História Good Day Sunshine - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Beatles, The Who
Personagens George Harrison, John Lennon, Keith Moon, Paul McCartney, Personagens Originais, Ringo Starr
Exibições 25
Palavras 4.036
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu prometi a mim mesma que não ia demorar tanto a postar quanto demorei a escrever esse capítulo e aqui está mais um capítulo, com o ponto de vista do Richard e sem demoras porque vocês merecem! (Parece que o gif está se movendo como deveria, para vocês apreciarem o estilo de dança único do nosso amado Richard! kkkkk Ainda vou colocar um link lá embaixo com uma foto do Jimmy, se alguém ler antes, dá uma olhadinha lá depois caso tenha curiosidade...)

Capítulo 14 - Yes, we're going to a party, party!


Fanfic / Fanfiction Good Day Sunshine - Capítulo 14 - Yes, we're going to a party, party!

 

Richard:

 

Eu já tinha afrouxado aquela gravata ridícula pela terceira vez em meia hora para tentar sumir com ela misteriosamente, mas minha mãe sempre dava um jeito de aparecer segundos depois mandando que eu a ajeitasse e dessa vez não foi diferente.

— Será que você não pode ficar vestido como um cavalheiro nem por dez minutos, Richard? — Ela perguntava zangada e meu padrasto ria, me ajudando a refazer o nó.

— Será que eu não posso escolher ficar sem gravata na minha própria festa? — Perguntei irritado, mas não só pela gravata.

— Não, você tem que aprender a se vestir formalmente! E pare de ficar dando voltas pelo quintal o tempo todo, como se fosse um menino de oito anos esperando os convidados chegarem com presentes!

— Dá uma trégua ao garoto, Elsie... Não vê que ele está esperando algum broto chegar? — Ele dizia brincando, mas aposto que não sabia que era exatamente por isso que eu estava tão impaciente.

— Tá bom, tá bom, vou parar de andar... Mas já posso começar a comer, né?

— Pode, claro que pode! A festa é sua, meu amor! — Minha mãe respondeu, mudando de humor ao me ver mais uma vez arrumado do jeito que ela queria.

Finalmente havia aparecido alguma coisa que eu tinha liberdade para fazer e não pude deixar de pensar que eu estava parecendo até o George enquanto ia em direção à mesa, reparei também que Mick já estava estrategicamente posicionado ali perto, conversando com meus outros primos e estendendo a mão para pegar doces e salgados vez ou outra. Fiquei imaginando a cara dele ao saber que teria um concorrente quando meu amigo chegasse.

Falando nisso, George também não tinha chegado, será que estavam juntos? Era bem possível, porque eu reparei que outro dia ele estava escrevendo para ela, a chamando para vir com ele. Não, eu vi quando ele amassou o papel e depois jogou fora... Mas para isso existe o telefone, ele poderia ter telefonado telefonado e... Não, claro que não! Ele não teve coragem nem de entregar um bilhetinho, como teria coragem de telefonar? Bom, mas ela está atrasada e ele também! Não, não podem estar juntos, eu perguntei à tia Beth onde estava a Megan, porque seus pais já tinham chegado havia tempo, assim como a maioria dos meus tios, e ela disse que estava na casa da Lily e todas as meninas viriam juntas. Mas talvez tenham se encontrado no meio do caminho, ouvi dizer que os Powell conhecem os Harrison...

— Ei, Richard! — Eu já estava quase ficando louco e comia um canapé de forma nervosa a cada divagação, até que alguém me chamou e finalmente me libertei daqueles pensamentos perturbadores. Me virei e era George, que estava bem sorridente, provavelmente por ver aquela mesa cheia de comida.

— E aí, George? — Um estranho alívio tomou conta de mim. Pensei que só ficaria satisfeito quando Megan chegasse, mas ver que ela chegaria sem ele também me parecia bom. Ele me abraçou, dando tapinhas nas minhas costas e entregou um embrulho pequeno.

— Parabéns, cara! Não repara no presente, eu queria comprar uma coisa melhor, mas não sabia bem o que, então minha mãe que escolheu...

