História Girl Of My Dreams - Pipeyna - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Eros (Cupid), Hefesto, Jason Grace, Leo Valdez, Nico di Angelo, Personagens Originais, Piper McLean, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Will Solace
Tags Percy Jackson, Piper & Reyna, Pipeyna, Yuri
Exibições 46
Palavras 4.964
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sem demora, mas duas novidades para esse capitulo são:
- CAPA NOVA FEITA PELA MOZÃO! E ai, gostaram dela? u.u
- OS CAPÍTULOS 15,16 & 17 SÃO VER MARATONA! (Eles são, cada um, 1500, mais ou menos, de palavras).
-
Outra coisa, todos sabem que mozão beta minha fic e eu pedi para me avisa em que parte ela deu risada, ficou brava, essas coisas para ter uma noção se consegui atingir meu objetivo em algumas partes. Ela fez isso, ela escreveu na fic enquanto lia, eu irei disponibilizar, porque alguns comentários dela são hilários, então, se você quiser ler o capitulo 14 com os comentarios da betadora, o link esta nas notas finais!
LEMBRANDO QUE, ESSE CAPITULO DO DRIVE NÃO PASSOU PELA REVISÃO FINAL, então, tem algumas coisas diferentes.
Até lá embaixo para mais recados! <3 Boa leitura!

Capítulo 14 - Ninguém pode nos ouvir.


JASON

Piper tinha aparecido e o filho de Júpiter tinha tentando falar com ela para pedir explicação de onde ela tinha ido, mas a única coisa que ele conseguiu foi um “agora não”. Desde que ele tinha chegando não era Piper que estava diferente e sim, Reyna – o que era muito estranho.

Logo depois, Hylla apareceu e falou que iria preparar as coisas para todos ir para Yellowstone. Algo que Jason não estava muito animado, lá era praticamente o maior vulcão que poderia entrar em erupção acabando com o mundo todo. Porque diabos os Generationes tinham que estar lá? Tantos lugares sagrados e das trevas para ter seu quartel-general, porque tinha que ser justamente na onde fica o maior vulcão do planeta?

Ele suspirou, eles iriam sair dali alguns dias, por ordem de Thalia, que mandou uma equipe de reconhecimento.

Quando a reunião acabou, Jason viu Reyna ir para varanda, e foi atrás.

— Desculpa por ontem — disse ao entrar no mesmo cômodo de Reyna. — Eu peguei pesado demais.

— Você fez o que era certo.

Olhou para Reyna melhor. Sua postura era totalmente diferente de alguns dias atrás; estava mais rígida; Piper produzia esse efeito na pretora, deixar ela mais leve.

— Mesmo assim, desculpa. Só que... sua perda de memória é novidade para todos.

— A antiga Reyna... Ela iria... ela teria ido atrás da McLean sem pensar?

— Não — respondeu sincero, Reyna fitou-o confusa. — Ela nunca teria deixado ela sair.

Reyna deu um suspiro longo. Ela estava pensando.

— A gente tinha algo. Eu e a McLean.

— E-eu não posso falar...

— Não foi uma pergunta, Grace — ele ficou calado, era melhor, ela olhou por cima dos ombros para ter certeza que ninguém estaria ouvindo, abaixou um pouco o rosto e disse em tom de segredo. — Eu quero beijá-la, Jason. Muito. E eu não sei porque, eu estou tão confusa e perdida e beijando ela tudo parecia... fazer sentido.

O romano deu um pequeno sorriso.

— Você deveria falar isso para ela, Reyna — respondeu no mesmo tom que a ela.

— Eu falei — Jason franziu a testa confuso. — Ela me deu um fora, o que me deixou mais confusa ainda.

— Piper McLean te deu um fora?! — ele falou alto realmente surpreso chamando atenção das garotas dentro do apartamento, Jason percebeu o que fez, e tentou disfarçar, baixando o tom de voz. — Desculpa.

— Por que eu fui te falar isso?

— Por que eu sou seu melhor amigo?

— Provavelmente, não.

— Olha, ela está magoada, não sei, isso é realmente... uau! — Reyna olhou feio para o menino. — Não me olhe assim, só é realmente uma surpresa Piper de dar um fora, tipo, muito uau!

— Eu já entendi.

— Tente se aproximar dela aos poucos, sabe?

