo minúsculo relaxar e suas mãos descerem até meu pescoço, envolvendo-me em um abraço apertado e acolhedor. Permito perder-me em sua essência, fechando os olhos e afundando o rosto em seu pescoço enquanto retiro as mãos da sacada e envolvo sua cintura, retribuindo o abraço de uma forma desajeitada, tentando ao máximo retribuir a sensação boa que a mesma transmite ao meu corpo.

***

Cambaleio, sentindo o efeito rápido das doses de tequila, esse já é o terceiro clube o qual fecharam para meu aniversário, diferente dos outros, esse pertencia a Liam, e seu gosto era... peculiar pra caralho. Era um ponto de encontro da galera que curtia BDSM, olho ao redor observando as luzes vermelhas piscarem incessantemente, já passei pela arena de Pierce, corri e levei a bolada, já visitei três boates. E nada do Styles aparecer com a minha mulher.

“Relaxa, bro. Ela veio me pedir pra eu ajuda-la a escolher um presente pra você.” A voz irritante do meu amigo ecoa em minha mente. Eu vou mata-lo. E desde quando eles são amigos?

Ignoro uma stripper ruiva que tenta a todo custo chamar minha atenção, não faço sequer a menção de descer meu olhar para seus seios descobertos, olho ao redor travando o maxilar. Firmo meu coturno, caminhando entre as prostitutas que abrem espaço em meio ao clube, reconheço todos os rostos que cruzam a minha frente, todos pertencentes a minha gangue. Não sei quando e nem onde, mas acendi um baseado e trago o mesmo tranquilamente enquanto caminho recebendo aperto de mão de alguns caras.

Rio descontraído, sentado no sofá enquanto escuto as histórias de Liam, uma stripper loira, senta em meu colo, levo automaticamente a mão até sua cintura, sem a mínima vontade, bufo, lembrando-me que Melanie ainda não chegara. Que se foda meu presente, porra!

— Eu quero a minha mulher! — Rosno entredentes e Liam ri divertido, chapado como o inferno.

— Tem várias aqui, Malik. Aproveita, amigo.

Balanço a cabeça em negativa quando a loira beija meu pescoço, retiro minhas mãos de sua cintura assim que avisto uma silhueta conhecida, sorrio em sua direção ao ver a mesma adentrar o clube, com o mesmo olhar inocente de sempre, Styles a acompanha, mas se mistura em meio as prostitutas e strippers, sorrindo ao ser puxado pela blusa por uma delas, deixando Melanie deslocada no local. Reviro os olhos e entorno uma última dose de tequila empurrando a stripper do meu colo. — Sai, porra! — Me desvencilho da mesma e levanto, os olhos de Melanie se iluminam quando encontra os meus.  Franzo o cenho ao notar a presença de um rosto familiar, que surge do inferno, eu diria.

— Mas que porra?! — Exclamo e sei que minhas pupilas estão mais dilatadas do que nunca.

MELANIE

— Já sabe né? — Harry ri baixo do meu constrangimento.

— Não acredito que você sugeriu isso. Eu te odeio.

Ele ri ainda mais, alargando um sorriso em seus dentes irritantemente brancos.

— Não tem coisa que ele ama mais do que sexo, você não poderia dar coisa melhor que o seu...

Arregalo os olhos e me viro fuzilando o mesmo com os olhos, olhando rapidamente ao redor enquanto prendo meu sobre tudo preto contra meu corpo, e escondo minha lingerie.

Reviro os olhos para Harry que se afasta cada vez mais, me deixando completamente sozinha, olho ao redor, procurando por ele e sorrio ao ver suas esferas avelãs me encararem do outro lado do clube, faço a menção de dar um passo a frente assim que o encontro sentado próximo a Liam, Louis, que parece estar fuzilando algo atrás de mim e faço ideia do que seja, ou quem seja. E Niall. Deus do céu! Sinto a vergonha inundar meu rosto ao ver o loiro, mas não é como se eu tivesse alguma dívida com ele, certo? Não dei nenhuma esperança, eu acho...

