História Girls Talk Boys - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Exibições 39
Palavras 6.257
Terminada Não
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei, mas voltei!

Capítulo 14 - Titanic


Naomi.

Estávamos assistindo Titanic.

Eu estava sentada ao lado de Ashton, Michael estava no chão, Layse estava no sofá oposto ao nosso, entre Luke e Calum.

Às vezes eu parava de olhar o filme, porque a expressão que minha amiga estava fazendo transparecia que ela não estava contente com algo, ou com alguém.

Luke estava a abraçando. Reparei melhor, e percebi que ela estava meio que afastando o seu corpo do de Calum.

Houve uma hora em que a mão dos dois encostaram-se, e Layse tirou rapidamente, como se tocar na pele de meu primo a queimasse.

- Amor? - ouvi Ash me chamar baixinho próximo ao meu ouvido me arrepiando.

Como do dia para a noite o garoto que sempre fui afim passou a me chamar de "amor"? Quero dizer, já conhecia Ash antes, mas por que só agora nos tornamos namorados? É como dizem, existe tempo para tudo. E no nosso caso o tempo me surpreendeu.

- Hum?

- Você está bem? Parece até que não está aqui... - ele falou em um tom mais alto.

- Eu tô bem, é só que estava pensando em umas coisas... - passei minha mão pelos braços do meu namorado - Não se preocupe.

- O casal poderia calar a boca? - Calum falou com a voz afetada. - Estão atrapalhando!

- Huh! Esqueci que ele gosta da cena em que o Jack segura a Rose pela cintura. - Ash retrucou - Ele queria estar no lugar dela.

Começamos a gargalhar, inclusive Layse que estava com um semblante sério.

- Eu já contei a cantada do Titanic pra vocês? - Mike começou a rir sozinho.

- Não. - falei - Conte.

- Vamos brincar de Titanic? Você é o iceberg e eu irei bem fundo! - o garoto de cabelos verdes começou a gargalhar.

- Michael! - ralhei rindo.

Todos os meus amigos riam descontroladamente.

- Meu Deus! Ele não disse isso! - Luke tampou os ouvidos.

Olhei para Ashton e ele ria histericamente.

- Vai com fé nas cantadas, que o namoro sai! - Layse riu.

- Vale ressaltar que é bem fundo! - Calum deu ênfase. - O'Brien nós podíamos...

Meu primo parou de falar.

Aposto que ele ia fazer alguma de suas piadinhas maliciosas com minha amiga.

- Vocês podiam? - perguntei arqueando as sobrancelhas.

- Nós podíamos fazer mais pipoca. - ele concluiu.

- Vá você! Eu não sou sua empregada! - minha amiga falou séria.

- Achei que quando você voltasse a falar com Luke ficaria mais feliz e menos rabugenta! - meu primo balançou a cabeça.

- E você não tem ideia de como estou feliz! - Layse passou a mão no rosto do melhor amigo - Mas é que gente babaca feito você me irrita! Nem sei como você pode ser parente da Naomi...

- Podia dormir sem essa, Hood! - Michael zombou.

- E você que...

- Gente, não briguem! - disse interrompendo meu primo - Eu já tô cansada dessas briguinhas, não sei nem como a Layse ainda te aguenta, porque se fosse comigo eu já teria desistido de você, Cal!

Michael começou a gargalhar alto, colocou uma pipoca na boca e se engasgou.

Todos rimos enquanto Mike tossia desesperadamente.

- Cara, acho melhor você vim fazer pipoca comigo e aproveitar para tomar água. - Calum sugeriu.

Michael, ainda tossindo, se levantou.

Percebi que assim que Calum deixou o sofá, visivelmente chateado, minha amiga relaxou e recebeu um beijo de Luke no pescoço.

- Ahn... Lay? - chamei - Tudo bem?

Ela assentiu, mas percebi que ela tinha algo para me falar depois.

Obviamente o cansaço nos venceu e acabamos dormindo antes do meio do filme, mas por volta das onze e meia da manhã uma mão começou a me cutucar.

- O que foi? - murmurei com voz sonolenta.

- Naomi, acorda, por favor. - a voz da minha amiga sussurrou.

Abri os olhos alarmadas e sorri ao perceber que me encontrava abraçada em Ashton.

Com cuidado me soltei dele e percebi que os outros meninos dormiam tranquilamente, ainda com a farda do colégio, menos Luke que continuava com a roupa que tinha ido na festa.

Bendita a hora que a encanação do colégio quebrou, nos dando um dia de folga.

- Venha comigo. - Lay chamou e subiu as escadas.

A segui até seu quarto e assim que fechei a porta ela pulou em cima de mim me abraçando.

- Está tudo bem? - perguntei quando nos soltamos.

