História Getting Back - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bebê, Casal, Comedia, Drama, Filho, Fluffy, Mamãe, Papai, Romance
Visualizações 47
Palavras 3.520
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olaaaaaaaaaaaaaar~

Queria dizer que não, não abandonei a fic. HAHAH só pra vocês ficarem sabendo.

Quem curte o Hayden, provavelmente vai curtir o cap. Quem não, sinto muito. hasudihasduis

Boa leitura <3

Capítulo 32 - Escrevendo Uma Nova Página


Fanfic / Fanfiction Getting Back - Capítulo 32 - Escrevendo Uma Nova Página

 

— Então finalmente chegou o grande dia! — Ashley disse a Sam assim que a viu. — Você está linda, amiga — e as duas se abraçaram.

— Você não vai vir com nada sentimental agora, não é? Guarde o discurso para o jantar, eu acabei de fazer a maquiagem.

Ashley riu e sentou-se no sofá que havia no quarto.

— Não acredito que você está se casando. Me sinto culpada por ter sido uma péssima madrinha, você cuidou de tudo praticamente sozinha.

— Você sabe como sou perfeccionista, Sam. Eu ia ficar sempre no seu pé, então não faz tanta diferença, faz? Não se preocupe com isso — Sam disse. — E poderia ser você também se casando um dia, mas você não coopera.

— De novo essa história? Sam…

— Desculpe. Você e o Ben não cooperam — se corrigiu.

— Você sabe muito bem como são as coisas entre mim e o Ben, não estamos mais juntos há mais de dois meses. Você sabe… acho que não era amor, afinal. E você sabe que não sou uma fã de casamentos.

— E com o Hayden é? O cara que te encheu o saco por anos?

Ashley riu baixo.

— Eu não sei. Eu concordo que Hayden foi um completo babaca, e ele também admite isso e se sente culpado, mesmo eu dizendo que já esqueci aquilo.

— Bem, ele deveria mesmo.

— Sabe, Sam… Há coisas sobre o Hayden que eu nunca te contei. Acho que eu não tive coragem porque eu também me senti culpada na época.

— Oh, meu Deus! Que tipo de hora da confissão está acontecendo aqui? — Sam se sentou ao lado dela. — Desembucha agora, Ash Anderson. E é melhor me contar tudo senão eu mesma encurralo o bonitinho hoje e arranco a verdade dele.

— Por que você me deu a senha para convidá-lo, afinal? Você não gosta dele.

— Dei porque Benjamin disse que ia trazer aquela amiga Angie dele e achei que ia ser meio deprimente se você estivesse sozinha, e já que você e o Hayden estão meio que se dando bem ou… seja lá o que for, achei melhor que viesse com ele.

— Isso é muito infantil, Sam.

— Ah, qual é, Ash. Acha mesmo que o Ben não sabe de nada? Ele sabe que tem algo entre você e o Hayden. Ele também ‘tá com um pé atrás com essa história, mas está tentando não se meter. Talvez ele tenha finalmente aceitado o fim do relacionamento.

— Acho que ele finalmente entendeu o que eu quis dizer. Você sabe, Sam… não é como se ele fosse uma parte de mim. Acho que confundi a…

— Atração com amor. Sim, você já disse, mas quero saber do Hayden, então pare de desconversar e diga de uma vez.

— Ah… claro. Bem, não foi nada grande, mas… Você lembra de uma vez que eu tive que fazer um trabalho com ele? Estávamos na faculdade, em uma sala e ele estava realmente sendo irritante e me mantendo lá de propósito, enquanto me enrolava para terminar o trabalho. Então houve um momento que ele disse que faria um trato comigo.

— Um trato? Amiga, não se faz tratos com demônios — disse e Ash riu.

— Ele disse que queria um beijo em troca de terminarmos o trabalho. Eu concordei em fazer o contrário, terminaríamos antes e depois nos beijaríamos — explicou, sentindo as bochechas esquentarem. — Por que estou ficando com vergonha agora?

