História Garotas Perigosas - Capítulo 50


Escrita por: ~ e ~chickensgirl

Postado
Categorias Ashley Benson, Camila Cabello, Fifth Harmony, Selena Gomez, Vanessa Hudgens
Personagens Ally Brooke, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Camren G!p, Lauren G!p
Visualizações 1.108
Palavras 7.123
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura ❤

Capítulo 50 - Eu vou confiar em você



   P. O. V ALYCIA

Depois de ter certeza de que era isso que ela queria, eu não tive outra reação a não ser a beijar. Um beijo carinhoso, e ao mesmo eu tentava mostrar naquele beijo todo o desejo que eu tinha por ela, e que reprimi por todos esses anos.
 
Senti os dedos finos de Malu apertarem os meus cabelos, e sua língua se envolvendo com a minha.

Quando o ar nos fez falta, eu encerrei o beijo com um selinho demorado e fui arrastando os meus lábios mais uma vez por seu pescoço, distribuindo beijos ali.
 
Eu não vou mentir, eu estou muito insegura do que fazer nesse momento, nem quando fui fazer isso pela primeira vez eu me senti tão insegura assim. Mas é diferente, é diferente de todas as vezes.É a Malu, meu deus é a Malu... A minha Malu.
 
Enquanto beijava o seu pescoço, a minha mão foi de encontro a sua cintura, e eu fui descendo da maneira mais lenta que consegui até chegar em sua coxa, onde eu segurei de uma maneira firme e levantei na altura do meu quadril, fazendo com que nossas intimidades se movessem uma sobre a outra que mesmo separadas pelo o short que eu vestia e a calcinha que ela vestia, foi impossível não suspirarmos com esse contato.
 
Fui arrastando a minha mão para a sua cintura, trazendo o seu vestido junto, mas travei quando percebi o que eu estava fazendo. Parei de beijar o pescoço de Malu e olhei para ela.
 
- Eu... eu posso...? – Perguntei me referindo ao vestido.
 
- Pode – Respondeu com um sorrisinho divertido nos lábios e eu me levantei de cima dela, me ajoelhando na cama.
 
Não é como se eu nunca estivesse visto Malu sem roupa antes. Mas acontece que agora é diferente de todas as vezes, em minha mente ela era a minha irmã,eu sempre tratei ela dessa forma na tentativa de fazer tudo que eu sentia por ela desaparecer. Só que agora é diferente, eu sei que ela nunca fez isso antes, e por mais boba que seja essa pergunta ela precisava ser feita, eu quero que ela se sinta segura, eu quero que ela nunca se esqueça, e que tudo seja especial, tanto para ela quanto para mim.
 
Malu se sentou na cama e eu segurei na barra de seu vestido. Eu estava tão nervosa quanto ela, isso é fato.
 
Ela levantou os braços e eu comecei a puxar o seu vestido para cima, até finalmente arrancar aquele mano de seu corpo, e jogar por um canto qualquer de meu quarto.
 
Mordi meu lábio inferior quando eu vi o conjunto de lingerie rosa que ela vestia.Os meus olhos caíram imediatamente em seus seios,e eu pude sentir a minha boca salivar ao ver eles quase saltando para fora, esmagados por aquele pano totalmente inútil para mim.

Balancei a cabeça rapidamente,me despertando do pequeno transe e subi o meu olhar para o seu rosto, e sorri ao ver as suas bochechas vermelhinhas de vergonha.
 
Segurei o seu queixo, e aproximei os nossos rostos, deslizei a pontinha de minha língua sobre os seus lábios, e em seguida capturei a pontinha da sua língua, quando a mesma veio de encontro com a minha, e chupei, soltando logo em seguida.
 
Iniciamos mais um beijo, um beijo um pouco mais desesperado. A minha língua invadiu a boca dela e os dedos de Malu agarraram firme em meus cabelos, e ela correspondeu o beijo a altura.
 
Enquanto nos beijávamos eu fui a deitando sob a cama novamente,o meu corpo se encaixou perfeitamente entre as suas pernas.
 
Fui descendo o beijo pelo o seu maxilar, e mordisquei o seu pescoço quando cheguei nele. A sua respiração ofegante em meu ouvido estava me deixando ainda mais animada, era como uma resposta para os meus toques.
 
Senti todos os pelos de meu corpo se arrepiarem quando senti os dentes de Malu se arrastarem próximo ao meu ponto de pulso e em seguida ela chupou ali, arrancando um suspiro pesado meu. Distraidamente eu desci a mão por entre os nossos corpos e repousei sobre o seu seio esquerdo.
 
Eu queria apertar, como eu fiz da última vez. Mas eu deixei a minha mão ali, parada. Esperando mais uma vez por algum protesto dela. Protesto esse que não veio. E foi então que eu comecei a massagear o seu seio, ainda por cima de seu sutiã.
 
Ao mesmo tempo eu fui arrastando a pontinha do meu nariz pelo o seu pescoço até o vão de seus seios, aspirando o cheiro maravilhoso de sua pele.
 
- Malu... – Olhei para ela, a minha mão parada sobre o fecho de seu sutiã.Eu estava louca para tirar aquilo.
 
Ela me olhou e afastou a minha mão e e ela mesmo abriu revelando os seus seios, os seus mamilos rígidos, me fazendo morder os lábios diante daquela visão.Eles eram tão perfeitos, pareciam feitos exatamente para mim.
 
Ela se ajeitou e retirou o sutiã por completo, eu estava parada, hipnotizada com aqueles lindos seios dela, lindos e fartos.
 
