História Garota Indelicada - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adam, Adolescentes, Amizades, Amor, Bebida, Brasil, Camilly, Colegial, Confusão, Encrenca, Escola, Estadosunidos, Festas, Invejosa, Irmã, Lindo, Marrenta, Mudança, Selfie, Vingança, Youtuber
Visualizações 40
Palavras 1.818
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Spoilers, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 22 - Ai Caramba!


-Ei... - chamo, mais ninguém me olha. - Ei... - chamo novamente. Não sei se estou numa sala ou num formigueiro! Eu ein! - EEEEEEEEIIIII! - berro, batendo na mesa. Imediatamente todos se calam, congelando feito estátuas. - Sentem-se, a.go.ra! - me sento em cima da mesa, vendo todos eles calados nos seus devidos lugares. - Assim não é mais prático? - pergunto a ninguém em especial, abrindo a pasta com a frequência de todos eles. - Muito bem, vamos as apresentações. Eu sou Camilly Schneider, e serei sua professora nas próximas.... horas.

-O que aconteceu com a professora Carmem? - um aluno pergunta, levantando a mão.

-Pergunta lá no posto Ipiranga - respondo, dando de ombros.

-Como é? - ele pergunta confuso. - Se ela não está aqui...

-Como é seu nome - pergunto, olhando o garoto loiro com um topete.

-Diego.

-Isso mesmo, fica de boquinha fechada, okay? - pegunto e a sala dá risada. Menos ele,  que revira os olhos. Vixe, a crionça ainda é abusada ô mona!

-Okay - ele responde duro. Foda-se.

-Isso mesmo amados. Agora calem a boquinha ai que eu vou fazer a chamada.

-Chata - ouço o mesmo murmurar.

-Teu cú - digo em um tom baixo, mas eu tenho certeza que alguns alunos ouviram, pois caíram na gargalhada. - Certo, agora... Annie Hall? - pergunto, olhando pra fixa. É sério isso? Solto uma pequena risada. A mãe dela fã de Noivo Neurótico, Noiva Nervosa? Penso ironica. Esse título é meio bosta, mas enfim, traduzido no Brasil né mano.

-Presente. - uma menininha dos cabelos cacheados responde.

-Num tô nem ai - resmungo baixinho.

***

-Zoe Price. - chamo.

-Presente - a ultima da achamda responde. Suspiro.

-Eu to decepcionada. Vocês não tem infância não? - pergunto cruzando os braços. Eles né olham sem entender.

-Temos - respondem, quase em coro.

-Não, não tem! - subo na mesa novamente.

-Olha, eu não sou essas peritas em pedagogia não, mas não é errado subir em cima das mesas? - A Zoe pergunta com uma voz doce e inocente. Sorrio de lado.

-Minha aula, minhas regras. - resmungo. - Como eu ia dizer, vocês tem o que? 7 e 8?

-Temos 11 e 12! - Diego responde.

-E que tipo de criança passa a chamada inteirinha sem dizer um "presunto" ou "presidente"? - resmungo indignada. - Quem nunca fez isso não sabe o que é desafiar a autoridade!

-Você está dizendo que devemos ser rebeldes? - um aluno pergunta.

-Exato Keaton!

-É Miles! (NA: Le-se Mayôs) - ele me corrije.

-Isso ai Miguel!

-Miles!

-Essa atitude mesmo, discorde sempre de algo que seus superiores de digam. Sejam sem vergonha, formadores de opinião. Entenderam?

-Sim - todos eles respondem em conjunto.

-Vocês não aprenderam. Acabei de dizer pra descordarem e vocês concordam comigo! - a sala inteira faz um "Ahnnn??" coletivo. Soou bem esquisito - Aff, não importa. Só sei que estou certa e vocês errados. Fim da discussão.

-Não entendi - Britney diz confusa.

-Puff - sorrio, fazendo um gesto coma mão. - Nem eu me entendo e você quer entender? - eles riem,  e eu dou de ombros, começando a escrever no quadro negro.

-É pra copiar? - algum retardado mental pergunta. Me viro lentamente, olhando para Mathew.

-Não não, é pra tirar xerox da lousa! - digo sorrindo sarcástica.

***

Adam: Não acredito que te colocaram pra dar aula! Coitada dessas crianças, vão crescer traumatizadas.

Rio baixo, lento a mensagem. Cruxo as pernas sobre a mesa, fazendo a cadeira virar até encostar na parede, enquanto dígito igual a um furacão.

Camilly: Eles estão copiando. Tô esperando terminatem pra eu explicar.