— Não. Jason, não. Eu perdi a memória! Eu estou completamente e totalmente perdida, e eu não sei se é melhor eu fazer isso.

— Você tem que lutar por aquilo que acredita, você sempre foi assim, Reyna. Seja de novo.

— Você não entende...

— O que você quer? Agora?

Reyna pensou, fez uma careta e disse:

— Eu realmente quero beijar ela.

— Então, vá fazer isso.

— Isso, o quê?

Ele revirou os olhos, para uma filha de Belona, às vezes, ela era bem lerda.

— Beijar Piper.

— N-não!

— Se você não for, eu vou — ameaçou sair, Reyna segurou ele pela camisa.

— Não! — ele observou ela com calma.

Ela... Ela estava com medo?

— Estou atrapalhando o casalzinho? — a voz de Piper se fez presente.

Reyna soltou ele rapidamente e Jason se xingou mentalmente. Na área do amor, Piper era mais inteligente que Reyna e, muito provavelmente, já deveria saber da queda dele pela sua namorada; ex; seja o que Reyna fosse de Piper.

— Hylla quer entrar em contado com Wendy e Oliver — disse ríspida. — E nada melhor que a Avila para encontrar nossa Wendy.

— Quem? — perguntou, obviamente confusa, Reyna.

Jason revirou os olhos, ele já estava farto, pegou Piper pelo braço, que protestou, e levou ela para fora do apartamento, no corredor, soltou ela e disse:

— O que foi isso ali dentro? Ciúmes?

Piper estava furiosa.

— Nada, Grace. Não se mete, já não fez isso demais?

— Eu?

— Acha que eu não vejo?

— Quê?

— Eu sou filha da deusa do amor, Grace. Eu vejo como olha pra Reyna! — Ele ficou quieto, ele estava certo. — Com alguma sorte, Reyna não percebeu isso.

— Piper, eu-

— Não fala nada!

Ela começou a andar de um lado para o outro, frustrada, irritada e cansada.

— Eu estou tão farta disso, Jason. Você não tem ideia. Reyna está sem memória! E você fica dando em cima dela! Na minha cara!

Ele abriu a boca chocado. Ele podia, sim, gostar de Reyna, mas não estava dando em cima dela.

— Você deu uma fora nela, e não, eu não estava dando em cima dela, eu estava tentando entender o motivo do fora.

— Você sabe!

— Que você é covarde? É, eu sei isso agora.

Piper olhou indignada para ele.

— Olhe, Jason, quando Percy perdeu a memória a única coisa que ele lembrava era de Annabeth, por que Reyna não lembra de mim? — disse com lagrimas nos olhos.

— Piper, Percy perdeu a memória porque precisava esquecer do acampamento meio-sangue, Reyna perdeu a memória porque precisava esquecer de você.

A menina começou a chorar, Jason a abraçou.

— Eu não quero que ela me esqueça... Eu não quero.

— Ela quer te beijar, Piper. Acho que isso é uma prova suficiente. Por que não fala com ela?

— Eu dei um fora nela... Ela me odeia... Uma grega filha de Afrodite deu um fora em uma romana filha de Belona!

— Isso é um pouco surreal, mas, tenta falar com ela.

Piper ficar quieta por um longe minuto até eles ouvirem alguém bater na porta (quem bate do lado de dentro?), Jason abriu, era Reyna.

— Sua irmã conseguiu entrar em contato com a Mendy — disse a Jason

— Quem? — ele ficou confuso. Wendy. — Deixa para lá, hã, eu vou entrar, Piper disse que queria falar com você mesmo, boa sorte ai, pretora.

E entrou – deixando Reyna e Piper sozinhas, pela primeira vez, desde o fora.

.

   NICO

Nico ficou em seu quarto até a hora do jantar do outro dia. Ele realmente não gostava de passar no acampamento durante dia, principalmente porque não queria ver o idiota do seu namorado.

Ele foi até sua mesa e comeu sozinho, antigamente, era visto com esquisito, a situação não havia mudado de fato, mas estava melhor que antigamente. Alguns dos seus colegas vieram cumprimentar e convidá-lo para suas mesas, mas a todos, educadamente, dizia não. 

Viu seu namorado de longe e estava com aquele garoto, Ed, novamente. Ele fechou os olhos e deu um longo suspiro, estava muito irritado. Por alguma razão sem logica, Will achou que era inteligente ir falar com ele levando Ed junto.