Quando subi os meus olhos para o rosto de Malu, vi que ela olhava para baixo envergonhada. Me endireitei em cima dela e deixei um singelo beijo em sua testa, e em seguida encarei os seus olhos cor de chocolates, que faziam questão de se desviarem dos meus.

- O que foi? – Perguntei baixo enquanto acariciava o seu rosto – Você quer que eu pare? – Segurei o seu queixo, fazendo com que ela me olhasse.
 
- Não... claro que não, é que eu... – Suspirou.

- O que? – A minha voz quase não saia de tão baixa que estava.
 
- Você... – Suspirou – Eu não sou como as meninas que você já ficou e eu... – A interrompi mais do que de pressa, já entendendo aonde ela queria chegar.
 
- Shiiu, não fala isso – Pedi cobrindo os seus lábios com o meu dedo polegar – Olha para mim – Sussurrei, meio receosa ela encarou os meus olhos – Você é perfeita,Malu – Digo acariciando o seu rosto.
 
- Você está falando isso só pra me agradar – Murmurou e eu sorri negando com a cabeça.
 
- Eu estou falando isso por que é a verdade – Respondi – Porque você não vê o quão linda você é? – Perguntei beijando a pontinha de seu nariz – Você não imagina o quanto eu sofria com aqueles urubus olhando para você quando a gente saia e eu não podia falar nada – Confessei e dessa vez ela me encarou, com os seus olhos brilhantes que tanto me hipnotizavam – Eu adoro os seus olhos, a cor de seus olhos é a minha preferida. A forma como eles brilham – Sorri e deslizei os meus dedos sobre os seus olhos que se fecharam com o meu ato, mas logo estavam abertos novamente – Os seus lábios rosados – Contornei os seus lábios com a ponta de meus dedos – Eles são tão chamativos eu não posso olhar para ele que eu já sinto vontade de beijar – Confessei e isso arrancou um sorriso dela – Meu deus, esse sorriso – Sorri torto – O seu sorriso é a coisa mais linda que eu já vi em toda a minha vida, é impossível não sorrir quando olho para esse seu sorriso, o seu sorriso é tão perfeito Malu – Deslizei a pontinha de meu nariz sobre os delas e suspirei – O seu corpo – Deslizei a minha mão pela sua cintura e fui descendo até chegar em sua coxa novamente – O seu corpo é de dar inveja em qualquer um garota por ai, as vezes eu chego a pensar no quanto Deus foi cuidadoso na hora de desenhá-lo.E que ele deve te olhar lá de cima, com orgulho, por que você foi a obra mais valiosa que ele já criou, valiosa e perfeita – Enquanto eu ia falando, a minha mão ia acariciando a sua coxa com a pontinha de meus dedos – Você é perfeita Malu – Levantei os meus olhos a encarando – Perfeita – Selei os seus lábios em um singelo selinho e logo me afastei – E se você quiser, eu posso passar a noite toda aqui, te provando isso e... – Ela não deixou eu terminar de falar.
 
Malu segurou o meu rosto com as suas duas mãos e puxou de encontro ao seu, iniciando um beijo. Um beijo apaixonado, o beijo comandado por ela, e eu não fiz questão de mudar isso. A sua língua dançava pela minha boca de forma lenta, mas ao mesmo tempo eu podia sentir o desejo em seu beijo.
 
Quando o ar me fez falta, eu separei os nossos lábios, e agora com ela mais relaxada eu fui descendo por seu pescoço até chegar aonde eu mais ansiava.
 
Deixei um beijo casto sobre o seu mamilo direito, e sem me conter com isso, eu contornei o seu mamilo rosado com a pontinha de minha língua, abocanhando o mesmo em seguida, com a mão eu comecei a massagear o seu seio esquerdo. 

A minha língua rodeava aquele biquinho rígido e delicioso de forma lenta.
 
Porra... como isso é bom.
 
Os suspiros altos de Malu me incentivavam a continuar. Fui arrastando os meus lábios pelo o vale de seus seios, fazendo uma trilha de beijo molhados ali. Senti os seus dedos segurando em meu cabelo de maneira firme, e ela empurrar a minha cabeça até o seu seio esquerdo no qual eu não pensei duas vezes antes de abocanhar e fazer o mesmo que fiz com o outro, só que dessa vez eu mordi no final, arrancando um gemido rouco e baixo dela.
 
A partir daquele momento, o som do seu gemido se tornou o meu som preferido. E eu só queria ouvir mais dele.
 
Fui descendo o meu corpo, enquanto arrastava os lábios por sua barriga, intercalando entre beijos e mordidas. As minhas mãos seguraram nas alças de sua calcinha e eu olhei pra cima encontrando Malu com os olhos fechados.
 
Sem tirar os meus olhos dela eu enrosquei os meus dedos sobre a alça da calcinha e comecei a puxar para baixo e nessa hora eu percebi que ela ficou tensa, então eu parei. Comecei a beijar a sua barriga novamente sem tirar os meus olhos dela,fui descendo um pouco mais,mordisquei o pano de sua calcinha e puxei entre os meus dentes, soltando em seguida.Com esse ato eu pude perceber o quanto ela estava molhada, puta que pariu...
 
Senti suas mãos apertarem os meus cabelos e eu entendi aquilo para que eu continuasse, então voltei a puxar a sua calcinha pra baixo e eu tive que morder meu lábio quando eu tive visão de sua boceta. Retirei a calcinha dela e joguei para longe e mano...
 
Aquela bocetinha lisinha, rosadinha e livre, livre para mim. Eu podia ver o quanto ela estava melada implorando por atenção. Porra a minha boca salivava tanto, eu estava louca para sentir o seu gostinho.
 
