História Good Day Sunshine - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Beatles, The Who
Personagens George Harrison, John Lennon, Keith Moon, Paul McCartney, Personagens Originais, Ringo Starr
Exibições 37
Palavras 1.242
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu ia postar ontem, mas acabei ficando sem internet, na verdade ainda estou, mas consegui alguns minutos de wi-fi com uma alma generosa e aproveitei para vir aqui deixar mais um capítulo pra vocês... Desculpa por ter feito vocês esperarem tanto e aqui está a foto do George no Liverpool Institute para compensar com tanta fofura! ❤

Capítulo 7 - Convite


Fanfic / Fanfiction Good Day Sunshine - Capítulo 7 - Convite

Depois de um silêncio quase sufocante, Richard finalmente começou a falar:

— Eu...

— Foi tudo o que ele disse e voltou a ficar em silêncio.

— Você? — Perguntei, já impaciente.

— Faz tempo que eu tento esconder isso de todo mundo e até de você, mas a verdade é que eu — De repente a porta da sala se abriu, o fazendo parar de falar, enquanto nós dois desviamos o olhar para meu tio Harry que havia acabado de chegar.

— Nossa, que cheiro bom! Estou morrendo de fome... — Ele comentou distraidamente enquanto tirava o paletó e o chapéu, colocando os mesmos no cabideiro.  — Ah, você está aí também, Megan! Vai ficar para o jantar?

— Claro, imagina se eu ia embora depois de sentir esse cheirinho! — Respondi rindo e os dois riram também. Logo meu tio entrou para se trocar e nós ficamos a sós na sala de novo.

— E então Rick? Deixa de enrolar e fala logo!

— Nada não, deixa pra lá... — Ele se levantou depressa para se livrar de mim, sabendo que eu iria perturbá-lo até falar alguma coisa. — Vou lá na cozinha peguntar o que minha mãe tá fazendo, parece ser bom, né?

— Richard, volta aqui! Rich... — Não adiantava mais insistir, ele já estava na cozinha e tudo o que me restava a fazer era ir atrás dele para tentar arrastá-lo de volta, mas quando cheguei lá, minha tia disse para nos sentarmos à mesa porque ela já ia servir o jantar.

Seja lá o que for que ele tinha para me contar, na frente dos adultos é que não iria fazer e ele sabia que eu também não iria perguntar mais nada nessas circunstâncias, por isso se abrigou malandramente sob as vistas da mãe e do padrasto. Dessa vez ele havia escapado e eu não toquei mais no assunto aquele dia, mas me deixar curiosa é pior do que cutucar um vespeiro e ele sabia muito bem que eu podia esquecer por algum tempo, mas toda vez que me lembrasse que ele deixou de me dizer alguma coisa, eu ia perturbá-lo sem dó, até ele me contar.

Ao longo daquela semana, as coisas na escola continuaram com o mesmo tédio de sempre: Aulas chatas, colegas de classe idiotas com os quais eu vivia brigando, melhor amigo que não contava o grande segredo, não importando o quanto eu o perturbasse, aquelas sensações estranhas que continuavam tomando conta de mim quando eu estava com o George (o que era sempre, porque Richard fez o grande favor de se tornar amigo dele) e eu costumava brigar mentalmente comigo mesma para ver se aquilo acabava, o que sempre era em vão. Até que, na quinta-feira, eu fui uma das primeiras a sair da sala, acompanhada pelos meus dois amigos e, enquanto atravessava a porta, ouvi alguém gritar:

— Megan, espera! — Parei imediatamente, olhando para trás e vi que Lily me chamava, mas ainda estava enrolada demais guardando o seu material e disse à Watson. — Corre lá e fala com ela, Rita! Antes que essa apressadinha vá embora... — As três meninas riram quando ela falou isso e Rita veio até mim sorridente, enquanto vi George e Richard se afastarem ao longo do corredor, em direção ao bebedouro.

— Amanhã nós vamos dormir na casa da Lily por causa da festa do pijama, lembra que estávamos falando disso naquele dia que você sentou com a gente? — Assenti com a cabeça e ela continuou. — A Lily deu a ideia de a gente te chamar também... A Polly e eu achamos legal, o que você acha?

— Eu... Não sei se minha mãe deixa... Mas posso falar com ela...

