História Golden - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jikook, Namjin, Vhope
Exibições 80
Palavras 3.284
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


SEUS LINDOOOOOS, COMO VOCÊS ESTÃO HOJE?
Antes de mais nada, ABAIXEM ESSAS ARMAS PELAMOR DE DEUS! Eu seeei que eu demorei bastante pro update, e por isso peço mil desculpas. O lance offline aqui tá bem tenso, com o último trimestre na área as coisas estão bem movimentadas, mas isso não significa que não estou escrevendo. Eu só estou sem tanto tempo pra escrever quanto antes. Eu já estou considerando a ideia de aumentar o intervalo entre updates pra ter mais tempo pra ter tudo bonitinho pra vocês, okay?
Ah, e mais uma coisa antes de seguirmos com o capítulo: no capítulo anterior muita gente falou da repetição dos diálogos perto do fim. Eu tive que repetir os diálogos, mais pra mostrar o outro lado do primeiro contato de Jimin e Jungkook, mas agora os capítulos vão seguir direto, sem repetição. Só pra deixar claro pra galere. AGORA VAMOS PRO CAPÍTULO (e mil perdões por qualquer erro, minha beta está em off esses dias, eu tive que betar tudo)

Capítulo 5 - Eu, o Caçador (Idiota) e o Metamorfo (Mais Idiota Ainda) PT2


Minutos depois ouvi passos atrás de mim, me fazendo levantar do degrau da escadaria. Jungkook chegara correndo, carregando uma mochila atrás de si enquanto arrumava algo na cintura dele.

–Foram os três minutos mais demorados que eu já vi. –Falei só pra irritar o Caçador (objetivo que foi alcançado quando ouvi Jungkook bufar. Eu quase sorri com aquilo)- O que você pegou que demorou tanto assim?
–Algumas coisas. –Jungkook falou, terminando de arrumar o que quer que fosse em sua cintura- Se eu vou realmente cruzar o país com um humano eu preciso de material tático. E de roupas extras. Eu não vou ficar com esse uniforme de Caçador esses dias todos, não é?
–Eu achava que vocês da Caçada já nasciam de uniforme. –Falei debochado, ganhando um olhar feio de Jungkook em minha direção- Então, do jeito que você falou não vamos ir de aerodeslizador, não é?
–Eu não consegui permissão do meu líder para viajarmos por ar, mas consegui um salvo conduto para viajarmos por terra. –O Caçador falou, me mostrando um dispositivo pequeno em sua mão, parecido com uma chave de deslizador- Ele também é um holoprojetor e está carregado com os mapas dos Distritos de Caça e as melhores rotas para seguirmos seguros até Busan. Ou pelo menos o mais seguro que poderemos estar.
–Beleza. –Falei sem muito interesse. Eu tinha me desligado de Jungkook na hora que ele começou a falar sobre o que a paradinha na mão dele podia fazer. Ô garoto que fala demais- Agora é minha vez.
–Sua vez do quê? –Jungkook perguntou ao mesmo tempo que eu dava sinal de parada para um táxi deslizador que passava ali.
–Veja bem, eu tive que me sentar aqui e ter que te esperar pegar seus brinquedinhos e bugigangas de Caçador. –Falei, abrindo a porta do táxi- Agora é minha vez de pegar as minhas bugigangas. –Fiz um gesto em direção ao interior do táxi com um sorriso zombeteiro- Caçadores idiotas primeiro.

--x--

Pois é, e assim chegamos ao ponto em que paramos lá no começo. Desde que entramos no táxi até a hora que chegamos ao edifício onde eu morava um silêncio gigante e tenso se instalou entre Jungkook e eu. O pobre taxista bem que tentou puxar um papo animado e nos envolver em seu monólogo sobre doramas, mas acho que ele notou que as coisas não andavam bem animadas ali. Quase tive pena do cara.
Assim que chegamos ao edifício me adiantei em pegar a carteira, mas senti Jungkook segurar meu pulso com firmeza enquanto sua mão livre puxava o bagulhete que aparentemente podia fazer qualquer coisa e apertava um daqueles botões prateados em direção ao receptor magnético do táxi como se ele fosse um cartão. Um barulhinho se fez ouvir enquanto aparecia o símbolo do Condado na tela do receptor. O taxista ficou confuso um segundo ao ver o símbolo no receptor, mas Jungkook dera de ombros enquanto me empurrava de maneira nada sutil com o cotovelo para fora do táxi deslizador.

