História Greedy - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, D.O
Tags Baeksoo, Bdsm, Bondage, Infernal, Violencia
Exibições 315
Palavras 2.365
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá pessoal, sei que tenho todos os motivos para vocês pegarem duas tochas e estacas pra me passar dessa pra outra, mas vão com calminha ;;
Eu estava com uma enorme preguiça misturada com um bloqueio criativo, butttt tive uma inspiração repentina essa noite que se chamava "um suco de laranja, requeijão cremoso num pãozinho quente e a falta de internet" então saiu finalmente o cap final AEEEE, então era só isso mesmo tá.

Capítulo 2 - Mein Herz Brennt


Baekhyun não sabia ao certo quando tudo tinha começado, pensava ter sido no momento em que atingiu de fato o fundo do poço em sua vida que como o próprio dizia, era “fodida para um caralho”.

Ainda se lembrava com perfeição do dia em que conhecera o demônio em questão, o maior deles, o que regia todo o inferno e mandava no fogo eterno, Do Kyungsoo.

Ele havia saído em busca de diversão que suprisse por alguns momentos a dor de viver uma vida miserável por aí. Foi quando encontrou o par de olhos grandes lhe fitando como se pudesse ver a alma, o passado e o futuro, e de fato podia.

Lembrava-se de como as palavras pareciam sair macias daquela boca a qual em momento nenhum foi capaz de desviar os olhos, Kyungsoo desde o primeiro momento tinha lhe prendido, ele só não se dera conta ainda.

Aquele demônio lhe prometera dinheiro, poder, e tudo aquilo encantava Baekhyun numa perspectiva jamais cogitada antes a ser vista. Então ele selou o acordo naquela mesma noite, Baekhyun vendera sua alma ao demônio e em momento algum parecia ter se arrependido daquilo.

Daquele dia em diante, Baekhyun ganhou uma marca, a que lhe fazia ser uma propriedade exclusiva de Do, a marca que lhe fazia repelir qualquer corpo que não fosse o de seu dono, mas ele não reclamava, o baixinho lhe supria tudo de necessário.

- No que está pensando, vadiazinha? – A voz macia do demônio lhe chegou aos ouvidos, mas não só ela lhe atingiu, o tapa em sua bochecha esquerda veio forte, o que lhe fizera quase cair da posição ajoelhada a qual o Do lhe obrigou a permanecer. – Você não tem que usar seu cérebro, use somente a sua boca. – Ditou o demônio enquanto abria suas pernas ao outro.

Baekhyun somente assentiu com sua cabeça, usando os dentes para puxar a última peça que lhe impedia de ter a nudez completa de seu amo, o de olhos grandes se punha somente a observar enquanto em sua mão destra jazia uma taça contendo vinho, não de fato que precisasse, mas para si soava sexy a possibilidade de segurar o pescoço do mais alto e forçá-lo a tomar aquele conteúdo apenas para ver os filetes da bebida lhe escorrendo sobre a pele.

- Coloque uma música antes, vadia, gosto dessas coisas que ouvem por aqui. – O demônio ordenou e Baekhyun somente terminou de puxar a peça íntima através dos tornozelos alheios e a deixou cair para o chão.

- O que quer ouvir, mestre? – Não hesito em perguntar, Do era imprevisível e Baekhyun não estava a fim de ter que deixar de comparecer à sua empresa no dia seguinte por estar todo fodido de tanto apanhar.

- Industrial. – Foi curto e grosso ao olhar para o outro que já tinha se erguido e agora seguia para sua pequena aparelhagem sonora para escolher digitalmente a música que ele queria ouvir.

Baekhyun em poucos segundos achou em sua playlist pessoal sua banda preferida que não coincidentemente era industrial, sorriu com o pensamento de que Kyungsoo queria dar aquela colher de chá para si.

Assim que selecionou o álbum Mutter de sua banda favorita, Rammstein, afinal era um grande fã de metal, mesmo que não parecesse quando estava enfiado em seus ternos caríssimos.