— Nico! — chamou-o, se aproximando. — Eu não o vi o dia inteiro. Eu estava esperando Oliver entrar em contado comigo e...

— Não tem mais missão. O treinamento com ele acabou. Mais alguma coisa?

— É, er, eu queria saber, bom, os filhos de Apolo vão ver o luar hoje e cantar algumas músicas, se você quiser, quer ir comigo...

O filho de Hades realmente pensou em ir, mas algo fez que falasse não.

— Yeah, Nico, vai ser legal — completou Ed. Ele fechou a cara e se levantou.

— Não, obrigado — e saiu do local.

Até que nível de burrice seu namorado poderia chegar? Chegou no seu quarto, ele queria queimar todos, mas se jogou na cama, pensando na sua vida.

Quando foi quando ela se tornou tão complicada?

Perdeu a noção do tempo que acabou adormecendo, só acordou quando ouviu alguém bater.

Sonolento, abriu a porta e deu de cara com Will e seu meio sorriso, ainda era de noite. Nico olhou para seu relógio, três da manhã, deu um bocejo.

— Seja rápido, quero voltar a dormir.

— Depois que você saiu, eu fiquei realmente magoado — Nico revirou os olhos —, tentando entender o que fiz de errado e então, uma amiga, você não conhece, enfim, uma filha de atena, Sara, falou que estava com ciúmes e-

— Eu não estou com ciúmes — resmungou.

— Sim, você está. E eu sou um idiota. Eu não pensei que ser amigo do Ed iria te magoar, porque eu não sinto nada por ele e não chamo aquilo de namoro. Sara me ajudou a entender tudo e...

— O quê?

O filho de Apolo levantou uma sacola do McDonald’s.

 — Eu fugi do acampamento por algumas horas.

— Você é louco? Poderia ter morrido.

— Iria valer a pena por você, Nico, porque, eu nunca te falei isso e fui tão burro de não ter dito isso porque eu sinto que você está envolvido em uma missão suicida, mas Nico di Angelo, eu estou muito mais que apaixonado por você. Eu amo você — Will disse tudo rápido e deu um suspiro de alívio, meio sorrindo — Meus deuses, eu disse. E é verdade, cara, eu simplesmente amo você mais do que tudo e-

Nico o beijou. Ele também amava aquele idiota loiro.

.

REYNA

Ela olhava Piper com um certo medo, mas ela estava linda e, droga, por que tinha essa vontade de tê-la por perto?

— Eu e você — começou Piper. — Não somos namorada, se era isso que você esperava ouvir, esta enganada.

— O que somos?

— Hylla vai me matar por isso, mas — ela deu uma pausa — a três meses você abandonou a missão. Quando você estava fazendo isso, eu te mandei escolher, continuar na missão ou sair. Se saísse, teria consequência. Uma delas foi o nosso término.

— A gente namorava... — Reyna passou a mão no rosto.

— A gente se encontrou recentemente e...

— E?

— É complicado te explicar, Reyna.

— Voltamos?

— Reyna...

— Voltamos ou não?

— Por favor...

— Oh. Entendi. Você me deu um fora.

O silêncio caiu entra as duas e só foi quebrando com o som do pranto de Piper, Reyna não consegui entender porque ela estava chorando, ela deu fora nela, duas vezes, ela deveria estar chorando, não ela. Estava com tanta raiva.

— Por que está chorando? — perguntou um pouco grossa.

— Porque você é uma idiota!

— Você me dá um fora, duas vezes, e eu sou a idiota? Me poupe, McLean!

— Não estamos namorando, porque você não pediu para namoramos!

— Eu? Porque?

— Porque você é uma idiota! Uma idiota que perdeu a memória! Uma idiota que prometeu que nunca iria me deixar e uma idiota que me pediu em casamento do pior jeito!!

Reyna ficou em choque, ela o quê? Casamento?

— Casamento? — Piper não disse nada. — Meus deuses... meus deuses!

— Desculpa...

— Você disse sim? — ela perguntou um pouco alegre.

— Obvio que sim — Reyna sorriu.

— Meus deuses, essa é a melhor notícia que recebi disso tudo! Meus deuses, eu preciso conta para tudo mundo! — disse entrando no apartamento.

— O quê? Não!

Mas era tarde demais.

