História Garrafas Vazias de Histórias - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Girls' Generation
Tags Taeny
Visualizações 393
Palavras 6.938
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Yuri
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vocês não acharam q eu ia deixar passar esse Mv né?

Ps: É +18.

Capítulo 25 - All Night


Fanfic / Fanfiction Garrafas Vazias de Histórias - Capítulo 25 - All Night

Eu fui aquela festa porque eu queria extravasar. Beber, dançar e conhecer pessoas novas. Estava precisando disso, ainda não havia me recuperado completamente do meu término de namoro de cinco meses. Você deve estar pensando que foi pouco tempo pra ficar remoendo, mas eu valorizo cada hora do meu dia e se eu vivo um namoro de um mês, eu ainda vou lamentar pelo fim porque fora um mês perdido.

Eu posso dizer que eu a amei, porque o meu amor se constrói a cada hora dedicada a mim, e como ela me dedicou horas dos seus dias. Ficava me esperando sair da faculdade, pra me ver por poucos minutos desde que ela tinha ensaio na faculdade. Ela me fez amadurecer como ninguém me fez antes. Eu cresci muito em cinco meses, apenas por estar com ela.

Ela era o completo oposto de mim. Eu gosto de festas, moda, seriados sobre a vida de pessoas ricas, bebidas misturadas, prefiro salgado, detesto vinho e música instrumental. Ela, em contrapartida, não gostava de festas, não se importava com a moda, gostava de seriados sobre política, não gostava de bebidas misturadas, preferia doce, amava vinho e tocava violino na Orquestra.

Eu odeio música clássica mas eu agradecia por ela tocar violino. O instrumento deu uma habilidade enlouquecedora nos dedos pra ela e os pequenos calos nas pontas deles me faziam maravilhas. 

Parecia até engraçado a nossa conta compartilhada na Netflix. Meu perfil era lotado de filmes fúteis que eu julgava um clássico, romances clichês, terror ruim e seriados de sit-com barato e apelativo. O perfil dela, tinha todos os filmes pra quebrar-cabeça que a Netflix oferecia, muita ficção científica, filmes de suspense, e seus seriados eram regados de política, história, tramas bem elaboradas e dramas bem construídos. 

Seu seriado favorito no mundo era The House of Cards, o meu: Gossip Girls. 

Uma vez, tentamos ver um seriado juntas. O escolhido fora Breaking Bad, e ela amou cada segundo daquilo e eu não consegui achar nenhuma graça. Com o tempo, ela percebeu que eu não estava tão na onda do seriado e disse que poderíamos escolher um outro; e eu lembro de dizer: Mas eu gosto de te assistir vendo ele. Ela ficou muito envergonhada e saiu da sala pra se recompor no banheiro.

Depois da tentativa falha de Breaking Bad, eu e ela achamos Game of Thrones. E eu achei a união perfeita entre nós. A série tem a dose de romance, futilidade e as tramas bem envolvidas entre os pares românticos. E a boa história, suspense, drama e violência que ela amava. Game of Thrones foi nossa série, nos empoleirávamos no meu ou no sofá dela, pra assistir os episódio. Como a série ja estava sendo exibida a um tempo, fizemos boas maratonas pra ficarmos juntos com o canal de TV. Depois que terminamos, eu nunca mais assisti Game of Thrones porque sinto que me falta alguma coisa. Não tenho mais o mesmo entusiasmo como quando eu tinha com ela.

Por que terminamos? Há um momento nas nossas vidas que nós achamos que queremos mais do que temos. Mesmo que eu estivesse feliz e bem ao seu lado, eu senti que eu estava perdendo coisas. Perdendo pessoas que poderiam me deixar feliz como ela. Eu fui muito estúpida, eu terminei com ela porque achei que tinha que viver aquele momento. Estava na faculdade, sempre fui muito presa pela minha família e senti que o namoro com ela, pela forma madura e regrada com que ela levava a vida, que eu ficaria presa novamente. Eu terminei com ela pra curtir minha liberdade da minha família e eu me arrependo amargamente disso todos os que me pego vendo Breaking Bad e lembrando da sua reação pra cada episódio. 

Eu deveria namorar ela por muito mais que cinco meses, por muito mais que um ano porque ela me fazia tão bem. 

Quando terminamos. Eu tentei fazê-la ficar por perto, ser minha amiga mas eu vi que isso estava a machucando e me afastei. Foi doloroso porque eu estava deixando de falar com uma pessoa que eu falava todos os dias, deixando uma pessoa que eu amava e que me amava de volta. 

Eu odeio a Tiffany daquela época com todas as minhas forças.

Voltando para a festa. Eu entrei naquele lugar, que parecia ser uma escola abandonada mas que passou por uma reforma pra ajeitar coisas aqui e ali. Pessoas passavam pelo corredor escuro e eu as segui. A música já tocava empolvorosa e eu passei pela cortina de papel lâminado no batente da porta aberta. 

A luz estava amena, havia jogos de luzes fazendo desenhos legais na parede e teto, máquina de fumaça trabalhando, balões de festa, pinturas aleatórias de tinta de neon na parede e pessoas bem vestidas para todos os cantos. Sorri praquelas pessoas dançando onde parecia ter sido escolhido como a pista de dança, bem perto do DJ e onde a máquina de fumaça mais deixava a fumaça sair.

Eu não conhecia ninguém ali. Nenhum dos meus amigos confirmou que viriam, apenas um que me disse que tentaria vir. Aquela festa era de uma total desconhecida mas que eu soube porque as pessoas estavam falando na minha academia.

Andei para o bar. Havia um garoto de cabelos rosados atrás do balcão com uma jaqueta brilhante e um lenço de arco-íris no pescoço. Gay. Muito gay.

-Vodca com energético.-Fiz o pedido.