Samantha riu.

— Você tá parecendo uma adolescente contando sobre o primeiro beijo com o crush.

— Tudo bem, então… ele concordou. Terminamos o trabalho e depois ele me beijou. E eu… correspondi.

— Minha nossa! — Sam gargalhou. — Você sobre de alguma Síndrome de Estocolmo ou algo assim? Só faltou ele te dizer que tem gostos muito peculiares. Quem diria que aquele nerd iria virar um sedutor?

— Me faço essa pergunta sempre. Mas… foi só essa vez, o resto da história você conhece. No entanto, esses últimos meses em que trabalhamos juntos foram esclarecedores. Eu descobri, Sam, que o garoto que era meu amigo ainda estava lá em algum lugar. Hayden não havia mudado completamente, afinal de contas. E ultimamente ele está cada vez mais parecido com o nerd que conheci do que o cara que me perturbava. Acho que era tudo uma fachada para me irritar.

— Fachada? Isso é muito infantil.

— Completamente. Eu não sei o que está acontecendo entre nós, para falar a verdade. Mas às vezes, eu me pergunto o que teria acontecido se eu tivesse aceitado os sentimentos dele quando se confessou.

— Você teria aceitado se não houvesse o Ben?

— Acho que sim. Hayden era uma pessoa realmente fácil de gostar. Ele era só um pouco tímido, na época. Mas era muito divertido passar um tempo com ele. E claro, ele também sempre foi bonito.

— Só desleixado, talvez. Pelo menos você o ajudou nesse quesito quando partiu o coraçãozinho dele — Sam comentou e as duas riram. — Eu vou dar ao Hayden um voto de confiança, Ashley, mas vou eu mesma dizer para ele que se ele te magoar de alguma forma, eu acabo com ele.

— Acho que ele meio que sabe disso.

 

***

 

O cerimônia de casamento foi um tanto longa, mas emocionante. Como padrinhos, Ashley e Benjamin ficaram ao lado um do outro todo o tempo. Às vezes cochichavam amigavelmente principalmente quando passou da primeira hora e ele já estava impaciente para sair dali.

Quando tudo acabou, cada um foi para um lado. Ashley pegou Nathan com Claire e juntos foram encontrar Hayden.

— Tio Hayden! — Nathan correu, assim que o viu e o homem o pegou nos braços.

— E aí, carinha! Está se divertindo no casamento da sua tia?

— Não— disse simplesmente.

— Por quê?

— Porque é chato e demora, e eu quero comer — explicou.

Hayden riu.

— Eu te entendo, Nathan. Também estou morrendo de fome. O que acha de irmos agora para o salão de festas e roubar vários docinhos?

— Ei, Carter. Nada de doces agora, vocês dois — Ash apontou um dedo repreendedor para eles. — Estou avisando.

 

Ashley tinha noção de toda a pompa que seria o casamento de Sam e Jon, mas quando chegou ao salão de festas do hotel que Sam havia reservado não imaginou que estivesse tão lindo, mais do que ela esperava.

Sentiu-se mais uma vez culpada, por não ter ajudado muito com os preparativos, mas Sam tinha outras madrinhas, então isso a tranquilizava.

Sentou com Hayden e Nathan na mesa que Sam havia reservado para ela e sua tia. Felizmente, não na mesma mesa que Ben; ela se sentiria desconfortável se estivesse, afinal ele também havia trazido uma acompanhante. Claire chegou pouco tempo depois e se juntou à eles, deveria estar com o noivo, mas infelizmente o tio postiço estava no meio de uma viajem à negócios. A noite de Ashley se passou em meio à danças, comida, risadas e um Nathan que corria vez ou outra para a mesa do pai para passar um tempo com ele. Mas em determinado momento da noite, ele acabou adormecendo nos braços de Hayden.

— Deixe-me segurá-lo — ela pediu para o homem, que negou prontamente. — Hayden!

