História Garoto de aluguel-(YoonMin) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Suga
Tags Bts, Jimin, Suga, Yaoi, Yoonmin
Visualizações 206
Palavras 3.963
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Garoto de aluguel-(YoonMin) - Capítulo 4 - Capítulo 4

-Kichun, eu fiz.

Ainda dez da noite, Soho estava lotado. Os "lugares" de sexo, estavam abertos, assim como as salas de cinema e os restaurantes.

Só as lojinhas mais entediantes fechavam às sete. Jimin se dirigiu a Tysbury Court, com a esperança de que Yoongi estivera na sua caixa. Duas noites seguidas. Isso era repugnante? Não! Tudo o que queria era entregar ao rapaz o dinheiro. Que tipo de prostituto se esquece de pegar seu dinheiro depois de transar?

"Transar, isso foi tudo o que foi, então não começa a atuar como idiota e ter idéias estúpidas".

-Que?-Kichun quase esquecia seu tom de rua e, depois da curiosidade inicial, comentou de novo.-Qué?-Deixando que o "e" deslizara ao final.

-Já sabe. Tive sexo.-murmurou, se certificando ao redor. Ainda que a rua estava cheia, ninguém pareciar ter nenhum interesse nele. Pequeno, sempre desastrado, e usando calças de tecido social, não era de se estranhar que nunca teve namorado. Quem sairia com um nerd como ele?

-Caralho! Puta merda!- Kichun gritou ao celular. O ato reflexo de Jimin o fez afastar instantaneamente do ouvido.

-Pensei que ficaria feliz.

-Estou. Então...Foi só uma noite ou um encontro?

-Apenas uma noite.-falou baixo

-Ah. Pelo menos isso. Era gata? Porque sería pior se fosse uma cadela e você só fez pra não continuar virgem em seu trigésimo aniversário.

Se podia dizer a alguém, esse alguém era Kichun. Fazendo uma pausa, na escuridão crescente na esquina entre as ruas Whitcomb e Orange, Jimin olhou para a esquerda e a direita como se uma multidão de curiosos se esforçassem para escutar suas palavras.

-Kichun, era um homem.-Susurrou.

-Você é gay?-"Ah, Deus não". Ele não aceitaria. Como de costume, tinha julgado mal a situação. Ele nunca fazia bem quando se referia a pessoas.

-Ah! Excelente!

Ficou aliviado por um instante.

-De verdade?

A risada repentina de seu irmão fez com que uma dor aguda atravessasse seu tímpano.

-Só espera até que os velhos saibam.

-Não!-sua voz resoou.-Não pode dizer a eles, sabe como a mamãe é.

-Por que não?-Parecia realmente decepcionado.

-Sabe porquê. Ficaria horrorizada se ao menos os vizinhos chegassem a saber.

Com um tom de tédio e decepção Kichun apenas disse:-Tá bom. Não vou dizer nada. Mas então...Quem é ele? Vão se ver de novo?

-Não, já falei. Foi só coisa de uma noite. É melhor eu ir.

-Quero todos os detalhes, quero ficar informado.-Falou Kichun por último antes de que Jimin desligasse e seguira pela rua de Tisbury Court, tentando lembrar exatamente por onde tinha caminhado a noite passada. O cheiro era repugnante ainda quando Jimin abriu caminho atravez do lixo do escuro beco. Dois homens, um em frente a parede e o outro o penetrando, completamente ignorantes a Jimin, terminavam "seu assunto". Graças aos céus Yoongi tinha aceitado ir pra casa com ele. Transar em um obscuro beco com mal cheiro não era algo que gostaria de recordar, ao menos, para sua primeira vez.

Uma caixa de papelão contra a parede da esquerda fez com que seu coração acelerasse.

-Yoongi?

-O que quer?-A tampa foi se abrindo lentamente, revelando um homem sujo e velho com o cabelo emaranhado. Jimin acelerou o passo. Talvez Yoongi não estava ali essa noite. Talvez tinha encontrado um beco melhor para morar. Talvez estava com outro cliente. Isso era tudo o que Jimin era, apenas um cliente. Que idiota! Atuando como se tratasse de um relacionamento sério. Na entrada do lado da rua, girou de novo na direção de Tysbury Court quando uma voz familiar o deteve.