- Eu sinto sua falta. - foi a primeira coisa que ela disse - Aproveitei que o Ashton estava dormindo para poder falar com você.

- Por que não falou quando estávamos acordados? - perguntei me sentando na sua cama.

Ela corou.

- Desculpa, não queria te acordar, mas é muito importante. E se o Ash acordasse vocês ficariam conversando...

- Você sabe que a sua amizade é minha prioridade. Certo? - segurei sua mão e fiz com que ela se sentasse ao meu lado.

Layse respirou fundo.

- Eu sei que você me ama e sei que na sua cabeça eu sou prioridade, porém, nunca mais consegui falar com você desde que começaram a namorar.

Antes que pudesse falar qualquer coisa meu celular toca.

Tiro ele do meu bolso da saia e atendo.

- Oi pai.

- NAOMI QUE HISTÓRIA É ESSA DE QUE VOCÊ SAIU DE CASA PARA ENCONTRAR SEU NAMORADINHO QUANDO ESTAVA DE CASTIGO?

- Ahn? - murmuro confusa.

- NAOMI HOOD NÃO TENTE ME ENGANAR, O MATT VIU VOCÊ NO PARQUE DEITADA NA GRAMA COM UM GAROTO QUANDO VOCÊ ESTAVA DE CASTIGO!

- Pai, quem diabos é Matt? E eu fui sim sair com meu namorado. O senhor não precisar gritar comigo porque não sou nenhuma menininha. Ok?

- Matt é o segurança que coloquei atrás de você! - ele falou num tom mais brando.

- SEGURANÇA? PAI, QUANDO O SENHOR COLOCOU UM SEGURANÇA ATRÁS DE MIM? QUE MERDA É ESSA?

- Não mude de assunto mocinha, quero saber porque você saiu naquele dia quando estava de castigo.

- Caramba, pai. - falei chateada - Já faz tanto tempo. Esse ESPIÃO que colocou atrás de mim está muito fraco. Viu?

- NAOMI. -ele começou a se exaltar.

- Eu não sou mais criança, pai. Não preciso ficar de castigo. Não fiz nada de mais. Só fui na praia. Assim como o Calum.

- Vocês foram sem autorização!

- Sim, porque não somos mais crianças!

- Pelo amor de Deus Naomi! O que está acontecendo com você? Escute, eu vou deixar passar dessa vez porque o Matt realmente me avisou muito tarde, mas não quero saber de você desobedecendo ordens nunca mais. Ouviu?

Revirei os olhos e percebi Layse me olhar confusa.

- Ouviu Naomi? - ele repetiu.

- Ouvi. - murmurei.

- Se desobedecer qualquer regra você vai voltar para o Brasil ou se sustentar sozinha aí. Entendeu?

Ele pegou no meu ponto fraco. Não quero voltar para o Brasil e não tem nem como eu me sustentar sozinha.

- Sim senhor. - murmurei com medo.

- É assim que eu gosto de ouvir. Ah! Mais uma coisa, agora que você sabe do Matt, não tem porque ele se esconder. Amanhã de manhã ele vai até a casa de vocês se apresentar. Naomi, eu quero que você entenda que eu preciso manter ele perto de vocês três. O mundo está muito perigoso. Portanto, nunca saiam sem avisá-lo.

- Vai meter até a Layse nessa sua paranóia de segurança, pai? - perguntei.

- Principalmente ela.

Sem dizer tchau, meu pai desligou a ligação.

- Uau. Meu pai pirou. - soltei - Ele descobriu que sai escondida uma vez e ainda colocou um espião atrás de mim, agora que eu já sei, o tal carinha vai vim aqui amanhã se apresentar e vai ser nosso segurança pessoal.

Minha amiga riu e questionou:

- Quando saiu escondida?

- No dia que você foi para a casa do Luke de tarde. - dei de ombros.

- Viu? Eu não sabia que você tinha saído nesse dia.

- Não te avisei porque você brigaria comigo por eu sair escondida. - expliquei - Não foi porque eu dou mais atenção ao Ash.

- Tudo bem. Vou te mostrar que está fazendo isso. - ela gesticulou com as mãos - Agora tenho que te falar algo muito importante.

Sua feição abatida se tornou ainda mais acentuada.

- Ligaram para o Luke e eu atendi.

Assenti com a cabeça.

- E era o padrasto dele. - ela complementou.

Arregalei os olhos.

- Ele te ameaçou? Ele falou alguma coisa?

- Na verdade não. E olha que eu falei meu nome! Ele só pediu para mim falar para o Luke ligar depois e foi super educado.

- Tá. E o que tem isso? - olhei para ela confusa.

- Como uma cara mau seria educado? O Luke está enganando a gente, Naomi.

- Calma. Quantas vezes o vilão sempre foi o educado? Não sabemos.

