História Gone girl - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bella Hadid, Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Bella Hadid, Chaz Somers, Chris Beadles, Criminal, Justin Bieber, Ryan Butler
Exibições 532
Palavras 1.383
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!
Leia as notas finais ❤️

Capítulo 44 - Long story


Entrei no meu carro, analisando o papel antes de arrancar o carro.
  Um endereço no centro de Londres, uma área de prédios extremamente nobre.
   Existe uma probabilidade de Cece estar mentindo, mas ela sempre cumpriu com a sua palavra.

Pelo menos isso de bom ela tem, honestidade.

 Preciso pegar um voo o quanto mais rápido melhor.

Acelerei meu carro, dirigindo em direção ao meu apartamento. Era meia noite, posso pegar um voo para Londres e chegarei pela manhã.
   Cece p.o.v:

Eu não estava me sentindo nada bem por ter entregado Catherine para Bieber.

Claro que ele nunca faria mal a ela, nem se quisesse, pois ela está muito bem protegida.

Mas, mesmo assim, algo me dizia que ela ficaria furiosa. E, bem, com razão.

Nunca fiz muita questão de ter um relacionamento maravilhoso de irmazinhas com ela, até por que Catherine nunca foi do tipo mais doce.

Acredito que ela tenha mudado muito desde que foi embora.

Mas acho que essa questão, de ter praticamente a traído, é algo muito ruim. Afinal, de uma maneira ou outra, somos família.
    Eu não aguentava mais John. Pensar em ter que dar de cara com ele já fazia meu estômago revirar.

Disquei o número de Zara.

 -Alo? -Ela atendeu.

-Zara, preciso que vocês deem um jeito de antecipar a morte do John. Eu não aguento mais esse insuportável da porta.

-Você sabe que não é bem assim... -Ela começou a falar.

-Não me interessa. Se não conseguirem, pelo menos irão tentar.

Ela bufou.

-Certo, Cece.

-Fica de olho na Catherine por mim. Eu fiz uma merda, para salvar nosso plano.
  -Está tudo bem? -Ela perguntou, parecendo preocupada.

-É claro que sim. Só por precaução.

-Eu prometo que vou ficar de olho nela. Tchau.

Desliguei o telefone

Respirei fundo, me preparando para sair do carro e ter que dar de cara com aquele idiota.

Minha paciência é curta, e está acabando. Espero que elas consigamos adiantar as coisas.

Já tinha trocado minha roupa para a anterior, e sai do carro, indo até a entrada.

John estava sentado com alguns dos seus comparsas no sofá.

Quando me viu, ele veio até mim.

-Como foi o jantar? -Me perguntou, dando um selinho.

-Ótimo, precisamos ir naquele restaurante qualquer dia.

Ele concordou com a cabeça, e voltou a se sentar com o caras. Subi as escadas, até o quarto.

Tomei um rápido banho, vestindo uma camisola rosada confortável.

Meu deus, como eu sentia falta das minhas roupas de verdade.

Quando ia dormir, recebi uma ligação de Georgia.

Fui até o banheiro, me trancando no mesmo, assim evitando que John pudesse escutar qualquer coisa.

  -Oi, Gia.

  -A Zara falou que você quer adiantar o plano.

-Sim.

-É bem simples, na verdade. Você só precisa fazer com que ele queira casar com você. A gangue dele é bem antiga, e tem uma tradição. No casamento vão te pedir para assinar um papel, que seria para seus filhos herdarem todos os diretos sobre a gangue.

-Mas eu não pretendo ter filhos com ele, digamos. -Falei, sarcástica.

-Um dos termos é que se existirem herdeiros, a mulher fica com a gangue.

-Agora sim você está falando minha língua.

Ela riu. Escutei o barulho de passos no corredor.

 -Preciso ir.

Desliguei o telefone, saindo do banheiro correndo e me deitando antes que John entrasse no quarto.

Ele deu um beijo no meu ombro, se virando para o outro lado e dormindo.

Eu não sabia que minha atuação tinha tanto poder, mas a "Isabella" parecia estar fazendo efeito nele.

Nem em transar ele tinha insistido quando falei que era tradição na minha família fazer sexo do depois do casamento.

Quem diria que eu conseguiria me comportar como uma dama educada, coisa que não sou nem de longe.
   Justin Bieber p.o.v:

As nove horas da manhã o avião aterrissava no aeroporto de Londres.

Pensei seriamente em trazer mais alguém comigo, e Alison tinha insistido bastante, mas preferi vir sozinho.

Desembarquei, pegando minhas malas, e indo até uma locadora de carros próxima.

Aluguei uma camionete preta discreta.

Dirigi até um hotel que eu conhecia da época que morei aqui, que não ficava muito longe.

