História Garota em chamas - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Channel: The Animation
Tags Akagami No Shirayuki-hime, Akame Ga Kill, Amnésia, Angel Beats!, Ano Natsu De Matteru, Ao Haru Ride, Ao No Exorcist, Artes Marciais, Aventura, Bakemonogatari, Bakuman, Bishoujo, Bishounen, Black Bird, Black Bullet, Black Rock Shooter, Bleach, Blood Lad, Blood+, Blood-c, Boku Kara Kimi Ga Kienai, Boku Ni Natta Watashi, Brothers Conflict, Btooom!, Bungou Stray Dogs, Charlotte (anime 2015), Clannad, Colegial, Comedia, Cosplay Complex, Crossover, Dakara Boku Wa, Dance In The Vampire Bund, Dance With Devils, Danganronpa: The Animation, Deadman Wonderland, Death Note, Dengeki Daisy, Dgray-man, Diabolik Lovers, Dn Angel, Drama (tragédia), Durarara, Ecchi, Ecchi Ga Dekinai, Escolar, Esporte, Fairy Tail, Família, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Cientifica, Free, Fullmetal Alchemist, Gakuen Alice, Gintama, Haikyuu, Hakushaku To Yousei, Harem, Hataraku Maou-sama, Hentai, Hiyokoi, Horimiya, Horror, Hunter X Hunter, Hyouka, Inazuma Eleven Super Onze, Inu X Boku Ss, Inuyasha, Inuyasha Kanketsu-hen, Itazura Na Kiss, Junjou Romantica, Kaichou Wa Maid-sama, Kamigami No Asobi, Kami-sama Hajimemashita, Kaze No Stigma, Kill La Kill, Kissxsis, K-on!, Kotoura-san, Koutetsu Tenshi Kurumi, Kuroko No Basuke, Kurookami, Kuroshitsuji, Kyoukai No Kanata, Last Game?, Lovely Complex, Luta, Mad Father, Magia, Mirai Nikki, Mistério, Namaikizakari, Nana, Naruto, Nijiiro Days (rainbow Days), No Game No Life, Noragami, Novela, One Piece, Pandora Hearts, Poesias, Pokémon, Policial, Romance, Romeo X Juliet, Rosario Vampire, Saga, Sankarea, School Days, Seikon No Qwaser, Seito Kaichou Ni Chuukoku, Shigatsu Wa Kimi No Uso, Shonen-ai, Shoujo Romântico, Shoujo-ai, Shounen, Sobrenatural, Soul Eater, Suki-tte Ii Na Yo, Suspense, Sword Art Online, Terror, The Walking Dead, Tokyo Ghoul, Toradora, True Love, Universo Alternativo, Vampire Knight, Violencia, Visual Novel, Vocaloid, Watashi Ni Xx Shinasai!, Yamada Tarou Monogatari, Yaoi, Yu-gi-oh!, Yuri
Exibições 33
Palavras 2.109
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Romance e Novela, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - Capítulo 10 (ESQUECER???)


Fanfic / Fanfiction Garota em chamas - Capítulo 10 - Capítulo 10 (ESQUECER???)

Kenny vivia falando para encontrarmos um barco que tudo se resolveria viveríamos no mar e vasculhávamos cidades a procura de suprimentos. A questão é: Aonde iremos encontrar um barco?? Ficamos dentro do trailer por um dia inteiro e incrível que a gasolina não acabou porque não paramos pra nada. Eu encontrei um baralho e fiquei apostando pequenas sementes com Ben e Ayo, só pra ter algo pra fazer. Ganhei deles em todas as cinco partidas, eles realmente não sabem jogar. Depois fiquei limpando e afiando Enraiha. Foi tão chato tudo isso....

Ficamos mais uma meia hora dentro do trailer até ele supostamente parar, no meio do nada.

-Kenny?- O chamo com uma pergunta e ele suspira pesadamente.

-Acabou a gasolina.

-Isso é bem ruim.- Lee diz calmo até demais.

Saímos rapidamente do trailer e ficamos andando até chegarmos em algo como um trem, fiquei observando, estava enferrujado e parecia não andar a muito tempo. Está quebrado.

-Ayo, Ben , eu e vocês vamos lá dentro, Lee e Kenny dão cobertura pode ser?- Pergunto, não dou ordens por aqui, só dou sugestões.