Ele olhou pra mim sorrindo e começou a fazer o drinque. Entregou o copo na minha mão e eu dei a primeira golada. Muito bom, ele era realmente muito bom nisso.-Obrigada.

-De nada, querida.-Ele respondeu simpático e seguiu pra fazer a bebida de um cara.

Fiquei ali em frente ao bar sorvendo da minha bebida misturada e observei as pessoas. Meus olhos se passaram pelo lugar, parecia que não havia muita gente mas era um lugar grande-Provavelmente o ginásio do antigo colégio.-E havia pessoas encostadas nas paredes, outras sentadas nos sofás nos cantos mas a maioria se encontrava dançando.

Terminei a minha bebida, deixando o copo no balcão do garoto e fui pra pista de dança. Me embrenhei no mar de corpos e balancei os meus quadris, cabeça, ombros, pernas e braços. A DJ era boa, uma Drag Queen de cabelos verdes que tocava de um tudo pra animar aquele lugar.

Depois que eu dancei e bebi sabe-se la por quantas horas. Senti minhas pernas pedindo por descanso e segui para os sofás de descanso no canto. Fui para o mais vazio, não que eu estivesse evitando pessoas mas senti que ficaria mais confortável naquele.

Sentei no sofá, meu vestido translúcido branco com paetês brilhantes desceu uma alça mas eu pouco me importei porque o meu casaco de plumas nas pontas fizeram o trabalho em me deixar mais decente. Puxei o meu celular pra verificar qualquer coisa e respondi mensagens de um amigo que estava tendo dificuldade pra chegar ali.

Enquanto tentava guiar o meu amigo da melhor forma possível, senti o estofado do sofá afundar e mais um peso ao meu lado. Não me dei o trabalho de olhar quem era, sabia que não conhecia ninguém ali então isso não fazia diferença. Respirei fundo e senti um aroma de perfume familiar no nariz, aquele Giorgio Armani me trouxe lembranças do meu erro do passado. Meus olhos se mudaram para o lado e era uma garota que estava de costas pra mim, na beirada no sofá e com as mãos enterradas no rosto. Provavelmente sentindo o peso das bebidas.

Foi patético como eu esperei ver minha ex ali. Como eu senti o cheiro e pensei nela. Ela nem ao menos gosta de festas, ela jamais entraria naquele lugar ou ficaria daquele jeito. Ou usaria aquelas roupas brilhosas, reveladoras e dentro da moda, ou aquele cabelo meio infantil mas estiloso ao mesmo tempo. 

O cabelo da menina era preto, estava todo preso para o alto num penteado que fazia ela ter orelhinhas falsas de cabelo no topo da sua cabeça. Era fofo.

-Ta tudo bem?

Uma outra menina parou na frente dela, uma mão segurando uma garrafa d’agua e a outra acariciando as costas da menina sofrendo no sofá.

A garota tinha o mesmo penteado que ela e estilo de roupa. Acho que elas eram um casal ou amigas que gostavam de combinar estilo. 

Quase afaguei as costas da menina e ofereci ajuda mas meu telefone tocou e vibrou, e eu levantei para atender. 

Segui para a área mais calma, empurrando uma grande porta de madeira e me escondi no banheiro. Ali, a música não chegava com tanta força e eu consegui ouvir o que meu amigo falava do outro lado da linha.

-Eu estou numa pizzaria.-Ele falou.

-Sim. Agora você vai reto e para em frente a uma escola antiga.

Me escorei na parede enquanto ouvia meu amigo mudando de assunto no telefone. Ouvi o barulho de porta abrindo e Georgio Armani invadindo o lugar. Mudei meus olhos para porta e quase deixei o celular cair.

Era ela!

A garota de cabeça baixa no sofá, era a minha ex namorada. Acho que ela percebeu que estavam olhando para ela e virou a cabeça pra mim.

Ela também arregalou os olhos.

Acho que o mundo parou pra mim naquele exato momento. Eu nunca pensei em vê-la ali e daquele jeito. Suas roupas eram reveladoras, sua barriga estava de fora-E que barriga, ela não era assim não.-Seu short era bem curto e liberava as suas coxas não muito grossas e nem muito finas, perfeitas para o seu corpo pequeno e magro.

Ela voltou a andar. Passando por mim e seguindo para a pia do banheiro. 

Eu senti meu coração pesado apenas na possibilidade dela fingir que eu não existo. 

Ela voltou, ajeitando a jaqueta brilhosa no corpo e parou na minha direção. Ela olhou pra mim e talvez tenha pensado se era ou não uma boa ideia me cumprimentar.-Ei fany.

Pelo menos ela manteve os apelidos. Isso era bom. Eu não gostaria de chamá-la de Taeyeon. Faz parecer que a gente nunca teve nada de especial ao menos uma vez.

Eu fechei meus olhos por breves segundos. Fazia muito tempo que eu não ouvia aquela voz meio rouca.-Oi Tae.

Ela sorriu pra mim, a sua única covinha abaixo do queixo apareceu e eu sorri de volta. Ela tomou uma dose de ar pros pulmões.-Sozinha?-Eu vi que ela brincava com a ponta da manga do casaco nos dedos.

Assenti. Já havia me esquecido do meu amigo no telefone e abaixei a mão me deixando livre pra Taeyeon falar comigo.-Meu amigo ta vindo. 

Taeyeon assentiu.-Ah, certo. Bom, eu estou com umas amigas aqui.

Eu subi uma sobrancelha. Eu não conheci muitos amigos de Taeyeon, foram apenas duas. As suas melhores amigas e elas eram calmas, caseiras e quietas como Taeyeon.-Sunny e Seohyun?

Taeyeon riu e balançou a cabeça.-Outras. Elas não gostam desses lugares.-Ela se encostou na parede comigo e cruzou os braços.