- Ok. - minha amiga afirmou respirando fundo - Mas é que venho sentindo uma sensação estranha como se algo ruim pudesse acontecer a qualquer momento.

- Vamos investigar. Ok? Luke não vai nos fazer de idiota de novo. Mas lembra, todo mundo é inocente até que se prove o contrário. E se eu tenho certeza de algo é que Luke te ama.

Percebi os olhos de minha amiga brilharem e logo depois temerem que o Hemmings a esteja enganando.

- Não sei. Estou com medo agora.

- O Luke não é mau. Vamos investigar só para você vê que ele é uma pessoa boa e que seu padrasto estava fingindo nessa ligação. Ok? Você e Luke são a melhor coisa que aconteceu! Não sinto mais aquele incômodo de situação mal resolvida! E vocês dois... Ah! São tão fofos. Você deveria pensar em namorar com ele, deve ser maravilhoso namorar com o melhor amigo porque ele já sabe tudo sobre você. Ele não é mau! Você não sente isso em você? Digo, que o Luke é bom e gosta de você? Porque eu sinto isso quando estou com o Ash. Eu sinto que ele gosta de mim. - falei sonhadora.

Minha amiga sorriu junto comigo e segurou minha mão.

- Vocês são lindos.

- Obrigada. - corei.

Eu me apaixono cada vez mais pelo Ashton. Ele se tornou uma das pessoas mais importantes para mim, não só porque foi o meu primeiro namorado, mas também porque cuida de mim.

Vi a garota sorrindo.

- Você sabia que o Luke gostava de mim naquela época?

Ótimo. Ela não podia ficar repassando a ligação com a droga do Gregory na cabeça. Eu sei que Luke não é mau.

- Eu desconfiava, mas sempre tinha dúvida...

Obviamente não quis falar que minha dúvida se dava pelo modo esquisito que Luke agia de vez em quando comigo, por exemplo, quando quase me beijou na roda gigante em um ida nossa ao parque uma vez. Afinal, aquilo tinha sido o calor do momento.

Senti uma mão bater no meu ombro.

- O que foi? - passei a mão onde Lay tinha batido.

- Você não me falou que achava que ele gostava de mim.

- Eu também era melhor amiga dele. Lembra? Igual você se tornou amiga do Cal e dividiu segredinhos com ele e não contou pra ninguém. - sorri para que ela não desconfiasse.

Odeio esconder coisas da Lay, mas eu sempre soube da queda dela pelo amigo - mesmo que ela não admita - e conheço Luke suficientemente bem para saber que hoje ele está completamente apaixonado por minha amiga.

Além disso, faz quase um ano desse acontecimento e foi só uma vez. Nada demais. Até porque o motivo do quase beijo era minha agonia para perder o bv.

- Não foi isso que eu disse. - ela falou séria - Eu contei que o Cal precisou de uma amiga e dasabafou comigo, não o contrário. Sem ciúmes Naomi Hood. Entenda que Calum não é meu amigo. Ele pode ter conversado civilizadamente e me contado alguns de seus segredos, mas foi por falta de opção, tenho certeza, até porque depois ele me xingou, me humilhou e ainda por cima disse que me odeia.

- Hey! Por que está tão incomodada com isso? Com a parte da humilhação, tudo bem, mas agora com o resto... Dane-se ele, você é maravilhosa... - passei a mão no seu braço.

Por isso não posso contar. Layse repassa a mesma coisa várias vezes na cabeça e acaba a transformando em um problema gigantesco. Se eu contar algo tão besta, como o meu quase beijo com Luke, ela pode deixar de ser feliz com o garoto por achar que ele gosta de mim, quando claramente não é verdade.

- E sobre o Calum? - Lay retornou ao assunto.

De certa forma fiquei feliz porque se ela retornou ao assunto Cal, significa que ela acha que o Luke é inocente, porque do contrário ficaria debatendo várias teorias sobre nosso melhor amigo ser maligno.

Ou ela gosta muito do meu primo.

- Por que você está tão incomodada lá em baixo? Ou melhor, o que o Calum fez dessa vez? Me explica melhor.

Vi Layse respirar fundo.

- Acho que vou ter que te atualizar primeiro... - minha amiga sorriu e começou a contar tudo o que aconteceu com ela nos últimos dias.

Desde os acontecimentos pouco depois da praia até o meu primo idiota dizendo que a odeia para o Hemmings.

- Uau. Sinceramente, não acho que o Calum sinta ódio de você, talvez ele disse isso para o Luke não pensar besteira, já que é como você disse, todo mundo pensa que existe algo a mais entre você e meu primo, o que nós duas sabemos ser impossível.

Lay assentiu.

- Então não fique se sentindo mal pelo o que ouviu... Sem contar que meu primo é bem idiota quando quer... Você viu o que ele fez na festa... Aliás, ele te pediu desculpas?