Ao soar do toque inicial da primeira música do cd, Kyungsoo sorriu, ele gostava muito daquela.

- Mein Herz Brennt? – Sorriu de canto o olhudo enquanto via seu servo se ajoelhar novamente perante a si. – Seu coração queima por mim, Baekhyun? – Riu baixo e ergueu seu pé ao rosto alheio.

- Sim mestre, ele queima. – Respondeu sutilmente com toda a submissão existente em seu ser.

Kyungsoo não hesitou em esfregar seus dedos contra o rosto branquinho, procurando enfiar dois de seus dedos dentro da boca alheia que os recebeu muito bem.

- Eles estão sujos por eu ter pisado nessa sua casa, limpe-os com a sua língua, é o mínimo que você pode fazer. – Usou aquela metáfora, a casa do outro sempre estava impecável em se tratando de limpeza, mas Kyungsoo sentia um prazer irrefreável em se tratar de humilhações.

Baekhyun nada disse, somente obedeceu ao seu dominador, sugando os dedos e usando sua língua para “limpar” os dedos do outro, e também parte do solado o qual fora obrigado a lamber.

- Está sendo um bom menino, talvez eu te permita me beijar. – Disse desdenhoso, não era sempre que gostava do contato bucal com o humano.

Assim que se sentiu satisfeito, Kyungsoo somente tirou seu pé dali e o pisou no chão de novo. Seu olhar que foi direto ao próprio falo teso e pulsante, indicou o que queria, e por conhecer seu demônio, Baekhyun não precisou de mais nada para entender o próximo passo a ser cumprido. Felação.

Devagar se encostou contra ele, engatinhando como um bom submisso que tinha se tornado e iniciou roçando o rosto contra a pele macia e quase fervente do mais baixo e sem demoras subiu à virilha e ali iniciou uma trilha de beijos molhados até chegar aos testículos os quais “mordeu” usando os lábios e puxou suavemente a pele flácida do local e ao soltá-la pode enfim abocanhar os dois de uma só vez.

“Que bela vadia gulosa eu criei” Kyungsoo pensou e sorriu com tal idealização mental.

Baekhyun adorava agradar ao seu dono, por isso sempre dava tanto de si para chupar com vigor cada um, e simultaneamente ambos os testículos. O demônio adorava e não poupava gemidos para o humano, que deleitava-se com os sons roucos os quais seu sono estava lhe dando o ilustre prazer de poder ouvir.

A mão foi direto à nuca alheia e entre os fios lisos do jovem humano, Kyungsoo embrenhou os dedos, enlaçando as mechas às suas falanges e apertando-as com força em demasia, para que com a mesma rudeza, empurrasse a cabeça enquanto fitava-o com seus mais puro olhar de luxúria.

Kyungsoo estava se esgotando daquela brincadeira somente em seus testículos, e aproveitando a mão já posta na cabeça do outro para puxá-la, o obrigando a soltar os testículos e partir para a segunda fase da felação.

A expectativa brilhava nos olhos grandes e se concretizou ao ter a boca macia descendo através do falo teso que pulsava cada vez mais, deixando suas veias em estado totalmente aparente, e que Baekhyun particularmente achava sexy em muito.

O demônio permitiu sua cabeça de tombar para o lado, deixando a maçã do rosto tocar o ombro enquanto seus orbes escuros como a noite estavam a captar cada segundo daquele contato delicioso.

Chupá-lo era a coisa que Baekhyun mais gostava, logo depois de ser fodido com força até perder a consciência ou a noção de espaço e tempo. Por isso sempre que o chupava, o jovem gostava de fazer ruídos de sucção, sabia que aquilo atraía ainda mais o predador que habitava as trevas no interior de Kyungsoo.

O demônio permitiu ainda mais alguns minutos de felação, e quando julgou estar sedento demais pelo interior de Baekhyun, puxou sua cabeça mais uma vez, para que soltasse de uma vez por todas seu falo e como sempre, o loiro fechou os olhos, o que veio em seguida lhe era muito conhecido, um tapa forte e certeiro na bochecha fofinha, e assim a marca de cinco dedos, uma palma e todas as linhas desta, estavam estampados na cútis leitosa.

