História Grande Paixão - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Romance
Exibições 7
Palavras 1.170
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 23 - Solidão


Fanfic / Fanfiction Grande Paixão - Capítulo 23 - Solidão

nao existe desespero tão absoluto quando aquele que surge nos primeiros momentos de nosso primeiro grande sofrimento, quando nao conhecemos ainda o que é ter sofrido e ser curado, ter se desesperado e recuperado a esperança (George Eliot)



Nem a lua ja se sentiu tão solitária quanto eu me sentia nos últimos dias eu pensava que solidão talvez fosse o pior sentimento, como muitas vezes eu estava  equivocada pois a tristeza se nao empatar com a solidão ela  ganha.

com a solidão talvez so talvez, com uma pitada de sorte você consiga acha uma corda que lhe puxe para a superfície tirando-a desse poço profundo e cheio de sentimentos negros, ja a tristeza  requer muito mais que uma simples corda ela requer esperança e essa esperança muitas vezes e um dos primeiros sentimentos a abandona-la os sentimentos mais belos são sempre os primeiros a desaparecer quando você desistir

porem pensando por outro lado eu tenho uma opção muito pior pois agora estou sozinha em um cativeiro cheirando a mofo com uma leve arramo de sangue ― o meu sangue― eu poderia esta na companhia de um psicopata que seu passa tempo preferido e me ver sangrar e gritar de dor, nem uma das duas são opções animadoras,

Pelo menos deixei de acreditar que alguém viria ao meu soccoro a tempos perdir totalmente a esperança de sair a nao ser pela morte pois essa e a unica esperança que me restou 

Eu quero morrer eu quero ir para o céu onde não a dor,onde não a sofrimento onde não a crueldade onde as pessoas são felizes não quero mais essa solidão não quero mais pertencer a esse mundo cruel onde ninguém se ama onde ninguém se entende onde todos são maus onde uns machucam os outros por pura diversão não quero mais nada disso eu desisto,desculpa mais eu não consigo mais aguentar todo esse sofrimento que passa a me matar aos poucos

Não estou mais viva pelos menos e assim que me sinto apenas existo em um corpo do qual a alma foi tirada e despedaçada, não tenho mas esperança, minha única esperança e a morte eu desisto de tentar manter minha sanidade desisto de tentar me manter bem pois a única coisa que não estou nesses últimos tempos e bem

Eu chorei o suficiente para entender que sou fraca, chorar me deixa muito frágil, esgotada, e cansada não quero mais chorar não quero mais me sentir assim só quero que tudo isso acabe só quero que isso passe não importa como

Dias, talvez semanas, messe nao sei ao certo  parei de tentar contar quando tempo estou aqui faz tempo a unica coisa que posso afirmar e que para mim parece que passei a vida inteira aqui toda essa dolorosa tortura acabou com qualquer estabilidade que uma pessoa possa ter 

Ele me privava do sono de uma maneira diferente , ele me deixava dormir eu apenas não conseguia, tudo nesse cativeiro faz lembra-me das horas que passo sento  torturada, sendo levada ao limite do meu corpo e alma .Os sonhos são tão reais e vivos em mim, meu corpo não me deixa esquecer nem por um segundo de tudo que acontece comigo nesse maldito lugar, eu estou exausta de tudo, eu não quero mais nada , nao desejo mais nada a nao ser talvez a morte nunca a almejei tanto como agora.

depois que você desistir e a unica coisa na vida que você quer e morrer consequência e cautela são coisas inútil a se  pensar, e quando compreendi isso meu passa tempo favorito era provocar Enrico o que so me causava sofrimento porem era uma dor que valia a pena sentir so para ter o prazer de ver sua cara com raiva.

Nosso ultimo encontro me machucou muito mais nao mudaria nada exeto e claro se eu tivesse dito a oportunidade de mata-lo 

Eu estava naquele odioso quarto da tortura, estava amarada pelas mãos e pes em um ferro que lembrava muito um poste, meu corpo ja estava dolorido nao so por hoje mais pelos outros dias tambem, eu estava tão machucada que seria um milagre encontra qualquer parte do meu corpo intacta, hoje ele estava usando um chicote, e para meu azar eu tirei o dia para abrir a boca

tinha acabado de levar um soco na mandíbula, sangue escorria pela minha boca a dor nao era a das piores que ele ja me fez passar porem mesmo assim era o tormento senti-la, teve momentos que fiquei adimirada por ainda nao ter quebrando nem um osso, mesmo com dor mesmo sangrando nao deixei de sorrir, então ele disse 

― voce acha que essa historia vai ter um final feliz nao e mesmo? ― pergunto-me achando graça ― acha que a qualquer momento alguém vai vim salva-lá

como era possivel depois de todo esse tempo ele ainda nao me conhecia olhei no fundo e seus olhos e disse

― finais feliz sao apenas historias que ainda nao chegaram ao final,sao apenas aqueles momentos felizes por qual vale apena viver  

Ele me olha como se eu fosse a maluca do quarto então aporximou-se do meu rosto e disse

― nao entendo porque voce esta fazendo isso, porque nao desisti e me implora para mata-la ?

nao conseguir afastar o sorriso que se abria em meus labios

― porque quando voce ama um coisa por mais banal e sem valo que seja para as outras pessoas  voce luta por elas, e nao desiste ate conseguir protege-las ou realiza-las 

― entao voce se ama? ― pergunta perplexo 

― nao 

― voce ama sua vida? ― pergunta com humor 

  ― Não, eu amo essa pequenha sensação de triufo quando olho nos seus olhos e vejo o quando voce quer que eu desista, que eu implore, quer saber de uma coisa quando mais voce quiser que eu implore mais irei apresiar essa senssação porque ela e a unica coisa que nao me faz desistir 

percebo por sua respirçaõ que ele nao gostou da minha resposta otimo, nao valia apena conta-lhe que eu desistir de mim a tempos, porem essa senssação do tal falei essa sim é verdade 

em fração de segundos ele me desamara, jogando-me no chão com agressividade, depois puxa-me pelos braços me amarrando novamente so que de costa dessa vez, deixando-me de joelhos 

― implore ― grita 

engulo em seco sei que a dor que esta por vim serar terrivelmete dolorosa, e como eu sei que o que esta ruim sempre pode piorar eu disse 

― voce pode ate me matar porem eu nunca vou implorar, morrei negando qualquer coisa que seja a você

com isso ele  me bate com o chicote, o mesmo estrala em meus ouvidos junto com a dor, e sem intervalo entra uma ou outra ele me gopeia sem  parar

Sim eu queria morrer porem iria morrer egoísta ate o final

Ele quer que eu desista porem não sou mulher de facilitar a vida para pessoa como ele

grito desesperadamente, a dor e tão forte que me deixa tonta, e com a dor, queimando, ardendo , minha vista escure e desmaio.


Notas Finais


Bjs ate o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...