História Garota Inconsequente - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Balada, Drama, Eien No Ai, Festa, Forgive Me, Jared, Namoro, Revelaçao, Romance, Savannah, Shes Changing Me, Traição
Exibições 45
Palavras 1.644
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oii amores, e aí o que estão achando da fic?
Ela já está rumando ao final, mas se vocês gostarem muito posso fazer uma sequência kkk

Como prometido, aqui está mais um capítulo!

Capítulo 17 - Dezessete


Quando decidimos ir embora, já são dez horas da noite. Um tanto cedo para retornar se levar em conta minhas saídas noturnas. Sigo com você para minha casa e um silêncio confortável preenche o ambiente.

Estou cansada de todo o trabalho no SeaWorld e anseio por uma cama para dormir o mais rápido possível. Você parece absorto em seus pensamentos e eu permito que você fique assim.

Meus amigos continuaram no bar, portanto não sei se a essa hora já saíram ou não.

Estacionamos na frente de casa e você sorri.

– O que acha de jantarmos amanhã? – você me pergunta. – Faz tempo que não saímos juntos…

– Verdade – respondo. – Podemos jantar sim…

– Venho te pegar amanhã as sete, pode ser?

– Sim – respondo sorrindo e te beijo. – Mas onde iremos?

– Na minha casa – você diz e eu me afasto. – Por que tanta surpresa?

– Porque estamos saindo há um mês e você ainda não me levou lá…

– Tudo a seu tempo – você ri e eu sorrio. – Boa noite Sav.

– Boa noite.

Nos beijamos mais uma vez e eu entro na casa. Você parte assim que fecho a porta de entrada e eu fico analisando o local onde seu carro estava anteriormente.

– O que está olhando?

Dou um pulo quando ouço a voz de Willow. Me viro para ela.

– Que susto Willow!

– Que seja – ela diz dando de ombros. – Vou subir para dormir, boa noite.

– Boa noite…

Observo minha meia irmã subir as escadas e subo logo em seguida. Quando entro no quarto, arranco o macacão e coloco um pijama confortável. Sigo para cama e me jogo entre as cobertas.

Durmo antes mesmo de poder pensar que estou com sono.

*’*’*’

Quando acordo no dia seguinte, me deparo com Mason em meu quarto. Cerro os olhos na tentativa de descobrir o que ele apronta e também de me acostumar com a claridade.

– Bom dia – ele diz empolgado. – Hoje vamos no parque!

– Como assim?

– Mamãe e papai querem ter um dia no parque antes de eu ir para o acampamento.

– Já não era pra você ter ido há uma semana?

– Era – ele diz contente. – Acho que se eu me comportar bem, mamãe vai me deixar ficar.

– Espera aí – digo confusa. – Com quem você tem passado as tardes?

– Com a Willow.

– Hmm…

– Levanta logo!

– Por que tenho que me levantar?

– Porque vamos ao parque…

Reviro os olho e jogo um travesseiro nele. Ele sai do quarto e eu me levanto alguns minutos depois. Após me trocar, encontro a família pronta para um piquinique no parque.

– Por que tenho que ir junto?

– Porque iremos passar um dia em família – Peter diz. – E como você partirá para faculdade daqui um mês, é bom passar um tempo conosco.

– A faculdade é na cidade – digo simplesmente. – Não é como se eu fosse embora para Washington ou coisa assim.

– Não quer mesmo ir? – Sheila pergunta.

– Não.

– Certo – ela diz. – Mas só voltaremos a noite.

– Ok.

Eles saem pela porta da frente eu sorrio quando me jogo no sofá.

Terei a casa todinha para mim.

Passo a manhã assistindo séries e trocando mensagens com você. Você estava preso em algum estágio chato, mas seria liberado assim que desse o horário de almoço.

Combinamos de você vir passar a tarde aqui, portanto passei os minutos seguintes tentando deixar a sala arrumada e preparo uma comida rápida para que possa comer logo, pois você não almoçará comigo.

Acabo comendo um macarrão instantâneo com molho de frango. Lavo a louça rapidamente e subo para escovar os dentes. Desço as escadas no exato momento em que você aperta a campainha.

– Oi – digo sorrindo. – Você chegou rápido.

– Tinha meus incentivos – você sorri e cola seus lábios nos meus. – Você está linda.

– Obrigada – digo. – Vem, pode entrar.

Você entra e sentamos no sofá. Vejo que trás em suas mãos alguns dvd’s e pipoca de microondas. Não consigo pensar  em comida agora, e meus olhos ficam fixos na pipoca.

– Pensei que mais tarde pudéssemos ter fome.

– Claro – sorrio. – E o que temos para assistir?

– Duro de Matar – você mostra a fita. – Ou duro de matar 2.

Dou risada.

– Acho que alguém gosta de Duro de Matar.

– As fitas são do Stefan – você explica. – E acho que o filme realmente não importa quando a companhia é boa.

– Verdade.

Me levanto a fim de ligar a TV e colocar o filme para passar. Quando volto para o sofá, você está com o braço estendido para que eu te abrace. Sento-me junto ao seu peito e ficamos assim por algum tempo.

O filme se estende por muitos minutos, mas estamos mais confortáveis. Você está sem o sapato e sua camiseta está desabotoada. Seus cabelos caem levemente sobre seus olhos e eu não consigo parar de te olhar.

– O filme está tão chato assim? – você diz ao me olhar. – O que foi?

