História Genetics - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Abbadon, Alexander "Alec" Lightwood, Céline Herondale, Clary Fairchild (Clary Fray), Hodge Starkweather, Imogen Herondale, Isabelle Lightwood, Ithuriel, Jace Herondale (Jace Wayland), Jocelyn Fairchild, Jonathan Christopher Morgenstern, Luke Graymark, Madame Dorothea, Magnus Bane, Max Lightwood, Meliorn, Personagens Originais, Rainha Seelie, Raphael Santiago, Raziel, Rebecca Lewis, Robert Lightwood, Sebastian Verlac, Simon Lewis, Stephen Herondale, Valentim Morgenstern
Tags Clace, Drama, Livros, Luta, Malec, Novela, Policial, Revelaçoes, Romance, Saga, Shadowhunters, Sizzy
Visualizações 53
Palavras 1.878
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hi chuchus, gnt então eu esqueci de fazer o resumo básico no outro cap, me perdoem. Vou resumir as coisas: nos últimos capítulos conhecemos um pouco melhor a Clary, ela se encontrou com o Simon, com a namorada dele Izzy, elas estão tornando-se amigas. Além de uma aparição muito linda e loira, chamada Jace. Neste capítulo teremos uma narrativa deste ser lindo e do momento dele com a Clary em sua perspectiva (se não sabe do que eu to falando volta lá no outro cap e dá uma lidinha). A capa do capítulo são as fotos das capas das revistas que estão no carro dele.
Façam uma boa leitura, espero que gostem, obrigada pelos comentários, favoritos e apoio! Dedico este capítulo á vcs leitores e leitoras. Nos vemos nas notas finais.
Beijinhos de luz!

Capítulo 4 - This is Jace


Fanfic / Fanfiction Genetics - Capítulo 4 - This is Jace

"Quando a gente ama, simplesmente ama e é difícil de explicar"

POV JACE.

...Algumas Horas antes....

—Mais vinte, anda Jace— grita o meu treinador.

Continuo fazendo as flexões, acho que já bati o meu recorde. Perdi a conta há muito tempo atrás. Faço mais algumas flexões e depois paro.

—Esse é o meu garoto—completa Hodge— AE SEUS MOLENGAS TEMOS UM NOVO RECORDE, 300 FLEXÕES— grita e sorrio.

—Posso sair mais cedo? — digo.

—Considere-se dispensado mas não falte amanhã, temos que treinar para a competição de domingo— completa e assinto.

Tomo uma ducha no banheiro da academia, troco de roupa, bebo uma água e pego minhas coisas, entro no carro e dirijo-me para a casa. Observo a ruiva da revista, acho que a conheço de algum lugar.

Comprimento o seu Zé, um dos porteiros do prédio, estaciono o carro na garagem e depois entro no elevador, clico no andar da cobertura e espero.

Ah, onde estão meus modos. Meu nome é Jonathan Christopher, mas todos me chamam de Jace. Meus pais morreram quando eu era pequeno então seus melhores amigos me adotaram, os Lightwoods e me fizeram o homem que eu sou hoje, não que eu dependa muito deles porque tenho uma herança bem generosa, mas eles são meus pais, me criaram, me amaram, me ajudaram e me fizeram quem sou. Nunca esquecerei isto.

Acho engraçado como as pessoas esquecem o conceito de família tão rápido. Ser pai ou mãe não é uma mera questão de sangue, mas sim de laços afetivos, comprometimentos e até mesmo, brigas porém o mais importante é o amor. Demorei um tempo para entender isto mas graças á Izzy, Alec e Max, meus irmãos, consegui.

Sorrio e entro em casa.

—Cheguei—grito e dirijo-me para a cozinha, meus pais já foram trabalhar, assim como Alec que está fazendo estágio.

—Oi maninho— diz Izzy comendo— ah nunca amei tanto a semana do saco cheio—ela diz e rio, lhe dou um beijo na bochecha e sirvo-me.

A semana do saco cheio, é uma semana em que as faculdades dispensam seus alunos. Acontece duas vezes por ano.

—Sim— digo— espere para você chegar no último ano— digo e a mesma ri.

—Livros, livros e livros— ela diz e rimos.

Percebo que ela está toda arrumada, com toda a certeza irá sair.

—Aonde a senhorita vai? — digo.

—Hum— ela diz engolindo o macarrão—Simon vai me apresentar a melhor amiga dele— completa.

Simon é o namorado dela, confesso que não gosto muito dele. Não apenas pelo fato dele estar namorando a minha irmã (sim eu sou ciumento), mas pelo fato de que eu não vou muito com a cara dele, algumas vezes o acho criança demais e outra, o acho que é imprudente. Porém eu sei que ele ama a minha irmã e que não a machucaria (eu, Alec e Max deixamos bem claro esta última parte mesmo Izzy sabendo se virar MUITO bem sozinha, exceto pelo fator cozinha, na qual ela é um desastre).