- Não. O Cal é orgulhoso demais, você sabe... Ainda bem que o Mike ignorou completamente o que ouviu junto comigo quando pegamos os cobertores, ele foi um fofo, Nam.

- Ele não vai contar que você ouviu o Cal falar aquela merda, tenho certeza. - sorri pensando no Clifford.

O rosto aflito da Layse abriu um pequeno sorriso.

- Obrigada amiga.

***

- Gente, e agora? - Calum se levantou do sofá desligando o dvd e a televisão.

- Agora o quê? - perguntei saindo dos braços de Ashton para os quais eu tinha voltado depois da conversa com a Lay.

- O filme acabou. Daqui a pouco é o almoço e não sei se repararam, mas nós estamos sem a Lucy. Alguém aqui sabe cozinhar?

Luke levantou a mão.

- Macarrão instantâneo não vale, Hemmings! - meu primo revirou os olhos.

O loiro riu abaixando seu braço.

- Não sei se vocês sabem, mas nós somos 6 adolescentes, e não é possível que ninguém aqui saiba fazer um arroz, ou preparar uma carne... - Layse se pôs de pé - Isso que dá vivermos como gente rica.

- HEY! - Luke, Calum e eu falamos juntos - O que você tem contra os ricos?

Lay deu de ombros rindo e o loiro ao seu lado beijou sua bochecha.

- Saber eu até sei cozinhar, mas a comida insiste em sair insossa ou muito salgada, sem contar que meu tempero é horrível! - me justifiquei baixo.

Meus amigos riram.

- Gente, minha casa é aqui do lado, vocês podem ir almoçar comigo. - Michael nos convidou se levantando.

- Será que a tia Karen não ia ficar chateada? - Ashton perguntou.

- Claro que não! Eu só preciso avisar que ela vai ter que pôr mais 5 pratos na mesa.

- Ai que vergonha, ela vai pensar que somos mal educados. - disse balançando a cabeça - Nós somos mais cinco pessoas, se fosse só um ou duas, tudo bem...

- Pare de besteira! - Michael me repreendeu - Ela ama cozinhar.

Minha mente deu um estalo.

- A gente nem chegou a dormir direito, nem mesmo assistindo o filme. Na verdade Titanic acabou deixando todo mundo acordado na maior parte do tempo, já que vocês estavam todos emocionados e eu tinha que ver as lágrimas escorrendo pelos rostos de vocês.

- Que horror, Naomi! - Mike tampou a boca - Você fica nos vigiando! Isso é meio psicopata de sua parte!

***

- Pronto, agora nós podemos ir. - disse entrando na sala depois de trocar a farda - que eu ainda estava vestida - por outra roupa.

- Nossa, você demorou 15 minutos para trocar de roupa? - Calum perguntou - Era só pegar a primeira roupa que visse na frente e vestir!

- Tá me controlando? - cruzei os braços parando a frente do meu primo.

Percebi que Ash que me encarava com um sorriso e meu coração acelerou.

- Não, mas você tem que aprender a ser mais prática, tipo eu. Só fui no meu quarto, tirei a farda, e vesti a primeira coisa que encontrei, tipo essa bermuda e a regata azul

- Não precisa ficar dizendo a roupa que está vestindo, eu tenho olhos, e eles me permitem ver. Incrível, não? - ri irônica e Ashton gargalhou.

- Tá, tanto faz. Vamos logo antes que o Mike ache que nós desistimos do almoço. - Calum foi até a porta - Ah, antes que eu me esqueça, a Lucy ligou dizendo que teve um imprevisto depois que a gente saiu e preocupada com o que almoçaríamos, falei pra ela que íamos pra casa do Mike.

- Ok. - murmurei levemente chateada com o comportamento do meu primo.

- Impressão minha ou você está faminto? - Ash perguntou para Calum enquanto me estendia sua mão.

- Espera, cadê a Layse, e o Luke? - disse já trancando a porta

- Eles foram na frente, a Lay sabe como ser prática! Ela só colocou um vestidinho vermelho, e foi. Ela ficou linda! - ele sussurrou a última parte.

Olhei para Ashton e ele deu de ombros.

***

- Olá meus anjos! - a mãe de Michael disse assim que abriu a porta para nós.

Calum e Ashton abraçaram a mulher.

- Você é a Naomi, certo? - ela perguntou.

Eu assenti.

- Seja bem-vinda, Michael fala tanto em você. É um prazer conhecê-la. - A Sra. Clifford me deu um beijo no rosto.

- Pra mim também.

***

- Nossa. Tia, essa sua lasanha tá maravilhosa! - Luke elogiou.

- É! A gente teve a sorte grande de vir almoçar no dia em que a senhora fez uma lasanha espetacular! - Calum pôs mais uma garfada na boca.