Com cuidado eu abri um pouco mais a sua perna, e comecei a distribuir beijo por suas coxas e virilha, vez ou outra eu dava alguma mordidinha de leve apenas por provocação. Eu podia ver o peito de Malu subindo e descendo por conta de sua respiração que já estava mais do que ofegante.
 
Aspirei o seu cheiro delicioso e aquilo fez a minha boca salivar ainda mais. Sem conseguir me conter mais eu deslizei a minha língua entre suas dobras fazendo um caminho de sua entrada até o seu clitóris, onde eu suguei, sentindo o seu gosto adocicado invadindo a minha boca me fazendo revirar os olhos de prazer, e arrancando um gemido um pouco mais alto de Malu.
 
Porra!
 
- Alycia... – Gemeu arrastado e eu sorri achando aquilo maravilhoso.
 
Suguei o seu clitóris mais uma vez e prendi entre os meus lábios por alguns segundos antes de soltar, fazendo com que Malu gemesse.Desci a minha língua até a sua entradinha molhada e forcei minha língua ali fazendo com que Malu apertassem ainda mais seus dedos em meu cabelo e soltasse um gemido arrastado, enquanto eu pude sentir a sua boceta se contraindo contra a minha língua. Aquilo era apertado...
 
Comecei a fazer um vai e vem rápido com a minha língua, arrancando gemidos mais alto de Malu, subi minha língua até o seu clitóris novamente e suguei, o seu gemido ecoou alto por todo o quarto. Eu passava a minha língua rapidamente várias e várias vezes pelo o seu clitóris, e eu podia sentir a pequena dor que ela estava me causando enquanto puxava o meu cabelo.
 
- Alyciaaa – Gemeu alto e eu soube o que estava por vim...
 
Ela soltou os meus cabelos e eu agarrei a sua cintura, puxando ela um pouco para baixo, a minha língua se movia freneticamente pelo o seu clitóris,ergui meus olhos e vi que Malu havia agarrado o lençol da minha cama.Eu lambi, chupei e quando eu tremi minha língua em seu clitóris,ela arqueou as suas costas e logo eu pude sentir o seu corpo tremer embaixo de mim e seu liquido delicioso escorreu pela minha boca. Lambi tudo sem o menor pudor até deixa-la limpinha.
 
- Você é tão deliciosa – Murmurei enquanto subia o meu corpo pra cima dela novamente.
 
Ela me olhou e sorriu sem jeito e eu a beijei um beijo repleto de luxuria que não durou muito devido a respiração ofegante dela.

Olhei para seu rosto e ela estava corada, muito corada.
 
- Tá com vergonha? Logo de mim? - Perguntei beijando a pontinha de seu nariz.
 
Ela me abraçou escondendo o rosto na curva de meu pescoço e eu sorri com sua timidez.
 
Me ajeitei sobre ela e deslizei minha mão direita entre nossos corpos, indo diretamente para sua boceta e ela se contorceu soltando,cravando as unhas em minhas costas.

- Lyci... - Murmurou
 
Ela me olhou e eu sorri de lado começando uma massagem lenta em seu clitóris a fazendo se contorcer mais uma vez e fechar os olhos.

Beijei seus lábios com carinho e ela gemeu contra os mesmos.
 
Afastei meu rosto do dela e à olhei. Eu não parei de massagear seu clitóris, e Malu gemia baixinho me deixando ainda mais louca.

- Eu quero... eu preciso de você, dentro... – Pediu em meio a suspiros.
 
- Você tem certeza que quer isso? – Perguntei parando o que eu estava fazendo.
 
- Tenho.
 
Beijei seus lábios iniciando um beijo carinho, delicado.
 
Deslizei meus dedos por suas dobras sentindo os mesmos ficarem todos molhados.
 
Encerrei o beijo com uma mordidinha em seu lábio, enquanto meu dedo brincava em sua entrada.
 
Ela tinha os olhos fechados.Eu beijei sua bochecha e ela sorriu.
 
- Olha pra mim, princesa - Pedi e ela abriu os olhos lentamente e me encarou.
 
Encaixei dois de meus dois dedos em sua entrada e forcei um pouco para que meu dedo pudesse entrar ali, mas paro no instante em que vejo uma careta de dor se formando em seu rosto.
 
- Relaxa – Sussurro começando a beijar todo o seu rosto mais uma vez e por fim selei nossos lábios rapidamente – Se quiser que eu pare é só pedir,eu paro na hora – Digo da maneira mais calma que consegui. Mas a verdade é que eu estava tão nervosa quanto ela.
 
Ela nada disse apenas assentiu. E eu continuei enfiando ali até que eu senti uma barreira me impedindo. Parei no mesmo instante e comecei a beijar o seu rosto novamente, tentando lhe distrair, e foi nesse momento que eu enfiei um pouco mais, sentindo aquela barreira se desmanchar, ao mesmo tempo um gemido sofrido escapou pela garganta de Malu e ela cravou as unhas em minhas costas,travei no mesmo estante e olhei para a loira embaixo de mim.
 
Sem desconectar os nossos olhares, eu escorreguei o meu dedo polegar até o seu clitóris, começando a estimulá-lo.
 
Ela fechou os olhos por breves segundos, sua respiração estava ofegante...
 
Logo ela abriu os olhos novamente e me encarou, os seus olhos estavam um pouco mais escuros. E então ela rebolou em meus dedos.
 
- Continua... – Pediu baixo.
 