Percebo uma loira com um rabo de cavalo preso e alinhado, esbarrar com o ombro no meu, como se realmente não me visse e caminhar com os olhos fixos em Zayn. Desço o olhar para a vestimenta nada discreta dela, assim como esse local. Parecia uma espécie de fantasia dominatrix. Franzo o cenho, ao ver Zayn desviar o olhar do meu e murmura algo assim que se dá conta da presença dessa mulher, não deixo de me aproximar, ele a encara de uma forma intensa e de certa forma transtornada, tem os punhos fechados e cerrados. Há uma chama de ódio em seu olhar, engulo em seco e resvalo meu olhar até Liam que parece estar vendo um fantasma ao olhar para a loira, a expressão de Niall é de puro divertimento, relaxado no sofá, com um sorriso de criança e com a boca entreaberta, o único a par da situação é Louis, que agora já não está mais no local.

— Ao que devo o desprazer da sua visita, Jelena? — Zayn soa irônico, mas há certa arrogância e ódio em seu tom.

Quem é essa mulher?

— Zayn? — Sussurro pra mim, como se ele fosse responder a pergunta que faço mentalmente.

A loira vira o rosto em minha direção, claramente me escutando. Zayn puxa-me rapidamente para seu lado, entrelaça os dedos nos meus e entra na minha frente, percebo a loira arquear a sobrancelha.

— Preciso conversar com você, Zayn... — Ela olha novamente pra mim e seu olhar não cintila como antes, parece preocupada com algo.

Zayn dá de ombros e balança a cabeça em negativa.

— Pode falar aqui mesmo.

Sinto-me grata por isso, de alguma forma. Saber que não ficarão em lugar reservado nesse pequeno inferninho sexual.

Ela parece desacreditar na indiferença do moreno, abre a boca pra proferir as palavras e torna a fechar novamente, desvia o olhar até mim, descendo o  olhar pelo meu corpo e me avaliando da cabeça aos pés. Não me sinto intimidada, continuo a encara-la quando a mesma desvia o olhar novamente até Zayn, que parece encara-la como um predador cauteloso.— O’brien está querendo a minha cabeça. — Ela sorri sem humor.

Esse sobrenome chama a minha atenção. Resolvo prestar atenção na conversa, implorando internamente para que Zayn não mude de ideia e escolha conversar em privado com essa desconhecida.

— E o que eu tenho a ver com isso? — Ele responde de imediato.

Ela parece nervosa, morde o lábio inferior a todo momento enquanto esfrega a palma de uma mão na outra.

— Eu não tenho ninguém. — Ela sussurra quase que inaudível.

Sinto o corpo do moreno tremer com a risada irônica e debochada.

— É mesmo? Mas e a sua ganguezinha e suas recrutas?

Ela balança a cabeça freneticamente, deixando um suspiro pesado e cansado escapar.

— Não tenho mais nenhuma delas. Todas se viraram contra mim. Eu não tenho ninguém.

— E o que te faz achar que eu me importo? — A voz dele corta o ar feito um projetil, mirado diretamente na garganta da loira.

Ela semicerra os olhos e grunhe baixo.

— Você nunca vai mudar, né? Mesmo babaca, egoísta e frio de sempre.

Viro meu rosto, encarando o perfil dele, que agora parece se divertir com a situação, mas não sinto seus músculos relaxarem em momento algum.  Ele se vira para mim e beija meu cabelo de forma autoritária, mantenho meu olhar no da loira que ainda me fita com uma certa curiosidade e não deixa o gesto de Zayn passar despercebido. Sinto-o sussurrar em meu ouvido.

— Sente-se um pouco com o Liam, sim? Eu já estou indo.

Afirmo com a cabeça e dou as costas aquela conversa, sento-me ao lado de Liam, e antes que eu abra a boca para enche-lo de perguntas, Niall, senta-se ao meu lado, apoiando as mãos em meu ombro e sorri de lado, fito seu rosto, alarmada com o toque, e percebo que o mesmo está chapado sabe-se Deus do que. — Que estranho, né? A ex namorada dele aparecer aqui, logo hoje.

— Ex... Ex namorada? — Gaguejo e sinto Liam dar um tapa na mão de Niall que joga a cabeça para trás caindo no sofá.

Observo os dois conversarem e a loira a todo momento desviar o olhar em minha direção, balanço a cabeça, sentindo-me subitamente nauseada.

 


Notas Finais


oi amores, vcs tão vivos? pq eu to que toooo

att amanhã. Explico direitinho como vai ser daqui pra frente amanhã também.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...