— Deixe ele aqui. Eu não ligo para isso, ele só está cansado de brincar por aí.

— Acho que já é hora de ir, já que ele dormiu.

Mas quando ela encontrou a tia e comunicou que estava indo embora, ela negou prontamente, assim como Sam.

— Deixe que eu levo Nathan comigo, querida. Ao menos, não irei dormir sozinha já que ele me fará companhia. Fique e aproveite mais um pouco com Hayden — ela disse e olhou para o rapaz de longe, que ainda tinha Nathan adormecido em seu colo. — Ele me parece um bom rapaz, afinal.

— Tia...  

— Nada de tia, Ashley — Samantha a interrompeu. — Faça o que Claire diz e depois você pode subir para a suíte e descansar. E você vai — enfatizou quando viu viu a amiga revirar os olhos. — Eu não reservei as suítes para as minhas madrinhas não usufruírem delas.

— Não é como se você estivesse gastando por isso… — retrucou. — O hotel é da sua família. E eu não moro tão longe, Hayden disse que me daria uma carona.

— Bem, o hotel pertence a minha família, sim. Mas você ainda é minha madrinha e vai dormir aqui, assim como as outras, então sem discussão. Por que você não faz o que sua tia diz e aproveita a noite com Hayden, depois vocês podem ir para a suíte juntos…

— Sam!

— Eu concordo com ela, querida — disse Claire. — Acho que deveria se divertir mais, Benjamin está fazendo o mesmo. A menos que… você ainda gosta dele?

— Vocês tiraram o dia para me perguntar isso? Bem, eu gosto muito do Ben, Claire. Mas não me vejo com ele, no momento. E ele está com Angie e eu sinceramente acho ela uma boa mulher, eles têm muito em comum. Não é como se eu conseguisse odiá-la, ela é muito simpática para isso.

— Posso tentar odiá-la por você, se quiser. Eu mal a conheço — Sam ofereceu, fazendo a amiga rir.

— Eu passo. Mas talvez eu esteja mesmo pensando em seguir o conselho de vocês duas…

— Como estão as coisas com o Carter, afinal? — Sam quis saber.

— Acho que bem, nós não definimos nada ainda, acho que por enquanto apenas estamos saindo e… Digamos que ele agora me trata como sempre tratou a todos.

— Acho que isso é bom. Ele está tentando se redimir, afinal. Como você disse.

— Sim… — Ash disse, com um sorriso e avistou o homem a alguns metros dali, parecendo meio alheio ao redor de pessoas que ele não conhecia. — Talvez esteja funcionando.

— Tudo bem, Ash. Fico feliz em saber disso, você parece feliz, então espero que dê certo.

— Eu vou buscar Nathan agora e levá-lo comigo — Claire anunciou.

Contudo, Hayden não permitiu.

— Deixe que eu o levo, Sra. Anderson.

— Bem, sendo assim, Hayden, eu agradeço. Meus saltos estão me matando, de qualquer forma — riram.

Ashley foi até a mesa de Ben para avisá-lo sobre Nathan, mas o outro casal que ainda se encontrava nela lhe disse que ele já havia ido embora. Sentiu um pouco incomodada por isso, mas resolveu ignorar. Então apenas sacou o celular da bolsa e mandou-lhe uma mensagem.

Bem, ele poderia ao menos avisar que estava indo embora… Não custava nada.

Mas talvez tivesse outros planos com Angeline; que não eram da conta dela.

Voltou para a sua mesa e ficou observando os poucos casais que ainda estavam ali; inclusive Jonathan e Samantha. Eles iam viajar em lua de mel para a Tailândia apenas no dia seguinte, então tinham como curtir um pouco mais da própria festa de casamento.

Escutou os primeiros versos de “You and me” do Lifehouse soar nas caixas de som e admirou a música por alguns segundos, antes de avistar Hayden atravessando tranquilamente o salão para encontrá-la. Mas antes que chegasse à mesa, Ashley foi ao seu encontro primeiro, puxando-o pela mão até a pista de dança.