Nem você. Pensei.-Eu nunca imaginei te ver aqui.

Taeyeon riu e virou o pescoço pra mim. Eu senti ela me analisando, talvez fazendo como eu fiz com ela e vendo algumas mudanças. Não havia muita coisa, eu apenas ganhei mais coxa e mudei a cor do cabelo.-Elas me arrastaram. É aniversário de uma delas, então eu tive que vir.

Assenti. Pelo menos ela continuava caseira como antes.-Mas ta gostando?-Perguntei. Virei o pescoço pra olhar para ela e meu Deus. Como eu amava o perfil lateral de Taeyeon, a sua mandíbula era a parte que eu mais gostava no seu corpo. Talvez agora a barriga chapada entre pra essa lista.

-É bem divertido.-Ela respondeu sem olhar para mim.-O que você ta fazendo, hein? ainda ta naquela loja?-Olhou para mim.

Eu respirei fundo saindo do transe da sua lateral e mudei os olhos pra um ponto mais seguro do banheiro.-To numa empresa agora. Trabalhando na minha área. E você?

-Isso é ótimo!-Ela sorriu pra mim.-Eu estou oficialmente contratada pela Orquestra sinfônica do país.

Eu virei meu corpo  para ela muito orgulhosa e feliz. Eu nem me dei conta de que estava sorrindo como o gato da alice. Enquanto estávamos namorando, Taeyeon queria muito entrar pra Orquestra e estava estudando como uma louca pra conseguir isso. Saber que ela conseguiu me deixava muito feliz, mesmo que eu nunca tenha duvidado que ela conseguiria.-Meu Deus! Eu estou muito feliz por você!-Eu abri meus braços para abraçar ela mas me senti tímida demais pra fazer.

Taeyeon percebeu minha intenção e me abraçou. 

O perfume Giorgio Armani estava me inebriando por completa. Minha cabeça estava na altura do ombro de Taeyeon e eu estava cheirando o exato ponto que eu sabia que ela gostava de pulverizar o perfume no pescoço.

-Obrigada fany.

A voz de Taeyeon estava meio baixa porque ela estava com a cara esmagada no meu ombro também. 

Nos separamos meio sem jeito. Até porque não tínhamos contato de todos os tipos a meses, e ali ainda era um banheiro e as pessoas estavam estranhando aquele carinho entre a gente ali dentro. 

-Vamos pra um lugar mais calmo.-Taeyeon sugeriu.

Eu a segui. Nós saímos do banheiro, ela passou pela festa mas saiu para o corredor e escuro e pegou um outro igualmente mal iluminado.

-Por onde você ta indo?-Perguntei enquanto usava minha lanterna do celular para iluminar nossos passos.

-Eu estudei aqui quando era mais nova.-Ela respondeu e continuou a andar.-Vamos para uma das salas. A que eu mais gostava.

Taeyeon parou em frente a uma porta azul corroída pela tempo e empurrou a mesma. Ela rangeu escandalosamente mas abriu.

Aquela sala era um laboratório de ciências. As poucas mesas que estavam ali, eram as clássicas mesas que ficavam os materiais de química como qualquer outra escola. Tinha um armário de madeira sem portas preso numa parede e cadeiras velhas entulhadas num canto. Também havia um púlpito de madeira pequeno num canto que eu acredito que era a parte do professor. 

Estava cheirando a poeira e mofo mas nada que eu não pudesse suportar. Taeyeon seguiu para o meio da sala e passou os olhos pelo lugar, ela tinha um sorriso bonito no rosto que eu imaginei que ela estivesse tendo lembranças boas. 

Eu levei o meu olhar para sala e pude perfeitamente imaginar uma Taeyeon mais nova, com uniforme de colegial e fazendo experimentos na aula de ciência. Adorável.

-Tudo bem?

Taeyeon me tirou da minha imaginação fértil e eu pisquei três vezes voltando a mim.-Uhum. 

Taeyeon encostou numa das mesas.-Cara, eu fiz os mais loucos experimentos aqui. Eu adorava aquele professor.

Eu sorri e me encostei na mesa de frente pra ela.-Primeira da turma?

Taeyeon fez um som com o nariz.-Sim. Mas não em tudo.

-Dúvido.

-Menos em inglês.-Taeyeon voltou a falar.

Eu sorri.

Como nós éramos opostas. Taeyeon era péssima em inglês. E eu, uma americana legítima.

-Então…-Voltei a falar e Taeyeon voltou a olhar para mim.-Como foi passar para a Orquestra?

Taeyeon sorriu antes de falar.-Foi incrível. Era meu sonho, você sabe.

Eu sei. 

-Quando eu vi o meu nome naquele site. Meu Deus, eu não sei explicar. Eu senti que eu poderia morrer e ainda sim, me sentiria feliz.

Eu ri do jeitinho exagerado dela. Mas podia imaginar uma Taeyeon sem reação nenhuma olhando pra listas de aprovados.-E qual foi sua colocação?

-Décimo.

Eu me lembrei de uma conversa que tive com ela. Ela me dizia que sempre trabalhava pra ser a primeira nas coisas, e eu disse a ela que os números não mediam a capacidade de ninguém. Um zero na frente ou atrás, isso não faria a menor diferença se ela passasse.

Foi um zero atrás. 

-Eu estou muito orgulhosa de você. De verdade.

Taeyeon sorriu pra mim.-Obrigada. Mas me fale sobre esse lance numa empresa, como que é? Finalmente uma gerente de Marketing?

Balancei a cabeça.-Gerente não. Mas estou trabalhando no Marketing. 

Taeyeon sorriu.-Isso me deixa feliz. Aquela loja não explorava teu potencial.