- Venha, sente-se em mim. – Kyungsoo ordenou e logo viu o outro erguer-se do chão, o olhar ainda baixo, era incrível como reconhecia seu lugar.

Por acordo de ambos, em momentos sexuais, Baekhyun nunca estava vestido, somente o demônio, e como este já estava sem suas roupas, agora estavam nus e prontos para finalmente ocorrer o ápice de toda a sujeira que amavam fazer.

Assim que Baekhyun fora sentar em seu colo, Kyungsoo ergueu a mão e indicou que parasse, ele então prontamente obedeceu.

- De costas, não quero olhar para a sua cara de vadia. – Kyungsoo sentenciou ao humano enquanto o via começar a atender.

Kyungsoo segurou seu falo e estendeu um dos braços para pegar no pulso do Byun e o puxar para trás, fazendo com que caísse sentado em seu colo, este estão se ergueu minimamente, deixando o demônio poder encaixar seu sexo rente ao anel muscular que o loiro possuía por entre as nádegas e assim que metade de sua glande penetrou-o, Kyungsoo o soltou, deixando que as mãos fossem direto à altura da cintura fina e ali apertou com possessividade, deixando seus dedos marcarem mais uma vez a pele do outro.

Àquela altura no quarto já ecoava pelo quarto uma mescla entre gemidos e riffs de guitarra vindos da música a qual Baekhyun tinha colocado para tocar em ordem de seu senhor.

Baekhyun pôs-se em pontas dos pés para equilibrar melhor o corpo, mesmo que soubesse que Kyungsoo não o deixaria cair. Suas nádegas subiam e desciam com fervor, fazendo o membro sumir e reaparecer por entre elas, enquanto por dentro estava mais uma vez a ser deflorado pelo implacável desejo sexual contido naquele demônio.

A cada vez que Baekhyun chegava à base, sentando com força contra a virilha do moreno, rebolava um tantinho, queria não só agradar ao outro, como sentir prazer e estímulos em sua próstata a cada vez em que girava seu quadril sobre o colo do moreno.

A boca carnuda percorreu a linha do ombro alheio, passando pela clavícula até o pescoço, onde aspirou o aroma doce que a pele alheia tinha. Mesmo o tratando mal em momentos íntimos, para Kyungsoo, aquele humano tinha um cheiro inegavelmente delicioso.

Seus dentinhos que eram bem pequenos por sinal, cravaram-se em torno da pele, marcando o Byun, que mais uma vez gritou, mesmo que amasse quando Kyungsoo lhe mordia de forma tão violenta que sua pele simplesmente cedia e ele sangrava.

Excitou-se ainda mais quando a mordida de Kyungsoo acarretou um corte que formou dali uma cascata de sangue que manchou seu peito, chegando aos dedos que seguravam sua cintura e o demônio fez questão de mover a mão esquerda sobre todo aquele sangue, espalhando-o cada vez mais ao longo do peito e abdômen do jovem.

Kyungsoo esfregou sua língua áspera contra o corte, estancando vagarosamente o sangramento, e o que restou em seu músculo oral, engoliu com gosto, como quem se alimenta de algo verdadeiramente saboroso.

Seu sexo ia cada vez mais fundo no canal apertado do Byun, testando todos os limites humanos que seu corpo poderia suportar. A mão suja de sangue, dedilhou a pele, buscando fazer aquele pequeno favor ao seu servo.

Assim que aquela envolvera a extensão do pênis negligenciado, Baekhyun gemeu como nunca, os estímulos anais estavam sendo enormes em si, e contando com o novo estímulo que passou a receber em forma de masturbação, o loirinho não poupou gemidos para agraciar ao outro.

