História Give you what you like - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Avenged Sevenfold
Personagens Johnny Christ, M. Shadows, Synyster Gates, The Rev, Zacky Vengeance
Tags Gena Paulhus, Zacky Vengeance
Visualizações 9
Palavras 3.018
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu sei, eu sei.
Eu disse que postaria no dia seguinte, e estou postando quase 1 semana depois.
Mil perdões, mas mil coisas aconteceram essa semana, e eu fiquei totalmente sem tempo de postar.
Mas enfim, o final \o/

Espero realmente que gostem. Essa one foi feita com muito amor e carinho.

Beijos!!

Capítulo 2 - Chapter II


O enterro acabou sem Gena e Johnny falarem nada, e nem com ninguém. Os irmão se mantiveram abraçados, sem nenhuma lágrima cair. Ambos perdidos em seu próprio Luto, se é que alívio poderia ser chamado de luto.

Após aquilo, os amigos foram fazer o que sabiam de melhor, beber. O que não esperavam é que a loira ia junto.

Claro que Jimmy deu um daqueles abraços de urso na mesma, a tirando do chão assim que chegaram no bar.

Matt era mais na dele, mas a tratou com o mesmo respeito de sempre.

Zacky, esse não conseguia disfarçar o quão mexido estava com a volta de seu antigo amor.

Brian, esse a comia descaradamente com os olhos, era como se ela fosse a presa e ele o caçador.

Johnny não ficava longe da irmã, mesmo com Lacey, sua namorada do lado.

As duas tinham se dado bem logo de cara, já que a morena era um doce de pessoa. O irmão não poderia ter escolhido melhor.

Estavam sentados em uma grande mesa no canto do bar com pouca iluminação, já que estava começando a escurecer, a luz do lado de fora do local iluminava o ambiente.

Sentaram Lacey, Johnny e Gena de um lado. No outro Zacky de frente pra Gena, Brian ao seu lado, e sendo seguido de Jimmy e Matt.

Assim que Gena retirou seus óculos e mostrou seus lindos olhos, Zacky sentiu seu coração acelerar, como antigamente quando a olhava. Ela firmou o olhar no dele, e ele ainda tinha aqueles olhos doces do garoto que ela se apaixonara tanto, aquele verde que por tempos, fez Gena suspirar. Ela inclusive quase suspirou, mas assim que percebeu o que faria, deu um gole na sua cerveja. Já Zacky não sabia disfarçar. Por mais que os olhos dela não tivesse mais a inocência de antes, ele podia enxergar que no fundo, a essência dela não tinha mudado. Mas talvez ele estivesse muito enganado.

 

O maior erro do pai de Gena, foi achar que estaria protegendo ela quando a mandou para aquele lugar. Aquilo mais parecia um reformatório do que um colégio interno. Além de ser pra ambos os sexos, aparentemente, só pais que queriam se livrar de filhos encrenqueiros mandavam os adolescentes pra lá.

Então, o que esperar das amizades que ela fez por lá?

Gena começou a beber e fumar no mesmo ano que foi pro local. Ano seguinte não era mais virgem. Houveram fugas do local, onde os “amigos” a levavam pra usar todos os tipos de drogas, e pros lugares mais absurdos para fazer sexo. Sim, Gena havia feito sexo com quase todos do colégio. Ela tinha virado uma vadia.

E se pensar “ela cresceu, mudou...”, em alguns aspectos sim. Após entrar na faculdade, ela largou as drogas, mas só. Ela trabalhava em uma boate, de dançarina, e tinha se tornado uma pessoa totalmente fria, que não sentia nada por mais ninguém, além do irmão.

Isso era o que ela achava, já que não poderia negar que a vontade de ter Zacky, era imensa desde que o viu no cemitério. Mas era isso. O queria por uma noite, e depois, adeus. Ah, mal sabia ela que não seria exatamente assim.

 

Logo duas loiras entraram no bar, e foram se aproximando da mesa. Claro que Gena não esqueceria nenhuma das duas. Valary, eterna namorada de Matt era a primeira a se aproximar com um sorriso doce nos lábios. Ela sempre foi assim, um amor de pessoa, e conquistava todos ao seu redor. Val ficou contente de ver a antiga colega ali, indo dar um abraço apertado em Gena, que não conseguiu se mostrar tão animada como deveria, não por conta da DiBenedetto, e sim por quem estava atrás dela. Meaghan....a única garota no colégio que a atormentou, que vivia zoando Gena por ser quieta e não ter amigos. O que aquela vadia estava fazendo ali? Mas sua pergunta foi respondida logo, e da pior maneira possível, quando viu a loira sentando no colo de Zacky, e dando um selinho nele.