— Pessoal, Piper e eu vamos casar! — anunciou para Hally, Jason e Thalia

Hylla deixou cair sua xicara no chão, Jason e Thalia estavam completamente sem reação.

— Meus deuses, Reyna! — Piper puxou a romana para fora. — Desculpa, depois eu explico — e fechou a porta deixando os três totalmente sem reação pelo o que havia acabando de acontecer.

Piper olhava completamente indignada para Reyna, mas que diabos acabou de acontecer?

— O que você acabou de fazer?- — Reyna se aproximou dela, seus rostos estavam junto — O-o que está fazendo?

— Você é minha noiva, certo? — Piper assentiu. — Eu vou te beijar então.

Reyna se aproximou e a beijou, deuses, como sentia falta disso. Seu corpo reconhecia essa sensação. Sua mão foi na cintura da grega, enquanto seu corpo grudava no de Piper pressionando contra porta. As mãos da Piper, uma foi no cabelo e outra no pescoço de Reyna.

As mãos de Reyna se tornam bobas e foram para debaixo da blusa da grega.

Uma lembrança veio. Chave.

Não da missão. Chave do apartamento.

Reyna ignorou essa lembrança e focou no beijo, sua perna subiu um pouco para o meio das pernas de Piper, por que ela não fez isso antes? Sentiu algo sexualmente que nunca sentiu.

Bom. Achava que nunca tinha sentido.

O beijo foi parado bruscamente por vozes.

— Como elas são rápidas! — elas se separam. Era um rapaz alto e uma menina morena.

Piper se arrumou.

— Eles são Oliver e Wendy, os que Jason falou.

— Claro. Hei, eu sou-

— Reyna — terminou Oliver, ele parecia irritado. — Só porque você perdeu a memória, não signifique que perdemos também, pretora.

Passou por elas e entrou no apartamento.

— Olá, Reyna. Bem-vinda de volta — disse Mendy ao entrar.

— Obrigada, Mendy — ela estranhou. — Vocês vêm?

— Pode ir na frente — respondeu Piper —, vou explicar algumas coisas para ela.

Mendy deu os ombros e entrou.

— Ele não gosta de mim. Por quê?

— Ele é meu ex — explicou Piper sem esconder. — Eu tive um lance com ele antes de você, até mesmo Jason. E quando teve os três meses-

— Vocês se aproximaram.

— A gente ficou, Reyna. E, antes que pergunte, você sabia disso. Hã, ele é legado de Vênus e Mendy é minha meio irmã, ela é filha de Vênus, e tem uma queda por você — Reyna deu um sorriso sacana. — Tire esse sorriso, Avila, e eu estou falando sério.

Mendy é bonita.

— Você mal sabe o nome dela — revirou os olhos. — Você sempre teve uma rixa com Oliver e, bom, eu não tive tempo de falar com ele sobre... a gente, apenas de no México estar bem óbvio, eu preciso conversar com ele e-

— Podemos entrar?

— Eu estou falando!

— E está chato, eu consigo me virar, Piper. Eu só perdi a memória.

— “Eu pedi a memória”, como se isso foi pouca coisa.

— E é — deu os ombros. — Vou entrar.

E ela entrou. Hylla, Jason e Thalia estavam um pouco pasmos pela notícia que ela tinha dito mais cedo e, esperançosamente, esperava que Piper explicasse porque a Reyna sem memória iria casar com Piper.

Com Mendy e Oliver no apartamento dela, agora os últimos detalhes estavam sendo acertados, ela ouviu a maioria, mas, pela primeira vez, se desligou.

Ela começou a imaginar como era o namoro com Piper. Deve ter sido uma grande aventura, poder beijar Piper a hora que quiser, pode falar que... espera, ela já tinha falando que amava a McLean? Provavelmente, elas iriam casar! Reyna sabia o que significava o casamento e ter pedido Piper em casamento era, não tinha palavras, ela amava de verdade e fim.

Queria saber como elas começaram a namorar, é difícil de se imaginar ela, Reyna, dando uma chance para uma filha de Afrodite! Durante sua vida inteiro, pensou que iria acabar com Jason, mas a vida é incrível e agora iria casar com Piper. Ela estava sorrindo bobamente, por sorte, só Jason percebeu, mas ele ignorou.

Voltou a pensar no seu antigo namoro, como será que foi o pedido de casamento, Piper é filha de Afrodite, deve ter sido algo romântico. Espera, Piper McLean é filha da deusa do amor! Reyna deve uma pequena crise de nervosismo. Tinha que ser tudo romântico, como em livros, só que melhor. Não podia ser clichê!