— Ah claro, eu aceito dançar com você, srta. Anderson. Obrigado por perguntar — ele disse ironicamente ao que Ashley respondeu com uma pequena risada enquanto colocava os braços ao redor de seu pescoço.

— Eu amo essa música, Carter. Portanto, não estrague as coisas.

— Eu também gosto dela, a letra diz muito…

— É? E você se identifica? — ela perguntou, com um sorriso.

— Algumas partes, talvez… Ela me lembram você.

— Quais?

“Eu não sei porque eu não consigo tirar meus olhos de você”. “Tudo o que ela faz é adorável, tudo parece certo”.

— Bem específico… — ela abaixou a cabeça, meio sem jeito. Não esperava por aquilo.

Hayden riu baixo.

— Não vai ficar com vergonha agora, vai? — levantou o queixo dela. — Foi você que perguntou.

— Eu estava apenas brincando, não pensei que fosse mesmo dizer.

— Bem, eu disse. O que devemos fazer à respeito agora?

— Me diga você.

— Que tal nos divertirmos como sua tia aconselhou?

— Me parece bom. Você está se divertindo agora?

— Sim, mas falta uma coisa. Algo que senti vontade de fazer o dia inteiro, mas eu não queria correr o risco de borrar sua maquiagem — brincou.

Ashley riu baixo.

— Bem, acho que agora não fará mal se ela for um pouquinho borrada. Eu já estou meio acabada mesmo.

— Você continua linda, eu só tenho vontade de te beijar mais e mais, Ash. Em todos os lugares — murmurou no ouvido dela.

Ashley agradeceu mentalmente por ele estar apoiada nele. Sua pernas agradeceram.

— Então por que não começa?

Ele sorriu.

— Eu estava esperando seu aval.

— Você o tem, Hayden. Já faz algum tempo que o tem — ela disse.

Faziam algumas semanas desde o dia em que foram oficialmente admitidos na revista, e que Ashley, pela primeira vez, o havia beijado.

E ela o havia beijado outras vez depois daquele dia.

Estavam saindo desde então, estavam tecnicamente juntos, mas não tinham definido nada, ou conversado tanto a respeito. Tudo parecia muito confortável e natural entre eles outra vez, e Ashley passou os dias pensando em o que poderia ter acontecido se aquilo tivesse ocorrido antes.

Não se arrependia de suas escolhas, afinal. Mas agora ela queria fazer novas escolhas, queria poder realmente fazê-las agora que tinha oportunidade.

E pensando nisso, deixou que Hayden a beijasse tranquilamente e o beijou de volta.

Porque naquele momento parecia bom, parecia certo.

Uma nova música começou e eles continuaram a dançar por mais alguns minutos antes de irem pegar bebidas e docinhos para comer enquanto conversavam.

— Você acha que deveríamos roubar uns desses e colocar dentro da sua bolsa? Podemos levar para o quarto — ele disse, fazendo-a rir.

— Aposto que você era desses garotos que só ia para as festas por causa da comida.

— Logicamente. Mas quem nunca fez isso? Eu faço até hoje. Diga a Samantha que ela está de parabéns, a comida estava realmente deliciosa.

— Aqui está o seu coquetel, senhorita — o barman colocou a bebida à sua frente.

Ashley estendeu a mão para pegar o copo, mas o copo escorregou um pouco derramando um pouco de líquido no seu vestido.

— Ah! Que droga.

— Aqui, deixe-me limpar isso — e pegou um punhado de guardanapos, para tentar absorver um pouco do líquido azulado.

— Tudo bem, Hayden. Nada que uma lavagem não resolva, mas acho que prefiro subir agora. E vou ter que aceitar a sua oferta dos docinhos.

 

— Pedra, papel, tesoura! — disseram juntos.

