História A Garota do Traficante - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Justin Bieber, Xenia Deli
Visualizações 804
Palavras 1.961
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Festa, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá olá ♡

Desde já desculpem os erros.

Eu estava agora desde às 15h00 escrevendo o capítulo. O pessoal que escreve pelo celular deve saber que quando você fecha a guia do aplicativo, e depois volta tudo o que você escreveu fica salvo. Eu meio que tava fazendo isso toda vez que precisava dar uma parada, e justo agora que eu estava no final, no fimzinho de escrever, fechei a guia pra ir no banheiro e quando volto tudo o que eu escrevi sumiu ;-;
Bom, eu ia ficar nervosa, largar longe o celular mais eu lembrei que faço isso porque eu gosto, então lá vou eu de escrever tudo de novo. Sorte que eu lembro das coisas rsrsrsrsrsrrs

●Playlist da história nas notas finais ♡ ●

Capítulo 8 - My life for yours


POV. Sienna 

Depois de perguntar algumas vezes Jessica enfim me disse seu nome. Não entendi o porque dela ter sigo grosseira comigo, mas nem por isso retribui. Acho melhor nesses momentos mostrar a pessoa que você é uma pessoa legal do que agir da mesma forma, então vou dar a ela motivos de gostar de mim do que de me odiar.

Arrumei todas as coisas que ela me deu e as guardei no guarda-roupas e na cômoda, algumas que não couberam deixei nas sacolas ao lado da cômoda. De minhas roupas novas vesti uma saia justa preta, um novo par de vans preto e um colete jeans fechado, que ficou super bem só dessa forma.

Sai do quarto e fui até a sala da casa dos funcionários, encontrei um bilhete na bancada assinado por Josephine.

"Sienna,

Eu e Leonard fomos pra casa passar o fim de semana com Grace. Preciso pegar no pé dela com os estudos. Sinto muito por deixarmos você sozinha, no próximo a trazemos pra casa com você. 

Beijo, Jose."

Sorri com o bilhetinho fofo e o guardei no bolso do colete. Sai da casa de funcionários indo até a mansão. Ia pedir pra Bieber se podia sair pra dar uma volta, acho que desde que eu o obedecesse e seguisse suas ordens, eu podia ter uma vida normal. Estava sem identidade, sem um tostão e sem saber onde ir, mas deveria ser melhor do que ficar sem fazer nada um fim de semana inteiro.

Abri a grande porta de vidro dos fundos que dava até a piscina e passei pela sala principal, indo até o corredor em direção ao escritório de Bieber. Cheguei na pequena sala e ouvi uma sequência de vidros quebrarem, até os vidros da janela e porta do hall se estilhaçarem e eu correr de volta pra sala, quando vi que os vidros de lá também estavam se estourando fui puxada pela cintura contra o corpo de Justin, que se abaixava comigo até a pequena sala entre sua sala e o hall. Ele colocou meu corpo contra a parede entre uma grande estante de livros e um enorme relógio de pêndulo. Afundei meu rosto com os olhos fechados em sua camisa enquanto a agarrava com as mãos. Mais alguns segundos e os tiros se cessaram.

Justin gemeu em meu ouvido e olhei espantada pro seu rosto que se contorcia. Me afastei um pouco de seu corpo que se mantia colado ao meu e vi a grande mancha vermelha em sua camisa social branca, na região do quadril.

— Meu Deus. - comecei a entrar em pânico quando ele perdeu a força sobre mim que ainda segurava minha cintura. — Ainda não não não não não! Não morre agora! Não morre em cima de mim!

— Eu...Não vou morrer.....

Tirei seu braço que segurava minha cintura com força e passei pelos meus ombros, com um pouco de esforço ele conseguiu se levantar de novo e caminhei com ele até a pequena sala em frente ao seu escritório, o coloquei sentado sobre o sofá e ele me puxou junto, fazendo meus braços caírem entre suas pernas. Me assustei e o olhei assustada.

— Tem que tirar a bala. - ele disse tirando a camisa.

— O-o que? Eu? Não! Vou pedir que chamem um médico pra você! - me afastei dele pra chamar alguém quando ele me puxou pelo pulso.

— Não, Sienna! Agora! Tem que ser agora! - ele rosnou as palavras e olhei pro seu machucado, e depois pro seu abdômen coberto de tatuagens. Deus, como ele podia esconder tudo isso em baixo de camisa social de manga? Não que ele ficasse feio, ele só devia mostrar mais. Eu tô pensando mesmo nisso? Ele tá sangrando! — O que eu tenho que fazer? - Disse enfim, prendendo o cabelo no alto.