— Reyna, está tudo bem? — perguntou sua irmã, todos olharam para ela. Ela estava suando frio.

Antes de responder, ela abriu a boca várias as vezes, mas Jason foi mais rápido.

— Eu já vi isso antes! — apontou para Reyna. — Quando encerramos a missão do Leo e Piper voltou pra New York, ela ficou assim também.

— Assim como? — Hylla levantou uma sobrancelha.

— Você sabe — deu os ombros. — Em puro pânico e nervosismo. Estava chegando o aniversário de três meses delas e Reyna simplesmente estava pirando algo como “Tinha que ser romântico, como nos livros, só que melhor, mas não podia clichê, porque Piper era filha da deusa do amor” e toda aquela baboseira. Era engraçado ver ela surtando, porque eu apostei que Piper iria surtar, não Reyna.

Hylla revirou os olhos.

— É verdade, Reyna?

— Eu só estava pensando nisso. Por esta sem memória — explicou.

A sua irmã fez um movimento de descaso e pediu para ela prestar atenção na reunião, era importante, mas ela voltou a pensar.

Esperava, de todo coração, que Reyna com memória fosse melhor que era. Olhou para Piper, ela deu um sorriso para ela e foi como se tudo parasse, que sorriso! Era como se, com um simples sorriso, todas suas barreiras fossem derrubada. Ela sorriu de volta. Elas estavam em uma bolha só delas.

Piper foi a primeira a quebrar contado voltando a prestar atenção na reunião, coisa que Reyna deveria está fazendo, mas as pernas de Piper eram mais chamativas.

Então, ela lembrou. No primeiro beijo, com Reyna sem memória, elas foram bem mais que a segunda base. Se Hylla e Thalia não tivesse chegando, elas iram...?

E no beijo do corredor, ela sentiu algo sexual. E ela era virgem!

— Eu perdi minha virgindade com Piper? — soltou no meio da reunião totalmente sem conexão com o atual tópico que estava sendo debatido.

Piper cuspiu seu chá todo quando ouviu a pergunta dela ficando vermelha. Hylla negou com a cabeça – ela realmente não queria saber da vida sexual de sua irmã.

A sala ficou em silêncio.

— Então? — Reyna pressionou.

Jason colocou pra Piper, esperando a resposta.

— S-sim — respondeu a grega.

— Quando?

— Reyna, você pode, por favor, focar na missão? — perguntou Hylla.

— Não — respondeu. — Quando?

— Hã, é complicado dizer...

— Reyna.

— Calada, Hylla, que saco — virou-se pra Piper. — Como assim complicado?

Piper coçou a nuca.

— E-eu... — ela ficou vermelha. — Eu não sabia que era virgem...

— Oh... — foi a vez de Reyna ficar vermelha. Oliver bufou de raiva.

— M-mas f-foi depois que pegamos a primeira chave... A gente brigou pela primeira e... bom, nas pazes...

— Eu realmente não queria ter ouvido isso — reclamou Hylla. — Realmente. Podemos voltar pra reunião agora, irmãzinha?

Reyna ficou olhando para Piper.

— Quando foi as últimas vezes?

— Reyna! — Hylla reclamou.

— Ela disse que a gente terminou por um período, eu quero saber.

Piper estava super vermelha. Porque diabos Reyna queria saber disso?

— Conte de uma vez, McLean — Hylla disse bufando. — Eu quero volta pra reunião, se não for pedir muito.

— Hã, antes de sua mãe aparecer — disse a Reyna, e percebeu que a expressão de Piper mudou.

— Aconteceu algo?

— Não, é só relacionado a sua perda, eu não posso dar mais detalhes...

Reyna deu um suspiro.

— A primeira vez depois do término?

— Eu disse que seria a última perguntou aquela — disse Hylla.

— Essa é a última.

Hylla olhou com raiva para Piper.

— Não me olhe assim, ela está perguntando, mas será bom eu falar, assim eu dou o relatório da terceira chave.

— Vocês transaram no labirinto de Dêdalo? — questionou Jason, surpreso.

Piper voltou a ficar vermelha.

— Não foi culpa minha, Reyna pode ser bem... sexy quando quer — um sorriso convencido surgiu no rosto da romana. — Simplesmente aconteceu. E foi graça a isso que encontramos a Terceira Chave.

