História Garota do capuz vermelho (Bubbline) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hora de Aventura
Personagens Beemo "BMO", Cake, Canelinha, Finn, Fionna, Hudson Abadder, Jake, Lady Íris, Litch, Marceline, Marshall Lee, Mordomo Menta, Princesa Caroço, Princesa De Fogo, Princesa Jujuba, Principe Chiclete, Rainha Gelada, Rei Gelado
Tags Bubbline, Colegial, Cotidiano, Drama, Escolar, Fiolee, Gunlee, Hentai, Hot, Jake, Lady Iris, Marcenna, Marshall Lee, Romance, Yaoi, Yuri
Exibições 189
Palavras 3.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Obrigado pelos favoritos, são quase 70 <3 amo todos vocês, principalmente os que comentam <3
Um capítulo feito com muito carinho pra vocês, espero que gostem.
Não fiquem putos com os fatos que acontecem tá? Cada acontecimento serve pra dar início a outro.
Um pouco do ponto de vista da Marcy, ela ficou na bad com isso.
Exatamente 3000 palavras '-' nem se quisesse conseguiria kkkk
Boa leitura a todos.

Capítulo 6 - Coração Partido


 

Íris parecia nem ter acreditado quando contei o que houve. Achei que minha amiga ia me dar a razão, mas não ocorreu. Ela apenas me mandou pensar na situação e analisar como essa nossa briga boba não tem nexo. Afinal, ela diz que nos amamos. Não acreditei nela, apenas senti um pouco de culpa por minhas atitudes. Daqui pra frente as coisas irão melhorar.  

 

Cheguei em meu quarto entre lágrimas. Marshall estava jogando meu antigo game boy, eu dei pra ele de aniversário, pois ele adorava tal aparelho. Quando me ouviu entrar, o garoto nem tirou os olhos da tela.  

-Finalmente voltou Marcy.- comentou.  

Olhei em cima da minha cama, Fionna estava sentada nela. Franzi a testa.  

-O que ela faz aqui?- tentei demonstrar calma, até sequei minhas lágrimas.  

-Ela disse que queria falar com você. Disse que não estava, aí ela disse que ia esperar.- a voz dele soou atrapalhada, com certeza só ligava pro jogo.  

-O que quer?- Minha voz saiu mais grossa que o esperado.  

-Desculpa invadir seu quarto assim amiga. Olha.. Você não parece bem, o que aconteceu?- abriu os braços para me fazer desabafar.  

Por mais que as vezes eu brigava com ela por causa desse fogo no rabo e uma atração doentia por mim, éramos boas amigas. Sabíamos alguns segredos uma da outra e desabafamos as vezes. Faziam dois anos que nos conhecemos e até que nos demos bem. Ela era ótima com conselhos. Advinha como viramos amigas? Sim o Finn, irmão dela, nos apresentou, ficamos conversando até que vimos ter muito em comum. Ela sempre deu em cima de mim, mas nunca dei corda por ela fazer isso com muita gente. Nem sei por que topei ficar com ela, talvez só por ser gostosa mesmo.. Mas agora ela me quer mais que nunca.  

Sentei ao lado dela abraçando a mesma. Pousei o rosto ao pescoço dela deixando algumas lágrimas escorrerem. Éramos bem sacanas uma com a outra, mas nesse momento sabia que não brincaria com isso.  

-Marshall vaza, as meninas precisam conversar.-  O tom de voz dela era amedrontador. 

Ouvi o garoto correr pra fora do quarto, acho que iria ficar trancado no banheiro do corredor. Além dos quartos, também havia um lá. Posso não ser muito mandona, mas não deixava ele usar o banheiro do quarto, sempre desleixado, deixando a tampa levantada, isso me irritava. Não era das mais organizadas, mas pelo menos o banheiro tinha que estar nos trinques.  

-Me conta Marcy. O que te abala agora? É seu pai novamente?- passou a mão em meus cabelos.  

-Não. Tô evitando de pensar nele.. Dessa vez foi meu coração partido..- meu choro se tornou mais intenso, aonde a garota fez um “shh” com a boca tentando me acalmar.  

-Marcy, o que houve com você? Não se apega as pessoas fácil. É a Jujuba né? Vi o jeito que olha pra aquela nerd.- resmungou.  