Comecei um vai lento sem tirar meus olhos dela, ela deslizou suas unhas por minhas costas e eu fechei os olhos, escondendo meu rosto na curva de seu pescoço.
 
Voltei a estimular seu clitóris e comecei a beijar seu pescoço.
 
- Aly... Alycia ... - Ela Gemeu baixinho arranhando de leve minhas costas.
 
- Caralho... - Murmurei começando a estocar meus dedos mais rápido, mas logo voltei a estocá-los de forma lenta.
 
- Não... Continua - Ela disse entre suspiros rebolando em meus dedos.
 
Levantei minha cabeça à fitando e ela estava de olhos fechados com o lábio preso entre seus dentes.Eu queria olhar e guardar comigo cada detalhe daquela noite.

Voltei a estocar um pouco mais rápido e Malu começou a gemer,seus gemidos eram manhosos,eu estava indo a loucura só em ver a forma que ela estava sem entregando para mim.
 
Meus dedos estavam sendo esmagados e eu estava à beira do ápice só em dar prazer para ela.
 
Ela agarrou o meu corpo e eu voltei a estimular seu clitóris com meu polegar.

O corpo dela tremeu e ela gemeu alto gozando em meus dedos.
 
Beijei sua testa e lentamente fui retirando os dedos de dentro dela,e ela gemeu em protesto me fazendo sorrir. Sem me importar se havia sangue ou algo do tipo eu chupei os meus dedos, saboreando do gosto maravilhoso do seu gozo.
 
Em seguida lhe dei um selinho e me deitei ao seu lado, abraçando o seu corpo suado e escondi o meu rosto na curva de seu pescoço.
 
- Tudo bem? – Perguntei baixo, enquanto deslizava a pontinha do meu nariz pela sua pele macia e cheirosa.
 
Senti a pontinha dos dedos de Malu deslizarem pelo o meu braço, causando um certo arrepio em mim.

- Uhum – Murmurou em resposta e eu sorri levantando o meu rosto para olhá-la.
 
- Eu não quero te perder nunca - Falei e ela que estava com os olhos fechados,abriu no mesmo instante me encarando. – Eu tenho tanto medo Malu - Confessei.
 
- Você não vai me perder – Disse baixo e eu suspire.
 
- Promete?
 
- Prometo – Respondeu sorrindo e me fazendo sorrir junto com ela.
 
- Eu sei que parece cedo o que eu vou falar agora,ou estou falando isso apenas pelo que aconteceu aqui ...Mas não,eu te amo.Eu realmente amo você e já tem uns longos anos,não estou dizendo que te amo como irmã, sabe? É diferente Malu,eu demorei tanto pra entender, tentei enganar a mim mesma mas... eu realmente amo você – Digo um pouco rápido demais, me enrolando com as palavras. - Amo faz uns longos anos.
 
Eu não sou muito boa com essas coisas, quer dizer eu nunca falei isso para mulher alguma e isso é tudo novo pra mim.Sentimento antigo e ao mesmo tempo novo porque eu finalmente deixei acontecer, deixei ela saber. E foi por isso, por medo da resposta que ela poderia me dar, que eu á beijei, impedindo que ela falasse qualquer coisa.

O beijo  era lento,carinhoso.O que eu sentia nesse exato momento com toda certeza, eu nunca senti antes.
 
Meu coração estava acelerado de uma forma tão louca,e tudo ficou ainda melhor quando Malu me pegou totalmente de surpresa sussurrando entre o beijo...
 
- Eu te amo ...
 
Meu peito parecia que ia explodir de felicidade.
 
- Minha pequena... - Murmurei abrindo os olhos, encontrando aqueles lindos olhos castanhos me fitando.
 
- É tão bom poder finalmente te dizer isso. - Ela diz fechando os olhos. - Guardei isso pra mim durante tanto tempo.
 
Esse momento não poderia ser mais perfeito, Eu só queria ter me entregado a esse sentimento antes, bem antes.
 
Ela abriu os olhos e sorriu...
 
- Obrigada por ter sido tão perfeita no momento mais especial da minha vida. - Ela disse em voz baixa.
 
- Obrigada por ter confiado em mim. - Sussurrei de volta acariciando sua bochecha e ela sorriu ainda mais.
 
Eu amo o sorriso dela!.
 
- Mas sabe o que é injusto ? - Ela perguntou ficando por cima de mim . - Você não tirou nadinha, que injusto.
 
- É injusto é ? - Perguntei subindo minhas mãos por suas coxas, passando pela sua bunda na qual eu não resisti e dei um tapinha e a safada gemeu de um jeitinho manhoso,baixinho que ...Caralho.
 
Eu estava me segurando...
 
- Tira vai ... - Ela pediu se referindo ao meu sutiã.
 
Me sentei na cama e ela se sentou em meu colo.
 
Antes de eu retirar meu sutiã, contornei o biquinho de seu seio direto e o chupei.
 
- Gostosa - Murmurei assim que soltei seu seio e ela corou, me fazendo sorrir.
 
Retirei meu sutiã e ela empurrou pelos ombros, me fazendo deitar na cama.
 
Ela se deitou por cima de mim e eu fechei os olhos quando senti ela beijando meu pescoço.
 
- Malu ... - Sussurrei sentindo ela massagear meu seio.
 
- Só me diz se eu fizer algo errado,eu só quero te fazer sentir o que você me fez sentir - Ela murmurou voltando a beijar meu pescoço.
 
Ela começou a descer os beijos parando em meus seios, onde ela abocanhou o esquerdo me fazendo morder meu lábio na tentativa de reprimir o gemido.
 
