História Garoto-problema - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Amor Doce, Romance
Exibições 72
Palavras 1.619
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Esse capítulo conta a história de quando a April chegou na escola e como ela foi ser amiga das três patetas. Não acontece nada muito emocionante, mas em compensação, no próximo cap a história vai começar a desenrolar.
P.s.:Me desculpem pelo atraso! Minha família chegou sem avisar e eu não tive tempo de passar os capítulos a limpo. Vou tentar não atrasar de novo na próxima vez. Me perdoam?

Capítulo 3 - Back in time


Tudo começou no meu primeiro dia de aula em Sweet Amoris, no ano passado. Eu estava entusiasmada de começar o ensino médio numa escola diferente. Meus pais surgiram com a ideia da mudança de colégio usando argumentos de que a minha antiga escola não tinha o ensino forte o suficiente para me preparar para uma faculdade. De início fiquei receosa, é claro. Eu não estava me mudando para outro estado ou nem mesmo para outra cidade, mas qualquer mudança, mesmo que seja pequena, é difícil. Eu temia largar meu conforto de estudar numa escola pequena e me perder de tudo o que eu conhecia. "Perder? Mas o que você tem a perder, afinal?" Foi o pensamento que me incentivou e me levou a estar onde estou agora. Eu tinha amigos, assim como todos os estudantes de lá. Mas ao contrário dos outros, eu não era tão apegada a eles. Eram boas pessoas, mas eu não conseguia criar intimidade com nenhum, independente da quantidade de tempo que passávamos juntos.

Quando dei o meu primeiro passo dentro de Sweet Amoris, me sentia mais esperançosa do que nunca. Eu me importava com os meus estudos e desejava entrar numa faculdade boa algum dia. Mas além disso, esperava finalmente conseguir me enturmar de verdade e criar raízes fortes naquele colégio.

Passei os primeiros horários assistindo atentamente as aulas. Ao soar o sino que indica o intervalo, eu tinha a intenção de conhecer novas pessoas enquanto almoçava no refeitório.

Logo quando saí da sala de aula, uma garota de cabelo roxo que portava um microfone e uma gravador se aproximou de mim com um sorriso predador. 

_Até que enfim! Você é a única entre os novatos que eu ainda não tive uma conversa. Pronta para responder a algumas perguntinhas?

A garota, que mais tarde descobri se chamar Peggy, retirou um caderno com uma lista de perguntas intermináveis. Sem saber como reagir, apenas balancei a cabeça positivamente.

_Muito bem. Seu nome é April Stone, certo? É um nome diferente. Você veio de outro país? - Eu já ia responder que não quando ela continua - Ou sua família veio da rocinha? Já ouvi falar que os caipiras têm mania de colocar nomes estrangeiros cafonas nos filhos achando que é um luxo.

Eu fiquei sem fala de tão chocada. Rocinha? Caipiras? Eu e minha família não viemos da roça, mas do mesmo jeito achei crueldade da parte dela dizer algo assim.

_Não, não vim de outro país e também não...

_Ótimo! Então esse ano temos uma forasteira caipira, huh? - dizia ela enquanto fazia anotações em seu caderno. Eu podia sentir minhas bochechas queimarem de raiva - Próxima pergun...

_Acho que hoje não. Não estou afim de dar minha contribuição para a sua tão "construtiva" lista de perguntas. - pela pinta de jornalista dessa garota, eu não devo ter sido a única novata que foi atacada por suas perguntas ofensivas. - Você não devia fazer esse tipo de coisa. Pode magoar alguém de verdade se continuar falando besteiras como essa.

A garota me olhou bufando, provavelmente irritada por eu ter insinuado que sua lista de perguntas é uma besteira. Parabéns, April. Primeiro dia de aula e já está fazendo inimigos. 

_Escuta aqui, Caipira. Entre todas as pessoas que estão nessa escola, não vai ser você que vai me dizer o que eu devo ou não devo fazer. - ela falou balançando o dedo em minha direção, quase como uma ameaça -São as minhas "besteiras" que entretém os estudantes da Sweet Amoris. E acho que todos vão se divertir bastante com um artigo sobre a Caipira que chegou na cidade grande, você não acha?

Ela deu meia volta e desapareceu entre os corredores cheios de alunos circulando.

Que maravilha. Logo ficarei conhecida como a Caipira da escola. E nem ao menos da roça eu sou!

Me encaminho para a sala de aula da próxima matéria. Cheguei muito mais cedo do que o começo da aula e sou a única na sala. Me lembrei que eu pretendia fazer novas amizades no refeitório, mas o acontecimento com a menina das perguntas me desanimou um pouco. 'Não faz mal', pensei. 'Amanhã será um novo dia e você pode tentar de novo'.

No dia seguinte, volto para a escola com as energias renovadas. Minha determinação acaba, quando vejo um artigo de reportagem com a minha foto colada. Falava sobre a minha suposta "cultura da rocinha" com desenhos de festa junina e uma montagem minha usando um chapéu de palha.