Estávamos na sala de jantar da casa do Mike, todos sentados em frente uma daquelas mesas enormes cheia de comida, parecendo aquelas de filmes de natal, só que sem os enfeites.

- Meu Deus! Deixa de ser indiscreto! O que a tia vai pensar de nós? - disse baixo.

- Não se preocuope, Naomi, eu já estou acostumada com o Calum! - ela riu - E obrigada, meninos!

- Agora vocês entendem porque eu tô assim! - Michael apontou para a barriga. - Essa mulher é espetacular! - o garoto riu jogando um beijo para a mãe.

***

- Eu faço questão de ajudá-la com a louça! - disse recolhendo os pratos dos meninos e seguindo a mãe do Mike.

- Oh, não! Pode ficar com os meninos, eu lavo sozinha!

- Não, de jeito nenhum! - entrei na cozinha junto com ela.

- Se você quer...

- Eu também vou ajudar! - A voz de Layse preencheu a cozinha no mesmo instante.

***

- Vocês são maravilhosas! Michael já tinha me falado muito de vocês, e de como vocês eram legais. Ele realmente tem razão. - Karen falou, enxugando o último prato - Pena que o pai dele está viajando, ele amaria vocês duas também.

- Obrigada! - eu e Layse dissemos em uníssono.

- Finalmente nós fomos apresentadas oficialmente! - Lay disse tirando o avental.

- É, eu sempre dizia para ele nos apresentar. Fico até constrangida, porque meu filho vai tanto na casa de vocês, fico com receio de ele estar incomodando!

- Mike não incomoda nunca! Nós gostamos muito da companhia dele!

- A senhora precisa ver como Lucy conversa com ele! - Lay completou.

- Uma vez eu os flagrei conversando sobre bolo, Michael estava pedindo a receita do bolo de chocolate da Lucy. - eu ri com a recordação.

- Ah, acho que foi um que ele me fez há alguns dias no meu aniversário. Eu lembro do dia em que Lucy nos mandou um bolo de boas-vindas, estava uma delícia!

- A senhora tem um filho de ouro! - eu disse pensativa.

- Obrigada! - ela riu - Perdoem a minha modéstia, mas eu sei que meu filho é maravilhoso!

Nós começamos a rir.

- E põe maravilhoso nisso! - Michael disse entrando na cozinha.

- Ouvindo atrás da porta, Gordon? - Karen pôs as mãos na cintura.

- Não, a porta estava aberta, e por favor, mãe, não me chame de Gordon! - Mike disse emburrado - Eu já não gostava desse nome, aí a Lay me disse que no Brasil, Gordon soa como gordo! Mãe, isso é bullying!

Olhei para o bico que o garoto estava fazendo e não contive um riso.

- Culpe seu pai! - a mulher deu de ombros.

- Falando em papai, ele chega semana que vem da viagem, certo?

Karen assentiu com a cabeça.

- Tia, qual foi sua reação quando Michael apareceu com o cabelo verde? - Layse perguntou mudando de assunto

- Eu o olhei assustada, e depois comecei a rir! - Karen abraçou o filho - O pai dele passou uma semana inteira o chamando de cabeça de alface.

Layse começou a rir alto. Eu a acompanhei.

- Mãe, agora elas vão ficar me chamando disso! - Mike revirou os olhos.

- Vamos não! - minha amiga levantou as mãos.

- A gente te ama, Clifford, ou melhor cabeça de alface? - disse arqueando as sobrancelhas.

- Tá vendo? - o garoto olhou incrédulo pra mãe - Você não aprende, Nam! - Mike se soltou do abraço da mãe.

Em seguida veio em minha direção, e começou a fazer cócegas em mim.

- Mi- Mi- Mike! Eu vou mo-morrer! - disse sentindo algumas lágrimas se formarem, por conta da risada.

- Vai me chamar de cabeça de alface? - ele parou as cócegas.

- Não, cabeça de alface! - respirei fundo.

- Preparada? - Michael me encarou.

- Não, Mike! - disse já sentindo suas mãos em minha barriga.

Eu já estava ficando sem ar. Quando a mãe dele soltou:

- Vocês formariam um casal muito bonito! Eu adoraria ter a Naomi como nora!

Michael parou no mesmo instante. Eu arregalei meus olhos.

- Eita! - foi tudo que ouvi Layse dizer.

- Mãe! Ela tem namorado! E por acaso ele se chama Ashton Irwin, que por acaso é meu melhor amigo! - o garoto repreendeu.

Suas bochechas estavam muito vermelhas.

- Oh! Me desculpe, querida... - a mulher murmurou constrangida.

- Sem problemas, tia! - eu disse dando um risinho.

- Mas um dia quem sabe... - Karen sussurrou.

- Mãe! - Michael revirou os olhos - A senhora sabe que a Naomi é linda, mas não faz meu tipo...