–Por conta do Condado. –Ouvi ele dizer enquanto saía do táxi e fechava a porta. O som de ar sendo cortado foi sumindo enquanto eu esfregava a costela onde Jungkook tinha me dado uma cotovelada.
–Quanta delicadeza. -Resmunguei, ainda esfregando a lateral do meu corpo- Já não bastava o grandão lá quase ter amputado meu braço com as próprias mãos, agora você quer me deixar sem costela?
–Daesung te machucou? –Jungkook perguntou. Seu tom de voz pareceu preocupado.
–Seu amiguinho lá não fez nada que eu não pudesse lidar depois. –Falei, seguindo em direção ao prédio- Eu sou um garoto grandinho, sei me virar muito bem.
–Sabe mesmo? –Jungkook me perguntou- Se seus pais sabem que você anda se encrencando com Caçadores--
–Em primeiro lugar, meus pais criaram uma ótima pessoa, okay? A melhor pessoa que você já conheceu na sua vida. –Minha modéstia mandou lembranças- Segundo, você fala desse jeito, como se eu fosse um adolescente encrenqueiro, e eu obviamente já passei dessa fase.
–Tá, peraí. –Jungkook parou enquanto eu apertava o botão do elevador- Quantos anos você tem?
–Quantos anos você acha que eu tenho?
–Sei lá, uns 17, 18 talvez? –O moreno alto, bonito, sensual e tapado falou, coçando a nuca meio sem jeito- É que você é baixinho e tudo mais...
–Nossa, esse quase boost de autoestima foi inesperado. –Falei, mais pra mim mesmo do que pra ele. Mas sério, o cara achava que eu era adolescente mesmo- Pro seu governo, eu tenho 22 anos, e se for comparar acho que sou uns dois ou três centímetros mais baixo que você. Não é uma diferença de tamanho tão gritante assim.
–22... –Ouvi Jungkook murmurar assim que o elevador chegou- Você é tão velho assim?
–Que ótimo, agora minha autoestima que tava lá em cima desabou legal. –Falei entrando no elevador acompanhado de Jungkook e apertando o botão que levava até meu andar- Você fala como se eu fosse mais velho que você... –Jungkook ficou calado, encarando todos os cantos daquele elevador menos eu- Quantos anos você tem?
–18. –Ouvi o Caçador falar, tão baixo que se eu não estivesse perto o bastante dele não escutaria. Me virei para olhar Jungkook, que havia decidido que o carpete laranja gasto e feio daquele elevador era bem interessante de se admirar.

E foi aí que eu não me contive.

–Caralho, e eu achando que você era da minha idade ou algo assim! –Falei entre risos, risos esses que se intensificaram quando vi as orelhas de Jungkook ficarem vermelhas- Agora você vai ter que me chamar de hyung de agora em diante, Jungkookie...
–Nem fodendo. –Ouvi ele falar entre dentes, o que fez minhas gargalhadas continuarem- E não me chama de Jungkookie, nós não temos tanta intimidade assim. Eu só estou com você para te ajudar com seu irmão e só. Não há nenhum outro laço que nos prenda além desse.
–Okay, como quiser, Jungkookie. –Falei, agora mais controlado do meu acesso de risadas- Mas isso não muda os fatos de que eu sou seu hyung, e sabendo desse fato, você vai ter que me tratar com o respeito devido.
–Não acha que está se iludindo demais, Park Jimin? –Jungkook falou e saiu do elevador pisando duro assim que o mesmo chegou ao meu andar.
–Nem um pouco. –Sorri saindo do elevador, vendo o Caçador bufar irritado. Embora eu não goste de admitir, era legar deixar Jungkook irritado. Eu ainda sorria quando esbarrei em Jungkook. O besta agora resolveu ficar parado no meio do corredor, é isso?- E agora, o que foi?
–Você deixou a porta do seu apartamento aberta?

A pergunta de Jungkook mais a visão da porta do meu apartamento escancarada fez meu sangue congelar nas veias.

–Não?
–Então fique quieto e perto de mim. –Jungkook sussurrou, retirando uma arma do coldre em sua cintura e entrando no meu apartamento.

Enquanto entravamos no apartamento meus olhos faziam uma varredura rápida de todo o lugar. Aparentemente não havia nada de incomum ou mexido na sala e na cozinha. Jungkook estava em estado de alerta, seus olhos negros vasculhando cada canto do meu apartamento.

–Aquele corredor. –Jungkook falou apontando a arma em direção ao corredor- Para onde leva?
–Quartos, banheiro, meu estúdio de dança... –E antes que eu pudesse terminar de falar o Caçador correra para lá, me deixando sozinho na sala, revirando os olhos diante da pose de Jungkook de superherói- Bebê Caçador ao resgate... –Bufei para mim mesmo, indo em direção ao corredor.

