História Gradual. - Capítulo 4


Escrita por: ~

Exibições 162
Palavras 2.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


EAI GALERAAAA
cá estou eu, com o pulso torcido, com o dedão do pé torcido também, quase toda quebrada por ter caído no chão e postando mais um cap dessa Solangelo com propriedades curativas!!!
quero agradecer por todo o feedback positivo que vocês têm me dado e peço desculpas caso não demore pra responder algum comentário ): ~pessoas esquecidas problems~
não revisei esse capítulo mais do que duas vezes e minha gramática é pÉSSIMA, por isso peço desculpas por eventuais erros de escrita, viu? meu negócio é fazer conta e mexer com anatomia mesmo
mas não resisto a coisa tão maravilhosa que é escrever, apesar de não ser o prof. Pasquale em pessoa <3
boa leitura gente!
E mais uma vez, pretendo fazer um grupo solangelo no wpp, entao quem quiser me chamar, meu número é 1 1 9 8 6 6 4 1 2 8 0 (se eu não botar os espaços o ss barra </3)
boa leitura amorecossssssss
beijos doces e ensolarados de uma filha de apolo <3
OBS: Vocês podem notar uma pequena diferença entre meu jeito de escrever no último capítulo e nesse, é porque o jeito do último é o meu atual e esse capítulo (assim como em algumas partes da fanfic) eu escrevi em maio e só tô' postando agora kdfhskjf
sem enrolação, boa leitura amoress <3

Capítulo 4 - Sol Nascente.


A relação com Nico di Angelo era daquela forma.

Gradual.

E Will Solace estava disposto a esperar e entender cada pequeno passo na aproximação com o filho de Hades.

Surpreendia-se, a cada dia que passava sentia ainda mais dependência do contato com o rapaz, era como alimentar um vício. Quanto mais ficava junto a ele, mais queria, mais necessitava e quando se afastava, era como se um pedaço de si estivesse se afastando junto. Will não compreendia muito bem aquele sentimento, ora, era apenas um garoto de 16 anos apesar de tudo. Poderia ser filho de Apolo, o que todos julgavam como sedutores e namoradeiros, mas com certeza Will não era assim. Nem a maioria de seus irmãos.

Ah, os estereótipos.

Se aquele estereótipo o irritava, imagina como era para Nico aquele que diziam sobre o garoto. Falavam até mesmo que com um único toque, Nico poderia te arrastar para o mundo inferior se pudesse. Óbvio que aquilo era mentira, e Will sentia o ódio crescer dentro de si cada vez que ouvia esses boatos dos filhos de Afrodite. Estavam desperdiçando a oportunidade de ter alguém como Nico di Angelo como amigo.

Mas mesmo que soasse egoísta, Will não ligava. Sobrava mais Nico para ele. Sobrava mais noites de violino e piano com aquele pequeno garoto que se tornara uma parte essencial de seu dia.

Lembrando de tal noite, também se lembrou de quanto recebeu aquele singelo e beijo sobre sua bochecha, um ato que durou poucos que segundos, mas que para si... Era como tivesse durado por horas. E ainda quando tocava sobre sua própria bochecha era como se sentia o toque dos lábios do moreno sobre sua pele.

Quis se estapear com tamanha estupidez de estar tão louco por causa de um simples beijo.

Simples não. Nada era simples com Nico di Angelo.

Fora tirado de seus devaneios quando finalmente estava na porta totalmente preta do chalé 13. O chalé de Hades.

O chalé de Nico di Angelo.

— Nico? — chamou. Prendeu a respiração por alguns segundos e mordeu o lábio inferior, ansioso para poder ver o garoto.

— Estou indo. — murmurou em resposta uma voz sonolenta e não bastou muito para que a figura do filho de Hades aparecesse a sua frente. Era tão adorável vê-lo daquela forma, com seus cabelos desgrenhados pela manhã e o rosto que estampava sono e deixava visível que havia acabado de acordar.

Assistir ao nascer do sol com o filho de Hades havia se tornado um hábito para o filho de Apolo.

— A gente vai se atrasar, Nico. Vamos logo. — resmungou o loiro enquanto fechava a porta do chalé 13. O moreno apenas soltou um resmungo enquanto descia os dois degraus da passadeira de seu chalé. Um bocejo abandonou seus lábios enquanto esticava os braços para poder se espreguiçar e coçar os olhos logo em seguida.

Fitou os olhos azuis de Will e suspirou, desejava que aquela fosse a primeira visão que tivesse ao dia e não a visão das paredes pretas de seu chalé. Era frustrante estar tão acostumado com o brilho e intensidade do azul dos olhos do rapaz e não ter aquela visão dos deuses para lhe agraciar assim que acordasse.

— Desculpe se acabei de acordar e ainda estou com sono. — murmurou baixinho e esfregou os olhos novamente enquanto acompanhava o loiro em direção à praia — Você sempre acordou essa hora, Will?