Termino de comer, troco de roupa e vou para o trabalho. Até que eu gosto de lá, é calmo, ganho bastante para um período de 4 horas e me dá a oportunidade de conhecer várias pessoas.

—Bom dia Mia— digo e ela apenas me dá um aceno de mão, é alguém está de mal humor.

As horas vão se passando, enquanto trabalho. Hoje está um pouco mais movimentando, porém no final da tarde as coisas se acalmam, escuto Mia conversar com uma garota. Ainda acho que ela não gosta muito de mim.

— Próximo — digo— café com leite de amêndoas e extrato de vanila, pequeno para a viagem—completo.

Não vejo ninguém de relance.

—É o meu—diz uma voz e olho um pouco mais para baixo, há uma linda garota ruiva na ponta dos pés, sinto uma sensação estranha, como se um caminhão passasse por cima de mim. Reconheço-a de algum lugar. Sorrio de lado.

—Uma ajudinha ai? — brinco.

—Desculpa, você está me chamando de baixinha? — diz  e confirmo com a cabeça— deve ser essa tinta toda do seu cabelo te atrapalhando— completa, entrando na brincadeira.

—Ei, isso aqui é natural— digo passando a mão no cabelo— além do mais ninguém conseguiria esta fórmula. Acho que você está confundindo com a sua tintura, ruiva —completo e vejo-a segurar o riso.

—Engraçadinho— diz sorrindo— sou ruiva natural para a sua informação— diz e sorrio.

Nunca vi esta garota por aqui, com toda a certeza ela é nova, mas algo nela é diferente. Especial .Antes que eu pudesse falar mais alguma coisa, outra pessoa reclama da demora e sou obrigado a lhe dar o pedido.

—Não vai me dizer o seu nome? — completo.

—Acho que você terá que descobrir sozinho—diz sorrindo, depois se vira e se vai.

Sorrio, termino de atender os clientes e depois aviso mia que estou indo embora, ela lança um olhar divertido na minha direção.

—Virei palhaço? — digo e ela ri.

—Sempre foi— completa e rio— cuidado para não babar nas clientes— diz.

—Engraçada— digo sarcástico— até amanhã—digo.

—Até amanhã— ela completa.

Sigo meu rumo até o carro, estou tão distraído pensando na competição de luta que terei no domingo que acabo esbarrando em alguém.

—Ai— diz a voz.

Saio do transe.

—Desculpe— digo ajudando a garota á levantar,reconheço ser a ruiva gata do café.

—Tudo bem— diz, depois se ajeita — está me seguindo? — completa assim que me olha e rio.

—Poderia dizer o mesmo— completo observando-a, aquela sensação estranha me atinge de novo.

Ela parece entrar no mundo da lua e não escuta a minha pergunta, provavelmente está pensando em lago devido a seu cenho franzido, o que lhe dá uma expressão fofa.

—Ein? — digo em uma tentativa de tirá-la dos pensamentos.

—O que disse? — diz apertando os olhos.

—Perguntei se você era nova aqui— digo presunçoso.

—Sou sim, moro algumas quadras daqui, na rua New San Francisco—diz, acho que ela se repreende mentalmente por ter dado seu endereço á um estranho.

“Jace para de ver filmes de terro, ela só deve estar pensando em alguma coisa menina” digo para mim mesmo, mentalmente.

—Minha casa fica um pouco mais para frente, posso te dar uma carona— digo, preciso passar mais tempo com essa garota, ela é diferente.

—Minha mãe diz que não devo entrar no carro de estranhos— diz encarando-me , depois rio.

—Não sou um estranho— digo— eu sou Jace Lightwood Herondale— completo.

—Clarissa Fairchild— diz— mas pode me chamar de Clary— diz e levanto as sobrancelhas.

Sabia que a reconhecia de algum lugar, sua mãe é uma famosa pintora e artista. Minha mãe é sua amiga, já fui em algumas de suas exposições famosas e lotadas, além disto já devo ter visto-a de relance em algum desfile da minha mãe. Ela é a garota da revista! Sabia que a conhecia de algum lugar!

—Prazer em conhecê-la, Clary. Agora já pode entrar no meu carro, não sou mais um estranho — digo e mesma ri.

Abro  a porta da minha lamburguine para ela entrar, porém a mesma evita um pouco

—Meu pai é policial— completa rio, encostando-me no carro.

—Não vou te sequestrar— completo.

