História Garotinhas - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 2
Palavras 475
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Mistério, Policial
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 19 - O garotinho


O garotinho

 

Murilo terminava de fechar o zíper de seu macacão laranja. Era sexta-feira. Amanhã seria o dia aberto às visitas aos familiares, porém, um vazamento nos canos acabou por alagar boa parte dos banheiros do reformatório. Então, os pertences que ainda podiam passar pela segurança do São Pedro foram mandados pelo correio. Murilo ainda segurava a pasta de dente, a escova e o novo tênis que a mãe mandara.

            Ele olha para os pés. O seu antigo calçado ainda podia aguentar por mais uns dias, só precisaria de uma nova palmilha, já que a sua fora roubada em uma das primeiras noites, após a sua chegada.

            O menino pega os tênis e tira as palmilhas. Na sola de um deles, havia um bilhete. Os guardas não o viram no momento da inspeção. Murilo o abriu.

           

            Não pense que te esqueci. Ainda vou te tirar daí.

            Te amo.

           

            Ele sorri com a mensagem. Não era de sua mãe, conhecia a fonte da letra. Era da única garota que o amou de verdade, mesmo após o seu beijo. Ela não fora obrigada a nada.

            – Anda, Murilo! – alguém bate na porta da divisória onde o pedófilo estava. – O que foi? Está se masturbando, pensando em suas garotinhas?

            Era um dos garotos com o qual dividia o quarto.

            Murilo não era tolo. Antes de ser mandado para o reformatório, o promotor o avisou como os outros detentos o tratariam pela espécie do crime. O oficial de justiça também o alertou sobre os abusos sexuais que sofreria. Desde então, Murilo era o último a sair do banheiro e a fechar os olhos. 

            Ele olha pelo vão da porta, procurando por sombras – sinais de movimento. Não se ouvia mais barulho. O menino abre a porta. Tinha na cabeça a ideia de que sua estadia estaria chegando ao fim, apesar de não fazer ideia de como ela o tiraria dali.

            Murilo coloca o bilhete no bolso de seu macacão. Ele estava verificando se realmente havia fechado a tampa da pasta de dente, quando, de frente para o espelho, viu um vulto se aproximar. Antes disso, já havia escutado o barulho de passos na água que inundara o banheiro se aproximarem por todos os lados, encurralando-o. 

            O maior dos garotos o derruba no chão. O queixo de Murilo bate no piso de pedra.

            – Ai – ele geme ao ver o seu sangue se misturar a água.

            – Já está gemendo? Ainda nem começamos! – era a mesma voz que o abordou na divisória.

            Murilo fechou os olhos ao sentir o toque dos outros detentos em seu macacão.

            – Socorro! Por favor, alguém me ajude!

            Nenhum guarda estava por perto, mesmo sendo o horário de recolher, como se tudo aquilo fosse... combinado.    

            Eles tiram a sua roupa. Murilo, agora, sabia como se sentiram as suas vítimas, mas ainda não conseguia se arrepender pelo o que havia feito.

 


Notas Finais


Meus queridos e fiéis leitores, obrigado por chegarem até o final do início da saga de aventuras de Catolé do Rocha. A continuação de nossa trama será postada em breve e será intitulada como Garotinhos.
Espero que estejam roendo as unhas para descobrirem que matou Murilo Tomaz, o garoto que não pegava garotas, pegava garotinhas.
Eu, Antônio Mariano Neto, sou grato por cada um de vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...