Por algum motivo meu coração ficou apertado.

- Você tá bem? - Lay sussurrou ao meu lado.

- Claro.

- Mas seu semblante tá dizendo o contrário...

- Tô bem, acho que é só o cansaço, eu nem dormi direito ainda...

Layse me encarou como se analisasse sobre o que eu disse.

- Hã... Cadê os meninos? - minha amiga perguntou se virando para Michael.

- Eles já foram.

- Oi? E nem nos falaram nada? - perguntei.

- Não, eles disseram que não queriam atrapalhar a conversa de vocês com a mamãe. - o garoto deu de ombros.

- Acho que a gente já tá indo também. Vamos, Nam? - Layse perguntou.

- Vamos. Obrigada tia Karen, pelo almoço maravilhoso. Amei a senhora! - disse indo em direção à mulher e a abraçando.

- De nada, minha filha.

***

- Achei que iriam morar lá! - Ashton soltou do sofá, assim que me viu entrando em casa com Layse.

- Não seria uma má ideia, a tia Karen é tão legal... - falei rindo.

- É mesmo! Só não deixe Lucy nos ouvir, ou ela ficará com ciúmes. - Lay balançou a cabeça.

- Ouvir o quê? - Lucy perguntou da escada.

- Olha quem apareceu! - cruzei meus braços indo em direção ao sofá - A senhora sumiu, hein?

- É, ela tá melhor que nós no quesito: dar perdido! - Calum riu.

- Claro, acha que é só vocês que podem? - a senhora falou com um sorriso divertido no rosto.

Nós vaiamos meu primo.

- Gente, minha mãe acabou de mandar uma mensagem, e ela parecia bem furiosa por eu ter deixado meu celular no silencioso. - Luke guardou o aparelho no bolso - Já vou indo.

- Tchau, Lulu. - disse, abraçando o garoto.

- Nam, você sabe que esse apelido é ridículo! - Luke bufou.

- Sim, eu sei. - dei de ombros.

"Não fui eu quem tirou aquela foto!", por algum motivo lembrei do dia em que a foto de Layse e Calum se espalhou no colégio. Eu precisava falar com Luke.

- Luke, preciso falar com você! - meu tom de voz saiu sério.

Todos os meus amigos me olharam em expectativa.

- Lá fora. - andei até a porta.

- Tchau, anjinho! - ouvi Hemmings murmurar, para Layse.

Olhei para trás, e me surpreendi com o selinho que ele lhe deu.

- Luke! - minha amiga o repreendeu corada.

Ele saiu com um sorriso e fui atrás dele o parando na varanda.

Depois de o questionar, ele respondeu:

- Sério, Nam. Não fui eu quem tirou as fotos.

Seu olhar transmitia sinceridade, a mesma sinceridade que eu sempre via quando conversava encarando seus olhos azuis.

- Então se não foi você, quem foi? - perguntei olhando para a rua, e depois voltei a encara-lo.

- Também queria saber, eu não teria coragem de ferrar com meus dois melhores amigos daquela forma. Ainda mais sabendo que Layse ficaria muito mal.

- É, ela ficou. - disse baixo, ao lembrar do estado de minha amiga.

- Acho que deve ter sido algum engraçadinho. Nas festas sempre tem um idiota do tipo... - meu amigo balançou a cabeça.

- É, sempre tem... - ouvi a voz de Ashton saindo pela porta.

- Você tava ouvindo nossa conversa, cara? - Luke olhou para o amigo.

- Só uma parte. Desculpa! - Ash alternou os olhares entre mim e o loiro.

***

- Além de ter aula da sra. Albana na segunda, também tenho aula dela na terça-feira. - reclamei ao lado de meus amigos.

Nós estávamos indo em direção às salas de aula.

- Incrível, que tanto na segunda quanto na terça, as aulas dela são as primeiras. - Mike ajeitou a mochila nas costas - Ressaltando que são dois tempos!

- Boa sorte pra vocês! - Calum disse entrando na sala de geografia ao lado do meu namorado.

***

A sala de matemática estava a maior bagunça.

Os alunos estavam fora de seus lugares, e conversavam alto.

- Mike, eu acho que se fizermos essa conta só vamos perder tempo e não chegaremos a lugar nenhum. - dei de ombros, mostrando a folha de trabalho para meu amigo.

- Você é muito teimosa! Vai dá certo! Confia em mim! - ele revirou os olhos.

Eu estava em pé e ele sentado.

- Confiar em você? Não sei se posso confiar em alguém que chora ao assistir Titanic. - cruzei os braços.

- Ah, qual é? - ele riu.

- Eu só acho que se formos pelo método que você propôs, nós perderemos pontos nesse trabalho.

- Meu Deus, que menina chata! Tem certeza que eu sou seu amigo? - ele perguntou.

