História Good Luke - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Casal, Gay, Lgbt, Yaoi
Exibições 15
Palavras 1.508
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Era uma perfeita ilusão


James é aquele tipo de cara que parece um cachorro pequeno, que não sabe como a vida é mas quer viçar mesmo assim...hum, essa comparação foi horrível, ele é bem melhor que isso, mas...não é sobre isso que quero falar.

 

Dois Anos Atrás

 

- Luke, desce que o almoço está na mesa.

- Já estou indo, Mãe.

- Vem logo, antes que você chegue atrasado no colégio, é o seu primeiro dia no novo colégio, você tem que causar uma boa impressão.

- Vocês causaram?

- ...Nem tinha escola direito na nossa época, Luke.

- Certo.

 

Eu amo o Sol, calor, praia, conhecer pessoas novas, fazer novos amigos, isso tudo é maravilhoso, Mãe disse que caso eu não receba nenhuma reclamação a semana toda, Sábado, nós iremos à praia, tem notícia melhor que essa?

 

- Filho, quer que eu te leve no colégio? – pergunta meu Pai.

- Não precisa, Pai. – grito, lá de cima. – Jake vai me levar de carro.

 

Nossa casa tem primeiro andar, meu quarto fica em cima e os dos meus pais embaixo, perto da cozinha e essas coisas desnecessárias.

 

- Vocês são muito amigos, né? – pergunta meu Pai.

 

Na verdade, Jake era meu namorado, mas isso não se conta do nada para uma família religiosa, precisa de preparo.

- Sim, somos sim. – respondi ao meu Pai.

 

Desço as escadas e dou bom dia aos meus pais. Eles eram muito legais, eu os amava muito, meu pai tinha voltado da guerra há um mês atrás, então, ele não era muito presente, eu era mais apegado à minha mãe, conversávamos sobre tudo, inclusive, sobre as ‘’ namoradinhas ‘’, Jake, para ela, é Jaqueline, é engraçado ao mesmo tempo que é errado, mas está tudo na paz, prefiro que seja assim.

 

- Filho, por quê você não leva a Jaqueline à praia conosco? – pergunta meu Pai. – Seria uma boa hora de a conhecermos.

- Seria uma boa hora de eu conhecer uma Jaqueline... – resmungo.

- O quê disse? – pergunta meu Pai.

- Que não conheço direito os pais da Jaqueline. – respondo.

- Hum, então leve o Jake. – diz meu Pai. – Você não vai querer ficar lá com os ‘’ coroas ‘’, não é?

- Que nada, Pai. – digo. – Amo vocês, Jake é só um amigo, mas irei chama-lo sim.

 

A buzina toca, é o Jake.

 

- Luke, vamos logo, mano. – grita Jake.

- Tô indo, calma, mano. – digo.

- Filho, toma sua lancheira. – diz minha Mãe, vindo da cozinha.

- Mãe!! Eu estou no primeiro ano e não na primeira série. – digo.

- Leva mesmo assim. – diz minha Mãe. – Se cuida, filho.

- Tá bem. – digo. – A benção Mãe, A benção Pai.

- Deus te abençoe, filho. – eles dizem.

 

Entro no carro do Jake e vamos em direção ao novo colégio.

- Fui um bom heterossexual? – pergunta Jake.

- Foi sim, mano. – digo.

 

Damos risadas juntos. Jake foi a melhor coisa que me aconteceu, a minha família é perfeita tirando serem contra homossexualismo. Eu não queria contar agora sobre mim e o Jake, não agora, eu tinha tempo suficiente.

Voltei para casa, meus pais me perguntaram como foi o primeiro dia de aula, eu respondi que foi normal e que eu iria gostar bastante de lá, as pessoas eram muito legais e amigáveis comigo, eles sorriram e foram dormir.

Os dias se passaram, até que chegou a tão esperada Sexta-feira, amanhã, que no caso, é Sábado, iriamos à praia e eu estava muito feliz por isso.

 

- Filho, quando chegar, arruma suas coisas para amanhã, e diz ao Jake, que se ele quiser e puder, pode dormir aqui. – diz minha Mãe.

- Tá bem. – digo.

 

A campainha toca, é o Jake.

 

- Bom dia, Senhor e Senhora Carpediem. – diz ele.

- Bom dia, Jake. – meus pais respondem.

- Luke, filho, diga ao seu amiguinho sobre oque estávamos falando. – diz meu Pai.

- Jake, meus pais disseram que se você quiser e puder, você pode dormir aqui. – digo.

- Ah, legal, quando largarmos, passamos lá em casa, peço autorização aos meus pais, pego minhas roupas e venho para cá. – diz Jake, entusiasmado.

- Falem sobre isso no caminho. – diz minha Mãe. – Vocês vão se atrasar.

- Iremos de carro, Mãe. – digo. – Não precisa se preocupar.

- Mesmo assim, é melhor vocês irem logo, pode chover. – diz minha Mãe.

- Mãe, o carro é coberto, não vai nos molhar. – digo, sorrindo.

- Mesmo assim. – diz minha Mãe.