— Coloca o dedo.....até sentir as balas, e aí você puxa. - ele ofegar a e estava começando a suar e empalidecer. Comecei a tremer e coloque logo o dedo em seu machucado, que o fez dar um grito de dor e fechar os olhos. Sua angústia estava me deixando louca. A partir desse momento pessoas que trabalham com ferimentos e essas coisas ganharam meu respeito eterno. 

Ouvi passos apressados e vozes chamando por Justin. Quando Simon e Jessica apareceram eu já tinha tirado a primeira bala.

— O que ela tá fazendo?! Garota você enlouqueceu?! — Jessica veio de aproximar mas Simon a segurou.

— Deixa ela terminar. Vou pegar o kit de primeiros socorros. - Simon se afastou e tirei a segunda bala, que saiu meio de lado de seu quadril o fazendo gemer e contrair a barriga. Suspirei e passei as costas das mãos na testa. 

— Eu não acredito no que acabei de fazer. - olhei pras minhas mãos cheias de sangue.

— Você salvou a minha vida. - olhei pra ele que me olhava com uma expressão cansada. Desviei o olhar e segurei sua camisa e o ajudei a tirá-la, revelando seus braços fechados por tatuagens, com exceção do direito onde a parte de cima estava sem nenhuma. Dobrei a camisa e coloquei sobre o machucado.

— Vou pegar água quente pra limpar isso. - Jessica saiu nos deixando sozinhos, fazendo seu salto bater nos pedaços de vidro no chão.

— Porque desceu no meio de balas? - olhei pra ele. — Podia ter acertado sua cabeça e você iria morrer.

— Se eu não viesse, você que iria morrer. E nenhum dos meus fica em perigo. - ele continuava olhando pra mim. Sorri pra ele.

— Obrigada, Justin. Vou aprender a parar de atrair balas. - Disse e foi a vez dele de sorrir.

Minha vida pela sua. - ele disse e o olhei espantada, ele olhava pro corredor no momento em que Simon apareceu seguido por Jessica, com uma panela com água quente e toalhas.

— Certo, vamos ver isso. - ele tirou a camisa no lugar em que coloquei e Jessica se aproximou. Sai do lado de Justin dando espaço pra ela e Simon cuidarem do machucado. 

"Minha vida pela sua." 

— Vou...lavar as mãos. - sai rapidamente abrindo as portas que eu encontrava até achar um banheiro e entrar. Abri a torneira e fiquei olhando seu sangue sair de minhas mãos e cantos das unhas. Minha vida pela sua. Por quê ele disse isso? Ele disse mesmo isso? É por que se importa se eu morresse? Ele é podre de rico, não precisa das minhas esmolas. Aproveitei e joguei uma água no rosto que notei estar quente. Me olhei no espelho e vi meu rosto vermelho. Depois de me encarar por alguns segundos me dei conta do porquê fiquei corada. O abdômen dele. Seus músculos bem marcados. Suas tatuagens. Qual seria seus significados? Ele as teriam um? 

Me dei conta das coisas que passavam em minha cabeça e joguei água no rosto de novo. Eu precisa cair na real.

— Vai se afogar assim. - me assustei quase arrancando a torneira de bronze. Olhei e vi Justin no batente da porta com uma gase no quadril e o peito ainda exposto, mas agora ele tinha uma nova camisa social sorrindo os braços de botões abertos preta. Deus, pra que isso?

Ele entrou no banheiro e abriu o armário que tinha ao lado do espelho, pegou algodão e álcool, começando a passar nos cortes da testa.

— Admirando? 

— Me perguntando.

— O que? - ele olhou pra mim. Peguei o algodão de sua mão e comecei a passar no corte rente sua sobrancelha. 

— Porque se arriscaria pela minha vida. - desviei o olhar de seu corte para seus olhos castanhos mel. Ele era inteiramente uma tentação. O próprio pecado. 

Seus olhos se mantiveram nos meus até ele desviar pra minha boca. Tomou o algodão de minha mão e depositou sobre o meu lábio que senti arder. Como o machuquei? 

— Você é um dos meus agora. Já disse, minha vida pela de vocês.

— Não pareceu ser isso o que você disse. 