Foi por isso que Taeyeon me amadureceu e me fez crescer. Eu estava acomodada, fazia faculdade e arranjei um trabalho numa loja de roupas que não pagava bem mas me senti independente e achei que aquilo era o que eu precisava. Tranquei a faculdade pra trabalhar mais e ganhar mais. E Taeyeon com toda a sua vontade e empenho pra alcançar seus sonhos, me fez querer alçar voos mais altos para os meus. 

Taeyeon foi um bom exemplo de vida pra mim.

-Sabe, Tae.-Puxei um assunto.-Acho que tenho que te agradecer por isso.

Taeyeon subiu uma sobrancelha.-Pelo que?

-Sem perceber, você me fez amadurecer. Vendo todo o seu empenho em entrar para Orquestra, me fez querer voltar a faculdade e sair daquela loja. Ter uma vida melhor.

Taeyeon sorriu para mim e suas bochechas estavam meio coradas.-Isso é bom, fany. Eu fico feliz por isso.

Eu me desgrudei da mesa e me aproximei dela. Senti falta do seu Giorgio Armani mais perto de mim passando o cheiro daquela sala suja.-Você foi uma das pessoas mais importantes pra mim.-Taeyeon mudou o olhar para os nosso sapatos.-Você me mudou. E eu me arrependo tanto.

Taeyeon subiu a cabeça. Prendeu as orbes em mim e suas sobrancelhas estavam bem no alto. Ela abriu a boca pra falar algo mas eu fiz um sinal com a mão e ela fechou a boca.

-Eu me arrependo de ter terminado com você. Você me fazia tão bem, eu me sentia tão feliz e mesmo assim eu desisti de tudo.

Taeyeon respirou fundo e relaxou as sobrancelhas.-Fany…

-Sinto muito, tae. Sinto muito. 

Taeyeon pegou a minha mão e manteve por um tempo.-Está tudo bem fany. Ja faz um tempo que eu parei de pensar sobre isso.-Eu senti meu coração se rachando em pedacinhos.-Acho que você fez a escolha certa. No final do meu período, eu fiquei muito estressada e tenho certeza, que nós iríamos brigar muito. As coisas ficariam piores e terminaríamos de um jeito péssimo. Nada saudável.

Eu respirei fundo. Partes porque ouvir essas coisas de Taeyeon me afetava e partes porque ela ainda segurava a minha mão.-Então a gente terminaria de qualquer jeito?

Taeyeon assentiu tão decepcionada quanto eu.-Provavelmente. Aquele período foi escuro pra mim. Me estressei muito, briguei com amigos e bebi pra me manter bem.

Subi minhas sobrancelhas chocada. Eu não consigo imaginar Taeyeon fazendo todas essas coisas.-Você se estressa? É difícil te ver assim.

Taeyeon riu baixo.-Eu me estressei muito.Não tive um resultado como esperado na primeira prova da Orquestra e me senti muito frustrada. 

Assenti. Taeyeon era tão humana quanto eu.-Entendo. Deve ter sido difícil.

Ela soltou a minha mão e sentou na mesa.

-Você estava passando mal aquela hora no sofá?-Perguntei. Queria mudar de assunto pra algo mais leve.

Taeyeon olhou para mim.-Não. Eu estava com sono. Você me viu dormindo?

Eu ri.-Eu vi. Você sentou do meu lado.

Taeyeon sorriu envergonhada.-Toda essa bebida me deu sono. 

-Você bebeu as misturas?

Ela assentiu.-É só o que tem.

-Pensei que você tinha passado a gostar das misturas.-Falei.

Ela sorriu de lado.-Ainda prefiro o vinho.

Ah, a minha Taeyeon.-Você mudou bastante.

Taeyeon subiu as sobrancelhas.-Mudei?

Eu acho que pensei alto demais. Mas ja que Taeyeon ouviu isso.-Sim. Você ficou estressada.-Ela riu e eu continuei.-Está indo a festas e usando essas roupas.-Puxei a ponta do seu casaco brilhante.

Ela riu.-Não se anime.-Ela ajeitou o casaco no corpo.-Isso aqui não é meu e nem idéia minha. Minhas amigas resolveram que isso ficaria bom em mim e eu não quis discutir. Meu guarda-roupa ainda é cheio de moletom. 

Eu rir lembrando do seu guarda-roupa quase monocromático.-Ficou bem em você. E..-Eu me senti envergonhada mas já tinha começado a falar. 

-O que?

Meus olhos estavam presos naquela barriga chapada e malhada dela. Ela conseguiu a linha no meio do estômago, a linha que marcava o quanto ela malhou pra ficar daquele jeito.

-Fany..-Taeyeon me chamou com risos na voz e eu corei furiosamente.

Ela me pegou babando pela barriga dela.

-Eu trabalhei duro.-Ela cortou o silêncio.-Muitas abdominais.

Eu exalei e soltei rindo.-É..isso é novo.

-Fruto do meu estresse. Meu psicólogo me disse pra ocupar a mente com algo fora da música clássica e eu acabei descobrindo que malhar é um bom tratamento pra calma. 

Eu ainda estava olhando para a sua barriga e ela jogou o corpo para trás o que fez o seu estômago se movimentar e eu pude ver perfeitamente a linha no meio dele.

Puta que pariu.

Taeyeon saiu da mesa e foi andando pra perto de mim. Giorgio Armani cada vez mais perto e eu flutuando pro paraíso.

-Você também mudou, Fany.

-Eu mudei?

Taeyeon olhou pra mim e eu vi faísca nela e me senti quente.

-A fany que eu conheço ja estaria mordendo a minha barriga.

Minha mente escureceu. Taeyeon estava me provocando e eu sorri maliciosa.-Não tem nada pra morder ai. Você deixou ela negativa.-Provoquei e passei a mão naquela barriga de pele macia.