-Jiminnie?

Seu coração disparou. Yoongi estava entre as sombras apoiado contra a encardida parede.

-Esqueceu o dinheiro ontem.-Enfiou a mão no bolso de trás e tirou trinta dólares.

Yoongi pegou o dinheiro e guardou no bolso.-Valeu, amigo.

Jimin tentou dizer algo, mas seu cérebro falhou, como sempre parecia fazer em ocasiões sociais. Caminhou até a entrada, vendo durante meio minuto as pessoas caminhando pela rua. Era melhor ir embora antes de se ver como o idiota desastrado que era.

-Vem aqui, Jiminnie.-O tom foi suave.

Virou de frente para Yoongi novamente, o jovem o agarrou pela parte de frente da camisa e o puxou para a escuridão mais profunda, o empurrando contra a parede. De Yoongi emanava um cheiro a limpo, tendo em conta a vida que levava. De pé, tão próximos que seus estômagos magros se tocavam, Yoongi pegou a cintura das calças de Jimin entre seus dedos, abrindo o cinto e logo desabotoando. Tudo de zero a mil. Em um segundo estava ansioso de ver Yoongi, esperando que o garoto quisesse falar com ele um momento, talvez levá-lo a sua casa de novo, ao seguinte seu coração palpitava com violência, e sua "coisa" estava dura e tão excitado que temia que pudesse gritar como o tinha feito na noite anterior.

-Respira.-Yoongi ordenou.

Obedecendo, Jimin conseguiu se controlar o sificiente para quando a mão quente fechou na volta de seu pênis. Não gritaria, nem ia ejacular. Literalmente, sentía seus joelhos fracos, apoiou suas mãos sobre os ombros de Yoongi e pressionou suas costas contra a parede. O cheiro fétido daquele local foi substituído pelo aroma limpo e doce do garoto a sua frente. O prazer palpitava no seu membro e corria até sua cintura e bunda, e logo até seus joelhos. Jimin colocou toda sua atenção na mão suave e morna na sua "coisinha" que ia de cima para baixo, seu prazer era mais e mais alto. Incapaz de se conter começou a gemer em voz alta.

-Não!-Yoongi murmurou no seu ouvido.-A polícia vem por estes lugares.

-Oh! Sinto muito.-O líquido saiu do seu membro caindo na mão de Yoongi.

-...Obrigado.-Susurrou ofegante no ouvido do outro.-Não trouxe dinheiro efetivo.

-Aceito um cartão de crédito.-Falou o mais novo com calma,  limpando as mãos nos próprios jeans.-Quer comer alguma coisa?

Surpreendido com a sugestão Jimin assentiu enquanto arrumava as calças.-Sim, boa idéia. Estou morrendo de fome.

Da sua caixa de papelão Yoongi pegou a mochila.-Vamos.

Embaixo do farol de Tysbury Court Jimin fitou tímidamente a Yoongi. Era uma estupidez. Se sentia como em um verdadeiro encontro, em vez de uma simples saída com um garoto de alguel em um beco.

-Quer um Kebab13?

-Sou vegano.

-Ah, sim. Já disse noite passada.

-Vamos na fabrica de Tofu14.

-Não está fechada?

Yoongi gargalhou e colocou as mãos nos bolsos, conforme seguia caminhando. Vários centímetros mais alto que Jimin e bem magro, Yoongi tinha um passo casual, pasos largos que Jimin se deparou admirando e tentando imitar. Enfiou as mãos nos bolsos, deixando sua cintura se balançar ligeiramente. No momento que se detiveram fora da fábrica de Tofu, pensou que já tinha dominado a forma que Yoongi caminhava.

-Ah, já vejo. É o nome do restaurante e é vegano.

