História Girls hate Boys - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P, Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Bang Yongguk, Daehyun, Himchan, J-hope, Jimin, Jin, Jongup, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, Tao, V, Youngjae, Zelo
Visualizações 156
Palavras 3.059
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


I'm here again, com mais um cap and...
Thank U pelos 110+ favoritos e pelos comments do cap anterior!

Sobre o cap:
1. K bêbada = Ousadia em dobro! Huehue
2. Quem precisa de remédio quando se pode ter selinhos de Park Jimin?!
3. AI GD! Jimin vendo a K seminua?! Jimin trocando a roupa da K?! Como assim Brasil?!
4. OH MAN! KISS??!!
5. Jimin tem chances agora? Será que teremos KMin?!
6.I LUV YOU ALL! PLEASE DON'T LEAVE ME ALONE HERE!

Obs: Que GIF mais cute cute da minha life! Tem como não amar Park Jimin?! <3

Capítulo 23 - Talvez


Fanfic / Fanfiction Girls hate Boys - Capítulo 23 - Talvez

Jimin Pov On~

—Chegamos, agora se vira como sua Crush bêbada. –Tao fala ao estacionar o carro

—Não vai me ajudar? –Pergunto surpreso

—Se vira com seu amor. –Ele retruca tirando o cinto de segurança e logo sai do carro

—Aish! –Resmungo voltando minha atenção para a porta do carro e a abro, saindo do carro

Fecho a porta e dou a volta no carro, abrindo a porta do mesmo do lado do passageiro e seguro o braço da inglesa.

—K, acorda. Já chegamos, ne?! –Falo puxando seu braço de leve e a garota apenas respira fundo

Após ter falado tanto sobre meu traseiro, ele finalmente havia adormecido, mas agora eu precisava que ela acordasse para facilitar a minha vida ao menos um pouco mais.

—K, chegamos. Os leões estão te esperando. –Falo tocando seu ombro

—Que leões? –Ela resmunga acordando e isso já é o suficiente

—Chegamos em casa, vamos. –Falo ainda segurando seu braço e a ajudo a sair do carro, o que foi meio atrapalhado, mas ela estava fora do carro de Tao e fecho a porta do mesmo

O chinês já havia até desaparecido para dentro de casa e eu fiquei com todo o trabalho de ajudar a inglesa. Claro que isso não me incomodava muito, mas eu só queria levar logo a K pra cama e desmaiar na minha cama também. Porém ela precisava da minha ajuda...

—Park Jiminnie, sabia que você é muito bonito?! Agora eu...eu entendo porque você é o Crush do Pan...Pang. Mas ele não deveria ser tão tarado, isso é uma falta de respeito enorme com a minha pessoa e... –Ela começa com seus pensamentos bêbados novamente

Eu a ajudo em todo o caminho até adentrarmos a casa, afinal, K não poderia ficar em pé corretamente e os seus saltos dificultavam tudo, portanto ela ficou praticamente agarrada a mim o tempo todo seguindo com seu discurso.  

—...estou lhe dizendo, o suco do Pang é o melhor suco do mundo inteiro, e eu já provei sucos de vários lugares do mundo...mas isso não é importante, o importante é o quão bonito você é., e fofo, fofo sim...

Sorrio do que ouço e a guio até a cozinha, a deixando se apoiar na bancada do espaço e me aproximo do armário, procurando em uma das gavetas um daqueles remédios que Yongguk toma depois de beber bebida alcoólica, talvez isso minimizasse os efeitos do álcool. Encontro a cartela de medicamento e pego uma das pílulas, seguindo até a geladeira onde pego um pouco de água para a inglesa.

—...você é fofo como...como uma bola de pelo fofa? Ou seria como um patinho? Patinho...tipo o Hello, Ugly Duckling? Você já usou esse aplicativo? É bem legal...

—Aqui, K. Tome isso, ne?! –Falo voltando até a garota e a entrego a pílula

—Você está tentando me drogar, Park Jiminnie? –Ela pergunta olhando o medicamento em mãos com estranheza

—O quê? K, claro que não! –Nego indignado  –Isto é um remédio para você se sentir melhor.

