História Gangsta - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chandler Riggs
Personagens Chandler Riggs, Personagens Originais
Tags Carl Grimes, Chandler Riggs, Matthew Espinosa, Sahar Luna, The Walking Dead, Twd
Exibições 106
Palavras 1.406
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Ficção, Hentai, Luta, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLAAAAA UNICORNIOSSSSSSSSSSSS <3333333333333
I'M BACK BABES ♥
SABRINA TESÃO AQUI PRA VCS
QUEM TAVA COM SAUDADE AQUI FALA EUUUUUUUUUUUUU mentira, ninguem vai responder '-'
GENTE, EU TO MUITO LOCA
AESGUKLKTJDHFUGTKGUYTFG
ESSE BUMBUM QUE FAZ TUMBALATUM
GENETE ESSA MUSICA É MUITO BOA
OUÇAM
SO ISSO MESMO
BOA LEITURA
NÃO SE ESQUEÇAM DE COMENTAR
SE É NOVO AQUI FAVORITA E MOSTRA PROS PARÇA
SÓ ISSO MESMO
FECHO FAVELA
E
AMO VCS
CARAIOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Capítulo 3 - Mãe?


Fanfic / Fanfiction Gangsta - Capítulo 3 - Mãe?

Mãe? 

-Acorda Jujubinha. – Johnny cantarolou e me sentei na cama. – Credo, você parece um deles.
-Cala a boca. – Fui ao banheiro e ele me seguiu. – O que foi porra?
-Tio Rick nos chamou para buscar suprimentos.
-E daí?
-E daí que você vai!
-Sério? – Perguntei e Johnny concordou com a cabeça. – Ok.
Após nos arrumarmos, comermos e competir quem tem o melhor sotaque inglês fomos para perto do portão de Alexandria e Rick estava com seu “grupo” e logo entramos no trailer.
-Suprimentos, nós vamos buscar... Suprimentos. – Eu e Johnny cantávamos enquanto dançávamos, e logo o trailer começou a andar. – Roupas, comidas, bebidas e remédios, pois vamos precisar de... Suprimentos.
-Oi gente. – Kehlani falou de um jeito tímido e a abracei.
-Oi Keh.
-É a primeira vez que eu faço isso.
-A nossa também. – Johnny falou ansioso e começou a roer as unhas. – Será que vamos achar um cachorrinho?
-Ou uma roupa de unicórnio?
-Desculpe desiludir vocês. – Enid falou e olhamos para ela que estava abraçada em Carl. – Mas não é isso que procuramos.
-Ta ouvindo isso? – Johnny perguntou e Enid o olhou confusa.
-O que?
-O barulho do foda-se.
-Toma cadela. – Eu gritei e eu, Kehlani e Johnny começamos a dançar.
 -Você me chamou do que?
-Cadela. – Repeti e voltamos a dançar.
-Olha aqui garota. – Enid falou se levantando e Kehlani parou em sua frente.
-Olha aqui o caralho, se você encostar-se a ela você morre.
-Orras. – Johnny gritou e começamos a rir.
-Quietinhos ai. – Enid falou e eu e Johnny nos entreolhamos
-Olha aqui tua palhaça do caralho. – Falei e ela me olhou. – Se você não ficar quietinha eu te ajudando te dando um tapa na cara.
-Ridícula. – Johnny começou a cantar e eu e Kehlani o acompanhamos. – A Enid é ridícula.
-Bochechão. – Kehlani gritou e começamos a rir.
-Se colocar bolinha de gude na boca dela nem vai fazer diferença. – Johnny falou e começamos a rir enquanto todos seguravam o riso.
-Pode colocar uma bola de boliche que nem da pra notar. – Falei e todos começaram a rir.
-Parece esquilo guardando noz pro inverno. – Kehlani falou entre os risos e Enid começou a chorar.
-Ela parece uma bolacha. – Nos três falamos juntos e Enid chorava mais e mais.
-Querem parar? – Carl perguntou nervoso e reviramos os olhos.
-Carlminha.
-Carlminha é o meu pau.
-Mostra ai então. – O desafiei e o mesmo corou de vergonha.
-Ela é muito safadona ela. – Johnny gritou e olhei para ele.
-Eu mesma, ousada Mello. – Falei jogando meu cabelo e começamos a rir.

Horas depois...

-É aqui? – Nos três perguntamos ao Tio Rick e o mesmo confirmou com a cabeça.
-Pensei que seria um shopping ou... Sei lá. – Johnny falou enquanto fazia gestos.
-Não é querendo desiludir vocês, mas estamos em um apocalipse! – Sasha falou e reviramos os olhos.
-Para de drama gente, tudo isso vai acabar um dia com fiem em minha palavra de...
-De?
-De Johnny.
-Ok, vamos logo. - Rick falou sem paciência e entramos na loja de roupas.
-Menina, se prepara que o cartão vai estourar. – Johnny falou enquanto entravamos na loja.
-Se prepara que o meu nem tem limite. – Falei jogando o cabelo e Rick começou a falar.
-Peguem o máximo de roupa que poder, e não se esqueçam dos outros. – Rick nos avisou e começamos a procurar.