— Ah, sem problemas... Fico contente por você ter vindo! Eu ia te chamar pra dar uma volta, mas acho que você vai preferir ficar por aqui mesmo, não é não? — Perguntei rindo e ele também riu, olhando desejoso para a enorme mesa.

— Ainda não chegou ninguém da escola né? — Ele perguntou enquanto pegava um canapé e ficou claro que ele tentou disfarçar para não perguntar se a Megan já estava ali.

— Não, você foi o primeiro... — Respondi e logo vi meus vizinhos Jimmy e Dan atravessando o portão. Deixei George a vontade e fui recebê-los.

Não muito tempo depois, as meninas da escola chegaram conversando animadamente e pareciam puxar alguma coisa atrás delas, que logo descobri ser Megan.

— Ai Meggie, faz o favor de parar de se esconder? — Lily reclamava e tentava fazer ela ficar ao lado delas e não atrás.

— Não! Eu vou voltar pra casa e... Ah, oi pessoal! — Ela parou de reclamar quando viu, por cima dos ombros de Polly, que eu, Jimmy e Dan estávamos rindo da cena e finalmente saiu de trás das amigas.

Ela estava tão diferente que nem se parecia com ela mesma e eu fiquei imaginando o quanto teria sido difícil que suas novas amigas a convencessem de que ela deveria ficar daquele jeito para vir na festa, se mesmo agora, depois de pronta, ela parecia detestar a ideia de estar arrumada daquele jeito. E além disso já estava do meu tamanho, de tão grande que era o salto alto que usava.

— Rick, feliz aniversário! — Ela jogou os braços em volta do meu pescoço com entusiasmo, mas eu percebi que na verdade ela quase tinha tropeçado e a abracei pela cintura, voltando a rir. — Não conta pra ninguém, mas eu trouxe uma sandália escondida na bolsa! Sabe como é, daqui a pouco eu vou querer dançar, andar normalmente, correr atrás de algum primo idiota pra quebrar a cara dele e tudo mais... — Ela sussurrou em meu ouvido ainda sob o pretexto do abraço e eu sorri, sem soltá-la.

Aquela sim era minha Megan e eu sentia que poderia continuar abraçado a ela durante toda a festa, sem me importar com mais nada. Mas ela logo se soltou de mim e se juntou à conversa com meus dois vizinhos enquanto suas amigas foram falar com George, que ainda estava meio deslocado na festa, e logo os três se juntaram a nós. Quando a música animada começou a tocar, Polly foi a primeira a sair de perto com o Dan e foram direto para a pista de dança.

— Ei Megan, dança comigo? — Fiquei surpreso ao perceber que Jimmy disse a mesma coisa que eu estava prestes a dizer. Assim que ela aceitou, ele a puxou para a pista de dança.

— Eu também quero dançar, você vem comigo George? — Rita perguntou animada e ele aceitou, mas percebi que não parecia tão animado assim e eu entendia o por quê.

Tinha quase certeza de que ele se sentia igual a mim, como se estivesse o tempo todo esperando esse momento, porque não tinha mais ninguém na festa com quem ele pudesse ou tivesse vontade ter dançado antes. Bom, talvez ele não soubesse que a Megan só ia em festas para se acabar de dançar e por isso não contava tanto quanto eu com o fato de que fosse seu acompanhante, como sempre costumo ser em todas as festas.

Eu ainda encarava os dois perplexo, tentando me lembrar de quando tinha sido a última vez que aminha Megan tinha despertado tanto interesse assim no Jimmy ou em qualquer outro garoto e já tinha até me esquecido de que Lily estava ao meu lado, quando ela falou, de repente:

— Eu sabia!

— Hã? — Perguntei sem entender exatamente do que ela falava, afinal, era pouco provável que ela soubesse ler mentes.

— Você gosta dela!

—Eu... O quê? Não! — Respondi preocupado e olhando para os lados, receando que alguém pudesse ter ouvido aquilo, até perceber que já tinha um bom número de meninas na pista de dança e que talvez “ela” se tratasse de qualquer uma ali. — Ahm... De quem você tá falando?

— Ah Richard, você pode enganar a todo mundo nessa festa, mas a mim não! — Ela dizia com um ar convencido e estranhamente animado. — É óbvio que você gosta da Meggie!