- Saia e deite-se na cama, Baekhyun. – Mais uma vez Kyungsoo ordenou ao humano, e este mesmo relutante, parou de se mover contra o ser infernal e ergueu-se dali.

Poucos passos até a cama, deitou-se no centro do colchão, suas pernas abertas foram um convite aberto ao moreno, e ele certamente não demoraria a aceitá-lo com imenso gosto.

Kyungsoo somente precisou virar o corpo e engatinhar até o meio das pernas do jovem. Mas o que mais lhe excitou foi a visão de uma bagunça que para si havia sido uma visão de própria luxúria. Baekhyun deitado, entregue a si de todos os modos, com um pênis duro por consequência sua, e todo o tronco em uma sujeira de sangue e suor.

O moreno tomou seu lugar por direito, entre as pernas do jovem e mais uma vez tratou de encaixar seu pênis duro contra o pequeno buraquinho que lhe abrigou assim que com estocada única voltou a estar todo ali dentro.

Naquela posição Kyungsoo pôde colocar suas duas mãos ao lado da cabeça do Byun, e fitar as diversas reações que seu rosto representaria toda vez em que fosse fundo, testando sua capacidade até o máximo.

Deu mais uma colher de chá ao outro, assim que abaixou seu quadril o suficiente para que o abdômen servisse como meio de masturbar ao pênis do loiro enquanto seu corpo se afastava e voltava a se aproximar, em sequência, indo e vindo, entrando e saindo cada vez com mais brutidão, em seu ritmo animalesco, Baekhyun julgava estar quase inapto para aguentar tanto prazer em uma única dose.

Ele só saiu do estado de quase transe ao ter a sensação conhecida de formigamento em sua área pélvica, dando espaço à dilatação da uretra e finalmente pode expelir todo o seu sêmen entre os corpos.

Kyungsoo gostou do modo como o qual o esperma fez seu corpo deslizar ainda mais facilmente sobre o de seu semelhante. Pode ir ainda mais rápido.

Ele também estava perto, odiava prolongar muito depois que Baekhyun gozava.

Necessitou de mais poucas estocadas dentro do interior que estava se contraindo pelo recente orgasmo, e aquilo lhe dava uma sensação ainda melhor de prazer, senti-lo mais apertado e menos apertado, mexia com seu ponto mais erógeno.

Um gemido rouco cortou sua garganta, e em um movimento inesperado, Kyungsoo abaixou sua cabeça, deixando o rosto colado ao do Byun, unindo os lábios num beijo o qual não foi necessária a língua.

Kyungsoo jurou que beijá-lo no crucial momento em que gozou, tinha sido melhor ainda. Mas não externaria aquele pensamento de forma alguma.

Aos poucos o beijo foi separado, assim como desconectou seu pênis mole do interior o qual tinha enchido com todo o seu sêmen.

Os braços ainda serviram de apoio por alguns momentos curtos, e usando destes, impulsionou o corpo para cima, saindo daquela posição e mais uma vez voltando ao estado inicial quando estava somente sentado à beira da cama do outro.

O peito do jovem subia e descia em descompasse, mas ele não se importava, era sempre assim, Kyungsoo sempre deixava seu corpo em farrapos, mas ele sempre estava ansiando pela próxima vez.

- Kyungsoo... Preciso que renove o meu contrato. – O humano disse enquanto fitava as costas do outro.

O demônio nada disse, e Baekhyun também não sabia, mas dos lábios grossos um sorriso brotou.


Notas Finais


Bem pessoal, foi isso, espero que tenham gostado dessa minha pequena 2shot, e por favor, caso alguém queira usar algo que eu escrevi aqui, eu imploro para que ME PEÇA, eu não me importo em doar partes desta ou de qualquer outra fanfic, mas é realmente chato a gente ter todo um trabalho de tentar criar um conteúdo legal e então alguém usar sem a sua permissão, e como internet é famoso "mundão de meu deus" e essa ideia de "Copyright © All Rights Reserved" não parece ser válida, então vou apelar pro bom senso hm? Bem, foi isso e até a próxima. ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...