– Nada – sussurro. – Só estou te olhando…

Você sorri e passa os dedos pelo meu queixo. Seus lábios se aproximam dos meus e você me deita no sofá, colocando seu corpo por cima do meu. Minhas mãos percorrem seus cabelos, acariciando-os, enquanto você deixa suas mãos passearem por minha cintura e minhas pernas.

Não escuto mais o barulho do filme ou dos carros passando na rua. Não escuto nada além do som da sua respiração e do meu coração batendo forte e acelerado em meu peito.

Você para de beijar minha boca e segue para meu pescoço. Minhas mãos agora estão em sua cintura. Seus lábios se aproximam do meu seio e eu puxo sua camiseta, a fim de tirá-la.

Nosso beijo se aprofunda e me sinto completamente entregue a você.

– Quer subir? – pergunto com a voz um pouco rouca.

– Tem certeza?

Balanço a cabeça afirmando. Pegamos sua camiseta e seu sapato do chão e subimos as escadas em direção ao meu quarto. Fecho a porta, mesmo sabendo que ninguém chegará.

Você me deita na cama com delicadeza e suas mãos acariciam meu corpo. Sinto um arrepio percorrer minha espinha quando suas mãos passam por minhas coxas.

Minhas mãos acariciam suas costas e então invertemos as posições. Fico em cima de você e permito que você tire minha camiseta. Meus lábios percorrem seu peito depositando beijos leves.

Nossos lábios se encontram e nos beijamos apaixonadamente. Suas mãos percorrem meu seio e acariciam com carinho. Suspiro com seu toque.

Estamos absortos em nosso momento quando um barulho nos rompe do encanto.

– O que foi isso? – pergunto assustada.

– Deve ter sido um gato.

– Foi na sala de estar – digo me levantando. – E eu não tenho um gato.

Você parece se divertir com a situação, abro a porta do quarto e coloco somente o rosto para fora.

– Tem alguém ai?

– Até parece que se for um ladrão ele vai dizer que está lá.

Olho para você séria e você ri.

– Sim – Peter diz. – Tivemos que voltar. O instrutor do acampamento de Mason ligou e disse que temos que levá-lo hoje. Pode descer para nos ajudar?

Olho para dentro do quarto.

– Já vou.

Fecho a porta e procuro minha camiseta.

– Está aqui – você me entrega rindo. – Suponho que não posso descer pelas escadas…

– É claro que não!

VOcê ri ainda mais.

– Posso saber porque está rindo desse jeito?

– Porque parece que tenho dezesseis anos novamente – Você diz se aproximando de mim. – Seu pai não pode saber que estou aqui?

– Não.

– E por quê?

– Porque isso faria com que ele me perguntasse muitas coisas.

Você sorri e me beija.

– Então o que eu faço?

– Espere aqui – digo pensativa. – Vou descer e ajudá-los a preparar Mason, quando eles saírem para levá-lo, eu subo e digo que você pode ir embora.

– Embora? – seus dedos acariciam a linha entre meu pescoço e meu ombro.

– hmm – solto um gemido baixinho. – Pare com isso Jared, preciso descer.

Você ri e eu desço as escadas.

Meu pai está ocupado em preparar equipamentos de baseball e outros esportes que eu nunca entendi como funciona. Sheila está arrumando a bolsa e Willow brinca com Mason no videogame. Não consigo imaginar como serei útil nessa situação.

– Savannah – Sheila me chama. – Pode, por favor, pegar umas toalhas de banho?

– Certo.

Vou até o quarto deles no terréo e pego duas toalhas de banho. Penso ter ouvido passos na escada e me apresso em chegar a sala, mas foi só coisa da minha cabeça.

– Está tudo bem? – Peter me pergunta. – Você está com uma cara de assustada.

– Está.

– Por que estava lá em cima?

– Estava cochilando…

– E deixou a televisão ligada?

– Esqueci.

Ele me analisa e então volta a se focar em sua função. Quando acho que eles partirão e poderei finalmente subir as escadas e te pedir para descer, eis que sou surpreendida.

– Muito bem – meu pai diz. – Vamos?

– Eu vou junto?

– Ora, não quer se despedir de Mason e ver como o acampamento de verão é?

Olho para cima nervosa.

– Certo – digo. – Só vou pegar minha bolsa.

– Ok.

Eles me esperam na base da escada. Subo a mesma rapidamente, dois degraus por vez. Quando entro no quarto, você está lendo uma revista que eu tinha aos quatorze anos.

– Me dá isso aqui – tomo a revista de sua mão. – Olha só, terei que ir com eles ao acampamento levar Mason. Você espera que tenhamos saído e então sai, ok?

– Ok.

– Tranque a porta e deixe a chave embaixo do carpete.

– Sim, senhora.

Você se aproxima enquanto eu falo.

– Jared você está me ouvindo?

– Uhum…

Você me pega no colo e me beija com vontade. Sinto meu corpo tremer com tal contato.

– Eu preciso ir…

– Claro.

Você sorri e eu balanço a cabeça divertida.

– Até logo.

– Até logo.

Saio do quarto com a bolsa em mãos e desço as escadas. Minha família está pronta para partir e eu entro no carro com eles. Quando saímos da garagem, olho para cima e vejo você na janela do meu quarto. Sorrio e você acena.

A minha sorte é que ninguém mais parece perceber isso.


Notas Finais


E aí, o que acharam? Espero vocês nos comentários ;D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...