Atrás de mim, vejo um grupo de amigos falando entre si e me lançando olhares de pena. Ao menos, eu acho que eram olhares de pena. Não. 'É claro que não são olhares de pena, idiota. Eles estão é debochando de você, a Caipira da Sweet Amoris.', pensei. O garoto loiro cochicha algo com a menina de cabelos castanhos de blusa azul. Logo apontou para mim "discretamente" com uma expressão no rosto que eu não soube decifrar. 'Lá se vão as suas esperanças de se enturmar.', pensei novamente.

Meu lábio treme e sinto que estou prestes a chorar. Noto que também foram feitos outros artigos sobre os outros novatos, mas nenhum se compara ao meu. A aluna jornalista ficou realmente irritada comigo. No fundo do corredor, vejo-a abrir um sorriso triunfante. 'Não. Você não vai deixar essa menina te ver chorar'. Com esse pensamento, corro o mais rápido que consigo.

Entro em um dos cubículos do banheiro e deixo as lágrimas rolarem. Por que, dentre todas as pessoas, tinha que ser eu?

Mas eu sabia a resposta. Porque eu havia provocado. Duvido que algum outro novato tenha ousado contrariar Peggy. Inteligentes, eles. Você deveria ter ficado de boca fechada, April.

Ouço vozes de três meninas conversando enquanto entram no banheiro. Me encolho ainda mais em meu cubículo e me esforço para não fazer nenhum barulho.

_Aquele idiota do professor Faraize! Aposto que só me mudou de lugar na sala porque não faço os deveres da matéria dele. -disse uma delas

_Bom, na verdade você não faz dever de nenhuma matéria, Ambre.

_É claro que não! É pra isso que servem os pirralhos da nossa sala. -disse a mesma, com voz indignada- Mas o que me preocupa é como vou fazer as provas de agora em diante. Antes, eu sentava atrás de você, Charlotte. Eu tinha a nota máxima garantida! Como vou fazer pra colar de você sentada do outro lado da sala?

Ah. Então é disso que se trata. Essas devem ser as "meninas malvadas" da escola. No meu outro colégio também tinha um grupo dessas meninas. Tenho nojo de gente assim. Já estava começando a bolar um plano pra sair do banheiro sem que elas me vissem quando paro de repente. 'E se?', não consigo deixar de pensar. Entre passar o resto do colegial sozinha ou ter companhias desgastantes, a segunda opção me pareceu a menos pior.

Quando crio coragem, saio do cubículo com a cara mais lavada do mundo, como de quem não tem vergonha de admitir que estava escutando a conversa dos outros.

_Sabe, pegar resposta com outra pessoa não é o único modo de colar. Eu particularmente não gosto de colar, mas você pode anotar algumas respostas na perna ou então fazer algumas anotações pequenas na borda da mesa, de um tamanho pequeno o suficiente para que ninguém note. -falei com convicção. Talvez se eu ajudar essa tal de "Ambre", eu ganhe o seu respeito.

E foi nesse dia que comecei a andar com as três amigas. Desde então, acompanho de perto tudo que elas fazem, como atormentar novatos ou até mesmo roubar a chave da sala dos professores.

De princípio, eu me remoía por dentro para não soltar umas poucas e boas ou impedi-las de fazer alguma coisa ruim. Mas com o passar dos meses, descobri que o melhor jeito de passar por isso era não se importar. E depois de um tempo, "não se importar" já não era tão difícil assim.

Por isso estou aqui agora, depois de um ano e alguns meses, trancada nessa sala do grêmio estudantil esperando atentamente por novas ordens para mim da Ambre.

_Então vou te pedir algo. E você vai fazer exatamente o que eu mandar. -diz ela em tom sombrio.

Aguardo enquanto ela escolhe as palavras em sua cabeça.

_Quero que Castiel saiba de meus atrativos. Ele já tem consciência de minha beleza, é claro. Mas sinto que infelizmente só isso não é o suficiente para ele. Por isso você vai se aproximar dele, se tornar alguém de sua confiança.

Ergo minha sobrancelha. Pela primeira vez, Ambre está falando alguma coisa que está me divertindo.Me divertindo de verdade. Quantos anos ela tem? Sete?

_Depois disso, você deve falar bem de mim, certamente. Sabe, April, eu aposto que você conseguiria enganar algumas pessoas com esse seus rostinho meigo - fala ela com nojo - Quem sabe você não consegue abrir os olhos de Castiel para ele poder ver que tem uma garota deslumbrante bem aqui que o deseja como namorado.

Eca. Eu ia preferir não ter escutado isso. Durma com essa, April. 

Mas gente! Essa garota não percebe que esse plano tem o mesmo grau que o de uma criança? Que ridículo, pensei. 

_E seu eu não fizer o que você está mandando? - perguntei inocentemente, mas desconfiava já saber a resposta.

_Bom, neste caso, você poderá dizer adeus às suas queridíssimas amigas -diz ela com sarcasmo. Fico surpresa por um instante. É a primeira vez que falamos de nossa "amizade" de um jeito sarcástico, tão aberto. Pois no fundo, nós duas sabemos que nada disso é pra valer.

Concordo com a cabeça e me retiro da sala do grêmio. Ao sair, suspiro pesadamente. Tenho um longo trabalho pela frente.


Notas Finais


Me desculpem novamente pelo atraso. Espero que tenham gostado :) Kisses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...