Ela volta a olhar pra mim já sorrindo e eu não compreendo a razão.

—Quer fazer com que eu me sinta melhor? –Ela pergunta sorrindo

—Ne. –Assinto lhe entregando o copo de água

—E quanto a você me beijar para que eu me sinta melhor? –Ela pergunta pegando o copo e o largando sobre o balcão ao lado

A olho surpreso com o que escuto, o que escutei me pegou de surpresa mais uma vez após a descoberta dela estar bêbada, até porque ela dizia não beber. E em circunstâncias normais, a K nunca diria algo assim ou perguntaria por um beijo de um garoto, mas a K bêbada aparentemente tinha ideias diferentes da K sóbria. Eu nem tive tempo pra pensar sobre a situação e, por eu já estar à sua frente, tudo o que ela fez foi se inclinar um pouco na minha direção e me roubar um selinho.

—Melhor. –Ela diz sorrindo

—Ah, K...eu não estou brincando, tome logo isso, ne?! –Falo voltando a pegar o copo de água

I don’t need this. –Ela resmunga jogando a pílula que ela ainda tinha em mãos dentro do copo que eu segurava -I need your kiss.

A observo incrédulo com sua teimosia e desisto de fazê-la tomar o remédio. Além de falar do meu traseiro quando está bêbada, ela é mais teimosa do que quando sóbria.

—Ok, se não quer tomar, tudo bem. Vamos logo para o quarto. –Falo largando o copo sobre o balcão

—Eu não quero ir para o quarto... –Ela resmunga

—Vamos logo, K. –Falo segurando seu braço e a espero me acompanhar

E lá vamos nós cambalear pela casa e novamente sofrer com as escadas e os mini infartos que a inglesa me dava. Eu estava prestes a desistir de ajudá-la e a carregar no colo mesmo até o andar de cima, mas com muita paciência, chegamos no andar dos quartos e a levo até o seu.

Abro a porta e a empurro, adentrando o espaço com a inglesa procurando por apoio em mim, mas isso acaba quando a guio até a cama e a faço se sentar enquanto eu sigo até seu guarda roupa e procuro por um pijama ou alguma das camisas folgadas que eu já a vi usar pra dormir. No entanto, não encontro pijama algum e pego uma camisa e um shorts aleatórios para a inglesa vestir para dormir.

—Tire o salto alto, ne?! –A aviso fechando a porta do móvel e me volto a ela

Paro a sua frente e espero a inglesa tirar os sapatos, os quais, por incrível que pareça, parecia impossível de ser tirados com toda a dificuldade alheia. Espero a garota os tirar pacientemente e em seguida a ajudo a se levantar da cama e ficar em pé a minha frente.

—Certo, K, você pode colocar seu pijama sozinha? –Pergunto –Pode se trocar no banheiro, ne?!

—Pijama? –Ela pergunta confusa

Respiro fundo e percebo que ela não estava nem sequer raciocinando, além disso, se ela mal conseguiu tirar os sapatos, como ela iria trocar de roupas sozinha, cambaleando no banheiro?!

—Então você pode dormir com esse vestido mesmo. –Falo desistindo da ideia

—Isso está apertado, Jiminnie... –K resmunga choramingando, levando uma das mãos na gola alta do vestido

De fato o vestido a incomodaria.  Penso por um minuto e só me vem uma solução em mente: Eu tinha de trocar suas roupas.

Mas eu não queria que ela pensasse que eu estava fazendo isso por razões erradas, com segundas intenções e apenas querendo me aproveitar da sua bebedeira. Eu não iria tirar proveito da sua situação atual não importa o quanto a situação me induzisse, eu não faria isso com a K e eu só queria que ela se sentisse confortável ao dormir. Mantenho meu olhar na garota a minha frente e tento pensar na melhor solução possível de fazer o serviço, o que logo me vem em mente.