Taeyeon sorriu de canto. Charmoso e sexy.-Então lambe ela.

Eu senti uma pontada no meio das minhas pernas e puxei Taeyeon pra mais próximo. Ela enfiou a mão pelo cabelo da minha nuca e me puxou pra um beijo em que ela dominava.

Eu amava os beijos dominantes de Taeyeon. A pegada dela sempre foi surreal pra mim, porque não condizia com a sua aparência. 

Ela enfiou a língua quente na minha boca, trabalhou a mandíbula mais aberta e eu não fiquei para trás. Empurrei minha língua pra boca dela e virei a cabeça para encaixarmos os lábios. 

Taeyeon beija tão bem. O meio das minhas pernas já estava ficando molhado só por causa daquelas puxadas gostosas no meu cabelo. 

Taeyeon parou o beijo, passando a língua no meu lábio inferior e mordendo de leve. Sua mão desceu e apertou a minha bunda.-Senti sua falta.

Eu olhei para ela. Suas mãos estavam esmagando meus montes e era gostoso.-Você ta falando isso pra minha bunda?

Taeyeon riu baixo.-Também.-Ela moveu a cabeça pro meu pescoço e foi direto no meu ponto fraco.

Taeyeon sabia que eu tenho uma sensibilidade delirante no meu pescoço, principalmente naquela área e toda vez que ela lambia ou mordia aquela área, eu gemia do jeito que ela gostava. Não foi diferente dessa vez, assim que eu senti sua língua no meu ponto doce eu gemi deliciosamente e apertei suas costas.

Uma das suas mãos subiu pra minha nuca puxando o meu cabelo e no mesmo ritmo, ela mordeu o meu pescoço. Eu só soube gemer e enfiar as unhas no seu casaco. 

Senti que seu casaco era um problema e o retirei. Ela fez o mesmo com o meu e eu não me importei que eles fossem ao chão. E nem ela.

Minhas mãos foram para os seus seios e eu apertei aqueles montes médios e duros. Os seios de Taeyeon eram lindos, bem brancos como o resto do seu corpo, do tamanho certo pro seu corpo, duros, empinados e de mamilos rosadinhos. Meu fraco por rosa me fazia cair de boca neles.

Taeyeon me segurou pela bunda e me guiou pra mesa. Senti que ela queria que eu sentasse e assim fiz. Ela se enfiou no meio das minhas pernas e voltou a me beijar.

Eu estava sentindo aquela sala quente demais e a minha calcinha ja estava mais do que molhada. Senti as mãos de Taeyeon pastarem pelas minhas coxas peladas e como eu sentia falta daqueles dedos com pequenos calos. Aqueles calos eram um bônus pra mim. 

Senti sua mão ir pro meio das minhas coxas quentes e abri as pernas pra ajudar ela. Taeyeon sorriu maliciosa no meio do beijo e se mudou pro meu pescoço.

Enfiei as unhas na parte das suas costas que estava descoberta pela blusa de alças e arranhei ali. Sabia que ela adorava quando era arranhada, era seu ponto fraco e muitas vezes ela me pedia pra enfiar as unhas com força na sua pele. Taeyeon gostava de ver as costas toda lanhada no outro dia. 

Ouvi Taeyeon gemer bem baixinho quando arranhei as suas costas e isso foi lenha pro meu fogo lá embaixo. Sua mão passou na minha calcinha e eu contrai o estômago.

-Molhadinha.-Ela comentou enquanto passava o dedo pela minha calcinha.

Outra coisa. Taeyeon gostava de falar durante o sexo, dizer coisas sexuais, gostava de me ouvir pedindo pra ser fodida e eu sempre gostei disso. Palavras não expressam o que eu sentia, quando ela chegava por trás de mim sem eu esperar, e me dizia que queria me foder ou comer bem gostoso.

Taeyeon gosta desse tipo de coisa. De surpreender e provocar. As vezes eu estava lavando louça e ela chegava por trás beijando o meu pescoço, até que dizia: “Quero muito te foder agora.” No começo, eu me perguntava como eu havia despertado o tesão nela sem fazer absolutamente nada, mas com o tempo eu parei de me perguntar e aceitei que Taeyeon poderia queimar como pólvora de uma hora para outra. 

Ela continuou me tocando por cima da calcinha e eu estava a ponta de botar o pano pro lado pra ela tocar a carne. Mas eu conhecia como Taeyeon era, como ela gostava de provocar pra me ouvir pedir.

Ela começou a meter dois dedos com a adição do pano da calcinha e eu passei a arfar. 

Eu me senti muito mais quente e molhada com Taeyeon me provocando no pescoço e boceta. Seus dedos foram para o meu feixe de nervos e sua boca passou a lamber copiosamente minha parte mais sensível do pescoço.

Em meio a gemidos eu deixei escapar, chegando no meu limite pra aguentar toda aquela provocação.-Tira.

Taeyeon parou com o trabalho no meu pescoço e puxou o rosto pra trás com um sorriso malicioso. Ela entendeu o que eu queria.-Tirar o que?

Eu suspirei pesado. Taeyeon gostava da conversa suja durante o sexo; e ela sempre foi boa nisso. Sabia fazer.

-Pare de me provocar.-Eu apertei seu ombro quando ela voltou a circular meu clitóris por cima da calcinha.

-Senti falta dessa boceta.-Ela falou no meu ouvido. Sua respiração quente bateu e eu gemi sem me dar conta disso.-Tão gostosa. 

Eu peguei Taeyeon pelo pescoço e colei minha boca no seu ouvido. Gemi no seu ouvido porque sabia que isso a deixava com mais tesão e mordi seu lóbulo passando a língua de leve.-Então fode ela, tae. Tira essa calcinha e me fode bem gostoso como antes.

