História Grávidos! - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Death Note
Personagens L Lawliet, Light Yagami, Mihael "Mello" Keehl, Misa Amane, Nate "Near" River, Rem, Ryuuku
Tags Death Note Mpreg, Lightxl, Mpreg, Yaoi
Exibições 575
Palavras 1.755
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


PESSOAL EU SEI QUE TENHO COMENTÁRIOS A RESPONDER E JURO QUE VOU RESPONDER TODOS, é q dei uma enrolada esse mês kkk mas juro q responderei todinhos, mas vou viajar e ficarei algumas semanas fora e pra n atrasar ainda mais aqui está outro capítulo

Capítulo 15 - Visita Inesperada


-Mello, que nojo! Olha aqui, tem tantos insetos e lama aqui, está grudando nos meus sapatos, paguei muito caro por eles!
-Fique quieta, Misa, você está enchendo meu saco! -o garoto mordeu seu chocolate- Não podemos leva-lo a um hotel cinco estrelas, tem que ser um lugar escondido.

Mais alguns minutos andando e eles chegaram a enorme construção de metal enferrujado, a tinta vermelha ja descascava e o local exalava um cheio podre. Mello abriu a enorme porta dando visão para parte de dentro, estava igualmente putrida; havia uma cama de madeira e um colchão, um vaso sanitário, um chuveiro e ralo -sem box ou divisão, apenas o chuveiro- uma mesa e uma cadeira bem no meio do local. A única fonte de ventilação eram três janelas redondas nas paredes bem acima do chão.
-Se o problema do Lawliet são os bebês -Mello sussurrou para si- Então os tirarei de você e então você me amará!

L P.V.O's

O cheiro de doces me acordou, eu estava… Em meu quarto? Lembrava-me de ter dormido no Jardim. Suspirei, Watari provavelmente havia me carregado pra dentro e deixado meu café sobre a mesa na parte da frente do quarto. Decidi tomar um banho antes de comer, estava cheio de lama, grama, havia bebida encharcando minhas roupas e, estranhamente, minha boca tinha um terrível gosto de… Peixe? Mas não peixe comum, era como comida de gato, oque diabos havia acontecido comigo?

Enquanto a água quente passeava livremente por meu corpo memórias invadiram minha mente de forma violenta. Era uma volta turbulenta ao passado sombrio e velhos fantasmas e remorsos acumulavam-se a minha volta fazendo-me reviver os momentos mais sombrios.
"Eu tinha seis anos. Era uma criança gorda e desengonçada, sempre cheirava a biscoitos e tentava me enturmar de qualquer forma. Claro, não importa o quão bom você seja, ou o quanto seu coração seja puro, tudo se vale a popularidade. 

  Era acostumado com brincadeiras e piadas sobre mim, mas, neste dia as crianças foram longe de mais...

  Eu estava deitado em pleno sábado de sol, estava com uma febre extremamente alta e mal conseguia andar. Ninguém ficou comigo. Mas, assim do nada, um dos meninos me chamaram para brincar -oque nunca acontecia, diga-se de passagem- e, mesmo com febre, me levantei correndo para brincar, afinal, era a primeira vez que era convidado para participar.

  O garoto estava na porta acenando, pulei da cama, mas quando meus pés alcançaram o chão… As crianças haviam enchido o chão de meu quarto com tachinhas pontiagudas e então um mutirão apareceu em minha porta e começaram a tacar tomates e ovos podres em mim.
-Por favor, parem -disse sentindo meu corpo enfraquecer e cair em cima das tachinhas- Estou dodói, vocês estão me machucando…
-Aberração! -uma criança gritou- Você é burro, não devia estar aqui!
-É -o menino de antes concordou- Aqui é só para super dotados…."

Ainda tenho as marcas nos braços e solas dos pés.