Depois de algum tempo, terminamos tudo e quando saímos da loja alguns homens rodeavam nosso carro e apontamos nossas armas para eles.
-Parece que o carro tem dono. – Um dos homens falou sorrindo.
-Saiam de perto do carro. – Rick falou serio e o homem começou a rir.
-Fique calmo, só vam... – Antes de o homem terminar de falar ouvimos um gritou de dentro do carro. – Esperem um pouco. – O homem tirou uma mulher do carro e jogou no chão enquanto ela chorava, eu a conhecia, espera, é a minha...
-Mãe? – Chamei e Johnny olhou para mim.
-Tia Megan? – Ele perguntou confuso e o homem nos olhou confuso.
-Ela é sua mãe? – Ele perguntou e concordei com a cabeça. – É o seguinte. Já que ela é filha dessa bela moça aqui, se não derem o carro ou um de vocês... Ela morre. – O homem destravou a arma e colocou na cabeça de Megan. – Vocês têm cinco segundos. Um.
-Não iremos fazer isso. – Rick falou.
-Dois.
-Tio Rick, por favor. – Perguntei com lagrimas nos olhos.
-Três.
-Afrodite, eu não posso.
-Quatro.
-Por favor. – Senti uma lagrima cair e Rick negou com a cabeça.
-Cin...
-Eu vou. – Enid falou interrompendo o homem e todos a olharam.
-Enid... Não. – Carl falou com sua arma ainda apontada e Enid olhou para ele.
-Vai ficar tudo bem. – Ela falou e eles se beijaram. – Adeus.
-Adeus. – Carl falou segurando o choro e Enid andou até eles.
-Vamos. – Ela falou e eles foram para o carro sem falar nada.
-Mãe. – Gritei e corri até a mesma e a soltei das cordas em seguida.
-Afrodite. – Ela falou chorando e a abracei.
-Vai ficar tudo bem. – Falei a abraçando e beijei sua bochecha. – Eu te amo tanto.
-Eu também te amo princesa. – Ela falou sorrindo e a ajudei se levantar.
-Tia Megan. - Johnny gritou e a abraçou.
-Está bem querido?
-Sim. – Ele falou sorrindo e ela olhou para o grupo.
-Quem são eles? – Ela perguntou baixo.
-Nosso grupo, vem os conhecer. – Eu a levei até o grupo e todos a olharam.
-Gente, essa é a minha mãe, Marie. – Falei sorrindo e Rick estendeu a mão para ela.
-Sou Rick, líder do grupo.
-Megan. – Ela gritou e bateu na mão do Rick. (capa do capitulo).
-Vamos? – Perguntei animada e Rick concordou com a cabeça enquanto ria. Corremos para o trailer e logo ele começou a andar.

Em Alexandria...

-Vão levá-la para a tia Deanna? – Perguntou curiosa e Rick concordou com a cabeça. – Qualquer coisa em casa fazendo porra nenhuma.
-Eu preciso comer. – Gritei a ultima palavra e peguei um entalado qualquer que estava no armário da cozinha. – Isso ta muito bom.
-Cheguei. – Minha mãe gritou enquanto entrava em casa e veio para a cozinha. – Caralho, isso aqui é muito foda.
-Mãe, onde você estava nesse tempo todo?
-Eu conheci um cara, mas ele morreu ai eu fiquei perdida e parei com aqueles merdas.
-Hum. – Falei pensativa e comi o resto do meu enlatado.

...

Depois de tomar banho, fechei minhas cortinas, fechei a porta, apaguei as luzes e deitei em minha cama em cobrindo até o pescoço.
Como não estava com muito sono eu me lembrei de um dia, ou melhor... Do dia!

Cinco anos atrás...

-Venham crianças. – Minha mãe gritou de dentro da cabana e corremos para a mesma.
-Mamãe, papai. – Johnny gritou animado e abraçou seus pais, e eu apenas abracei minha mãe, pois ela sempre foi mãe solteira. – Vamos brincar agora e...
-Fiquem calmas crianças! – Tio Jake, pai de Johnny, falou nos acalmando quando alguns dos monstros tentavam invadir nossa cabana, nossos pais nos colocaram no armário e trancamos o mesmo.
-Eu to com medo, Jujuba. – Johnny falou chorando e o abracei.
-Vai ficar tudo bem, ursinho. – Falei o abraçando enquanto víamos tudo por uma brecha da porta que não fechava por nada.
-Mamãe, cuidado! – Johnny gritou quando via um zombie indo morder sua mão que estava distraída e logo foi mordida. – Mamãe.
-Shi. – Falei enquanto o abraçava mais forte e achei uma pistola isolada dentro daquele armário, depois de muito tempo tentando destravá-la, eu consegui, e a apontei para os monstros que batiam em nossa porta. – Seja o que for. – Falei para eu mesma, e comecei a atirar-nos que havia até sobrar mais nenhum. Depois de destrancar a porta, nós dois saímos do armário e não havia nada além dos corpos dos monstros.
-Mamãe? – A chamei, mas ela não me respondeu, senti meus olhos se encherem de lágrimas e Johnny me abraçou. – O que vamos fazer ursinho?
-Iremos ficar juntos, e iremos fazer tudo um pelo outro. – Johnny falou me confortando em seus braços e me apertou mais forte. – Eu te amo Afrodite.
-Eu te amo mais Johnny.

Dias atuais...

No outro dia...


Acordei assustada, pois sonhei que estava caindo, e me levantei logo. Depois de me arrumar, fui para a cozinha e apenas minha mãe estava lá.
-Bom dia.
-Bom dia filha, tem um menino querendo falar com você.
-Menino? – Perguntei confusa enquanto pegava uma maçã.
-Sim, ele está na varanda te esperando. – Apenas concordei e fui para a mesma.
-Carl? – Perguntei assustada e o mesmo olhou para mim.
-Precisamos conversar.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...