Rááá! — Hayden gritou em vitória, apontando o dedo para ela. — Parece que o último morango trufado é meu, não é mesmo? — provocou.

Ashley fez uma careta.

— Pelo menos eu ganhei a uva.

— Oh, querida. O que é uma uva perto de delicioso e suculento morango? — ele perguntou, mostrando o docinho à ela em provocação.

— Você é irritante.

— Você diz isso todo dia.

— Porque você é — e riram.

Estavam ali há uns bons vinte minutos, sentados de frente um para o outro na cama e vendo quem ganhava mais docinhos.

— Eu preciso trocar de roupa — ela se levantou, indo até uma pequena maleta que havia trazido mais cedo. — Fique à vontade também, Hayden.

— Querida, não me diga para ficar à vontade. Talvez eu queira ficar mesmo…

— Ninguém está te impedindo — ela retrucou e foi em direção à ele. — Pode me ajudar com o vestido? O zíper está preso.

Hayden sorriu, mas não disse nada.

Nada até descer o zíper do vestido.

— Você está tentando me seduzir, srta. Anderson?

— Por que pergunta isso?

— Porque o zíper não estava preso. E porque sua lingerie é linda — depositou um beijo no ombro dela.

Ashley virou-se de frente para ele e deu um passo para trás, deixando que o vestido caísse no chão. Em seguida, pegou a camisola que havia deixado na cama para vesti-la, mas Hayden a tomou de suas mãos.

— Você é um tremenda provocadora, Anderson — a acusou com um sorriso.

— Estou apenas tentando trocar de roupa — ela desconversou e tentou pegar a camisola, mas ele a elevou para o alto e riu por ela ainda ter feito a tentativa de alcançá-la.

— Finja-se de inocente e eu finjo que acredito, Ashley — ele disse e arremessou a peça de roupa para longe. Ashley tentou correr, mas ele a impediu abraçando-a por trás, fazendo-a rir alto.

— Tudo bem, Carter. Eu vou ficar quieta, mas com uma condição.

— Ah, é? Qual?

— Direitos iguais.

Ele riu.

— Por que você não diz logo que me quer e acabamos logo com isso, Anderson?

— Porque é mais divertido te provocar ao invés de inflar esse seu ego do tamanho do Everest.

— Tudo bem, então eu digo primeiro — a puxou pela cintura, aproximando seus rostos. — Eu te quero; te quero pra caramba. Mas e você?

— No momento, eu só quero que você se livre de sua roupa.

E ele o fez. Se livrou se peça por peça até ficar apenas com a peça íntima.

— Satisfeita? — ele abriu os braços.

— Creio que agora pode me beijar, sr. Carter — ela disse, fazendo-o rir.

— Você tem noção do quanto isso é ridículo, não tem?

— Eu posso colocar a culpa na bebida e fingir amnésia de manhã, ao menos quanto a essa parte.

— Então eu vou ter que lembrá-la que não estava bêbada.

Hayden foi até a cama e pegou o morango trufado que havia ganhado, dando uma mordida.

— Isso está realmente gostoso, sabia? — ele disse dando outra mordida. — Você quer provar? Eu te dou um pedaço — e o colocou entre os dentes.

Ashley riu.

— Você é muito infantil.

Mas infantil ou não, ela se aproximou e tirou um pedaço do doce.

— Acho que você devia me agradecer agora. O que acha?

— Justo — e selou os lábios nos dele, ainda sentindo o gosto de chocolate e morango. Hayden pressionou os lábios contra os dela, mais uma vez e sorriu durante o beijo, antes de enfim aprofundá-lo.

Levou Ashley até a cama e a empurrou, fazendo-a cair no colchão macio.

Ela deu uma risadinha quando o viu subir e ficar por cima, a encarando com um sorriso brincalhão.

— Eu acho que amo você, srta. Anderson. Na verdade, acho que nunca deixei de amá-la.

— Dizem que amor e ódio andam lado a lado — ela disse.