—Pode ao menos se virar sem cair no chão? –Pergunto segurando seu braço, a fazendo se virar de costas para mim

A ouço sorrir e encontro o zíper do vestido preto da inglesa. Eu nem poderia imaginar como ela teria colocado aquilo sozinha, mas....bem, a K sóbria é inteligente o suficiente, já a K bêbada não consegue fazer muita coisa.

Hesito por um minuto, porém sigo com a ideia. Coloco o cabelo da inglesa de lado, deixando suas costas livre e abro o zíper do vestido, mas sem o tirar. Volto minha atenção para a camisa que eu tinha pego e a checo para ter certeza de que ela cobriria o suficiente do corpo da inglesa. E enquanto eu me distraí com a camisa, a inglesa já havia se virado de volta a mim e o pior, ela tinha tirado o vestido e o deixado na cintura, ficando da cintura pra cima quase exposta, a única coisa que a salvava da nudez era o sutiã.

Eu não pude acreditar no que via. Ou a K estava muito incomodada com o vestido a ponto de o tirar às pressas assim, ou ela sequer se incomoda em ficar quase nua na frente de homens, ou na minha frente! E ela ainda leva a mão no vestido na cintura e iria abaixar o resto, mas acordo pra realidade e a paro.

—Anyo! Não tira, ne?! –A aviso quase que desesperado

A inglesa para no mesmo instante e me olha perdida com a interrupção, aparentemente inocente.

—Não faça isso. Vamos vestir a camisa primeiro. –Falo me apressando em ajeitar a camisa em mãos e me aproximo ainda mais da inglesa para ajudá-la a vestir a peça antes que ela ficasse nua na minha frente

Cuidadosamente eu a ajudei a vestir sua camisa, o que resultou nela envolvendo seus braços em torno da minha cintura, me abraçando talvez na busca de algum apoio e eu termino de descer a camisa no seu corpo na intenção de cobrir o máximo do seu corpo antes de tirar o vestido que já estava baixo. Contudo a garota volta a se pronunciar, dessa vez num tom baixo e próximo ao meu ouvido, rindo e me distraindo por completo do meu trabalho.

—Eu odeio todos vocês, mas...mas sabia que você é o Pequeno Príncipe mais fofo de todo o universo? O meu pequeno príncipe favorito...

Não fazia sentido algum o que ela falava, mas naquele momento, eu sorri. Apesar da voz que demonstrava que ela estava bêbada, de alguma forma eu pude sentir um pouco de sinceridade nas palavras da inglesa.

—Então eu sou o seu Pequeno Príncipe favorito? –Pergunto não contendo o sorriso no rosto

Em resposta eu apenas a escutei sorrir de forma adorável. Levo ambas as mãos no vestido na sua cintura, o que acaba levantando um pouco a camisa, e olho para a janela a frente, evitando olhar para o corpo da inglesa enquanto eu terminava de abaixar o vestido da inglesa que logo cai ao chão, a deixando apenas com a camisa.

Com meu serviço terminado, me solto do seu abraço e me afasto um pouco para analisar suas feições. A K estava uma bagunça, seu cabelo estava desarrumado, seus olhos entregavam que ela estava sonolenta e o álcool misturado ao sono só parecia piorar a situação da inglesa, mas ainda assim, a K estava uma bagunça adorável, a bagunça mais bonita que eu já havia visto.

—O que é tão engraçado? –Pergunto ao vê-la sorrir

—Quando eu te conheci, eu pensei que você fosse um pouco idiota –Ela responde rindo

—Omo! –Resmungo ofendido –Como pôde pensar isso?!

—Quando eu vi você e seus amigos pela primeira vez, eu soube que você seria o mais fácil de se convencer a algo, o que incluía o fato de ser minha Barbie Boy. –Ela explica sorrindo

—Aish, está dizendo que eu tenho cara de submisso ou algo assim?! E eu não sou fácil de ser convencido, ne?! Eu apenas me deixo ser usado por você porque gosto de você. –Retruco sem pensar a respeito antes

—Tão inocente. –Ela fala sorrindo, mas logo ela parece se recordar de algo e me olha surpresa –Oh! Jiminnie? Você é virgem? –Ela pergunta

—Ah, anyo...agora você também? –Pergunto não evitando sorrir da pergunta alheia e da sua expressão

Até parecia que ela estava preocupada com a questão que seria algo muito sério na sua mente.

