História Gêmeos Irresistíveis - Série Irresistíveis - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cole Sprouse, Dylan Sprouse, Hailee Steinfeld
Personagens Cole Sprouse, Dylan Sprouse, Hailee Steinfeld
Tags Gêmeos
Exibições 44
Palavras 1.061
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 11 - Capítulo 11


Acho que eu fiquei relendo a mensagem umas dez vezes. É claro que ele devia ter pego meu número com o irmão. Fiquei surpresa pela mensagem, mas ele só deve estar querendo saber se eu melhorei. Não acho que ele se importe comigo. Escrevi para ele.

Oi Thomás, estou melhor.

Não tinha o porquê de eu dizer onde estava ou o que estava fazendo. Ele só pediu se eu estava bem então.... Meus pais saíram do bar e vieram em minha direção.

- Maya, o que foi? – Minha mãe pediu.

- Nada, só recebi uma mensagem... – Respondi.

- Tem certeza? – Pediu minha mãe.

- Tenho mãe. – Respondi.

Os dois não falaram mais nada. Resolvi ir tomar um banho e tirar algumas fotos. Deixei meus pais a sós, eles também mereciam algum descanso. Fui para o quarto e fui até o banheiro tomei um banho rápido e assim que saí vesti um vestidinho florido e prendi meus cabelos em um coque com alguns fios soltos. Fui até o grande jardim do spa, ele estava quase vazio, só havia três pessoas, um casal, eu e um garoto. Que me pareceu muito familiar. Eu já tinha visto ele em algum lugar, mas onde? Fui tirando algumas fotos e chegando mais perto dele. E assim que o vi, lembrei na hora. Eu tenho fetiche por garotos de terno,Ivy disse. Era o garoto da Ivy! Mas o que ele está fazendo aqui? Tirei uma foto dele com meu celular e mandei para ela. Tá vou falar com ele, pela Ivy.

- Ér...oi. – Falei. Ele levantou os olhos do celular.

- Oi. – Falou.

- Tudo bem? – Pedi. Ele parecia meio triste.

- Não, mas vai ficar. Tenho certeza. – Forçou um sorriso.

- Olha sei que você não me conhece, mas desabafar pode ser a melhor opção. – Falei e ele pareceu pensar na ideia.

- Ok. – Disse. – Eu descobri que minha namorada me traiu.

- Oh, sinto muito. – Falei o consolando. – Mas acho que o que você pode fazer é seguir em frente, a vida não termina quando se descobre algo ruim dela. – Ele deu um sorriso. – Você vai encontrar alguém que te ame. No amor se precisa ter paciência.

- Você é psicóloga por acaso? – Pediu.

- Não, mas já vivi a mesma coisa. – Respondi. – Sabia que eu acho que eu e minha amigas já te vimos?

- Onde?

- No parque. Você parecia estar de terno. Minha amiga tem fetiches por garotos de ternos e ela te viu e bem... – Deixei um certo mistério na frase.

- Que amiga? – Pediu. Ótimo eu tinha despertado o desejo nele.

- Ela estava de vestido vermelho. – Falei. Percebi que ele ficou um pouco vermelho nas bochechas.

- Me lembro dela. – Suspirou.

- Ivy. – Falei. – O nome dela é Ivy.

- Douglas. – Falou.

- Olha ela é uma boa amiga. Talvez ela tenha bons conselhos pra você. – Falei.

- Bom, acho que vou aceitar sua sugestão. – Sorriu, mas esse sorriso foi verdadeiro.  Ele pediu o número de Ivy e é claro que eu dei na hora. Mandei uma mensagem pra ela avisando dele, e é claro que ela pirou. Depois ele me agradeceu e foi embora, eu fiquei tirando mais algumas fotos e então fui jantar com meus pais.

- Onde esteve? – Pediu meu pai.

- Tirando fotos. – Respondi.

- Ah mas que pergunta boba...- Minha mãe riu.

- O que vocês acham de jantar frutos do mar? – Meu pai nos levou até uma barraquinha.

- Oba, adoro. – Minha mãe lambeu os lábios. Eu não sou muito fã, mas gosto.  Nós três nos sentamos em uma mesa alta. O lugar estava lotado, o cheiro estava muito bom. Acho que essa seria a hora de falar da viagem com os dois.

- Mãe, pai. – Chamei eles. – Eu estava falando com a garotas antes sobre a viagem.

- Aham. –Minha mãe começou. – Onde quer chegar?

- Eu pensei e se elas fossem junto com a gente? – Pedi. – Tipo, eu sei que seria uma viagem em família, mas seria legal ter vocês e minhas amigas comigo.

- Olha é uma boa ideia. – Minha mãe disse olhando para meu pai.

- Mas vamos ter que sentar e conversar com os pais de todas para chegar em uma conclusão. – Meu pai disse pegando o cardápio.

- Sim, eu sei. Mas vocês topam? – Pedi.

- Tudo bem, podemos entrar em um acordo. – Meu pai falou e em seguida o garçom veio. Fizemos nossos pedidos que vieram logo em seguida. Nós comemos e depois voltamos para nosso quarto. Minha mãe foi tomar banho, então eu e meu pai fomos nos sentar na sacada e olhar as estrelas.

- Maya, sua mãe me contou que quando ela chegou no hospital havia um garoto com você... – Começou. – Quem era?

- Ele trabalha na locadora. O nome dele é Thomás, pai. – Respondi.

- Ele é seu namorado? – Mas de novo essa pergunta?

- Não. Por que a pergunta? – Pedi.

- Sua mãe falou que quando ela chegou, você estava desacordada e ele parecia estar bem preocupado com você. Ela disse que o Thomás não soltava sua mão, mas aí você acordou então ele tirou. – Meu pai disse me olhando. Então quer dizer que mamãe estava nos espionando?

- Então ela tinha chegado logo? – Pedi.

- Sim, pelo que ela me disse. – Respondeu. – Sua mãe também falou que ele tinha algo no olhar dele...

- Tipo o que? – Pedi. – Pai onde você quer chegar com isso?

- Eu quero dizer que esse garoto sente algo por você. – Respondeu, é claro que eu corei, minhas bochechas estavam quentes, ainda bem que estava escuro e não dava para ver bem meu rosto. Não queria que ele achasse nada.

- Acho que não pai... – Falei.

- Maya, escute o que eu digo. – Falou. – O amor surge de maneiras diferentes e inusitadas, não tem hora nem lugar, ele apenas acontece. E vai por mim, sei como é ter sua idade. Sei que quando um garoto se apaixona pra valer o sentimento continua para sempre. – Ele olhou para minha mãe que vinha em nossa direção.

- Do que estão falando? – Minha mãe se sentou ao meu lado.

- Nada. – Falei antes de meu pai. – Bom acho que vou dormir. – Me levantei.

- Maya, não esqueça o que eu disse. – Disse meu pai piscando.

Será que é verdade tudo isso? Será que ele sente algo por mim?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...