Minha boca formou um perfeito "O".

- Agora não tenho certeza se ainda é meu amigo! - disse fingindo indignação - Não fale mais comigo, Clifford! Não quero ver você nem com o cabelo pintado de azul! - falei rindo e me virando.

- E se eu te falasse que tô pretendendo pintar meu cabelo de azul? - ele disse segurando meu braço. - Ainda prentende não falar comigo?

- De repente eu possa mudar de cor favorita, e agora, quais seus argumentos? - disse arqueando as sobrancelhas.

- Esse. - ele me puxou.

Eu caí em seu colo.

Ele me abraçou apertado.

- É, seu abraço é maravilhoso, seu argumento foi bom! - disse apoiando minha cabeça em seu ombro.

- Naomi Hood! Saia de cima do Michael! - ouvi a voz da sra. Albana. - Na sala de aula deve haver respeito!

- Desculpe! - pedi envergonhada, me levantando em seguida. - Ele me puxou e eu caí sem querer. - expliquei.

- Me admiro é de você, uma garota tão bonita se prestando a esse papel. - ela balançou a cabeça negativamente.

- Que papel? - perguntei.

- Papel de garota fácil! Eu sei que você não é uma, mas o jeito que você estava sentada no colo dele pareceu, sem contar que eu sei que você tem namorado!- ela me olhou acusadoramente. - Para o Michael fica bonito, mas pra você fica ridículo!

Eu não acreditei que estava mesmo ouvindo aquilo. A sala todinha ficou em silêncio. Eu cerrei meus punhos e olhei para Michael.

Meu amigo fechou os olhos e passou a mão na cabeça.

Eu queria responder algo, mas nada parecia bom o suficiente, sem contar que eu me encontrava num estado emocional que me faria gaguejar.

Suspirei fundo e apenas disse:

- A senhora não pode me rotular! Que pensamento ridículo!

- Professora? - ouvi a voz de uma garota atrás de mim.

Todos na sala viramos a cabeça em direção aquela voz.

Foi aí que eu vi uma garota ruiva, que chegou na escola semana passada, se eu não estou enganada seu nome era Kloe.

- Sim, Kloe? - a sra. Albana disse.

Acertei o nome!

- A senhora deu um sermão na Naomi só por que ela estava sentada na perna do Michael? - a ruiva disse se ajeitando na cadeira.

- Não foi sermão, foi um conselho.

- Com todo o respeito, o seu "conselho" foi bem desnecessário.- ela fez aspas com os dedos - Onde já se viu, julgar alguém só porque ela estava sentada na perna do amigo?! - Kloe balançou a cabeça - Sem contar que ela mesmo disse que foi sem querer.

- Sim, mas aqui é uma sala de aula e deve haver respeito! Se eles tem tanta intimidade assim que esperem até a hora da saída, porque aqui não é lugar pra isso! - a mulher disse praticamente gritando.

- A senhora está me ofendendo!- reclamei.

- Me responda uma coisa, se ela estivesse sentada na minha perna, estaria tudo bem? - Kloe cruzou os braços.

- Sim, porque você é mulher! A sociedade não julgaria. - Sra. Albana disse.

- Cara, eu não acredito que estou mesmo ouvindo isso! O seu machismo é ridículo! - a garota balançou a cabeça.

- Me respeite! - a professora advertiu.

- Assim como a senhora respeitou a Naomi, a julgando de fácil só por ela está sentada na minha perna? - foi a vez de Mike falar.

- Calados, ou irão para a diretoria! - a mulher levantou-se de sua cadeira.

- É muito fácil mandar os outros ficarem calados, mas eu não me calo! Sabe por quê? - Kloe arqueou as sobrancelhas - Porque a única forma de eu lutar por um mundo melhor é não me calando nas coisas erradas que eu vejo! Me admiro é da senhora aceitar isso como mulher, deveria saber que seu pensamento é extremamente ridículo e machista!

- Eu não sou machista! A sociedade é que é! - a mulher rebateu.

- É a típica história do:"- Eu não sou, mas...". - falei sentando ao lado de Mike.

- Ok, esse assunto já rendeu, se calem ou realmente irão para a diretoria! - ela ameaçou.

- Uma última coisa, na sua frase lá no início, a senhora disse que eu tinha namorado, e que não deveria fazer isso... Sabe, eu tenho namorado, sim! Mas isso não significa que ele é meu dono, eu sou fiel a ele e é isso que importa! Só lembrando que o corpo é meu, e eu faço o que quiser! - falei piscando para ela.

- Assino embaixo, Naomi! - ouvi a voz de Kloe.

Olhei para trás e sussurrei para a ruiva:

- Obrigada!

- De nada! - ela piscou para mim.

***

Eu estava na mesa com meus amigos e meu namorado, contando o ocorrido na aula de matemática.