Meu pedido foi como lenha na fogueira dentro dela. Taeyeon puxou minha calcinha para o lado e enfiou os dedos sem pressa. Senti seus calos passando pelas minhas dobras e mordi a ponta dos lábios. Como eu senti falta disso.-Isso! 

Taeyeon começou a bombear em mim e eu a puxei para um beijo. Ela fez questão de subir o topo da sua mão pra tocar o meu clitóris e isso fez o meu botão saliente mexer deliciosamente.

-Geme, fany. Como você é gostosa.-Taeyeon falou no meio do beijo e sua outra mão foi para o meu seio esquerdo.-Continuo querendo te fazer gozar pra caralho.-Ela desceu minhas alças do vestido e eu puxei pra baixo pra liberar meus seios sem sutiã.-Lindos.

Os olhos de Taeyeon brilharam quando ela viu meus seios. Ela abaixou a coluna pra alcançar eles com a boca e subiu os dedos dentro da minha boceta.-Aí! Isso. Taeyeon não para de meter aí.-Eu agarrei a sua cabeça e deixei ela brincando com meus seios pontudos.

Taeyeon achou o meu ponto de prazer. Seus dedos bombearam no ponto exato e eu estava sentindo meus olhos correrem para trás. A boca de Taeyeon viajava dos meus seios pro pescoço e ela sugava meus bicos fortes e mordiscava deliciosamente.-Eu vou..-Disse. Minha mente estava nublada e eu estava começando a tremer nos dedos calosos dela.

Taeyeon sentiu minha boceta se contraindo e anunciando um orgasmo e bombeou mais forte pra eu chegar logo.-Goza gostoso pra mim. Eu quero provar seu gosto novamente.

Minha mãos foram sem eu perceber pros ombros de Taeyeon e eu cravei a unha enquanto chegava no meu ápice. Eu despejei tudo pra fora e Taeyeon deixou os dedos mais lentos antes de parar com tudo.

Eu tremi naqueles dedos. A mão livre de Taeyeon acariciou minhas costas nuas e ela não tirou o dedo de mim ainda. Senti ele saindo totalmente embebido de gozo e passando pelas minhas dobras com a ponta dura dos calos e fechei os olhos. 

-Linda.-Taeyeon começou a salpicar beijos pelo meu rosto.

Eu fiquei ali me recuperando do orgasmo e abri os olhos pra ver Taeyeon lambendo os dedos e depois enfiando eles no meio das minhas pernas pra chupar mais do meu gozo.

-Seu gosto continua maravilhoso.

Eu puxei Taeyeon para o beijo mais urgente daquela noite. Ela quase se desequilibrou e precisou segurar nas minhas coxas para não cair.

-Quero sentir seu gosto também.-Falei enquanto empurrava ela de leve pra trás e descia da mesa.-Você vai gozar na minha boca, Tae?

Taeyeon estremeceu e eu vi seus pelos arrepiarem.-Só se você me chupar bem gostoso.-Ela sorriu maliciosa.

Eu segurei a mão de Taeyeon e levei ela para o púlpito onde julguei ficar o professor. Havia uma janela de grade de ferro enferrujada e corroída pelo abandono, encostei Taeyeon ali e comecei a beijar, lamber e chupar seu decote.

Taeyeon mexeu os quadris enquanto tentava esconder seus sons de prazer mas eu conhecia todos os seus pontos fracos. Desci sua blusa que não tinha alça e liberei seus seios que também estavam sem sutiã.-Como eu amo isso.-Sorri pra ela e Taeyeon segurou minha cabeça. Levando minha boca pro seu seio direito.

Lambi, mordi e chupei eles e Taeyeon soltou os gemidos e arfadas pra me deixar mais excitada.

Desci mais a minha boca e me deliciei naquela barriga chapada. Eu lambi sua linha do estômago e desci o cós da sua calça. Uma calcinha preta e pequena apareceu pra mim e eu me livrei dela na mesma hora.

Olhei para o alto e os olhos de Taeyeon estavam presos em mim. Suas mãos estavam agarrando a grade da janela e ela se contorcia ansiando pela minha língua.

Prendi meus olhos em Taeyeon e abocanhei sua boceta molhada. Taeyeon jogou a cabeça para trás e eu senti as suas dobras de carne na minha língua.

-Oh, fany..-Ela gemeu meu nome e segurou minha cabeça. Seu quadril começou a movimentar na minha boca e eu me concentrei em chupar seu clitóris que estava pra lá de inchado.

Taeyeon gemeu muito mais alto, ao ponto de se esquecer que aqui havia uma festa a poucas paredes dali. Deixei minha língua trabalhar nela, deixá-la mais molhada e subi meus braços pra arranhar a base das suas costas.

-Porra..-Taeyeon deixou sair e eu senti que ela estava começando a tremer. Mesmo com um pouco de dor no maxilar, me forcei a chupá-la mais rápido e ela apertou mais minha cabeça pra boceta dela.-Isso! Fany..ah! Eu vou…

Taeyeon explodiu na minha boca. Eu senti o gozo quente descendo e desci minha língua pra limpar o fruto do meu trabalho. Taeyeon tremeu enquanto eu a limpava. 

Senti que havia limpado tudo e levantei do chão. Taeyeon me puxou para um beijo e foi gostoso beijar ela com o gosto da sua boceta na boca.

-Você é incrível.-Taeyeon disse.

Eu sorri pra ela e a abracei mais.-Você que é muito gostosa.

Taeyeon apoiou a cabeça no meu ombro e brincou com as pontas do meu cabelo.-Acho melhor voltarmos. Minhas amigas podem estar loucas atrás de mim e meu telefone está morto.

Eu assenti.-Certo.

Nós nos afastamos. Taeyeon subiu suas calças e seguiu para tirar nossos casacos do chão. Ela bateu eles pra espantar a poeira e eu subi as alças e ajeitei o meu vestido.