-Quero um quarto, uma pessoa -Falei para a recepcionista.

Ela me pediu alguns documentos, e eu entreguei toda minha documentação falsa.

Nunca se sabe quando se pode entrar para a lista de procurados.

-Quarto 302, terceiro andar,

 A agradeci, pegando a chave e entrando no elevador.

Normalmente eu teria cantado a recepcionista e logo depois ela iria acabar na minha cama, mas minha cabeça está cheia demais.

O quarto era simples, nada parecido com o que eu estava acostumado ultimamente.

Mas era confortável e limpo, o que já me parecia o suficiente.

Tomei um banho rápido, me deitando na cama e dormindo logo em seguida.
  ...
   Quando acordei, já eram duas horas da tarde. Me vesti, pegando apenas minha carteira, as chaves do carro, e um papel com o endereço.

Quando entrei no carro, minhas mãos já suavam.

Porra, que merda está acontecendo.

Depois de quarto anos seguindo ela, eu finalmente a veria. E ela estava com outro.

Essa ideia ainda não entrava na minha cabeça. A raiva me corroía cada vez que pensava nisto.

Outro tocando ela, ela me esquecendo, ela me ignorando por quatro anos por outro.

Tudo bem que eu mereço. Se ela tivesse me traído da maneira que eu a trai, não sei se seria capaz de perdoa-la.

Mas Catherine tem um bom coração. Bom não, enorme. Nunca conheci ninguém tão bondoso quanto ela.

O trânsito estava calmo, e em apenas as alguns minutos cheguei no endereço.

Era um prédio muito alto, e extremamente luxuoso. As janelas era todas prateadas, e as portas da frente eram de mármore preto.

-Bom dia, em que posso ajudá-lo? -Um senhor, o porteiro, disse.
  -Estou aqui para ver Catherine... Ou Dakota. Apartamento 1001.

-Certo. Qual seu nome?

Meu nome quase escapou dos meus lábios, madame contive. Ela nunca me deixaria entrar.

 -Diga apenas que Cece me mandou.

Ele concordou com a cabeça, discando o número no interfone. Suponho que seja a cobertura.

-Bom dia, um amigo de Cece está aqui para ver Catherine ou Dakota.- Ele disse, rapidamente.

-Certo, ele está subindo. Uma boa tarde lara você também, senhorita.

Senhorita. Graças a Deus Catherine tinha atendido.

Ele liberou minha passagem, e eu peguei o elevador.

Como eu suspeitava, era a cobertura.

Logo que cheguei no andar vi que era enorme. Uma porta de vidro fosco estava na minha frente, e eu toquei a campainha.

Meu coração se acelerou muito quando escutei a chave ser girada.

Era ela.

Catherine me encarou, parecendo surpresa e chocada ao mesmo tempo. 

A analisei, da cabeça aos pés.

Ela estava um pouco mais alta, e seu corpo definitivamente estava mais bonito. Ela tinha ganhado curvas.

Seus cabelos pretos estavam mais longos, e ela usava um macacão preto com grandes transparências nos seios.

Sua maquiagem estava extremante marcada e forte.

-Catherine...

-O que você está fazendo aqui, Bieber? -Seu tom de voz era uma mistura de mágoa e raiva.

A encarei direto nos olhos.

-Eu te procurei por tanto tempo...

Tentei  me aproximar. Eu precisava tocar seu rosto, senti-la. Ela deu dois passos para trás, entrando no apartamento, me deixando ir atrás dela.

Ela se sentou em um enorme sofá de couro branco, e eu me sentei na sua frente.

-Bem, acho que você merece alguns minutos.

-Eu fui um filha da puta. Mas eu nuca te esqueci, Cathe... Eu nunca vou conseguir. Eu quero você de volta, de volta para Los Angeles. Todo mundo sente sua falta.

Ela deu um sorrisinho debochado.

-Eu segui em frente, Bieber. Você devia fazer o mesmo.

-Só uma chance...

Ela deu uma risada sarcástica.

-Eu não sinto mais nada por você, além de pena. Muita pena. Correu atrás das duas irmãs como um cachorrinho.

Eu me segurei para não me descontrolar.

Aquela não era ela, não podia ser.

-Só me diga então. O que aconteceu.
  Catherine p.o.v:

Tudo bem, eu devia contar a ele. Não que ele merecesse, mas eu sentia pena dele, de verdade. 

Eu queria negar, queria muito, mas nada tinha mudado. A vontade que eu sentia era de me jogar nos braços dele, mas eu não podia.

Eu estava feliz com o Abel, certo?

-Certo. A história vai ser longa.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
O Abel é o Abel Tesfaye (The Weeknd)
Bjs💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...