-É sim.. Mas ela me decepcionou, parecia estar gostando de mim... Até que quebrou meu baixo. Posso ter deixado ela confusa e feito ela sofrer, sem intenção, mas não esperava isso dela.- ergui o rosto tentando conter as lágrimas 

-Ahh Marcy. Não fica assim gata. Foi pisada ela quebrar seu baixo, sei o quanto vale pra ti. Posso te comprar um novo, mas tem que esquecer essa garota que te faz mal.- O sorriso dela era cativante, tratei de sorrir também.  

-Obrigado Fionna. Mesmo que não seja a mesma coisa, e ainda que eu queira muito. Não posso aceitar.- usei as mãos para secar as lágrimas  

-Por que?-  

-Se Lich descobrir vai achar que tô enrolando ele e não quero pagar.- suspirei 

-Quem é Lich?-  

-Ahhh espera.. Achei que tivesse arrancando sobre minha dívida do Marshall.- 

-Ele disse que você deve pra um cara, só.-  

-E esse cara se chama Lich, só.- sorri, isso foi a única coisa que não contava para ela, era algo muito pessoal, segredo meu e do Marshall.  

-Por que nunca me conta sobre ele?-  

-Já disse, é um segredo que envolve outra pessoa, não posso contar segredo dos outros.-  

-Certo.- bufou.  

-Como estão as notas?- deitei na cama me esticando.  

-O suficiente pra não reprovar. Já tem planos pra Natal?-  

-Parece que vou conhecer aqueles patentes chatos que nunca vi. Papai vai me levar pro Canadá, um dos meus primos por parte de mãe mora lá. Vão fazer um jantar. Acho que por parte de pai só tenho ele mesmo.- caçoei irônica  

-Ahh vem lá em casa. Vai ter uma ceia. O Finn convidou o BMO e o Jake, que vai levar a Íris.- convidou.  

-Não sei.. No último natal você ficou bêbada, queria me beijar a qualquer custo, foi engraçado.- Dessa vez ri. -Mas não gostei nenhum pouco.-  

-Devia ter bebido também.- zoou.  

-Pra você abusar de mim? Não, estou de boa sã.- ambas soltamos uma risada.  

-Sério Marcy, vamos junto.-  

-Vou pensar. Acho que devia tentar passar um tempo com meu pai, sabe, mal nos falamos, ele parece meio triste. Não sei explicar.- Estava pensativa  

-Devia conversar com ele. Domingo ele estava em casa?- 

-Sim, apenas nos desejamos boa noite e fui enquanto ele via filme.-  

-Acho que precisam conversar mesmo.- deitou ao meu lado deixando a cabeça erguida pra me ver. -Marcy...- cantarolou meu nome.  

-O que quer?- disse sem ânimo.  

-Você.- mordeu o lábio inferior.  

-Fionna sua tarada, não tô a fim nem de respirar.- meu olhar depressivo era predominante  

-Mas posso te animar um pouquinho.- zoou com um sorriso perverso.  

-Não quero ver seus peitos, só quero esquecer o que houve.- retruquei.  

-Então vai ter que fazer uma queda de braço comigo.- um gentil sorriso agora tomou conta. Finalmente percebeu que não ia rolar.  

-Pufhh.. Vai perder feio.- deixei um sorriso tomar conta e me sentei.  

-Quem perder tira a roupa.- Se levantou e correu para a escrivaninha.  

-Sem chance. Quem perder imita uma taturana.- zoei 

-Mas o que é isso?- riu imaginando o ser.  

-Não faço ideia.- ri também sentando em frente dela, aonde apoiei a canhota na mesa.  

-Marcy, sou desta.- reclamou. 

-Vai arregar?- tirei sarro dela 

-Claro que não.- apertou a minha mão, aonde iniciamos nossa “briguinha”  

-Covardia, você é ambidestra.- reclamou tentando mexer minha mãos, cujo não saia do lugar.  

-Covardia? Querida eu treinei muito pra ser boa com as duas mãos.- pisquei -Se é que me entendes.- ambas caímos em uma risada alta.  

Só pra fazer ela cansar, eu não a venci, deixei a loira fazer força pra tentar derrubar meu braço.  

-Os dois machos vão continuar com essa brincadeira boba?- Marshall tomou coragem pra entrar ao quarto, enquanto ria ao nos ver.  

-A garotinha vai querer participar ou tem medo de quebrar a unha?- zoei 

-Sou metrossexual e não garotinha.- resmungou.  