— Porque vocês transaram no labirinto de Dêdalo? — questionou Oliver, irritado.

— Caso tenha esquecido, Chapman, o caminho só iria dar sobre o amor.

— Estou tentando entender ainda, McLean. Só isso — respondeu. — Por que umas horas você estava me beijando e depois transando com a garota que abandonou você. Por três meses.

— Eu vou te ignorar, Chapman — disse Piper. — Quando as luzes se apagaram, no “teto” parecia que estávamos ao ar livre, pois tinha um caminho formado por estrelas e... — Piper se calou.

— E? — precisou, agora, Thalia.

— Eu tinha perguntado para Reyna como iria ser depois que saímos do labirinto... — Piper estava com lagrimas nos olhos. — E essa idiota simples falou, como se fosse a solução mais óbvia do mundo, que quando saímos de lá, eu iria largar o Chapman e a gente ia casar...

— Casar? — Mendy estava surpresa.

Hylla estava quieta quando ouviu tudo, agora entendi o comportamento de Piper, o amor de sua vida que tinha sumido havia soltando falando que elas iriam casar e disse:

— Piper, eu- eu sinto muito por tudo.

Piper ignorou o pedido de desculpa de Hylla e olhou para Reyna que estava pensando.

— Então, foi assim que foi o pedido de casamento... — ela olhou para Reyna. — Foi romântico? Você gostou?

Piper deu um sorriso simples.

— Eu amei, Reyna. Porque eu sempre vou te amar, e você voltou quando eu mais precisava de você, você sempre sabe o que falar e na hora certa — ela deu uma pausa. — Apesar de não ter sido romântico, porque você não “pediu”, de início, você só informou.

A reunião foi encerrada pouco tempo depois e, dessa vez, eles não deixaram Reyna e Piper separados. Estava de noite, e Reyna disse que iria comprar alguma coisa para comer, quando ela voltou, todos comeram e, na hora de dormir, Mendy e Oliver resolveram ficar.

Não tinha lugar, Reyna disse quer dormiria com Piper na varanda, e assim foi feito. Todas as luzes estavam apagadas. Reyna estava no colchão esperando Piper vim dormir.

— Tem certeza disso? — Perguntou, se aproximando de Reyna. — Se quiser, eu posso dormir com Wendy.

— Não, tudo bem. Deite logo.

O colchão era de solteiro, Piper deitou de ponta a cabeça a Reyna, que esperou ela se arrumar. Quando Piper terminou de arrumar, ela se virou seu corpo e ficou, também, de “ponta a cabeça” no colchão, e abraçou a cintura de Piper.

— Está com medo de mim? — Reyna sussurrou baixo no ouvido de Piper, que sentiu um arrepio por todo o corpo.

— N-não. Eu só não quero invadir sua privacidade — respondeu.

— Vira-se para mim, Pipes. Eu quero ver seus olhos.

Ao falar seu apelido, todas as barreiras de McLean foram derrubadas, ela se virou para Reyna que ficou a olhando até a beijar lentamente.

Reyna passou seu braço na cintura a puxando para mais perto, o beijo se tornou mais selvagem, mas, do nada, Reyna rompeu-o, buscando ar, Piper ficou sem entender nada e depois fechou a cara.

— Não, espere — disse Reyna. — Eu amo seu beijo, mas eu preciso falar uma coisa antes.

— Diga, Avila.

A romana sorriu.

— Você disse que eu não pedi você em casamento-

— Mais ou menos- — Reyna tirou um anel bolso. — Eu percebi que tenho dois anéis, eu supus que era de namoro e um de noivado, eu mexi nas suas coisas e só achei um, então, eu comprei um igual ao meu e... Piper McLean, você quer casar comigo?

— Meus deuses, Reyna, claro que sim! — Reyna colocou o anel no dedo de Piper. — Posso te beijar agora?

Reyna a beijou, o beijo não parecia bastar. Ela queria mais, sua mão foi na bunda de Piper e apertou, o beijo abafou um gemido delicioso de McLean. Reyna a puxou mais, grudando seus corpos.

A boca de Reyna foi no pescoço de Piper e mudou a posição delas, Reyna ficou por cima da garota, encarando-a.

Piper estava tão bonita, linda. Ela pegou as mãos dela e prendeu acima da cabeça de Piper.