Min Yoongi abriu a porta, e vagou pelo interior, detrás do balcão de vidro eram visíveis os alimentos de aspecto estranho que emanavam cheiro a especiarias. A noite era úmida, e o passeio tinha levado vinte minutos. Entre a emoção de estar com Yoongi e o calor da noite, as palmas das mãos estavam tão suadas ao ponto de que pareciam que tinham aderido ao tecido do interior dos bolsos. Não estava conseguindo tirar as pequenas mãos! Vendo como Yoongi inclinou seu corpo no assento de madeira, Jimin se sentiu inútil, tentando tirar as mãos sem demonstrar dificuldade. Se pudesse pelo menos se sentar, poderia continuar tentando embaixo da mesa sem ser visto, uma vez que não podia fazer nada a não ser ficar o olhando com tristeza.

-O que sucede?-A curiosidade fez que o negro do seu delineador se notara mais quando Yoongi levantou a vista à ele. Por que sempre tinha que ser um total imbécil? Um total e absolutamente patético Billy no kill. Um pobre e triste estúpido.

-Sinto muito...Minhas mãos estão presas nos bolsos. Realmente suo muito quando estou nervoso.

Yoongi afundou a cara no peito. Estava envergonhado obviamente, ao ser visto como um tolo idiota que não conseguia tirar as próprias mãos dos bolsos. Provávelmente levantaría e fugiria por um instante, deixando Jimin incapaz de até mesmo abrir a porta para sair. Sentiu uma quentura tomar conta do seu pescoço e se instalar nas bochechas. Yoongi sacudiu os ombros com alegria.

-Vem aqui!-Segurou os braços de Jimin e começou a puxá-los, rindo histericamente ao passo que o fazia.

Outros clientes os olhavam com desaprovação.

-Se importam?-Um homem corpulento com um avental braco se aproximou.-Isso aqui é um restaurante familiar.

-Suas mãos estão presas nos bolsos.-Disse Yoongi em voz alta.-Não fica ai olhando, e ajuda logo.

Para o momento em que Yoongi e o chef corpulento conseguiram liberar suas mãos, as bochechas de Jimin oscilavam num tom vermelho carmesim, todas as pessoas o olhavam. Era como os maus sonhos, onde você se encontra caminhando nu pela praça.

-Agora façam o favor de se sentar e se comportem.-Ordenou o cara de avental visivelmente incomodado.

Yoongi continuava rindo a medida que lia o cardápio. Ambos pediram arroz com curry tailandês, tofu e suco de mamão.

O que tinha acontecido com a vida tranquila e respeitável de Jimin, nas últimas vinte e quatro horas? Havia feito sexo com um prostituto, não uma mas duas vezes. E uma delas no sujo beco. Tinha feito papel de ridículo cada vez que tentava seguir a moda. O rapaz a sua frente, cujos olhos eram um ímã para os seus, com certeza o considerava um nerd semi-retardado da pior espécie. A emoção que tinha surgido em seu interior quando Yoongi lhe tinha dito "Vem aqui", e logo o masturbou era algo que nunca tinha experimentado antes. Agora o único que queria era se afastar dele com os últimos resquícios da sua dignidade intacta.

Uma sombra caiu sobre eles quando o homem alto trouxe seus pedidos. Com receio, Jimin o observou, surpreso ao ver a cara do homem "amolecer" com algo parecido com um sorriso.

-Disfrutem, garotos. Fazem um lindo casal.-Disse amavelmente.

-Não somos um casal. Ele é prostituto.-As palavras brotaram da língua de Jimin antes de que pudesse detê-las.

Os olhos amáveis mudaram para furiosos.-Só comam e dêem o fora.

Jimin deixou cair o queixo sobre o peito. Por que não conseguia manter a boca fechada?

-Valeu por dizer pra todo mundo que meu cu é de aluguel.-Yoongi segurou o garfo e deu um grande bocado.

-Não sei porque disse isso. Sinto muito... As coisas chegam na minha cabeça e saem antes de perceber. Não consigo evitar.

Olhando-o nos olhos, Yoongi tomou um longo gole do suco, no entanto não respondeu. 

Jimin fitou sua comida, incapaz de provar. Quando se chateava, seu apetite era o primeiro a ir embora. Pegou a carteira do bolso e tirou o cartão de crédito.