—Mas é claro que gosto dela, é minha melhor amiga, oras! Se eu não gostasse ela seria minha inimiga, não acha?

Ela começou a rir e respondeu, com superioridade:

— Não adianta esconder! Eu vi como vocês olham pra Megan! Você e o Harrison...

— Como é? — Outra vez aquela antiga preocupação que alguém mais tenha percebido algo tomou conta de mim, mais até do que a preocupação de o George também ter o mesmo interesse que eu.

— Pra começar, eu vi como ele até parou de comer só pra ficar olhando embasbacado quando ela finalmente saiu de trás da gente e ficou ali admirando aquela visão, como alguém que vê o Elvis a apenas dois metros de distância... E você, bom, você fica o tempo todo olhando pra ela como se... — Ela parou para pensar por alguns segundos e completou a fala. — Como se não existisse mais nenhuma outra garota à sua volta, ou sei lá... Há tempos que eu reparo isso lá na escola! E além de tudo, quando ela saiu com outro, vocês dois ficaram aí com esse jeitão de crianças que estavam vendo seu desenho favorito, mas de repente alguém mandou desligar a TV e ir pro quarto porque já estava na hora de ir dormir...

— Hum, sei... Você ficou doida, Lily!

Respondi rindo mas ela não achou nada engraçado e refutou, levemente irritada:

— Confessa de uma vez que você gosta da Megan!

— Não fala isso assim tão alto! — Reclamei olhando para os lados, por sorte ninguém parecia ter ouvido, muito menos quem estava dançando, ainda que a pista de dança estivesse bem perto de nós. — Tá, tá bom! Você descobriu, oh toda sábia Lily! Feliz agora?

— Sim, agora sim! — Ela respondeu triunfante.

— Mas não conta isso pra ninguém, hein!

— Nem pra Meggie? — Ela perguntou olhando para a pista de dança, onde sua amiga estava.

— Muito menos pra ela! Ninguém pode saber disso!

— Como se ninguém mais suspeitasse... — Ela comentou com desdém, falando mais para si mesma do que para mim. — E você vai ficar aí só pedindo pra todo mundo que descobrir guardar segredo, é?

— E o que você queria que eu fizesse?

— Não sei, mas em primeiro lugar, não deveria deixar que tirem ela de você bem no meio dasua festa... E o George pode ser lerdo, mas se você continuar nessa de fingir que fica feliz de ser só amigo dela, até ele vai conseguir e você não...

— Eu já … Já tentei falar isso pra ela... E eu fico feliz por estar ao lado dela de qualquer jeito! Mas acho que ela gosta mesmo do George...

— E gosta, mas pode ser que goste de você também e nem saiba disso... E se ela estiver tão acostumada com você que ainda não percebeu que você é um garoto normal, como todos os outros?

— Pode isso?

— Claro! — Ela deu uma risadinha graciosa ao ver minha expressão confusa. — Ela precisa ver que outras garotas também se interessam em você e você nelas, sabe?

— Tá, mas onde vou arrumar outras garotas que se interessem em mim e eu nelas?

— Ai Richard, tá vendo? É mais ou menos por isso que as coisas não estão fluindo, você já está acompanhado por uma garota há um tempão e nem percebeu...

— Ah... É, mas... Você não está interessada em mim e... Lily, ainda acho que você ficou maluca!

— Acredita em mim, eu sei do que estou falando. Se você quiser eu posso até ajudar, é só fazer exatamente o que eu disser!

— Ahm... Tá, vamos ver.... não tenho nada a perder mesmo, eu acho...

— Vai, me chama pra dançar! Não pode parecer que eu estou te arrastando à força, né?

— Mas não era pra mostrar que outras garotas estão interessadas?

— Sim, mas não quero correr o risco de parecer estar te roubando e levar uns tapas depois, estamos falando da Megan, lembra? — Ela disse rindo e eu ri também.

— É, tem razão... Então, nobre donzela, me concede a honra desta dança? — Perguntei estendendo a mão para ela.

— Oh, claro que sim, distinto cavalheiro! — Ela respondeu segurando minha mão. — Mas também não precisava exagerar! — Fomos de mãos dadas para a pista de dança e logo começou a tocar uma música constrangedoramente lenta.