Sequei a parede com força sentindo meu peito se afundar e as lágrimas tomarem minha face de modo descontrolado, agora minha mente vagueio até Light e nosso primeiro beijo…

"-Ah Yagami -eu disse e passei delicadamente os dedos sobre seus lábios, ele parara de se debater contra meu corpo e a parede- Apenas aceite…
-Droga, você é irritante -ele soltou um pequeno afago em meus dedos e virou o rosto
    Dei risada disto e segurei em sua cintura colando nossos corpos. Uma de minhas mãos foram até seu rosto o virando novamente para mim e então os selei. Primeiro uma leve mordida no lábio inferior, logo após um selinho que, aos poucos, transformou-se em um beijo e, para minha surpresa, fora ele quem tomara iniciativa de pedir passagem com a língua."

-Light…-sussurrei para eu mesmo e encostei minha testa na parede ao lado de meu punho- Volte…

Light P.V.O

Finalmente tomei coragem para fazer algo de útil em minha vida e fui me banhar e depois iria faxinar a casa, fazer compras, dar uma olhada em catálogos de bebês e coisas assim.

Mas, quando retirei minhas roupas, a situação era pior do que eu pensava. Minhas pernas nem se encostava uma na outra, haviam marcas de cortes e queimaduras por todo minha barriga e marcas roxas pelo meu corpo por falta de vitaminas, já que os bebês estavam sugando cada gotinha de meu corpo, meu cabelo caia só de passear a mão e até mesmo minha barba parou de crescer. Decidi apara-la antes do banho, foi então que notei algo estranho… Pequenas protuberâncias em meus seios.

Primeiro achei que fosse ágil tipo de câncer mas quando os apertei percebi que eram moles e pareciam conter algum tipo de líquido dentro. A merda, merda, merda, MERDA!
-Leite? -disse incrédulo- Eu vou ter peitos cheios de leite?!

  Decidi não pensar nisso por agora e fiz logo oque tinha que faze. Depois enchi a banheira com água quente e sabonete líquido, meu peito se afundou em culpa quando vi as horríveis marcas em minha barriga e para que eu não as esquecesse elas arderam em contato com a água, me fazendo arfar e estremecer.

Mordi o lábio inferior e me afundei na água até o pescoço, acaricei a barriga e senti algo estranho... Um pequena movimentação, que não era perceptível por fora mas eu as sentia por dentro. Era fraca e singela, então outra também foi sentida e após alguns minutos mais uma. Eu não conseguia as sentir com minha mão mas as sentia por dentro como se fizessem cosquinha. Sorri com isso é algumas lágrimas caíram na água, L ficaria louco quando os bebês chorarem a primeira vez.

Lawliet...

Será que eles sentia minha falta? Será que pensava em mim? Tinha mesmo se arrependido do que dissera? Bom, não importa mais.

***

Quando sai do banho fiz um chá e sentei na varanda sentindo a leve brisa de uma manhã nublada e fresca. Estava relaxante. Até que me veio um estalo, eu tinha médico as três e minha barriga estava cheia de marcas, como as explicaria?

Só pensei em um jeito: Maquiagem a prova d'água. Sayu sempre reclamava o quanto era horrível tirar aquilo, então deve que vai funcionar.

Agora eu só tinha dois problemas.
1. Minha barriga marcava em TODAS as minhas blusas. Em todas elas a barriga fazia uma pequena elevação e não tinha como falar que era uma "pancinha de gordura" pois ela estava redonda e firme.
2. Onde se compra essa droga de maquiagem?
O único jeito era usar um casaco por cima e ir ao shopping, é o único lugar que pensei que venderia essas coisas.