A verdade é que eu nunca havia deixando nenhuma garota ir até o fim,eu sempre tomava a frente,eu gostava de fazer acontecer, de dar prazer,o prazer delas era o meu prazer.Mas com minha loira era diferente,e eu só queria que ela continuasse,eu queria que ela fizesse tudo que queria,o que sentia vontade.

Eu queria me entregar pra ela como nunca me entreguei para nenhuma outra.

Ela agora chupava meu seio direito, e eu gemi vergonhosamente alto quando a lingua dela começou a brincar com o biquinho do meu seio.
 
Porra mano...
 
Abri os olhos quando senti ela descendo os beijos pela minha barriga.
 
Me apoiei pelos cotovelos e sorri ao ver ela toda atrapalhada tentando abrir meu short.
 
Quando eu ia ajudar ouço batidas na porta do meu quarto.
 
- Lyci ? Tá ai ? - A voz da minha irmã soou e Malu me olhou assustada.
 
- Oi Jade - Respondi.
 
- Posso entrar ? 
 
- Só um segundo.
 
- Tudo bem... - Minha irmã respondeu e eu olhei para Malu.
 
- Deita aqui - Pedi e Malu assentiu se deitando ao meu lado e puxando o edredom para se cobrir.
 
Me deitei ao lado dela e ela deitou com a cabeça em meu braço e me abraçou.
 
Ajeitei o edredom sobre nossos corpos e beijei sua testa.
 
- Pode entrar ... - Digo e a porta é aberta.
 
- O Ian pergu... - Jade olhou para mim e Malu e em seguida olhou para o chão.
 
Segui seu olhar e vi o vestido de Malu e o sutiã dela no chão.
 
Jade ficou tão sem graça que foi engraçado, ela estava muito sem jeito.
 
- Eu... - Ajeitou seu óculos e abaixou a cabeça. - Desculpa, eu já estou ....desculpa...
 
Ela saiu praticamente correndo do meu quarto e bateu a porta.
 
- JADE ? - Chamei e nada...
 
- Acho melhor a gente descer - Malu disse e eu concordei, mesmo não querendo.
 
- Vamos tomar banho ? - Perguntei me levantando e catando as roupas dela que estavam no chão.
 
- Se a tia Lauren chegar ? 
 
- Por favor princesa,quero cuidar de você um pouquinho. - Digo e ela me olha sorrindo.
 
- Tudo bem... - Ela disse e eu comemorei a fazendo rir.
 
- Vai usar essa roupa ou uma das suas que estão aqui ? - Perguntei indo até o closet.
 
- Vou continuar com o vestido,só quero uma calcinha. - Disse e eu sorri abrindo a gaveta que tinha alí que tinha apenas roupas dela.
 
Peguei uma calcinha vermelha dela que tinha alí e abri a minha gaveta de roupa intima,pegando uma calcinha pra mim também.
 
- Pode ser essa ? - Perguntei voltando para o quarto.
 
- Pode.
 
Não aconteceu mais nada,nosso banho foi em meio a brincadeiras,risadas e muito carinho.


 P.O.V.  CAMILA
 
Marcava quase 22h da noite, quando resolvemos que estava na hora da brincadeira acabar. Não era o que realmente queríamos, mas ainda tinham as crianças. E eu sai sem ao menos dar explicações para eles e Ian e Jade já nos ligaram sei lá quantas vezes e como não atendemos, sabíamos que eles estavam preocupados.  
  
Saímos do quarto do motel, e enquanto caminhava até meu carro, eu me segurei para não rir da tentativa falha de Lauren em cobrir o seu corpo com o meu sobretudo, que eu havia vindo vestida. Digamos que dessa vez eu me vinguei de todos os vestidos meus que ela rasgou, e como a sua jaqueta ficou em seu carro...  
  
Desativei o alarme de meu carro e abri a porta do motorista, e antes de entrar eu olhei para Lauren que se aproximava do carro preto que estava estacionado ao lado do meu.  
  
Mandei um beijo no ar em sua direção e em seguida pisquei um de meus olhos em provocação e entrei em meu carro logo depois e esperei que Lauren entrasse no dela, já que ela que devolveria a chave do quarto e pagaria tudo.  
  
Ela deu ré e eu sai logo atrás dela, ela parou e eu parei logo atrás, enquanto Lauren acertava as coisas com o homem que estava ali, eu aproveitei para ligar para Jade, tinha varias ligações perdidas dela em meu celular.  
  
Coloquei para chamar e botei no viva voz. O grande portão se abriu e Lauren acelerou saindo de lá, e eu sai logo atrás um pouco mais devagar que ela por conta do telefone que eu tinha em minhas mãos.  

- Mãe? - Sorri ao ouvir a voizinha de minha filha.
  
- Oi meu amor – Digo com os olhos focados na estrada em minha frente. 
  
O carro de Lauren estava em uma boa distancia do meu. Até hoje eu não consigo entender qual a dificuldade de dirigir como uma pessoa normal ? Ela parece que está correndo na formula 1,toda vez que pega uma estrada. 
 
Eu não preciso nem falar o quanto eu fico preocupada com isso não é?  

- Onde a senhora está? Está tudo bem? - Perguntou e eu pude perceber a pontinha de preocupação em sua voz.
  
- Está sim meu bem, a mamãe já está indo pra casa. Vocês já jantaram? - Passei a marcha e joguei o meu carro pra direita ultrapassando o carro branco que entrou em minha frente em uma tentativa de pelo menos me aproximar de Lauren.  
  
- A Lyci pediu pizza, mas ainda não chegou.   
  