Seguíamos em silêncio pelo corredor. Jungkook fazia o possível para não fazer barulho, o que significava que ele andava bem devagar, como se tivesse medo de tocar o chão. Já eu estava a um passo de tacar o foda-se e andar como uma pessoa normal. Okay, eu sei, tinha um invasor no meu apartamento, precisava ter cuidado, mas eu tinha um Caçador armado. Mesmo que fosse só um ladrão meia boca que tinha invadido meu apartamento, quem ia sair mais ferrado na história seria ele. Mas claro, se fosse esse o caso, tinha o fato de que Jungkook nunca machucaria um humano graças as regras da Caçada. Nesse caso eu só esperava que o Bebê Caçador fosse forte o bastante pra imobilizar alguém (o que ele com certeza era. Quer dizer, o cara é híbrido de vampiro, não tem como ele não ser forte).
Jungkook parou perto da porta do quarto do meu irmão e se virou para trás com o dedo em seus lábios, me pedindo silêncio. Antes que eu pudesse sequer concordar com o pedido dele eu ouço um baque na porta do quarto do Jihyun.
Sim, o filho da mãe deu um pisão na porta do quarto do meu irmão.
Eu já preparava meu arsenal de xingamentos para o Caçador quando vi um borrão se movendo, indo em direção à janela do quarto, tentando escapar de lá.
Jungkook já não estava mais do meu lado quando eu pensei em olhar para ele. Ele já estava lá na janela, imobilizando o meu invasor, colocando os braços do invasor para trás e prendendo suas mãos na nuca do cara, criando uma trava perfeita. O invasor só se agitava, nervoso e meio desconfortável por conta da posição de captura, enquanto Jungkook parecia nem ter se abalado, como se ele só tivesse feito algo completamente trivial.

–Pega o meu holoprojetor. –Jungkook falou, apertando ainda mais a trava em torno dos braços e da nuca do invasor.
–É o quê? –Perguntei, tentando me situar melhor.
–Aquilo que te mostrei antes de virmos para cá. –Jungkook revirou os olhos- Ele está preso no cinto do meu coldre atrás de mim e eu não posso soltar esse cara pra pegar.
–Ah, o bagulhete... –Minha mente logo se lembrou do trequinho que aparentemente tinha mais mil utilidades do que um canivete. Corri até ele e vi o bagulhete preso em um clip no cinto do coldre. Tentei desprender aquele negócio, mas estava bem preso. Até demais. Me apoiei em sua cintura e tentei mais uma vez puxar aquele negócio para fora, até finalmente sair do cinto (claro que depois disso, beeeeem depois, eu fiquei pensando na minha proximidade com Jungkook, estava perto o bastante para que pudesse apreciar melhor suas coxas e a bunda, bem modeladas no uniforme da Caçada. Eu digo e repito, obrigado a quem projetou esse uniformes, de coração).
–Já pegou?
–Tá comigo, e agora?
–Aproxima o holo nesse cara e aperte o botão. –Jungkook falou como se fosse a coisa mais simples do mundo. O caso é que aquela caralha tinha botões demais.
–Qual deles? –Perguntei, praticamente enfiando o bagulhete na bochecha do meu invasor. Ouvi ele soltar um grunhido e quase morder minha mão, mas Jungkook o apertou ainda mais, o impedindo de fazer qualquer outra coisa.
–Esse perto do seu indicador, bem aí. –Jungkook apontou o queixo na direção do botão e eu o apertei, já sem tanta paciência. Os grunhidos de desconforto do invasor se tornaram grunhidos de dor enquanto eu encostava o treco em seu rosto. De tanto que ele se mexia pra tentar fugir do aperto de Jungkook o negócio que era pra ficar na bochecha acabou parando perto do lábio dele, o machucando. Foi aí que eu reparei melhor nele. Sua imagem estava meio trêmula, como se ele não estivesse realmente ali. Seus olhos tinham um brilho distinto, como se fossem olhos de gato.
O filho da mãe era um não-humano. Só aquilo já me dava a confirmação.
O bagulhete tremeu em minha mão e se abriu um holograma de uma ficha criminal do Condado. Era só o que faltava. O invasor ainda era fugitivo do Condado.