-Hai!

Entramos no trem, eu com minha catana, Ayo ao invés de seu arco e flecha ficou com uma pistola e Ben com o taco de beiseball que encontramos naquela fazenda. Ficamos observando cada vagão do trem procurando algo útil. Encontrei um bloco com anotações, provavelmente do receptor ou do maquinista . Guardei no bolso e continuei procurando alguma coisa. 

-O que faz sozinha aqui garotinha??- Tomei um susto! Espera ai!! Por que todo mundo me chama de garotinha??

-Quem é??- Pergunto me virando e vejo um cara velho, com barba meio longa e cabelos grisalhos. Ele usava uma blusa vermelha, uma calça preta e um colete. Segurava uma garrafa de Vodka meio vazia e na outra mão uma pistola.

-Sou Baku. É garota eu vi esse trem andar. Bons tempos. Pena que nunca mais vai sair do lugar.- Ele diz levando a garrafa até a boca e tomando um bom gole.- E então? Quem é você e o que faz sozinha aqui? Pelo que sei garotinhas devem ter garotos a protegendo.- Faço uma careta e dobro a sombrancelha.

-Não sou esse tipo de garota.- Foi só o que disse virando a cara de braços cruzados.- Ayano Kannagi.- Cedi e olho para ele.- 

-Um Kannagi An?- Ele diz terminando e tacando a garrafa pela janela.- Isso explica por quê está sozinha. É uma honra conhecer um dos descendentes de Scarlet.

-Certo....Não estou sozinha, meus amigos estão lá fora e meu irmão com outro deles.- Respondo meio confusa com ele.

-Entendo. Mas já vou avisando, nem para um Kannagi esse trem vai andar.

-Posso não conhecer de trens, mas farei esse andar.- Digo confiante.

-É bom ser otimista mas mesmo assim...- Ele dá de ombros.

-Onde é a sala de controle?- Pergunto um pouco impaciente.

-No final do corredor.- Ele diz sabendo que não se deve desafiar uma Kannagi e blá blá blá.

Vou até o vagão em que  Ayo e Ben estavam e os chamei, eles me seguiram e nos encontramos com Baku de novo, ele nos levou até lá e ficamos observando o lugar. Um walker, o maquinista, estava na cadeira com um cinto. E com uma barra de ferro enfiada em seu estômago. Ele estava tentando nos alcançar cm as mãos mas somente enfiei e puxei a catana de sua cabeça. Odeio ver como eles sofrem sendo o que são. Comecei a ler as anotações. Alguns desenhos e explicações sobre como o trem funciona. Puxei a alavanca e apertei os botões que estava pedindo no bloco. Puxei o freio e empurrei outra alavanca e o trem da a "partida".

-Consegui!- Exclamo orgulhosa de mim mesma.

-Isso!- Ayo e Ben comemoram.

Lee e Kenny pulam no trem rapidamente, e o mesmo começa a andar. Somente avistamos uma horda enorme, eu diria ser a maior que já vi, estavam famintos.Antes que eles chegassem aqui o trem sai do lugar e vai bem rápido. A maioria deles passaram por cima do trailer, derrubando o mesmo.  Ficamos um bom tempo dentro do trem enquanto Lee conversava com Baku. Kenny ficava a toa fazendo sei lá o que e nós três ficamos conversando sobre coisas aleatórias até uma mulher com um homem nas costas entra no trem meio desesperada mas mantendo uma pose de durona. Parecida comigo eu diria.

-Podem nos ajudar?- Ela pergunta direta.- Sou Mychone esse é Omith meu marido e ele está ferido. Não por um deles, ele fez uma ferida aberta na hora de fugirmos de uma horda em Mishtu e fugimos até aqui Nos ajudem.- Ela suplica novamente.

-Claro.- Digo e ia me aproximar mas Ayo segura meu pulso.- O que foi?

-Tem certeza?

-Tenho sim.- Digo e ele me solta. Vou até o All. Pego uma faca e corto um pouco da calça ensanguentada mostrando a ferida.  Não estava completamente  ruim e infeccionado, mas estava aberta e se não tratasse......- Ayo.- O chamo e ele vem até mim.- O que acha?- Pergunto.