— Dizem que sim; mas você provavelmente não sente o mesmo — ele fez uma careta.

— Ah, é? E com base em que você chegou a essa conclusão, gênio? — ela brincou.

Hayden franziu o cenho.

— Então…

— E eu estou definitivamente apaixonada por você, Carter. Eu não sei porquê. Você é irritante, idiota e meio cabeça-dura. Mas é bem divertido e bem humorado, e eu gosto disso. Então… eu acho que posso dizer que amo você também — o encarou nos olhos.

Sim, ela podia. Ao menos naquele momento, ela o amava.

Mesmo depois de todos os dias ruins, de todos os altos e baixos. Era hora de virar a página daquela história, afinal. E ela estava adorando a nova que ambos estavam escrevendo.

Hayden a beijou lentamente em todos os lugares. Foi gentil e carinhoso até o momento em que ambos ficaram impacientes.

 

— Hayden — ela choramingou e se contorceu quando ele a beijou lá. Segurou os cabelos loiros com ambas as mãos e os puxou à medida que ele a beijava. Se contorcia na boca dele o máximo que podia, enquanto ele segurava em ambas as suas pernas, mantendo-as afastadas.

Ashley sentiu o corpo esquentar cada vez mais e não tardou até que se derramasse na boca dele.

— Hoje é tudo sobre você, Ash — a beijou outra vez na boca.

Ashley percorreu as mãos por seu abdômen definido, e parou no elástico da boxer que ele usava. Mas Hayden a parou.

— Quero tocá-lo também — ela disse.

Ele negou com a cabeça.

— Só você hoje. Eu preciso de você agora, Ash. Se você fizer agora, eu não vou aguentar — deu-lhe um selinho. — Tudo bem?

Ash assentiu, mordendo os lábios para tentar esconder um sorriso e ajudou Hayden a livrar-se da última peça de roupa que os separava e assim que o fez, ela o puxou para si, beijando-lhe o pescoço.

Puxou o lóbulo dele entre os dentes, fazendo-o se arrepiar. Sabia que ele era sensível ali.

— Ash, eu preciso… minha carteira…

— Shh, ‘tá tudo bem, Hayden. Confio em você e estou protegida.

— Eu sei que está…

— Então pare de enrolar a acabe logo com-Aah! Filho da mãe! — ela xingou, pega de surpresa, fazendo-o rir. Ele se afastou um pouco e investiu outra vez. Forte, fundo e rápido.

Ashley gemeu baixo, mordendo os lábios.

— Você tem ideia do quão linda é, Ash? do quão gostosa você é? Você vai me deixar maluco, querida — ele murmurou, enquanto investia contra ela. O suor aparecendo aos poucos entre seus corpos. O quarto estava silencioso, exceto pelos gemidos do casal e o barulho de seus corpos se chocando um contra o outro.    

— Hayden — Ashley suspirou, pouco antes dele aumentar a velocidade mais um vez. E se manteve assim até que ambos explodissem de uma vez só. Ashley cravou as unhas nas costas dele enquanto tremia em seus braços por longos segundos, sentindo-o derramar-se dentro de si, ainda investindo uma vez e outra até que por fim deixasse seu corpo cair em cima do dela.

Ashley o abraçou contra si carinhosamente e o beijou no pescoço. Quando por fim, a respiração de ambos se acalmaram, Hayden se afastou e rolou para o lado, puxando-a para si. E selou seus lábios uma última vez, antes que os dois finalmente fossem vencidos pelo cansaço e caíssem no sono.


Notas Finais


E aí? Comentem aqui o que acharam <3
A história vai começar a tomar um rumo para o final a partir desse capítulos, mas algumas coisinhas estão para acontecer, ruins inclusive. Mas isso não vem ao caso agora~ Espero que tenham gostado. Não se esqueçam de comentaaaaar e indicar prazamiguinhas~ Até a próxima att. XxAlly


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...