—Pare com isso, ne?! Eu não vou responder isto. –Retruco tentando conter o sorriso

—Mas o Pang quer muito descobrir isso e eu fiquei curiosa. –Ela argumenta –O Pang...o Pang deve estar planejando te atacar e se você fosse virgem, isso te salvaria dele, ou não.

—K, não fale sobre isso, ne?! Por favor. –Falo sorrindo

A inglesa sorri em resposta e logo leva uma das mãos na minha franja, desmanchando seu sorriso e desvia seu olhar da minha franja para meu rosto. Eu ainda mantinha um sorriso esboçado no rosto, mas ao vê-la ficar séria e com sua atenção fixa em mim, meu sorriso desapareceu. A K parecia ter ficado sóbria de repente...

—K? –A chamo confuso com sua mudança repentina

Contudo não recebo resposta alguma, a inglesa mantém seu olhar fixo em mim e sua mão desliza para minha bochecha. Ela parecia estar vendo algo que eu não poderia ver, primeiro porque ela via algo no meu rosto, e segundo porque ela parecia estar mais absorta em qualquer outra coisa. E sem resposta e sentindo a carícia na minha bochecha, acabo por me distrair ao notar que estávamos muito próximos, nossos rostos estavam próximos, e antes que eu pudesse vir a pensar em algo além da proximidade, a inglesa se aproxima de mim e encerra o espaço entre nós dois.

Mas, diferentemente das outras vezes em que ela me dava apenas selinhos nomeados de “beijo de amigos pupurinados”, não foi um selinho que a inglesa me deu, e sim um beijo. K estava me beijando. Sua boca separou meus lábios, me fazendo sentir uma sensação que eu nunca soube que seria capaz de sentir. Um beijo suave, lento, o qual eu já estava respondendo inconscientemente.

Sua mão deslizou pelo meu pescoço e pelo meu cabelo, parando na minha nuca, me puxando para mais perto na intenção de aprofundar o beijo, o que ocorre já que eu me aproximo ainda mais dela e procuro tocar a inglesa como se para ter uma confirmação de que era mesmo ela. Eu podia sentir seu cheiro, eu podia sentir o gosto de álcool; o que comprovava seu estado, mas isso pouco me incomodou.

K chegou a encerrar o beijo por um segundo, mas eu estava tão extasiado com o beijo, que eu sequer lhe dei tempo pra se afastar e eu é quem a beija dessa vez. Eu queria mais. Eu nunca quis alguém como a quero agora. Apesar do álcool, eu tinha o desejo de saborear a experiência; Abandono a razão e esqueço tudo, aprofundando o beijo, um beijo lento como se para prolongar o que eu almejei acontecer. Porém a necessidade de encerrar o beijo surge e eu tive de o fazer, encerrando o ato que me deixou sem fôlego.

A minha respiração estava ofegante, a respiração da inglesa não estava diferente. Eu ainda mantive minha atenção fixa nos lábios avermelhados da inglesa e quase voltei a me inclinar na sua direção, mas ela se apressou em me abraçar e a correspondo no mesmo instante, sentindo ela esconder o rosto na curva do meu pescoço, o que permitia que eu sentisse sua respiração contra a minha pele. Somente agora é que me vem à realidade.

Céus! Eu fui beijado e beijei a K.

K, a lésbica!

Sequer pude reagir a isso e fiquei perplexo com toda a situação. Ou eu deveria ficar muito feliz por ter beijado ela, ou eu deveria ficar muito preocupado dela se lembrar disso amanhã e me culpar de ter me aproveitado dela. Eu não sei se sorrio de felicidade ou se choro de preocupação.