Ela entra no carro e coloco o sinto, fecho a porta e faço o mesmo, logo depois. Dou a partida e ligo o rádio, aumento o volume da música, percebo que é a minha música favorita: Shape of You, do Ed Sheeran. Percebo que a ruiva começa a cantarolar e sorrio de lado, ela acaba achando algumas revistas, primeiro pega a que eu estou na capa.

—Bela foto— diz.

—Deus caprichou com o papai aqui— completo, provocando risos.

—A foto em si— diz— é muito boa— completa, ainda entende de fotografia, essa menina não existe. Balanço a cabeça negativamente.

—O fotógrafo é muito bom— digo, concordando e ela ri— que foi?

—Nada não— completa e depois encontra mais uma revista, ela está na capa.

—Bela foto não? —digo e a mesma está corada.

—O fotógrafo era bom— diz.

—A modelo também não era nada mal— digo e a mesma ri.

Não estou mentindo, afinal Clarissa realmente é muito bonita, seus cabelos vermelhos contrastam com sua pele de porcelana e clara, além disto, seus olhos verdes, traços finos e sorriso perfeito lhe dão o ar de boneca.

“Jace, foco” digo mentalmente para mim mesmo.

—Vou aceitar isto como um elogio— completa.

—Nunca disse que não era— digo e lhe dou uma piscadela.

—É esse prédio— diz apontando para o mesmo e estaciono, com precisão na frente do mesmo, depois saio do carro e abro a porta para a mesa.

—Merci— diz, surpreendo-me por ela ter um sotaque de Paris— quer dizer, obrigada—completa.

—Fala francês? — digo sorrindo de canto. Sou fluente em francês.

—Estou meio enferrujada, mas sim—completa e rio.

—Bom saber, madame— digo — está entregue.

—Obrigada pela carona, Jace. Ah mande um beijo para a Izzy— diz.

Opa! Ela disse Izzy? Provavelmente são amigas, mas como? Clary, acabou de se mudar para New York City, talvez seja ela a melhor amiga de Simon que minha irmã iria encontrar.

—Disponha, ruivinha— completo— conhece a minha irmã? — digo.

—Simon me apresentou— diz dando de ombros e confirmando minhas suspeitas.

—São irmãos? — digo.

—Melhores amigos— completa— mas o considero como um irmão— diz, agora não tenho duvidas que ela e a Izzy se conhecem.

—Entendi—digo— ah, vou dar uma festa sábado. Gostaria de ir? — completo. Eu sei que a festa é da minha irmã, mas preciso de uma desculpa para encontra-la novamente.

—Claro, mas achei que a Izzy iria dar a festa— diz estreitando os olhos.

—Eu precisava de uma desculpa, para te ver de novo— digo dando de ombros, fazendo-a corar.

—Te encontro lá— diz e rio— e mais uma vez, obrigada pela carona— completa.

—Sempre que precisar— digo e lhe dou um beijo na bochecha, sinto algo diferente passar por nós— até a festa—digo e entro no carro, espero ela entrar e depois vou para casa.

Essa menina tem algo especial, diferente. Eu a conheço apenas alguns minutos e sinto como se ela fosse parte de mim, como se meu corpo chamasse o dela,  um caminhão me acerto e meu coração bateu mais rápido quando á vi. Pareceu que o ar era pouco e que alguém havia soprado um calafrio em meu pescoço, meus pelos arrepiaram.  Devo estar louco.

Fico pensando em várias coisas, na competição de luta, na Clary, no meu trabalho. Deus como pode me esquecer?! Eu sou um agente do FBI, um dos melhores por sinal e um dos mais novos. Estou de férias, se é que podemos considerar isso de férias, já que sempre estou respondendo emails da Clave (é uma espécie de divisão do FBI, um Q.G. da operação Shadowhunters que controla os institutos, bases. É simples o FBI é divido em áreas e dentro delas há outras divisões, a legião Shadowhunters é um grupo secreto de agentes seletos que são espécies de espiões, verificamos trabalho da polícia, vijiamos pessoas importantes, combatemos tráfico de drogas, de humanos, mas nossa maior importância é deter os grandes riscos ao planeta. Exemplo há um terrorista com uma arma biológica, nossa divisão entrará em ação, nos infiltrando e observando o terrorista de perto. Depois atacamos de surpresa, nas sombras. Por isso o nome: Shadowhunters, somos caçadores de sombras).


Notas Finais


Eia xuxus gostaram? O que estão achando da fic? Alguma sugestão (elas são sempre bem-vindas assim como suas opiniões) ? Querem deixar alguma frase para eu coloca nos próximos capítulos? Enfim estou curiosa para saber tudo isso, espero ver vcs nos próximos capítulos!
Bejinhos de luz!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...