- Tá bom meu amor, daqui a pouco eu chego ai, tá bom? - Quando eu estava quase aproximando de Lauren, o carro dela ultrapassou o caminhão em sua frente – Eu vou matar essa desgraçada - Murmurei comigo mesma.  
  
- Mãe?   
  
- Oi meu amor  
  
-  A papa está com a senhora? É que ela ainda não chegou, e ela não atendeu o Ian, será que...  - A interrompi   
  
- Ela está comigo meu amor, está tudo bem – Pude ouvir o suspiro de alivio dela. Jade morre de medo de que algo aconteça com Lauren por conta do trabalho dela – Meu amor, a mamãe vai desligar tá bom? Eu estou dirigindo – Avisei  
  
- MEU DEUS, porque não falou antes? Tchau mama. - Sorri negando com a cabeça.
  
- Tchau amor, guarda pizza para mim. 
  
- Não posso garantir – Respondeu em meio a uma risadinha divertida e logo a ligação foi encerrada.  
  
Joguei o meu celular no banco do lado, e coloquei as minhas duas mãos no volante, agora pisando um pouco mais no acelerador. Podendo ter o meu foco total na estrada.  
  
Não demorou muito, e eu entrei na garagem de minha casa, o portão já estava aberto e Lauren estava parada encostada em seu carro me esperando.  
  
Peguei o celular no banco ao lado e a chave do carro e em seguida desci.  
  
- Eu já não falei para você parar de andar feito uma louca nas ruas?  - Digo assim que deço do carro e Lauren solta uma risadinha divertida enquanto abria os braços e vinha até mim. 
  
- Eu nem fui tão rápido dessa vez amor, você que anda muito devagar – Disse me abraçando e eu bufei tentando me esquivar dela.  
  
- Sai – Tentei empurrar o seu braço que se envolveram em minha cintura, enquanto mordia o meu lábio inferior escondendo o sorriso que estava prestes a se formar em meu rosto.  
  
- Só se você me der um beijo – Pediu fazendo bico e eu não resisti e acabei sorrindo.  
  
Segurei o seu queixo e selei nossos lábios em uma sequência de selinhos, em seguida me esquivei dela e segurei a sua mão entrelaçando nossos dedos, e assim caminhamos até a porta de casa.  


                  P.O.V. LAUREN
 
Camila abriu a porta e parou no mesmo instante com a mão na maçaneta, olhando algo dentro da sala o qual e ainda não conseguia ver. 
 
- O que foi? - Perguntei á olhando confusa.
 
Ela olhou por cima dos ombros e em seguida olhou para a sala novamente, fazendo um som com a garganta e continuou olhando para a sala.
 
- Amor? - Eu queria entrar logo.
 
Ela me olhou, e eu arquei a sobrancelha quando eu vi o nervosismo em seus olhos.
 
-  Calma – Pediu e ali eu soube que tinha algo errado. 
 
-  Dá licença - Empurrei ela com cuidado de minha frente e entrei dentro de casa, parando na porta no mesmo instante ao ver a seguinte cena. 
 
Minha princesinha Malu deitada no sofa, e Alycia deitada por cima dela, as duas faltavam engolir uma a outra. Segurei a maçaneta da porta e apertei os meus dedos ali,contando até 10 duas vezes, buscando calma, e então empurrei a porta com toda a força causando um barulho estrondoso por toda a sala.  
 
Camila que estava ao meu lado deu um pulinho de susto. Alycia praticamente voou de cima de Malu se jogando no outro sofá, Malu se sentou rapidamente e começou a ajeitar os seus cabelos.
 
- O que diabos está acontecendo aqui?

- Amor... meio que... - Olhei para Camila com as sobrancelhas arqueadas e ela colocou sua mão sobre a boca abafando uma risada – Desculpa – Pediu em meio a risos.
 
- Eu não estou entendendo a graça, Camila – Cruzei os braços e arqueei minhas sobrancelhas enquanto encarava a minha mulher .

-  "O que diabos esta acontecendo aqui? " - Engrossou um pouco a voz em uma tentativa falha de me imitar e eu arquei ainda mais as minhas sobrancelhas – Essa foi a pergunta mais idiota que você fez – Disse cobrindo a boca mais uma vez voltando a rir, porem uma risadinha a mais chamou a minha atenção. 
 
Olhei para o lado e Alycia estava rindo, porém o sorriso morreu no instante em que ela me olhou. 
 
 -  Desculpa – Pediu baixo e eu suspirei.
 
- Qual de vocês duas vai me explicar essa palhaçada ? - Perguntei tentando manter a calma.
 
- Amor ... 
 
- Camila eu estou falando com elas... - Digo e Camila levanta os braços em rendição e sai em direção a cozinha.
 
Olhei para Malu e ela estava de cabeça baixa, Já Alycia parecia nem se importar com a minha presença,já que a mesma olhava abobada para Malu.
 
- Eu quero uma explicação agora - Digo atraindo a atenção das duas.
 
- Papa eu... - Alycia tentou dizer mas Malu à interrompeu.
 
- Madrinha, a senhora mesmo falou para eu conversar com ela.
 
- Exatamente... Conversar não é ficar uma engolindo a outra. - Digo exaltada. 
 
- Mas... 
 
- Mas nada Malu - Digo e ela abaixa a cabeça. - Já está tarde,tá na hora de ir pra casa. - Digo e ela concorda.
 
- Não... - Alycia disse se levantando. - Eu pedi pizza papa,e... E a gente escolheu um filme.
 
- Tá tudo bem... - Malu disse se levantando. - Deixa pra outro dia.
 
Alycia se aproximou de Malu e já foi segurando a cintura dela e seu rosto.