Por um momento, aquela garotinha do colégio estava ali de novo, com medo, e quis sair correndo. Aquela cena chegava a dar náuseas de se olhar. Mas não iria fazer isso, ela não era mais aquela garota, Gena agora não tinha medo de um projeto de barbie.

Enquanto Val foi se sentar ao lado de Lacey, após cumprimentar todos, Zacky estava travado na cadeira, mais branco que o normal. Claro, última coisa que queria, era que Gena o visse com outra pessoa, principalmente com Meaghan...Sua namorada.

 

Ninguém percebeu, mas Brian observava tudo, com um sorriso cafajeste de lado. Todos sabiam da queda de Gena por Zacky, e viu a troca de olhares entre os dois ali, então foi uma vitória a insuportável da Meaghan ter chego. Tinha certeza que as chances de Zacky tinha acabado, então significava que o caminho estava livre pro mesmo atacar a loira que ele estava babando a tarde toda. Ou era o que achava, já que não demorou mais do que alguns segundos e uma Michelle apareceu na mesa também. Eles não tinham nada sério, ambos ficavam com quem quisessem, mas se Michelle sonhasse com a ideia de Brian, o mesmo com certeza seria capado.

Meaghan e Gena se encaravam, e o jeito que Meaghan abraçava Zacky, mostrava que ele era um troféu pra ela. Mas por quanto tempo isso duraria? Se dependesse de Gena, não muito.

Todos estavam perdidos em suas próprias conversas, por isso não perceberam a tensão entre as duas, nem mesmo Zacky, que achou melhor conversar com os amigos, já que estava fodido o suficiente por uma noite.

Gena deu um sorriso falso para a outra loira, e então se levantou, virando o que restava de cerveja na sua garrafa, largando ela ali na mesa, e indo para o Jukebox que se encontrava na outra ponta da parede onde eles estavam sentados.

A mesma escolheu a música e foi para o meio do bar dançar, despertando a atenção de todos no local, inclusive da mesa de “amigos”.

 

Please, wrap your drunken arms around me

(Por favor, coloque os seus braços embriagados em mim)
And I'll let you call me yours tonight

(E vou deixar você me chamar de sua hoje à noite)
Cuz' slightly broken is just what I need

(Porque ficar um pouco despedaçada é o que eu preciso)
And if you give me what I want

(E se você me der o que eu quero)
Then I'll give you what you like

(Então, eu vou te dar o que você gosta)

Please, tell me I'm your one and only

(Por favor, me diga que sou a única)
Or lie, and say at least tonight

(Ou minta, e diga pelo menos essa noite)
I've got a brand new cure for lonely

(Tenho uma nova cura para a solidão)
And if you give me what I want

(E se você me der o que eu quero)
Then I'll give you what you like

(Então, eu vou te dar o que você gosta)

 

 

Na segunda parte da música, Gena se aproximou da mesa dos amigos, onde todos, até as garotas, as olhavam pasmos. Mas o ponto não era aquele, ela só tinha olhos pra uma pessoa ali, Zacky...E Meaghan estava a atrapalhando.

Era uma mistura de sentimentos que percorria a loira. A vingança contra aquela garota que lhe atormentou, e o desejo reprimido pelo moreno. Quem ela queria enganar? Ela ainda o queria, como queria a 6 anos atrás. A memória do beijo deles, que foi tão rápido, mas tão perfeito, invadiu a cabeça da loira, que não pode deixar de sorrir. Mas ela apenas agia, por isso puxou Meaghan pelo braço com força, fazendo com que a mesma saísse do colo de seu Zacky. Sim, naquela noite, ele seria dela. Ela seria capaz de mover o céu e o inferno pra ter ele pelo menos por uma noite. Ela precisava daquilo.

Ninguém foi capaz de fazer nada pra ajudar Meaghan, parecia que todos estavam apenas esperando o próximo da loira, inclusive Zacky, que a olhava hipnotizado.

Ela empurrou a cadeira dele pra trás, e sentou no colo dele, de frente pra ele, cada perna de um lado dele. Ele colocou as mãos automaticamente na cintura dela. Na mente dele, aquilo só poderia ser um sonho. Quantas noites, mesmo depois que ela se foi, ele não tinha sonhado que a tinha em seus braços? E mesmo depois de anos, ele nunca a tinha esquecido. Ele gostava da namorada, mas seu coração sempre fora daquela que agora estava em seu colo. Ela rebolava devagar sobre o colo dele, na batida lenta da música, e sussurrava a letra olhando nos olhos dele. E ele soube, pela música, que ela queria a mesma coisa que ele. Que ambos ficassem juntos.