- É melhor irmos logo, antes que ela diga que pode acontecer um terremoto. – digo.

- Ave Maria, menino, não diz isso. – diz minha Mãe, batendo três vezes na madeira.

- Calma, Mãe, estou só brincando. – digo.

- Não se brinca com isso, menino. – diz minha Mãe.

- Tá bem, vem Jake, temos que ir. – digo. – A benção Pai, A benção Mãe.

- Deus te abençoe, filho. – eles dizem.

 

Foi o dia mais cansativo que tive na semana, talvez por ser o último com aula, mas isso não importa, oque importa é que amanhã vou relaxar, ir à praia e ser feliz.

 

- Nunca fui à praia. – diz Jake.

- Então amanhã vai ser sua primeira vez. – digo, sorrindo.

- Sim, e o melhor, vai ser com alguém que eu amo do meu lado. – ele diz.

- Que fofo, melhor namorado do mundo. – eu digo. – Promete nunca me abandonar?

- Prometo, Senhor. – diz Jake, fazendo sinal de continência. – Você vai fazer o quê quando tiver dezoito anos?

- Me alistar, óbvio. – digo.

- E você quer ficar? – pergunta ele.

- Claro que sim, é meu sonho. – digo.

- Então, você vai me abandonar por quatro anos? – pergunta Jake.

- Sim, o lado bom é que você vai sentir tanta saudade que quando eu voltar, iremos aproveitar ao máximo. – digo.

- Promete? – pergunta Jake.

- Prometo, Soldado. – respondo.

 

Chegamos em casa e subo para tomar banho, Jake fica no meu quarto esperando. Depois de uns dez minutos, termino meu banho e saio só de toalha, Jake olha para mim e meu pai chega.

- Ele não é nenhuma bichinha, Pai. – digo.

- Isso aí, filhão. – diz meu Pai. – Mas vim aqui dizer que sua mãe mandou vocês dormirem cedo.

- Iremos dormir cedo, Pai. – digo. – Amanhã é o grande dia, não quero estar com sono.

- Tá bem, A benção Pai. – digo.

- Deus te abençoe, filho. – diz meu Pai.

- Diz a Mãe que pedi a benção dela. – digo.

- Direi sim. – diz meu Pai.

 

Fomos todos dormir, e antes do galo cantar, já estou de pé. Desço, escovo os dentes e vejo meus pais já se arrumando também, Jake ainda não havia acordado. Subo para acorda-lo e...ele já estava sentado na cama, tirando a roupa da mala.

 

- Bom dia. – diz o Jake.

- Bom dia. – digo.

 

Sentamos todos na cozinha e tomamos nosso café antes de sair, meu Pai tem a mania de beber antes de viajar para algum canto e por esse motivo, minha Mãe que dirige o carro dele.

 

- Filho, está bom para você se você for atrás com seu Pai e o Jake for na frente? – pergunta minha Mãe.

- Por quê mãe? – pergunto.

- Porquê você vai levar as comidas. – responde minha Mãe. – E não quero que vocês brincando aí atrás derramem tudo.

- Ah, tá bem, então. – digo.

- Vamos tirar uma foto antes de ir? - pergunta minha Mãe. - Porque, com certeza, iremos ficar queimados do Sol e temos que...

- Já entendemos, Mãe. - digo. - Vamos tirar essa foto logo.

 

 

Tiramos a foto e fomos todos para o carro. A viagem até a praia duraria mais ou menos uma hora e meia, então ficamos cantando as músicas que sabíamos que estavam tocando na rádio, e as que não sabíamos, bem, cantávamos também.

 

- Então, Jake, e as namoradinhas? – pergunta meu Pai.

- Prefiro estudar, Senhor. – diz Jake.

- Tá certo mesmo. – diz meu Pai. – Mulher não presta, ô bicho ruim é a mulher, só trás infelicidade para o cara, menos essa minha, essa aí casei por amor, sabe né, amor.

- Meu Pai fala umas merdas quando tá bêbado, não liga. – digo.

- Jake. – diz meu Pai.

- Sim, diga. – diz Jake.

- Eu achei que tu e meu filho fossem frangos e tivessem se comendo. – diz meu Pai.

- Roger! – diz minha Mãe.

- Pai, eu tenho namorada, esqueceu? – digo.

- Namorada que nunca vimos. – diz meu Pai.

- Roger! – diz minha Mãe.

- Relaxa, estou só brincando com vocês. – diz meu Pai. – Sabemos que vocês são machos, Rose, amor, posso te contar uma coisa?

- Diz. – diz miniha Mãe.

- Eu como a nossa empregada, a Amelia, quando você vai fazer as compras e o Luke está no colégio. – diz meu Pai.

- Roger, eu não acred...

- Relaxa, eu só estava brincan...

- Mãe, o caminhão...

- Senhora Carpe...

 

Não fomos à praia naquele dia, eu não segurei a mão do Jake mais, minha Mãe não fez minha lancheira na Segunda-feira, ao invés disso, meu Pai e eu fomos visita-los no cemitério, um mês depois daquele dia.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...