História Give me your love - Nash Grier - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cara Delevingne, Nash Grier
Exibições 7
Palavras 1.014
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Two


Acordei com o sol batendo diretamente no meu rosto. Tampei os meus meus olhos, por conta da claridade que me afetou.

Com muita dificuldade me dirigi ao banheiro. Me olhei no espelho e vi a desgraça que estava o meu cabelo. Me despi completamente e entrei no box.

Liguei o chuveiro e me deixei levar pelo barulho da água caindo no chão. Era tão bom quando não havia gritaria nessa casa, dava a impressão de que havia um pouco de felicidade nesse lar.

Terminei o meu banho e me enrolei na toalha preta com detalhes dourados.

Fui em direção ao meu armário e peguei uma calça jeans preta e um moletom preto. Os vesti e sai do meu quarto.

Desci as escadas e encontrei o Nash pegando algo na geladeira.

—O Cameron já acordou?—Perguntei e ele negou. 

Ainda bem, não quero ter que aturar ele logo de manhã cedo.

—Aonde você vai as 6:30 da manhã?

—Ir para qualquer lugar que não seja aqui—Respondi seca

—Me da uma carona até o Five Guys Burger?—Falou—Juro que eu paro de encher o seu saco.

Dei um longo suspiro e assenti. Fomos para o meu carro e dei partida. Estava um silêncio entre nós no carro.

Qual é? Eu e ele nunca tivemos uma conversa de mais de 5 minutos, por que seria agora que teríamos?

Chegamos a lanchonete e ele me olhou confuso.

—Pensei que você iria apenas me deixar aqui, e não ficar também.

—Também tenho fome—Disse grossa.

Me sentei em uma mesa qualquer e ele se sentou junto a mim. Bufei.

—Qual o seu problema comigo garota? Eu nunca te fiz nada.

—O problema é que você é amigo do Cameron, e pra ser amigo do Cameron, você tem que no mínimo ser um babaca que nem ele—Respondi com um sorriso sínico.

—Posso te provar que não sou isso que você pensa de mim.

—Não preciso que você me prove nada.

—Mas eu quero te provar, a partir de agora vou tentar ser legal com você. Como por exemplo, vou pagar o seu hambúrguer—Bufei

—Eu não preciso que você pague o meu hambúrguer.

—Mas eu quero pagar—Suspirei

—Ok Nash, pague o meu hambúrguer.

Quando os nossos lanches chegaram, devoramos em pouco tempo.

Como prometido, o garoto pagou o meu lanche. Logo depois nós saímos e fomos em direção ao carro.

Entramos no mesmo e eu dei partida, em direção a minha casa. Fomos o caminho inteiro em silêncio, quando chegamos, estacionei e logo nós estávamos fora do automóvel.

Entramos em casa e o Cameron desceu correndo.

—ONDE VOCÊS ESTAVAM?

—Calma cara—O Nash tentou o acalmar

—NÃO ACREDITO QUE VOCÊ SAIU COM ESSA IDIOTA—Falou me olhando com desdém.

—Relaxa, a gente foi só comer, você acha que eu teria algo com ela?—Me olhou de cabeça aos pés. Ok né, uma hora ele fala que vai tentar ser legal comigo, e na outra, simplesmente me humilha.

Foi a minha deixa, subi as escadas correndo e me tranquei no quarto.

Eu realmente não me importava com o que aqueles cretinos falavam de mim. Mas eu não suportava ser humilhada.

Peguei uma cerveja que havia escondida debaixo da minha cama. A segurei com apenas uma mão e me direcionei a varanda.

Me apoiei no telhado e com um pouco de esforços, subi no terraço. Sentei e abri a garrafa que havia em minhas mãos.

Dei alguns goles e observei as crianças brincando no bairro. Já se passava das 10:00 da manhã mais ou menos, e estávamos nas férias de verão. Onde as crianças acordavam e se divertiam sem ter que se preocupar com nada.

As vezes eu me perguntava como era ser feliz, como era ter pais atenciosos que se importavam com você? Como era ter um irmão que realmente te amasse e fosse seu amigo?

Se eu sumisse ninguém iria notar, eu não tenho amigos, não tenho "família" e não tenho ninguém que realmente ligue para mim e para os meus sentimentos.

Acordei do meu transe quando percebi que alguém estava subindo o terraço. Fiquei confusa, mas ao me deparar com incríveis olhos azuis, logo soube quem era.

—O que você quer aqui?—Perguntei seca sem o encarar. Logo ele sentou ao meu lado e olhou para o mesmo ponto em que eu estava olhando.

—Vim ver como você estava.

—Como se você se importasse—Falei sem tirar os olhos da rua.

—Por que você deixa o Cameron dizer aquelas coisas pra você e ainda fica calada?

—Eu já estou acostumada com os insultos dele, eu apenas o ignoro. Não vale a pena discutir com alguém como ele. A existência dele é fútil na minha vida—Suspirei e o olhei. Dei outro gole na minha cerveja.

—Por que está bebendo isso?

—Para aliviar o stress Nash—Bufei

—Você não precisa disso—Disse me encarando.

—Você não entende ok? Você não tem problemas com os seus pais e muito menos tem um irmão que te detesta com todas as forças.

—Você não é a única que tem problemas por aqui baby—Falou suspirando.

Nos encaramos e quase me perdi na imensidão dos seus olhos. Não tirávamos os olhos um do outro e ele foi se aproximando cada vez mais. Até que eu sentia a sua respiração batendo contra o meu rosto. 

Nossos narizes se tocaram e demos um selinho, até que começamos a intensificar o beijo. Coloquei a mão na sua nuca e ele foi me trazendo para mais perto enquanto apertava a minha cintura.

Ele me deitou cuidadosamente enquanto me beijava. Foi fazendo uma trilha de beijos pelo meu pescoço.

—Nash?

—Hm?—Murmurou enquanto me beijava.

—Acho que já deu né—Ele me olhou e rapidamente se sentou e passou a mão pelos seus cabelos.

—Desculpa

—Não se desculpe—Suspirei—O meu irmão não precisa saber que isso aconteceu ok?

—Ok—Passou novamente a mão pelo cabelo—Preciso ir embora, antes que o Cameron perceba que eu sumi—Ele acenou e desceu do terraço.

Dei outro gole na minha cerveja e voltei a observar o bairro.

 


Notas Finais


Oii gentee, capítulo muito merda esse né? Mas fazer o que? Espero que vocês estejam gostando da fic e obrigada a todos que leram até aqui. Desculpa por qualquer erro que eu cometi ok?
Tô pensando seriamente em fazer um trailer para a fic. O que vocês acham?
Beijos e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...