História Great Little Devil Angel - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), NU'EST, Super Junior
Personagens Heechul, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Minhyun, Personagens Originais, Rap Monster, Ren, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Vhope
Exibições 62
Palavras 2.083
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Fluffy, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu não sei muito o que falar aqui em cima... Prefiro falar lá embaixo... Tenha uma boa leitura e desculpe os erros, o cap ainda não foi revisado... 😙

Capítulo 5 - The Bishop


Fanfic / Fanfiction Great Little Devil Angel - Capítulo 5 - The Bishop

Jungkook pov on'


"Consegue ficar de pé?" Jimin dirige a pergunta à mim que ainda estava sentado no sofá.


"Acho que sim." Respondo fazendo esforço contra o sofá para me levantar e ele me ajuda colocando a mão na minha cintura e passando meu braço por trás do seu pescoço.


"Vamos." Seguimos até a saida quando ele volta o corpo para dentro do apartamento estendendo a mão para o casaco encima do sofá trazendo-o até sua mão. Ele fecha a porta e seguimos para o carro de Hoseok que já se encontrava esperando dentro do automóvel.


******


"...5 pessoas foram assassinadas esse fim de semana, e os suspeitos continuam não indentificados pela polícia. Os corpos foram encontrados em uma floresta, em estado avançado de decomposição, agrupados e sem o coração. Ainda a 27 pessoas que estão desaparecidas, e os parentes não tem noção do paradeiro das mesmas. A polícia ainda não tem ideia de quem possa ser os acusados de tal feito.


     Hoje pela manhã, na escola de Ensino Médio Mahou de Seul, Ji-woo de 18 anos, foi contrada morta no armário de vassouras da escola. Sua morte é um mistério para todos, a polícia já está investigando o caso mas ainda não há suspeitas, a garota foi encontrada sem o coração e acredita-se que tenha sido vítima dos mesmo assassinos dos corpos encontrados na floresta.


     As autoridades pedem que as pessoas não saiam de suas casas desacompanhadas depois das 18:00 pois..." - Hoseok troca a frequência do rádio.


"Eles estão agitados esses dias." - Hoseok fala e começa a tocar uma melodia de um piano. Encosto a cabeça na janela e observo as gotas de chuva correrem pelo vidro da janela do carro enquanto tentava imaginar as possibilidades do que poderiam me acontecer. Minha boca estava seca, e as pontas dos dedos frias. Estava aos cuidados de dois demônios e eles me levavam para um lugar desconhecido para conhece ao bispo, que Hoseok havia mencionado que me ajudaria a descobrir o porquê de eu ser tão especial entre essas criaturas. Coisa que ainda é estranha para mim, que a um tempo atrás ainda tinha uma vida normal como qualquer humano. Mas se até agora não tinha me acordado, era porque tudo isso está realmente acontecendo, e eu preciso começar a me acostumar com a ideia de ser essa tal pessoa que eles dizem que sou. Eu me pergunto, se eu realmente sou capaz?


"Hoseok, porque está falhando?" Jimin, que estava no banco de trás do carro, junto comigo pergutava para o moreno sentado a sua frente. "Sua voz parece fraca na minha cabeça. Você está fraco."


"Estou bem. Foi só um desvio de atenção"


"Quanto tempo faz que você não se alimenta?" Ele permanece em silêncio, aparentemente não conseguiria mentir.


"Você vai acabar caindo a qualquer momento."


"Eu odeio ter que fazer isso."


"Mas é necessário. Você não precisa matar ninguém." Eles permanecessem em silêncio por um curto tempo mas pareciam ainda se comunicar.


"Mas é cruel." Ele terminar e o único som no carro era o que vinha da melodia do rádio.


Volto a olhar para a janela e sinto meu corpo estremecer em frio enquanto sinto a proximidade de Jimin cada vez mais perto, me surpreendo com o mesmo que colocara o seu casaco sobre mim e apertando meu braço tentando passar calor.


"Obrigado" correspondo as ações daquele.


"Você quer que eu te abrace?" Ele pergunta inocente tentando parecer gentil.


"Estou bem, não precisa..." Sinto meu rosto ficar avermelhado e volto a olhar para a janela e acompanhar a água da chuva, já mais fraca, que rolava por ela enquanto aquele que se oferecera para me aquecer volta para seu lugar.


Lá fora, no poste, avistara uma coruja branca, em meio ao sereno, que trocou olhares comigo e logo após se virou e levantou vôo na direção contraria sumindo entre os prédios.