-Qual a diferença? – a loira riu junto comigo.  

-Eu apenas me cuido, não sou gay.- Ele se deitou na cama própria.  

-Sou mais macho que você.- finalmente derrubei o braço dela, soltando um urro vitorioso.  

-Nada a ver. Você não tem pinto.-  

-Mas tenho dedos.- O garoto ficou corado enquanto eu e Fionna rimos.  

-A Marcy tem pegada. Minha nossa... Fico até molhadinha de pensar.- mordeu o lábio inferior.  

-Não pedi sua opinião.- reclamei socando o ombro dela.  

Fionna me encarou de cara fechada, as vezes saíamos na porrada, era cada briga feia. Finn e Jake sempre nos separavam, mas nem sempre conseguiam.  

-Se ficasse comigo ia ver o que é pegada.- soltou Marshall com um sorriso.  

Ele quebrou o clima pesado que ficou entre nós duas. Fionna o olhou indo até ele.  

-Tem pegada é?- sorriu maliciosamente.  

-Te mostro.- puxou ela para cima da cama, descolando alguns beijos nela.  

-Eu que ensinei.- resmunguei indo até minha cama. -Marshall geme baixo.- zoei pegando meu celular desbloqueando a tela, procurava alguma música pra ouvir.

O garoto estava sem jeito, sabia da paixão que ele tinha pela Fionna, portanto, finalmente ele teve sua chance. Até que me senti feliz por eles, talvez assim ela deixava de me perseguir.  

Coloquei música bem alta, peguei umas roupas no guarda roupa e fui até o banheiro. Acho que eles nem ligaram pra música. Enquanto a banheira enchia, aproveitei pra me despir, enquanto arriscava alguns passos da letra. Adorava ouvir uma mistura de rock clássico e algumas músicas antigas, portanto sempre deixava no aleatório. Em alguns momentos até ouvia heavy metal pra acordar.  

Finalmente a banheira estava cheia. Chequei se a porta estava chaveada e realmente estava. Fiz um coque nos cabelos entrando na banheira. O volume estava ótimo, deixei o celular em cima da pia, até dublei uma frase da música que tocava.

Fechei meus olhos relaxando em meio a água quente da banheira. Me senti tão confortável, parecia nas nuvens. O cheiro de própolis sabonete dava pra sentir ao longe. Era como se literalmente eu passasse mel ao corpo, mesmo que não fosse exatamente mel ou feito dele.  

Deixei a música embainhar meus pensamentos. Uma imagem de certa garota de cabelos rosados vinha na minha mente. Como conseguia ainda pensar em quem me fez tanto mal? Sentia um pouco de dor no corpo, aquelas porradas me causaram certo dano. Distraidamente passei a língua ao ferimento quase cicatrizado, feito pela Jujuba.  

A música estava tão alta que nem ouvi a porta ser destrancada. A música parou repentinamente, portanto abri os olhos vendo Fionna dentro do banheiro, com um sorriso perverso aos lábios. Pelo jeito ela desligou a música.

-A porta estava trancada.- reclamei me encolhendo na banheira, sorte que tinha espuma pois não queria ela me olhando.  

-Tem uma chave extra na chave do quarto. Andei analisando.- O olhar perverso dela estava na água, como se quisesse ver meu corpo.  

-Pensei que estivesse ocupada dando pro Marshall.-  

-Nunca dei pra ele. Fica tão tímido comigo, é fofo.. Mas não.. Não to a fim de dar pra ele. Quero dar pra ti.- começou a tirar a blusa lentamente, rebolando em minha frente.  

-Já disse que não tô animada.- olhei para o lado corada. Como adoraria ficar olhando ela e babando, mas não ia cair na dela, sei que queria se aproveitar de mim.  

-Eu te deixo animada. Olha pra mim.- a voz sensual dela me chamava.  

Respirei fundo, olhei em direção a ela, estava de roupas íntimas, mas que corpo! Mordi meu lábio inferior. Pegou minhas roupas e colocou em cima da pia, sentou no bacio me chamando com o indicador.  

-Venha Marcy, estou toda molhadinha te esperando.- passou a língua aos lábios levando as mãos até as costas para abrir o sutiã.  

Me levantei da banheira, a espuma escorria por meu corpo, nem liguei da água pingar ao chão quando sai. A garota me conhecia bem, sabe que não consigo resistir a um corpinho bonito, a não ser que esteja apaixonada, aí a situação muda. Nesse caso estava de coração partido, quem mal faria?  