Adam: E o que fez até agr além de ficar sentada?

Camilly: mandei eles desafiarem as autoridades... e Coloquei um aluno pra fora por que ele me comparou com uma russa. Porra, ñ tenho culpa de ter sotaque! Mas não me confundam com aqueles seres sem graça. Eu sou do país da zueira man!

Adam: Já era de se esperar!

Adam: KKKKKKKKKKKKkkk

Obs: eu não tô rindo, só mandei os risos pq tô com tédio

Camilly: Normal. Vc é morgadão!

Camilly: e a sua tia?

Adam: Melhorou, graças a deus. Aquela louca cuidou muito de mim quando eu morei no Brasil. Só sou assim por causa dela!

Camilly: Nesse caso, eu declaro Luiza Adriana Ferreira Baker culpada!

Camilly: Affs, vcs tudo tem que ter nome gigantesco ein.

Adam: 😂😂😂😂😂😂

Camilly: Vc não tá rindo não é?

Adam: Dessa vez estou!

Adam: Deixa ela te ouvir falar isso!

Camilly: Se contar eu noto fogo no seu quarto

Camilly: Vc sabe que eu ponho!

Adam: Uhn?

Adam: Contar o que? Do que estávamos falando mesmo?

Camilly: Bom garoto! 😊😊

Adam: 😑😞😞 sorte que eu tenho muito medo de vc

Camilly: E como as coisas tão ai no Brasil?

Adam: Quente como o inferno! Na moral, como vc consegue viver aqui? Meu Deus. Eu tô derretendo igual cera. O acondicionado na potência máxima não da jeito. Já escutei uma três tiroteios aqui. Tô hospedado perto do Morro.

Camilly: Stop seu tagarela.

Camilly: Ta falando do me país otário

Camilly: Respeita ai mano.

A mensagem é meio seria, mas na verdade estou sorrindo, esperando ele responder.

Adam: Fala isso pq num é vc que tá tendo que dormir com medo de bala!

Camilly: Primero, quer conforto? Ñ sai de casa. Segundo, Sério que vc tá com medo? KKKKK querido, quando tava tendo esses tiroteios, eu subia era o Morro no sol quente e pedia pro TH me ensinar a atirar

Camilly: Ele me ensinou certin 😂

Adam: Cruz e credo

Adam: Pobre do seu namorado se te irritar

Camilly: O Luke tá no topo da lista

Adam: Luke, o Universitário?

Adam: Aquele Luke?

Camilly: É Adam, qual outro Luke eu conheço?

Adam: É sério isso?

-Professora, a senhora veio pra dar aula ou pra conversar por mensagem? - Diego pergunta. Affs, esse menino ta me irritando.

-E você, filhote de papagaio, veio pra estudar ou pra atrapalhar minha conversa? - sorrio cínica, com a vaia que ele pegou da sala. - Terminaram a tarefa?

-Sim, a séculos. - o mesmo responde.

-Ah, legal, dracula. Agora que vocês num tem nada pra fazer, vão desenhar, postar selfie, brincar de "quem falar primeiro é a mulher do padre" - dou de ombros.

-Como é essa brincadeira? - Zoe pergunta.

-É um tanto complicada. Acho que vocês não vão entender, mas vou explicar mesmo assim. - sorrio irônica. - Todos na sala fica em silêncio, e quem falar primeiro é a mulher do padre!

-Não pode ser do pastor? - uma garota fofinha pergunta, e eu reviro os olhos.

-Minha amiga, tudo adora Deus, então da no mesmo. Vamos começar. - a sala toda fica em silêncio, alguns por algum motivo prendendo o riso. Outros só olhando pra cara de todo mundo ali.

-Ah, que brincadeira estúpida! - Diego diz, revirando os olhos, e eu Caio na gargalhada. Os outros na sala riem, apontando pra ele. Por algum motivo, essa brincadeira é muita pressão!

-Vamos, vaiem comigo! - puxo, e todos ali, ainda rindo, começam a vaiar. - Eu sou a melhor professora do mundo!

***

Olho no relógio a cada cinco segundos, mais parece que o tempo não passa. Eu quero comer! Tô na larica! Todos ali (depois de muito "quem falar é a mulher do padre"), estão em silêncio, estudando pra alguma coisa.

-Professora? - Alan, aquela coisinha gordinha e fofa que eu vou guardar num pote de nutella só pra mim, chama.

-Oi amor - respondo docemente.

-Qual o nome dado ao processo, em que o organismo transforma alimentos em elementos menores e mais simples? - ele pergunta lendo um papel.