-Deixa eu pagar pela...você sabe.-Lhe ofereceu o cartão. Yoongi o olhou por um momento.

-Cê tá brincando, né?

-Não.

Yoongi voltou a gargalhar, cuspindo pela boca.

-Você não...Sério?

Por um instante Jimin ficou atônito. Que besteiras tinha falado agora? Olhou o cartão de crédito na mão. De repente a burrice que era tentar pagar um prostituto com um cartão o açoitou, e também começou a rir.

Nunca tinha rido assim na sua vida. Quando o suco de mamão saiu voando pela mesa, o homem de avental saiu detrás do balcão.

-Já chega! Fora os dois, agora!

Jimin ficou aterrorizado, sem saber o que fazer. Que humilhante, ser expulso de um restaurante! Yoongi segurou sua mão e o arrastou daquele lugar, correndo como Sonic pela rua, gargalhando. A adrenalina corria pelos seus músculos. A única vez que tinha ficado tão emocionado foi quando escreveu pela primeira vez em uma revista científica.

-Merda, Jiminnie, você é tão estranho.-Falou Yoongi quando se detiveram.

-Eu sei, não consigo evitar. Suponho que isso significa que não vai querer vir comigo pra casa de novo, não é?

-Eu adoraria.

-Sabia, não deveria ter perguntado e...Quê?

-Eu disse que adoraria.

Novamente a pequena onda de adrenalina inundou suas entranhas quando Yoongi entrelaçou seus dedos com os dele enquanto caminhavam pelas ruas tranquilas de Bloomsbury. Quando chegaram estava um pouco mais calmo, contudo, estava bem consciente que estava segurando a mão de outro homem em público. O que aconteceria se encontrasse o Doutor Howard ou algum dos seus ajudantes de laboratório? Então teria que dar algumas explicações. "É Yoongi, um prostituto, e vamos pra minha casa fazer sexo, e vou pagar." Podia ouvir a si mesmo dizendo isso.

-Se importa se tomo um banho? Aqui é como um forno às noites.

-Adiante.

Yoongi se deixou cair numa poltrona e colocou seus pés que estavam afundados em botas pretas sobre a mesa do café. Ao vê-lo, Jimin se maravilhou dele. Tudo o que Yoongi fazia era tão confiante.

Como vivia na rua sem família e podia continuar sendo tão seguro de si mesmo?

Yoongi o fitou.

-O que?-Jimin apenas encolhou os ombros e sentiu suas bochechas ardendo, incapaz de responder.

No minúsculo banheiro jogou suas roupas no chão e entrou no chuveiro. Sempre tinha se sentido envergonhado de seu corpo, e só Deus sabia o que Yoongi pensava dele.

Tomou o sabonete e começou a se banhar. Quando sentiu uma mão na sua bundagritou e se virou bruscamente se apoiando contra a parede. Vítima do pânico ao ser visto nu baixo a luz brilhante do banheiro sem sombras. Envolveu seus braços ao redor de seu peito. O riso brotou de Yoongi, que estava nu, tão pálido e magro. Um par de tatuagens enfeitavam a parte superior de seus braços, mas a parte interior de seu antebraço direito coberto por numerosos cortes frescos, que prenderam sua atenção. Olhando mais de perto, viu marcas, algumas mais tênues, algumas ainda num tom levemente rosa mas fundas no outro braço e peito.

O garoto entrou no pequeno espaço e fechou a porta de vidro atrás de si. Ontem à noite estavam no escuro quando se encontravam nus. Olhando-o agora Yoongi provávelmente teria ido embora sem que lhe pagara.

Entre os dedos Yoongi segurava um pacotinho de papel quadrado. O abriu com os dentes, tirou o preservativo, e jogou a pequena embalagem nos azulejos caindo perto do lugar por onde a água saía.

-I-isso poderia causar um entupimento.-Disse sabendo que soava idiota mas sentia vontade de se distrair. Seu pênis estava descoberto e quando Yoongi o agarrou para masturbá-lo lançou um grito e se afastou. Com a respiração entre-cortada falou a si mesmo.