Notei ela morder o lábio inferior ao me ver nua. Meu corpo atlético tinha uma forma bem definida, pequenas curvas no meu abdome lembravam alguns gominhos.  

-Que lisinha hein Marcy! É mais gostosa nua.- jogou o sutiã em mim, aqueles seios avantajados dela eram tão sedutores quanto sua voz.  

-Não posso dizer o mesmo de você. Fica mais gostosa quieta.- zoei tomando seus lábios para que não responda.  

De longe que nossos beijos tinham um pingo de carinho. Pelo contrário, apenas tinha desejo e luxúria. Nossas línguas se entrelaçaram de maneira brusca, como se brigassem por espaço. Era algum tipo de guerra interna.  

Levei minha mão ao seio dela, aproveitando para apalpar enquanto roçava a palma no mamilo endurecido dela. Ouvi um gemido entre meus lábios traçando uma mordida na língua dela.  

Provoquei a garota levando a outra mão dentro da calcinha dela. Umedeci meu dedo em sua intimidade espalhando por entre seus lábios. Agoniada ela apertava meus ombros, estava doidinha para que eu fizesse logo, mas não queria.  

Afastei meus lábios dos dela, direcionei meu rosto até o seio da garota. Dei alguns beijos ao lugar e após envolvi meus lábios no mamilo dela. Lentamente chupei o mencionado. Enquanto isso fiquei contornando o orifício vaginal dela, fazendo provocadores movimentos circulares, ameaçando penetra-la.  

-M-Marcy... Pare com isso.. Mete logo..- reclamou gemendo, aquela sacana enfiou as unhas nos meus ombros.  

Dei uma leve mordida ao mamilo dela, que gritou.  

-Puta.. Pare desgraça.. Mete logo.-  

Soltei uma risada afastando os lábios dos mamilos dela.  

-Não vou.- tirei a mão da calcinha dela, levando o dedo umedecidos até os lábios da mesma.  

-Vai me deixar no tesão?- mordeu o lábio inferior  

-Te avisei que não estava com vontade.- retruquei.  

-Sério Marcy, aí aquieto esse fogo.. Vai logo.- passou a língua aos lábios de maneira sensual. -Faz aquele oral que fez a Caroço pirar. Lembra quando ficou com ela?-  

-Com uma condição.-  

-Qualquer coisa querida.- sorriu perversamente.  

-Vai se vestir de menino amanhã na aula.- ri.  

-Sério, não. Acaba com minha reputação.- reclamou.  

-Fica no tesão então.- levei o pé pra dentro da banheira, iria continuar o banho.  

-Tá bom eu me visto.. Só me chupa logo, tô morrendo de tesão aqui.- abriu as penas enquanto me observa.  

-Fechado. Promessa é dívida.- reforcei tornando a ficar na frente dela, aonde me ajoelhei.  

-Gosta de chupar uma...- interrompi ela com um tapão na coxa, ficou uma grande marca vermelha, acho que a deixei sem palavras.  

Tirei a calcinha dela lentamente, olhando a cara dela de desesperada, soltei uma risada apoiando as mãos nas coxas da mesma e apalpando o lugar. Aproximei meu rosto da intimidade dela, fui bem lenta, só pra ver a careta zoada implorando por ser logo.  

Passei a língua pelos lábios dela, estavam entreabertos, aonde senti a garota estremecer. Agora passei a ponta no clitóris dela, fazendo movimentos circulares apenas pra provocá-la, era tão divertido o som agonizado do gemido dela.  

-Porra Marcy.. Chupa logo.. – Gritou me dando um tapa nas costas, suas mãos foram ao encontro de meus cabelos.  

Finalmente decidi envolver os lábios no clitóris dela para chupa-lo. Sinceramente, o grau de excitação dela me impressiona, mal provoquei e já estava toda encharcada me desejando.  

Os gemidos ela foram mais altos que esperava, mas continuei chupando, até mordi levemente o clitóris dela pra quebrar um pouco o prazer com dor. Sim era bem sacana, mas adorava misturar essas duas coisas. Fionna ficava louca com isso.   

Ela puxava meus cabelos, gemia meu nome, até entrelaçou as pernas ao meu redor. O corpo dela suava e tremia. Senti o corpo dela ser jogado para trás, enquanto a mesma se entregou pra mim em um profundo orgasmo.  