— O que está fazendo, Reyna? — sussurrou.

Reyna deu um beijo no pescoço dela e sussurrou de volta.

— Não se mexa — sua mão caminhou até a calça de Piper, que tentou protestar, afinal, a meio metro, estava dormindo Hylla e Thalia. — E não faça barulho.

A mão de Reyna entrou no short de Piper e ficou entre ele e a calcinha da menina. Reyna podia sentir a umidade de Piper. Seu rosto se escondeu no pescoço, abafando o gemido, ela mexeu os dedos e mordeu os lábios segurando um gemido. A situação de Piper não era diferente, ela tentava ao máximo não fazer barulho.

A mão de Reyna entrou por dentro da calcinha, estava tão molhada, começou a estimular o clitóris de Piper, que soltou um gemido um pouco alto, Reyna parou o movimento, tudo silencioso.

— Não faça barulho... — pediu.

— Não é fácil, só continue.

Reyna a beijou enquanto estimulava o clitóris, movendo o polegar em círculos, os gemidos de Piper era quase todos abafados pelos beijos, Reyna parou de beijá-la e soltou suas mãos que uma foi para acosta de Reyna e a outra na cabeça da romana. Tampou sua boca com sua mão, e seu olhar não se desgrudou da face de Piper.

— Não feche os olhos. — e a penetrou com um dedo, o gemido foi contido por causa da mão de Reyna, ela viu Piper revirar os olhos de prazer. Ela começou a movimentar os dedos, os gemidos estavam difícil de segurar, principalmente quando Piper estava quase chegando ao ápice.

Não demorou muito até Piper atingir um orgasmo e os dedos de Reyna ficaram com o gozo de sua noiva. Reyna a masturbou por mais algum tempo, esperando a respiração de Piper voltar ao normal, quando aconteceu isso, tirou os dedos da intimidade e levou até boca, chupando lentamente enquanto encarava Piper.

A romana viu sua noiva morder os lábios lentamente, e a beijou.

— Para alguém sem a memória, estava de nota dez — disse Piper sorrindo, Reyna não disse nada, tinha algo errado, algo muito errado. Deu um sorriso para Piper.

Voltaram as posições de antes, Reyna abraçou Piper e ficou fazendo cafune até ela dormir, o que não demorou muito.

.

PIPER

Tudo parecia estar certo. Estava com Reyna e finalmente tinha esperança, elas podiam vencer, mas foi uma Hylla nervosa a acordando que disse não ao seu "tudo está certo".

— Onde está Reyna? — Hylla perguntou acordando Piper desesperada.

Quando acordou, ela tinha entendido, Reyna deixou um bilhete: Estou indo na frente.

De início, Hylla pensou que era uma brincadeira, mas, as horas foram passando, e Reyna não atendia o celular e só denunciava que ela realmente foi.

Eles foram direto para Yellowstone o mais rápido que puderam.
Algumas horas depois, o parque estava vazio por eles terem chegando de madrugada, tudo estava muito quieto, cada vez mais perto do vulcão, mais medo o Jason tinha.

Piper só queria ver Reyna, por que ela tinha que ir sozinha? Era suicídio.

Eles estavam a metros de distância do Yellowstone e Piper não entendia Jason, o vulcão era lindo, era como se fosse um arco-íris no chão.

— Como vamos chegar no centro? — perguntou Thalia?

— Vocês não vão — uma voz falou atrás deles, era um garotinho loiro de dez anos falou.

Jason foi o primeiro cair, seguido por Hylla, Thalia, Wendy, Oliver. Piper queria entender o que estava acontecendo, mas seu corpo amoleceu e ela caiu, antes de apagar, viu o garotinho se aproximando.

— Eu sou Ra’Bu, o seu maior pesadelo.

.

A filha de Afrodite acordou em um salto, Oliver e Hylla ainda estavam desmaiados. Olhou a sua volta.

— Onde estamos? — perguntou ao pessoal já acordado.

— Olhe para cima, McLean — disse Wendy nem um pouco feliz, ela olhou, em ciam dela, a visão que deve de Yellowatone estava na parede. — Estamos, de alguma forma, dentro do Yellowstone.