—Jiminnie... –A ouço num tom baixo

—Ne?! –Falo em resposta

Contudo não recebo uma de volta. Apenas o silêncio da inglesa e sinto sua respiração quente e calma contra meu pescoço. Me mantenho em silêncio abraçado a ela por mais alguns minutos até ter certeza de que ela havia dormido em pé, abraçada a mim como na vez em que ela me procurou à noite chorando. Levo uma das mãos no seu cabelo e o afago, fechando os olhos em seguida, me permitindo sentir a presença da inglesa por mais um tempo antes de me afastar dela.

No fim de alguns minutos, volto a abrir os olhos e decido encerrar o abraço com todo o cuidado para não deixá-la se afastar de mim. A pego no colo, ainda adormecida, e a levo até a cama que não estava nada distante de nós dois, a deitando na mesma com cautela para não acordá-la apesar de acreditar que ela não acordaria tão facilmente.

Arrumo seus travesseiros e pego a coberta que estava dobrada e deixada sobre a cadeira da escrivaninha ao lado da cama. A cubro com o tecido e me sento ao seu lado na cama, me certificando de que sua cabeça estava em uma posição confortável e que ela tinha o cobertor sobre si exatamente do jeito que gostava.

Acabo sorrindo e estendo uma das mãos para acariciar seu cabelo suavemente. Eu não queria deixar de estar ao seu lado agora, mas eu não poderia simplesmente me juntar a ela sem saber se a K sóbria permitiria ou não. De qualquer forma, eu já estava mais que satisfeito com essa noite. Suspiro e decido deixar meu posto ao lado da garota, mas antes me inclino sobre a inglesa apenas para beijar sua bochecha, voltando a me afastar da garota bêbada adormecida.

Me levanto e pego o vestido que ela usava do chão, juntamente com os sapatos que ela usava e os coloco no canto, deixando o vestido sobre um banquinho que havia no quarto. Olho em volta checando o ambiente por uma última vez e só então me dirijo até a porta do quarto, saindo do espaço e fechando a porta atrás de mim.

A casa estava um completo silêncio agora, Tao já deveria estar desmaiado há horas e eu nem sentia mais o sono após o que houve. Sigo até meu quarto e adentro o espaço, ligando a luz do mesmo e checo a hora para ver quanto tempo me restava de sono.

Quatro da manhã.

Suspiro e deixo o celular sobre a cama. Eu não ia dormir mesmo, e qual o sentido de dormir por uma hora ou duas horas?

Decido tomar um banho para acordar por completo e levo ambas as mãos na barra da blusa de frio de lã que eu usava, a tirando. Mas assim que a tiro do corpo e a tiro do avesso, me recordo de estar abraçado à K por um bom tempo e sem pensar muito, aproximo a blusa do meu rosto, reconhecendo o fraco cheiro do perfume feminino. O perfume de K.

Sorrio com a descoberta e observo a blusa de frio em mãos por um minuto, sorrindo feito um tolo. Eu posso até estar me iludindo, mas algo me diz que eu teria chances de conquistar a K, e esse algo não é o Tao.

Talvez a K deixe de ser lésbica, e talvez eu tenha meu sentimento correspondido. 

Talvez...

Jimin Pov Of~


Notas Finais


OH MY SANTO SUGA DO BULTAOREONE! TEVE KISS DE KMIN! AEEHHHOOOO! \o\ GPSTARAM OOU NAH?! #KMIN OU NO? SERÁ QUE O JIMINNIE VAI TER MAIS CHANCES AGORA? E A K DEIXOU DE SER LÉSBICA? O QUE VIRÁ A ACONTECER AGORA?!

PLEASE! DON'T LEAVE ME ALONE HERE! DON'T LEAVE ME! Let me know se gostaram, se não gostaram. I'm here for you! TuT
Sem comments nós (Ficwriters) acabamos nos desanimando, ou pelo menos eu, aí some aquela vontade de atualizar a fic...T^T Prometo que responderei os comments! <3
Xoxo! Love U all! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...