Jungkook pov off'


Autor pov on'


A coruja branca observava o garoto pelo vidro do carro e logo após abre suas asas e voa por cima dos prédios deixando algumas penas para trás e sumindo entre a neblina da chuva que se dissipara lentamente. Ela passa por entre algumas casa e chegara a uma outra rua ela se aproxima do chão e antes que podesse tocar-lo a coruja se transfigura para uma figura humana de cabelos brancos-prateado arrumando o casaco e passando a mão pelos cabelos. Ele entra em um restaurante olhando para os lados da rua. Após entrar no estabelecimento, ele se encaminha até duas pessoas sentadas na janela do restaurante, uma delas tinha uma expressão fria, os cabelos negros que chegavam até o ombro e o outro tinha algumas mechas loiras e estava com os cabelos amarrados, sua boca parecia formar um coração e segurava uma tarça de vinho na palma da mão direita. O de cabelos prateado se senta na cadeira de frente para os dois e enquanto enchia sua tarça com vinho, falava.


"Eu o encontrei..."


Autor pov off'


Jungkook pov on'


Já estava mais aquecido desde aquele momento. Hoseok havia desligado o ar-condicionado após perceber que eu passava frio. Permanecemos em silêncio por um longo tempo. Hoseok cantarolava as músicas que tocavam no rádio enquanto dirigia e Jimin olhava em seu celular. Até que eu, nos momentos olhando pela janela, vejo alguém em meio a neblina que se formava, cerro os olhos, franzindo o cenho tentando ver mais nitidamente que estava ali. "O quê?" Hoseok olhara e via que um garoto de cabelos ruivos se colocara no meio da avenida. Com os cabelos molhados e a camiseta branca encharcada, Taehyung estava parado, olhando para dentro do carro, melancólico, Hoseok para o carro e no mesmo momento, eu saio em meio ao sereno indo a em direção aquele que estava ensopado.


"Taehyung!" Eu grito rouco para ele."Onde você esteve?"


Ele me olha e percebo que seus olhos pareciam lagrimar. "Me desculpe...eu não pude evitar mais... Agora você já sabe."


"Jungkook..." Jimin desce do carro e me acompanha ficando logo atrás e cochicha para que eu possa ouvir.


"Eu queria que a gente não se envolvesse com isso... Mas não posso mudar o que irá acontecer...Agora você anda ao lado deles..." Ele fala e olha de relance para Jimin que estava atrás de min.


"O que você escondia de mim? Que eu corria riscos mesmo sem saber." Eu me coloco mais próximo de Tae olhando em seus olhos. "Por que você nunca se mostrou de verdade..."


"Eu não podia, você não podia saber ainda. Agora eles sabem que você voltou e o ciclo ainda não se completou, seu espírito continua selado..."


"Eu só ouço vocês falarem sobre meu espírito que está preso... Porquê? Por que não me dão explicações mais sensatas!?"


"Jungkook, vamos continuar, o bispo saberá dizer tudo que você precisa." Jimin segura no meu ombro e assim que termina de falar ele olha para Tae.


"Bispo? É muita coragem vocês irem atrás dele." Taehyung inclina a cabeça para o lado.


"Ele também espera pelo mediador e a um tempo perdeu suas esperanças." Jimin responde segurando no meu pulso.


"Você vai com eles? Ou vai voltar comigo?" Tae da um passo a frente colocando a mão no peito. Estava em duvida e talvez a única chace que poderia ter de esclarecer era o tal bispo. Eu olhei para Tae seguindo o olhar para atrás e vendo Jimin, eles me olhavam esperando uma resposta e então tomo uma decisão.


"Desculpe Tae, mas eu preciso de respostas." A situação que me encontrava era de partir o coração. Ter que voltar para o carro e olhar Taehyung parado como se tivesse sido abandonado ele provavelmente estaria me procurando até agora. Eu sintia uma aflição como se tivesse tocado na ferida de alguém. Eu volto a olhar para Tae de dentro do carro e enquanto andavamos fecho os olhos para tentar me controlar. Eu só precisava de explicações agora, nada mais. Abro os olhos novamente e percebo que Tae não estava mas lá, nem em nenhum lugar pelo arredor.


"Podemos seguir em paz agora? Seu anjinho é muito possessivo, não acha?" Hoseok fala olhando para trás com uma expressão um tanto engraçada fazendo um bico e depois voltando para o volante seguindo a viajem.


*******


"Chegamos." Hoseok fala tirando o cinto de segurança e abrindo a porta do carro, assim como Jimin e acabo por fazer o mesmo.


Estavamos de frente para uma casa com o aspecto abandonado, desbotada, com algumas árvores mortas na entrada.


"É aqui?" Pergunto observando ao redor o local.


Jimin me olha e dá um sorriso de lado. "Vem ele deve está lá dentro."


"Vai com calma ai, ele pode ter preparado uma "recepção", sabe?" Hoseok para Jimin segurando seu ombro.