— Ótimo, era disso mesmo que a gente precisava! Agora me abraça. — Ela ordenou quase sussurrando, para que ninguém mais escutasse.

— Quê?!

—Anda logo! — Ela disse entredentes, mas fingindo sorrir.

— Ahm, tá... — Ainda estava meio inseguro ao passar os braços em volta de sua cintura, mas logo percebi que todos dançavam daquela maneira. — E agora?

— Não olha em volta, continua dançando como se nada mais além de mim existisse pra você... — Ela respondeu repousando as mãos delicadamente sobre meus ombros.

Estávamos falando em voz baixa o tempo todo, mas Lily abaixou ainda mais o tom de voz para dizer as palavras seguintes — Ela está perto e com certeza já viu a gente... Ai, Richard, cuidado com meu pé! — Exclamou ainda falando baixo, mas rindo como se uma pisada no pé fosse a coisa mais divertida do mundo e eu também comecei a rir. — Assim mesmo, a gente tem que parecer feliz!

— Lily, você tem certeza que isso dá certo?

— Claro que sim, já perdi as contas de quantas vezes ela e as outras meninas olharam pra nós surpresas...

— Pensei que era pra não olhar...

— Você não pode olhar porque não ia conseguir disfarçar...

— Ah, entendi... — Dessa vez quem respondeu simulando a maior felicidade do mundo fui eu e logo a puxei para mais junto de mim, o que fez com que ela respondesse alçando os braços em volta da minha nuca e continuamos assim até aquela música terminar.

— Muito bem, Ritchie, você se saiu melhor do que o esperado! — Ela me disse ao pé do ouvido antes de nos separarmos para dançar a próxima música, que felizmente era animada o suficiente para que eu me mexesse bastante, disfarçando assim a leve vergonha que aquela situação havia me causado agora que tinha chegado ao fim.

Com o tempo, já nem precisava mais fingir diversão, porque a companhia da Lily era bastante agradável e ela sempre ria de uma besteira ou outra que eu dizia. E já estava começando a acreditar que as pessoas me achavam algum tipo de palhaço, porque era sempre assim, eu falava qualquer coisa e elas logo achavam engraçado. Eu pensava que era coisa só da Megan, porque ela ria de qualquer coisa, não importando o quão sem graça fosse, mas conforme pessoas novas iam me conhecendo, percebi que essa reação era comum a todos.

Já estava quase me cansando de dançar quando Lily disse, de repente:

— Olha Richard, eu reparei que a Megan saiu da pista de dança já tem um bom tempo, mais especificamente desde que aquela música lenta acabou. Mas é claro que a gente não ia sair logo depois dela, porque ia ficar muito evidente a armação... Enfim, você sabe o que isso significa, não é?

— Claro, significa que ela não aguentou mais dançar com aquele sapato alto e saiu... — Disse olhando na direção dela, que estava descalça e sentada não muito longe dali, prestes a colocar uma sandália no pé esquerdo.

— Ai, claro que não! Isso quer dizer que ela morreu de ciúmes e por isso... — Assim que olhou na mesma direção que eu, parou de falar e começou a resmungar. — Argh! Não acredito! Vem comigo! — Eu já tinha me habituado a receber suas ordens naquela noite e apenas deixei que ela tomasse minha mão, me arrastando até onde Megan estava.

 

__________________________________

 

Megan:

 

Por sorte a última música tinha sido lenta, porque meus pés estavam me matando e eu já sabia que isso iria acontecer, porque mal estava acostumada a andar com um salto enorme daqueles, muito menos dançar com aqueles sapatos, que já estavam me incomodando bem antes de ir para a pista de dança. Eu usava o pobre do Jimmy praticamente como apoio e, quando a música finalmente acabou, minha vontade era de ficar descalça ali mesmo, mas eu tinha certeza de que a Lily me mataria se visse aquilo. Ou talvez não, porque ela parecia feliz demais agarrando meu melhor amigo para reparar em alguma coisa à sua volta, mas eu preferi não arriscar e pedi para sair da pista de dança antes de esconder aqueles sapatos e calçar aquelas sandálias que aliviariam bastante minha dor nos pés.