-Eu fiz um monte de experiência nessa sala.-Taeyeon cortou o silêncio e se aproximou de mim com nossos casacos na mão.-Mas essa foi a melhor.

Eu ri do seu comentário e ela me puxou pra trocar selinhos.-Quem diria que a aluna número um, estaria transando na sala do laboratório de química?

Taeyeon riu.-Quem diria que ela estaria fazendo tudo isso com a ex?

Eu a empurrei de leve e segurei sua mão.-Vamos logo. Se a gente continuar aqui, vamos acabar fazendo tudo de novo. Eu nos conheço.

Taeyeon riu e apertou mais firme a minha mão.-Eu concordo.

Mesmo que eu estivesse acabado de transar com Taeyeon. Segurar a sua mão foi algo que me deixou tímida, costumávamos fazer isso o tempo todo mas agora era um pouco diferente.

Nós voltamos para festa e Taeyeon imediatamente achou seus amigos. Ou pelo menos, um deles.

-Tae! Meu Deus! Eu estava te procurando feito louca!-A menina, vestida que nem ela, disse.

Taeyeon sorriu meio culpada.-Foi mal, hyo. Eu estava fazendo uma coisa.-Ela olhou rapidamente pra mim.

Hyoyeon olhou pras nossas mãos ligadas e sorriu de lado.-Hum..entendo.

-Essa aqui é Tiffany.-Taeyeon me puxou pra frente.-Ela é minha e..-Taeyeon parou a fala e eu virei pra olhar pra ela.

-Amiga.-Corrigi. Até porque Hyoyeon estava olhando estranho pra gente.-Prazer.-Sorri.

Hyoyeon assentiu.

-Bom Hyo..-Taeyeon voltou a falar.-Eu estou indo agora. Vou levar fany em casa.

Eu subi minhas sobrancelhas mas senti Taeyeon apertando minha mão e entendi sua intenção. Aliviei minha expressão.

Hyoyeon olhou com uma sobrancelha em pé pra Taeyeon.-Ta bom. Deixe a sua amiga em casa.-Ela enfatizou o amiga, deixando claro que ela sabia que não era só isso.-Te vejo na segunda.

Taeyeon sorriu e abraçou ela.-Tchau.

Segui com Taeyeon para fora da festa e ela soltou a minha mão no corredor escuro.

-Você quer ir lá pra casa?-Taeyeon perguntou.

Eu a empurrei pra parede e a beijei novamente. Podia ouvir gemidinhos baixos e sabia que havia outro casal por ali.-O que você acha?

A luz do celular de Taeyeon iluminou a gente e eu vi que estava no fim da sua bateria. Ela chamou pelo carro e nós saímos da antiga escola.

Fazia um pouco de frio do lado de fora. Nossas roupas não eram para aquele clima, meu casaco era fino demais e Taeyeon estava pelada demais. Por sorte, ela me abraçou e nós tentamos dividir o calor corporal até o carro chegar.

O carro chegou. Nós duas entramos no banco de trás e ela me puxou pra encostar a cabeça no seu ombro.

Taeyeon agradeceu ao motorista quando ele parou o carro em frente ao prédio dela. Nós saímos de mãos dadas e entramos no prédio. Pegamos o elevador e eu gostei da sensação nostálgica de estar ali novamente. 

Eu abracei Taeyeon e fiz carinho na sua barriga enquanto o elevador subia os 5 andares. Assim que a porta abriu, nós seguimos pelos corredor e paramos em frente a sua porta.

Taeyeon precisou abaixar pra tirar os sapatos e por costume, eu coloquei seu código de acesso e destranquei a porta. Depois que eu ouvi o barulho de destrancado e que Taeyeon levantou a cabeça, foi que eu me dei conta do que tinha acabado de fazer.

-Desculpa. 

Taeyeon levantou o corpo com os sapatos nas mão e sorriu.-Tudo bem.

Ela empurrou a porta e nós entramos no apartamento. Eu tirei meus saltos deixando no canto e Taeyeon deixou os tênis junto com eles.

-Acho que seu corpo está acostumado a voltar pra mim.-Taeyeon cortou o silêncio e me abraçou por trás.

Definitivamente.

Eu me virei, envolvi meus braços nos seus ombros e a beijei.

Nós fomos para o sofá. Sentei colada em Taeyeon nele e ela se aconchegou pra me confortar melhor.

-Aqui continua a mesma.-Disse.

Taeyeon sorriu.-Não mudei nada. Gosto assim.

Eu assenti, passei meus olhos para a estante e parei no souvenir de madeira que compramos na praia. Ainda estava ali.-Lembra da nossa viagem a jeju?

Taeyeon sorriu, seus olhos foram pra o mesmo souvenir e ela assentiu.-Como eu poderia esquecer do nossa primeira vez juntas?

Eu sorri e raspei a cabeça nos seus ombros.

Taeyeon afagou os meus cabelos e me deixou beijos.-Vamos para o quarto? Você parece cansada.

Eu me levantei com ela e nós fomos para o seu quarto. Eu adorava o quarto de Taeyeon, ele era aconchegante e muito dela. Aquele quarto gritava Taeyeon em todos os cantos.

-Posso colocar música?-Ela perguntou. Eu já estava sentada na cama dela. 

-Clássica?

Taeyeon riu.-Não. Sei que você não gosta.

Eu sorri e Taeyeon se moveu para o notebook. Um jazz começou a soar e disso eu e Taeyeon compartilhamos no gosto.

Taeyeon sentou comigo na cama e eu sorri pra ela.

-Eu gostava de te ouvir tocando violino.-Disse. Ela subiu a sobrancelha e eu continuei.-Toda vez que você vinha para o quarto ensaiar, eu abaixava o volume na Tv na sala pra te ouvir.