-Hum....- Ele observa por um bom tempo.- Talvez se usasse as chamas purificadas....- Ele dá de ombros.

-É, talvez.- Faço um movimento com a mão e uma chama meio branca brilhante surge em minhas mãos, uma chama pura. Toco na ferida que vai cicatrizando com alguns poucos minutos. Depois de um tempo me afasto e a ferida já estava totalmente fechada.- Não é fácil usar essa chama.- Limpo algumas gotas de suor da minha testa.

-Arigatõ.- Omith diz se levantando.

-Muito obrigada.- Mychone agradece.

-Não foi nada.- Digo me levantando.

-Então nós já vamos, como vimos o trem já tem donos.- Eles se levantam sorrindo.

-Se quiserem podem ficar.- Lee diz estendendo a mão para eles.

-Obrigado mas realmente precisamos ir.- Omith diz.

-Tudo bem. Adeus.- Kenny diz num sorriso meio forçado.

-Thau.- Eles pulam o trem e correm para a mata.

-Acho que eles preferem se virar sozinhos.- Comento.

-Acho que o Baku também foi embora.- Ben diz.

Damos de ombros. Continuamos dentro do trem até avistarmos a cidade de Magnólia, pulamos do trem e caminhamos pela cidade, a procura de um supermercado ou qualquer coisa parecida. O sino da catedral tocou, vários Walkers vinham em nossa direção. Não é uma horda como aquela na hora do trem, mas mesmo assim são muitos mesmo. Corremos fugindo deles para um lugar seguro, mas haviam outros mais para dentro da cidade. Enraiha estava "recarregando" no mundo das armas e armaduras, só tenho uma pistola com algumas balas.

-Não atirem.- Aviso quando eles se prepararam para faze-lo.- Não vai adiantar, iremos gastar munição sendo que há vários deles, e quanto mais barulho mais atenção chamamos.

Entramos dentro de um beco e ficamos por um tempo lá até eles sumirem, mas um pulou do telhado e caiu em cima de Lee que rapidamente o joga contra a parede e o acerta com um machado, Lee se ajoelha aparentemente cansado.

-Lee?- Pergunto.- LEE???- O chamo dessa vez mais preocupada.

-Aya é....olha.....- Ele se levanta e me mostra o braço mas eu não vou acreditar.

-Ta é o sangue dele né Lee??- Tento soar calma mas pareceu desesperada demais.- Lee.....

-E-eu....- Ele parece mais calmo que eu. O que tá acontecendo???

-Lee.... Por favor não.....- Ele não me deixa terminar negando com a cabeça.

-Vamos esquecer isso está bem?- Do nada vejo meu pai. Estávamos na nossa casa, Ayo ao meu ado e minha confortando-o. 

-Vamos esquecer isso está bem?- Minha mãe diz acariciando os cabelos castanhos de Ayo.

-Esquecer....- Sussurro.- Não podemos esquecer!!! Não podemos!!!!- Grito e saio da casa desesperada. Corro por entre os caminhantes mas todos que se aproximam viram pedaços. Eu só corria desesperada sem pensar em nada. Eu já estava com os punhos cerrados e minhas unhas já perfuravam os mesmos, deixando-os sangrando. Meu fogo aumentava agora meus cabelos soltos e rebeldes estavam dançando com o vento. Vi meus pais em baixo do penhasco pedindo para que fosse até eles. Eu estava me preparando para pular quando sou agarrada para trás. Aquele homem e aquela mulher que me separaram de Ayo estavam me segurando agora. Eu me debatia como louca já com lágrimas em meus olhos.

-AYA!!!AYA!!!!- Quando vejo, estou de volta ao "presente", Lee e Kenny me seguravam e pareciam estar com dificuldades para isso. Paro de me debater e percebo o que eu fiz. Walkers estavam em pedaços e atrás deles algo que um dia era Magnólia, estava em chamas.

-E-eu.... Eu..... O que eu fiz??- Olho para traz e vejo um penhasco muito alto na minha frente. Se Lee e Kenny não estivessem lá.... Me aproximo mais e vejo dois Walkers, um homem e uma mulher com os braços para cima tentando me agarrar. Suspiro e me levanto.- O que exatamente aconteceu?