Sabia exatamente o melhor jeito de chupar. E tinha o melhor jeito, era de uma forma que proporciona mais prazer, não é apenas ficar chupando, mas usar a língua também ajudava.  

Me levantei passando a língua nos lábios. A garota arfante me olhou sorrindo. Me virei indo até a banheira, pegando a esponja pra continuar meu banho. A outra entro na banheira comigo e ficou me olhando.  

-Chega Fionna, já te chupei.- franzi a testa.  

-Foi tão gostoso Marcy. Não quer lavar meu corpinho suado.- fez um coque nos cabelos.  

-Eca... Que nojinho.- zoei passando a esponja em mim.  

-Sua pirralha.- riu jogando água na minha cara.  

-Quem é você pra julgar minha idade mental? Sua Fionno- ri mais alto. 

-Fionno?-  

-Fionna macho, só quero ver amanhã.- ri 

-Mas Marcy..-interrompi  

-Sem mas. É isso ou vou ficar brava contigo. Ainda mais depois daquele dinheiro falso.- joguei água na cara dela.  

-Tola. Te paguei depois.- riu.  

-Mas não pagou o mico que passei, trouxa.- passava agora sabonete no meu corpo, enquanto dei a esponja pra ela lavar minhas costas, virando de costas pra mesma.  

Esfregou minhas costas. Olhei pra água pensativa, senti a garota jogar água em minhas costas pra tirar a espuma. Agora ela me abraçou pelas costas dando um beijo na minha bochecha.  

-Ai, ai Marcy. Podíamos ficar juntas né?- o tom de voz dela era gentil.

-Não sei Fionna. Nunca te vi em relacionamentos.. Só consigo ver você como amiga, não quero machucar, apenas quero evitar que nos ferirmos.- disse baixo.  

-Marcy, deve estar confusa, eu gosto de ti. Tenho certeza que também sente algo. E quando transamos? Acho que não rola só desejo sabe.- envolveu os braços ao redor de minha cintura enquanto me abraça.  

-Olha Fionna, não sei. Gosto de ti como amiga.. Não quero estragar a amizade. -

-Não vai. Vamos ser lindas namoradas.- puxou meu rosto para o lado, assim conseguia me beijar, porém desviei o rosto.  

-Não sei não Fionna. Acho que estou confusa.- 

-Marcy.. Ainda está pensando naquela puta que machucou seu coração?- disse grossa.  

-Não...- corei. -Claro que não.. Só.. Não sei.. Talvez estivesse gostando dela e.. BAM.. Meu coração se partiu sabe.- abaixei a cabeça.  

-Sua louca. Sabe que ela não se importa contigo né? Eu sim, te amo.- agora foi ela que corou. Me virei na banheira ficando de frente pra ela.  

-Me importo contigo também.- levei as mãos no rosto dela. -Mas não precisa esfregar na minha cara que ela não me quer.- franzi a testa, a empurrei e me levantei. -Vou dormir, é a melhor coisa que faço.-  

-Mas Marcy... Também me ama, só está confusa.- também se levantou 

-Confusa ou não, eu não irei namorar sem antes ter certeza do que sinto.- sai da banheira e me sequei.  

-Vou provar que gosta de mim tá? Aí podemos ficar juntas.- sorriu enquanto dei a tolha pra ela, agora me vestia.  

Sai do banheiro com ela em meu calcanhar, estava toda boba. Meu traje de dormir era uma blusa bem larga e um short curto, que sumia na blusa. Me acompanhou até minha cama.  

-Vou dormir contigo meu bem.- disse sorridente.  

-Olha.. Estou em um momento delicado, por favor, me deixa sozinha, preciso ficar a sós.- a garota assentiu, acenou em despedida e saiu pela janela.  

Claro que ela não ia vir aqui sem ser escondida. Lembrei de ter deixado o celular no banheiro, então voltei pra pegar. Marshall já estava dormindo pro meu alívio, acho que ficaria triste se soubesse da Fionna se confessando pra mim.  

 


Notas Finais


Agradeço por lerem.
Deixam seus comentários me xingando ou não :v
Marcy e Fionna são boas amigas... mas sinto cheiro de treta :v hue
Agora Fionna quer provar que Marcy a ama, mas o que ela p... digo.. louca pretende? Só veremos no próximo capítulo ;)
Marcenna melhor casal ~~<3 -corre-


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...