Taeyeon corou envergonhada mas sorriu pra isso.-Eu não sabia.

-Meu prazer escondido.-Brinquei.

Ela virou o corpo pra mim e segurou minhas mãos.-Gostava de te observar dormir. Meu prazer escondido.

Eu corei também.-É um pouco assustador.

Ela encolheu os ombros.

Eu subi minhas mãos para o seu rosto, acariciando a bochecha e a mandíbula dela.-Como eu senti a sua falta.-Deixei escapar. 

Ela virou a cabeça beijando a minha mão.-Também senti a sua. 

Eu me inclinei para um beijo e Taeyeon entendeu o recado. Nos beijamos e eu senti que ela estava me deitando na cama. 

Nossas roupas foram saindo e sendo jogadas pelo quarto a medida que ficar com elas se tornavam problemas pra gente. Me livrei da calcinha de Taeyeon e ela da minha quase que na mesma hora.

Taeyeon estava por cima e eu senti sua mão direita passando nas minhas coxas. Arfei.

Taeyeon beijou meu pescoço e me encarou.-Sessenta e nove?

Eu concordei com a cabeça e ela saiu de cima de mim e virou o corpo. Seus joelhos ficaram em volta da minha cabeça e eu subi os meus joelhos e abri as pernas pra ela enfiar a cabeça ali. Ela começou a me chupar primeiro e eu a chupei depois de alguns minutos.

Foi delirante. Eu tinha um buraco pingando no meu rosto enquanto Taeyeon me chupava com vontade. Houve uma hora que eu não consegui mais chupar ela e joguei minha cabeça pra trás pra me entregar completamente pra boca de Taeyeon na minha boceta.

Ela nem se importou que eu havia parado. Agarrei sua bunda cravando as unhas e ela passou o dente no meu clitóris me fazendo gritar.

Eu voltei a tentar chupar ela novamente mas Taeyeon passou a meter o dedos em mim e eu senti que ia gozar. Minhas mãos foram pra lateral do seu corpo e eu arranhei tudo por ali, deixando marcas para o dia seguinte como ela gostava.

Eu gozei. Eu tremi embaixo de Taeyeon e ela manteve lambidas lentas na minha boceta até que me limpasse por completo. Parou pra dar beijinhos pelas minhas coxas e saiu de cima de mim.

Eu estava cansada. Taeyeon deitou do meu lado, me envolveu nos seus braços e eu dormi. Eu tive dois orgasmos essa noite e me sentia satisfeita e cansada demais, poderia retribuir ela pela manhã.

Acordei no outro dia e Taeyeon ainda estava dormindo do meu lado. Eu sorri para aquela cena familar e me permiti aproveitar cada segundo dela.

Cai no sono novamente, e quando acordei Taeyeon também estava acordada. Mas ela ainda estava ao meu lado na cama.

-Oh..

Taeyeon sorriu para mim.-Bom dia.

-Bom dia.-Eu retribui e ela beijou minha testa. Sorri.

Nós caímos num silêncio confortável e eu passei a fazer círculos com a ponta dos meus dedos nas suas costas cheia de arranhões.

-O que a gente vai fazer?-Ela cortou o silêncio. Seus olhos estavam fechados enquanto ela sentia meu carinho nas suas costas.

Passei meus olhos pelo quarto dela. A janela estava bem fechada pra não entrar sol e ela não tinha um relógio no quarto. Não sabia que horas eram.-Tomar banho?-Sugeri.

Taeyeon sorriu.-Não estou falando disso.-Ela levantou o torso do colchão e ficou de barriga pra cima. Puxou as cobertas pra se cobrir e me olhou.-Estou falando sobre nós.

Eu respirei fundo. Taeyeon sempre gostou de ir direto ao ponto.-Eu não sei. O que você quer?

Ela desviou o olhar para meu corpo nu e exalou.-Quero você.-Ela me encarou.

Eu vi um brilho, vi determinação e receio nos seus olhos. Minhas borboletas que eu pensei que estavam mortas, começaram a se rebelar no meu estômago e eu apenas a beijei.

-O que foi isso?-Ela perguntou. Metade do meu corpo estava quase em cima dela.

-Minha resposta.

-Não.-Taeyeon afastou a cabeça.-Por favor, me diga. Sem ambiguidade, fany. 

Eu sorri.-Sim. 

Taeyeon demorou um tempo piscando pra mim e sorriu.-Eu estou tão feliz.-Ela me puxou para um abraço e eu me deixei ser envolvida nela.

-Mas temos que fazer diferente dessa vez.-Eu me afastei do abraço, apoiei minha mão no colchão e sustentei meu corpo pra pairar do lado dela.

Ela vincou as sobrancelhas.-Diferente como?

-Você disse que o seu estresse teria nos separado se eu não tivesse terminado naquela época.-Comecei e vi Taeyeon assentir.-Se você se sentir estressada, não há mal nenhum em me dizer ou até mesmo, se estressar comigo. Você não tem que esconder o que sente pra evitar uma briga ou me chatear, o relacionamento é sobre lidar com os sentimentos um do outro.

Taeyeon assentiu.-Certo. E você deve me dizer quando não gosta de uma coisa e não se forçar a fazer porque me agrada.

Eu sorri.-Eu veria horas de orquestra só pra te ver tocar. E não seria só pra te agradar mas porque eu tenho orgulho de te ver com o violino.

Taeyeon corou e enfiou o rosto no meu ombro.-Você é uma boba.

Eu ri.-E você quer essa boba?

Taeyeon olhou para mim. Sua expressão foi totalmente séria.-Mais do que qualquer coisa. 

Eu sorri e a puxei para um beijo.

Hora de retribuir o seu trabalho da noite passada. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...