"Então?" Jimin vê Hoseok se aproximar mais da casa até chegar perto dos degraus, ele se agacha e vê um líquido prateado despejado perto da porta e na maçaneta.


"É prata sagrada..." Ele se levanta com cuidado e desce alguns degraus. Se vira olhando para trás lançando o olhar sobre Jimin perguntando "Você consegue abrir a porta?"


Ele dá um sorriso sínico se aproximando do local. "Cuidado..." alertava Hoseok.


Jimin estende a mão apontando para a maçaneta.


"O que é Prata sagrada?" Pergunto para Hoseok e ele responde. "Como água para humanos, como ácido para demônios, é uma substância rara que corroe a pele dos demônios."  Jimin faz um movimento giratória com a mão e em seguida empurra o ar fazendo a porta se abrir. Nós olhamos para dentro da casa escura e caminhamos com cuidado pelo corredor curto. Podia se ouvir o ranger de algumas tábuas podres dentro da casa. Foi então que Hoseok falou.


"Ele está aqui." Nesse momento Jimin se virava para trás e via a ponta de uma adaga próximo do seu nariz sendo segurada pelo homem, moreno, maior que o mesmo. "Owh, mais cuidado por favor..." Jimin se esquivava para trás.


"Ah, são vocês..." O mesmo abaixa a adaga que segurava. "O que querem?" Ele se dirige para uma sala, ligando um abajur encima da cômoda e largando a adaga por ali em seguida se sentando calmamente em uma poltrona um tanto antiga. Na real, tudo parecia antigo no lugar.


"Olá Jin, como tem passado seus dias?" Hoseok lança um sorriso leve para o que se largava na poltrona. Jimin começa a andar pelo local observando a mobília antiga.


"Ficaria melhor se alguns devoradores de alma ficassem longe da minha casa." Ele fala um pouco inquieto com a situação mas não perdendo a postura.


"Precisamos da sua ajuda." Hoseok fala e me puxa para sua frente.


"Quem é você?" Ele pergunta franzindo o cenho e indicando com cabeça na minha direção.


"Nem mesmo eu sei quem sou agora." Respondo a ele.


"Jin, ele é o mediador..." Ele não parecia tão impressionado como os outros. Deu até uma risada pelo nariz e disse.


"Tudo bem, eu sou a Branca de Neve, prazer." Ele tira o anel e coloca na mesinha de madeira ao lado da poltrona.


"Estou falando sério. Jungkook, mostre para ele, mostre a marca."


Eu olho para ele que tinha um sorisso de canto por conta da situação. Puxo a gola da camisa para baixo tentando mostrar a marca de nascença. No mesmo instante Jin muda sua expressão e se senta na poltrona denovo.


"Depois de muito tempo... Você está devolta..." Ouvesse um barulho de coisas caindo no fundo da sala Hoseok olha para lá e vê Jimin colocar os objetos derrubados e outros parado no ar devolta no lugar. "Desculpe..."


"Ele não sabe de muita coisa... E nós sabemos que você tem um oráculo." Foi gentil da parte de Hoseok falar que eu não sabia de muita coisa, até porque eu estava tão perdido nessa história que nem sabia ao menos que dia era hoje.


"Só um instante." Ele saí correndo, indo pelo corredor, subindo as escadas logo em seguida. Eu me sento no sofá de couro envelhecido e Hoseok faz o mesmo. Logo após um tempo ele volta com uma esféra branca brilhante na mão e um livro embaixo do braço esquerdo.


"Você está pronto? Esté é o oráculo do passado. Você só precisa olhar atentamente para dentro do globo, e ele irá te mostrar." Ele entrega a esfera nas minhas mãos e eu olho para dentro dela fixamente até que vejo um flash branco como o de uma máquina fotográfica em meus olhos.


"Eu não quero ficar longe de você..." Ouviu-se a voz abafada de uma mulher no fundo.


Jungkook pov off'


Notas Finais


Se eu sou mal, chato, c**ão, e todos os adjetivos (é adjetivos?) de uma pessoa que para na melhor parte da história? Sim, sou. Isso também tem uma pontinha de vingança...😂😈

Os capítulos estão ficando mais grandinhos, estive mais inspirado esses dias, sabe...Comeback, lançamento do álbum... Enfim. =3

Então? O que acharam? Quem vocês acham que estavam naquele restaurante? Podem comentar se quiserem. Não vou morder ninguém não. XD Eu resolvi fazer um crossover na história. Por que eu iria precisar de mais personagens então, né, Enfim! Espero que gostem desse capítulo. E perdoem minha preguiça... ( ¡_¡) BEZUS E ABRAZUS ... Fui 🏃!! 💜

Ps: O capítulo ainda não foi revisado. Correções são muito bem vinda.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...