— Sempre. Mesmo antes de me descobrir semideus. Ver o primeiro raio de sol pela manhã faz eu me sentir renovado e fortalecido. Mesmo que eu durma um pouco mais depois, eu sinto a necessidade de ver o sol nascer.

— E por que você me chama mesmo? — Nico não tinha a intenção de soar ríspido embora seu tom e suas palavras mostrassem o contrário. Após o convívio com o menor, Will aprendera sobre seu jeito de ser e sabia identificar exatamente como Nico era através de seus olhos que há muito deixaram de ser uma incógnita.

— Porque você é meu amigo. — “E é especial demais para mim”, quis completar em pensamentos, mas não estava na hora de confessar o que sentia pelo menor.

Não ainda.

Nico suspirou em derrota e esboçou um leve sorriso, era bom ter alguém para chamar de amigo, era bom ouvir aquelas palavras saírem dos lábios de alguém.

Mas mesmo assim seu peito tinha uma pontada de dor.

Não era exatamente a palavra "amigo" que queria ouvir.

O simples roçar dos braços que ocorria quando casualmente entravam em atrito devido a caminhada fazia o corpo inteiro de Nico arrepiar-se e um estranho frio surgir em sua barriga. O mesmo valia para Will.

Ao chegarem na praia, foram para a pedra em que costumavam a sentar para observar melhor o horizonte. O filho de Hades não sentia mais aquela estranha melancolia ao olhar para o mar e lembrar de Poseidon e consequentemente de seu filho, a única coisa que importava para si realmente naquele momento era estar ao lado daquele loiro de olhos azuis que o encantava como ninguém. Nunca tivera o costume de gostar do sol ou sentir-se bem na luz do mesmo, mas agora que os raios lhe lembravam a tonalidade dos cabelos de certo alguém, toda a história mudava.

— Sabe, Nico... — o filho de Apolo começou a falar, um tanto relutante na escolha das palavras. Nico estranhou, normalmente ficavam em silêncio do momento em que chegavam a praia até o momento em que voltavam aos chalés. Não era nada pessoal, mas Will sabia que o moreno prezava pelo silêncio e ele sabia respeitar aquilo — Eu não sei como dizer isso mas... Meu santo Apolo! Por que isso é tão difícil?

O garoto bufou em frustração e respirou fundo. Nico sentia o coração acelerar a cada segundo.

Solace não diria o que Nico pensava que ele diria, diria?

Não sabia. Seus pensamentos não faziam sentido.

— Eu vou entender caso queira se afastar de mim depois disso. — di Angelo prendeu a respiração, o que ele estava falando? Era estúpido? Jamais se afastaria dele! — Nico, desde a batalha em Manhattan contra Cronos eu tenho reparado em você. No seu jeito... Em tudo. Mas só na batalha contra Gaia eu realmente tive coragem o suficiente para me aproximar de você. Você acha mesmo que eu iria tão despreparado para lutar contra romanos? Era óbvio que era só uma desculpa para chegar perto de você, ver se você estava bem.

"Depois que eu consegui finalmente falar com você e você sumiu da minha visão por aqueles dois dias, eu entrei em pânico pensando que nunca mais iria ver você ou falar com você. Mas então eu tomei coragem quando te vi e... Eu inventei aquela história da enfermaria. Tinha um fundo de verdade, claro, não me leve a mal! Mas eu queria mesmo me tornar mais próximo a você... Me tornar seu amigo."

"E agora que eu consegui isso, eu não quero estragar tudo mas eu... Céus, di Angelo! Você mexe muito mais comigo do que o que eu esperava! Nesses três meses que você passou no Acampamento Meio-Sangue, eu não consigo mais parar de pensar em você nem quando eu estou indo dormir. Não consigo parar de pensar se você está bem ou se pensa em mim dessa forma também. Você está me deixando louco. Eu... Eu estou apaixonado, di Angelo. Eu estou apaixonado por você."

Nico não conseguia processar o que acabara de ouvir.

A voz de Will retumbava em sua orelha e fazia seu corpo inteiro arrepiar e por mais que quisesse sorrir, seu corpo não tinha reação. Estava em choque.

Era correspondido no sentimento que tinha?

Não sabia se o que sentia era amor. Não sabia o que era amor além do amor fraternal. Mas sabia que a necessidade de ter Will ao seu lado significava algo. Sabia que o fato de seu coração acelerar a cada momento que passava com o rapaz era algo.

Sabia que sentia algo.

Estar apaixonado era aquilo?

Era muito mais do que jamais sentira por Percy ou por qualquer outra pessoa.

— Desculpa jogar tudo isso assim. Eu só... Precisava desabafar. Eu vou entender se você quiser se afastar de mim ou algo assim e... Deuses, eu sou estúpido demais, eu sou... — Will não conseguiu terminar de falar. Algo o impedira.