 

When you turn off the lights

(Quando você apaga as luzes)

I get stars in my eyes

(Vejo estrelas em meus olhos)

Is this love?

(Isso é amor?)

Maybe someday

(Talvez, algum dia)

So, don't turn on the lights

(Então, não acenda as luzes)

I'll give you what you like

(Vou te dar o que você gosta)

 

Os lábios de ambos finalmente se encontraram, em uma beijo cheio de desejo. Os lábios dela era exatamente da forma que ele se lembrava, tão macios, a única diferença, era que agora ela não parecia perdida, ela sabia exatamente o que fazer ali.

Nenhum dos dois percebeu os berros de Meaghan que já estava roxa de tanto ódio, que saiu que nem um furação do bar, depois de ter sido traída daquela forma. Ninguém foi atrás dela também, nenhum dos garotos ou garotas gostavam dela, apenas a suportavam por conta do amigo, e por dentro, até mesmo Brian que só faltava babar na cena, estava feliz por ter se livrado da garota.

Os dois pareciam estar em uma bolha, onde nada além deles existiam. O beijo só acabou por conta da falta de ar que os dois sentiram. Ele a olhava surpreso, e ela com um sorriso malicioso. Os olhos dela brilhavam de uma forma, que ele nunca tinha visto, era pura luxuria. Então ela sussurrou no ouvido dele.

 

- Vamos sair daqui?

 

 

Ele concordou com a cabeça, ainda a segurando pela cintura. A levantou e se levantou em seguida, não olharam para trás, ela apenas pegou sua bolsa e o seguiu para fora do local, enquanto ele a segurava pela mão, como se ela pudesse sumir de sua vista, como se ele fosse acordar de seu melhor sonho.

Entraram no carro dele, e foram em silencio o caminho todo pra casa dele. Ela olhava as ruas pela janela, tentando controlar os sentimentos que invadiram a mesma assim que sentiu os lábios dele contra os dela. Ela tinha achado que não sentia mais nada por ele, que ele seria mais um, como tantos. Mas não, era só um sentimento adormecido, que voltou de forma avassaladora. Mas ela não podia sentir aquilo, a anos ela se fechou pra qualquer tipo de sentimentos daquele tipo. Não podia se permitir...Na verdade podia, naquela noite ela poderia. No outro dia voltaria pra Los Angeles, pra sua vida que ela fingia ser perfeita, completa, e seria como se nada tivesse acontecido.

 

Emotions aren't that hard to borrow

(As emoções não são tão difíceis de tomar emprestado)

When love's the word you've never learned

(Quando o amor é uma palavra que você nunca aprendeu)_

And in a room of empty bottles

(E em uma sala cheia de garrafas vazias)

If you don't give me what I want

(Se você não me der o que eu quero)

Then you'll get what you desserve

(Então, você vai ter o que merece)

When you turn off the lights

(Quando você apaga as luzes)

I get stars in my eyes

(Vejo estrelas em meus olhos)

Is this love?

(Isso é amor?)

Maybe someday

(Talvez, algum dia)

I've got the scene in my head

(Tenho a cena na minha cabeça)

I'm not sure how it ends

(Não sei como ela termina)

Is it love?

(É amor?)

Maybe one day

(Talvez, algum dia)

So don't turn on the lights

(Então, não acenda as luzes)

I'll give you what you like

(Vou te dar o que você gosta)

 

 

 

Ele parou o carro na frente da casa, morava sozinho, então não tinha problema algum de levar alguém lá. Assim que ambos entraram na casa, a loira foi empurrada para a porta recém fechada, e seus lábios atacados de forma feroz. Zacky não tinha mais controle sobre si, e naquele momento, Gena não tinha também. Parecia que os corpos iam se fundir de tão agarrados que estavam. Zacky a pegou no colo, a segurando pelas coxas, enquanto ela cruzava as pernas sobre o quadril dele, e ele a carregara para o quarto, dando início a melhor noite de ambos.

 

 

I'll give you one last chance to hold me

(Vou te dar uma última chance para me abraçar)

If you give me one last cigarette

(Se você me der o último cigarro)

By now it's early in the morning

(Já deve ser de manhã)

Now that I gave you what you want

(Agora que eu te dei o que você queria)

All I want is to forget

(Tudo o que eu quero é esquecer)

 

 

 

 

 

Quando Zacky abriu os olhos, a claridade do dia invadiu o quarto, e ele se xingou por ter esquecido de fechar a cortina na noite anterior. Mas como se lembraria desse detalhe, se estava com a mulher de sua vida, na sua cama? Foi então que levou a mão para o outro lado da cama, onde ela deveria estar dormindo, mas nada tinha ali.