Fiquei tão surpresa com aquele convite inesperado que nem soube responder direito e também não tinha certeza se queria ir ou não, porque passar a sexta-feira e o sábado com pessoas completamente diferentes de mim e que eu sempre julguei fúteis, não me parecia a melhor forma de diversão. Logo as outras duas chegaram ao lado de Rita e Lily me entregou um papelzinho onde estavam escritos, em uma caligrafia perfeita, três números de telefone com seus respectivos nomes acima de cada um deles.

— Vai sim, Meggie! Qualquer coisa, pede pra sua mãe ligar pras nossas, tá bem?

— Tá, vou falar com ela... — Tentei parecer interessada por educação.

— Vai ser muito legal, você vai ver! — Polly Plummer disse tão entusiasmada que estava quase pulando enquanto batia palmas.

— É, eu imagino... — Respondi rindo, mais pela forma engraçada como ela falava da tal festa do pijama, do que pela felicidade de estar sendo convidada.

— Com licença, senhoritas, mas a Meggie é minha e vocês já tiraram ela de mim por tempo demais! — George surgiu atrás de mim e estava com as mãos pousadas sobre meus ombros.

Enquanto eu sentia meu rosto corar, dei um passo para a frente, tentando me livrar de suas mãos, mas foi inútil, porque ele não me largou e as meninas ficaram se cutucando e dando risadinhas, o que deveria significar alguma coisa na linguagem de meninas normais, mas que eu ainda desconhecia.

— Nossa, como você é engraçado, Harrison! — Falei sarcasticamente, tirando as mãos dele dos meus ombros e virei para trás o encarando.

Richard já estava ao seu lado quando eu me virei e acrescentou, mal-humorado:

— Vamos logo, porque hoje a gente tem um monte de dever pra fazer!

— Ah, é mesmo! Que droga! — Me despedi das meninas e fui andando com eles até o portão da escola, resmungando sem parar. — Esse professor passa dever demais! Vou ficar a tarde inteira fazendo isso!

— Você não vai levar a tarde inteira se fizer tudo sem enrolar, Megan... — Richard disse com aquele tom de voz cansado, típico de um pai já está cansado de repetir a mesma coisa mil vezes.

— Eu não enrolo, só não gosto desses deveres chatos, principalmente quando são de matemática

— Eu tive uma ideia, e se nós 3 fizermos isso juntos? Cada um faz um pouco e depois a gente junta tudo e copia um do outro. — Essa era uma péssima ideia e eu logo o contestei.

— Não, George, o professor não vai aceitar se estiver tudo igual e a gente ainda vai levar uma advertência ou acabar indo pra detenção e ter que fazer mais deveres!

— Claro que não, isso é matemática, as respostas TÊM que ser todas iguais! — Ele contra-argumentou com o maior ar de sabichão.

— Ele tá certo, Megan! Assim a gente faz mais rápido... — Richard o apoiou e eu revirei os olhos, finalmente vencida.

— Tá bem, tá bem! Mas se tiver tudo errado e o professor perceber o que a gente fez e passar mais dever por isso, VOCÊS que vão fazer ele por mim, estão me ouvindo?

— Sim, senhora! — Os dois responderam rindo e, assim que saímos do Instituto, George seguiu na direção do ponto de ônibus e Richard e eu fomos pedalando até minha casa.

Ele almoçou lá mesmo e tentamos fazer juntos nossa parte da tarefa, porque eu era realmente péssima em matemática e ele, por mais que também não entendesse muito e odiasse tudo aquilo tanto quanto eu, preferia a praticidade dos números à gramática e outras matérias realmente complicadas onde era preciso escrever demais para que os professores achassem a resposta boa.

No fim da tarde, contei para a minha mãe sobre o convite de Lily, torcendo para ser proibida de ir, mas ela ficou bastante animada pela esperança de finalmente ter uma filha normal e logo ligou para a casa da senhora Powell, pedindo mais informações e confirmando minha presença.


Notas Finais


Tenho que me desculpar mais uma vez pelo Ringo que perdeu a coragem de revelar seu segredo para a Megan, mas não se preocupem porque logo vocês vão saber... Espero que não me matem e que o fato de o Paul aparecer lindamente nos próximos capítulos sirva de consolo! 😝 Muito obrigada a todos que estão favoritando e comentando também!! ❤ Não sei exatamente quando vou conseguir postar o próximo, mas assim que minha situação com a internet se resolver, prometo que que posto os capítulos com mais frequência.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...