Quando eu vi que as duas iam se beijar,me aproximei o mais rápido possível,separando as duas.
 
- Papa... - Alycia resmungou.
 
- Alycia, eu acho melhor você ficar bem quietinha – Digo já sem paciência.
 
- Mas a gente só vai se beijar,aliás é só isso que estávamos fazendo, não tem nada demais – Rebateu irritada e eu arquei a sobrancelha.
 
- Não tem nada demais? Não tem nada demais Alycia? Depois do beijo vem o que? Eu te conheço muito bem e.... 
 
- Lauren, vem aqui – Camila apareceu na porta da sala interrompendo a minha fala.
 
-  Camila, eu... - Me interrompeu mais uma vez ...
 
- AGORA LAUREN – Falou com o seu jeito mandão e quando eu olhei para ela, eu não esperei nem duas vezes e sai da sala e segui ela até a cozinha - Você pode parar com essa palhaçada, que elas não estão fazendo nada demais – Se virou de frente pra mim, assim que chegamos na cozinha e eu arquei a sobrancelha.
 
- Você também? Como assim nada demais? Amor, é a Malu -  Digo indignada 
 
- Sim, é a Malu e a Alycia, a SUA filha – Rebateu irritada enquanto dava um passo em minha direção.
 
Eu já ia rebater ela, quando eu percebi que Ian e Jade estavam na cozinha sentados na mesa distraídos com um joguinho qualquer.
 
Suspirei e passei a mão em meus cabelos.
 
- Eu não vou discutir isso com você agora... 
 
- Eu acho bom, eu acho ótimo – Respondeu suspirando e a campainha tocou  - Vai lá Jade, deve ser a pizza,e fala pra Malu que é pra ela ficar aqui – Camila falou indo até o armário, pegando os pratos e levanto até a mesa, enquanto Jade se levantava e ia pra sala e Ian começava a recolher o jogo dele de cima da mesa.
 
E eu? Continuei ali parada perto da porta, no mesmo lugar em que estava, com a maior cara de tacho.
 
- Desde que horas a Malu está aqui filho ? - Perguntei para Ian assim que vi Camila indo em direção a sala.
 
- Eu estava indo pro futebol e ela estava chegando. - Ele disse guardando seu jogo dentro da caixinha.
 
- E o que... - Minha fala foi cortada por Camila entrando na cozinha com a pizza.

Cheguei na porta da cozinha e vi Alycia e Malu conversando perto da porta.Dei um passo para trás no momento que Alycia olhou em minha direção.
 
- Lauren ... - Ouvi a voz de Camila e olhei para trás. - Saí daí, deixa elas.
 
- Quero saber o que elas estão conversando. - Digo e Camila revira os olhos.
 
Na hora que eu ia me aproximar novamente para ver o que elas estavam fazendo, as duas entraram na cozinha.
 
Alycia me olhou porém nem disse nada, Já Malu nem me olhou.
 
Elas se sentaram na mesa e eu olhei para Camila que também me encarava e suspirei. 
 
- Eu vou ir tomar banho – Avisei já saindo da cozinha. 
 
Eu sabia que havia criado um clima estranho ali, e que a minha presença deixaria tudo muito tenso entre elas, o que é estranho porque todas as refeições aqui de casa são entre conversas e brincadeiras. 
 
- Você não vai comer? - Escutei a voz de Camila logo atrás de mim e olhei por cima dos ombros, e apenas neguei com a cabeça antes de sumir pelo o corredor e subir as escadas de minha casa. 
 
Vocês devem estarem me achando chata ou careta. Mas veja bem, eu conheço a Alycia. Minha filha é minha melhor amiga, e eu sei de tudo que se passa na vida dela, ela sempre confiou em mim para contar as coisas. Então eu sei o quanto ela é cafajeste, eu sei que ela não se contenta só com uma garota, eu sei, porque eu também fui assim por um bom tempo. Acontece que Malu, sempre foi a minha princesinha.

Lembro como se fosse ontem, ela correndo pela casa me chamando de titia Laulen. A minha pequena cresceu tão rápido, as minhas pequenas. Claro que quando elas cresceram, o meu cuidado com as meninas foram dobrados, elas estavam crescendo, estavam ficando lindas. Até que eu percebi que eu não tinha que me preocupar com Alycia, e sim com as meninas que a Alycia chegava perto. 

Agora a Malu, sempre foi tão meiga,frágil e inocente. Por mais que o tempo passe, ela sempre vai ser a minha pequena, e eu tinha a Lyci pra cuidar dela, eu sei que minha filha sempre iria protegê-la de qualquer pessoa que chegasse perto dela e a magoasse. Mas e agora, será que ela vai conseguir proteger a Malu dela mesma?  
 
Talvez Camila esteja certa, eu devesse parar com essa palhaçada, elas já são bem grandes e... Agrh! Quem eu estou querendo enganar? Elas ainda são minhas princesinhas.... 

Com esse pensamento eu entrei no banheiro, e tomei meu banho, um dos banhos mais demorados que já tomei em toda a minha vida. 
 
Ao sair do banheiro, coloquei uma cueca preta e uma bermuda de algodão soltinha que ia até a metade de minhas coxas, e uma camiseta larga branca, que eu usava para dormir e sai do quarto. 

Quando estava descendo as escadas, vi que Jade estava sentadinha no sofá, olhando concentrada para a televisão onde passava um de seus programas favoritos sobre robótica. 
 
- Filha – Chamei me aproximando e ela desviou o olhar da tv para mim e sorriu.
 