Jimmy e eu nos sentamos nas duas primeiras cadeiras que apareceram pela frente e eu logo tirei aqueles sapatos. George e Rita saíram da pista de dança em seguida e também se sentaram ao nosso lado.

— Você quer que eu pegue um refrigerante pra você, Megan? — Jimmy perguntou e eu aceitei, imensamente agradecida por matar a sede sem precisar andar com meus pés doloridos.

— Estou adorando essa festa! — Rita disse satisfeita, embora também parecesse um pouco cansada.

— Eu também! E por que você demorou tanto a chegar, Megan? — George perguntou.

— Ah, primeiro porque eu fiquei a tarde toda só aprendendo a andar nessas torres que elas chamam de sapatos e, depois, cada uma delas demorou duas horas pra se arrumar e mais meio século só me arrumando, como se eu fosse a própria aniversariante! O que eu não gostei nem um pouquinho, porque eu devo estar parecendo o bolo de aniversário de tanta coisa que colocaram na minha cara!

— Eu acho que você ficou linda! — George disse e eu fiquei esperando que todo aquele pó e blush na minha cara tivessem escondido o rubor que tomou conta da minha face ao escutá-lo.

— Obrigada, George! — Eu respondi meio sem graça e percebi que Rita tentava conter uma risadinha.

Fiquei bastante aliviada quando Jimmy voltou com os refrigerantes e quebrou aquele silêncio incômodo que havia se instaurado entre nós três, puxando vários assuntos interessantes. Bom, ao menos eram assuntos interessantes para o George, já que eles não paravam de falar em guitarras e coisas do gênero.

Eu tinha aproveitado que os garotos não estavam reparando em mim e logo tirei aquela sandália rasteirinha da bolsa para calçar, mas aquela paz foi interrompida por Lily, que misteriosamente havia perdido o interesse na dança e vinha ao meu encontro.

— O que você pensa que está fazendo, senhorita Lewis?

— Tentando consertar o que você fez, senhora Starkey! — Respondi em um tom debochado.

— Além de acabar com todo o visual que arrumamos pra você, ainda por cima roubou minha sandália! — Ela largou a mão do Richard e logo colocou as mãos na cintura, irritada.

— Na verdade, não roubei! Aprendi que na sua casa podemos tirar coisas do quarto alheio e devolver depois, como fazemos com os discos da Cyn...

— Me devolve isso e coloca o sapato de volta, anda! — Ela fazia gestos nervosos com a mão para que eu entregasse as sandálias, embora uma delas já estivesse no meu pé.

— Eu posso até fazer isso, mas você sabe que eu moro logo ali e posso pegar o que eu quiser pra calçar, não sabe? — Respondi mal-educadamente.

— Chega! A festa é minha e quem manda aqui sou eu, então eu digo que meus convidados podem calçar o que quiserem!

— Não se mete nisso, Richard! -Retruquei com raiva.

— Mas... Eu estou te defendendo, sua mal-agradecida! — Agora quem parecia estar com raiva era ele.

— Eu não preciso da sua ajuda! — Rebati enquanto colocava o segundo pé da sandália, sem olhar para ele.

Ao levantar a cabeça percebi que Lily e Rick trocavam um olhar indecifrável para mim, mas que deveria significar alguma coisa para eles e ela logo voltou a segurar a mão dele, dizendo:

— Deixa pra lá, Ritchie, vamos voltar a dançar!

Dei de ombros e já ia me levantando também, para voltar a dançar, quando uma velha voz conhecida e irritante começou a caçoar.

— Olha lá, o nanico largou a briguenta e tá de namorada nova!

— Ai Eric, vê se cresce! — Jenny empurrou o irmão, que se afastou em seguida para onde estavam meus outros primos, tão irritantes quanto ele. — Megs, quanto tempo! — Ela me deu um abraço exageradamente apertado, como se não tivesse me visto há anos. — Vocês nunca vêm me visitar em Londres, né?

— Je-Jenny, você tá me esmagaaando! — Disse com dificuldade, mas rindo, até que ela me largou.

— Oh, me desculpa! — E começou a rir também.

— Você que nunca volta pra Liverpool, Jenny! — Richard disse abrindo os braços e só então Jenny se sentiu livre para esmagá-lo também. Talvez ela tivesse hesitado porque Lily estava em cima dele e tudo o mais, porque não era muito comum minha prima doida não sair abraçando todo mundo que vê pela frente.