-Sou um idiota, desculpa.

-Não importa. Assim é mais fácil.

Apesar de que quase não podia suportar o toque da mão ágil de Yoongi no seu sensível membro. Jimin olhou o garoto enquanto colocava o preservativo. Yoongi o obsevou diretamente nos olhos e Jimin disse sem pensar.

-Me fode.

A coisa mais sexy que Yoongi tinha ouvido até então. Jimin ficou contra a parede, deixando bem a vista suas nádegas grandes e arredondadas, suas coxas gordinhas, com água correndo pelo seu corpo e desesperado pela atenção de Yoongi, se apegou a ele e o olhou por cima do ombro.

-Yoongi?-A voz saiu lenta e parecendo um gemido, uma prece.

O mais novo passou seus dedos sobre a cintura de Jimin, acariciou sua nádega e logo levou a ponta do próprio membro a entrada de Jimin.

-Vai doer um pouco, Jiminnie.

-Faz..faz de qualquer jeito.-Susurrou Jimin sôfrego.

Sentiu o empurre duro sobre sua cintura, e sentiu o pênis de Yoongi entrar em uma estocada dentro dele. O que sentia era excitante, disparava rajadas de prazer pelo seu órgão genital e a parte baixa de seu ventre.

-Tudo bem?-Sentiu como Yoongi susurrou tão perto da sua orelha, algo que o fez estremecer. Se chegava ao ápice muito rápido, não terminaria ao mesmo tempo que Yoongi, e ainda que dificilmente a situação era uma dessas em que os amantes fazem feliz ao outro, tinha um forte desejo de compartir esse momento com Yoongi, e fazê-lo feliz.

Jimin moveu um pouco as coxas e sentiu como ambas mãos agarraram sua cintura e começava a empurrar. Jogou a cabeça para trás e gemeu forte. Estava alerta a todos os movimentos e sons que Yoongi fazia, ele penetrava com força no seu ponto fraco, estava a ponto de alcançar o orgasmo. Seus músculos tensaram e o grito que surgiu da sua garganta retumbando no pequeno ambiente era mais forte que o murmúrio da água. Jimin queria abraçar Yoongi, era um sentimento incrível e diferente de intimidade que acabava de sentir e resistia a deixá-lo ir.

Se manteve apertado contra a parede do chuveiro, e sentiu Yoongi tentando se afastar um pouco.

-Fica ai um momento.-Murmurou Jimin.

Yoongi o abraçou pela cintura e beijou a parte posterior de seu pescoço, e lentamente, depois de vários minutos, se distanciou permitindo que seu pênis deslizara fora de Jimin. O preservativo caiu, ficando próximo ao papel que o continha.

Jimin girou seus braços e puxou Yoongi para um abraço. Durante bastante tempo ficaram abraçados enquanto a água caía sobre seus corpos.

-Gostaria que fosse meu namorado, Yoongi.-As palavras saíram sem aviso, e sem examiná-las. Não queria detê-las, queria ser honesto e aberto, não sabia fazer de outra forma.

Sem se mover, Yoongi apenas pronunciou:-Sim...bom, não sou. Sou...um prostituto.

-Você se corta?-perguntou Jimin em voz baixa.

-Não, bobo. Foi um acidente.-Yoongi parou a fala atrapalhada. Apertou a cintura de Jimin mais forte, e apoiou o queixo sobre seus cabelos.

-Tem cicatrizes antigas nos seus braços e peito.-Insistiu Jimin sem saber se era uma boa idéia pressioná-lo.

-Se chama escarificação, é uma forma de arte.-Disse Yoongi.

-Yoongi, não tem nada de artístico em cicatrizes.

Suavemente Yoongi pronunciou:

-Sim, eu me corto. Faz você se sentir melhor em saber?

-Sim, faz. Quero que seja sincero comigo...Mas, por quê?

A maior parte do tempo Jimin se sentía com medo, ainda mais no início da sua nova empresa. De vez em quando tinha estado deprimido. Mas, por que alguem ia se sentir tão mal ao ponto de cortar a própria carne?

-Não sei.