Esperava pela voz de Nico di Angelo gritar que estivesse louco, que não estava em seus sentidos corretos e esperava que o menor lhe mandasse para seu chalé e nunca mais fosse falar consigo.

Mas ao invés disso, novamente, bem como no dia em que haviam tocado juntos, Nico di Angelo o surpreendeu.

Em súbito momento os lábios do garoto já não estavam longe de si e sim sobre os seus. A maciez dos lábios finos do garoto encontrava-se com os seus.

Seu cérebro pareceu desativar. Até mesmo o cérebro do filho de Hades, que não sabia o que lhe dera coragem para isso.

Mas sabia que estava gostando de cada segundo. Uma sensação nova que nunca haviam sentido antes agora dominava cada nervo do corpo dos dois rapazes e não deixava espaço para que a mente de qualquer um pensasse em qualquer outra coisa que não fosse aquele selar de lábios mesmo que tão simplório.

Os lábios de Will não se mexiam, tampouco os de Nico. Apenas mantiveram aquele pequeno contato que os mantinha unidos e ao mesmo tempo fazia com que suas bocas formigassem.

— Eu nunca beijei... — sussurrou Nico ao perceber que não havia movido as bocas. Não era o melhor momento para falar aquilo, mas Will riu baixinho e passou as mãos por seus cabelos.

— Eu te ensino. — uma pontada de dor atravessou o peito de Nico com aquilo. Quem Will teria beijado? — Você só tem de repetir o que eu fizer, tudo bem?

O filho de Hades sussurrou um sim, ainda sem ousar a desgrudar os lábios dos do loiro.

O rapaz mais alto logo começou a mover os lábios contra os do menor e o garoto na tentativa de o acompanhar, devido a tamanho nervosismo, fez com que ambos narizes se chocassem e logo os dois começassem a rir.

— Will eu... Eu não sou tão bom com palavras como você mas eu acho... Eu nunca me senti assim, Will. Você me faz sentir único e... Você me faz sentir seguro, eu nunca senti isso por alguém que não fosse minha irmã. Eu preciso de você, acho que hoje eu não conseguiria passar um dia sequer sem tocar violino com você ou ver o pôr do sol. Eu acho que estou apaixonado, apaixonado por você, Will Solace. — o moreno sussurrou, passando as mãos pelos fios do loiro com cuidado.

— Não sabe o quanto eu fico feliz de ouvir isso, anjo. — murmurou Will, chamando o menor não só pelo nome que não chamava desde o episódio na enfermaria quanto abraçando seu corpo magro com força. O sorriso parecia mal caber em seus lábios e por tamanha proximidade ao menor, este não pôde evitar a sorrir largo. — Eu não conseguiria passar nem um dia sem tocar piano com você ou te acordar cedo vendo essa carranca de mau-humor logo cedo. Eu estou completamente e perdidamente apaixonado por você, Nico di Angelo.

— Quer tentar me beijar de novo?

— Quero. Você vai para a esquerda e eu para a direita, que tal?

— Tudo bem. Aliás, onde você aprendeu isso?

— Não importa. — disse o loiro por fim enrubescendo e não demorando a colar os lábios novamente com os de Nico. Dessa vez, eles conseguiram.

E Nico não poderia se sentir mais feliz.

Os lábios moviam-se um contra o outro com suavidade e carinho, os lábios de Will eram como uma tarde tranquila de verão, eram macios, transmitiam segurança, enquanto os lábios de Nico eram envolventes, como se puxassem ao loiro para seu mundo, era a mais nova droga do loiro, algo que necessitava mais do que tudo. Ambos se envolviam no ósculo de maneira tão profunda que mesmo que naquele exato momento um Titã aparecesse ou se a Mãe-Terra despertasse, eles não perceberiam.

Estavam ocupados demais compartilhando daquele gesto tão carinhoso.

Quando o ar se fez necessário, os dois rapazes de entreolharam e por alguns momentos, o moreno perdeu-se nos olhos azuis como o céu do filho de Apolo. E olhando-o sério e fixamente, disse com voz firme:

— É sério. Quem você tinha beijado antes de mim, Solace?

Will aprendeu não só que os lábios do filho de Hades eram tão viciantes quanto ambrosia. Mas também que o garoto era ciumento.

E Will Solace adorava descobrir a cada dia mais um pouco sobre Nico di Angelo.


Notas Finais


APOSTO QUE ESSE COMECINHO CÊS CONHECEM NÉ
tava louquinha pra' poder postar esse capítulo desde o início da fanfic!!!!!!!!
lembrando que as one-shots se passam no espaço tempo do final de Sangue do Olimpo pra começar As Provações de Apolo e, provavelmente, a fanfic chegará ao final quando Apolo chegar ao CHB
se quiserem falar comigo, além do wpp, meu twitter está a disposição e se eu demorar com os próximos capítulos a culpa é de Gossip Girl <3 https://twitter.com/nishinoyis
ENTAO ME COBREM
beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...