Ela observou lugar o lugar. Wendy tinha razão, estavam literalmente dentro do vulcão, o calor se fez presente, a cela que eles estavam presos era em cima de algo parecido com uma ilha e a única saída era um caminho que levava para uma parte escura, assim com ela observou as outras “ilhas” – algumas vazias, outras com garotinhos loiros pequenos, então, essa era aparência dos genarationes.

Todas as ilhas só tinham um único caminho e, todos, levam até uma parte escura do vulcão.

Era impossível sair dali. Alguns garotinhos sorriam diabolicamente para Piper, de alguns minutos, ocorria uma pequena explosão de lava. As ilhas estavam boiando em lava, isso só piorava a situação deles.

Um tempo depois, Hylla e Oliver acordaram, onde estava Reyna?

Um adolescente loiro, Piper acho que ele teria a idade deles, mas tinha certeza que ele era bem mais velho, surgiu da escuridão da caverna sendo seguido por três pessoas de capuz. Ele tinha o cabelo enrolado, seus olhos eram, um verde, e o outro branco, totalmente.

— Mortais — disse em uma voz grossa. — Eu sou Ru’Que, o líder dos, como eles chama nós? — perguntou a um dos três que estavam com capuz.

— Generationes, meu lorde.

— Eu sempre esqueço, eu chamo a gente de A Próxima Geração, eu peço que se curvem díade nós, principalmente você, filha do amor.

Piper cuspiu em Ru’Que.

— Nunca. Eu prefiro a morte.

O loiro limpou o rosto e deu um sorriso.

— A morte será um prêmio para sua desgraça, filha do amor — disse olhando. — Sabia que sou seu irmão? Eu sou filho do amor com o mar, irmã.

— Poseidon? — perguntou Jason.

— Sim, filho do céu. E o grande Ru’Que nem foi citado da história, eu fui apagado! Minha história, meu nascimento, tudo esquecido. Apenas jogado aqui, no começo desse vulcão, para apodrecer até o fim dos tempos. Imagina minha felicidade ao sabe quando a Mãe Terra foi destruída! Eu poderia ver mamãe e papai, mas quando pisei, fui barrado e ordenado voltar. Eu só queria ver o mundo, não dominar. Mas, essa não é uma ideia má. — ele se aproximou de Piper. — Irmã. Você vai preferir a morte, como eu preferi durante séculos, seu sofrimento não vai passar.

— Piper, não escute ele.

— Acha que estou brincando, filho do céu? — ele sorriu. — Eu quero lhes apresentar minha nova guarda-costas, Ru’Rena.

O mais alto dos três com capuz, tirou o capuz e se revelou ser a Reyna, seus dois olhos estavam brancos.

— Reyna... Não...

— Não vou negar, filha da guerra — disse se referindo a Hylla — a ideia de tirar a memória? Foi uma brilhante ideia, mas a Semente G é boa demais. Ru’Rena, se curve.

— Reyna, não! — Piper gritou.

Reyna não olhou para ela, apenas se baixou se curvando ao Ru’Que.

— Sim, meu lorde — disse em uma voz arrastada.

— Quem é seu salvador, Ru’Rena?

— É Ru’Que, meu lorde, o senhor é meu salvador e toda humanidade.

— Reyna! Reyna! Por favor, não! — Piper tentava sair da cela.

Ru’Que deu uma gargalhada.

— Ru’Rena, prepare-se, daqui uma hora eu quero execução de... — ele apontou para cela. — Quem? Hm, legado do amor ou o filho do céu? Qual você quer matar primeiro, Ru’Rena?

Reyna olhou sem expressão para Oliver e Jason bem devagar.

— A filha da guerra.

— Quê?

— Oh — Ru’Que bateu palma animado. — Ru’Bu e Ru’Bi ajudem a Ru’Rena a arrumar a execução, daqui uma hora — olhou para Hylla — vamos fazer nossa primeira oferenda ao Titã Cronos.


Notas Finais


Reyna errando o nome da Wendy -q
Will e Nico fofinhos, o que acharam? Me sai muito ruim em yaoi? ç.ç
Tudo se fodendo no final do capitulo
ah ~ nao me matem <3
A maratona só vai acontecer quando cada capitulo (15,16 e 17) tiver um comentário u.u
O dia, eu aviso no meu twitter (@unicornio_mar)

O LINK DO CAPITULO COM COMENTÁRIOS DA BETADORA: https://drive.google.com/file/d/0Bx22NG2yOWOFbGRMRzNKOTc3TXM/view


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...