–Acho que você não precisa mais disfarçar, não é mesmo Sr. Kim Taehyung? –Jungkook falou, olhando o holograma ao mesmo tempo em que soltava o cara no chão. O não-humano só levantou o rosto, com um sorrisinho no rosto, limpando o sangue no lábio.
–Parabéns Caçador. O que vai fazer agora? Me levar pros seus superiores como um bom cachorrinho do Condado que você é?
–Ora seu... –Jungkook puxou o não-humano pela gola, a veia em sua têmpora estava saltada e eu jurava poder ouvir seus dentes rangerem. E no meio disso tudo, eu conseguia ver o meu invasor melhor.

Sua pele aos poucos clareava e seu tamanho aumentava. Seu rosto mudava drasticamente de um cara de 30 e poucos anos para o de um garoto recém saído da adolescência, quase adulto. Seu cabelo castanho ganhava estranhas mechas verdes em sua franja e seu sorriso debochado ganhava uma forma meio retangular.
Ele era um metamorfo.

–Por que ele não foge? –Perguntei olhando os dois rapazes na minha frente se encarando mortalmente- Quer dizer, metamorfos são rápidos, ele poderia fugir agora...
–O holo injeta uma espécie de soro no momento da identificação biométrica, e esse soro contém uma pequena quantidade de prata. –Jungkook me explicou, assustadoramente calmo- Não é o bastante para matar um não-humano, mas o bastante para incapacitá-lo e bloquear suas habilidades.
–Tá okay, e o que você fez pra ser fugitivo do Condado? –Falei, dessa vez me virando para o metamorfo, que simplesmente riu.
–Por acaso você é cego, humano? –Ele falou, despejando sarcasmo em cada palavra- Olhe o holoprojetor e vai saber.

Eu só me toquei de que ainda estava com o bagulhete quando o não-humano me falou dele. Arrumei aquele troço em minhas mãos para ver melhor o holograma que tinha surgido. Meus olhos se focaram melhor e consegui ler algumas coisas. Kim Taehyung. Metamorfo. Fugitivo. Procurado por falsidade ideológica, fraudes, tentativa de homicídio. E claro, uma foto dele, sorrindo o mesmo sorriso debochado de agora.

–Não se preocupe Jimin, tá tudo bem agora. –Jungkook assentiu, acho mais para ele mesmo do que para mim, enquanto soltava Taehyung- Eu só preciso levar esse fugitivo para a Caçada. Posso deixá-lo com Chanyeol-hyung e então podemos seguir viagem.
–Vai fazer o quê? –Me virei para Jungkook, surpreso. Cada minuto que demorássemos para estar em Busan significaria que eu tinha boas chances de perder meu irmão de vista, e agora ele me vem com mais essa.
–Eu não tenho escolha. –O Caçador falou, parecendo realmente em conflito- Além da minha missão de ajudar os humanos, eu tenho a missão de capturar os não-humanos que não estão de acordo com a filosofia de diplomacia do Condado. É algo que você tem que entender.
–Uma bela filosofia essa. –Taehyung falou, arrumando as roupas no corpo– Correr atrás de qualquer um que o Condado considere criminoso sem hesitação. Você realmente está de parabéns, Caçador.
–Fica quieto ou eu mesmo posso calar sua boca. –Jungkook grunhiu, apontando seu dedo em direção ao metamorfo que não parava de sorrir.
–Hmmmm, acho que eu posso gostar disso... –O sorriso de deboche de Taehyung se tornou mais malicioso, e se expandiu quando me olhou, transformando-o em uma risada– Quer saber? Acho melhor deixar quieto. Tem gente que pode não gostar do que eu posso fazer com você, Caçador.
–Então é isso, vamos demorar ainda mais só pra levar esse cara pra Caçada?
–Depois que eu o deixá-lo com meu líder de equipe, eu irei com você até Busan para encontrarmos seu irmão. –Jungkook me olhou de cima, deixando claro sua firmeza em cada palavra- Não prometi que te ajudaria com isso?
–Com licença, o casalzinho feliz me permite dar minha opinião? –Taehyung falou, seu lábio machucado formando um bico e assoprando a franja castanha e verde para longe dos olhos. Jungkook se virou para ele com os olhos arregalados, me fazendo querer rir da cara dele.
–Eu não te mandei ficar quieto não?
–Calminha aí, nobre Caçador. Eu só quero propor algo. –Taehyung se sentou na cama lentamente. O tal soro que Jungkook mencionara devia estar fazendo efeito- Eu posso guiá-los até Busan--
–Agradeço a ajuda, metamorfo psicopata, mas a gente já tem o bagulhete com os mapas e o caralho a quatro. –Falei, agitando o bagulhete na minha mão para que ele visse.
–O nome disso é holoprojetor. –Jungkook falou, tirando o treco da minha mão e o colocando de volta no cinto.
–Foda-se, se eu quiser eu chamo isso de bagulhete pro resto da minha vida.
–Com licença, casalzinho feliz? –Taehyung nos chamou, fazendo nossa atenção se voltar para ele- Obrigado por voltar ao foco. Escute, não estou colocando as habilidades desse holoprojetor ou do Caçador que o tem a prova, mas fora dos limites distritais? Está um caos lá fora, nem mesmo o melhor da Caçada pode lidar com o que está além daqui.
–Bom, isso é algo que eu vou ter que me arriscar para ter certeza. –Jungkook falou, sua mão indo em direção à estaca em seu coldre- Nunca tive medo da morte.
–E eu já estou me arriscando colocando minha vida nas mãos do Bebê Caçador aqui. –Apontei para Jungkook, que me lançou um olhar indignado- O que vier de fora não vai me assustar.
–Olha, eu só quero guiar vocês, isso é pedir muito? –Taehyung ergueu as sobrancelhas- E em troca, eu mesmo me entrego ao Condado. Não vai precisar sujar suas mãos comigo, Caçador.
–Como eu posso saber que não está armando uma cilada? –É, Jeon Jungkook. Tirou as palavras da minha boca...
–Acho que vão ter que confiar em mim. –O metamorfo deu de ombros- Que coisa, não?