-Eu sei lá, num sou Google não curumim! - digo cruzando os braços. - Por que?

-Prova de ciências. E eu vou tirar zero - ele diz triste e abaixa a cabeça. Ownt, assim meu coração parte! Me levanto, indo até a certeira dele. Me ajoelho a sua frente

-Não gosto de ver crianças assim - passo o dedo na sua bochecha, e tenho certeza que a sala toda está olhando. - Vamos fazer um trato. O que você tem de lanche?

-Um sanduíche.

-Ótimo - me levanto - Você me da o sanduíche e eu te ensino como colar. Você tira 10, eu mato minha fome, e todos saem felizes! - estico a mão. - Temos um trato? - o mesmo a aperta.

-Sim - ele diz todo feliz, me entregando a lancheira.

-Eu sei colar! - Anthony diz, levanto a mão, onde tem várias coisas escritas. Faço um sinal de negativo.

-Não não não Tony, não é assim que se cola! - estalo a língua. - Muito óbvio! - faço um sinal com as mãos. - Então, querem aprender? Sim ou claro?

-SIM! - todos eles respondem em um tom contente. Sorrio largo. Essa vai ser a minha maior vigarice (NA: OLHA A REFERÊNCIA!)!

-Então já sabem, a tarifa - meus olhos brilham, assim que vejo esse bando de otarios levantarem as lancheiras. Venham pra mamãe!

***

Ai, sinto que vou precisar sair daqui rolando. Minha barriga vai explodir!

Depois de ensinar uns "truques" pra aquela turminha comendo aquele banquete, estou jogada em cima da mesa. Tive que cobrir dois tempos, pois um dos professores faltaram. Foi muita zuera. Cruzes, eu sou um mal exemplo.

-É o diretor! - um dos alunos diz, e eu me sento na cadeira imediatamente. Segundos depois, aquele homem que eu nem mesmo lembro a porra do nome entra sorrindo, e logo o desfaz.

-Por que todas essas lencheiras espalhadas na sala? - ele pergunta obersando os alunos com as lancheiras vazias em cima das carteiras.

-Dividimos - digo sorrindo falsa, e eles concordam. Estava no trato, eles não poderiam contar sobre isso. Mas não é uma total mentira. Foi uma divisão tipo, um pra "vocês, e dois pra mim", mas foi (NA: REFERÊNCIA GRITANTE!).

-Certo - ele diz, em um tom animado - Seu turno acabou senhorita Schneider - AMÉM! - obrigada pela colaboração. Com essa greve dos professores, estamos ficando sem.

-De nada - digo forçada, me levantando. O diretor faz um sinal de positivo pra mim e depois se vira para a classe, tossindo para atrair a atenção.

-Quanto a vocês, o intervalo vai durar apenas 20 minutos. Os motivos...

-Não! - Brendon diz, interrompendo o diretor. - Vamos ter os 30 minutos, como sempre!

-Brendon, que tom é esse? - o diretor pergunta incrédulo.

-É Brendon? Por que está falando assim com o nosso querido diretor? - pergunto entre dentes. Cala a boca menino!

-Mas foi você que disse pra desafiarmos as autoriadas - enquanto ele fala e o diretor o olha, vou fazendo um sinal pra se calar, mas o retardado não vê. Assim que o diretor volta seu olhar para mim, fico na posição normal, mirando Brendon como se estivesse reprendendo.

-Querido, eu disse que você deve sempre seguir as regras.

-Não, não disse! - Diego fala, sorrindo e cruzando os braços. Porra, o curumim quer me ferrar mesmo!

-Disse sim! - rebato. Oh céus, estou discutindo com uma criança. Um demo, mas ainda sim criança.

-Não disse!

-Disse e ponto final! Tô caindo fora, fé ai! - saio a passos largos da sala, antes de eles dizerem qualquer coisa.

Tasquipariu olha, nunca mais eu digo nada pra uma criança. Essas praga num tem filtro no cérebro!

E você tem? Pergunto pra mim mesma. Claro que sim. Eu sou a melhor professora do mundo!


Notas Finais


KKKLK EU QUE NUM QUERIA UMA MALUCA DESSAS ME DANDO AULA! LADRA DE LAMCHES! GATUNA! KKKK
Que belo exemplo ein
Expulsando um aluno da sala SÓ pq ele confundiu ela com uma russa?! Avê! 😂
Aviso do próximo cap: pré-treta.
Isso mesmo *PRÉ*
Pre-pa-rem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...