— Então você ouviu errado. - ele tirou o algodão e olhou nos meus olhos. — Pegue roupas pra uma semana. Vamos sair daqui. - ele jogou fora o algodão e saiu do banheiro. 

Soltei o ar que nem reparei estar prendendo. 

Eu teria que manter a calma. Eu não poderia perder a sanidade. Não com ele.


POV. Justin 


Sai do banheiro vendo todas as coisas quebradas pelas balas e os pedaços de vidro no chão. Não tinha certeza de quem teria feito isso. Esse tipo de recadinho veio de alguém que quis com certeza chamar a minha atenção. E conseguiu, assim como a pessoa também iria conseguir uma bala na cabeça. Meu pessoal ficou exposto ao perigo da forma mais inesperada e isso mexia comigo mais do que minha casa estar destruída. 

Entrei em meu escritório e Jess e Simon estavam chutando os vidros pros cantos. 

— Não precisam fazer isso. Vamos sair daqui pra colocarem janelas a prova de balas. - fui pra trás de minha mesa abrindo a gaveta trancada por chave. Peguei minha arma dourada, e coloquei em minha cintura.

— Pra onde vamos? - Jess perguntou cruzando os braços e realçando os seios. 

Digamos que no momento que a conheci, a conheci de todas as formas. Mas agora não tínhamos mais nada além de meus pensamentos a imaginando em cima de mim de várias formas possíveis.

— Atlanta. - Simon disse e eu concordei. 

— Preciso ver como anda as coisas por lá e conferir o carregamento da semana que vem pra cá. Arrumem suas coisas e peçam pra Kellan e Logan voltarem o mais rápido possível.

Os dois saíram de minha sala e abri a porta da grande estante atrás da minha mesa. Peguei uma mala preta de pano e abri meu cofre, colocando dinheiro, mais uma arma e as coisas da minha gaveta. Identidades falsas e as verdadeiras dos outros, peguei a minha é a de Sienna em minha carteira e fiquei as olhando. As deixei em minha carteira e a coloquei em meu bolso. Sai da sala com a mala preta e vi Sienna parada em frente ao sofá em que eu estava minutos atrás com sua mochila em mãos. 

— Tem tudo o que precisa pra uma semana? 

— Acho que sim. E você? - perguntou apontando pra mala pequena em minha mão. 

— Tenho roupas na minha casa de Atlanta.

— Vamos sair do país? - percebi o entusiasmo em sua voz e me segurei pra não sorrir. Não podia, não ainda. 

— Vamos. - abri a porta da frente toda destruída enquanto fechava a camisa. 

Simon e Jessica já desciam com suas malas de tamanhos iguais. Como todos tinham coisas em Atlanta só levariam bagagem de mão. 

Fomos pra garagem e apertei o botão do lado de fora, torcendo para os carros estarem inteiros. Quando a porta subiu os três carros revelando intactos, suspirei aliviado e Simon se deitou sobre sua Maserati cinza. Logan e Kellan iriam encontrar conosco na minha pista particular e estavam com os seus.

— Amor, tá viva. Fiquei tão preocupado! - fez show e entrou no carro. Jessica riu e entrou em sua lamborghini vermelha e eu na minha preta. Olhei pra Sienna parada olhando para nós confusa. 

— Pode vir comigo Sienna.

Logan disse e ela sorriu indo na direção dele. Suspirei pesado fechando a porta do meu carro e sendo o primeiro a sair cantando pneu e ser seguido pelos outros. 

Meu celular tocou mostrando uma chamada de Logan em grupo. Atendi.

— Estamos aqui. Estão todos bem? - perguntou e eu quase não o ouviu com o som dos pneus e motores.

— Estamos vivos. No avião falamos. - desliguei e me concentrei na estrada.

Minha cabeça viajou por um momento. Para um banheiro. Pra um momento de aproximação. Pra uma par de olhos castanhos esverdeados que entraram em desespero ao me ver sangrando. Meus pensamentos viajaram até ela.


Notas Finais


Oh meu povo de Deus. Tá aí, um cap que espero ter dado mais de duas mil palavras.

Perdoem os erros!! Vou passar a escrever no computador a partir do próximo cap!

Sem avisos aqui hoje kkkkkkk

Playlist de GDT: http://www.youtube.com/playlist?list=PLHwQkwSG0CMoFUcDOBnjLm6qbpqYDIwdr

Até o próximo!

Meu tt: liaraspberry

Xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...