- Oi papa 
 
- Posso te fazer uma pergunta? - Perguntei me sentando ao lado dela no sofa..
 
Ela assentiu e eu olhei para os lados.
 
- Cadê todo mundo ? - Perguntei e ela ajeitou seu óculos.
 
- Mamãe está na lavanderia e o Ian está no telefone perto da piscina e a Lyci foi levar a Malu em casa. - Disse voltando a fitar a televisão.
 
- Hum... - Murmurei . - Onde a Sua irmã estava com a Malu ? Elas estavam aqui na sala o tempo todo ? 
 
- Sim. - Disse simples com os olhos focados na televisão.
 
- Elas não ficaram no quarto ?
 
- Não - Disse pegando seu copo de suco de cima da mesinha de centro.
 
A porta da sala foi aberta e Lyci passou pela sala e subiu as escadas.
 
Segui Alycia com o olhar,em seguida olhei para Jade e suspirei.
 
- Tá bom princesa – Beijei o topo da sua cabeça e me levantei – Quando acabar ai, vai dormir, já está tarde – Avisei e ela apenas assentiu sem ao menos me olhar. 
 
Sorri negando com a cabeça e subi as escadas atrás de Alycia .
 
A porta do seu quarto estava aberta, e eu pude ver que ela estava jogada em sua cama toda esparramada, o seu rosto afundado no travesseiro. 
 
Dei duas batidas na porta,apenas para anunciar a minha presença...
 
- Eu posso entrar? - Perguntei já entrando no quarto. Ela nem se moveu – Filha... - Chamei e ela suspirou virando o rosto para me encarar – A gente pode conversar? - Perguntei me sentando na beirada da cama.
 
- Se for pra ficar brigando comigo, eu acho melhor não - Respondeu e voltou a afundar o rosto no travesseiro. 
 
Tive que morder o meu lábio inferior para não sorrir. 
 
Garota abusada! 
 
- Eu não vou brigar com você Lyci,eu só quero saber o que está acontecendo – Digo de maneira calma e ela me olha mais uma vez.
 
- Promete? - Assenti sorrindo 
 
- Prometo! 
 
Ela me olhou por alguns instantes e em seguida se sentou na cama de frente para mim e suspirou. 
 
- Acho que a senhora não entenderia, com certeza vai achar loucura – Passou a mão em seus cabelos.
 
- Você gosta dela? - Perguntei, tentando entender um pouco aquela situação.
 
- Gosto, claro que eu gosto – Respondeu imediatamente – Na verdade, eu amo ela papa, eu amo ela de verdade – Suspirei – Sabe,até uma semana atrás ela era minha irmã,eu queria enxergar ela assim porque eu achava loucura amar uma garota que cresceu comigo,mas eu descobri que não estava sendo verdadeira comigo mesma sobre os meus próprios sentimentos, eu tentei de todos os jeitos negar isso pra mim, e pra qualquer pessoa que falava isso pra mim. Mas sabe papa? Quando ela chega perto, o meu coração dispara, eu não sei o que fazer, um frio estranho na minha barriga, e eu só quero agradá-la sabe? O jeito que ela me faz sorrir com facilidade, e consegue até me fazer assistir romance sem reclamar, e romance é horrível – Fez uma careta e eu acabei rindo junto com ela. Realmente era horrível, só Camila mesmo pra me fazer assistir – E quando eu descobri que ela sentia o mesmo que eu...eu só deixei rolar - Suspirou - Quando eu comecei a entender o que eu sentia por ela,foi complicado, doloroso e eu não sabia que esse sentimento era retribuído,então eu guardei tudo a sete chaves,não queria que ninguém soubesse, não queria que ela soubesse por quê tudo poderia mudar entre a gente,eu não fazia ideia que ela sentia o mesmo.
 
- Por que não me contou isso antes?filha...você poderia ter conversado comigo,por que não me contou isso antes ?- Perguntei em um suspiro.
 
-  Porque eu fiquei com medo,muito medo - Suspirou – Me desculpa papa – Abaixou a cabeça.
 
- Olha pra mim – Segurei em seu queixo e levantei a sua cabeça - Eu só quero que me prometa uma coisa – Digo passando o meu polegar por baixo de seus olhos, quando vi que uma lágrima solitária escorreu ali – Você vai cuidar da nossa Malu, Promete pra mim? Que vai cuidar dela muito mais que antes? - Ela assentiu rapidamente – E que não vai magoar ela? - Alisei o seu rosto e ela suspirou.
 
- Eu vou cuidar dela, eu vou cuidar muito bem dela,e eu nunca vou magoar ela, prometo papa – Respondeu baixo.
 
Sorri e beijei o topo de sua cabeça me levantando da cama.
 
- Eu vou confiar em você - Digo sorrindo, e puxo o edredom – Agora deita, já esta tarde, você tem aula amanhã - Falei e ela assentiu.
 
- Boa noite papa – Falou baixo e eu sorri. 
 
Beijei o topo de sua cabeça mais uma vez. 
 
- Boa noite minha princesa – Respondi no mesmo tom.

Quando me virei para sair do quarto, dei de cara com Camila encostada no batente da porta do quarto de nossa filha, os seus braços cruzados, e um sorriso lindo em seus lábios. Sorri sem graça e ela riu entrando no quarto e foi até nossa filha, beijando o seu rosto e desejando boa noite. Eu fiquei lá parada na porta esperando. 
 
Quando Camila passou pela a porta, eu olhei para Alycia mais uma vez, e em seguida fechei a porta. 
 
E ali eu sabia, que eu podia confiar em minha filha.
 


Notas Finais


Até o próximo...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...