-Apenas posso te ouvir Yoongi.-Sem soltar a cintura de Jimin, Yoongi deu um passo atrás.

-Eu falei que não sei.-O menor sorriu.-Melhor não falar disso, melhor irmos pro quarto, fazer de novo.

Distraindo-se fácilmente do confuso assunto, Jimin sorriu pra ele.

-Adoro seus olhos. São lindos, mas com a maquiagem borrada fica parecendo um desses animais que vi na TV, os que tem em Estados unidos.

-Um, mapache?

-Sim, isso, um mapache.

Yoongi enxaguou os olhos com água, retirando a maquiagem que ficava.

-Esse sou eu natural.

-Gosto assim.-Disse Jimin.-Gosto dos dois jeitos, com e sem maquiagem.

Yoongi abriu um pequeno sorriso.

-Gosto do seu nariz.

-Ninguém me disse isso antes, eu não gosto. Estava pensando em fazer uma cirurgia...O que você acha?

Yoongi o olhou com atenção:-Não faz...

Com a água correndo Yoongi ficou de joelhos. Jimin perguntava o que ele estava fazendo enquanto olhava por cima da cabeleira preta. Quase gritou estupefato quando Yoongi tocou sua intimidade e a chupou com a boca. Ofengante, Jimin não conseguia sentir a pernas, Yoongi o chupava e lambia com vontade. Colocou ambas mãos sobre a cabeça aposta como se fosse dar uma bênção. Ele não acreditava que em um dia tinha chegado ao seu ápice três vezes em uma rápida sucessão, mas o fez, seus fluidos bombeavam na boca de Yoongi. Quando seu último vestígio de prazer foi arrancado do seu membro, esperou, sem se mexer. Yoongi envolveu seus braços nele, ficando próximos.

Jimin em toda sua vida nunca havia se sentido tão inexplicávelmente agradecido, feliz, satisfeito como se sentía nesse momento, não se arrependia de nada.

-Y-yoongi levanta. Yoongi obedeceu.-Vai pro quarto e deixa eu te fazer feliz. O que quer que eu faça por você?

-Quero um abraço e quero conversar.

-Mais alguma coisa?-Perguntou Jimin.

-Com relação a sexo? Amo sexo. Mas agora quero ser abraçado e conversar.

-Seus desejos são ordens.

Jimin se secou com uma toalha. Escovou os dentes e enxaguou a escova de dentes durante alguns minutos na água da pia para logo entregá-la a Yoongi.

-Desculpa. Não tenho nenhuma extra. Geralmente não compro coisas desse tipo até que as preciso. É nova, o dentista me deu mês passado, na revisão.

-Você é engraçado.-Yoongi pegou a escova e a seguir já a usava.

-Suponho que é melhor do que ser estranho.

Entraram no dormitório. Quando se deitaram Jimin esticou seus braços para Yoongi. E como se nunca tivesse sido abraçado, se aconchegou neles.

-Isso foi a melhor coisa.-Disse Jimin.

-O quê?-Yoongi entrelaçou suas pernas com as de Jimin.

-Que você colocara aquilo na sua coisinha e me fizera aquelas coisas.

-Coisinha?-Yoongi gargalhou não acreditando no que ouvia.-Só as crianças de cinco anos falam assim.

-Não posso falar palavras com "p", me criei dessa maneira. Em casa tudo relacionado a sexo é sempre uma insinuação e eufenismo. Quando tinha quinze anos, meu pai me disse: "Um dia você vai achar uma garota, e vai querer estar perto dela. Se não conseguir esperar até que estejam casados, se asegure de usar proteção". Pensei que estava falando das minhas aulas de luta. Não podia imaginar uma garota me dando um golpe na garganta.

Yoongi riu tão forte que Jimin podia sentir as vibrações do seu estômago contra o seu. Quando conseguiu falar de novo, Yoongi disse:

-Em casa, nós também não falamos exatamente de sexo. Mas quando você está com outros caras nos clubes e está conseguindo, não dá de falar: "Chupa minha coisinha". O cara ficaria histérico.