Jungkook virava a cabeça, alternando entre Taehyung e eu. Eu podia ver as engrenagens em sua cabeça se movimentando, tentando pensar em algo. Eu já quase podia pressenti-lo entregando os pontos. Eu podia não ser da Caçada, mas eu sabia o quão tentador era ter a oportunidade de levar um fugitivo para o Condado sem nenhum tipo de resistência.

–Tá, tudo bem, você vem com a gente. Se o que você diz é verdade, vou deixar você vir conosco e ser nosso guia. Se no final disso eu e Jimin ainda estivermos vivos... –Ouvi o Caçador suspirar, como se o que ele fosse dizer em seguida fosse a coisa mais dolorosa do mundo- Eu deixo você ir embora. Concederei o perdão do Condado a você, e poderá ir embora como um metamorfo livre.
–A barganha me saiu melhor do que eu esperava. –Taehyung se levantou, sorrindo satisfeito– Fechado. Eu levo vocês para Busan em troca da minha liberdade. Justo.
–Então está fechado. –Jungkook assentiu- Jimin, ainda quer pegar suas coisas?
–Claro, você vem comigo? –Perguntei na inocência, mas no momento que vi as bochechas de Jungkook corarem me dei conta de que meu tom talvez não tenha sido tão inocente assim.
–Vou sim. –Jungkook assentiu, indo até a porta do quarto comigo, parando no meio do caminho e se virando na direção de Taehyung- Nem pense em fugir. O soro contém um microrastreador que está em seu sistema circulatório nesse exato momento. Se fugir, eu vou saber onde você está. Eu vou atrás de você, e nosso acordo termina.
–Relaxa, Caçador. Do jeito que a prata me sedou, eu não vou a lugar nenhum. –Taehyung murmurou emburrado, se deixando cair na cama do meu irmão de cara no colchão.

Logo eu e Jungkook saímos do quarto de Jihyun e seguimos em direção ao meu quarto. Jungkook ainda estava tenso por conta do mini embate com o metamorfo. E eu só ficava me perguntando o que estava acontecendo na minha vida.

–Eu tô cercado de idiotas...
–O quê?
–É sim. Você é idiota por acreditar naquele metamorfo. Aquele metamorfo é idiota por acreditar em você. –Falei, abrindo a porta do meu quarto- E eu sou idiota por que eu tô no meio disso tudo acreditando em vocês dois.
–A propósito, me perdoe pela porta. –Jungkook murmurou, parecendo sincero- Eu posso compensar...
–Eu vou superar. –Falei, revirando os olhos. Pelo menos ele pediu desculpa pela porta.


Notas Finais


FINALMENTE MEU MENINO TAEHYUNG APARECEU!!!
E pra galere que achou meio bleh a primeira aparição dele não se preocupe, eu ainda vou melhorar ele. Eu simplesmente amo o Tae de Golden, e espero que vocês amem ele também. ^^
Aproveitem que chegaram até aqui e comentem o que estão achando da história (críticas construtivas são sempre bem vindas) e eu já agradeço MUUUUUUITO os favoritos de vocês. Aos pouquinhos vocês me mostram o quanto a história está sendo bem recebida e isso me dá um calorzinho no coração. Vocês são tudo show!!! ;*
Beijos da titia Kitty e até o próximo update.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...