— Feliz aniversário, Rich!

— Tá, tá, tá, vamos parar com esse agarramento e voltar a dançar! — Eu disse rindo enquanto separava os dois, como sempre fazia.

— Calma, meninas, tem Ritchie pra todas!

— Deixa de ser convencido, garoto! — Dei um empurrão nele só de brincadeira e voltei minha atenção ao outro lado quando ouvi risadas familiares. — Vem George, vamos dançar!

— Ei, mas você tava dançando comigo! — Jimmy logo reclamou.

— Sim, mas a Jenny chegou e não tem com quem dançar... Já imaginou, vir de Londres e ficar sem um par pra dançar?!

— Mas o George tava dançando comigo! — Rita também reclamou, mas com um tom brincalhão.

— Mas essa era a minha vez de dançar com você! — Richard também entrou na brincadeira, só para me irritar.

— Ritchie, você vai me deixar sozinha pra dançar com ela?! — Lily também tinha entrado na brincadeira, embora parecesse assustadoramente séria.

— Credo, gente, mas quanta chatice! Também não quero mais dançar! — Bufei e voltei a me sentar.

— Aaahhh não! Não vai desistir na minha vez de dançar contigo! — George pegou uma das minhas mãos e me puxou da cadeira.

— E eu ainda não disse que deixava você ir com ele! — Jimmy se aproximou de nós com um tom ameaçador, mas visivelmente falso e começou a puxar minha outra mão.

— E eu já disse que o aniversário é meu e eu é que mando! Megan, você vem comigo! — Richard começou a puxar e sacudir meus ombros, tentando me desvencilhar dos outros dois. Nesse ponto todos já estavam rindo, inclusive eu.

— Parem, seus doidos! Já disse que a próxima dança é do George! — Mal terminei de falar e ouvi um pigarro atrás de mim, que fez com que Jimmy e Richard me soltassem, por serem os primeiros a ver do que se tratava, mas George achou que eles apenas tinham desistido e continuou segurando minha mão enquanto olhava na mesma direção que os outros dois. Eu já sabia o que aquilo significava antes mesmo de olhar, mas ao invés de soltar a mão dele, eu não sei o que me deu e a apertei mais ainda.

— Com licença, mocinho... — Meu pai disse dando tapinhas no ombro do George, o que fez com que nos afastássemos. — A próxima dança é minha!

— Mas... Pai!

— Vai ser assim se quiser continuar dançando! Ou dança comigo ou com o Richard.

— Por que não posso dançar com garoto nenhum, mas com o Richard sim? — Perguntei contrariada.

— Porque... Ora, porque já o conheço desde criança, então ele é de confiança!

— Ei, senhor Lewis, se for assim eu também sou de confiança! — Jimmy acrescentou com certo otimismo, mas foi ignorado pelo meu pai.

— E além do mais, o Richard aqui não é como todos os outros garotos...

— Ai, tá bem, tá beeeem! Vamos Richard! Cruzei os braços emburrada e, antes de voltar para a pista de dança acompanhada por ele, tive a impressão de ouvir Lily murmurar algo como: Eu não disse?

Mas não tive muito tempo para pensar nisso, porque não haviam pares suficientes para todas as meninas e nós formamos uma espécie de aglomerado na pista, que dançava e levantava suspeitas sobre aonde teriam ido Dan e Polly, que havia muito tempo ninguém mais tinha visto.


Notas Finais


E então, o que acharam? Eu sempre tinha um pequeno bloqueio quando inventava pontos de vista do Richard, vocês agora deram sorte por já estar tudo escrito e não morrer de curiosidade... 😝
Link pra foto do Jimmy está aqui, estou fazendo tudo por partes porque é uma luta arrumar tudo só pelo cel:
http://65.media.tumblr.com/97237b68908c216f42b18fd7d811b817/tumblr_oh9vzah3zO1viy0l9o1_500.png (
Eu sei que ele parece muito com o Jimmy Page versão mini, mas é só um menino normal com o mesmo nome e a mesma cara fazendo participação especial, viu? kkkkkk)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...