-Exatamente isso. Nunca fui em clubes com outros caras. Umas quantas cervejas no bar com os estudantes depois das aulas foi o máximo de socialização que consegui na faculdade. E tem sido em declínio desde então. Fui só uma vez a um club gay, nenhum dos homens me deu a mínima atenção. Peguei um bebida e fui embora.

-Por isso a procura de um homem de aluguel?

-Parece triste, sim.

-Fala "pau".-Disse Yoongi

-Não, não posso.

-Pode sim!-Empurrou a Jimin sobre suas costas e se apoiou num cotovelo, o fitando diretamente.

Não podia deixar de sorrir, Yoongi o fazia se sentir tonto.

-Vai! Fala merda e pau.

O que deu nele? Era como se tivesse enmudecido diante de um par de palavras estúpidas. O riso de Yoongi não ajudava, lhe dava vontade de rir também, e nem sabia porquê.

-Ah Jimin! Fala pau, você consegue.

-Pau.-murmurou Jimin.

-Mais alto.-Pediu Yoongi.

Tinha o sorriso mais travesso que já vira. Uma covinha disimulada se formava quando ria. Ao olhá-lo Jimin se sentía delirando e de alguma incabível forma feliz.

-Pau.-Falou um pouco mais alto.

-Grita.

-Os vizinhos!

-Vai, grita!...Tudo bem então, vou te mostrar como se faz.

-Yoongi, não!-Jimin deu um pulo, ficando em cima dele, tentando pressionar sua mão contra a boca de Yoongi. Porém, era tarde demais. O local ecoou diante das palavras.

-Pau! Merda!

Jimin se acomodou e lhe tapou a boca com as duas mãos.

Completamente imóvel, Yoongi ergueu o olhar até ele, fazendo barulhos de "mmmm" embaixo da sua mão.

-Só vou tirar se prometer não gritar.

Yoongi assentiu, lentamente Jimin tirou a mão. Yoongi começou a rir de novo.

-Fala ou vou gritar de novo.-Ameaçou o mais pálido.

-Pau.-Susurrou Jimin.-Merda!-Yoongi se virou puxando Jimin até que suas posições se inverteram.

Yoongi o olhava divertido.

-Agora fala "Me come".

Yoongi recorreu a uma longa lista de palavras relacionadas a sexo, enquanto Jimin repetia as palavras. Algumas eram mais engraçadas que outras, de igual maneira riram de todas. Depois de um longo momento, Yoongi desceu de Jimin. O moreno se virou de lado dando um forte abraço em Yoongi.

-Coloca a perna aqui, Jiminnie.-Balbuciou sonolento.

Jimin colocou a coxa sobre a cintura de Yoongi e puxou suas pernas para mais perto.

-Assim?

-Uhumm.

O garoto adormeceu rápidamente. Jimin porém, ficou acordado durante muito tempo, não queria perder nem um minuto de estar com esse ser encantador, engraçado e lindo. Uma hora mais tarde, Jimin ainda não conseguia pegar no sono, levantou, colocou os óculos e foi pra sala.

Tinha ficado pensando todo dia em arrumar algo do seu trabalho. Por questões de segurança nunca guardava a informações no disco externo. Tudo relacionado a seu trabalho era guardado em cartões de memória. Na gaveta do seu escritório estava a informação sobre a fórmula do pesticida. A única copia extra além dessa estava na caixa à senha do laboratório. Ninguém ia ter em mãos o composto original de Lintrane. Os testes tinham demonstrado que era fatal para os humanos, quando era suposto que só deveria matar insetos. Tinha estado trabalhando em revisar a fórmula durante semanas e agora era completamente segura, e era justamente a que ia apresentar a empresa farmacêutica.

Pegou a memória com os dados pouco fiáveis, a levou até a cozinha, e a colocou sobre a tábua de madeira de picar. Com um utensilio de amassar carne, quebrou o cartão sd e logo o deixou cair em um copo de plástico com água, colocou sal, e voltou pra cama. Yoongi dormia na mesma posição.

Se deitou com cuidado, acomodou-se no peito do outro, para em seguida adormecer.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...