- Mal conheço essa Kloe, mas já quero brindar com ela! - Layse levantou a sua caixinha de suco.

- Ok Nam, mas por que você estava sentada no colo do Mike? - Ash disse desconfiado.

- Porque ele me puxou para um abraço, mas eu acabei caindo em seu colo. - dei de ombros.

- Você disse que não gostava de ficar sentada na minha perna, mas ficou na do Michael. - Ashton me olhou estranho.

- Eu já disse que foi sem querer! E não vem com ciúmes sem fundamento para cima de mim! - revirei os olhos.

- Sem fundamentos? Será mesmo? - ele cruzou os braços.

- Ah não, já não basta a sra. Albana, agora até você? - balancei a cabeça - Ash, você é meu namorado, mas quem manda em mim sou eu. - dei de ombros.

- Uou! - Calum se manifestou.

- Gente, por favor, não vão brigar! - Michael pediu.

- Essa é só a primeira D.R de muitas que virão. - Luke riu - Mas calma aí, gente. - ele passou a mão no ombro de Ashton.

- Eu realmente não tô querendo ter uma D.R agora, nós podemos só lanchar em paz? - pedi olhando para meu namorado.

- Claro, me desculpa, amor? - ele pediu.

- Só se você me der um beijo. - sussurrei em seu ouvido.

- Só um? - ele riu.

- Se você quiser me dar mais.- levantei as mãos.

Meu namorado se aproximou e uniu nossos lábios.

Nosso beijo agora já não era desajustado como os beijos da primeira vez, mas agora parecia que nós tínhamos uma perfeita sintonia.

Eu arranhei sua nuca e ele gemeu em aprovação.

- Hey! Gente, eu tô traumatizado! - Calum falou alto para nós dois.

Eu ri no meio do beijo, e nós fomos encerrando.

- Desculpa gente! - disse rindo.

- Essa não é a menina feminista? - Luke apontou para Kloe que estava passando na nossa frente.

- Não sou feminista, só luto por um mundo mais igual!- a ruiva se virou para nós e encarou Luke.

- Vem aqui. Vamos brindar! - Layse chamou Kloe.

***

- Quer dizer que você é inglesa? - Michael perguntou para Kloe.

- Sim.

- E o que te fez trocar o frio de Londres, pelo calor da Austrália? - Luke riu.

- Os estudos. Tipo meus pais moram em Londres, mas minha avó mora aqui na Austrália. Ela disse que aqui tinha um colégio muito bom, e que meus pais deveriam me pôr aqui. - a ruiva deu de ombros.

- Vejam só, nós temos garotas estrangeiras! - Calum falou.

Kloe o encarou sem entender.

- É que eu e a Naomi somos brasileiras, e agora tem você que é
inglesa. - Layse explicou.

- Sério? Vocês falam inglês tão bem, nem desconfiei, quer dizer vocês tem um pouco de sotaque, mas nada que deixe na cara.

- É porque minha família paterna é toda australiana, inclusive, sou prima do Calum. Então sempre vinha aqui os visitar, o que me obrigou a falar inglês fluentemente desde os 7 anos de idade. - dei de ombros.

- E eu fazia curso de inglês desde os meus 8 anos. Sem contar que a Naomi me ajudou muito nesse processo. - Lay me lançou um sorriso.

- Fantástico! - Kloe bateu palmas - E você, Calum? Fala alguma coisa em português?

- Obrigado. Tudo bem. Tchau. Te amo. Oi. - meu primo falou em português - Chato. - ele acrescentou ainda em português - Uma vez fui para o Brasil e a Naomi, com a Layse viviam me chamando disso.

- Acho que não e uma boa coisa, hein? - Michael riu.

Olhei para minha amiga e nós começamos a gargalhar.

A mesa ficou em completo silêncio, foi aí que percebi Kloe encarando Mike.

E por algum motivo desconhecido eu agi no automático, quando quebrei o contato visual dos dois falando:

- Eu gosto tanto de azul que vai ser maravilhoso ver minha cor preferida no seu cabelo. - disse o encarando.

- Será que eu ainda vou pintar ? - Mike mordeu os lábios.

- Nem ouse, Clifford!

Ele me lançou um olhar como se me desafiasse. E eu fiz o mesmo.

Só percebi que aquilo estava estranho, quando Michael deu um risinho malicioso e balançou a cabeça.

Olhei para Ashton, e ele parecia fuzilar Mike pelo olhar.

[...]

 


Notas Finais


Heyyyyyyyyyy

Vcs gostaram desse capítulo? Opinião sincera, por favor.
Quero melhorar cada vez mais e preciso das críticas construtivas de vocês.


Obrigada @AlwaysBipolar, @midhtmemories, @mayhemms, @idkbee e cliwffordz por favoritarem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...