- Aya quando Lee mostrou seu braço, você ficou  sem palavras e o pior aconteceu quando ele disse para esquecermos isso. VocÊ saiu correndo em chamas e lágrimas saiam de seus olhos. As chamas estavam descontroladas mas você nem percebia. Só gritava "PAI! MÃE" o tempo todo. Você misturou o passado com o que está passando agora.- Ayo diz com a mão no pingente de seu cordão.

-Eu sou idiota mesmo...- Digo secando as lágrimas odiando a mim mesma.

-Ei, que isso? Você é a mais inteligente daqui. Sempre nos ajudou, eu estaria envergonhado em dizer que uma garotinha é mais esperta que eu.- Kenny diz e rio fraco.

-Lee, não posso esquecer. Não posso! Esqueci uma vez e...- Não consegui terminar.

-Eu sei. Não se preocupe. Demos um jeito.

-O que você..... MEU DEUS!!!!- Vejo o braço de Lee, ou melhor, o lugar em que DEVERIA ter um braço!!!- Vocês.... O QUE FIZERAM???- Grito desesperada.- LEE EU PODERIA TE CURAR!!! EU PODERIA!!!

-Mas morreria,  e todos sabíamos o que iria fazer, por isso....

-Não.....Isso não vai adiantar!!! NÃO VAI!!!!- Digo chorando.

-Por que acha isso?- Ben pergunta.

-Nosso avô.....- Ayo diz.

-Cortamos o braço mas nada mudou! Ele se transformou!! Isso só vai atrasar o processo.....- Digo em soluços.- Eu não quero perder mais ninguém Lee, não quero te perder. Nem Ayo, Ben ou Kenny.... Somos uma família e agora.....- Volto a chorar.

-Está tudo bem.

-Não NÃO ESTÁ!! Eu já perdi meus pais, perdi meus avós, a Margô.... estamos nos desfazendo aos poucos. E pra piorar fiquei louca!!!

-Você não ficou louca. Só teve uma simulação de algo que aconteceu no passado e a ligou com uma palavra do presente. Se chama trauma.- Ayo diz. Vejo minha mãos trêmulas. O que é isso??

-Eu... Eu estou..... Estou....- Acho que vou dizer algo que nunca disse a ninguém.- Com medo.- Medo.... Um sentimento ruim que mostra que você teme algo ou alguém. Nunca senti isso ou pelo menos nunca demonstrei para mim ou para alguém.

-Está tudo bem, estou com você e sempre estarei.

-Lee....

-Confie em mim, não se preocupe. Esqueça isso.

Esquecer. A palavra que me assombra. Esquecer todos os problemas. Deixá-los se resolverem naturalmente. É um erro. Um erro gravíssimo. Esquecer não é uma solução. É uma forma de fugir dos problemas. Mas assenti, quero e confio em Lee. O sino da igreja soa de novo. E o único lugar para fugir era lá. Corremos na direção da igreja e a subimos mas Walkers vinham em nossa direção, subíamos a escada da igreja, eu por último. Mas prendi meu pé na escada o que não é bom. Eu peguei a pistola e atirei em dois que estavam por perto e comecei e puxar meu pé mas nada, não posso simplesmente queimar toda igreja. Quando vejo mais deles se aproximando saco a arma novamente e atiro, faço o mesmo e me solto. Subo as escadas rapidamente e me encontro com todos.

-Há muitos deles lá em baixo.- Digo.

-Melhor sairmos.- Kenny diz mostrando algo como uma janela que da em cima de um prédio. Kenny pulou, Ayo em seguida e depois Lee que teve muita dificuldade o que me preocupou. Seria eu a próxima mas Ben é puxado por um caminhante e o seguro antes que caia. (Sabe aquele buracão que tem de baixo do enorme sino da igreja?? Tipo isso) 

-Aya me solta, vocês vão ficar melhor sem mim e eles já estão subindo e eu nunca me perdoaria se algo te acontecesse.

-Eu não vou te deixar pra traz.- O puxo para cima e ele me olha como se eu tivesse desistido de viver, eu pulo da igreja e ele faz o mesmo MAS (Sempre mas...) ao invés dele segurar a ponta do prédio e subir, ele bateu a testa e caiu.- Ben!- Exclamo.

-Eu estou bem.- Ele diz. ELE NÃO ESTÁ BEM!!!!

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...