História Gêmeas - Capítulo 50


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Drama, Inveja, Romance, Sexo, Violencia
Exibições 9
Palavras 379
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 50 - 49 (r.1)


Fanfic / Fanfiction Gêmeas - Capítulo 50 - 49 (r.1)

Era doce. Ou assim o sentia. Bebia a oitava dose em menos de 10 minutos. Naquele instante, retinha o líquido na boca, degustando-o.

“Delícia...” – internalizava.

Num só gole, mandou para baixo a porção de pinga. Ao seu lado, um homem de meia idade, trajando roupas puídas.

– Badé, pode parar de me olhar assim?

– Onofre, pode até não me contar, mas que você está diferente, isso está.

– Macaio, serve uma dose generosa para o nosso amigo aqui – pediu Onofre.

Isso gerou um sorriso nos lábios de Badé.

– Eu não ligo. Na verdade nunca liguei para essas coisas – ele disse dando um pequeno gole e racionando a bebida.

– Não liga para o que, Badé?

– Para as pessoas e os seus segredos.

Onofre não queria se aprofundar no assunto, mas deu um pitaco:

– Acho que segredos todos têm – e entornou um copinho.

– Mesmo tendo segredos, somos pessoas e construímos laços, uns com os outros.

– Deveríamos... – e pediu mais duas doses, acompanhadas por rodelas de calabresa.

Onofre tinha certa simpatia por Badé, muito por essa conversa filosófica e despretensiosa. Desde que se conheceram, bebericando pela primeira vez, criou-se esse vínculo. Apesar das roupas simples e da aparência humilde, Badé sempre informava que era aposentado de banco, e que pelo excesso de serviço perdeu a saúde e a esposa, se entregando à bebida.

– Deveríamos – concordou com Onofre – aceita um cigarro?

– Não, obrigado!

Era algo que Onofre nunca gostou.

“É prejudicial à saúde” – guardava consigo.

Mas não se opunha ao vício do amigo. Ao contrário, Onofre admirava o “ritual do cigarrinho de palha”, pois Badé não fumava cigarro industrializado. Era de fumo mesmo.

Badé retirava do bolso da calça, um pequeno pedaço de fumo de rolo e, com um canivete, o fatiava sobre a mesa. Do bolso da camisa, pegava o papel próprio para cigarro, onde colocava o fumo e o enrolava. Algumas lambidas na borda do papel, garantiam que não desenrolasse durante as tragadas. Acendia a cigarrilha e começavam as baforadas. Não deixava de ser um momento nostálgico do dia.

– Porque não fuma cigarros comuns? – vez ou outra perguntava Onofre.

– Fazem mal à saúde – respondia sorrindo o colega.

As brincadeiras e risadas eram comuns entre ambos.

– Macaio, me traz dois pés-de-frango e mais duas doses.

– Opa! Agora sim.

A tarde seguiu festiva e animada.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...