Ele se sentou com tudo na cama, olhando ao redor. As peças de roupas dele estavam espalhadas pelo chão, mas não tinha nada dela ali. A porta do banheiro estava aberta, denunciando que ali ela também não estava. Procurou o celular, que estava no bolso da calça que estava no chão e olhara a hora, 11 da manhã. Varias ligações perdidas de Meaghan ali, e só então ele lembrou da namorada, ou melhor, naquela altura, ex namorada.

Suspirou vestindo uma cueca limpa. Não poderia ter sido um sonho, não de novo. Mas o cheiro do perfume dela peguinhava os lençóis e roupa dele, então tinha sido real, e ela fugiu. Ele a perdera de novo. Aquilo o deixou alucinado.

 

Vestindo a roupa do dia anterior mesmo, saiu de casa, praticamente passando em todos os faróis fechados até a casa do amigo.

Assim que chegou na porta tão conhecida por anos, tocou a campainha 5 vezes seguidas, deixando o barulho mais estridente do que o normal. Menos de 1 segundo depois, a porta foi aberta por um Johnny com o rosto amassado, mostrando que tinha acabado de acordar.

Zacky não se importou, passou pelo amigo, entrando na casa e olhando ao redor.

 

- Cadê ela, Johnny? Cadê a Gena? – O tom de voz dele era desesperado, o que de certa forma, deixou Johnny com dó do amigo, pois sabia que ele sempre gostara da irmã.

- Desculpa cara, mas ela já foi embora.

 

O mundo de Zacky desabou com aquelas palavras.

“NÃO, ELA NÃO PODERIA TER FEITO AQUILO. NÃO DEPOIS DA NOITE DE AMOR"

SIM O QUE ELES FIZERAM FOI AMOR.

 

- Johnny, eu preciso do endereço dela. Onde ela mora, estuda, qualquer coisa que faça eu a encontrar.

- Zacky...você sabe que eu não posso...

 

Zacky sabia o que ele queria dizer. Gena nunca deixou o irmão dar o endereço nem pro pai, pra ninguém, ela nunca quis ser achada.

Saiu da casa do amigo da mesma forma que tinha entrado, porém, se sentia um lixo.

 

{...}

 

Duas semanas tinha se passado, duas malditas semanas onde Zacky tinha se tornado um inútil. Não saia de casa, vivia em estado deplorável e só bebia. Os amigos só tinham o visto daquela forma uma vez na vida, e foi quando Gena foi embora pela primeira vez.

Após muitas conversas entre os 4 amigos, chegaram a conclusão que Johnny tinha sim que contar onde a irmã estava e deixar o amigo ir atrás dela. Mesmo que fosse pra colocar um fim naquilo de uma vez.

E foi isso que Zacky fez assim que Johnny lhe deu o endereço da faculdade, informando em qual dormitório ela dormia.

 

 

 

 

Los Angeles

 

Gena havia passado o dia todo na faculdade. Era o último semestre, e os trabalhos estavam se acumulando.

Duas semanas, e ela achou que conseguiria esquecer a noite com Zacky, mas não... Ela sonhava com ele todos os dias, tinha largado o emprego na boate, e vivia como zumbi. Não ia nas festas, não ficava com mais ninguém. Parecia que ninguém mais era interessante pra ela, e realmente não eram. Ela só conseguia lembrar do brilhos daqueles olhos verdes, e isso a deixava pior. Mas com que cara voltaria pra Huntington e dizer que o amava? Não tinha tal coragem.

Já se passavam das 11 da noite quando a mesma entrou em seu dormitório e levou um susto com quem estava sentado em sua cama.

Zacky havia chego em volta das 2 da tarde ali, a colega de quarto de Gena a deixou entrar e ficar ali esperando ela. E assim ele fez, ficou todas aquelas horas esperando pela loira.

Quando ele a viu, levantou da cama em um salto, e a olhou de tal forma, que a garota quase chorou. Aquele olhar era acusatório, de raiva, mas também tinha um brilho diferente...Amor?

Ela não se moveu após fechar a porta, seu coração batia tão forte, que ela ficou com medo dele rasgar seu peito. Cada passo que o moreno dava em sua direção, as pernas da loira fraquejava mais. Assim que ele estava frente a frente com ela, levou as duas mãos ao rosto da loira, que não resistiu, e deixou uma lagrima escorrer. A voz dele, o tom dela, era de ordem e não pedido.

- Você nunca...nunca mais, vai fugir de mim, Gena.

 

Ela só pôde sorrir com aquilo, passando os braços pelo corpo dele e o abraçando.

- Nunca, Zacky. Nunca mais.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...