  Vesti uma calça e um moletom bem largo, assim qualquer coisa poderia falar que era apenas o moletom grande se alguém reparasse na barriga, tomei um copo de leite, dei maçã ao Ryuuku e peguei um táxi até o shopping. Mas parece que hoje não é minha semana, assim que entrei encontrei Matsuda
-Light!!! -ele gritou chamando a atenção  de todos ao redor, tentei me esconder mas o maldito me achou antes- Eai, como vai?
-Bem, Matsuda, bem… Olha realmente estou ocupado, talvez uma outra hora…
-Ah que isso, vamos tomar um chop em algum tempo seremos da mesma família -ele começou a me puxar em direção a um mini bar na praça de alimentação, senti minha espinha gelar
-Não, Matsuda, não! -tentava me soltar dele desesperamente mas era em vão
-É só uma bebida inocente entre amigos…-ele empurrou-me em uma cadeira bruscamente e se sentou na minha frente, tive uma idéia
-Foi mal, mas não posso beber…-comecei- Hoje é meu aniversário com a Misa, eu tinha esquecido e ela ficou uma fera, vim comprar maquiagem pra ela, se eu chegar em casa com cheiro de álcool ela me mata!
-Ah que droga hein, Light -ele riu- Vamos pelo menos comer algo e tomar um suco então, vou pedir sua irmã em casamento, logo seremos parentes!

  Matsuda e Sayu? Papai irá surtar e, se ele sobreviver, vai tortura-lo lentamente. Coitado. Me levantei para ir embora
-Perdão, Matsuda, marcarmos para outro dia, sabe como a Misa é…
-Tudo bem, mande lembranças a Misa-Misa!
-Pode deixar!

Revirei os olhos e corri dali, era onze horas, eu tinha tempo de comprar algumas roupas e a maquiagem, mas por via dos imprevistos que poderiam acontecer até lá resolvi ir atrás da maquiagem primeiro. Iria usar a mesma desculpa que usei com Matsuda, presente pra namorada.

(…)

  Ao menos o truque da maquiagem deu certo, ela não saiu com o gel do médico e tudo ocorreu bem, os bebes estavam saudáveis e gordinhos, assim como a formação estava ideal. Me joguei no sofá sentindo o pano macio me acolher e então um chuvisco do lado de fora começou, logo se transformando em um temporal de raios e trovões.

Joguei minhas roupas em um canto qualquer do quarto e fui direto ao banheiro deixando a água quente percorrer meu corpo de modo relaxante. Minha barriga crescera muito, ja estava arredondada e firme, se fosse somente um bebê estaria bem menor, ela parece a barriga de cinco meses de uma grávida "comum", graças a Kami não tenho varizes e minha pele continua alva e lisa. Havia ganhado pouco peso até agora, ou talvez eu tenha ganhado e perdido naquela semana em que não comi nada.

Oque será que L estava fazendo neste momento? Talvez roendo algum doce, sentado naquela posição estranha dele olhando a chuva cair no quarto grande. Talvez tenha aberto as portas para Mello novamente e esteja se enterrando nele e gemendo seu nome. Não sabia oque esperar, três semanas haviam se passado desde que sai daquela casa e ele não me ligou, nem para perguntar se as crianças estavam bem. Talvez ele não se importasse.

Fechei o registro e me enrolei no roupão vermelho que estava pendurado no banheiro, calcei chinelos e fui para cozinha, nem me preocupei em me secar. Coloquei água no fogo e peguei os saquinhos de chá para preparar a bebida, mas algo me fez parar: o som da campainha.

Estranhei uma visita mas fui até o local, nem me preocupei em ver no olho mágico, apenas a abri dando de cara com quem eu menos esperava…
-Você? Oque faz aqui?! -disse franzindo o cenho
-Olá Light-kun, que bom te ver!
-Não digo o mesmo…
-Sua barriga cresceu tanto, veja só como está grande...-fui ignorado e senti suas mãos tocarem minha barriga
-Não te dei permissão para me tocar -afastei-me bruscamente
-Light eu… Nós precisamos conversar…
-Acho que não vai querer conversar com uma criança mimada, Lawliet!







Notas Finais


PS:oque vocês acham da Gravidos 2 ser Ômega/Alfa????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...